Cultura

0 277

Por Rúbia Cely

A 12ª edição da Mostra de Cinema de Ouro Preto – CINEOP foi desenvolvida com base em três temáticas, sendo elas: Educação, História e Preservação. Para cada uma destas vertentes uma personalidade foi selecionada para ser homenageada.

Antônio Leão, nascido em 1957, pesquisador e colecionador paulista, será um dos contemplados pelo evento. Ele, que é considerado uma das maiores figuras que contribuem para preservação da história e memória cinematográfica brasileira, por não só ter feito a restauração de diversas produções, mas também por ter catalogado em seus dicionários as principais categorias associadas ao cinema, será o representante do tema Preservação.

Em consonância com o tema História, Cristina Amaral, produtora e montadora será a homenageada. Cristina é autora de mais de 10 títulos e muito reconhecida por se envolver de corpo e alma com as produções as quais faz parte, segunda a curadoria do tema. Nascida em 1954, ela se envolveu com o cinema ainda no período em que estudava na USP, desde então vem alcançando grande destaque em montagem.

Por último e com certeza não menos importante o projeto Vídeo nas Aldeias será tributado pela temática Educação. O projeto que completou seus 30 anos em 2016, contempla exatamente o tema que será discutido as “Emergências Ameríndias”. Os homenageados estarão presentes na abertura oficial do evento que ocorrerá no dia 22 de junho, a partir das 20h30 no Cine Villa Rica.

Feito por:  Henrique Faria

No Brasil, o Cinema Nacional é comemorado no dia 19 de junho, data que homenageia o ítalo-brasileiro Afonso Segreto, o primeiro cinegrafista brasileiro que registrou imagens do nosso território em 1898, virando a seguir o filme: “Uma vista da Baía de Guanabara”. Desde então a sétima arte vem fazendo e sendo história no nosso país e para entendermos um pouco mais sobre a importância deste dia, o Jornal Contramão conversou com produtor, crítico e professor de cinema Ataídes Braga.

 

Jornal Contramão: Qual a importância do Dia do Cinema Nacional?

Ataides: Tem a importância, não necessariamente de uma data comemorativa, mas sim histórica, como uma espécie de certidão de nascimento e a partir daí vira uma necessidade de afirmação de todas as lutas desenvolvidas contra a hegemonia de cinematografias externas que em diversos momentos nos deixaram em uma posição de inferioridade e opressão.

Jornal Contramão: Estamos na Época de Ouro do Cinema Nacional?

Ataides: Sim e não, o cinema brasileiro é muito complexo, diversificado, do ponto de vista mercadológico, temos uma certa produção, majoritariamente comédias, que estão muito bem de bilheterias, mas existem muitos outros filmes que nem se quer são ou serão lançados.

Jornal Contramão: Quais as dificuldades de se fazer um filme independente hoje no Brasil?

Ataides: A ausência de uma política pública específica; falta de controle do mercado exibidor. Controlado ainda  hoje,  pela majors americanas; dificuldade, mesmo quando feitos, não conseguem distribuição e exibição, quase todas voltadas para filmes de mercado.

Jornal Contramão: Vemos cada dia mais faculdades abrindo o curso de CINEMA, quais seriam os benefícios e malefícios disso?

Ataides: A formação teórica e prática é fundamental, mas nem sempre essas faculdades tem professores capacitados e quando os tem, não tem a liberdade criativa para desenvolverem projetos que possam pensar o cinema. Eles só reproduzem o mesmo tipo de filmes e possibilidades que já estão saturados por aí.

 

0 174

Por Tiago Jamarino – Start – Parceiros Contramão HUB

Novas imagens de minifigures dos próximos conjuntos para Os Últimos Jedi vazaram online. Duas das figuras mostram um dos nossos principais heróis do filme e também um dos principais antagonistas.

Nós vemos Finn (John Boyega) em sua nova roupa  da Resistência. Embora ele estivesse vestindo a mesma jaqueta que originalmente pertenceu a Poe Dameron (Oscar Isaac), em vez da camiseta e das calças do Stormtrooper, ele agora está vestido com uma roupa da resistência total similar ao uniforme de Poe quando o conhecemos em o Despertar da Força. 

Foto Divulgação

Nós também examinamos mais de perto a minifigure do líder supremo Snoke (Andy Serkis). Este é um personagem que tem sido o centro das teorias de muitos fãs quanto ao fato de ele influenciar a narrativa da Força.

Foto Divulgação

Além disso, foram reveladas duas minifigures com um piloto da Primeira Ordem e uma unidade BB-9E.

Foto Divulgação

Escrito e dirigido por Rian Johnson, Star Wars: Os Últimos Jedi estrela Daisy Ridley, John Boyega, Mark Hamill, Carrie Fisher, Adam Driver, Oscar Isaac, Lupita Nyong’o, Domhnall Gleeson, Anthony Daniels, Gwendoline Christie e Andy Serkis. Introduzidos à saga Star Wars são recém-chegados Laura Dern, Kelly Marie Tran e Benicio del Toro.

 

Star Wars: Os Últimos Jedi será lançado nos cinemas em 15 de dezembro de 2017.

 

 

 

Por: Henrique Faria

O dia 13 de junho é conhecido no Brasil, como o Dia de Santo Antônio, esse icônico personagem da religião católica que é conhecido pela sua bondade e por ser o Santo Casamenteiro.

Em Belo Horizonte, os fiéis de Santo Antônio, se reúnem na data para aclamar e agradecer o seu guia espiritual na Paróquia que leva seu nome, localizada na Avenida do Contorno, 6738. Eles comemoram a data, muitas das vezes para pedir ajuda ou ainda para agradecer as graças alcançadas. O aposentado Joel Medeiros, frequentador da paróquia, afirma que foi com a ajuda do Santo que seu pai, que estava internado por conta de um AVC, teve melhoras e pode voltar para sua cidade natal.

Fernando como é batizado, nasceu em Lisboa, Portugal, mas no Brasil ele ficou conhecido rapidamente pelas suas grandes atitudes como, doar dinheiro aos pobres, ajudar as crianças carentes entre outros tipos de condutas honradas até ser conhecido como Santo Antônio.

Maria Nazaré, também aposentada é espírita, e não acredita em milagres, mas diz gostar do Santo:

“Fui criada no Orfanato Santo Antônio e desde aquela época, ouvia grandes histórias das atitudes de que ele realizava”, conta Nazaré.

O Santo é conhecido e aclamado por suas grandes atitudes, conseguindo unir pessoas de diversas culturas e religiões, ele consegue inspirar a todos da mesma maneira, fazendo com que tenham mais fé e que continuem tendo boas atitudes em seu dia a dia.

Lasar Segall - Vilna, Lituânia 1891 - São Paulo, Brasil, 1957 (Foto por Henrique Faria)

Por: Henrique Faria

A exposição “Entre nós”, que aborda, em linhas gerais, o retrato da figura humana, passando por várias culturas diferentes e assim também por diversos tipos de artes, está fazendo sucesso dentro do Circuito Cultural de Belo Horizonte. Nos finais de semana a fila de espera está ultrapassando as portas de entrada do Centro Cultural Banco do Brasil – CCBB. A mostra que já supera os visitantes da mesma exposição feita no estado do Rio de Janeiro (realizada pelo mesmo Centro Cultural), sendo assim, analisa-se que a cidade continua interessada em diversos modos da cultura, fugindo do padrão de bares e do clube da esquina.

A Educadora Agnes Antunes (23), do CCBB, explica esta diversificação entre artes e artefatos. No início da exposição, pode-se encontrar os Ibejis, que são artefatos criados na religião do Candomblé, a definição das estátuas está ligado ao nascimento de gêmeos que, normalmente são pares ou trios, significando os filhos desta mãe, porém só são feitas quando um dos dois morrem.

Nas próximas salas, é visto diferentes tipos de pinturas e fotografias, que retratam, em sua maioria, europeus – Duques e membros da burguesia. Também é encontrado obras que referem a negros e índios, assim como materiais utilizados para criação das obras.

O Engenheiro Civil, Antônio Costa Filho, de 60 anos, veio do Mato Grosso, onde reside, para ver a exposição e afirma que nesta mostra de arte, teve a oportunidade de ver obras que só imaginava ver pela nos livros de história e pela Televisão, abaixo ele aprecia uma das obras expostas.

(Foto por Henrique Faria)

Os coordenadores da exposição, parecem não ter se preocupado com o peso dos artistas e colocou as obras em ordem de sua preferência, pois não é visto as pinturas de Van Gogh e Édouard Manet com salas separadas ou em evidência, mas sim, sendo bem distribuídas entre as outras obras menos conhecidas.

via GIPHY

Informações da Exposição:

Disponível entre os dias 26/04 E 26/06.
Horário de Funcionamento: de 09h às 21h
Endereço: Praça da Liberdade, 450 – Funcionários, Belo Horizonte
Entrada Franca.

Fotografia: Lucas D'Ambrosio

Banda mineira, Pink Floyd Reunion apresenta espetáculo conceitual para o público de Belo Horizonte.

Reportagem: Lucas D’Ambrosio

As noites de Belo Horizonte são conhecidas, entre outras atrações, pela sua cena musical. Diferentes bandas se apresentam periodicamente pelos pub’s e casas especializadas, trazendo trabalhos autorais ou obras já consagradas. Um dos grupos que se destacam nesse cenário é o Pink Floyd Reunion.

Nos dias 10, 11 e 12 de março (sexta, sábado e domingo), a banda apresenta o espetáculo “The Wall, o filme”. O palco será o Cine Theatro Brasil Vallourec, na Praça Sete, região central de Belo Horizonte.

A Reunião

Criada em 2003 por um grupo de amigos, ela se consolidou na noite belo-horizontina pela fiel reprodução do trabalho criado pelo Pink Floyd. Outro ponto de destaque, são as apresentações conceituais, que misturam a música com reproduções e experiências audiovisuais, presentes em parte do repertório de shows da banda mineira.

Para os ensaios, um estúdio de garagem é o local para a reunião dos sete integrantes da banda: Marcelo Canaan, Fernando Grossi, Raphael Rocha, Fernando Nigro, Raquel Carneiro, Marcelo Dias e Thiago Barbosa. Entre uma pausa e outra para ajustes de instrumentos, um café e água servida em filtro de barro, alguns instrumentos aguardavam as mãos dos músicos para iniciarem os trabalhos.

Em um quarto de garagem, na cidade de Belo Horizonte, acordes, notas, cantos e ajustes abrigam o Pink Floyd Reunion. Fernando Nigro é quem conduz a bateria da banda.  Fotografia: Lucas D’Ambrosio
Entre um ajuste e outro, leva tempo até organizar todos os instrumentos. No meio de cabos, teclados e contrabaixo, os integrantes Thiago Barbosa, Raphael Rocha e Marcelo Dias se preparam para mais uma maratona de ensaios. Fotografia: Lucas D’Ambrosio
O processo de imersão da banda para a realização do espetáculo já dura três meses. Ensaios, encontros, reuniões e acertos finais se fazem necessários para que a identidade na fidelidade de execução possa ser mantida. Na foto, os fundadores da banda, Fernando Grossi e Marcelo Canaan. Fotografia: Lucas D’Ambrosio

Dentre incontáveis cabos distribuídos pelo chão, 14 instrumentos de corda, uma bateria e três teclados, os ajustes são realizados pelos integrantes da banda, que preparavam os equipamentos para o início do ensaio. Os pés nas pedaleiras sincronizavam os últimos ajustes para o seu início. O repertório? A trilha sonora do filme “The Wall”, inspirado no disco de mesmo nome (lançado em 1979), da banda britânica. Para o espetáculo, a banda terá a companhia de um coral e orquestra, comandados pelo maestro Rodrigo Garcia.

Veja a entrevista completa com Marcelo Canaan. O Produtor executivo, guitarrista e vocalista do Pink Floyd Reunion conta mais sobre o espetáculo “The Wall”: