Cultura

1
Foto Reprodução Internet

Por Raphael Assis

Sentado de fronte ao computador, com uma xícara de café do lado, olhando fixamente para uma tela branca me coloco a pensar…. Sou tomado por um bloqueio criativo. Posso até ter uma ideia ou outra do que escrever, mas por minha natureza altamente insegura meu subconsciente insiste em gritar: NÃO É UM BOM TEMA! Passada a euforia de querer fazer algo sublime, me dou conta que na vida de um artista, ou um escritor só há espaço para uma Magnum opus, e com certeza a minha não será essa que vos escrevo. De todos os temas que me rondam um em especial me dá fascínio e prazer de escrever: o amor. PIEGAS! Grita minha subconsciência amordaçada.

Superestimado, mas o que seria da humanidade sem ele? Todos amamos. Amamos nossos familiares, nossos amigos, nossos namorados e namoradas, e o que dizer do amor próprio: primordial não é! Amar, em todos os aspectos é de fato muito bom. O primeiro contato com o amor vem através de nossas mães, este puro verdadeiro e incondicional. Nove meses dentro da barriga dela e no mínimo mais dois anos de completa dependência desse ser maravilhoso que atende pela alcunha de mãe. Na medida que vamos crescendo, somos apresentados à novas formas de amar, criamos laços.

“Criar laços”, está aí um bom sinônimo de amor. Criamos laços uns com os outros do dia em que somos concebidos até o dia do nosso último suspiro. Esses laços podem ser longevos ou passageiros. Um amigo de infância que não há um dia em que vocês não se falem, um amigo que você achou que levaria para vida toda, mas por algum motivo não levou, um amigo que você conheceu ontem numa mesa de bar já é como se o conhecesse desde pequeno, e para finalizar, o amigo que você queria que fosse mais que amigo…

“O amigo que você queria que fosse mais que amigo…” Sem dúvida o mais perigoso de todos. Quem nunca se apaixonou em segredo aquele amigo e sofreu por não poder gritar aos quatro ventos sua paixão por medo que a amizade fosse abalada por isso, mas acabou não aguentando todo esse sentimento confessou esse amor?

 Apaixonar-se por um amigo implica em vários desdobramentos, uma vez reciproco pode ser o início de uma maravilhosa história. Já se não for, será o início de uma longa jornada rumo a superação.

Enfim, os sentimentos são de uma complexibilidade absurda que não temos a capacidade de entender sua origem, eles surgem e devem ser vividos. Nunca devemos negligenciar uma coisa que vem do nosso âmago, nossa vida é muito curta e até nossos laços mais firmes estão sujeitos a instabilidade. Viva plenamente a completa essência do seu ser e dos seus sentimentos.

0
Foto Ana Paula Tinoco
Por Ana Paula Tinoco

“Nosso nome é resistência e resistimos e resistiremos sempre! ”
Pedrina de Lourdes Santos
 

Dia a dia estamos à mercê da intolerância por parte de uma parcela da sociedade. As pessoas são julgadas por suas crenças, cor, orientação sexual, identidade de gênero e sua região de nascença. Não muito raramente vemos casos onde o preconceito leva as pessoas as vias de fato, praticando crimes de ódio simplesmente por não respeitarem as diferenças e a diversidade do meio em que vivemos. Há cerca de um ano, a criança Kailane Campos, que tinha 11 anos na época, foi agredida a pedradas no Subúrbio do Rio de Janeiro no momento em que saia de um culto. Candomblecista a menina relatou que achava que iria morrer.

Segundo dados copilados pela Secretária de Direitos Humanos da Presidência da República, somente em 2015 houve um aumento de 164% no número de queixas relacionadas a intolerância religiosa contra os praticantes de religiões de matrizes africanas e, todas elas registradas em Belo Horizonte. No ano passado, 2016, o tema da redação do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) trouxe novamente à tona a discussão sobre a discriminação que cresce contra as pessoas que seguem crenças diferentes da maioria.

No dia 20 de fevereiro teve início no Conservatório da UFMG, a 11ª edição do Festival de Verão. O encerramento do evento ocorreu hoje, 23, e a palestrante convidada para finalizá-lo foi Pedrina de Lourdes Santos. Considerada a primeira capitã de Moçambique do Estado de Minas Gerais, ela começou a dançar e tocar ao lado de seu pai quando tinha 11 anos. Hoje, aos 55, Pedrina, após assumir ao lado de seu irmão a capitania da Guarda, se tornou referência quando o assunto é a representatividade da identidade do povo brasileiro.

Sob o tema “Religião de Matriz africana”, Pedrina destacou as diferenças e semelhanças entre as religiões, assim como as raízes e a herança cultural do povo brasileiro, que passa por uma viagem pelas tradições herdadas dos povos africanos. E pede pelo reconhecimento e respeito pela cultura e pelas vidas que foram sacrificadas para que uma nação nascesse: “É triste ver as pessoas dizerem que tudo que é de negro é ruim, é do mal. Eu conheço cidadãos que consideram até hoje os negros, pessoas de segunda classe”, conta Pedrina.

Ela trouxe para a palestra um momento de conscientização, em que chama as pessoas para conhecerem a luta, a cultura, a história de um povo. E ainda, revelou o perigo da generalização do todo por uma parcela: “Você tem que conhecer a pessoa. E para isso é preciso conhecer o caráter dela. Não se pode julgar alguém pela aparência.”, categoriza Pedrina. Ao falar sobre os movimentos negros, ela chama todos para a união. Para juntos vencerem a luta do dia a dia para acabar com o preconceito: “Eu estou fazendo o movimento negro desde que eu nasci. E também estou resistindo desde que nasci”, finaliza.

 

1

Foi um casamento perfeito entre minha vontade adolescente de deixar minha marca nas ruas sem ter problemas e ainda poder ganhar uma grana. ” – Nilo Zack

Era manhã de sábado quando a Avenida 23 de maio, em São Paulo recebia a terceira ação do Programa de zeladoria da Prefeitura Municipal da Capital, “São Paulo Cidade Linda”. O dia, 14 de janeiro, foi o marco de uma discussão acalorada sobre o que é arte e o que é vandalismo. Em meio a troca de farpas de leitores de alguns veículos de comunicação podia-se perceber o preconceito que cerca aqueles que amam e principalmente os que vivem dessa arte.

No site do G1 os comentários se dividiam em um misto de preconceito e apoio aos artistas: “A periferia também é cidade, por que querem rabiscar só a zona central? Provocação? Engraçado que a 23 de maio é uma via arborizada e com muita arquitetura diversa, não é cinza como os delinquentes alegam: cinza é a periferia. Por que os pichadores não picham seus bairros? ”, disse um dos leitores.

Em contrapartida havia entre os muitos apoiadores da decisão do atual prefeito Doria aqueles que defendessem os artistas: “Se você acha o cinza mais bonito do que o colorido, de duas uma. Ou você tem grave depressão ou é um psicopata por estar levando isso para o lado político. ”, disse outro internauta.

Na contramão da Prefeitura de São Paulo, o atual prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, implantou na capital mineira o projeto “Profeta Gentileza” que incentiva não somente artistas mineiros como artistas de todo o Brasil. A iniciativa de Kalil se espelha no “Telas Urbanas”, que busca incentivar e apoiar artistas de rua que querem expor suas artes pelos espaços públicos e privados da capital.

Em conversa com o artista Nilo Zack sobre o antigo e atual projeto da Prefeitura de Belo Horizonte “Telas Urbanas” e “Profeta Gentileza”, Nilo se mostra categórico e aberto a novos incentivos: “Acredito que como no Projeto Telas Urbanas é muito importante disponibilizar espaços e incentivar de forma financeira a produção da arte de rua em BH, que até os dias atuais vem sendo construída de forma independente”.

Nilo, que começou no Pixo, vê como algo positivo o que aconteceu com a Avenida 23 de maio: “Estamos no olho do furacão de mudanças urbanas, porém toda essa repercussão acaba sendo benéfica para que leva o graffiti à sério”. E alerta que daqui há 40 anos essa criminalização por parte da sociedade pode vir a mudar: “Vejo o pixo, com um grande potencial artístico, porém poucos de seus agentes o veem assim. Daqui uns 40 anos talvez iremos aos museus ver pixos, como os que haviam em Roma Antiga”,

Sendo uma profissão respeitada e reconhecida em diversos lugares do mundo, a exemplo de um bairro em Miami que se transformou em um museu de Street Art e abriga obras dos brasileiros Os Gêmeos e Nunca. Para Nilo o preconceito pode ser combatido por ações que visem o esclarecimento da população: “ Ações como estas são um bom começo. Apesar que já houveram outras ações com resultados sociais mais satisfatórios como o Juventude e Polícia da PPMG em parceria com o Afroreggae em 2005. O projeto Profeta Gentileza me parece bom, entretanto têm também que pensar em ações educacionais que atendam jovens que ainda não definiram suas escolhas artísticas/sociais”.

Nilo, que é natural de Belo Horizonte, Minas Gerais, graduado em Cinema de Animação e Artes Digitais pela UFMG, teve seu primeiro contato com as intervenções artísticas urbanas aos 13 e, aos 16 ingressou em um projeto social que ensinava Graffiti. Hoje aos 30 anos, ele tem planos de implantar no bairro em que reside, Taquaril, um museu a céu aberto. Contando com o apoio da maioria dos moradores residentes e comerciantes da região, ele agora busca formas de viabilizar verbas para investir no projeto.

Outros trabalhos de Nilo Zack

Por Ana Paula Tinoco

 

 

 

As ruas de Belo Horizonte já estão habituadas a quebra de rotina proporcionada pelo carnaval: as buzinas são substituídas pelo som dos bloquinhos, o caminhar apressado dos pedestres fica um tanto quanto mais lento e ritmado. Automóvel, nessa época, só se for o caminhão do trio elétrico.

Nos últimos cinco anos, no entanto, a festa mineira têm tomado proporções maiores, alcançando o título de terceiro maior carnaval do país. Em 2017, de acordo com a Belotur, a expectativa é de que 2,4 milhões de foliões prestigiam a cidade.

Tamanha dimensão tem chamado a atenção para os possíveis empreendimentos proporcionados pela festa. Além do recorde de cadastramento de ambulantes que circularão durante a folia, somando 8.940 vendedores, nas redes sociais foi observado o crescimento da busca e produção de adereços e fantasias feitos artesanalmente.

O Contramão listou logo abaixo 8 produtoras independentes. Escolha sua fantasia e divirta-se!

 

MAHABHUTA ATELIÊ

Instagram: @mahabhuta

Facebook: Mahabhuta Ateliê

O Mahabhuta ateliê estreou sua produção de fantasias este ano, mas a Isabel Guimarães, que administra o projeto ao lado de Cybele Guimarães e Yasmin Kayano, produz fantasias desde 2013. Isabel conta que a idéia de criar o ateliê surgiu após confeccionar fantasias para ela mesma e sua irmã, “como todo mundo gostava muito, resolvi tentar vender e fiquei feliz com a resposta! Estou com muitas encomendas e bastante elogios”, comemora. Um diferencial que tem agradado os consumidores são os bolsos escondidos, para guardar celular, identidade e dinheiro.

 

As fantasias variam de R$ 30,00 à R$ 90,00, dependendo do material e da dificuldade. As peças são feitas sob medidas, e as encomendas são online, através do Facebook, Instragram ou WhatsApp:

(31) 9 9507-0370.

IZZIE FLORIDA

Instagram: @Izzie_Florida

Facebook: Izzie Florida

As irmãs Beatriz e Patrícia Costa criaram a marca especializada em adereços Izzie Florida, após a constatação de que faltava em BH opções diferenciadas e artesanais. Os preços variam entre R$ 25,00 e R$ 45,00, “Tentamos colocar um preço acessível para que todas comprem até mais de um adereço!”, conta Patrícia.

As encomendas podem ser feitas pelo Facebook, Instagram e WhatsApp: (31) 9 8262-9575

ATELIÊ TODOS OS OLHOS

Instagram: @tolhos

Facebook: Ateliê Todos os olhos

Os adereços da Todos os Olhos são confeccionados pela Letícia Rocha e variam entre R$ 15,00 à R$ 30,00. Letícia conta que ela e algumas amigas resolveram criar adereços para usar no carnaval do ano passado, o produto final deu tão certo que este ano elas fizeram até um editorial!

As encomendas são feitas pelo Facebook do ateliê ou da própria Letícia.

ARAMADUM

O Aramadum, até então, era um ateliê apenas de bijuterias, até que a proprietária, Regina Alves, fez um acessório de carnaval para ela mesma e percebeu que poderia ser comercializado, e, garante, “está fazendo o maior sucesso!”.

Os preços variam entre R$25,00 e R$ 35,00. Todos os produtos são todos banhados no ouro. As compras podem ser feitas na Feira Hippie ou diretamente no Facebook da Regina. 

SAGRADO ENTRELAÇADO

Instagram: @sagradoentrelacado

Facebook: Sagrado Entrelaçado

O sagrado entrelaçado é formado pela Leila Girassol e seu companheiro, “um auxilia o outro na produção, por isso temos peças lindas e exclusivas!”, explica. Este é o segundo ano que o casal se dedica a produção e venda de acessórios com temática carnavalesca e os preços vão de R$5,00 á R$ 50,00, dependendo do material e trabalho.

 

Os produtos são vendidos pelas redes sociais, pelas ruas de BH “ou de onde o coração mandar a gente ir!”

MIMOS CARNAVALESCOS

Facebook: Mimos Carnavalescos

A Mimos Carnavalescos também estreou este ano, em janeiro. Quem confecciona os adereços que custam de R$ 20,00 à R$ 45,00 é a Gabi Pacheco, com o auxílio da design de moda Thayane Pacheco.

Os produtos podem ser adquiridos pelo Facebook Mimos Carnavalescos.

PROJETO MIMOS

Instagram: @projetomimos

Facebook: Projeto Mimos

A Paloma Scarpa, do Projeto Mimos, teve uma idéia diferente, ela apostou em itens bastante utilizados nesta época do ano. Foi assim que surgiu o kit com 1 cílios colorido, 2 gliters, 1 stencil, 3 mini cartelas de adesivos e 1 colinha.

As encomendas são feitas pelas redes sociais.

Por: Bruna Dias. 

#FDS

Deguste Pampulha

 

O evento irá reunir gastronomia e música. No sábado terá encontro de cervejas artesanais e variedades de gastronomia e para animar, ensaios de blocos carnavalescos. Já no domingo terá arte e artesanato com a Feira Eco Ações Unidas.

 Data: 11/02 Sab e 12/02/2017
Horário: a partir das 10h
Local: Avenida Otacílio Negrão de Lima, 3000 – Pampulha

Exposição de fuscas

Para quem gosta fuscas irá amar desse evento. O Portal Auto Shopping apresenta uma exposição com vários estilos e anos de fuscas. Com direito a pula-pula, pipoca, algodão doce e praça de alimentação para a criançada.

Data: 11/02
Horário: 10h ás 14h
Local: Av. Pedro II, 1900 – 4º piso – Carlos Prates

 

Retina

A peça faz parte da 43ª Campanha de Popularização Teatro & Dança.

Data: 10/02 a 11/02
Horário: 20h
Local: Teatro Raul Belém Machado (R. Jauá, 80 – Alípio de Melo, Belo Horizonte)

 

Luau do Quando Come Se Lambuza

A Quadra da Escola de Samba Cidade Jardim irá receber o luau do Quando Come Se Lambuza, que apresentará seus shows de blocos junto com as bandas Vai Sambaska, Maktüb e dos DJS Jaka e Xano.

Data: 10/02
Horário: 22h
Local: Rua do Mercado, 150 – Conjunto Santa Maria – Cidade Jardim

A 11ª edição da VAC, Verão Arte Contemporânea, começa nesta sexta-feira, 20, e segue até 19 de Fevereiro. Ocupando 15 espaços culturais da cidade, o evento contará com 31 atrações – 10 a menos que em 2016,  variando entre entradas gratuitas e preços de até R$ 20,00 (inteira). O motivo da redução na programação está na verba, cujo valor é o menor registrado nas últimas oito edições.

Para ajustar-se a realidade, além das atrações, o número de espaços também foi abreviado, além da exclusão das áreas da gastronomia e moda. A abertura temática que era marca registrada nas edições anteriores, neste ano, foi suspensa.

De acordo com os organizadores, a VAC 2017 ocorre em caráter de resistência e, também, apoio por parte dos artistas locais, que aderiram a proposta e se adequaram às condições desta edição. Apesar das reduções, a organização reitera que o evento irá manter a diversidade das artes que caracterizam a proposta do evento. Além de BH, artistas de Ouro Preto/MG, Rio de Janeiro/RJ, João Neiva/ES, Teresina/PI, Irã e França, irão participar do evento.

Perpassando entre arquitetura, artes visuais, cinema, dança, literatura, música e teatro, a temática, de modo geral, aborda questões ligadas a gênero, política, raça e outras pautas bastante difundidas na sociedade. Uma voz famosa por colocar tais assuntos em voga é o rapper MV Bill, que participará da abertura do evento ao lado da banda Berimbrown, com o show “Lamparina”.

Para mais informações, acesse:

Facebook 

Site

Veja a programação completa: 

20/1 – Sexta-feira

Abertura: Berimbrown – Show Lamparina convida MV Bill

Horário: 20h

Local: Sesc Palladium – Grande Teatro (rua Rio de Janeiro, 1046, Centro)

Ingressos: Entrada Franca – Distribuição dos ingressos duas horas antes na bilheteria do teatro, limitado a um ingresso por pessoa.

21/1 – Sábado

“RICOCHETE”, de Rita Clemente

Horário: 19h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil  (Praça da Liberdade, 450 – Funcionários)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

22/1 – Domingo

“RICOCHETE”, de Rita Clemente

Horário: 19h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil  (Praça da Liberdade, 450 – Funcionários)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

23/1 – Segunda-feira

“RICOCHETE”, de Rita Clemente

Horário: 19h

Local:Centro Cultural Banco do Brasil  (Praça da Liberdade, 450 – Funcionários)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

24/2 – Terça-feira

*Projeto parede com a artista Luna Bastos

Horário:  de 9h às 21h

Local: Sesc Palladium (rua Rio de Janeiro, 1046, Centro)

Ingressos: Entrada franca

*Esta obra ficará exposta até o dia 26/2

25/1 – Quarta-feira

“Horror Vacui HAMLET”, da Companhia Teatro Adulto

Horário: 19h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450, Funcionários)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

26/1 – Quinta-Feira

Fred Selva

Horário: 20h

Local: Memorial Minas Gerais Vale (Praça da Liberdade, s/n – Lourdes)

Ingressos: Entrada Franca – Retirar convites uma hora antes do evento, limitado a um par por pessoa.

“Fauna”, do Grupo Quatroloscinco

Horário: 20h

Local: Galpão Cine Horto (rua Pitangui, 3613, Horto)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

“Horror Vacui HAMLET”, da Companhia Teatro Adulto

Horário: 19h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450, Funcionários)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

27/1 – Sexta-Feira

“Fauna”, do Grupo Quatroloscinco

Horário: 20h

Local: Galpão Cine Horto (rua Pitangui, 3613, Horto)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

“Horror Vacui HAMLET”, da Companhia Teatro Adulto

Horário: 19h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450, Funcionários)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

28/1 – Sábado

Cinara, “O Samba Mandou Me Chamar”

Horário: 20h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450, Funcionários)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

Titane e Túlio Mourão

Horário: 21h

Local: Teatro Bradesco (rua da Bahia, 2244, Lourdes)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

Sarau do Memorial

“Le Jardin” – palestra e livro de François Kahn, com exibição do filme “The Vigil” sobre a fase Parateatral de JerzyGrotowski

Horário: 15h

Local:  Memorial Minas Gerais Vale (Praça da Liberdade, s/n, Lourdes)

Ingressos: Entrada Franca – Retirar convites uma hora antes do evento, limitado a um par por pessoa.

“Fauna”, do Grupo Quatroloscinco

Horário: 20h

Local: Galpão Cine Horto (rua Pitangui, 3613, Horto)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

*Gilson Rodrigues, “Por Trás Das Formas”

Horário : de 10h às 17h30

Local: Memorial Minas Gerais Vale (Praça da Liberdade, s/n, Lourdes)

Ingressos: Entrada Franca

*Esta exposição permanecerá até o dia 26/3

29/1 – Domingo

Luiza Brina e o Liquidificador

Lançamento do disco “Tão Tá”

Horário: 20h

Local: Teatro Bradesco (rua. da Bahia, 2244, Lourdes)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

“Fauna”, do Grupo Quatroloscinco

Horário: 19h

Local: Galpão Cine Horto (rua Pitangui, 3613, Horto)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

Espaço além – Marina Abramović e o Brasil

Marco Del Fiol • Documentário • 86’ • 2016

Horário: 20h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450, Funcionários)

Sinopse: A artista de performance Marina Abramović viaja por lugares místicos do Brasil, pesquisando comunidades espirituais, pessoas e lugares de poder. O filme faz um registro etnográfico enquanto observa os processos de apropriação artística e humana de Marina. Ela entra em contato com os rituais do Vale do Amanhecer, o xamanismo na Chapada Diamantina, o candomblé na Bahia, as curas do médium João de Deus e os cristais de Minas Gerais.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

30/1 – Segunda-feira

Paulo Dantas e MatthiasKoole

Horário: 19h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450, Funcionários)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

1/2 – Quarta-Feira

PINTA

Jorge Alencar • Ficção • 72’ • 2013

Horário: 15h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450, Funcionários)

Sinopse:  Dublagens, dublês, remixes, covers estéticos. Difuso, descentralizado, periférico, embriagado

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

WAITING FOR B.

Paulo Cesar Toledo e Abigail Spinder •Documentário • 72’ • 2015

Horário: 17h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450, Funcionários)

Sinopse:Unidos pelo fato de não terem dinheiro para comprar um ingresso mais caro, consequentemente garantir os lugares mais próximos ao palco, um grupo de fãs se encontrou na internet e decidiu acampar por 57 dias na frente do estádio do Morumbi, em São Paulo. O plano deles era assegurar um lugar na frente da principal entrada do show da Beyoncé, ‘Mrs. Carter World Tour’.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

SÃO PAULO EM HI FI

Lufe Steffen•Documentário • 101’ • 2016

Horário: 19h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450, Funcionários)

Sinopse: Documentário que resgata a era de ouro da noite gay paulistana nas décadas de

60, 70 e 80 – com as casas noturnas, as transformistas, os militantes, em plena época da ditadura militar.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

2/2 – Quinta-feira

“Fauna”, do Grupo Quatroloscinco

Horário: 19h

Local: Galpão Cine Horto (rua Pitangui, 3613, Horto)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

Grupo de Estudos em Música Contemporânea da UFOP

Horário: 19h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450, Funcionários)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

3/2 – Sexta-feira

“Fauna”, do Grupo Quatroloscinco

Horário: 19h

Local: Galpão Cine Horto (rua Pitangui, 3613, Horto)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

4/2 – Sábado

“Fauna”, do Grupo Quatroloscinco

Horário: 19h

Local: Galpão Cine Horto (rua Pitangui, 3613, Horto)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

PALCO HIP HOP – Danças Urbanas

Horário: às 13h

Local: Centro Cultural Urucuia (rua W-3, 500, Pongelupe)

Ingressos: Entrada Franca

Laboratório de Estudos do Corpo nas Artes Cênicas (LECAC/UFMG)

Espetáculo “Colóquio Sentimental”

Horário: às 19h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450, Funcionários)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

5/2 – Domingo

“Fauna”, do Grupo Quatroloscinco

Horário: 19h

Local: Galpão Cine Horto (rua Pitangui, 3613, Horto)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

PALCO HIP HOP – Danças Urbanas

Horário: às 13h

Local: Centro Cultural Urucuia (rua W-3, 500, Pongelupe)

Ingressos: Entrada Franca

Laboratório de Estudos do Corpo nas Artes Cênicas (LECAC/UFMG)

Espetáculo “Colóquio Sentimental”

Horário: às 19h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450, Funcionários)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

6/2 – Segunda-feira

Laboratório de Estudos do Corpo nas Artes Cênicas (LECAC/UFMG)

Espetáculo “Colóquio Sentimental”

Horário: às 19h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450, Funcionários)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

7/2 – Terça-feira

ANUNCIE AQUI + ESCULACHO

Horário: 19h

Local: Sesc Palladium – (rua Rio de Janeiro, 1046, Centro)

Sinopse / Anuncie Aqui: Afogados num mundo de anúncios, alguns poucos indivíduos anônimos ainda tentam respirar e imprimir na rua suas ideias, seus desejos e suas vontades. “Anuncie Aqui” é um documentário sobre a ação direta em anúncios publicitários do espaço urbano de Belo Horizonte. Com uma narrativa que privilegia a visão dos interventores, o vídeo discute o uso do espaço público da cidade, que, cada vez mais, tem seu “belo” horizonte estuprado pela publicidade.

Sinopse / Esculacho: Um conflito auditivo no transporte público das grandes cidades do sudeste brasileiro: a popularização de dispositivos sonoros portáteis, o desconhecimento de espaço público e o Funk.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

NO VERMELHO

Perspectiva Marcelo Reis• Documentário • 97’ • 2016

Horário: 17h

Local: Sesc Palladium – (rua Rio de Janeiro, 1046, Centro)

Sinopse:A rua da metrópole latino-americana é abarrotada de carros. Seja pela justificativa de que o transporte público é ruim ou pela clara opção de isolamento, as pessoas se acomodam, uma a uma, dentro dos automóveis. Do lado de fora, personagens urbanos diversos se apropriam do semáforo, um dispositivo meramente técnico de controlar o tráfego, e fazem dele um local de encontro.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

8/2 – Quarta-feira

Janela de Dramaturgia

Horário: 18h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450, Funcionários)

Ingressos: Entrada Franca. Retirar convites uma hora antes do evento, limitado a um par de convites por pessoa

ANUNCIE AQUI + ESCULACHO

Horário: 17h

Local: Sesc Palladium – (rua Rio de Janeiro, 1046, Centro)

Sinopse / Anuncie Aqui: Afogados num mundo de anúncios, alguns poucos indivíduos anônimos ainda tentam respirar e imprimir na rua suas ideias, seus desejos e suas vontades. “Anuncie Aqui” é um documentário sobre a ação direta em anúncios publicitários do espaço urbano de Belo Horizonte. Com uma narrativa que privilegia a visão dos interventores, o vídeo discute o uso do espaço público da cidade, que, cada vez mais, tem seu “belo” horizonte estuprado pela publicidade.

Sinopse / Esculacho: Um conflito auditivo no transporte público das grandes cidades do sudeste brasileiro: a popularização de dispositivos sonoros portáteis, o desconhecimento de espaço público e o Funk.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

ATERRO

Documentário • 72’ • 2011

Horário: 19h

Local: Sesc Palladium – (rua Rio de Janeiro, 1046, Centro)

Sinopse:Sete mulheres pioneiras da reciclagem da década de 1960 falam do aparente inevitável destino do lixo.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

9/2 – Quinta-feira

“Margem”, da Companhia Suspensa

Horário: 21h

Local: Palácio das Artes – Teatro João Ceschiatti (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Ingressos:  R$ 20 e R$ 10 (meia)

ATERRO

Documentário • 72’ • 2011

Horário: 17h

Local: Sesc Palladium – (rua Rio de Janeiro, 1046, Centro)

Sinopse:Sete mulheres pioneiras da reciclagem da década de 1960 falam do aparente inevitável destino do lixo.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

NO VERMELHO

Perspectiva Marcelo Reis• Documentário • 97’ • 2016

Horário: 19h*

Local: Sesc Palladium – (rua Rio de Janeiro, 1046, Centro)

Sinopse: A rua da metrópole latino-americana é abarrotada de carros. Seja pela justificativa de que o transporte público é ruim ou pela clara opção de isolamento, as pessoas se acomodam, uma a uma, dentro dos automóveis. Do lado de fora, personagens urbanos diversos se apropriam do semáforo, um dispositivo meramente técnico de controlar o tráfego, e fazem dele um local de encontro.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

* Neste dia, após a exibição do filme haverá um bate-papo com Guilherme Reis e Patrícia Vieira, parceiros de criação do documentarista Marcelo Reis.

10/2 – Sexta-feira

“Margem”, da Companhia Suspensa

Horário: 21h

Local: Palácio das Artes – Teatro João Ceschiatti (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Ingressos:  R$ 20 e R$ 10 (meia)

“19:45!”, da Miúda Cia

Horário: 19h45

Local: Galpão Cine Horto (rua Pitangui, 3613 – Horto)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

A BATALHA DA MARIA ANTÔNIA

Renato Tapajós• Documentário • 73’ • 2014

Horário: 17h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse: Em 1968, naquele ano em que quase tudo parecia acontecer, houve um confronto, na rua Maria Antônia, em São Paulo, entre estudantes da Faculdade de Filosofia da USP e estudantes da Faculdade Mackenzie. Não foi uma simples briga de estudantes, mas quase que uma reprodução em miniatura da Guerra Fria que então se travava entre esquerda e direita. Lembrar aquele momento não é um exercício de nostalgia, mas a tentativa de entender algo das forças que moldaram nosso presente.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

LUZ, CÂMERA, PICHAÇÃO

Gustavo Coelho, Marcelo Guerra e Bruno Caetano •Documentário • 102’ • 2011

Horário: 21h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:”PICHAÇÃO” não é graffiti. Esta é uma distinção que só acontece no Brasil. “Luz, Câmera, PICHAÇÃO” é o primeiro documentário que conta com a presença apenas de pichadores (as), sem ninguém de fora da cultura, muito menos especialistas ou intelectuais, afinal de contas, é a fala do pichador, quase nunca ouvida, suas formas de socialização, suas histórias de vida, suas grafias, aflições, desejos, seus sucessos, seus riscos, suas perdas e seus ganhos que compõem sua humanidade. O quanto de pichador há em todos nós?

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

MEIA HORA E AS MANCHETES QUE VIRARAM MANCHETE

AngeloDefanti•Documentário • 79’ • 2014

Horário: 19h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:No Meia Hora, tabloide carioca de manchetes bem-humoradas e abordagens inusitadas, tiro vira ‘pipoco’ e facção criminosa é ‘bonde sinistrão’; bandido escondido ‘tá malocado’, vivo ‘toca o terror’, e morto ‘levou ferro’; a polícia, quando invade, ‘dá sacode’, quando atira, ‘senta o dedo’, quando prende, ‘mete em cana’; e mulher bonita ganha adjetivos hortifrutigranjeiros como morango, melancia, maçã, cereja e jaca.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

SERTÃO COMO SE FALA

Leandro Lopes•Documentário • 71’ • 2016

Horário: 15h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:’Sertão como se fala’ é um documentário que percorreu 9.500 quilômetros em sete Estados do Nordeste brasileiro para investigar as raízes e a permanência do abecedário do sertão, um modo foneticamente diferente de falar o alfabeto.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

11/2 – Sábado

“Margem”, da Companhia Suspensa

Horário: 21h

Local: Palácio das Artes – Teatro João Ceschiatti (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Ingressos:  R$ 20 e R$ 10 (meia)

“19:45!”, da Miúda Cia

Horário: 19h45

Local: Galpão Cine Horto (rua Pitangui, 3613 – Horto)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

PINTA

Jorge Alencar • Ficção • 72’ • 2013

Horário: 16h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:  Dublagens, dublês, remixes, covers estéticos. Difuso, descentralizado, periférico, embriagado

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

WAITING FOR B.

Paulo Cesar Toledo e Abigail Spinder •Documentário • 72’ • 2015

Horário: 20h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:Unidos pelo fato de não terem dinheiro para comprar um ingresso mais caro, consequentemente garantir os lugares mais próximos ao palco, um grupo de fãs se encontrou na internet e decidiu acampar por 57 dias na frente do estádio do Morumbi, em São Paulo. O plano deles era assegurar um lugar na frente da principal entrada do show da Beyoncé, ‘Mrs. Carter World Tour’.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

SÃO PAULO EM HI FI

Lufe Steffen•Documentário • 101’ • 2016

Horário: 18h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:Documentário que resgata a era de ouro da noite gay paulistana nas décadas de

60, 70 e 80 – com as casas noturnas, as transformistas, os militantes, em plena época da ditadura militar.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

12/2 – Domingo

“Margem”, da Companhia Suspensa

Horário: 19h

Local: Palácio das Artes – Teatro João Ceschiatti (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Ingressos:  R$ 20 e R$ 10 (meia)

“19:45!”, da Miúda Cia

Horário: 19h45

Local: Galpão Cine Horto (rua Pitangui, 3613 – Horto)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

Desvio apresenta o show “C’alma”

Horário: 19h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450, Funcionários)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

A DITADURA DA ESPECULAÇÃO

Coletivo Zé Furtado•Documentário • 13’ • 2012

Horário: 16h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:O curta mostra apoiadores, manifestantes e indígenas que tentam impedir que as máquinas derrubassem a vegetação local para construção de edifícios do setor noroeste. Diversos confrontos contra a polícia militar e seguranças da administradora Terracap, que é a estatal que administra as terras públicas do Distrito Federal.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

ACABOU A PAZ, ISTO AQUI VAI VIRAR O CHILE, ESCOLAS OCUPADAS EM SÃO PAULO

CarlosPronzato• Documentário • 60’ • 2016

Horário: 18h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:Inspirados no exemplo dos estudantes secundaristas chilenos, os famosos Pinguins, o levante dos estudantes paulistas no segundo semestre de 2015 contra o fechamento de 94 escolas, culminou na ocupação de mais de 200 que seriam afetadas pelas ações de precarização do ensino público engendradas pelo Governo de Geraldo Alckmin (PSDB). A coragem, a autonomia, a horizontalidade e solidariedade demonstradas pelos secundaristas, aliadas ao apoio popular, deixaram sua marca na história das lutas populares do Brasil.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

ANTONIETA

Flávia Person• Documentário• 15’• 2015

Horário: 16h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:O documentário “Antonieta” aborda Antonieta de Barros (1901-1952), mulher, negra, professora, cronista, feminista que em 1935 se tornou a primeira negra a assumir um mandato popular no país.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

ENTRENÓS

Pablo Polo •Documentário • 27’ • 2014

Horário: 16h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:Ilustrador, quadrinista, designer, pintor. Todos esse adjetivos se aplicam a Fabio Zimbres. Mas ele prefere ser chamado de desenhista. Para Zimbres o desenho é seu ponto de partida. Dono de um trabalho espontâneo, único e que acumula uma vasta produção, Fabio se revela uma pessoa com um senso de humor inteligente e um exemplo de que a experiência não diminui a busca incessante do autor.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

ESPAÇO ALÉM – MARINA ABRAMOVIĆ E O BRASIL

Marco Del Fiol • Documentário • 86’ • 2016

Horário: 20h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse: A artista de performance Marina Abramović viaja por lugares místicos do Brasil, pesquisando comunidades espirituais, pessoas e lugares de poder. O filme faz um registro etnográfico enquanto observa os processos de apropriação artística e humana de Marina. Ela entra em contato com os rituais do Vale do Amanhecer, o xamanismo na Chapada Diamantina, o candomblé na Bahia, as curas do médium João de Deus e os cristais de Minas Gerais.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

PROIBIDÃO

Ludmila Curi e Guilherme Arruda • Documentário •13´ • 2012

Horário: 16h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:Proibidão encontra no MC Smith um retrato do universo do funk proibido – gênero musical banido da grande mídia, mas, como diz o protagonista do filme, conhecido na boca do povão. As letras falam em armas, gangues e violência, e o curta procura mostrar como esses elementos fazem parte da rotina nas favelas e periferias do Rio de Janeiro.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

RUBY

Guilherme Soster, Jorge Loureiro e Luciano Scherer • Documentário • 17’ • 2015

Horário: 16h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:Ruby é um pintor outsider que vive sozinho em uma casa próxima à praia.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

13/2 – Segunda-feira

“Pai Contra Mãe”, da Cia. Fusion de Danças Urbanas

Horário: 20h

Local: Teatro Bradesco (rua da Bahia, 2244, Lourdes)

Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia)

A BATALHA DA MARIA ANTÔNIA

Renato Tapajós• Documentário • 73’ • 2014

Horário: 19h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse: Em 1968, naquele ano em que quase tudo parecia acontecer, houve um confronto, na rua Maria Antônia, em São Paulo, entre estudantes da Faculdade de Filosofia da USP e estudantes da Faculdade Mackenzie. Não foi uma simples briga de estudantes, mas quase que uma reprodução em miniatura da Guerra Fria que então se travava entre esquerda e direita. Lembrar aquele momento não é um exercício de nostalgia, mas a tentativa de entender algo das forças que moldaram nosso presente.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

ANUNCIE AQUI

Experimental • 22’ • 2005

Horário: 21h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:Afogados num mundo de anúncios, alguns poucos indivíduos anônimos ainda tentam respirar e imprimir na rua suas ideias, seus desejos e suas vontades. “Anuncie Aqui” é um documentário sobre a ação direta em anúncios publicitários do espaço urbano de Belo Horizonte. Com uma narrativa que privilegia a visão dos interventores, o vídeo discute o uso do espaço público da cidade, que, cada vez mais, tem seu “belo” horizonte estuprado pela publicidade.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

ARRUDAS

Sávio Leite•Experimental • 35” • 2015

Horário: 21h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:Um rio, uma avenida. O progresso. Quarto vídeo do projeto Nessa Rua tem um rio – Laboratório Undió de Intervenções Artísticas.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

BAHIA SCI-FI

Petrus Pires •Documentário• 32’• 2015

Horário: 21h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:Desde a década de 1970, Roberto Pires militava contra a utilização da energia nuclear. Com a colaboração de Orlando Senna, escreve o roteiro do filme “Abrigo Nuclear”, uma produção ambiciosa, filme de ficção científica totalmente produzido e rodado na Bahia. Com pouco dinheiro, munido de sua capacidade criadora, Roberto constrói no quintal de sua casa uma ‘nave espacial’ e um estúdio. Chama filhos, parentes e amigos e começa a produção de “Abrigo Nuclear”, que é lançado em 1981.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

ESCULACHO

Documentário • 22’ • 2013

Horário: 21h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:Um conflito auditivo no transporte público das grandes cidades do sudeste brasileiro: a popularização de dispositivos sonoros portáteis, o desconhecimento de espaço público e o Funk.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

FAMILIA MUNIZ

Marcos Pimentel • Documentário • 17’ • 2016

Horário: 21h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:O cotidiano, as crenças e celebrações de uma família que, há mais de 60 anos, comanda a Guarda OS CIRIACOS, uma irmandade de Nossa Senhora do Rosário. No quintal de casa, eles preservam a religiosidade e tradições da cultura negra. Uma história de fé, amor e Congado.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

NA MISSÃO COM KADU

Mineiro, Pedro Brito e Kadu Freitas •Documentário • 28’ • 2016

Horário: 21h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:Na luta por moradia em Belo Horizonte, um militante, sua câmera e seu povo enfrentam o poder dos cassetetes e das bombas de gás.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

O HOMEM DO SACO

Carolina Wachockiek, Felipe Kfouri e Rafael Halpener•Documentário • 58’ • 2015

Horário: 17h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:O homem do saco é um personagem que sempre foi lembrado por ser aquele que levava crianças desobedientes em sua sacola. O que muitos não sabem é que ele é um personagem real, um homem que vive à margem da sociedade, que caminha invisível perante os olhos dela, catando materiais recicláveis para seu sustento. Hoje, esse homem desenvolveu seu método de coleta e se tornou o catador, profissão encontrada como alternativa ao desemprego que assola os brasileiros que chegam em São Paulo em busca de uma vida melhor.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

ROLEZINHOS

Imagina Coletivo •Documentário • 8’ • 2014

Horário: 21h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:Os “rolezinhos” foram um fenômeno que causou alvoroço no final de 2013 e início de 2014 com encontros organizados por jovens moradores de periferia nos shoppings de São Paulo. O filme conta com depoimentos do antropólogo Alexandre Barbosa Pereira, do jornalista Leandro Beguoci e dos Mc’sSpyke e Preto, de São Paulo, mostrando as diferentes visões sobre esses encontros.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

Por: Bruna Dias