cinema

Os documentários “O Aleijadinho”, de Joaquim Pedro Andrade, e “O barroco da alegria”, de Moacyr Laterza, foram exibidos, hoje, no anexo Francisco Iglésias, da Biblioteca Pública Luis de Bessa, dentro da programação da mostra “Barroco: arte do ouro e da poesia”.

Ao longo do mês de maio, foram exibidos vários curtas-metragens e documentários sobre a História do Barroco em Minas Gerais. Segundo a coordenadora da biblioteca, Alessandra Gino, a idéia de exibir os filmes na biblioteca, é de mostrar o outro caminho de informação que o leitor pode encontrar além dos livros. “O nosso projeto tem como objetivo é mostrar um jeito mais dinâmico de abordar diferentes temas. Todos os meses abordamos temas que despertam o interesse do público”, enfatiza.

  • Corrdenadora Alessandra GinoCoordenadora Alessandra Gino
  • No próximo mês, o tema será “O Meio Ambiente”. O assunto abordará conceitos e práticas ambientais.


    Por: Marina Costa

    Foto: Felipe Bueno

    Uma fila se formou na esquina da Rua Gonçalves Dias com Rua da Bahia na noite da última terça-feira, para a pré-estréia do filme “Amor?”, dirigido por João Jardim. O evento, organizado pelo projeto Sempre Um Papo, aconteceu no Usiminas Belas Artes e contou com a presença do diretor do filme, em um bate-papo com os atores Julia Lemmertz e Ângelo Antônio.

    Na fila, a expectativa era grande, tanto pela curiosidade despertada pelo filme, quanto pela presença dos atores. A estudante Solange Morais chegou cedo ao Belas Artes para garantir sua entrada. “Fiquei muito sensibilizada com as histórias do filme. Mas vi apenas trechos e não queria perder a oportunidade de assistir tudo”, comenta. Os convites foram distribuídos uma hora antes da exibição do filme. Foram disponibilizados 130 lugares e mesmo assim, várias pessoas ficaram sem entrar na sala. “Não podemos lotar a sala e não é permitido assistir ao filme de pé”, explicou a assessora Jozane Faleiro.

    Para mais informações sobre o filme, acesse http://amorofilme.com.br/

    Confira entrevista com Julia Lemmertz, Angelo Antonio e João Jardim:

    Por Débora Gomes e Nelio Souto

    Quem não pretende sair de Belo Horizonte para curtir o carnaval e procura uma opção mais tranquila, o Circuito Cultural Praça da Liberdade estará aberto permitindo ao visitante, um pequeno passeio pelo Planetário, pelo Museu de Mineralogia e pela história mineira no Memorial Minas Vale e no Palácio da Liberdade
    O espaço TIM UFMG do Conhecimento vai funcionar até domingo, das 12h às 18h, o museu das Minas e do Metal vai abrir nos dias 5 e 6 e na quarta-feira de cinzas das 12h às 18h. O Palácio da Liberdade abre suas portas no domingo, dia 6, de 8h às 13h, para receber os visitantes em visita guiada nos trinta cômodos do prédio.
    A entrada é gratuita nos espaços do Circuito Cultural.
    Outra oportunidade para quem quer se divertir é prestigiar a programação de filmes em cartaz no Usiminas Belas Artes, que ficará aberto no período de carnaval.

    Programação do cinema

    Sala 1: O Discurso do Reidsc_0941
    Horários: 14h30, 16h50, 19h10 e 21h30
    Sala 2: Biutiful
    Horários: 15h00, 18h00 e 21h00
    Sala 3: Lixo extraordinário
    Horários: 14h50 e 19h10
    Sala 3: O Concerto
    Horários: 16h50 e 21h10

    Mas se você quer curtir um cineminha um pouco mais tarde, fique atento, porque o Cine Belas Artes oferece sessões gratuitas na madrugada de sábado, a partir das 23h30.

    Texto: Raphael Jota

    Foto: Andressa Silva

    Em comemoração ao dia do Patrimônio Audiovisual, a Biblioteca Pública Estadual Luis de Bessa exibiu, na tarde desta quarta-feira, 27, três curtas, seguidos de comentários, na sala de cursos do Anexo Professor Francisco Iglésias. O projeto denominado “Cine em Destaque” é uma realização da biblioteca em parceria com o Centro de Referência Audiovisual (CRAV), com o objetivo de incentivar a leitura e a pesquisa, além de divulgar o acervo de ambos.

    “Na realidade o em destaque já existe. É uma exposição mensal, e, agora, estamos fazendo uma parceria com o CRAV, para agregar valor e teor cultural a nossa exposição.”, explica a coordenadora do projeto, Alessandra Gino. Foram exibidos os curtas “Salas”, “Bonfioli, O Fazedor de Fitas” e “Produzir em Minas”, realizados, em 2003, pelos alunos do curso “Memória e Cinema”, em parceria com o Departamento de Fotografia e Cinema da Escola de Belas Artes da UFMG.

    Já os comentários, ficaram por conta das especialistas em cinema Soraia Nogueira e Marcella Furtado. “Além de entretenimento, o cinema também é documento histórico e um produto cultural. É importante divulgar esse acervo que nós temos aqui em BH para a população”, informa Soraia.

    Para a estudante de jornalismo Natália Oliveira, a iniciativa dessa parceria é muito importante. “Quem foi à biblioteca teve a oportunidade de assistir, gratuitamente, a filmes que tratam do cinema em Belo Horizonte, enquanto produção e enquanto espaço social, ou seja, as salas. Os documentários exibidos na tela fazem parte do contexto social de quem os assistia. Assim o telespectador podia se sentir um pouco parte deles. Quem esteve presente na sala foi ao mesmo tempo ouvinte dos personagens e personagens daquela exibição.”, conclui a estudante.

    mataria-2

    Por Débora Gomes e Henrique Muzzi

    Hoje é a última sessão da mostra itinerante de curtas brasileiros “Tela em Trânsito” no Teatro Dom Silvério, a partir das 16h. Para esta sessão, foram selecionados curtas com temáticas direcionadas ao público infantil. Um das atrações é o curta “Galinha ao Molho pardo” de Feli Coelho, tirado do romance de Fernando Sabino, “O Menino no Espelho”.

    O projeto tem objetivo de divulgar a produção nacional de curtas metragens e a afirmação da diversidade cultural brasileira. A sessão inaugural foi realizada na escola da Lapinha, zona rural do município de Morro do Pilar, na Serra do Cipó. Uma das características do projeto é que as exibições são realizadas em locais não convencionais, como praças, igrejas, campos de futebol e a base de apoio da tela é um fusca. Os trabalhos, vindos de diferentes regiões do país, utilizaram diferentes técnicas na sua realização.

    A entrada é franca e a classificação livre.

    Acesse aqui a agenda do projeto.

    Por Daniella Lages

    Foto divulgação