Café com Canela acompanhado com Babu Santana

Café com Canela acompanhado com Babu Santana

Por: Ked Maria

 

O filme Café com Canela, exibido na abertura da 21ª Mostra de Cinema de Tiradentes, foi gravado na pequena cidade de Cachoeira (BA), o município abriga o Centro de Artes, Humanidades e Letras da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. O longa tem direção de Ary Rosa e Glenda Nicácio, e no elenco o homenageado Babu Santana. Durante o seminário debate, os diretores contaram um pouco sobre a produção e o ator falou sobre sua carreira. A mesa contou com Sérgio Ricardo (RJ), cineasta e o mediador Juliano Gomes (RJ), crítico de cinema e professor.

O filme narra o encontro das vidas de Margarida, moradora de São Félix isolada após a perda do filho e Violeta, que segue seu caminho em Cachoeira. Nesse cenário baiano, ambas começam um processo de transformação, por meio de visitas, faxinas, cafés, despertando amizade e amores antigos.

Ary Rosa iniciou sua fala explicando como Babu Santana entrou para o longa-metragem, uma vez que, o filme é de baixo orçamento e o ator colhia frutos de sua interpretação em Tim Maia. Segundo o diretor, a ideia veio após a entrevista do artista no programa “De Frente com Gabi”, em que Santana dizia ter interesse em interpretar uma personagem homossexual. Os diretores entraram em contato com o interprete para propor a participação no filme “Café com Canela”, que foi aceita prontamente. Por uma coincidência, a família do homenageado é de São Félix o que proporcionou uma familiaridade maior para o ator e para a equipe.

Glenda Nicácio afirma que a generosidade de Babu a surpreendeu, juntamente com o acaso dos familiares residirem no Recôncavo Baiano, e o fruto disso foi a participação deles dentro do longa. Além de destacar a relação que o ator tem com o corpo e a arte, as intervenções como raspar o cabelo foram aceitas imediatamente. A diretora disse também sobre as formas de produção cinematográfica, pois se tratando de pouco investimento, e sendo a primeira oportunidade de trabalhar com atores profissionais, foi preciso adaptação para a conclusão do filme. Nicácio também ressalta as gravações feitas no subúrbio da Bahia o que casou com carreira do homenageado, marcada por papeis com uma ligação direta a periferia.

Dentro do tema Babu Santana admite se sentir confortável gravando dentro das comunidades, segundo o ator a receptividade e a hospitalidade são características dos moradores o que agrega nas gravações. Uma das experiências vivenciadas por Santana foi durante a produção do filme “Uma Onda no Ar”, que conta a história da antiga rádio Favela no Aglomerado da Serra. Babu descreve em um tom de descontração que ao chegar em Belo Horizonte foi recebido por uma Kombi. O carisma e a humildade do artista são expressas nas falas e comprovadas pelo cineasta Sérgio Ricardo.

SIMILAR ARTICLES

0 50

0 45

NO COMMENTS

Deixe uma resposta