Entretenimento

A 26° Vara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais acatou o pedido de reintegração de posse do casarão que abriga, desde o último sábado, 26, o Espaço Comum Luiz Estrela, no bairro Santa Efigênia, região leste da capital. A Fundação Educacional Lucas Machado (FELUMA), mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais, pediu e obteve na tarde de ontem a liminar que determina a desocupação do imóvel, que já abrigou o antigo Hospital Militar da Força Pública Mineira e estava abandonado desde 1994.

Na tarde de hoje, 31, agentes da Polícia Militar acompanhados de um oficial de justiça estiveram no local para cumprir o mandato de reintegração de posse. A ocupação continua e o centro cultural retoma a sua programação normal após acordo com a PM. Mayer aponta que uma das irregularidades da reintegração é a ausência de publicação da decisão, o que implica em cerceamento de defesa.

A decisão que concede a reintegração de posse será publicada apenas nesta sexta-feira, 1. “Esperamos que a Polícia Militar aguarde ao menos a publicação da decisão para cumprir a ordem de reintegração”, esclarece Joviano Mayer, advogado do coletivo Margarida Alves, que presta consultoria jurídica ao centro cultural. Segundo Mayer, um recurso de agravo de instrumento será protocolado no Tribunal de Justiça para tentar reverter a decisão. De acordo com o advogado, há ilegalidade de representação na ação de reintegração de posse, que foi proposta por uma entidade privada. Para Mayer, “o poder público também deve figurar no pólo ativo da demanda, o que não aconteceu”.

O advogado esclarece ainda que “a ocupação do imóvel se deu em função do não-cumprimento do dever constitucional do Estado de proteger e cuidar do patrimônio público e cultural, não dando ao espaço a sua função social”. Os advogados do centro cultural também questionam a pretensa finalidade do imóvel: dar lugar a um memorial em homenagem ao presidente Juscelino  Kubitschek, ainda sem projeto de execução. “Qual é o interesse público desse projeto, se há apenas dois meses foi inaugurado um memorial do JK na Pampulha? JK trabalhou por pouco tempo como médico no local e o casarão tem uma história muito mais rica que isso”, pondera Joviano Mayer.

Apoio

Desde a sua inauguração, o centro cultural tem recebido apoio dos moradores do bairro e de frequentadores da região. Ticha, coordenadora da galeria de arte do Sesi Minas, localizada a cerca de 200 metros do casarão, é uma grande entusiasta da ocupação. “Eles realizaram o meu sonho de 20 anos. O espaço é da comunidade, é do povo. A arte não pode ser privilégio da elite. Essa é uma alternativa muito contemporânea”, enfatiza.

No próximo sábado, 2, o Primeiro Grande Ato de Apoio ao Espaço Comum Luiz Estrela sairá pelas ruas do bairro Santa Efigênia em defesa da manutenção do centro cultural. Veja a convocação para o evento aqui. A concentração será às 14h, em frente ao espaço, na rua Manaus. Um cortejo artístico com instrumentos musicais e performances dará o tom da manifestação.

Texto por Fernanda Fonseca

Foto por Fernanda Fonseca

Os Mutantes voltam ao palco para apresentar uma de suas obras mais lisérgicas, Tudo foi feito pelo sol, de 1974, cartaz de sábado, 12, no Sesc Paladium. O espetáculo conta a  formação original da banda, á época, já sem Rita Lee e Arnaldo Baptista. Em 1974, Sérgio Dias (guitarra e voz) reuniu um novo conjunto para compor e gravar aquele que seria o LP mais vendido do grupo. A ele se juntaram Rui Motta (bateria), Antonio Pedro Medeiros (baixo) e Túlio Mourão (teclado). O CONTRAMÃO conversou por telefone com Mourão sobre a apresentação, o álbum e a legião de aficionados pela obra.

Túlio Mourão é mineiro, nascido em Divinópolis, foi o compositor das faixas Pitágoras e O contrário de nada é nada – a última em parceria com Sérgio Dias. O compositor tem uma vasta e diversificada produção musical, passando por trilhas para filmes, acompanhando diversos artistas – entre eles Milton Nascimento, com quem trabalhou por 12 anos – e produzindo discos solos.

CONTRAMÃO: Quase 40 anos depois o álbum volta a ser interpretado. O que foi decisivo para que essa reunião pudesse acontecer? Vocês já haviam se apresentado em dezembro do ano passado, com a mesma formação, durante o festival Psicodália, acredita que outros encontros acontecerão?

TÚLIO MOURÃO: Faz sentido para nós tocarmos juntos e a partir disso é que a gente resolveu fazer o show. Outra coisa importante foi perceber como a juventude, a garotada, tem um apreço quase que inexplicável pelo disco. A gente esbarra, diariamente, com pessoas que falam do disco com um interesse, com um respeito que nos surpreende. Para se ter uma ideia, depois do festival Psicodália [em Rio Negrinho, SC], a gente autografou mais discos do que quando ele foi lançado. Isso é muito surpreendente. Ficamos muito comovidos. Por isso tratamos de criar as condições para que este encontro fosse possível, mesmo com o Sérgio [Dias] morando lá em Las Vegas, a gente tratou de tornar isso possível. Não é possível dizer quantas vezes isso vai acontecer, mas dessa vez houve uma resposta de mercado interessante.

CONTRAMÃO: Túlio Mourão, enquanto mineiro, o que achou da resposta do público para o show em BH?

TM: A resposta aqui em Minas foi maravilhosa, o interesse foi incrível. Belo Horizonte respondeu muito bem a essa notícia! Foi um rastilho de pólvora: os ingressos começaram a serem vendidos e para a primeira plateia [área 1, mais a frente do palco] esgotaram no primeiro dia. Eu fiquei muito sensibilizado.

CONTRAMÃO: E o grupo já esperava por uma demanda tão grande? Os ingressos já começavam a esgotar antes da divulgação fora da internet começar, vocês imaginavam que teriam essa força na internet?

TM: Os ingressos começaram a ser vendidos e a área 1 já tinha encerrado antes de começar divulgação em massa, na grande mídia. Mas eu já esperava essa resposta. Sempre achei que esse fosse um show para 4 mil, 5 mil pessoas. Não foi uma surpresa para mim, não. A gente sabia que a garotada, essa rede de aficionados com o disco, estava nas redes sociais. Então, começamos por ali e deu certo. Nas redes sociais tivemos um impacto muito grande: no fim de semana que fiz o post no Facebook já haviam 700 compartilhar. Então, quando começou a divulgação na grande imprensa muitos ingressos já haviam sido vendidos.

CONTRAMÃO: E a que atribui essa procura por ingressos, esse volume de autógrafos? Porque o disco continua sendo um grande sucesso mais de três décadas depois de seu lançamento, em 1974?

TM: Eu tive a oportunidade de perceber que nos dedicamos muito na época e a gente realmente conseguiu criar um álbum muito relevante. Quando eu tento explicar porque a garotada gosta tanto deste disco lembro que é uma garotada que tem acesso instantâneo sobre toda produção contemporânea, essa garotada tem como comparar tudo que acontece. O que ela encontra e a atrai é a consistência musical e a alta performance instrumental deste álbum. É muito prazeroso perceber esse reconhecimento.

Texto por Alex Bessas

Imagem de capa do álbum

A mostra A música vai ao cinema, em cartaz no Centro Cultural UFMG, finaliza a sua terceira semana com a exibição do documentário Daquele instante em diante, que percorre a trajetória musical de Itamar Assumpção, desde os anos da vanguarda paulista na década de 1980 até a sua morte aos 53 anos.

Desde o dia 3 de setembro, a mostra apresenta às terças e quintas-feiras, sempre às 19h, filmes que exploram as relações entre música e cinema, como o iraniano O silêncio, e o documentário Buena Vista Social Club, inspirado no álbum de mesmo nome, premiado com um Grammy.

Para o professor Marco Scarassatti, curador da mostra, “além do seu uso como condutora dos afetos, ilustrativa de determinadas situações filmadas, a música torna-se personagem, núcleo temático das ações fílmicas, instância narrativa, eixo de inscrição do real”.

Produzido por Rogério Velloso, Daquele instante em diante (2011) reúne uma seleção de imagens raras de Itamar Assumpção, garimpadas em acervos e arquivos particulares, mostrando sua presença antológica nos palcos e os momentos de intimidade entre os amigos e familiares.

A música vai ao cinema permanece em cartaz até o dia 26, com entrada gratuita, e integra a programação do projeto CINECENTRO.

Serviço: Exibição de Daquele instante em diante

Data: 19/09

Horário: 19h

Local: Centro Cultural UFMG

Endereço: Av. Santos Dumont, 174, centro

Telefone: (31) 3409-8279

Por: Fernanda Fonseca

Foto: Reprodução/Facebook

À tarde de 15 de setembro fechou com chave de ouro, com a 1°edição da virada cultural BH, que teve fim após 24 horas de muita música, brincadeiras e diversão. Na Praça da Estação por volta das 14h15min cerca de 200 pessoas se concentrarão em frente ao museu de artes e ofícios, algumas pessoas se assentaram no chão, outras procuravam sombras para se esconder do sol. A animação também estava garantida no quarteirão fechado entre as Av. Afonso Pena e Espirito Santo, com mais ou menos 100 pessoas, tranquilidade a curtição tomaram conta do local.

Alguns comércios ficaram abertos até mais tarde, como farmácias e lanchonetes, para atender o movimento e a circulação de pessoas em prol do evento. A segurança estava reforçada em vários pontos da capital, principalmente, nos locais das apresentações e nas avenidas mais movimentadas. No Parque Municipal a alegria contagiava as pessoas, os eventos eram direcionados a todas as idades, a tarde, muitas crianças, cachorros e adultos se misturavam em uma mesma sintonia.

Tiago Lopes, 21, estudante, diz que estava na Virada desde as 18 horas de sábado e pretendia ficar o tempo que o corpo aguentasse. “A ideia da virada foi super legal, positiva e não tem como não vir”, ele afirma não ter uma preferência pelas apresentações, “gostei de tudo”. Na Praça Afonso Arinos, a apresentação do Aruanda, chamou a atenção de quem passava pelo local, por volta das 15 horas. Maria da cruz, 40, doméstica, tirou um tempinho no trabalho para aproveitar os últimos minutos da virada ela diz que: “Gostei muito, adorei, muito lindo”.

Na Praça da Liberdade uma das apresentações finais, foi do Quarteto Cobra Coral, que encantou os olhos da plateia que observava atentos a cada detalhe das apresentações. Aurea Estáquia, 65, professora aposentada, ficou impressionada com a quantidade de pessoas que estavam nas ruas de diferentes regiões da cidade e classes sociais “Estava em casa com dor de cabeça, lembrei da virada e resolvi tomar um remédio e vim para cá. Já estou preparada para as próximas que virão”, garante.

Segundo a organização do evento cerca de 200 mil pessoas passaram por todos os Oito pontos  da capital, apreciando, musica, teatro, cinema, vídeo, moda, fotografia, literatura, dança entre outros , de sábado para domingo.

Texto: Aline Viana

Foto: Aline viana

Neste ano, o Festival Internacional de Corais (FIC), realizado entre os dias 1º e 15 de setembro, integrou a programação da Primeira Virada Cultural de Belo Horizonte, com apresentações dos corais Ribeirão de Areia e Vozes das Veredas, na Praça da Liberdade.O coral Ribeirão de Areia é formado por moradores do distrito de Jenipapo de Minas, no Vale do Jequitionha. A apresentação contou com um repertório de canções populares e uma homenagem ao cantor e compositor Chico Buarque. “A ideia  de homenagear Chico Buarque surgiu na última edição do FIC, quando homenageamos os 110 anos de nascimento de Carlos Drummond de Andrade. Imediatamente lembrei do Chico Buarque que é um ícone de nossa Música Popular Brasileira e a partir daí começamos a planejar o FIC 2013”, conta o Maestro Lindomar Gomes, organizador e curador do festival, a música escolhida para a homenagem foi Passaredo.

O coordenador do coral, Lori Figueiró, explica que o grupo é composto por crianças e jovens: “É um projeto da Associação Jenipapense de Assistência à Infância (AJENAI) em parceria com o Fundo Cristão para a Criança, com o apoio do Ponto de Cultura.”. Segundo Figueiró, o coral interpreta músicas do Vale do Jequitionha, em um resgate de grupos de cultura popular. No repertório está uma canção de autoria do próprio grupo: “A música Nós, um Coral é uma composição da Karen Antônia, de 12 anos, e foi composta a partir de uma oficina de fotografia e literatura.”

A estudante de psicologia Marília Beatrice, 22, prestigiou a apresentação de coral. “O que me chamou atenção no coral foi o fato de estarem homenageando o Chico Buarque, mas eu vim pra conhecer, saber como é a apresentação de um coral”, explica. Já a carioca Iza Gontijo Silveira, 79, participa de um grupo de coral no Rio de Janeiro e veio prestigiar a atração. “Estou a passeio em BH e aproveitei pra ouvir os corais que eu adoro”, diz.

Os cantos entoados pelos corais resgatam tradições do povo mineiro e promovem um encontro de gerações, em uma atmosfera de nostalgia e encantamento. Dalca Rosa, 42, enfermeira, afirma que os corais representam o estado de Minas Gerais. “É uma oportunidade de ver os corais, que reúne muita coisa boa. Temos que aproveitar e prestigiar”, declara.

Texto:Fernanda Fonseca

Foto: Fernanda Fonseca

Começou hoje a 13° edição do Indie Festival, prosseguindo até a próxima quinta-feira, 12. O Indie 13 contará com exibição gratuita de 21 filmes internacionais, 10 nacionais, além de uma série filmes de Jean-Claude Brisseau e Wang Bing. As produções serão distribuídas entre três salas de cinema da capital mineira: Cine Belas Artes, Teatro Oi Futuro e Cine Humberto Mauro. Dentre as obras apresentadas estarão os trabalhos de três brasileiros que se diferenciam  pela ambiência comum: eles se passam em um universo fantástico, marcado pela presença de zumbis. Os cineastas Peter Baiestorf, Rodrigo Aragão e Davi de Oliveira Pinheiro são alguns dos poucos representantes do cinema fantástico, do gore, do terror e do trash no Brasil. O CONTRAMÃO entrevistou os dois primeiros realizadores, que traçaram um panorama a respeito da produção cinematográfica de horror no Brasil e mostraram que este gênero está muito mais morto do que vivo.

Como está o cenário de filmes trash no Brasil?

Petter Baiestorf

PETTER BAIESTORF: Cada vez mais forte, melhor exemplo é a Rede Globo e suas produções! Agora, o cenário de produções independentes produzido sem a esmola dos editais está cada vez mais forte também, tentando criar um mercado para o cinema de gênero que seja auto-sustentável. Para produzir o “Zombio 2: Chimarrão Zombies” contei com dinheiro de mais 4 produtoras, além da minha Canibal Filmes, que foram El Reno Fitas e Sui Generis Filmes – ambas aí de Belo Horizonte -, Bulhorgia Filmes do Rio de Janeiro e Camarão Filmes & Ideias Caóticas de Vila Velha/ES) e apoio de mais 4 outras produtoras, Fábulas Negras de Guarapari/ES, Necrófilos Produções de Carlos Barbosa/RS, Projeto Zumbilly de Maringá/PR e Gosma de São Paulo/SP, que entraram com material e ajuda física. “Zombio 2”: filmamos tudo em 23 dias ao preço de 20 mil reais. O ideal era tê-lo filmado em 35 dias, mas o orçamento não dava. Tínhamos pessoas de 8 estados brasileiros (RS, SC,PE, PR, SP, RJ, MG e ES) trabalhando quase 24 horas diárias (sem contar que em alguns dias viramos 36 horas trabalhando sem parar). O caminho natural para a produção de gênero no Brasil está em cooperativas entre produtoras independentes.

RODRIGO ARAGÃO: Eu acho que o cenário geral do Brasil tá melhorando, até pela evolução tecnológica. Mas a gente não faz cinema por causa do mercado, não faz cinema por que é conveniente ou qualquer coisa assim. A gente faz porque realmente é o que gostamos de fazer, a gente ama e, o seguinte, eu não penso no filme como trash: a gente faz filme como dá pra fazer, a gente faz como pode e eu sempre fui muito frustrado com o Brasil, por não ter mais cinema fantástico. Acho que o brasileiro, a cultura brasileira em geral é cheia de folclore, de magia, as pessoas são cheias de manias esotéricas, de crenças, de seres e o cinema não passa isso. Eu, como fã de cinema fantástico, quis fazer algum filme do gênero com monstros e coisas assim e tentar aproveitar um pouco esse lado. A gente faz com os recursos que é possível. Para um jovem hoje que quer começar está muito mais fácil que pra mim na década de 90.

Onde seus filmes são exibidos e qual a expectativa com o Indie 13? Como sobreviver fazendo filmes independentes?

PB: Já passei da época de criar expectativas. Mas fica o convite aqui para quem curte filmes retardados e alucinados para conferir nosso pequeno filhotinho. Ele é mal criado mas tem um ótimo senso de humor. Meus filmes são exibidos pelo mundo inteiro, qualquer lugar que queira exibi-los. Não gosto de criar caso, se quiserem exibi-lo num cinema luxuoso está lindo, se exibirem numa parede, tão lindo quanto! Quero meus filmes rodando pelo mundo. “Zombio 2: Chimarrão Zombies” está tendo uma acolhida bem interessante, principalmente em Festivais de cinema Fantástico. Sua estreia se deu no FantasPoa – maior festival latino de cinema fantástico – e depois disso começou a ser selecionado em muitos festivais. Para minha surpresa ele foi selecionado no Festival Fantástico de Sitges, este que é um dos mais importantes festivais fantástico do mundo. Mas também estou liberando-o para exibições em shows de bandas, lançamentos de livros, cineclubes, botecos, etc. Quanto a sobreviver de cinema independente aqui no Brasil, infelizmente ainda não há como. A mentalidade do cineasta e distribuidor brasileiro está mais em como conseguir fazer para seu projeto ser aprovado num edital do que em criar uma indústria verdadeiramente forte. Lanço meus filmes de forma independente, as vezes recupero o dinheiro investido em cada produção, mas o mais habitual é perder dinheiro em cada produção porque aqui todos acham que cinema deve ser exibido de graça. Se quer ganhar dinheiro tenta edital, ou vira médico, advogado ou qualquer uma dessas profissões xaropes.

RA: Com o Mar Negro e esse espaço com o Indie está acontecendo uma coisa muito legal, que é o seguinte: estamos conseguindo ter uma janela fora dos festivais de gênero, que são os festivais de cinema fantástico. É um sinal que a gente está transbordando, o que é muito legal. E vai ser interessante que é um público um pouco diferente do que eu estou acostumado a exibir meus filmes. Este é meu terceiro longa metragem, exibi-lo em Belo Horizonte é especial porque sou de Guarapari que é litoral de Belo Horizonte né? E o produtor do filme é daqui, eu já morei aqui então é uma cidade que eu tenho um carinho especial.

Porque filmes trash? Há muito trabalho sendo desenvolvido?

PB: Minha filmografia vai de cinema gore até filmes experimentais mais artístico. Aliás, Indie já exibiu um curta nesta linha chamado “Palhaço Triste” em 2006, se não me engano. Passei quase 20 anos fazendo filmes que iam do gore, passando pelo cinema erótico até coisas dadaístas. Atualmente estou voltando a me apaixonar pelo cinema de gênero e “Zombio 2: Chimarrão Zombies” é o primeiro de vários filmes de gênero que pretendo produzir. Tô de saco cheio deste cinema intelectualoide (ou comédias padrão especial de TV) que é regrinha no cinema brasileiro, eu mesmo realizei vários curtas numa linha mais de arte – mesmo porque a linha divisória de uma produção de arte e uma produção trash é extremamente tênue. Meu caminho – e friso aqui MEU CAMINHO – pela próxima década será investir em cinema de gênero. O Brasil está cheio de cineastas de cinema de gênero produzindo muito, só que a maioria é mantida completamente a margem. Nesta próxima década quero trabalhar mais na direção de produzir e distribuir filmes. Criar um mercado de distribuição independente no Brasil vai ser extremamente difícil e penoso, mas acredito num sistema de cooperativismo entre produtores nanicos que pode ter força pela quantidade. Tem público pra caralho no Brasil e assim que for possível eu me estruturar, pretendo investir na distribuição de filmes independentes.

RA: São filmes feitos de fãs para fãs, o Mar Negro eu tive a felicidade de convidar as pessoas que queriam participar. Não tinha orçamento para fazer algumas das cenas do filme e as pessoas começaram a ir por conta própria. Pagaram a própria passagem e foram trabalhar de graça, foi uma honra para mim e teve uma hora que reuniram 70 pessoas na equipe, havia gente de Santa Catarina, Porto Alegre, Aracaju, São Paulo, Rio de Janeiro, veio um cineastra do México, veio um cineasta da Costa Rica, um estudante da Alemanha e uma da Nova Zelândia. Então são pessoas que estavam felizes por estar dividindo aquele tempo, aquele espaço juntos e elas não dormiam, porque a gente tinha pouco tempo para dormir, trabalhava muito, e o pouco tempo que tinham para dormir as pessoas queriam conversar e falar de filme, de filme, de filme. Foi uma coisa muito bonita e eu acho que isso passa para a platéia, e eu acho que essa paixão toda ela supera as dificuldades e aqueles problemas técnicos que a gente costuma ter.

Rodrigo Aragão

Quais são seus próximos projetos?

PB: Lançar meu livro “Arrepios Divertidos”, sobre cinema independente, e levantar o dinheiro necessário para a produção de um curta chamado “Pervertidos”. E lançar o “Zombio 2: Chimarrão Zombies” em DVD para venda direta ao consumidor.

RA: O Mar Negro não fecha uma trilogia, ele abre um leque de um mundinho que eu quero que continue crescendo. Eu estou trabalhando em dois projetos ao mesmo tempo agora. Um curta metragem, que é uma co-produção internacional com 8 diretores – eu sou o único brasileiro -. Vai se chamar “Reencuentro de Cadáveres” e deve ser lançado no início do ano que vem. Meu curta se chama “Confissões de um Cineastra Canibal”, narrando a história de um cara que tenta fazer filme de terror e não consegue. Ele começa a matar as atrizes de verdade, filma, corta os pedaços e vende de churrasquinho para financiar a compra do equipamento do filme, esta bem divertido. E estou trabalhando em uma continuação do Mar Negro, é uma continuação de, não posso contar muito, mas é a continuação de um dos personagens do Mar Negro. Vai se chamar O Livro Negro  que é um livro que ele esta presente no Noite do Chupacabra, no Mar Negro também. E pode ser que esse quarto filme se torne o piloto de uma série, que é uma coisa que estou namorando tem 15 anos de fazer: uma serie de terror no Brasil e vamos ver se agora sai, aproveitando esses personagens todos.

Texto por Alex Bessas e Juliana Costa

Foto de capa: foto divulgação de Mar Negro

Foto de Petter Baiestorf: Leyla Buk

Foto de Rodrigo Aragão: Juliana Costa