Entrevista

0 349

           O que a atendente da rodoviária, o passageiro da linha 3050 e o fubá, da torcida organizada do Cruzeiro podem ter em comum? A princípio, todos se encontram em Belo Horizonte. Mas uma característica ainda mais peculiar os uniu. Eles, assim como várias outras pessoas, se tornaram personagens das histórias relatadas nos jornais e revista produzidos pelos alunos do 1º e 2º módulos do curso de Jornalismo, do Centro Universitário UNA.
O trabalho faz parte da semana Vitrine, que expõe durante os cinco dias de junho os produtos finais da disciplina TIDIR, de toda a FCA. Coordenados pelo professor Reinaldo Maximiano, os alunos deste módulo escolheram um tema sobre Belo Horizonte, focando em personagens e cuidando para que este tema ganhasse um novo olhar, fugindo do que já é abordado pela grande mídia.
Por isso, pessoas comuns, histórias corriqueiras e atitudes desconhecidas por muitos ganharam espaço nas produções dos alunos. “Rodô: sobre o terminal rodoviário”, “InFoco: sobre as torcidas organizadas”, “O Coletivo: sobre o ônibus da linha 3050” e “Regresso: sobre as penitenciárias e o trabalho da Associação de Proteção e Assistência aos Condenados” foram o resultado final do trabalho dos alunos desses módulos, que mesmo sem ter cursado uma disciplina de produção gráfica, se empenharam e conseguiram desenvolver belas produções.

Por Jéssica Vírginia e Natália Oliveira.

0 324

Nessa quarta-feira, 24 de junho, aconteceram as apresentações do TIDIR do curso de cinema do 5º período, com o tema geral “Viver na metrópole contemporânea”. A primeira apresentação foi do curta “Calamidade privada”, que tinha como base o caos e a desestrutura do modelo familiar que conhecemos. O curta trouxe a tona problemas causados pela instabilidade familiar e a busca pela auto afirmação.

O objetivo dos alunos era mostrar que além de sermos anônimos para as pessoas de fora, graças às pressões da sociedade, somos,também, anônimos dentro das nossas casas. Através de exemplos presentes no cotidiano da sociedade, o grupo passa a mensagem de que ninguém conhece ninguém verdadeiramente, e que cada pessoa tem sua forma de escape para o caos contemporâneo.

Por Natália Zamboni e Débora Gomes.

0 613

O tema geral do trabalho era “A Nova localização da Faculdade de Comunicação e Arte” e a ênfase escolhida foi os “Benefícios para comunidade acadêmica”. No trabalho foram discutidas as vantagens da mudança de campus, a fim de aproximar a FCA dos espaços culturais que estão em seu entorno.


O trabalho interligou as quatro disciplinas do módulo utilizando diferentes plataformas: fotos, vídeos, website e divulgação impressa. O produto final foi o EXPOTIDIR 2008  que ocorreu entre os dias 26 e 28 de novembro do ano passado, no Teatro do ICBEU. Para o desenvolvimento deste trabalho, os alunos  realizaram um plano de comunicação aliando teoria e prática, o reconhecimento da importância da cultura para a formação do aluno, a reflexão com novos olhares sobre a mudança de campus e o aprendizado de criação.

A equipe é composta pelos alunos Alexandre Barcelos, Sabrina Guimarães, Bruna Alvarenga e Vinicius Penido.

Por: Andressa dos Santos, Ana Ligia, Thaline,João Marcelo, Lílian Ferreira.
(3º módulo de jornalismo)  Rafael Jota. ( 1º módulo de jornalismo)

0 786


Interdisciplinaridade
. Essa é a palavra que define a disciplina TIDIR. A proposta do TIDIR justifica-se em todos os alunos – do 1º ao 6º período – da FCA produzirem novos conhecimentos acadêmicos, tendo como ferramenta a grade curricular do respectivo período.
O resultado deste processo é a segunda semana da interdisciplinaridade da Faculdade de Comunicação e Artes – o Vitrine -, que foca o tema: “Diversidade Cultural’’. Durante a semana serão realizadas as respectivas apresentações dos alunos, cada qual, envolvidos em temas específicos.
Nas palavras do diretor da FCA, Silvério Dias Marinho: “Nós acreditamos que o TIDIR é o diferencial da UNA na formação profissional” e acrescenta que o trabalho é o resultado daquilo que aprendemos em sala de aula durante o semestre.

Origens. Segundo Piedra Magnani, coordenadora geral do TIDIR, permuta em um projeto do grupo Anima, que gerencia a UNA. Ela complementa que o TIDIR atende a uma exigência do MEC que objetiva uma maior interdisciplinaridade entre as disciplinas específicas do curso. A coordenadora explica que nem sempre o TIDIR foi visto com bons olhos, inclusive pelo corpo docente da faculdade, por ter seu cerne concentrado fora dos planos da faculdade, ou seja, uma imposição.
Porém, com o tempo, houve uma aceitação dos docentes e alunos, e o TIDIR tem se mostrado uma boa ferramenta de aplicação da interdisciplinaridade e também das relações de convivência (ou não).
A origem do tema do Vitrine, como informa Joana Ziller, coordenadora do curso de jornalismo da FCA, é caracterizada por uma seleção prévia de palestras. Complementa que a PUC manifestou interesse em uma parceria com a UNA, utilizando o tema “Diversidade Cultural”.

Ouça abaixo a entrevista com a Piedra.

Resultado. Mesmo o Vitrine sendo um evento novo, Joana Ziller informa que há um crescimento do envolvimento e interesse dos alunos: “no primeiro semestre [2007], ninguém sabia direito como iria ficar, hoje, a gente viu o resultado. Foi muito legal ver o resultado do TIDIR de todos os cursos”, finaliza.

Ouça abaixo a entrevista com a Joana.

Por: Gabriel Sales, Guilherme Côrtes, Natália Zamboni, Vítor Hugo.

Confira o vídeo


0 945

Toda segunda-feira você encontrará uma entrevista com artistas ou jornalistas no nosso site. Na primeira edição, conversamos com  alguns integrantes da banda Graveola e o Lixo Polifônico.

Reciclagem Polifônica

O título traduz bem a musicalidade da banda belo-horizontina, Graveola e o lixo Polifônico, que faz um som difícil de definir. Experimentando e reciclando as sonoridades “pop”, suas melodias vão da poesia ao deboche. permeadas por um samba, rock, jazz, tango, mpb, etc. As letras mantêm uma intertextualidade com a bagagem dos integrantes. Com bom humor, uma das músicas chama-se: Chico Buarque de Holanda vai à copa de 2006.

A banda mistura instrumentos propriamente musicais, com brinquedos e utensílios domésticos. Em palco a voz grave e as “dancinhas” do vocalista José Luiz contagiam quem os assiste e ouve. Em meio às músicas ele e Luiz Gabriel conversam com o público, criando uma interação entre a banda e  seus ouvintes. Durante as músicas os integrantes da banda trocam várias vezes de instrumentos, sendo que fica difícil definir quem toca qual instrumento.

Os músicos do grupo são José Luis Braga, Luiz Gabriel Lopes, Flora Lopes, Marcelo de Podestá, Yuri Vellasco, João Paulo Prazeres e Bruno de Oliveira. Em 2008 eles gravaram o primeiro e único CD da banda e construíram um site com o fundo municipal de cultura. O CD está disponível para download no site da banda. Os integrantes Luiz Gabriel e João Paulo deram entrevista ao Contramão.

Contramão: De onde surgiu o intrigante nome da banda, Graveola e o Lixo Polifônico?

Luiz Gabriel: “Graveola” não tem muito uma explicação, é mais pela sonoridade, foi um insight meio aleatório. E o “Lixo Polifônico” tem origem numa lixeira, propriamente, que o Marcelo Podestá usava para batucar nas nossas primeiras rodinhas de violão, lá pelos 2004 da vida. Se relaciona com uma vontade de buscar sonoridades vindas de coisas não necessariamente “musicais”, instrumentos de brinquedo, coisas que tínhamos à mão nessa época. Também a idéia da reciclagem enquanto uma espécie de metodologia de trabalho, tanto nas composições, como nos arranjos, no pensamento todo sobre a coisa. Então a coisa de “reprocessar” uns gêneros, fazer plágios, etc.

João Paulo: Graveola é uma “palavra valise” nela estão implícitas várias outras como: Graviola, Grave + (Radi) ola / (Vitr)ola.

Contramão: Essa reciclagem seria no sentido de criar algo novo?

Luiz Gabriel: A idéia de “criar algo novo” por si só não é necessariamente interessante. O nosso som não tem o “novo” como característica que salte à primeira vista. A maioria das coisas são “formas clássicas” da canção pop, “contaminadas” pelos vários gêneros e sonoridades com os quais convivemos. Aí entra o jazz, o axé, a música erudita, a MPB, o samba, o pagode, a música eletrônica, em diferentes níveis e intensidades, mas sempre presentes de alguma forma, mesmo até que a gente não perceba. O que é uma coisa muito doida, porque nós mesmos ficamos buscando as referências e garimpando para ver de onde que vem cada coisa. Isso vira uma grande brincadeira na composição, no arranjo, na hora de tocar.

Contramão: Como vocês se conheceram?

Luiz Gabriel: Eu, João e Marcelo formamos no mesmo curso. No início era eu, Zé e Marcelo, “hipongagem” mesmo, fazendo um som, rodinha de violão. Depois entrou a Flora, minha irmã, que já tocava comigo em outros projetos há mais tempo. O João já fazia umas participações, mas era no “chove não molha”, aí de repente ele tocava o show inteiro e não tinha mais jeito.

João Paulo: E aconteceu a mesma coisa com o Bruno, o baixista.

Luiz Gabriel: O João tinha um quarteto de jazz, o Criado Mudo, com o Yuri, que também entrou na banda.

João Paulo: Eu conheci o Yuri ele era molequinho. Não tinha nem barba. Tocamos juntos há uns sete anos.

Contramão: Apesar da banda não estar na grande mídia os shows estão quase sempre lotados e costuma não ter ingresso para entrar. A que vocês atribuem este fato?

Luiz Gabriel: Vai formando uma galerinha que gosta, fica sabendo dos shows, aí passa e-mail para a banda, nós avisamos sobre os shows, colamos cartaz, fazemos a divulgação toda “na tora.” Não é tempo no sentido de que “temos uma longa carreira”, na verdade é tudo recente. Mas muitas pessoas que vão aos shows, é a galera que via a gente em rodinha de violão da FafichMG (Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas).Um fala pro outro. Nunca tivemos preguiça de trabalhar na divulgação. Tem também o sensacional mérito do Marcelo Podestá, com a identidade visual-divulgatória da banda. Os cartazes têm uma “tradição estética” bem interessante. O myspace foi uma porta legal também, muita gente conheceu por lá, principalmente no último ano, eu acho.

João Paulo: O Graveola é uma banda que se comunica. A banda não só toca e se apresenta no palco, ela interage. Tem também a equipe da banda, que consiste em todo o pessoal da banda e mais os “agregados”: fotógrafos, videógrafos, técnicos, produção, e etc. Eles são carinhosamente chamados por nós de família Graveola e produzem tudo que você vê, ouve ou não vê nem ouve nos shows.

Luiz Gabriel: Mas calma que quem vê falando assim até pensa que a gente tem uma mega estrutura. Na verdade só temos um bando de amigos talentosos e muito animados.

Contramão: Vocês pensam em viver unicamente da banda, como profissão?

João Paulo: O negócio é a condição do músico e do artista.

Luiz Gabriel: O coitado do músico (do artista, de forma geral) tem que fazer um milhão de bicos, dar aula, tocar em um milhão de grupos, animar festinha de criança e vender sanduíches. Eu acho que a gente vai viver de música, de qualquer forma, ou viver “pra música”, talvez seja mais o caso. O Graveola é uma das coisas nessa conta, nesse momento. Entra a questão da dificuldade de levar pra frente trabalhos independentes, sem nenhum incentivo de grana. Você tem que compor, ensaiar, tocar, fazer o cartaz, xerocar, colar na rua, mandar e-mail para a galera, passar som, carregar os instrumentos depois do show. Tudo isso “na tora productions.”.

João Paulo: Esse disco nosso mesmo, e o de vários amigos nosso músicos de BH, só foi possível graças a esse mecenato estatal contemporâneo (Lei Municipal de Incentivo a cultura).

Luiz Gabriel: Que é uma coisa muito pequena, tendo em vista a quantidade de gente disputando e precisando disso como única alternativa pra viabilizar os trabalhos. Rolou grana de incentivo para o projeto da gravação do CD, e só, até agora. Fora isso é a gente mesmo botando pra frente. Mas sem essa grana do fundo municipal de cultura seria impossível ter rolado o CD, da forma como rolou.

Contramão: O som da banda é bem diferente e difícil de classificar dentro de algum estilo musical como vocês se definem?

Luiz Gabriel: Acho que o som da banda é mais uma junção de várias coisas clássicas, muito identificáveis em si, mas unidas num todo. Falar de um “estilo”, no sentido de um gênero, é difícil mesmo, porque tem várias absorções, tipo plágios estilísticos mesmo. Um bolero, um sambinha, uma bossinha-jazz, um rock e várias coisas que a gente ouviu, ouve, e gosta. Referências roubadas de toda parte. Fica uma sacanagem de  inventar termos.  “Barroco beat” é o melhor, eu acho, é o meu preferido. É de um amigo nosso, o grande teórico Gabriel Schunemann.

João Paulo: O negócio é sempre estar pronto para “puxar o tapete” da galera, sabe?

Contramão: Como assim puxar o tapete da galera?

João Paulo: Vou dar um exemplo. Tocamos duas semanas seguidas no Estúdio B e de uma pra outra mudamos radicalmente o arranjo da música  “Benzinho”. Isso deixa aquela confusão gostosa na cabeça da galera.

Luiz Gabriel: É estar sempre disposto a não fazer o que é mais cômodo, ou o que é mais esperado, de uma forma geral.

Contramão: Porque vocês escolheram disponibilizar o CD também no site?

João Paulo: Não é uma escolha. Aliás, acho que a escolha foi disponibilizar também na loja. Porque a idéia é tocar e que a banda seja ouvida. A música é a arte do instante. Só existe enquanto está vibrando no ar.  Então restringir o disco a um público comprador é restringir a nossa música.  Vira e mexe no myspace ou no last.fm a gente vê gente de cada lugar maluco do mundo ouvindo o Graveola.

Contramão: Vocês optaram por utilizar vários instrumentos diferenciados, porque não utilizar somente os tradicionais?

Luiz Gabriel: Porque não tínhamos um baixo, ou uma guitarra. Uma questão totalmente material, quando começamos tínhamos um violão, meia dúzia de brinquedos, uns copos, umas colheres e uma lixeira. Mas na verdade, se você for ver a ficha técnica do disco, esses elementos não são as coisas mais presentes, estão em conjunto com uma porção de instrumentos convencionais. Ficou meio marcada, a coisa dos instrumentos de brinquedo, das sucatas, mas é apenas uma das facetas, nem sei se a mais representativa.

graveola e o lixo polifônico – samba de outro lugar from bernard machado on Vimeo.