Hiperlocal
Notícias da região da Praça da Liberdade, rua da Bahia e Savassi - onde está o ampus da Faculdade de Comunicação e Artes da UNA

No mês de janeiro é comemorado o Dia do Farmacêutico. Para celebrar essa profissão que desempenha um papel fundamental na saúde da sociedade, o Jornal Contramão percorreu farmácias do centro de Belo Horizonte e conversou com a farmacêutica Isabelle Figueiredo Marques, 30, que há sete anos atua na área. Em em nosso bate papo, ela conta sobre o trabalho desempenhado pelo profissional da área.

Contramão: Como é a atuação do Farmacêutico que trabalha nas drogarias?

Isabelle Marques: Ela se baseia na orientação do paciente quando ele chega no balcão de uma drogaria ou farmácia. Estamos sempre ao lado do balconista, que está realizando o atendimento. Nosso papel é verificar as receitas, ver se as doses dos medicamentos estão adequadas, se a patologia (doença) está descrita, se a idade coincide com o paciente, se o remédio é adequado para ele ou para quem irá efetuar o consumo. Também verificamos se ele tem noção da sua correta utilização ou se utiliza outros medicamentos que possam ter contraindicação. Se não houver qualquer tipo desses quesitos, a dispensação (liberação do medicamento para o paciente) é realizada. Se ele tiver qualquer dúvida sobre o medicamento, resolvemos todas elas na hora. Efetuamos um visto dessa receita para ele estar ciente da dispensação. Liberamos esse paciente com o medicamento e com todas as informações necessárias para a sua adequada utilização.

Contramão: Como é realizada a capacitação do Farmacêutico?

Isabelle Marques: A maioria das faculdades capacitam os alunos que serão farmacêuticos. Além da faculdade, as empresas de grande porte também oferecem uma capacitação profissional para que a dispensação seja adequada. Quando o farmacêutico sai da faculdade, ele ainda não tem toda a informação prática necessária para atuar no mercado. É comum que as chamadas “farmácias de bairro” ainda peque na capacitação do profissional. Ele deve buscar, durante sua carreira, o maior número de informações para poder se capacitar cada vez mais. Temos a obrigação de ajudar com resolução de dúvidas e informações sobre patologias e formas adequadas na utilização dos medicamentos.

Contramão: Quais são as diferenças entre a farmácia de manipulação e as drogarias comuns?

Isabelle Marques: As farmácias de manipulação trabalham com a matéria-prima básica dos medicamentos e irão produzir conforme as necessidades de cada um dos pacientes. Por exemplo, se eu preciso de uma fluoxetina de 10 mg, mas minha mãe precisa de 22,5 mg, será na farmácia de manipulação que este medicamento será produzido. Nela, os profissionais irão manipular aquela quantidade específica que a pessoa precisa. Além disso, as drogarias vendem um número menor de medicamentos e possuem um menor número de opções de produtos controlados, em relação às farmácias de manipulação.

Contramão: Você acredita que os medicamentos produzidos no brasil são seguros?

Isabelle Marques: Definitivamente, não. Existem estudos fora do país que são muito superiores para pesquisarem esses medicamentos. Lá fora, vários remédios já foram suspensos e aqui no Brasil ainda existem alguns que continuam circulando. Por mais que exista uma instrução e uma orientação do farmacêutico, esses medicamentos ainda estão no mercado e as pessoas continuam consumindo cada um deles. (Nos Estados Unidos a pílula Diane 35 e a dipirona, comumente consumidas no Brasil, estão proibidas desde 2015).

Contramão: Quais os riscos da automedicação?

Isabelle Marques: Nosso papel é oferecer a medicação de forma responsável, em que os farmacêuticos serão instruídos para realizar orientações à população sobre os remédios referentes à cada patologia. Infelizmente a saúde pública no país é muito escassa. As pessoas que não tem acesso ao SUS ou à planos de saúde privados, recorrem às farmácias buscando soluções para as suas patologias. Tentamos ajudar dentro dos limites que existem na nossa atuação, oferecendo por exemplo, medicamentos que não precisam de prescrição. Tentamos trabalhar da melhor forma possível para ajudar o paciente. Mas é importante lembrar que o médico é o responsável pelo diagnóstico do paciente, enquanto que os farmacêuticos são os responsáveis por oferecer meios para o tratamento mais adequado à cada caso.

Contramão: Como é o controle de qualidade dos remédios produzidos no Brasil?

Isabelle Marques: Existem três tipos de medicamentos: referência, genéricos e similares. Este último já possui maior qualidade devido a uma lei que saiu em 2015 e exige que ele tenha o mesmo padrão de qualidade dos que são referências. Aqueles que passaram e foram aprovados por testes de bioequivalência e biodisponibilidade, possuem eficácia similar aos ditos de referência. Agora, esse tipo de medicamento (similar) são intercambiáveis. A lei provou que se você tiver uma prescrição de medicamento referência e não tiver condição de pagar por ele, se existir no mercado um similar autorizado pelo teste da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), ele pode ser trocado pelo outro. Nesses casos, fazemos a dispensação do medicamento similar. Isso prova que quando o paciente toma o medicamento, sua utilização terá efeito e sua qualidade será próxima ao referencial. Eles são praticamente iguais, senão a vigilância não autoriza a troca.

Contramão: Qual o recado que você passa como farmacêutica:

Isabelle Marques: Estamos aqui para ajudar a população. não queremos o consumo inconsciente dos medicamentos. É comprovado que a automedicação pode causar outras patologias, muitos casos de intoxicação e muitas vezes por medicamentos banais. Tá na dúvida, procure o farmacêutico. Existem várias farmácias no país inteiro e lugares que tem sua responsabilidade e sabem valorizar o papel do farmacêutico. As pessoas devem começar a enxergar com bons olhos o trabalho que realizamos. Os pacientes têm medo de conversar com seus médicos. É aconselhável que as pessoas procurem pelo nosso trabalho com antecedência, para tentarmos promover a melhor solução possível às suas patologias. Nosso papel é esse, promover a saúde e orientar, da melhor forma possível, os pacientes que nos procuram. Evitar que eles se desgastam com a compra equivocada de medicamentos.

Reportagem: Lucas D`Ambrosio

Arte: Isabela Castro e Laís Brina

A 11ª edição da VAC, Verão Arte Contemporânea, começa nesta sexta-feira, 20, e segue até 19 de Fevereiro. Ocupando 15 espaços culturais da cidade, o evento contará com 31 atrações – 10 a menos que em 2016,  variando entre entradas gratuitas e preços de até R$ 20,00 (inteira). O motivo da redução na programação está na verba, cujo valor é o menor registrado nas últimas oito edições.

Para ajustar-se a realidade, além das atrações, o número de espaços também foi abreviado, além da exclusão das áreas da gastronomia e moda. A abertura temática que era marca registrada nas edições anteriores, neste ano, foi suspensa.

De acordo com os organizadores, a VAC 2017 ocorre em caráter de resistência e, também, apoio por parte dos artistas locais, que aderiram a proposta e se adequaram às condições desta edição. Apesar das reduções, a organização reitera que o evento irá manter a diversidade das artes que caracterizam a proposta do evento. Além de BH, artistas de Ouro Preto/MG, Rio de Janeiro/RJ, João Neiva/ES, Teresina/PI, Irã e França, irão participar do evento.

Perpassando entre arquitetura, artes visuais, cinema, dança, literatura, música e teatro, a temática, de modo geral, aborda questões ligadas a gênero, política, raça e outras pautas bastante difundidas na sociedade. Uma voz famosa por colocar tais assuntos em voga é o rapper MV Bill, que participará da abertura do evento ao lado da banda Berimbrown, com o show “Lamparina”.

Para mais informações, acesse:

Facebook 

Site

Veja a programação completa: 

20/1 – Sexta-feira

Abertura: Berimbrown – Show Lamparina convida MV Bill

Horário: 20h

Local: Sesc Palladium – Grande Teatro (rua Rio de Janeiro, 1046, Centro)

Ingressos: Entrada Franca – Distribuição dos ingressos duas horas antes na bilheteria do teatro, limitado a um ingresso por pessoa.

21/1 – Sábado

“RICOCHETE”, de Rita Clemente

Horário: 19h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil  (Praça da Liberdade, 450 – Funcionários)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

22/1 – Domingo

“RICOCHETE”, de Rita Clemente

Horário: 19h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil  (Praça da Liberdade, 450 – Funcionários)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

23/1 – Segunda-feira

“RICOCHETE”, de Rita Clemente

Horário: 19h

Local:Centro Cultural Banco do Brasil  (Praça da Liberdade, 450 – Funcionários)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

24/2 – Terça-feira

*Projeto parede com a artista Luna Bastos

Horário:  de 9h às 21h

Local: Sesc Palladium (rua Rio de Janeiro, 1046, Centro)

Ingressos: Entrada franca

*Esta obra ficará exposta até o dia 26/2

25/1 – Quarta-feira

“Horror Vacui HAMLET”, da Companhia Teatro Adulto

Horário: 19h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450, Funcionários)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

26/1 – Quinta-Feira

Fred Selva

Horário: 20h

Local: Memorial Minas Gerais Vale (Praça da Liberdade, s/n – Lourdes)

Ingressos: Entrada Franca – Retirar convites uma hora antes do evento, limitado a um par por pessoa.

“Fauna”, do Grupo Quatroloscinco

Horário: 20h

Local: Galpão Cine Horto (rua Pitangui, 3613, Horto)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

“Horror Vacui HAMLET”, da Companhia Teatro Adulto

Horário: 19h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450, Funcionários)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

27/1 – Sexta-Feira

“Fauna”, do Grupo Quatroloscinco

Horário: 20h

Local: Galpão Cine Horto (rua Pitangui, 3613, Horto)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

“Horror Vacui HAMLET”, da Companhia Teatro Adulto

Horário: 19h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450, Funcionários)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

28/1 – Sábado

Cinara, “O Samba Mandou Me Chamar”

Horário: 20h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450, Funcionários)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

Titane e Túlio Mourão

Horário: 21h

Local: Teatro Bradesco (rua da Bahia, 2244, Lourdes)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

Sarau do Memorial

“Le Jardin” – palestra e livro de François Kahn, com exibição do filme “The Vigil” sobre a fase Parateatral de JerzyGrotowski

Horário: 15h

Local:  Memorial Minas Gerais Vale (Praça da Liberdade, s/n, Lourdes)

Ingressos: Entrada Franca – Retirar convites uma hora antes do evento, limitado a um par por pessoa.

“Fauna”, do Grupo Quatroloscinco

Horário: 20h

Local: Galpão Cine Horto (rua Pitangui, 3613, Horto)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

*Gilson Rodrigues, “Por Trás Das Formas”

Horário : de 10h às 17h30

Local: Memorial Minas Gerais Vale (Praça da Liberdade, s/n, Lourdes)

Ingressos: Entrada Franca

*Esta exposição permanecerá até o dia 26/3

29/1 – Domingo

Luiza Brina e o Liquidificador

Lançamento do disco “Tão Tá”

Horário: 20h

Local: Teatro Bradesco (rua. da Bahia, 2244, Lourdes)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

“Fauna”, do Grupo Quatroloscinco

Horário: 19h

Local: Galpão Cine Horto (rua Pitangui, 3613, Horto)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

Espaço além – Marina Abramović e o Brasil

Marco Del Fiol • Documentário • 86’ • 2016

Horário: 20h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450, Funcionários)

Sinopse: A artista de performance Marina Abramović viaja por lugares místicos do Brasil, pesquisando comunidades espirituais, pessoas e lugares de poder. O filme faz um registro etnográfico enquanto observa os processos de apropriação artística e humana de Marina. Ela entra em contato com os rituais do Vale do Amanhecer, o xamanismo na Chapada Diamantina, o candomblé na Bahia, as curas do médium João de Deus e os cristais de Minas Gerais.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

30/1 – Segunda-feira

Paulo Dantas e MatthiasKoole

Horário: 19h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450, Funcionários)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

1/2 – Quarta-Feira

PINTA

Jorge Alencar • Ficção • 72’ • 2013

Horário: 15h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450, Funcionários)

Sinopse:  Dublagens, dublês, remixes, covers estéticos. Difuso, descentralizado, periférico, embriagado

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

WAITING FOR B.

Paulo Cesar Toledo e Abigail Spinder •Documentário • 72’ • 2015

Horário: 17h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450, Funcionários)

Sinopse:Unidos pelo fato de não terem dinheiro para comprar um ingresso mais caro, consequentemente garantir os lugares mais próximos ao palco, um grupo de fãs se encontrou na internet e decidiu acampar por 57 dias na frente do estádio do Morumbi, em São Paulo. O plano deles era assegurar um lugar na frente da principal entrada do show da Beyoncé, ‘Mrs. Carter World Tour’.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

SÃO PAULO EM HI FI

Lufe Steffen•Documentário • 101’ • 2016

Horário: 19h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450, Funcionários)

Sinopse: Documentário que resgata a era de ouro da noite gay paulistana nas décadas de

60, 70 e 80 – com as casas noturnas, as transformistas, os militantes, em plena época da ditadura militar.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

2/2 – Quinta-feira

“Fauna”, do Grupo Quatroloscinco

Horário: 19h

Local: Galpão Cine Horto (rua Pitangui, 3613, Horto)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

Grupo de Estudos em Música Contemporânea da UFOP

Horário: 19h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450, Funcionários)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

3/2 – Sexta-feira

“Fauna”, do Grupo Quatroloscinco

Horário: 19h

Local: Galpão Cine Horto (rua Pitangui, 3613, Horto)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

4/2 – Sábado

“Fauna”, do Grupo Quatroloscinco

Horário: 19h

Local: Galpão Cine Horto (rua Pitangui, 3613, Horto)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

PALCO HIP HOP – Danças Urbanas

Horário: às 13h

Local: Centro Cultural Urucuia (rua W-3, 500, Pongelupe)

Ingressos: Entrada Franca

Laboratório de Estudos do Corpo nas Artes Cênicas (LECAC/UFMG)

Espetáculo “Colóquio Sentimental”

Horário: às 19h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450, Funcionários)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

5/2 – Domingo

“Fauna”, do Grupo Quatroloscinco

Horário: 19h

Local: Galpão Cine Horto (rua Pitangui, 3613, Horto)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

PALCO HIP HOP – Danças Urbanas

Horário: às 13h

Local: Centro Cultural Urucuia (rua W-3, 500, Pongelupe)

Ingressos: Entrada Franca

Laboratório de Estudos do Corpo nas Artes Cênicas (LECAC/UFMG)

Espetáculo “Colóquio Sentimental”

Horário: às 19h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450, Funcionários)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

6/2 – Segunda-feira

Laboratório de Estudos do Corpo nas Artes Cênicas (LECAC/UFMG)

Espetáculo “Colóquio Sentimental”

Horário: às 19h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450, Funcionários)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

7/2 – Terça-feira

ANUNCIE AQUI + ESCULACHO

Horário: 19h

Local: Sesc Palladium – (rua Rio de Janeiro, 1046, Centro)

Sinopse / Anuncie Aqui: Afogados num mundo de anúncios, alguns poucos indivíduos anônimos ainda tentam respirar e imprimir na rua suas ideias, seus desejos e suas vontades. “Anuncie Aqui” é um documentário sobre a ação direta em anúncios publicitários do espaço urbano de Belo Horizonte. Com uma narrativa que privilegia a visão dos interventores, o vídeo discute o uso do espaço público da cidade, que, cada vez mais, tem seu “belo” horizonte estuprado pela publicidade.

Sinopse / Esculacho: Um conflito auditivo no transporte público das grandes cidades do sudeste brasileiro: a popularização de dispositivos sonoros portáteis, o desconhecimento de espaço público e o Funk.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

NO VERMELHO

Perspectiva Marcelo Reis• Documentário • 97’ • 2016

Horário: 17h

Local: Sesc Palladium – (rua Rio de Janeiro, 1046, Centro)

Sinopse:A rua da metrópole latino-americana é abarrotada de carros. Seja pela justificativa de que o transporte público é ruim ou pela clara opção de isolamento, as pessoas se acomodam, uma a uma, dentro dos automóveis. Do lado de fora, personagens urbanos diversos se apropriam do semáforo, um dispositivo meramente técnico de controlar o tráfego, e fazem dele um local de encontro.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

8/2 – Quarta-feira

Janela de Dramaturgia

Horário: 18h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450, Funcionários)

Ingressos: Entrada Franca. Retirar convites uma hora antes do evento, limitado a um par de convites por pessoa

ANUNCIE AQUI + ESCULACHO

Horário: 17h

Local: Sesc Palladium – (rua Rio de Janeiro, 1046, Centro)

Sinopse / Anuncie Aqui: Afogados num mundo de anúncios, alguns poucos indivíduos anônimos ainda tentam respirar e imprimir na rua suas ideias, seus desejos e suas vontades. “Anuncie Aqui” é um documentário sobre a ação direta em anúncios publicitários do espaço urbano de Belo Horizonte. Com uma narrativa que privilegia a visão dos interventores, o vídeo discute o uso do espaço público da cidade, que, cada vez mais, tem seu “belo” horizonte estuprado pela publicidade.

Sinopse / Esculacho: Um conflito auditivo no transporte público das grandes cidades do sudeste brasileiro: a popularização de dispositivos sonoros portáteis, o desconhecimento de espaço público e o Funk.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

ATERRO

Documentário • 72’ • 2011

Horário: 19h

Local: Sesc Palladium – (rua Rio de Janeiro, 1046, Centro)

Sinopse:Sete mulheres pioneiras da reciclagem da década de 1960 falam do aparente inevitável destino do lixo.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

9/2 – Quinta-feira

“Margem”, da Companhia Suspensa

Horário: 21h

Local: Palácio das Artes – Teatro João Ceschiatti (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Ingressos:  R$ 20 e R$ 10 (meia)

ATERRO

Documentário • 72’ • 2011

Horário: 17h

Local: Sesc Palladium – (rua Rio de Janeiro, 1046, Centro)

Sinopse:Sete mulheres pioneiras da reciclagem da década de 1960 falam do aparente inevitável destino do lixo.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

NO VERMELHO

Perspectiva Marcelo Reis• Documentário • 97’ • 2016

Horário: 19h*

Local: Sesc Palladium – (rua Rio de Janeiro, 1046, Centro)

Sinopse: A rua da metrópole latino-americana é abarrotada de carros. Seja pela justificativa de que o transporte público é ruim ou pela clara opção de isolamento, as pessoas se acomodam, uma a uma, dentro dos automóveis. Do lado de fora, personagens urbanos diversos se apropriam do semáforo, um dispositivo meramente técnico de controlar o tráfego, e fazem dele um local de encontro.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

* Neste dia, após a exibição do filme haverá um bate-papo com Guilherme Reis e Patrícia Vieira, parceiros de criação do documentarista Marcelo Reis.

10/2 – Sexta-feira

“Margem”, da Companhia Suspensa

Horário: 21h

Local: Palácio das Artes – Teatro João Ceschiatti (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Ingressos:  R$ 20 e R$ 10 (meia)

“19:45!”, da Miúda Cia

Horário: 19h45

Local: Galpão Cine Horto (rua Pitangui, 3613 – Horto)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

A BATALHA DA MARIA ANTÔNIA

Renato Tapajós• Documentário • 73’ • 2014

Horário: 17h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse: Em 1968, naquele ano em que quase tudo parecia acontecer, houve um confronto, na rua Maria Antônia, em São Paulo, entre estudantes da Faculdade de Filosofia da USP e estudantes da Faculdade Mackenzie. Não foi uma simples briga de estudantes, mas quase que uma reprodução em miniatura da Guerra Fria que então se travava entre esquerda e direita. Lembrar aquele momento não é um exercício de nostalgia, mas a tentativa de entender algo das forças que moldaram nosso presente.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

LUZ, CÂMERA, PICHAÇÃO

Gustavo Coelho, Marcelo Guerra e Bruno Caetano •Documentário • 102’ • 2011

Horário: 21h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:”PICHAÇÃO” não é graffiti. Esta é uma distinção que só acontece no Brasil. “Luz, Câmera, PICHAÇÃO” é o primeiro documentário que conta com a presença apenas de pichadores (as), sem ninguém de fora da cultura, muito menos especialistas ou intelectuais, afinal de contas, é a fala do pichador, quase nunca ouvida, suas formas de socialização, suas histórias de vida, suas grafias, aflições, desejos, seus sucessos, seus riscos, suas perdas e seus ganhos que compõem sua humanidade. O quanto de pichador há em todos nós?

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

MEIA HORA E AS MANCHETES QUE VIRARAM MANCHETE

AngeloDefanti•Documentário • 79’ • 2014

Horário: 19h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:No Meia Hora, tabloide carioca de manchetes bem-humoradas e abordagens inusitadas, tiro vira ‘pipoco’ e facção criminosa é ‘bonde sinistrão’; bandido escondido ‘tá malocado’, vivo ‘toca o terror’, e morto ‘levou ferro’; a polícia, quando invade, ‘dá sacode’, quando atira, ‘senta o dedo’, quando prende, ‘mete em cana’; e mulher bonita ganha adjetivos hortifrutigranjeiros como morango, melancia, maçã, cereja e jaca.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

SERTÃO COMO SE FALA

Leandro Lopes•Documentário • 71’ • 2016

Horário: 15h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:’Sertão como se fala’ é um documentário que percorreu 9.500 quilômetros em sete Estados do Nordeste brasileiro para investigar as raízes e a permanência do abecedário do sertão, um modo foneticamente diferente de falar o alfabeto.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

11/2 – Sábado

“Margem”, da Companhia Suspensa

Horário: 21h

Local: Palácio das Artes – Teatro João Ceschiatti (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Ingressos:  R$ 20 e R$ 10 (meia)

“19:45!”, da Miúda Cia

Horário: 19h45

Local: Galpão Cine Horto (rua Pitangui, 3613 – Horto)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

PINTA

Jorge Alencar • Ficção • 72’ • 2013

Horário: 16h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:  Dublagens, dublês, remixes, covers estéticos. Difuso, descentralizado, periférico, embriagado

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

WAITING FOR B.

Paulo Cesar Toledo e Abigail Spinder •Documentário • 72’ • 2015

Horário: 20h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:Unidos pelo fato de não terem dinheiro para comprar um ingresso mais caro, consequentemente garantir os lugares mais próximos ao palco, um grupo de fãs se encontrou na internet e decidiu acampar por 57 dias na frente do estádio do Morumbi, em São Paulo. O plano deles era assegurar um lugar na frente da principal entrada do show da Beyoncé, ‘Mrs. Carter World Tour’.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

SÃO PAULO EM HI FI

Lufe Steffen•Documentário • 101’ • 2016

Horário: 18h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:Documentário que resgata a era de ouro da noite gay paulistana nas décadas de

60, 70 e 80 – com as casas noturnas, as transformistas, os militantes, em plena época da ditadura militar.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

12/2 – Domingo

“Margem”, da Companhia Suspensa

Horário: 19h

Local: Palácio das Artes – Teatro João Ceschiatti (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Ingressos:  R$ 20 e R$ 10 (meia)

“19:45!”, da Miúda Cia

Horário: 19h45

Local: Galpão Cine Horto (rua Pitangui, 3613 – Horto)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

Desvio apresenta o show “C’alma”

Horário: 19h

Local: Centro Cultural Banco do Brasil (Praça da Liberdade, 450, Funcionários)

Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia)

A DITADURA DA ESPECULAÇÃO

Coletivo Zé Furtado•Documentário • 13’ • 2012

Horário: 16h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:O curta mostra apoiadores, manifestantes e indígenas que tentam impedir que as máquinas derrubassem a vegetação local para construção de edifícios do setor noroeste. Diversos confrontos contra a polícia militar e seguranças da administradora Terracap, que é a estatal que administra as terras públicas do Distrito Federal.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

ACABOU A PAZ, ISTO AQUI VAI VIRAR O CHILE, ESCOLAS OCUPADAS EM SÃO PAULO

CarlosPronzato• Documentário • 60’ • 2016

Horário: 18h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:Inspirados no exemplo dos estudantes secundaristas chilenos, os famosos Pinguins, o levante dos estudantes paulistas no segundo semestre de 2015 contra o fechamento de 94 escolas, culminou na ocupação de mais de 200 que seriam afetadas pelas ações de precarização do ensino público engendradas pelo Governo de Geraldo Alckmin (PSDB). A coragem, a autonomia, a horizontalidade e solidariedade demonstradas pelos secundaristas, aliadas ao apoio popular, deixaram sua marca na história das lutas populares do Brasil.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

ANTONIETA

Flávia Person• Documentário• 15’• 2015

Horário: 16h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:O documentário “Antonieta” aborda Antonieta de Barros (1901-1952), mulher, negra, professora, cronista, feminista que em 1935 se tornou a primeira negra a assumir um mandato popular no país.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

ENTRENÓS

Pablo Polo •Documentário • 27’ • 2014

Horário: 16h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:Ilustrador, quadrinista, designer, pintor. Todos esse adjetivos se aplicam a Fabio Zimbres. Mas ele prefere ser chamado de desenhista. Para Zimbres o desenho é seu ponto de partida. Dono de um trabalho espontâneo, único e que acumula uma vasta produção, Fabio se revela uma pessoa com um senso de humor inteligente e um exemplo de que a experiência não diminui a busca incessante do autor.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

ESPAÇO ALÉM – MARINA ABRAMOVIĆ E O BRASIL

Marco Del Fiol • Documentário • 86’ • 2016

Horário: 20h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse: A artista de performance Marina Abramović viaja por lugares místicos do Brasil, pesquisando comunidades espirituais, pessoas e lugares de poder. O filme faz um registro etnográfico enquanto observa os processos de apropriação artística e humana de Marina. Ela entra em contato com os rituais do Vale do Amanhecer, o xamanismo na Chapada Diamantina, o candomblé na Bahia, as curas do médium João de Deus e os cristais de Minas Gerais.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

PROIBIDÃO

Ludmila Curi e Guilherme Arruda • Documentário •13´ • 2012

Horário: 16h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:Proibidão encontra no MC Smith um retrato do universo do funk proibido – gênero musical banido da grande mídia, mas, como diz o protagonista do filme, conhecido na boca do povão. As letras falam em armas, gangues e violência, e o curta procura mostrar como esses elementos fazem parte da rotina nas favelas e periferias do Rio de Janeiro.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

RUBY

Guilherme Soster, Jorge Loureiro e Luciano Scherer • Documentário • 17’ • 2015

Horário: 16h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:Ruby é um pintor outsider que vive sozinho em uma casa próxima à praia.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

13/2 – Segunda-feira

“Pai Contra Mãe”, da Cia. Fusion de Danças Urbanas

Horário: 20h

Local: Teatro Bradesco (rua da Bahia, 2244, Lourdes)

Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia)

A BATALHA DA MARIA ANTÔNIA

Renato Tapajós• Documentário • 73’ • 2014

Horário: 19h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse: Em 1968, naquele ano em que quase tudo parecia acontecer, houve um confronto, na rua Maria Antônia, em São Paulo, entre estudantes da Faculdade de Filosofia da USP e estudantes da Faculdade Mackenzie. Não foi uma simples briga de estudantes, mas quase que uma reprodução em miniatura da Guerra Fria que então se travava entre esquerda e direita. Lembrar aquele momento não é um exercício de nostalgia, mas a tentativa de entender algo das forças que moldaram nosso presente.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

ANUNCIE AQUI

Experimental • 22’ • 2005

Horário: 21h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:Afogados num mundo de anúncios, alguns poucos indivíduos anônimos ainda tentam respirar e imprimir na rua suas ideias, seus desejos e suas vontades. “Anuncie Aqui” é um documentário sobre a ação direta em anúncios publicitários do espaço urbano de Belo Horizonte. Com uma narrativa que privilegia a visão dos interventores, o vídeo discute o uso do espaço público da cidade, que, cada vez mais, tem seu “belo” horizonte estuprado pela publicidade.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

ARRUDAS

Sávio Leite•Experimental • 35” • 2015

Horário: 21h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:Um rio, uma avenida. O progresso. Quarto vídeo do projeto Nessa Rua tem um rio – Laboratório Undió de Intervenções Artísticas.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

BAHIA SCI-FI

Petrus Pires •Documentário• 32’• 2015

Horário: 21h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:Desde a década de 1970, Roberto Pires militava contra a utilização da energia nuclear. Com a colaboração de Orlando Senna, escreve o roteiro do filme “Abrigo Nuclear”, uma produção ambiciosa, filme de ficção científica totalmente produzido e rodado na Bahia. Com pouco dinheiro, munido de sua capacidade criadora, Roberto constrói no quintal de sua casa uma ‘nave espacial’ e um estúdio. Chama filhos, parentes e amigos e começa a produção de “Abrigo Nuclear”, que é lançado em 1981.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

ESCULACHO

Documentário • 22’ • 2013

Horário: 21h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:Um conflito auditivo no transporte público das grandes cidades do sudeste brasileiro: a popularização de dispositivos sonoros portáteis, o desconhecimento de espaço público e o Funk.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

FAMILIA MUNIZ

Marcos Pimentel • Documentário • 17’ • 2016

Horário: 21h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:O cotidiano, as crenças e celebrações de uma família que, há mais de 60 anos, comanda a Guarda OS CIRIACOS, uma irmandade de Nossa Senhora do Rosário. No quintal de casa, eles preservam a religiosidade e tradições da cultura negra. Uma história de fé, amor e Congado.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

NA MISSÃO COM KADU

Mineiro, Pedro Brito e Kadu Freitas •Documentário • 28’ • 2016

Horário: 21h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:Na luta por moradia em Belo Horizonte, um militante, sua câmera e seu povo enfrentam o poder dos cassetetes e das bombas de gás.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

O HOMEM DO SACO

Carolina Wachockiek, Felipe Kfouri e Rafael Halpener•Documentário • 58’ • 2015

Horário: 17h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:O homem do saco é um personagem que sempre foi lembrado por ser aquele que levava crianças desobedientes em sua sacola. O que muitos não sabem é que ele é um personagem real, um homem que vive à margem da sociedade, que caminha invisível perante os olhos dela, catando materiais recicláveis para seu sustento. Hoje, esse homem desenvolveu seu método de coleta e se tornou o catador, profissão encontrada como alternativa ao desemprego que assola os brasileiros que chegam em São Paulo em busca de uma vida melhor.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

ROLEZINHOS

Imagina Coletivo •Documentário • 8’ • 2014

Horário: 21h

Local: Cine Humberto Mauro (av. Afonso Pena, 1537, Centro)

Sinopse:Os “rolezinhos” foram um fenômeno que causou alvoroço no final de 2013 e início de 2014 com encontros organizados por jovens moradores de periferia nos shoppings de São Paulo. O filme conta com depoimentos do antropólogo Alexandre Barbosa Pereira, do jornalista Leandro Beguoci e dos Mc’sSpyke e Preto, de São Paulo, mostrando as diferentes visões sobre esses encontros.

Ingressos: Entrada Franca com retirada de ingressos 30 minutos antes de cada sessão

Por: Bruna Dias

0 493
Vacinação Febre Amarela Foto: Agência Brasil/EBC

Mesmo a contaminação da Febre Amarela sendo na área rural de Minas Gerais, a população da capital mineira anda preocupada com a vacinação e a procura pelo antídoto vem crescendo nos postos de saúde. O surto que voltou a ocorrer no início do ano nas áreas rurais, já fez com que 4.969 doses fossem aplicadas desde o dia 01 de janeiro até a última terça-feira, 17, de acordo com a Secretária Municipal de Saúde.

Segundo o Informe Epidemiológico da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), até o momento foram identificados 187 casos suspeitos de Febre Amarela, sendo 37 casos prováveis e 22 mortes.

O Hospital Eduardo Menezes, que fica localizado no Barreiro, se transformou em uma sede para pacientes da Febre Amarela, até a última segunda-feira, 16, havia 21 pacientes infectados. De acordo com o Secretário de Saúde de Caratinga, Giovanni Corrêa, pessoas que apresentam piora no hospital da cidade estão indo para o Hospital Eduardo Menezes em BH ou para o hospital de Ipatinga.

Moradores da região estão preocupados que o mosquito da dengue, Aedes Aegypti, reproduza o vírus picando algum dos infectados no hospital. Segundo Bárbara Dias, 20, ninguém da sua casa é vacinado e que depois do surto, ela e seus familiares estão procurando os cartões de vacinação para poder garantir a dose da vacina. “Além de garantir a dose da vacina contra a febre amarela, vamos aproveitar para pôr em dia todas as outras que estiverem faltando”, conta.

Gislaine Soares, 24, já está vacinada e seu filho de quase dois anos também. Mas, para ela a doença não chega na área urbana, entretanto afirma que “todos devem estar vacinados”.

Para o estudante de medicina da Universidade Nacional de Rosário, Eduardo Messias, 26, é importante que na área urbana as pessoas façam uso de repelente, mosquiteiros, inseticidas e claro, tomem a vacina. “O mosquito Haemagogus é o vetor da doença em áreas rurais, como nas cidades ainda é o Aedes Aegypti, é muito importante que as pessoas evitem água parada”, explica.   

A Febre Amarela foi erradicada da área urbana em 1942, mas, nas áreas rurais o último surto enfrentado foi em 2009.

O governo de Minas Gerais liberou na sexta-feira, 13, uma verba de R$ 26 milhões para ações no controle do surto da Febre Amarela, nos municípios das unidades regionais de Saúde de Coronel Fabriciano, Governador Valadares, Manhumirim e Teófilo Otoni.

Para saber onde se vacinar ligue para a Ouvidoria do SUS pelo número 3277-7722 ou acesse aqui e veja os endereços dos Centros de Saúde da capital.

Quer saber como se prevenir da doença e quais os sintomas?
Veja o nosso quadro de orientações:

Infográfico de Febre Amarela. – Por: Lais Brina e Isabela Castro

 

Texto: Amanda Eduarda

Chega à capital mineira o primeiro aplicativo que presta serviço de transporte feminino exclusivo, o FemiTaxi. O serviço que já está em funcionamento na  cidade de São Paulo desde dezembro, conta com mais de 100 motoristas.

Responsável por trazer o aplicativo para a cidade, a taxista Luciana Fortes, conta que a ideia foi de uma amiga. “Ela viu na redes sociais a propaganda do FemiTáxi em São Paulo, então entrou em contato com a empresa, que solicitou o registro das mulheres interessadas na utilização do aplicativo em Belo Horizonte”, explica Fortes.

A partir deste contato com a empresa, Luciana e sua amiga criaram um grupo com as taxistas que já conheciam na cidade o que resultou no cadastro de 50 mulheres. “A medida em que mais motoristas participarem do aplicativo, vamos aumentando a nossa área de atuação na região metropolitana de BH que engloba Contagem e Confins”, ressalta.

De acordo com os idealizadores do aplicativo, o maior objetivo dele é trazer um serviço feito por mulheres e para mulheres, de forma que elas se sintam seguras durante as viagens.

“É tudo via aplicativo”, ressalta a taxista, que explica como ser uma motorista da FamiTáxi: “Primeiro manda a documentação rotineira: a autorização de tráfego, carteirinha da BHTrans e comprovante bancário que são enviados via e-mail do Semi Táxi, lá os antecedentes criminais e informações pessoais são avaliados. Quando o aplicativo libera o cadastro, eles mandam um link para que a motorista possa baixar o aplicativo e começar rodar.”.

Opinião

Para a estudante de Arquitetura Ana Pinhaiemer, de 23 anos, o app é uma forma de inserção das mulheres em uma área ainda dominada por homens. “É uma forma de se encontrar com outras mulheres”, destaca Ana, que já sofreu assédio durante uma viagem de Táxi em São Paulo, usando outro aplicativo.

“Relatei o problema no site e fui muito bem atendida, porém, é um caso que não dá pra se desculpar porque o que a gente passa em um momento desse é muito difícil”, desabafa.

Ana que ainda não utilizou o app acredita que o FemiTáxi é uma alternativa positiva para as passageiras terem uma viagem mais tranquila.

Segundo Luciana as usuárias solicitam o FemiTáxi porque gostam de dar preferência para mulheres em serviços, e destaca a fala de uma de suas clientes: “Somos muito discriminadas, então quando posso dar preferência eu faço isso”.  

Descontos

Ao utilizar o código YNKG7 durante a primeira corrida, a passageira ganha R$15,00 de desconto até Fevereiro e após a viagem realizada, ganha 10 voucher para indicar mais amigas. “Dessa forma, é possível fidelizar as clientes femininas de Belo Horizonte.”  finaliza Fortes.

Texto por: Gabriella Germana e Amanda Eduarda.

 

Autorretrato da fotógrafa Vivian Maier - Fotografia - Isis Medeiros

As produtoras de imagem de todo o Brasil estão reunidas e promovem um encontro simultâneo nesta semana. A primeira convocatória será realizada para discutir a criação da Associação Brasileira das Mulheres da Imagem que abrangerá 13 cidades do país, entre elas, Belo Horizonte. Por aqui, o encontro ocorre na sede do Sindicato dos Jornalistas (SJPMG), a partir das 19h30 na sexta-feira, 13.

Aberto às mulheres que utilizam a imagem como ferramenta de criação, seja amadora ou profissional, a proposta é reunir e criar uma interação entre elas – que trabalham com fotografia, produção de vídeos, designers e outras abordagens imagéticas. De acordo com os organizadores do evento, a proposta é criar um espaço aberto para discussões que possa englobar as demandas e ideias comuns e que consiga proporcionar um modelo de associação para atendê-las.

Para uma das idealizadoras da associação, a fotógrafa Marizilda Cruppe, ainda não existe estatísticas sobre quantas mulheres estão dedicadas a este trabalho. “Não sabemos por quais cantos deste imenso país estamos com os pés fincados. Muitas vezes, somos invisíveis até para nós mesmas”, explica Cruppe que destaca ainda, a importância de combater as inúmeras dificuldades enfrentadas pelas mulheres “São tantas as formas de crime, agressão, assédio e intimidação que atingem as mulheres de todas as categorias profissionais e classes sociais, seja no mercado de trabalho ou na própria família, que não vemos outro caminho a não ser nos unirmos para criarmos uma grande teia”, ressalta.

Mulheres da Imagem fora do eixo

Além das tradicionais cidades do Rio de Janeiro, São Paulo e Belo Horizonte, os encontros também serão realizados em outras 10 cidades, dentre elas São Luís (MA). Por lá, a jovem Julyane Galvão de 26, representa uma das “mulheres da imagem” espalhadas pelo país.

Trabalhando há seis anos com a fotografia, Galvão conta que tudo começou quando comprou sua primeira câmera compacta. “Por gostar de ser fotografada, logo senti a necessidade de ficar por trás das câmeras”, conta.

Bumba-Meu-Boi de Eliezio. São João do Maranhão, 2016. Fotografia: Julyane Galvão.

Ato Contra o Aumento de Passagem no Transporte Público Ludovicense, 2015. Fotografia: Julyane Galvão.

Ao longo desses anos, ela e outros fotógrafos da região desenvolvem ações e trabalhos voltados à valorização da cultura e do povo Maranhense. Agora, uma nova oportunidade surgiu para o alcance das lentes da jovem, que demonstra a capacidade das mulheres no ofício fotográfico. “A oportunidade de nos unirmos é o principal motivo para esta soma. Poder compartilhar informações e aprender com pessoas com mais experiência me deixam ainda mais motivada”, ressalta.

Para ela, poder mostrar o seu trabalho e participar dessa iniciativa é superar a barreira territorial e dos preconceitos que ainda existem. “Acredito que abrirão portas para que acreditem que não só as mulheres, mas sim todo mundo pode fazer acontecer e ocupar locais com diversas artes que cada um de nós carrega dentro de si. Aos poucos, mostramos o potencial que carregamos nos braços, no espaço e principalmente no olhar”, conclui.

Belo Horizonte

Em BH, o encontro “Mulheres da Imagem” será realizado com o intuito de aproximar o maior número de mulheres que possam dialogar sobre questões relativas a área de atuação na cidade e no estado mineiro. A programação conta com rodas de conversa, varal de trocas de fotografias e uma projeção de imagens.

Uma das organizadoras do evento na Capital das Gerais é a fotógrafa Isis Medeiros, 27, que explica um dos motivadores da iniciativa. “É porque sentimos cotidianamente que nós não temos o mesmo reconhecimento e valorização nas nossas profissões. Comparando com os homens, ainda não temos os mesmos espaços nas galerias, museus e nem nas redações dos grandes jornais, revistas e TV. Sem contar assédios e violências que sofremos em diversas situações”, desabafa.

Representação de Tuira Kayapo. Projeto “Mulheres Cabulosas da História”. Fotografia: Isis Medeiros.

Após perceber a necessidade de ver algo acontecendo entre as mulheres que trabalham na área, ao lado de outras pessoas surgiu a proposta de criar uma situação mais organizada. “Quando eu vi que nacionalmente outras também estavam se juntando com o mesmo objetivo, eu me senti ainda mais fortalecida para seguir em frente com a ideia que já não era só minha, mas de um levante convencidas da necessidade de nos unirmos por um bem comum”, finaliza.

Reportagem: Lucas D’Ambrosio

O livreiro Oseias Ferraz, ao lado das estantes de livros que preenchem os sebos do edifício Maletta, no centro de Belo Horizonte.

Com a chegada do final do ano, o recesso oferece tempo para muita gente. Nada melhor do que passar este período aproveitando uma boa leitura. Apesar do mundo se resolver virtualmente, os bons e velhos livros de papel (sim, eles ainda existem) são ótimas opções para ocupar o ócio. Em Belo Horizonte, existem lugares que, muitas vezes escondidos, guardam verdadeiros tesouros em meio à estantes e prateleiras.

O edifício Arcângelo Maletta, ou apenas Maletta, é lugar de encontros do cotidiano belo-horizontino. Ponto residencial e comercial da região central da cidade, além dos tradicionais bares, ele também abriga uma diversidade de sebos e livrarias. É possível se perder em meio à quantidade imensurável de títulos que estão expostos nas mais de 20 lojas do segmento, que existem no local.

É possível encontrar algo interessante nessa infinidade literária que existe ali. O livreiro Oseias Ferraz é um dos “guias” desses labirintos de livros. Há 17 anos atuando no mercado, é proprietário de um dos mais tradicionais sebos do lugar: o Crisálida. Em meio a tantos títulos, ainda assim, é possível encontrar certos exemplares dignos da atenção dos leitores. O primeiro livro indicado por ele é, Mortes Imaginárias, “Se trata de perfis imaginários de autores do século dezesseis e século vinte. É um relato de como seriam as últimas palavras desses autores”, indicando a obra.

Direcionando o olhar para as prateleiras que estavam à sua frente, o livreiro se recorda de outro título, A Alma Encantadora das Ruas, de João do Rio. Clássico do curso de jornalismo, Ferraz destaca o trabalho realizado pelo autor, “Apesar do tempo em que foi escrito, é uma leitura simples. Ele faz uma análise das ruas e dos marginais que nela vivem. Desde os mendigos, até os profissionais que estão em extinção, como os estivadores”, comenta. Por fim, sua última indicação é o livro de contos A Estrutura da Bolha de Sabão. A obra, de autoria da brasileira Lygia Fagundes Telles foi publicado em 1978 e reúne contos diversos “É outro que vale a pena indicar para a leitura”, finaliza.

Reportagem e Fotografia: Lucas D’Ambrosio