cinema

Começou hoje a 13° edição do Indie Festival, prosseguindo até a próxima quinta-feira, 12. O Indie 13 contará com exibição gratuita de 21 filmes internacionais, 10 nacionais, além de uma série filmes de Jean-Claude Brisseau e Wang Bing. As produções serão distribuídas entre três salas de cinema da capital mineira: Cine Belas Artes, Teatro Oi Futuro e Cine Humberto Mauro. Dentre as obras apresentadas estarão os trabalhos de três brasileiros que se diferenciam  pela ambiência comum: eles se passam em um universo fantástico, marcado pela presença de zumbis. Os cineastas Peter Baiestorf, Rodrigo Aragão e Davi de Oliveira Pinheiro são alguns dos poucos representantes do cinema fantástico, do gore, do terror e do trash no Brasil. O CONTRAMÃO entrevistou os dois primeiros realizadores, que traçaram um panorama a respeito da produção cinematográfica de horror no Brasil e mostraram que este gênero está muito mais morto do que vivo.

Como está o cenário de filmes trash no Brasil?

Petter Baiestorf

PETTER BAIESTORF: Cada vez mais forte, melhor exemplo é a Rede Globo e suas produções! Agora, o cenário de produções independentes produzido sem a esmola dos editais está cada vez mais forte também, tentando criar um mercado para o cinema de gênero que seja auto-sustentável. Para produzir o “Zombio 2: Chimarrão Zombies” contei com dinheiro de mais 4 produtoras, além da minha Canibal Filmes, que foram El Reno Fitas e Sui Generis Filmes – ambas aí de Belo Horizonte -, Bulhorgia Filmes do Rio de Janeiro e Camarão Filmes & Ideias Caóticas de Vila Velha/ES) e apoio de mais 4 outras produtoras, Fábulas Negras de Guarapari/ES, Necrófilos Produções de Carlos Barbosa/RS, Projeto Zumbilly de Maringá/PR e Gosma de São Paulo/SP, que entraram com material e ajuda física. “Zombio 2”: filmamos tudo em 23 dias ao preço de 20 mil reais. O ideal era tê-lo filmado em 35 dias, mas o orçamento não dava. Tínhamos pessoas de 8 estados brasileiros (RS, SC,PE, PR, SP, RJ, MG e ES) trabalhando quase 24 horas diárias (sem contar que em alguns dias viramos 36 horas trabalhando sem parar). O caminho natural para a produção de gênero no Brasil está em cooperativas entre produtoras independentes.

RODRIGO ARAGÃO: Eu acho que o cenário geral do Brasil tá melhorando, até pela evolução tecnológica. Mas a gente não faz cinema por causa do mercado, não faz cinema por que é conveniente ou qualquer coisa assim. A gente faz porque realmente é o que gostamos de fazer, a gente ama e, o seguinte, eu não penso no filme como trash: a gente faz filme como dá pra fazer, a gente faz como pode e eu sempre fui muito frustrado com o Brasil, por não ter mais cinema fantástico. Acho que o brasileiro, a cultura brasileira em geral é cheia de folclore, de magia, as pessoas são cheias de manias esotéricas, de crenças, de seres e o cinema não passa isso. Eu, como fã de cinema fantástico, quis fazer algum filme do gênero com monstros e coisas assim e tentar aproveitar um pouco esse lado. A gente faz com os recursos que é possível. Para um jovem hoje que quer começar está muito mais fácil que pra mim na década de 90.

Onde seus filmes são exibidos e qual a expectativa com o Indie 13? Como sobreviver fazendo filmes independentes?

PB: Já passei da época de criar expectativas. Mas fica o convite aqui para quem curte filmes retardados e alucinados para conferir nosso pequeno filhotinho. Ele é mal criado mas tem um ótimo senso de humor. Meus filmes são exibidos pelo mundo inteiro, qualquer lugar que queira exibi-los. Não gosto de criar caso, se quiserem exibi-lo num cinema luxuoso está lindo, se exibirem numa parede, tão lindo quanto! Quero meus filmes rodando pelo mundo. “Zombio 2: Chimarrão Zombies” está tendo uma acolhida bem interessante, principalmente em Festivais de cinema Fantástico. Sua estreia se deu no FantasPoa – maior festival latino de cinema fantástico – e depois disso começou a ser selecionado em muitos festivais. Para minha surpresa ele foi selecionado no Festival Fantástico de Sitges, este que é um dos mais importantes festivais fantástico do mundo. Mas também estou liberando-o para exibições em shows de bandas, lançamentos de livros, cineclubes, botecos, etc. Quanto a sobreviver de cinema independente aqui no Brasil, infelizmente ainda não há como. A mentalidade do cineasta e distribuidor brasileiro está mais em como conseguir fazer para seu projeto ser aprovado num edital do que em criar uma indústria verdadeiramente forte. Lanço meus filmes de forma independente, as vezes recupero o dinheiro investido em cada produção, mas o mais habitual é perder dinheiro em cada produção porque aqui todos acham que cinema deve ser exibido de graça. Se quer ganhar dinheiro tenta edital, ou vira médico, advogado ou qualquer uma dessas profissões xaropes.

RA: Com o Mar Negro e esse espaço com o Indie está acontecendo uma coisa muito legal, que é o seguinte: estamos conseguindo ter uma janela fora dos festivais de gênero, que são os festivais de cinema fantástico. É um sinal que a gente está transbordando, o que é muito legal. E vai ser interessante que é um público um pouco diferente do que eu estou acostumado a exibir meus filmes. Este é meu terceiro longa metragem, exibi-lo em Belo Horizonte é especial porque sou de Guarapari que é litoral de Belo Horizonte né? E o produtor do filme é daqui, eu já morei aqui então é uma cidade que eu tenho um carinho especial.

Porque filmes trash? Há muito trabalho sendo desenvolvido?

PB: Minha filmografia vai de cinema gore até filmes experimentais mais artístico. Aliás, Indie já exibiu um curta nesta linha chamado “Palhaço Triste” em 2006, se não me engano. Passei quase 20 anos fazendo filmes que iam do gore, passando pelo cinema erótico até coisas dadaístas. Atualmente estou voltando a me apaixonar pelo cinema de gênero e “Zombio 2: Chimarrão Zombies” é o primeiro de vários filmes de gênero que pretendo produzir. Tô de saco cheio deste cinema intelectualoide (ou comédias padrão especial de TV) que é regrinha no cinema brasileiro, eu mesmo realizei vários curtas numa linha mais de arte – mesmo porque a linha divisória de uma produção de arte e uma produção trash é extremamente tênue. Meu caminho – e friso aqui MEU CAMINHO – pela próxima década será investir em cinema de gênero. O Brasil está cheio de cineastas de cinema de gênero produzindo muito, só que a maioria é mantida completamente a margem. Nesta próxima década quero trabalhar mais na direção de produzir e distribuir filmes. Criar um mercado de distribuição independente no Brasil vai ser extremamente difícil e penoso, mas acredito num sistema de cooperativismo entre produtores nanicos que pode ter força pela quantidade. Tem público pra caralho no Brasil e assim que for possível eu me estruturar, pretendo investir na distribuição de filmes independentes.

RA: São filmes feitos de fãs para fãs, o Mar Negro eu tive a felicidade de convidar as pessoas que queriam participar. Não tinha orçamento para fazer algumas das cenas do filme e as pessoas começaram a ir por conta própria. Pagaram a própria passagem e foram trabalhar de graça, foi uma honra para mim e teve uma hora que reuniram 70 pessoas na equipe, havia gente de Santa Catarina, Porto Alegre, Aracaju, São Paulo, Rio de Janeiro, veio um cineastra do México, veio um cineasta da Costa Rica, um estudante da Alemanha e uma da Nova Zelândia. Então são pessoas que estavam felizes por estar dividindo aquele tempo, aquele espaço juntos e elas não dormiam, porque a gente tinha pouco tempo para dormir, trabalhava muito, e o pouco tempo que tinham para dormir as pessoas queriam conversar e falar de filme, de filme, de filme. Foi uma coisa muito bonita e eu acho que isso passa para a platéia, e eu acho que essa paixão toda ela supera as dificuldades e aqueles problemas técnicos que a gente costuma ter.

Rodrigo Aragão

Quais são seus próximos projetos?

PB: Lançar meu livro “Arrepios Divertidos”, sobre cinema independente, e levantar o dinheiro necessário para a produção de um curta chamado “Pervertidos”. E lançar o “Zombio 2: Chimarrão Zombies” em DVD para venda direta ao consumidor.

RA: O Mar Negro não fecha uma trilogia, ele abre um leque de um mundinho que eu quero que continue crescendo. Eu estou trabalhando em dois projetos ao mesmo tempo agora. Um curta metragem, que é uma co-produção internacional com 8 diretores – eu sou o único brasileiro -. Vai se chamar “Reencuentro de Cadáveres” e deve ser lançado no início do ano que vem. Meu curta se chama “Confissões de um Cineastra Canibal”, narrando a história de um cara que tenta fazer filme de terror e não consegue. Ele começa a matar as atrizes de verdade, filma, corta os pedaços e vende de churrasquinho para financiar a compra do equipamento do filme, esta bem divertido. E estou trabalhando em uma continuação do Mar Negro, é uma continuação de, não posso contar muito, mas é a continuação de um dos personagens do Mar Negro. Vai se chamar O Livro Negro  que é um livro que ele esta presente no Noite do Chupacabra, no Mar Negro também. E pode ser que esse quarto filme se torne o piloto de uma série, que é uma coisa que estou namorando tem 15 anos de fazer: uma serie de terror no Brasil e vamos ver se agora sai, aproveitando esses personagens todos.

Texto por Alex Bessas e Juliana Costa

Foto de capa: foto divulgação de Mar Negro

Foto de Petter Baiestorf: Leyla Buk

Foto de Rodrigo Aragão: Juliana Costa

O universo do mestre do suspense  (1899-1980) chega à capital mineira  com a mostra “Hitchcock é o cinema”, cartaz de hoje até 5 de setembro, no  Cine Humberto Mauro. Os admiradores do cineasta poderão assistir na telona os 54 filmes do diretor inglês e outras além de 94 produções feitas para a televisão, entre as décadas de 1950 e 1960.

 

A atração de hoje é a apresentação Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, sob regência do maestro Marcelo Ramos que interpretará da trilha de abertura da mostra composta por Patrick Cohen, 25. Na parte da manhã desta quarta-feira (31), a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, ensaiou juntamente com as cenas dos filmes que serão exibidos, à noite.

 

A sensação para quem assiste ao ensaio da orquestra é de entusiasmo e emoção, pois além de ser a primeira mostra de Hitchcock na cidade é também a primeira junção de música erudita, ao vivo, acompanhando as cenas mudas do primeiro filme de Alfred Hitchcock, O jardim dos Prazeres (1925). Os ingressos para a apresentação de hoje já se encontra com ingressos esgotados.

 

O maestro Marcelo Ramos explica que o humor britânico de Hitchcock ajuda no usos dos instrumentos, mas é um desafio conferir som a filmes mudos.  “Para essa apresentação a música composta muda de tempo, constantemente, por ser mais longa que o filme, mas isso é apenas um aperitivo que atrai a atenção. Já sabia dos contratempos e até ajudei no alerta.”, explica.

 Por Aline Viana

No dia 9 de maio, o Museu Mineiro irá exibir o curta Má Notícia, atividade de comemoração de seus 31 anos de fundação. A exibição ocorrerá na sala de exposição temporária do museu, a partir das 19h.

O museu integra o Circuito Cultural Praça da Liberdade e foi inaugurado em 10 de maio de1982. Seu acervo é formado por documentos e peças de arte que relatam a formação da cultura mineira em seus distintos processos,

Doutora em cinematografia, a professora e pesquisadora da UFMG Elza Cataldo foi premiada no Festival internacional de Batume, na Geórgia, em 2006, como melhor diretora estreante pelo filme Vinho de Rosas. Má Notícia foi dirigido por Elza Cataldo, estrelado por Fernanda Viana (grupo Galpão) e teve o roteiro inspirado no quadro de Belmiro de Almeida. O curta mostra, com realismo, a emoção de uma jovem mulher que recebeu uma carta. A obra de Belmiro de Almeida foi exposta em 1897 em Ouro Preto pouco antes de Belo Horizonte se tornar a capital mineira a pintura foi adquirida pelo Governo mineiro e levada ao Palácio da Liberdade.

Por: Gabriel Amorim

Foto: Divulgação

Na próxima segunda (29), será lançado, em exibição gratuita, no Cine Cento e Quatro, o curta “O tecido dos sonhos”, de Carlos Rocha e Marcelo Braga. A exibição do curta-metragem será às 20 horas. O projeto é um experimento audiovisual que une o universo shakespeariano ao cotidiano das ruas de Belo Horizonte. O título do filme remete à citação atribuída ao dramaturgo que diz: “Nós somos do tecido de que são feitos os sonhos”.

O elenco é formado por pessoas em situação de rua e associadas à ASMARE e ao Centro de Referência da População de Rua. Os diretores esclarecem que o encontro com esses grupos de ações sociais contribuiu para a consolidação da obra. “A posição passiva, anda de mão dada com a indiferença”, declara Carlos Rocha.

Com 17 minutos de duração, o curta traz textos de Shakeaspeare interpretados pela população que vive nas ruas da capital mineira e redescobre a literatura produzida no século XVI e aclamada no século XIX, vista por tipos populares que habitam, trabalham e cruzam a cidade de Belo Horizonte. Sobre a estreia na próxima segunda-feira Marcelo Braga, um dos idealizadores e diretores do projeto, afirma: “A expectativa é a melhor possível”.

As dificuldades encontradas foram as mais naturais possíveis: nem todos os moradores de rua estavam dispostos à participar das gravações devido a problemas particulares, outros inicialmente participaram, mas por fatores externos não finalizaram. Foram seis meses de trabalho, sendo três dedicados a oficinas de preparação do elenco, já que nenhum deles era profissional e mais três de filmagens – para levar essa realidade para as telas.

Cine Cento e Quatro está localizado Praça Ruy Barbosa (Praça da estação), número 104, no Centro de Belo Horizonte.

 

Por: Alex Bessas  e  Aline Viana

Foto de divulgação.

O filme francês Tomboy, dirigido por Céline Sciamma, será exibido a partir de hoje,11, até o dia 13 de dezembro, no Cine CentoeQuatro. Hoje, às 19h, a sessão será comentada pela cineasta e professora do Centro Universitário UNA, Tatiana Carvalho Costa, e pela psicóloga Rafaela Vasconcelos, ambas integrantes do Núcleo de Direitos Humanos e Cidadania GLBT da UFMG.

Segundo Tatiana Costa, o filme trata de algumas questões relacionadas à infância e adolescência no âmbito da orientação sexual e identidade de gênero. “A protagonista se vê como um menino e se comporta como tal, negando seu próprio corpo, isso já é uma manifestação transexual”, comenta.

Sinopse:

Laure tem 10 dez anos e sempre se sentiu um moleque. Ao mudar com a família para outro bairro, resolve se apresentar como “Mickäel” aos novos amiguinhos. Apesar de parecer um menino como os outros, Mickäel é diferente o suficiente para despertar a paixão de Lisa, uma garota da turma. Em meio às brincadeiras de verão, Laure arrisca-se a explorar os limites de sua nova identidade.

Os ingressos para a exibição do longa podem ser adquiridos na portaria do Cine Centoe Quatro. Eles custam R$10 (inteira) e R$5 (meia-entrada). A classificação é 12 anos.

Por Rafaela Acar e Rute de Santa

Foto: Internet

Dentre as diversas atrações que estavam acontecendo ontem, 26, no Centro Universitário UNA, no Vitrine 2012/02, a turma de Cinema Audiovisual apresentou o seu TIDIR, as 19h, na sala 8. A proposta foi realizar uma adaptação de contos do escritor Machado de Assis.

Os alunos tiveram que fazer um curta metragem de animação com apenas 3 minutos, em stop motion (fazer uma animação através de várias fotografias) e pixelation (animação com pessoas), podendo escolher qual deles iriam utilizar. “O nosso grupo adaptou o conto a Essência das Rosas. Nossa adaptação partiu da insatisfação do mundo, que ele criou as rosas e as rosas nunca estavam satisfeitas com nada, que as pessoas nunca estão satisfeitas com o que elas têm”, declara a estudante de cinema, Amanda Heisandres.

O outro grupo da turma de cinema escolheu o conto . Os alunos contam que tiveram uma preparação desde o início do semestre. “Tivemos alguns problemas relacionados à adaptação e o tema era stopmotion, mas a gente decidiu usar os dois temas tanto o stop motion quanto o pixelation”, conta a estudante de cinema, Natalie Matos.

 Por: Ana Carolina Nazareno

Foto: Ana Carolina Vitorino