Especiais

O clima em BH esquentou de vez.  Não é pelo calor, mas pela chegada dos lutadores que irão disputar o UFC 147 no próximo sábado (23), no Mineirinho. Hoje foi realizado um treino aberto ao público na Praça da Estação, que contou com a presença dos lutadores do card principal do evento, como os brasileiros Wanderlei “Cachorro Louco” Silva, Fabricio “Cavalo” Verdum e os americanos Rich Franklin e Mike Russow, além dos lutadores Cezar  Mutante, Serginho Moraes, Godofredo Pepey e Rony Jason, finalistas do Reality Show  The Ultimate Fighter Brasil (TUF Brasil), exibido pela Rede Globo.

“O esporte está crescendo cada vez mais e já era hora de Minas Gerais receber o maior evento de MMA do mundo. Ninguém vai se decepcionar. Quem ainda tem preconceito deve procurar aprender mais sobre as artes marciais. Convido todos vocês para um treino na minha academia”, disse Wanderlei Silva, após ser ovacionado pelo publico mineiro que assistiu seu treino.

Wanderlei Silva

 Cesar Mutante, que é natural do estado de São Paulo, “mas mineiro de coração”, agradeceu a torcida que representa. “Prometo que vou fazer bonito para todos vocês lá dentro do octógono. Belo Horizonte não se decepcionará com minha apresentação”, disse o lutador.

Cezar Mutante, finalista do TUF Brasil, reside em BH com sua esposa e filha

Na sexta-feira, os lutadores ainda passarão pela pesagem, que serve para constatar se os atletas estão com o peso devido para suas categorias. Trata-se de um importante momento, uma vez que os atletas podem pesar no máximo 450g acima do peso da categoria que disputam. No sábado, o evento tem inicio às 23h, com lutas preliminares dos lutadores não classificados para as finais do TUF Brasil.

Confira a galeria de fotos:

Por: Heberth Zschaber

Fotos: Heberth Zschaber e João Vitor Fernandes

Piquenique na praça, flores, caixas de bombons, corações, animais de pelúcia, além de beijinhos, abraços e muito carinho. É este o clima da região do bairro de Lourdes e da Savassi está neste dia dos namorados. Pela Praça da Liberdade, casais trocam presentes e namoram ao ar livre.

Na praça da Savassi avista-se a banca da florista Vanessa Barros que se queixa, pois, no início da tarde de hoje, o romantismo não havia chegado por lá. “A procura por flores está fraca. O romantismo está em baixa”, declara.

No Instituto cultural Brasil Estados Unidos (Icbeu) a comemoração do dia dos namorados foi pontuado por notas musicais. No hall de entrada, o músico Felipe Marra, 21, executava e cantava músicas românticas, rodeado por bolinhas de sabão. “A música está surtindo efeito, pois as pessoas que passam por aqui param ouvem e conversam comigo. Apesar do romantismo ser pouco hoje”, afirma.

E, para os casais apaixonados que gostam de MPB, o Sesc Palldium traz, hoje, às 21h o cantor e compositor Roberto Frejat. O integrante da banda Barão Vermelho apresenta o show “A tal da felicidade”.

Galeria de fotos: Casais que curtiam o dia dos namorados na praça da Liberdade:

Por: Ana Carolina Nazareno e Bárbara Andrade

Fotos: Ana Carolina Nazareno e Natália Alvarenga

O Trânsito de Vênus, evento astronômico que acontece a cada 105 anos, foi à atração da Praça da Liberdade na noite de terça-feira, 05. A transmissão ao vivo feita pelo Espaço TIM UFMG do Conhecimento reuniu estudantes e curiosos da astronomia. “Eu achei maravilhoso poder acompanhar o fenômeno aqui na praça, não entendo muito, mas acho interessante” comenta Joana de Castro.

O fenômeno foi visto apenas na Ásia e Oceania, porém o observatório Manua Loa, no Havaí, o Museu Exploratorium, de San Francisco (EUA), captaram as imagens e as transmitiram, via satélite para os outros continentes. “Sou muito curioso e já estudei um pouco a respeito. Este tipo de evento ajuda a difundir melhor a astronomia”, afirma o designer João Mário.

O trânsito de Vênus durou, aproximadamente, 6 horas e as melhores imagens foram captadas por volta das 22h.

Saiba Mais

Trânsito de Vênus será exibido em Belo Horizonte

Por João Vitor Fernandes e Hemerson Luiz Dias de Morais

Foto: João Vitor Fernandes

Belo Horizonte se tornou no último fim de semana a capital nacional da tatuagem, recebendo, nos dias 18, 19 e 20, a BH Tattoo Convention. Nos três dias, o evento –  que está em sua 2ª edição – contou com sorteio de brindes e tatuagens, além de um concurso que premiava os melhores trabalhos com um troféu e uma máquina de tatuagem exclusiva, desenvolvida por André Matosinhos, lendário tatuador de BH. A categoria mais esperada, “Melhor Tatuagem Feita No Evento”, ficou com Camilo Tuero.”O importante é concorrer, mostrar a todos o meu trabalho, isso é que é importante. Mas graças a Deus deu certo” completou Camilo.

Camilo Tuero, ganhador do prêmio de "Melhor tatuagem feita no evento"

Camilo Tuero é natural de Lima (Peru) e começou a tatuar aos 16 anos de idade. Aos 20, se mudou para a Argentina, onde trabalhou em vários estúdios de Buenos Aires. Especializado nos estilos realismo e oriental, é um artista reconhecido por seu talento e capacidade de incorporar novas técnicas e idéias aos seus trabalhos. Atualmente, Camilo é uma das maiores referências em tatuagens realistas na América Latina.

Mais de 5 mil pessoas passaram para ver o trabalho de 71 artistas, dos estados de Minas, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Espírito Santo e profissionais internacionais vindos da Suíça, Argentina, Peru, Alemanha e Japão para trocar técnicas e artes, alem de contribuir para a evolução desta arte no estado. Com o objetivo principal de disseminar a informação sobre tatuagem, o evento foi marcado pela diversidade de estilos e as novidades que envolvem este tema. Inácio da Glória é tatuador a 40 anos e foi um dos jurados do evento ” Foi um evento muito agradável, que reuniu tatuadores do Brasil e do mundo, e Belo Horizonte, através desta convenção, fica sendo um polo forte da cultura da tatuagem. O evento está na segunda edição evoluiu de maneira extraordinária, foi um evento de alto nível, merecedor desta cidade tão maravilhosa que é Belo Horizonte.”

Por: Jessica Almeida / Heberth Zschaber

Imagens/Fotos: Paulo Fractal

Buzinaço em vários pontos de Belo Horizonte, a formação de um banner humano na Praça da Estação e uma “blitz” na Ceasa marcaram as manifestações do Dia Nacional Contra o Abuso e a Exploração Sexual Infanto Juvenil, na última sexta-feira, na capital mineira. As atividades fizeram parte da campanha “Minas alerta: proteja nossas crianças”, mobilização iniciada em 2008 para combater a violência doméstica e sexual contra crianças e adolescentes.

A mobilização, de cunho nacional, teve também outro objetivo: pedir a revogação de uma decisão do STJ, que inocentou um homem acusado de estuprar três crianças de 12 anos, sob a alegação que as crianças já se prostituiam. Em termos históricos, o dia 18 de Maio marca um acontecimento que ganhou proporções nacionais. Em 1973, a pequena Araceli Cabrera Sanches, de apenas 8 anos, foi violentada e morta em Vitória (ES). Os culpados por esse crime hediondo nunca foram punidos.

Ouça no podcast a entrevista com a assistente social Jaine Aparecida Gomes sobre a manifestação.

Por Hemerson Luiz dias de Morais

Foto: Assessoria de Comunicação AMAS

O Fórum Mineiro de Saúde Mental organizou hoje, 18, a Caminhada Antimanicomial. Com o objetivo de trazer para cidade a discussão sobre as politicas de saúde pública para pessoas com transtornos mentais, o evento reuniu profissionais e usuários dos programas de saúde mental na Praça da Liberdade. “Nós queremos trazer pra cidade a discussão sobre o lugar da loucura. Discutir a não exclusão do louco do seio da sociedade dita normal”, informa o professor de jornalismo, Jaques Arqueman, um dos organizadores do evento.

Pessoas de vários lugares do estado compareceram à praça para comemorar os progressos já conquistados. “São muito os avanços, já conseguimos reduzir mais de 60.000 leitos no Brasil. Estas pessoas que antes estavam abandonadas nos leitos de hospitais hoje estão aqui na rua conosco comemorando a liberdade”, enfatiza o presidente do conselho federal de psicologia, Humberto Verona.

Caminhada Antimanicomial

O clima era de comemoração, porém os serviços de saúde mental têm muito que evoluir. O preconceito e o tratamento para usuários de álcool e outras drogas são dois grandes desafios.  “As pessoas estão vindo com um pensamento antigo e conversador. Com discurso de internação, um discurso inteiramente manicomial, e tudo que agente já conseguiu até hoje está em risco em função de uma politica equivocada que está sendo proposta para essas pessoas que usam drogas. Para nós qualquer tipo de tratamento tem que ser em liberdade”, completa Humberto Verona.

O sistema de saúde já pensa em novos programas de tratamento mais dignos e eficientes para os usuários. “Estamos trabalhando agora com o esquema de matriciamento. Juntamos os psicólogos, psiquiatras, e toda equipe de saúde para olhar cada caso e definir o melhor tratamento. Quando começamos a pensar assim as melhoras foram grandes”, informa a gerente da Unidade Básica de Saúde (UBS), Angola de Betim, Janina Oliveira.

Caminhada Antimanicomial
Caminhada Antimanicomial
Caminhada Antimanicomial
Caminhada Antimanicomial
Caminhada Antimanicomial

Por João Vitor Fernandes

Foto: Joao Vitor Fernandes e Ana Carolina Nazareno