Entrevista

Escritor carioca vende suas obras nas calçadas da capital mineira

imagem-009

“Meus textos são exclusividade das ruas”

“Livrinhos” nas mãos e mochila nas costas. Era assim que carioca Peter Lima parava os pedestres na esquina da Rua da Bahia com Bernardo Guimarães. O rapaz se aproximava das pessoas para vender sua crônica “Coisas de Boteco”. O escritor trabalha de forma independente vendendo sua literatura pelas ruas da cidade por apenas dois reais. Confira a entrevista com o Peter Lima.

imagem-005

Jornal Contramão: Qual o tema de suas crônicas?

Peter Lima: Primeiro é a vida, não tenho tema específico. Escrevo aquilo que vivo e isso varia a cada momento. Hoje, estou escrevendo crônicas, mas há um tempo escrevia poesias que emitem outras sensações e outros olhares. Depende muito da época que estou passando. É um olhar do homem e sua contingência.

JC: Porque vender nas ruas?

PL: Primeiro porque é uma forma alternativa de divulgar a literatura. O preço é acessível, vendo por 2 reais. E, também, por ser uma iniciativa independente. Vou onde está o leitor. Diferente das livrarias que o camarada tem de ir lá para adquirir o livro, eu acabo surpreendendo as pessoas pelas ruas.

JC: E as pessoas aceitam bem?

PL: Sim, os livros são bem aceitos. É interessante que isso serve para desmistificar o fato das pessoas não gostarem de poesia e literatura. Acredito que as pessoas não leem porque esse tipo de leitura não chegam até elas.

JC: Você é de BH?

PL: Não, sou do Rio, moro em Ouro Preto e sempre venho aqui. Tem 2 anos que moro em Minas.

JC: Você vende apenas aqui na Região da Praça da Liberdade ou também vai para outras regiões da cidade?

PL: Eu ando pelas ruas. Gosto muito da Praça da Liberdade porque ela ainda tem a cultura de praça, não é só um local de passagem. As pessoas param, estão dispostas a ouvir alguém, mas não me prendo somente nela. Nem me prendo a centro cultural algum. Estou nas ruas, à procura de leitores.

JC: Qual a sua formação?

PL: Sou formado em Comunicação pela Federal Fluminense (UFF/RJ) e faço Pedagogia na Ufop. Mas a minha vocação literária veio mais por gostar mesmo de ler e escrever ainda antes de ingressar na Universidade.

JC: É possível encontrar seus textos fora das ruas?

PL: Ainda não tenho nenhuma página na internet, mas estou pensando em montar um blog com uns amigos. Enquanto isso, meus textos são exclusividade das ruas.

0 371

           O que a atendente da rodoviária, o passageiro da linha 3050 e o fubá, da torcida organizada do Cruzeiro podem ter em comum? A princípio, todos se encontram em Belo Horizonte. Mas uma característica ainda mais peculiar os uniu. Eles, assim como várias outras pessoas, se tornaram personagens das histórias relatadas nos jornais e revista produzidos pelos alunos do 1º e 2º módulos do curso de Jornalismo, do Centro Universitário UNA.
O trabalho faz parte da semana Vitrine, que expõe durante os cinco dias de junho os produtos finais da disciplina TIDIR, de toda a FCA. Coordenados pelo professor Reinaldo Maximiano, os alunos deste módulo escolheram um tema sobre Belo Horizonte, focando em personagens e cuidando para que este tema ganhasse um novo olhar, fugindo do que já é abordado pela grande mídia.
Por isso, pessoas comuns, histórias corriqueiras e atitudes desconhecidas por muitos ganharam espaço nas produções dos alunos. “Rodô: sobre o terminal rodoviário”, “InFoco: sobre as torcidas organizadas”, “O Coletivo: sobre o ônibus da linha 3050” e “Regresso: sobre as penitenciárias e o trabalho da Associação de Proteção e Assistência aos Condenados” foram o resultado final do trabalho dos alunos desses módulos, que mesmo sem ter cursado uma disciplina de produção gráfica, se empenharam e conseguiram desenvolver belas produções.

Por Jéssica Vírginia e Natália Oliveira.

0 359

Nessa quarta-feira, 24 de junho, aconteceram as apresentações do TIDIR do curso de cinema do 5º período, com o tema geral “Viver na metrópole contemporânea”. A primeira apresentação foi do curta “Calamidade privada”, que tinha como base o caos e a desestrutura do modelo familiar que conhecemos. O curta trouxe a tona problemas causados pela instabilidade familiar e a busca pela auto afirmação.

O objetivo dos alunos era mostrar que além de sermos anônimos para as pessoas de fora, graças às pressões da sociedade, somos,também, anônimos dentro das nossas casas. Através de exemplos presentes no cotidiano da sociedade, o grupo passa a mensagem de que ninguém conhece ninguém verdadeiramente, e que cada pessoa tem sua forma de escape para o caos contemporâneo.

Por Natália Zamboni e Débora Gomes.

0 659

O tema geral do trabalho era “A Nova localização da Faculdade de Comunicação e Arte” e a ênfase escolhida foi os “Benefícios para comunidade acadêmica”. No trabalho foram discutidas as vantagens da mudança de campus, a fim de aproximar a FCA dos espaços culturais que estão em seu entorno.


O trabalho interligou as quatro disciplinas do módulo utilizando diferentes plataformas: fotos, vídeos, website e divulgação impressa. O produto final foi o EXPOTIDIR 2008  que ocorreu entre os dias 26 e 28 de novembro do ano passado, no Teatro do ICBEU. Para o desenvolvimento deste trabalho, os alunos  realizaram um plano de comunicação aliando teoria e prática, o reconhecimento da importância da cultura para a formação do aluno, a reflexão com novos olhares sobre a mudança de campus e o aprendizado de criação.

A equipe é composta pelos alunos Alexandre Barcelos, Sabrina Guimarães, Bruna Alvarenga e Vinicius Penido.

Por: Andressa dos Santos, Ana Ligia, Thaline,João Marcelo, Lílian Ferreira.
(3º módulo de jornalismo)  Rafael Jota. ( 1º módulo de jornalismo)