Literatura

O prédio que abrigava o antigo hospital São Tarcísio está sendo reformado e passará a ser endereço do novo Centro de Arte Popular de Belo Horizonte.

A região da Praça da Liberdade, Savassi e entorno, abriga os espaços mais sofisticados da cidade e é vista por muitos belo-horizontinos como área reservada às classes alta e médio-alta, nesse sentido, a criação de um centro de arte popular nessa região cria um contraste social e rompe com o estereótipo de que a região é reservada para “gente rica”.

“Privilegiar a riqueza e a diversidade das manifestações culturais populares, valorizando o trabalho dos artistas que traduzem no barro, na madeira e em outros materiais, o universo em que vivem. O público poderá conhecer obras de artistas de várias regiões do Estado, como o Vale do Jequitinhonha. Com uso de recursos interativos e audiovisuais, o espaço dará ao visitante uma dimensão mais ampla da cultura mineira.” informa a assessoria de imprensa da Secretária de Cultura de Belo Horizonte sobre a proposta de utilização do espaço. “As obras na rua Gonçalves Dias n º 1608 no bairro Lourdes vêm sendo acompanhadas pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e artístico de Minas Gerais (IEPHA/MG) por ser um patrimônio tombado, mas as propostas culturais para o espaço ficam a cargo da Secretária de Cultura” informa a assessoria de imprensa do IEPHA. A assessoria diz ainda que o projeto arquitetônico do local prevê mudanças e ampliações, mas a arquitetura antiga da fachada será preservada.

dsc_0019Sendo um dos projetos do Circuito Cultural, a obra está prevista para terminar no segundo semestre de 2010 é e fruto da parceria da Cemig com o Governo de Minas, o investimento é de R$ 6 milhões e a torcida é que esse seja um espaço que contribuía para inclusão social, agregando o valor á arte popular, diminuindo a diferença e conseqüentemente a desigualdade social.

Por: Danielle Pinheiro

Fotos: Danielle Pinheiro

Na tarde dessa quarta-feira a Biblioteca Publica Luis Bessa recebeu a coordenadora do curso de História da UFMG, Mestre de ciências sociais, Elizabeth Guerra Parreiras, que contou um pouco de sua experiência de 2 anos na pesquisa da imigração portuguesa, ressaltando as dificuldades e descobertas.

Parreiras descreveu em sua palestra a principal motivação para os portugueses saírem de seu país nesse período e as possíveis causas para eles escolherem o Brasil, e para os residentes em Belo Horizonte, essa cidade tão pouco conhecida no exterior, para estabelecerem suas vidas e formarem sua “nova pátria”.

Justificando a escolha desse período de pesquisa (1975 á 1990), a Mestre de ciências sociais relata que a data de inicio da análise foi selecionada por conta da conhecida revolução dos cravos ou revolução 25 de abril de 1974, momento de transição em Portugal. Já a data de 1990, foi escolhida, pois nesse período Portugal se integrou ao grupo da União Européia.

A pesquisadora demonstrou sua surpresa diante das histórias contadas pelos entrevistados, “Momentos de emoção, que foram transmitidas através dos familiares. Alguns dos portugueses contaram sobre o falecimento dos seus parentes e do pesar de terem saído da sua nação”, declara a palestrante.

A palestrante ressalta ainda que Brasil e Portugal criaram um elo devido a ligação estabelecida entre as duas nações neste período. Uma mistura de culturas, costumes e crenças diferentes, resultando na miscigenação dos dois países.

dsc_0144A Palestrante Elizabeth Guerra Parreiras

Por: Iara Fonseca, Danielle Pinheiro

Fotos: Iara Fonseca

<!–[endif]–>

A exposição permanente de livros que destacam temas variados, neste mês fala sobre medicina alternativa, intitulada “Mito, embuste ou ciência?”. “Em Destaque” tem chamado atenção dos visitantes que por ali passam diariamente. A Biblioteca Pública Estadual Luiz Bessa tem tido um maior número de visitantes e um aumento em seus empréstimos por causa da exposição. Os livros também chamam a atenção para assuntos que, muitas vezes, estão próximos mas nem sempre paramos para realmente entender do que se trata.

Para empréstimos é necessário levar Identidade, comprovante de endereço e uma contribuição de R$3,00 (Três reais) para adquirir a carteirinha válida por dois anos. A biblioteca fica aberta ao público de segunda a sexta, das 8 às 20 horas e sábado de 8 às 13 horas.

 

Por Camila Sol

Hoje na Praça da Liberdade, no mesmo dia do Santo Guerreiro, São Jorge, é comemorado o Dia do Livro e dos Direitos do Autor. Uma festa aberta e solidária é realizada há vários anos, na Praça da Liberdade, onde as pessoas trocaram livros por rosas. Porém, até as 19:00h, muitas pessoas esperavam com seus livros em mãos. Ninguém da organização do evento apareceu. Luciana Rezende e Bruna Silvia Braga chegaram às 18:00h com inúmeros exemplares de livros de literatura, didáticos, apostilas e infantis e ali permaneceram à espera da troca. O evento foi divulgado pelo Guia BH e nos jornais informativos dos ônibus de Belo Horizonte e região metropolitana.

A história de São Jorge

Padroeiro da Inglaterra, de Portugal, da Catalunha (região da Espanha que reivindica identidade nacional, onde se localiza Barcelona), dos soldados, dos escoteiros, protetor dos estabelecimentos comerciais, São Jorge é um santo muito celebrado no oriente e no ocidente. Hoje, 23 de abril é comemorado o seu dia por devotos no mundo inteiro.

A história de São Jorge é de luta e de dor. Guerreiro da Capadócia e militar do Império Romano do imperador Dioclesiano, converteu-se ao cristianismo e lutou contra as perseguições ordenadas pelo imperador. O soldado foi martirizado na Palestina no dia 23 de abril de 303, vítima da perseguição do imperador Diocleciano. Foi torturado e teve a cabeça cortada, em Nicomédia, devido a sua paixão e fé cristã.

A imagem de São Jorge, representado como cavaleiro de armadura de ferro, que luta contra o dragão está relacionada às diversas lendas criadas a seu respeito na Idade Média. A relação entre o santo e a lua viria de uma lenda antiga que acabou virando crença para muitos. Diz a tradição que as manchas apresentadas pela lua representam o milagroso santo e sua espada pronto para defender aqueles que buscam sua ajuda. Embora muitos ainda suspeitem da veracidade de sua história, a Igreja Católica reconhece a autenticidade do culto ao santo. No Brasil, o culto do santo chegou com os portugueses.

As artes, também, divulgaram amplamente a imagem do santo. Em Paris, no Museu do Louvre, há um quadro famoso de Rafael (1483-1520), intitulado “São Jorge vencedor do Dragão”. Na Itália, existem diversos quadros célebres, como o de autoria de Donatello (1386-1466). No Brasil, é celebrado em músicas de Caetano Veloso, Jorge Ben Jor e Fernanda Abreu.

Embora muitos considerem que sua história não passe de um mito e outros até mesmo acreditem que o santo tenha sido cassado pela Igreja Católica, o martírio de São Jorge e o seu culto continuam sendo reconhecidos pelo catolicismo. E foi em 1969 que a Igreja Católica tornou opcional o culto ao santo.

Por Daniella Lages

Fotos Daniella Lages

imagem-0373imagem-038