Hiperlocal
Notícias da região da Praça da Liberdade, rua da Bahia e Savassi - onde está o ampus da Faculdade de Comunicação e Artes da UNA

0

dsc_0069

Primeira Experiência

Alunos do terceiro período, de forma muito descontraída, fizeram entrevistas com os premiados na abertura da II Semana de Interdisciplinaridade da Faculdade de Comunicação e Artes. “Fantástico. Foi minha primeira experiência em frente às câmeras e adorei” afirma Helio Monteiro.

Quando tudo dá certo

Sentimento de dever cumprido é o que todos os integrantes do grupo de Relações Públicas estão sentindo. O grupo apresentou o tema “Nova localização da faculdade de Comunicação e Artes” no semestre passado. A equipe composta pelos alunos Alexandre Barcelos, Sabrina Guimarães, Bruna Alvarenga e Vinicius Penido foi escolhida a melhor da faculdade.

Final Feliz

Vencedores do curso de Publicidade e Propaganda, Alexandre Lima Gontijo e Stephane Domingues, do sexto período, nos informaram que a fórmula do sucesso é ter muita paciência. “Tivemos muitas brigas no início, mas a força de vontade supera tudo”, afirma Alexandre Gontijo. Os dois fizeram questão de homenagear o professor Tonico, “Ele nos ajudou muitos, somos gratos a ele” comenta Stephane.

Por: Raphael Jota (1º Período)

0

O tema geral do trabalho era “A Nova localização da Faculdade de Comunicação e Arte” e a ênfase escolhida foi os “Benefícios para comunidade acadêmica”. No trabalho foram discutidas as vantagens da mudança de campus, a fim de aproximar a FCA dos espaços culturais que estão em seu entorno.


O trabalho interligou as quatro disciplinas do módulo utilizando diferentes plataformas: fotos, vídeos, website e divulgação impressa. O produto final foi o EXPOTIDIR 2008  que ocorreu entre os dias 26 e 28 de novembro do ano passado, no Teatro do ICBEU. Para o desenvolvimento deste trabalho, os alunos  realizaram um plano de comunicação aliando teoria e prática, o reconhecimento da importância da cultura para a formação do aluno, a reflexão com novos olhares sobre a mudança de campus e o aprendizado de criação.

A equipe é composta pelos alunos Alexandre Barcelos, Sabrina Guimarães, Bruna Alvarenga e Vinicius Penido.

Por: Andressa dos Santos, Ana Ligia, Thaline,João Marcelo, Lílian Ferreira.
(3º módulo de jornalismo)  Rafael Jota. ( 1º módulo de jornalismo)

0


Interdisciplinaridade
. Essa é a palavra que define a disciplina TIDIR. A proposta do TIDIR justifica-se em todos os alunos – do 1º ao 6º período – da FCA produzirem novos conhecimentos acadêmicos, tendo como ferramenta a grade curricular do respectivo período.
O resultado deste processo é a segunda semana da interdisciplinaridade da Faculdade de Comunicação e Artes – o Vitrine -, que foca o tema: “Diversidade Cultural’’. Durante a semana serão realizadas as respectivas apresentações dos alunos, cada qual, envolvidos em temas específicos.
Nas palavras do diretor da FCA, Silvério Dias Marinho: “Nós acreditamos que o TIDIR é o diferencial da UNA na formação profissional” e acrescenta que o trabalho é o resultado daquilo que aprendemos em sala de aula durante o semestre.

Origens. Segundo Piedra Magnani, coordenadora geral do TIDIR, permuta em um projeto do grupo Anima, que gerencia a UNA. Ela complementa que o TIDIR atende a uma exigência do MEC que objetiva uma maior interdisciplinaridade entre as disciplinas específicas do curso. A coordenadora explica que nem sempre o TIDIR foi visto com bons olhos, inclusive pelo corpo docente da faculdade, por ter seu cerne concentrado fora dos planos da faculdade, ou seja, uma imposição.
Porém, com o tempo, houve uma aceitação dos docentes e alunos, e o TIDIR tem se mostrado uma boa ferramenta de aplicação da interdisciplinaridade e também das relações de convivência (ou não).
A origem do tema do Vitrine, como informa Joana Ziller, coordenadora do curso de jornalismo da FCA, é caracterizada por uma seleção prévia de palestras. Complementa que a PUC manifestou interesse em uma parceria com a UNA, utilizando o tema “Diversidade Cultural”.

Ouça abaixo a entrevista com a Piedra.

Resultado. Mesmo o Vitrine sendo um evento novo, Joana Ziller informa que há um crescimento do envolvimento e interesse dos alunos: “no primeiro semestre [2007], ninguém sabia direito como iria ficar, hoje, a gente viu o resultado. Foi muito legal ver o resultado do TIDIR de todos os cursos”, finaliza.

Ouça abaixo a entrevista com a Joana.

Por: Gabriel Sales, Guilherme Côrtes, Natália Zamboni, Vítor Hugo.

Confira o vídeo


0

Imagem: http://poro.redezero.org

Como seria o mundo se você não pensasse? Pacato, sem graça, sem vida… Talvez. Mas para os grandes idealizadores da frase Siga Sem Pensar, a vida tem mais cor, mais sentido. E com pequenos gestos que iniciamos nossa sequência da arte de fazer pensar.

Ao deparar com aquele minúsculo dizer que apenas não dizia, gritava na minha mente, Siga sem pensar, tentei não mais pensar, tentativa em vão. Por mais que eu tentasse, o não pensar era mais forte. Pensei no mundo, pensei em tudo só não consegui seguir sem pensar.

Aqueles que sem pronunciar uma palavra sequer, nos fazem pensar. Qual é o sentido disso tudo, o que aqueles que vivem do silêncio da madrugada, querem nos dizer? Vivem do risco e da arte, vivem do encanto e do desespero.  São idealizadores da ação, geradores da reação mútua. Os stickers são pessoas comuns, mas com uma forma idealizadora e diferente, onde mostram o ponto de vista sobre o mundo com a arte. Pode-se dizer que é um grito de inconformismo, contestador e bem humorado, onde o ataque se dá em vários sentidos. Atingem galerias de arte, ruas das grandes cidades e o imaginário coletivo. Andamos tão habituados a aceitar como correto, bonitos ou muitas vezes únicos os manifestos de arte; eles não.

A essência e a crítica andam sempre juntas e vêm sempre condimentando nossas vidas com ataques de humor, misturando ícones da mídia em massa e das mídias alternativas, questionando suas tendências manipuladoras.

Acesse a nossa Galeria e veja trabalhos de artistas anônimos  feitos na região da Savassi.

Confira nesta segunda-feira a entrevista com a artista Raquel Schembri.

Imagem: http://poro.redezero.org

0

Quando foi criada, sua principal função era ligar o centro comercial de Belo Horizonte, que se localizava nos arredores da Praça da Estação, com a Praça da Liberdade, centro administrativo da cidade. No início do século XIX, a Rua da Bahia era a parte boêmia da cidade, ponto de encontro de poetas, jornalistas, escritores e diversos intelectuais da época. Hoje ela apresenta uma parte sofisticada e outra decadente, ambas frequentadas por pessoas de todas as classes sociais. A Rua da Bahia “nasce” na chamada “boca do lixo” e “morre” naquela que seria a parte “chique” de Belo Horizonte. Ela se transformou em muito mais que uma rua de ligação, se tornou um espaço democrático e com muita diversidade.

A seguir um vídeo com um ensaio fotográfico que mostra a diversidade encontrada na rua.