Authors Posts by editores contramao

editores contramao

561 POSTS 1 COMMENTS

0 358
Reprodução: Campanha Novembro Azul

Com o objetivo de quebrar barreiras e derrubar tabus que ainda existem na sociedade quando o assunto é câncer de próstata e tudo o que gira em torno da enfermidade, a  Campanha Novembro Azul vem para a conscientização. Urologistas tentam alertar para o fato de que a patologia está entre as três mais incidentes e para que esse quadro mude é preciso levar informação e passá-la adiante. Pois, a única barreira que há entre a prevenção e o diagnóstico: é o preconceito.

Os dados apresentados pela Coalização Internacional para o Câncer de Próstata, o IPCC, são alarmantes. Eles mostram que 47% dos homens descobrem a doença em estágio avançado e desconhecem seus sintomas e são 1,1 milhão de homens afetados pela doença e 307 mil mortes no mundo, sendo que apenas no Brasil estima-se um total de 61.200 casos.

Diante desses dados a Campanha tem como principal foco alertar a sociedade da necessidade da prevenção, assim como o de um diagnóstico precoce, já que o sucesso do tratamento depende do estágio em que a doença foi diagnosticada. De acordo com Leonardo Pimentel, radio-oncologista da Radiocare quando a enfermidade é descoberta cedo, as chances de cura são muito altas, podendo chegar a mais de 90%.

Ainda segundo Pimentel a idade ideal para que os homens deem início aos exames periódicos variam de acordo com vários fatores: histórico familiar de câncer de próstata, 45 anos, ou que possuam mais de um parente de primeiro grau diagnosticado, 40 anos. Mas para os homens que não se enquadram nos grupos de maior risco, a idade para dar início aos exames anuais é de 50 anos.

Os médicos atentam para o fato de que o câncer de próstata é uma doença silenciosa, como explica o professor e urologista adjunto da Faculdade de Medicina da UFMG Bruno Mello: “Existem exames que podem ser realizados em pessoas que não possuam indícios ou sintoma da doença, os exames de rastreamento. Como o câncer de próstata usualmente só causa sintomas quando em estágio avançado, somente a prevenção pode detectar a doença de forma mais precoce”, finaliza.

Em 2014, a Lei 13.045 foi aprovada. Ela garante que o exame de próstata seja feito pelo SUS.

Para mais informações visite o site do INCA.

Por Ana Paula Tinoco

0 270

“Não entendia como a vida funcionava, discriminação por causa da sua classe e sua cor”: essas foram as palavras de Renato Russo para demonstrar um pedaço da trajetória de vida de João de Santo Cristo, que desde criança já sofria com o preconceito, na canção Faroeste Caboclo. Palavras que, ainda hoje, descrevem a infância das crianças, que perdem a inocência quando expostas aos mais cruéis comentários que recebem de seus colegas ou, até mesmo, de seus familiares, na nossa sociedade.

 A discriminação começa a fazer parte da vida dessas crianças a partir da descoberta das diferenças, período em que as brincadeiras tendem à humilhação, sem saber o quanto isso interfere na vida. Muitos acabam se isolando da sociedade e do seu núcleo de convívio, desenvolvendo dificuldades em socializar e com queda na autoestima.

No vídeo abaixo, crianças de dez a doze anos narram tristes situações vividas por elas. Apesar da pouca idade, elas relatam o desejo de um mundo livre de preconceito e de padronização.

Matéria produzida pelos alunos do quarto período de Jornalismo Multimídia, Laryssa Xavier e Jeferson Ferreira, com imagens de Priscyla Fideles, na disciplina de TIDIR/JOR2B.

3 452

Ex-dependente químico conta como seus pais e filhos ajudaram em sua recuperação

Em 1989 é lançado o quarto álbum da Legião Urbana,” As Quatro Estações“. O mesmo ficou marcado por abordar temas como bissexualidade, presentes na música Meninos e Meninas e Maurício, e também a religião, como em Monte Castelo. O disco é composto de onze faixas, sendo que nove ficaram como as mais conhecidas da banda e fizeram grande sucesso sendo lembradas e apreciadas pelos fãs até os dias de hoje.

A música aborda ideias de um relacionamento entre pais e filhos que por muitas vezes são conturbados pela falta de diálogo entre os mesmos. Entre os sucessos do álbum, a canção Pais e Filhos, marcou a história da banda com sua letra que nos leva a reflexão. A música foi dedicada a uma amiga de Renato Russo que se jogou do 5° andar de um prédio em Brasília após ter discutido com os pais. Renato Russo sempre comentava que se sentia muito triste quando a cantava, por esse motivo a mesma não foi muito tocada nos shows realizados pela banda.

O relato intimista de Rogério sobre como a família se torna fundamental

Assim como a amiga de Renato, Rogério da Cruz Vieira, 54 anos, aposentado por invalidez por uso abusivo de substância psicoativa, também vivenciou momentos muito conturbados em sua família, sua dependência química o levou ao “fundo do poço”:  “Quando a doença se instalou no meu corpo, na minha alma e no meu espírito não tinha relação com ninguém que não fosse usuário. Relações afetivas muito conturbadas, praticamente zero.” revelou Rogério ao contar sobre sua relação com as drogas e os danos no qual trouxe a sua vida afetiva.

Rogério da Cruz Vieira, começou a se envolver com drogas aos 13 anos de idade: “Me ofereceram várias vezes em frente à casa onde morava no Rio de Janeiro. Se tratando de onde eu morava não era difícil”. Quando deu por si, Rogério já estava mexendo com todo tipo de droga, passou pela maconha, crack, álcool e cocaína entre outras drogas consideradas “pesadas”.

A relação familiar de Rogério era totalmente conturbada, as brigas eram constantes, fazendo com que ele utilizasse as drogas como uma fuga da realidade. Mesmo em um ambiente de muito conflito seus pais, principalmente sua mãe, no qual foi muito importante em seu processo de recuperação, não desistiu de seu filho: “Meu pai faleceu muito cedo não chegou a ver meu fundo de poço nem de fossa, mas minha mãe foi muito importante na minha recuperação. Mesmo assim só fiz um processo de recuperação quando eu estava para morrer literalmente, por mim primeiro depois para as pessoas ao meu redor. ”

Com o passar dos anos, Rogério conta que após sua recuperação, tudo melhorou em sua vida, mas, mesmo assim, a droga deixou diversos traumas: “Estou bem com 54 anos e estou colhendo o que eu plantei, Diabetes, água na pleura, cego do olho esquerdo, tomando remédio controlado, fígado doente, enfim, tudo que herdei dos anos de uso”.

Assim como Rogério diversas pessoas que passam pelo processo de tratamento de dependência química, falam da importância da família e a força de vontade no qual a mesma traz para sua vida “. Bem hoje meu filho mais novo dos três está com 30 anos, outra 33 e outra 40. São muito bem organizados nas suas vidas e não se embrenharam nas mazelas do pai que no início foi um (barato) e depois virou uma doença progressiva incurável e de fins fatais. ”

Trabalho produzido pelas alunas do quarto período de jornalismo, Marina Andrade, Marcela Pereira e Hellen Cristina,  na disciplina de TIDIR/JOR2B

0 331

O movimento Outubro Rosa originou-se nos Estados Unidos, a partir da década de 1990, onde vários Estados promoviam ações sobre o câncer de mama e a mamografia. Durante esse período o Congresso Americano aprovou o mês de Outubro oficialmente como referencial na prevenção ao câncer de mama  no país. A utilização do laço cor de rosa foi inspirado na campanha da Fundação Susan G. Komen for the Cure, realizada em Nova York, também em 1990, onde vários laços foram distribuídos aos participantes da Corrida pela Cura.

A primeira ação do movimento no Brasil, foi no dia 02 de Outubro de 2002, com a iluminação do monumento Mausoléu do Soldado Constitucionalista (Obelisco do Ibirapuera), em São Paulo, a partir da iniciativa de um grupo de mulheres que apoiavam a causa. A partir daí lugares históricos, privados e outros espaços públicos, aderiram a campanha para a conscientização da prevenção do câncer de mama. Lugares em Belo Horizonte, como o Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais, o Centro Cultural Banco do Brasil, o Palácio da Liberdade, receberam a luz rosa neste ano.

Segundo o National Comprehensive Cancer Network (NCCN) o câncer, de forma geral, não tem causa e caracteriza-se pelo crescimento rápido das células que podem se multiplicar pelo corpo, essas células podem ser agressivas e gerarem tumores malignos (câncer).

O câncer de mama geralmente afeta mulheres acima dos 35 anos e ainda não foi descoberto uma só causa da doença, os fatores de risco que podem influenciar são: a genética, mulheres que tiveram a menstruação precocemente, a primeira gravidez após os 30 anos e a menopausa depois dos 50.

Em 2015, foram registrados pelo Instituto Nacional de Câncer (INCA), aproximadamente 57.120 mil casos de câncer de mama no Brasil e a estimativa para 2016 são de 57.960 novos casos.

Em prol do movimento e com o intuito de conscientizar a população, o Jornal Contramão entrevistou duas mulheres que foram diagnosticadas com a doença e através do tratamento conseguiram superá-la. Ângela Marques, 58, e Helenice de Souza, 61, contam sua história de luta e força. Assista: 

Texto: Gabriella Pimentel

0 329

Finalmente, a cidade de Belo Horizonte conheceu o novo prefeito que irá chefiar a prefeitura a partir de 2017. No domingo, 30, o candidato Alexandre Kalil (PHS) venceu o segundo turno das eleições municipais da capital mineira. Com 52,98% dos votos válidos, Kalil superou seu concorrente e, até então favorito, o candidato João Leite (PSDB) com uma vantagem de 5% de diferença.

Alexandre Kalil é natural de Belo Horizonte e empresário do ramo da construção civil. Assim como o seu pai, Elias Kalil, ele foi um dos presidentes do time de futebol da cidade, o Clube Atlético Mineiro. Com 57 anos, Kalil se consagrou prefeito da cidade no primeiro pleito por ele disputado. No ano de 2014, candidatou-se para as eleições federais concorrendo a Deputado Federal, em Brasília. Porém, durante a campanha, desistiu de concorrer ao mandato no legislativo federal.

Apresentando-se como uma figura “não política”, seu discurso direto e muitas vezes direcionado às classes mais carentes da população, por meio de uma forma simplista, o tornaram figura popular durante o primeiro e o segundo turno que, até então, era liderado por outros candidatos, já conhecidos da população, como o peessedebista João Leite.

742.050 eleitores somam abstenções, votos brancos e nulos

Assim como no primeiro turno, o que chamou a atenção foram os números de abstenções, votos brancos e nulos. No total, 742.050 eleitores deixaram de ir às urnas ou não optaram por um dos dois candidatos válidos que disputaram a prefeitura de BH. Esse número representa 38,49% do número de eleitores da cidade. Mas, esse número foi superior aos votos conquistados por Alexandre Kalil, que representaram 628.050 votos.

A partir de 2017, na Câmara dos Vereadores da cidade, o prefeito eleito terá o apoio direto de quatro novos vereadores que pertencem ao seu partido, Oswaldo Lopes, Gabriel Azevedo, Wesley da Auto Escola e Hélio da Farmácia. Ao longo dos próximos quatro anos, o novo prefeito terá pela frente o desafio de cumprir com as promessas realizadas durante a sua campanha, dentre elas: ampliar a quantidade de crianças matriculadas em ensino pré-escolar; aumentar as políticas públicas destinadas para diminuir o número de acidentes no trânsito; auditar as ciclovias existentes na cidade; criar a Secretaria da Cultura; fiscalizar pontos de maior vulnerabilidade da segurança e a ampliação e cobertura do programa Saúde da Família e dos Núcleos de Apoio à Saúde Familiar.

Fotografia e Reportagem: Lucas D’Ambrosio

0 365
Foto Divulgação Playstation 4

O Halloween chegou à América do Norte com os irlandeses em 1840. A festa, que tinha como base antigos valores da cultura bárbaro-cristã da Europa Medieval, nasce como uma preocupação simbólica onde a tradição é cercada por figuras estranhas e bizarras, tendo como objetivo afastar a influência dos maus espíritos que ameaçariam suas colheitas.

Uma das lendas de origem celta fala que os espíritos de todos que morreram ao longo daquele ano voltariam à procura de corpos vivos para possuir e usar pelo próximo ano. Os celtas acreditavam ser a única chance de vida após a morte. Os celtas acreditaram em todas as leis de espaço e tempo, o que permitia que o mundo dos espíritos se misturassem com o dos vivos. Como os vivos não queriam ser possuídos, na noite do dia 31 de outubro, apagavam as tochas e fogueiras de suas casa, para que elas se tornassem frias e desagradáveis, colocavam fantasias e ruidosamente desfilavam em torno do bairro, sendo tão destrutivos quanto possível, a fim de assustar os que procuravam corpos para possuir.

Hoje tem mais cunho social. Para comemorar o 31 de outubro separamos uma lista de filmes de terror das antigas, para mexer com seu psicológico e quem sabe as profundezas do gênero terror da sétima arte.

  • O Exorcista – 1973

Em Georgetown, Washington, uma atriz vai gradativamente tomando consciência que a sua filha de doze anos está tendo um comportamento completamente assustador. Deste modo, ela pede ajuda a um padre, que também um psiquiatra, e este chega a conclusão de que a garota está possuída pelo demônio. Ele solicita então a ajuda de um segundo sacerdote, especialista em exorcismo, para tentar livrar a menina desta terrível possessão. 

  • O Bebê de Rosemary – 1969

Um jovem casal, Rosemarey (Mia Farrow) e Guy Woodhouse (John Cassavetes), se muda para um prédio habitado por estranhas pessoas, onde coisas bizarras acontecem. Quando ela engravida, passa a ter estranhas alucinações e vê o seu marido se envolver com os vizinhos, uma seita de bruxas que quer que ela dê luz ao Filho das Trevas.

  • A Profecia – 1977

Um diplomata americano preocupado em não chocar a esposa, em virtude da morte do seu filho ao nascer, lhe oculta o fato e adota um recém-nascido de origem desconhecida. Mortes misteriosas começam a cercar a família do homem, que sem saber, pode estar criando o AntiCristo em pessoa.

  • Psicose – 1960

Marion Crane é uma secretária (Janet Leigh) que rouba 40 mil dólares da imobiliária onde trabalha para se casar e começar uma nova vida. Durante a fuga à carro, ela enfrenta uma forte tempestade, erra o caminho e chega em um velho hotel. O estabelecimento é administrado por um sujeito atencioso chamado Norman Bates (Anthony Perkins), que nutre um forte respeito e temor por sua mãe. Marion decide passar a noite no local, sem saber o perigo que a cerca.

  • Halloween – A Noite de Terror – 1978

Michael Myers (Tony Moran) é um psicopata que vive em uma instituição há 15 anos, desde quando matou sua própria irmã. Porém, ele consegue fugir de seu cativeiro e retorna à sua cidade natal para continuar seus crimes na localidade que, aterrorizada, ainda se lembra dele.

  • O Iluminado – 1980

Durante o inverno, um homem (Jack Nicholson) é contratado para ficar como vigia em um hotel no Colorado e vai para lá com a mulher (Shelley Duvall) e seu filho (Danny Lloyd). Porém, o contínuo isolamento começa a lhe causar problemas mentais sérios e ele vai se tornado cada vez mais agressivo e perigoso, ao mesmo tempo que seu filho passa a ter visões de acontecimentos ocorridos no passado, que também foram causados pelo isolamento excessivo.

  • Carrie, A Estranha – 1977

Carry White (Sissy Spacek) uma jovem que não faz amigos em virtude de morar em quase total isolamento com Margareth (Piper Laurie), sua mãe e uma pregadora religiosa que se torna cada vez mais ensandecida. Carrie foi menosprezada pelas colegas, pois ao tomar banho achava que estava morrendo, quando na verdade estava tendo sua primeira menstruação. Uma professora fica espantada pela sua falta de informação e Sue Snell (Amy Irving), uma das alunas que zombaram dela, fica arrependida e pede a Tommy Ross (William Katt), seu namorado e um aluno muito popular, para que convide Carrie para um baile no colégio. Mas Chris Hargenson (Nancy Allen), uma aluna que foi proibida de ir festa, prepara uma terrível armadilha que deixa Carrie ridicularizada em público. Mas ninguém imagina os poderes paranormais que a jovem possui e muito menos de sua capacidade vingança quando está repleta de ódio.

  • A Hora do Pesadelo – 1986

Um grupo de adolescentes tem pesadelos horríveis, onde são atacados por um homem deformado com garras de aço. Ele apenas aparece durante o sono e, para escapar, é preciso acordar. Os crimes vão ocorrendo seguidamente, até que se descobre que o ser misterioso é na verdade Freddy Krueger (Robert Englund), um homem que molestou crianças na rua Elm e que foi queimado vivo pela vizinhança. Agora Krueger pode retornar para se vingar daqueles que o mataram, através do sono.

  • Poltergeist – O Fenômeno – 1982

Família é visitada por fantasmas, que inicialmente se manifestam apenas movendo objetos pela casa, mas gradativamente vão aterrorizando-os cada vez mais, chegando a sequestrar a caçula através do televisor. Os pais se desesperam e uma especialista em fenômenos paranormais sugere que eles busquem a ajuda de uma mulher com poderes mediúnicos.

  • Uma Noite Alucinante – A Morte do Demônio – 1981

Cinco estudantes da Universidade de Michigan decidem passar um final de semana em uma casa isolada. Lá eles encontram o livro dos mortos, um documento que data da época da Babilônia e que está relacionado ao livro dos mortos egípcio. Enquanto vasculham a casa os amigos gravam em fita alguns encantamentos demoníacos, escritos no livro. A partir de então eles são possuídos por espiritos, um a um. O primeiro alvo é Cheryl (Ellen Sandweiss), brutalmente estuprada pelas forças do mal. Ash (Bruce Campbell), seu irmão, resolve levá-la a uma cidade próxima, mas descobre que a única ponte que leva ao local está destruída. Logo a transformação de Cheryl em demônio é concluída, resultando em seu ataque aos amigos.

  • Hellraiser – Renascido do Inferno – 1987

Frank Cotton (Sean Chapman) é um conhecedor da depravação sexual, que busca a mais nova experiência sensual e compra um belo e intrincado cubo de quebra-cabeças. Só que Frank tem uma experiência atra com o cubo ao resolver o enigma e abrir as portas do Inferno e do Céu, o que provoca sua morte. Após vários anos seu irmão Larry (Andrew Robinson), que ignora o que aconteceu com Frank, decide voltar para a casa da família, que estava fechada há dez anos. Larry se muda juntamente com sua segunda esposa, Julia (Clare Higgins), mas sua filha, Kirsty (Ashley Laurence), optou por morar sozinha. Um acidente faz o sangue de Larry cair no chão do sótão, fazendo com que ocorra a ressurreição de Frank. Porém o corpo dele está só meio composto, assim ele procura a ajuda de Julia, com quem tivera um tórrido envolvimento, para ter novamente a forma humana. Ainda secretamente apaixonada por Frank, Julia o ajuda seduzindo homens da cidade e levando-os até a casa, pois assim seu renascido amante pode beber o sangue deles para recuperar seu aspecto humano. Tentando melhorar sua relação com Julia, Kirsty, que nunca se sentiu a vontade com a madrasta, vai até a casa para conversar com ela. Quando está chegando vê Julia com um desconhecido, que na verdade é a próxima vítima e não o que Kirsty pensa. Ao entrar na casa, Kirsty fica diante do estranho que está coberto de sangue, e pede por socorro. Aterrorizada, ela se depara com o ainda incompleto Frank, que se identifica e tenta dominá-la. Apavorada, Kirsty pega por acaso o cubo e sente que ele é importante para Frank, então o atira pela janela, o que deixa Frank em pânico. Ao fugir, ela resgata o cubo e anda pelas ruas desnorteada, pois está dominada por um medo que nunca sentiu.

  • Sexta Feira 13 – Parte III – 1982

O assassino Jason continua fazendo vítimas, desta vez um grupo de jovens procurando a paz das florestas por um fim de semana.

  • O Massacre da Serra Elétrica – 1987

Em 1973, a polícia texana deu como encerrado o caso de um terrível massacre de 33 pessoas provocado por um homem que usava uma máscara feita de pele humana. Nos anos que se seguiram os policiais foram acusados de fazer uma péssima investigação e de terem matado o cara errado. Só que dessa vez, o único sobrevivente do massacre vai contar em detalhes o que realmente aconteceu na deserta estrada do Texas, quando ele e mais 4 amigos estavam indo visitar o seu avô.

  • Brinquedo Assassino – 1988

Um serial killer é morto em um tiroteio com a polícia, mas antes de morrer utiliza seus conhecimentos de vodu e transfere sua alma para um boneco. Um menino ganha exatamente este brinquedo como presente da sua mãe. O menino tenta alertar que o boneco está vivo, mas sua mãe e um detetive da polícia só acreditam nele após o brinquedo ter feito várias vítimas. Mas o boneco está realmente interessado é no garoto, pois só no corpo dele poderá continuar vivo, e isto coloca a criança em grande perigo.

  • It – Uma Obra-prima do Medo – 1990

Derry, no Maine, é uma pacata cidade que foi aterrorizada 30 anos atrás por um ser conhecido como “A Coisa”. Suas vítimas eram crianças, sendo que se apresentava na maioria das vezes como o palhaço Pennywise. Com esta forma ele reaparece, 30 anos depois. Quem sente sua presença é Michael Hanlon (Tim Reid), um bibliotecário e único de um grupo de sete amigos que continuou morando em Derry. Assim ele liga para Richard Tozier (Harry Anderson), Eddie Kaspbrak (Dennis Christopher), Stanley Uris (Richard Masur), Beverly Marsh Rogan (Annette O’Toole), Ben Hanscom (John Ritter) e William Denbrough (Richard Thomas), pois todos os sete quando jovens viram “A Coisa” e juraram combatê-la caso surgisse outra vez. Porém este juramento pode custar suas vidas.

 

Por Ana Paula Tinoco