Praça da Estação

Foto Divulgação

O carnaval de Belo Horizonte tem crescido cada vez mais ao longo dos anos e em 2017 a folia promete. Com uma programação extensa, serão cerca de 363 blocos desfilando pelas ruas da capital, 30% a mais que ano passado. Os organizadores que esperam 2,4 milhões de pessoas, trarão novidades para o entretenimento dos foliões. Dois palcos serão montados na Avenida Brasil e um na Praça da Estação, além de um escorregador gigante, o “Skolrrega”.

A festa que cresce em proporção pede um policiamento mais intensivo para que todos possam curtir e aproveitar a festa em segurança. Pensando nisso, a Polícia Militar de Belo Horizonte trabalhará em conjunto com outros órgãos, Prefeitura de Belo Horizonte, Polícia Civil, Guarda Municipal, Corpo de Bombeiros Militar, Ministério Público e Juizado de Menores.

O policiamento contará com todo o efetivo já existente no Comando da Capital, que é formado por 4.472 militares, mais o reforço da Tropa Especializada, Tropa administrativa e militares da Academia de Polícia Militar. A operação intitulada “Operação Carnaval” terá como base diversas ações e operações preventivas e repressivas, feitas de forma a combater o crime e desordem nas ruas durante toda a festa.

A corporação, também em parceria com o Batalhão de Trânsito, trará um reforço para as Operações Blitzen, em especial a Lei Seca. Na tentativa de inibir o uso de bebidas alcoólicas por motoristas que decidirem ir para a folia de carro. E assim, evitar tumultos e acidentes. Com esse reforço e o planejamento prévio já realizado, a PM terá Bases Comunitárias instaladas, além dos postos existentes.

Com esse planejamento e reforço por parte dos órgãos responsáveis por essa grande festa, fique atento e não reaja, proteja-se e procure um policial perto de você ou ligue para o 190. Segurança é tudo.

Por Ana Paula Tinoco

As diferenças entre os metrôs que são administrados pela companhia nacional em outras capitais do país.

A insatisfação com o metrô de Belo Horizonte já é história antiga. Desde sua inauguração, em 1986, as promessas de reforma e ampliação de suas linhas superam as expectativas do esquecimento. A administração do metrô foi transferida do estado de Minas Gerais para a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU). A companhia, vinculada ao governo federal desde 2003, por meio do Ministério das Cidades, atua na gestão e operação comercial do transporte de 210 mil passageiros por dia, na capital mineira.

Números do metrô de Belo Horizonte

De acordo com dados apresentados em 2011, por uma pesquisa realizada pela CBTU, do número total de passageiros transportados diariamente, 70,8% deles utilizam o metrô para o trabalho e 45,3% fazem o uso durante cinco dias da semana. Outro número que chama a atenção: 15% dos usuários realizam as viagens originadas de bairros da região metropolitana. Isso mostra a defasagem na atual linha em operação, tendo em vista que apenas o município de Contagem, na região metropolitana da cidade, possui estação de metrô.

Outros dados apontam que, a maioria dos usuários possuem entre 18 e 24 anos e são mulheres. Os horários de maior utilização são das 5 até as 8 horas da manhã e, à noite, das 17 até às 20 horas. Dos 210 mil passageiros diários, 57,2% representam funcionários da iniciativa privada, que dependem do transporte público, para chegar até o seu trabalho.

As linhas da CBTU

Atualmente, a CBTU é responsável pela administração do transporte metroviário das cidades de Belo Horizonte, Recife, Maceió, João Pessoa e Natal. Dentre as cidades, o metrô da capital pernambucana é o mais avançado, em termos de número de linhas e usuários atendidos diariamente. Em Belo Horizonte, de acordo com dados publicados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população estimada para 2016 foi de mais de 2 milhões e meio de pessoas e um quinto da população atendida pelo metrô.

Em Recife, porém, os números demonstram a importância desse tipo de transporte. Por lá, de acordo com o IBGE, a população estimada para o ano de 2016 foi aproximadamente de 1,6 milhões de pessoas. A diferença: o metrô recifense, atualmente, atende o dobro de passageiros em relação à BH e possui 43 Km de linhas a mais construídas.

    

Reportagem anterior:

BH continua na espera pela ampliação do metrô

Fotografia, arte e reportagem: Lucas D’Ambrosio

 

5 anos de mais um capítulo da história de esquecimento do metrô de Belo Horizonte.

Quem transitava pelas ruas de Belo Horizonte no dia 7 de fevereiro de 2012, em pontos como a Praça Sete, irá se lembrar daquele dia. Logo ali, na esquina da rua Carijós com a avenida Amazonas, no coração da cidade, um conjunto de tapumes, maquinários e operários realizavam perfurações para análise da viabilidade geológica do solo. Uma placa afixada revelava o propósito da operação: “O Metrô é a Solução”.

Cinco anos depois, o que restou foi a desilusão da população belo-horizontina. Lá se vão mais de 30 anos desde a inauguração da única linha metroviária da cidade. De 1986 até hoje, planos para reformá-la pairam no imaginário esquecido da capital mineira. Gestão após gestão, promessas não cumpridas, corte de orçamento, jogo de empurra entre prefeitura, empresas administradoras e Governo Federal, criam desculpas que impedem a tão sonhada ampliação do metrô de BH.

Linhas de metrô em Belo Horizonte. Fotografia: Lucas D’Ambrosio

Durante dois anos, a diarista Wanderleia Maria da Silva, 46, utilizou o metrô para trabalhar. No seu trajeto, ela também utilizava uma linha de ônibus para ir da estação em que descia até o bairro do seu trabalho. “Entre metrô e ônibus, prefiro o metrô. É muito melhor, não tem trânsito e é mais rápido”, comenta.

Sobre as obras que ocorreram em 2012, ela se lembra com pesar das promessas não cumpridas pelo então prefeito, Márcio Lacerda. Nas vésperas do pleito eleitoral que o reelegeram, as obras se tornaram uma lembrança para a população. “Lembro que fizeram umas perfurações pela cidade, ali na Afonso Pena. A gente via todos os dias aquele tanto de gente trabalhando, furando o solo. Isso cria uma confiança de que o metrô seria ampliado e até agora, nada. Ninguém fala mais nada sobre isso”, lamenta.

Apesar de ainda ter esperanças da conclusão da ampliação do metrô, ela acredita que não verá as obras prontas. “Entra político, sai político e eles não dão esperança, não dão continuidade em buscar realizar essa obra. Se um começou, o outro deveria dar continuidade. Seria bom para a gente, que precisa desse tipo de transporte, todos os dias para poder trabalhar”, conclui.

A linha solitária

As obras do metrô foram iniciadas no ano de 1981. Cinco anos depois, as operações comerciais foram iniciadas e, na época, englobavam seis estações ao longo da cidade (Eldorado – Lagoinha). O trecho inicial de 10,8 Km iniciou com três trens disponíveis para a população. Entre o final dos anos 1980 até o começo dos anos 2000, a atual linha do metrô foi integrada com outras estações, inclusive de ônibus, e hoje funciona em 19 locais ao longo de 28,2 Km. Diariamente, cerca de 210 mil passageiros são atendidos. O último investimento, realizado em 2015, se deu com a aquisição de 10 novos trens, o que representou um aumento de 40% na frota, que aumentou para 35 unidades, ao custo R$171,9 milhões.

Fotografia e Reportagem: Lucas D’Ambrosio

O Viaduto Santa Tereza recebe às 20h desta sexta-feira, 25, uma exposição de fotografias onde o público presente terá a oportunidade de assinar a curadoria. Trata-se do Show de Likes, iniciativa do coletivo Erro99, formado por fotógrafos e produtores culturais de BH. A exposição faz parte da programação do Festival das Ocupas – festival unificado das ocupações estudantis de Belo Horizonte e Região Metropolitana.

Através da convocação feita pelas redes sociais, o coletivo convidou fotógrafos “de belô, do Brasil e do mundo para fotografarem as ocupações estudantis no Brasil” e se inscreverem no Show de Likes. No Viaduto, as fotos inscritas serão projetadas e o público presente irá decidir, na voz e nas palmas, qual ensaio representará as ocupações em uma exposição de lambe-lambes que serão espalhados pela cidade.

A adesão do público da fotografia tem sido bastante satisfatória, o coletivo já recebeu ensaios de São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Curitiba e, claro, Belo Horizonte.

Bruno Figueiredo, integrante do Erro99, explica que a temática das ocupações surgiu pelo fato do grupo possuir uma característica ativista na maneira de agir dentro e fora da fotografia, e, também, por acreditarem que o artista tem que refletir o tempo que vive, “ A gente acha importante jogar um holofote em cima desse acontecimento que talvez seja um dos mais importantes dos últimos anos e que a grande mídia não dá a cobertura devida”, pontua. Além disso, a iniciativa veio como forma de incentivo para que mais pessoas fotografassem as ocupações estudantis e, ao mesmo tempo, aumentar o acesso ao que está sendo produzido.

O ensaio escolhido será impresso em lambe-lambes do tamanho de 5 folhas A0, “é um papel bem grande, esperamos que o impacto dessa exposição seja bem grande”, conta Figueiredo.

O Fotógrafo Lucas D’Ambrósio registrou na última sexta-feira, 11 de novembro, a manifestação dos secundaristas que ocorreu na Praça Sete, em BH. Ao tomar conhecimento do Show de Likes, o fotógrafo inscreveu seu material, “ A ideia de participar e poder enviar o material para o festival é de poder evidenciar, ainda mais, as ocupações estudantis que ocorrem em todo país. É, também, uma forma de prestigiar e aproximar o trabalho realizado pelo Sô Fotocoletivo, do qual faço parte, com as ações promovidas pelo Erro99”, conta.

Foto do Lucas D'Ambrósio inscrita no Show de Likes
Foto do Lucas D’Ambrósio inscrita no Show de Likes

A INICIATIVA

O Show de Likes surgiu há 3 anos no Festival de Fotografia de Tiradentes, a partir da idéia dos integrantes do coletivo de transbordar a seriedade pré imposta à fotografia dentro dos festivais e demais exposições – sempre expostas de forma clássica, em molduras, em galerias e palestras. Eles também pretendiam aproximar o público com o contato à fotografia, “Tem  até um termo que surgiu ao pensar o Festival de Likes que é a “Curadoria Popular”, que é o público presente que escolhe qual é o ensaio vencedor, então esse papel de escolha que é do curador acabou sendo transferido para o público presente”, explica Figueiredo.

Outra característica do projeto é o que o grupo chama de “Duelo de Ensaios Fotográficos”. Assim como nos famosos duelos de rimas, as fotos se enfrentam, “a gente projeta um ensaio, depois o outro, e o público presente vota no preferido entre eles, o que não for escolhido é eliminado e o que for, passa para a próxima fase. A partir daí eles vão se enfrentando até chegarmos em um vencedor”.

O COLETIVO

O coletivo ERRO99 é uma iniciativa de fotógrafos e produtores culturais belo horizontinos que adota o humor e a interação com o público como ferramentas para levar para os espaços de consumo e debate fotográfico pontos de vistas contemporâneos e populares acerca da produção e circulação de imagens.

Apropriando-se de formatos já tradicionais em festivais de fotografia, como projeções de ensaios e leilões, introduzimos em nossa performances elementos popularescos dos shows de calouros e programas de auditório da TV; dessa forma buscamos proporcionar o engajamento e interação do público para além dos espaços e papéis que normalmente o são oferecidos, e ao mesmo tempo questionar as estruturas do mercado da fotografia profissional e artística. Em nossos “interveshows” o público se torna, ao mesmo tempo, artista, curador, crítico e platéia, em um ambiente de festa, descontraído e informal, que contrapõe a áurea de sobriedade e distanciamento presente nas mostras e exposições em festivais do gênero. (Texto retirado da página do grupo)

Por: Bruna Dias

No dia 22 de setembro foi realizado em em Belo Horizonte, “Dia Nacional da Paralisação e Mobilização – rumo à greve geral contra o governo Temer”, para debater a Proposta de Emenda à Constituição (PEC)  241/16, em pauta no Congresso Nacional. Ela prevê o congelamento das despesas públicas para os próximos 20 anos. A concentração para o ato foi realizada nas praças, Afonso Arinos, Sete e Estação, ambas na região central de BH. Os manifestantes percorreram as ruas da capital e se reuniram na praça da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

 

Paralisação nacional no dia 22 de Setembro reúne sindicalistas na Praça da Assembléia de Minas Gerais. Fotografia: Lucas D' Ambrósio.
Paralisação nacional no dia 22 de Setembro reúne sindicalistas na Praça da Assembléia de Minas Gerais.
Fotografia: Lucas D’ Ambrósio.

A mobilização contou com sindicatos mobilizados pela CUT – Central Única dos trabalhadores. Entre eles, estavam presentes o FETAM – Federação de Empresas de Transporte em MG, CNTE – Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, Sind UTE – Sindicatos Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais, AMES – Associação Mineira de Engenharia de Segurança, FENET – Federação Nacional dos Estudantes do Ensino Técnico e UJR – União da Juventude Rebelião.

Beatriz Cerqueira, presidente da CUT/ MG. Fotografia: Lucas D' Ambrósio.
Beatriz Cerqueira, presidente da CUT/ MG.
Fotografia: Lucas D’ Ambrósio.

R.O, auxiliar administrativo do CREA, estava próximo à praça observando a manifestação acompanhando de outros funcionários da Instituição. “Isso aqui é uma falta de respeito com quem trabalha na região, não vai dar em nada. Não é golpe e o governo não vai voltar atrás. Está só atrapalhando.”, comentou o rapaz, desaprovando a mobilização e os transtornos que ela poderia causar para o trânsito da região.

Segundo Beatriz Cerqueira, presidente da CUT/MG, o dia 22 de setembro é um marco para as lutas sociais e sindicais, “é o dia nacional de paralisações com atos em todas as capitais e uma pauta muito concreta. Estamos lutando contra os retrocessos anunciados pelo governo Michel Temer, seja sobre a reforma da presidência, seja em relação à PEC 241 ou à reforma trabalhista que irá estabelecer mudanças drásticas na CLT. Também nos reunimos contra a flexibilização da agenda no mundo do trabalho.”, explicou Cerqueira.

Apreensão de menor e incidente com ambulantes

Um grupo de menores, estudantes da rede pública de ensino, participava do ato, quando foram abordados por três soldados da Polícia Militar (PMMG), um deles identificado como SD (soldado) Vasconcelos. De acordo com o estudante J.A, os militares ordenaram que ele e seus amigos encostassem em uma árvore para serem revistados. Ao informar que era menor e apresentar seus documentos, J.A alegou ter sido agredido por um soco na mão e teve os documentos jogados fora do seu alcance pelo referido policial. Outro menor, amigo de J.A, também foi agredido.

Estudante apreendido durante a manifestação. Fotografia: Lucas D' Ambrósio.
Estudante apreendido durante a manifestação.
Fotografia: Lucas D’ Ambrósio.

Manifestantes que testemunharam a abordagem, na tentativa de intervir, também foram revistados. Tentando acompanhar o procedimento realizado, as pessoas foram dispersadas pela PMMG que utilizou a cavalaria e gás de pimenta contra elas. Inclusive, profissionais da imprensa também foram atingidos. Durante a ação, o menor F.B.M foi detido, aparentemente por estar de capuz, e encaminhado à 5ª DP, no bairro Floresta. Ao serem questionados sobre a apreensão do menor, policiais presentes na ação alegaram que não estavam autorizados a falar e que as informações seriam posteriormente divulgadas pela assessoria de imprensa da PMMG, através de contato por meio do 190.

“É aquela coisa da polícia fascista não se importar com a gente, não se importar com quem é estudante, com quem é negro, com quem é gay, com quem é trans. Porque, sinceramente, eu quero ver eles abordarem alguém do Santo Agostinho, Bernoulli (colégios de BH). Mas quando é de escola pública, Villa Lobos, Estadual Central, acontece esse tipo de coisa.” desabafa o menor, estudante.

Ambulantes que estavam trabalhando no local foram proibidos pelos seguranças da Assembleia de vender seus produtos próximo às escadarias do prédio. De acordo com J.J.B, 33, vendedora ambulante, ela e outros comerciantes foram impedidos de comercializar seus produtos no espaço frontal ao prédio da ALMG. “Os seguranças chegaram e falaram que não pode vender em frente a Assembléia.”, lamentou a comerciante que não quis ter sua identidade revelada. De acordo com informação fornecida por representantes da segurança, a ordem foi realizada pela presidência da ALMG.

Ambulantes foram obrigados a desocupar o centro da Praça da Assembléia por ordem da presidência da Casa Legislativa. Fotografia: Lucas D' Ambrósio.
Ambulantes foram obrigados a desocupar o centro da Praça da Assembléia por ordem da presidência da Casa Legislativa.
Fotografia: Lucas D’ Ambrósio.

Rumos para a greve geral
Depois de uma tentativa frustrada de tentar utilizar o Plenário Central para realização da Assembléia, os sindicatos e manifestantes reuniram-se na entrada do prédio para debater e ouvir os representantes. Entre eles estava Patrus Ananias, que em entrevista coletiva comentou,

Deputado Federal Patrus Ananias, durante coletiva de imprensa na paralisação nacional do dia 22 de Setembro. Fotografia: Lucas D' Ambrósio.
Deputado Federal Patrus Ananias, durante coletiva de imprensa na paralisação nacional do dia 22 de Setembro. Fotografia: Lucas D’ Ambrósio.

“O Congresso Nacional quer aprovar a PEC 241 à toque de caixa, não querem que ela seja discutida porque sabem muito bem que o tempo trabalha contra eles. Se for debatida, a sociedade brasileira irá perceber que é a ‘PEC do desmonte’: desmonta a Constituição brasileira e com ela o estado democrático de direito. Portanto, é uma PEC à serviço dos grandes interesses do capital internacional.”, finalizando sua entrevista antes de se dirigir à mesa de mediação da reunião com os sindicalistas.

Reportagem: Gabriella Germana

Fotografias: Lucas D’Ambrosio

Foto Comunidade LGBT

Levantando a bandeira que seguia com o tema “Democracia é respeitar a identidade de gênero: não nos apague com politica”, ontem 17, Belo Horizonte reuniu cerca de 40 mil pessoas na Praça da Estação na 19ª edição da Parada do Orgulho LGBT. A edição 2016, que teve como foco a discussão a respeito da identidade de gênero foi organizada pelo Centro de Luta pela Livre Orientação Sexual de Minas Gerais – Cellos- MG- em parceria com o Conselho Regional de Psicologia.

O palco na Praça da Estação recebeu diversas apresentações artísticas, entre elas drag queens, teatro manifesto e grupos de dança. Para Leandro Augusto, estudante de Cinema, foi uma preparação espiritual: “Todos os dias eu vejo pessoas que precisam de espaço para se expressar. A liberdade nesse dia é maior. Foi um dia maravilhoso. Quando cheguei à concentração a energia foi maravilhosa, fantástica.”. Os trios elétricos tomaram conta da festa por volta das 17h horas e com um novo trajeto, menor esse ano, eles passaram pelas ruas Guaicurus e Tupis tendo seu encerramento na Avenida Olegário Maciel.

Indo além das festividades, a parada mais uma vez trouxe à tona a busca e luta pelos direitos iguais entre todos indiferente de orientação sexual, como conta Marcelo Henrique Santos, que foi voluntário e fez parte da organização: “Foi ótimo. Pude ver os bastidores de todo mês da jornada pela cidadania LGBT, além de ajudar a construir a parada LGBT de Belo Horizonte, o trabalho que da pra fazer o manifesto acontecer, ver acontecer nas ruas todas as pautas que reivindicamos. É lindo poder participar e ter um posicionamento mais ativo na luta pelos direitos LGBT.”.

No momento das discussões politicas, o manifesto contou com a presença da deputada federal Jô Moraes (PC do B) e o secretário de direitos humanos do governo estadual de Minas Gerais Nilmário Miranda (PT). “Espero que as próximas paradas continuem com a mesma pegada dessa, que teve tanta gente bacana lutando pela democracia e pelo respeito a identidade de gênero.”, deseja Santos.

Segundo relato de Jacson Dias, estudante de cinema, militante e produtor da cobertura do evento, é essencial participar para a quebra de paradigmas e preconceitos que giram em torno do universo LGBT: “Cada ano para mim tem sido uma experiência melhor falo tanto politicamente, como pessoa física, porque eu vou aprendendo, diminuindo preconceitos e adquirindo conhecimentos, tanto no âmbito pessoal como profissional. No meu trabalho a mudança é nítida.”.

Para alguns ir as ruas é um momento de descoberta e aceitação como relata Santos quando questionado sobre o que mudou para ele ao participar: “Pra mim o que mudou foi à aceitação de mim mesmo e as pessoas que me rodeiam e o orgulho de poder ser quem eu sou.”. Para Augusto foi um “protesto na base da alegria, celebração de tudo que conseguimos. Às vezes é um pouco menos, às vezes um pouco mais. Mas, tem que ser celebrado tudo aquilo que conseguimos.”, finaliza.

Reportagem Ana Paula Tinoco

Fotos Pablo Abranches