Uncategorized

0

Por Ana Sandim – Ingrediente da Vez – Parceira Contramão HUB

O Bacalhau

Bacalhau é o nome comum de várias espécies de peixes classificados em particular no gênero Gadus, pertencente à família Gadidae, sendo o dito “original”, ou “verdadeiro”, o bacalhau encontrado no mar Atlântico, chamado Gadus morhua, que é uma das cerca de 60 espécies da mesma família de peixes migratórios. O Gadus vive nos mares frios do norte, sendo geralmente de tamanho pequeno, embora alguns exemplares possam chegar a pesar 100 kg e medir pouco menos de dois metros. Alimenta-se de outros peixes menores, como o arenque.

Origem

Os portugueses descobriram o bacalhau no século XV, na época das grandes navegações. Naquela época, os viajantes precisavam de produtos que não fossem perecíveis, que suportassem as longas viagens. Segundo a história, eles fizeram tentativas com vários peixes da costa portuguesa, mas foram encontrar o peixe ideal perto do Polo Norte. Foram os portugueses os primeiros a ir pescar o bacalhau na Terra Nova (Canadá), que foi descoberta em 1497. Existem registros de que em 1508 o bacalhau correspondia a 10% do pescado comercializado em Portugal.

Já em 1596, no reinado de D. Manuel, se mandava cobrar o dízimo da pescaria da Terra Nova nos portos de Entre Douro e Minho. Também pescavam o bacalhau na costa da África.

O bacalhau foi imediatamente incorporado aos hábitos alimentares e é até hoje uma de suas principais tradições. Os portugueses se tornaram os maiores consumidores de bacalhau do mundo, chamado por eles carinhosamente de “fiel amigo”. Este termo carinhoso dá bem uma ideia do papel do bacalhau na alimentação dos portugueses.

 O hábito de comer bacalhau veio para o Brasil com os portugueses, já na época do descobrimento. Mas foi com a vinda da corte portuguesa, no início do século XIX, que este hábito alimentar começou a se difundir. Data dessa época a primeira exportação oficial de bacalhau da Noruega para o Brasil, que aconteceu em 1843.

Bolinho de Bacalhau

Ingredientes:
200g Bacalhau;
2 Batata cozidas amassada (280g);
1 colher de sopa de azeite;
½ cebola;
2 dentes de alho;
¼ xícara de chá de farinha de rosca;
Cheiro verde picado;
Sal e pimenta do reino a gosto;
Óleo para fritar;
Limão taiti para acompanhar.

Modo de preparo:

Prepare um fundo de legumes para cozinhar o bacalhau. Corte a cebola e o alho em pequenos pedaços e doure no azeite, acrescente o bacalhau cozido e já desfiado. Reserve na geladeira. Utilize a água do fundo, onde foi cozinhado o bacalhau para cozinhar a batata. Quando a mesma estiver cozida amasse e leve para refrigerar. Pique as folhas do cheiro verde em pequenos pedaços e misture o sal e a pimenta. Retire o bacalhau e a batata da geladeira e misture todos os ingredientes. ELES DEVEM ESTAR FRIOS. Acrescente aos poucos a farinha de rosca até a mistura dar o ponto de enrolar.
Aqueça o óleo em 160°C e frite os bolinhos colocando poucas unidades por vez na gordura. Escorra em um papel absorvente e sirva quente com um limão. Rende aproximadamente 20 bolinhos.

Quer mais receitas? Seguem os links: Arroz com Bacalhau / Estrogonofe de Bacalhau – Vídeo

0

NOTA:   ☆ ☆ ☆ 

            A nova série da Netflix, “13 Reasons Why“, criada por Brian Yorkey e estrelada por Katherine Langford e Dylan Minnette, baseada no livro homônimo de Jay Asher está dando o que falar desde a data de seu lançamento mundial (31/03). O programa relata a história de vida da personagem Hannah Baker, mais especificamente, a história de como a vida da mesma acabou. A adolescente era vítima de bullying, de constrangimentos e de violências físicas e morais. A série conta em formato de 07 fitas gravadas em ambos os lados, formando 13 gravações, os 13 motivos, ou melhor, as 13 pessoas que a levaram cometer suicídio. A história se inicia com Clay Jensen, o amigo mais próximo da menina, recebendo uma caixa de sapatos contendo as fitas e entrando em um dilema do motivo de estar nelas. Clay começa também a enfrentar os demais nomes da fita em busca de satisfações.

                A série com 13 episódios de 50 minutos desde seu início se mostrou ser fora do normal, assim como seu livro. Em ambas as obras a adolescência não é tratada com futilidade e dramatização excessiva, como se os jovens fossem pessoas sem problemas, preocupações e transtornos, onde a solução mais viável é sempre a mais previsível, fácil e comum possível. A história abrange nitidamente o crescimento do adolescente, mostrando as dificuldades de se fazer amigos, de ser aceito no meio dos demais e principalmente, a dificuldade de se encontrar no mundo e se descobrir quem realmente é. A série que realiza uma série de flashbacks que são intercalados com o tempo real da narrativa, mostra todas as angústias sem pudor ou pestanejos. Eles realmente estão ali, são graves e merecem serem ouvidos e respeitados.

                A produção, que seguiu fielmente a composição do livro, com mudanças suaves e plenamente necessárias para o novo formato abordado é de se tirar o chapéu principalmente pela bandeira que levantou, fator que jamais havia sido levantada antes. A série, possuindo a Netflix como provedora teve a oportunidade de dar muito mais visão a este problema do que o próprio livro, lançado em 2007, principalmente pois aborda também as pressões e a vulnerabilidade causadas na atualidade, 10 anos após a publicação, uma vez que na série temos a tecnologia como vilã fundamental devido a divulgação de fotos e da imagem da protagonista em redes sociais e em mensagens instantâneas.

                Ainda abordando essas diferenças temos a construção dos personagens. Na obra de Asher, temos um Clay mais tímido que guarda as fitas para si e esporadicamente conversa com seu melhor amigo e guardião de Hannah, Tony e na série o temos mais justiceiro, indo tirar satisfação com cada um dos nomes presentes na gravação. Sem contar que o envolvimento dos demais nomes é bem mais forte na nova versão, onde vemos os personagens nitidamente perturbados e até mesmo revoltosos com a atitude da vítima, alegando que a mesma era mentirosa e só estava querendo chamar atenção mesmo depois de morta, mantendo o desrespeito que antes já continham com a garota. Porém, alguns personagens vão se tornando mais arrependidos, humanizados e até mesmo dispostos a se redimirem consigo mesmos e com a justiça, como forma de respeito e honra à figura da menina. Além deste envolvimento dos 13 motivos de Hannah no enredo, temos também uma forte presença dos pais da menina a procura do motivo que levou a filha a se matar e completamente perdidos dentro da própria vida e da própria casa, sem respostas e esclarecimentos, apenas com a saudade.

O envolvimento dos pais da garota acarreta o envolvimento da própria instituição de ensino, a Liberty High, uma vez que os Baker processam a escola pela morte da filha por especulações a respeito de bullying e opressão. Temos também um envolvimento dos pais de Clay e uma preocupação da escola a respeito do suicídio em si, uma vez que os alunos se encontram nitidamente perturbados e estranhos após a morte de uma das colegas.

Além da narrativa brilhante e de um espetáculo realizado pelos atores, temos a perfeição da técnica, principalmente da direção, direção de fotografia e arte. A série a cada episódio vai se tornando mais fria e sombria, principalmente nas transições entre os flashbacks, onde as cenas de Hannah são quentes, com os tons laranjas e vermelhos bem evidentes e as cenas de Clay azuladas, frias e com cores cinzas e escuras abordadas. A direção também conseguiu realizar bem esse feitio, com movimentos de câmera sutis, mas bem eficazes para realizar essa transição de forma bem suave, sem contar no jogo realizado de câmera objetiva e subjetiva de cenas mais fortes, como a relatada na primeira fita a respeito da tão citada cena da festa da personagem Jéssica Oliver. Já a arte teve um envolvimento fundamental nas vestimentas e na aparência dos personagens, ao implantar um machucado na testa de Clay para identifica-lo e ao representar a forma perdida e inconstante do garoto ao fazê-lo permanecer com a mesma roupa até mesmo em cenas na qual está indo dormir, conseguindo assim mostrar que o personagem havia até mesmo parado de tomar banho e começara a feder.

13 reasons why é o tipo de série que ao mesmo tempo possui sutilezas é totalmente a verdade nua e crua, sem amenizar a imagem da adolescência, do bullying, do assédio, do estupro e do suicídio. A série consegue implementar diversos assuntos polêmicos de forma nítida que consegue abrir os olhos de todos que a assistem. Logo após o lançamento da série diversas campanhas contra a depressão e incentivando a atenção e a conversação com os jovens foram criadas, dentre elas a hashtag “#NãoSejaUmPorque” onde pessoas que se solidarizarão com a personagem Hannah Baker deram depoimentos a respeito da conscientização do bullying e da exposição. Entretanto, o único fator fundamental que ainda não foi visto pela maioria dos espectadores da série foi o ponto na qual se identificar. A maioria, sendo jovem ou não, se identificou com a protagonista, porém, todos sabem que 99% da população é um porquê. Ser um porquê não é somente expor, agredir ou retalhar a imagem de alguém de alguma forma. Ser um porquê é ignorar uma pessoa que nitidamente precisa de você, é ignorar os sinais, é não dizer o que realmente sente, é não estender a mão a quem precisa e não permanecer do lado de quem deve. Essa série deve ser assistida por todas as pessoas e por todos os gêneros e idades, principalmente por abordar a reação mais usual de um adulto ao se deparar com uma situação como essa, mas o que está além de assistir é se conscientizar que você é um porquê e tentar melhorar. #NãoSejaUmPorque.

 

Por: Isadora Morandi

0
Foto Retirada da Internet - Alien 3

Por:  Jeferson Cirilo –  Site Start

Alien introduziu para o estrelato Ellen Ripley, interpretada por Sigourney Weaver, que se tornaria uma personagem feminina mais icônico dos cinemas. No entanto, a história do cinema e da franquia Alien como um todo teria se desdobrado de forma muito diferente, segundo o diretor Ridley Scott foi capaz de incluir o seu final original para o filme clássico. Em uma entrevista para o Entertainment Weekly, Scott revelou que tinha lançado um final para o filme, onde Ellen Ripley compartilhou o mesmo destino que seus companheiros caídos.

Scott compartilhou detalhes sobre como ele imaginou a morte de Ripley.

Foto Divulgação

 

 

“Eu pensei que o alien deveria entrar, e Ripley está armada e não faz diferença, então ele bate através de sua máscara e rasga sua cabeça fora.”

 

 

 

Ridley Scott retorna ao universo que criou, com ALIEN: COVENANT, um novo capítulo em sua inovadora franquia ALIEN. A tripulação da nave-colônia Covenant, ligada a um remoto planeta no outro lado da galáxia, descobre o que eles acham que é um paraíso inexplorado, mas na verdade é um mundo escuro e perigoso. Quando descobrem uma ameaça além de sua imaginação, devem tentar uma fuga angustiante.

Dirigido por Ridley Scott, Alien: Covenant estrela Katherine Waterston, Michael Fassbender, Danny McBride, Noomi Rapace, Demian Bichir, Jussie Smollett, Carmen Ejogo, Billy Crudup e Amy Seimetz.

Alien: Covenant chega aos cinemas em 19 de maio de 2017.

 

0

Texto do coletivo Auspicioso Acapela

Maria, todas as noites antes de dormir, arruma a sua mochila na seguinte ordem – o material usado no período da noite por último, o material usado nas primeiras horas do dia por cima e os objetos mais usados nos bolsos da frente e laterais – No dia seguinte, ao acordar, Maria se arruma e ao sair de casa já pega a mochila e bate o portão.

Durante o dia, a menina vai a faculdade, ao trabalho, a padaria, ao banco, descansa na praça e volta para casa, por consequência, esse dia trouxe muitas coisas e novos espaços da mochila foram preenchidos. Maria cansada, ao chegar em casa, joga a mochila no canto e “apaga” na cama.

No dia seguinte, Maria acorda atrasada, e apressada, joga o material do dia em sua companheira. Ao passar das horas, a mochila começa a pesar, mas está sempre completa. O mais engraçado e o mais irritante é que, Maria precisa fazer uma apresentação e trouxe o seu pen drive. Ele está em algum lugar submerso no buraco descosturado da sua mochila, Maria desesperada, tira todos os materiais de maneira desordenada e com a pressa, o sentimento da raiva vai nascendo do fundo do inferno. Ao final, o objeto é achado e, por fim, o objetivo é cumprido.

Parece exagero, mas é verdade. Por outro lado, Maria que há muito tempo não achava seu chaveiro, nessa confusão foi encontrado. Ao final, Maria chega a uma conclusão. Uma mochila é um portal para um mundo desconhecido, com muitas surpresas e sentimentos.

Esta história é da Maria, minha, sua, da Marina, da Michele, do Leonardo, do Pedro. De todos que durante o dia são acompanhados por uma mochila. Qual a surpresa que a sua mochila está guardando para você?

0
Foto Ingrediente da Vez

Por Ana Sandim – Ingrediente da Vez – Parceira Contramão HUB

Na hora de comprar pescados, aspectos como cor e textura devem ser levados em consideração. Aprenda como identificar se um peixe está fresco e o modo de preparo ideal para cada espécie.

Foto Ingrediente da Vez

– O peixe não deve apresentar cheiro suspeito. A pele e as brânquias devem ter cheiro de alga fresca. Se o peixe apresentar um odor azedo, seguido pelo cheiro de amônia ou de enxofre, descarte-o.

– A pele deve parecer brilhante, fresca e quando apertada com o dedo deve retornar a posição original.

– Os olhos devem ser transparentes. O peixe não deve ter catarata (olhos embaçados).

– O corpo deve ser firme, elástico e liso. Atente-se! Um peixe não fresco, solta as escamas com facilidade.

– Os peixes devem ser armazenado sob o gelo, e não sobre o gelo.

Peixes nobres: Linguado, Atum e Salmão. Peixes de Primeira linha: Robalo, Badejo, Cherne, Pescada amarela, bem fresca, Garoupa. Peixes nobres de nossos rios: Dourado e Surubim.

Peixes e o modo de preparo ideal

ANCHOVA: Assada,cozida ou ensopada.
ATUM: Grelhado na chapa ou frito. Pode ser consumido cru, na cozinha japonesa. É um peixe com gordura.
BACALHAU: Pode ser frito, assado, cozido,ensopado ou grelhado.
BAGRE: Frito, assado, grelhado ou cozido. Pode ter alguma rejeição devido ao sabor acentuado de terra.
CAÇÃO: De carne branca e firme, com cartilagem. Em postas é possível fazer ensopados, grelhados e assados.
CARPA: Cozida, assada, frita ou empanada.
CAVALA: Grelhada ou assada.
CORVINA: Grelhada, assada ou preparada no vapor.
DOURADO: Frito, grelhado ou na chapa. Tem muita gordura e espinhas.
LINGUADO: Frito, cozido ou assado. Na cozinha peruana, é servido cru no ceviche. É um peixe considerado magro,quase sem espinhas.
NAMORADO: De carne branca, quase sem espinhas. Inteiro recheado e depois assado. Em postas, pode ser frito em filés ou cozido.
PESCADA: Tem baixo valor calórico e de gordura, por isso é ideal para dietas. Pode ser preparada assada, grelhada ou frita.
PINTADO: De carne rosada e pouca espinha, pode ser assado, grelhado ou ensopado.
ROBALO: De carne branca e firme, é perfeito para ser assado na grelha ou no forno. Muito apreciado, também, em moquecas.
SALMÃO: Grelhado, defumado ou assado. Muito apreciado cru, na cozinha japonesa.
SARDINHA: Frita, grelhada ou marinada.
TAINHA: Pode ser frita, grelhada ou assada.
TILÁPIA: Frita, cozida, grelhada ou assada.
TRAÍRA: O ideal é que seja frita. Exige muito cuidado devido à grande quantidade de espinhas.

REFERÊNCIAS:
SACARIOLI, LESLEY. DE BOCA-DE-BODE A GOURMET. 1.EDIÇÃO. AGOSTO (2002). BETIM-MG.

0
Foto Reprodução Internet

23 de Março

  • Djavan

Data: 24.03.2017 – 22:00

Local: Km de vantagens Hall

Belo Horizonte recebe o cantor Djavan para uma apresentação da turnê do seu 23° álbum, celebrando mais de 40 anos de carreira. Além das novidades de “Vidas pra Contar”, o repertório do espetáculo inclui também antigos sucessos do artista alagoano.

http://premier.ticketsforfun.com.br/

Telefone: 31 4003-5588

  • Aniversário Baile da Diretoria

Data: 24.03.2017 – 22:00

Local: Serraria Souza Pinto

Atrações:
Nego do Borel e Ludmila
Kleber & Gustavo
Papo Di Bakana
Dj Caio Moreira
Dj Diego Avila
Dj Marquinho MPC

http://www.centraldoseventos.com.br/

Telefone: 31 4141-2929

  • Toquinho, João Bosco & Joyce – Homenagem a Tom Jobim

Data: 24.03.2017 – 21:00

Local: Grande Teatro – Palácio das Artes

O encontro dos três músicos foi criado especialmente para a homenagem, após os 20 anos da morte de Jobim – completados em dezembro de 2014. O maestro partiu em 8 de dezembro de 1994. Ele faria 90 anos em 2017.
Durante o show, Joyce canta sucessos como “Retrato em branco e preto”, “A felicidade”, “O mar”, “Ela é carioca”, “Estrada do sol” e “O morro não tem vez”;
João Bosco interpreta “Águas de março”, “Água de beber”, “Dindim”, “Desafinado”, “Ligia” e “Fotografia”;
Toquinho empresta a voz para “Eu não existo sem você”, “Só danço samba”, “Eu sei que vou te amar”, “Garota de Ipanema”, “Corcovado” e “Vivo sonhando”.

Informações Adicionais:

Tom Jobim é considerado um dos maiores músicos brasileiros de todos os tempos. Ele foi um compositor, maestro, pianista, cantor, arranjador e violonista e é um dos criadores da bossa nova.

http://fcs.mg.gov.br/

Telefone: 31 3236-7400

  • BH Hell Festival 2017

Data: 24.03.2017 – 20:00

Local: Music Hall

O evento contará com as tradicionais bandas mineiras da década de oitenta – HOLOCAUSTO e SEXTRASH. Além dessas duas porradas do metal brasileiro, o festival contará com a banda COLT.45 (grande revelação do death metal de Belo Horizonte).
A atração principal vem diretamente dos Estados Unidos. David Vincent, uma das personalidades mais importantes e respeitadas da música pesada mundial, acaba de confirmar retorno ao Brasil.
Após polêmica saída do Morbid Angel, o frontman formou a poderosa banda I Am Morbid, que atualmente tem em seu line-up nomes como Tim Yeung (bateria – Morbid Angel, Divine Heresy, Nile, Hate Eternal, All That Remains), Bill Hudson (guitarra – Vital Remais, Circle II Circle, Transiberian Orchestra) e IRA BLACK (guitarra – Metal Church, Lizzy Borden).
No repertório, as principais composições dos clássicos álbuns do Morbid Angel “Altars of Madness” (1989), “Blessed are the Sick” (1991), “Covenant” (1993) e “Domination” (1995).

http://www.centraldoseventos.com.br/

Telefone: 31 3461-4000

  • Especial Mês da Mulher: Entre Leituras e Cores

Data: 24.03.2017

Local: Centro Cultural Zilah Spósito (CCZS)

Nesta atividade, haverá leitura de trechos de contos, crônicas e poemas de diversas autoras do universo feminino, bem como dicas de beleza, maquiagem e bem-estar da mulher.

http://www.bhfazcultura.pbh.gov.br/

Telefone: 31 3277-5498/3277-1839

Entrada Franca

  • Homens que bordam

Data: 24.03.2017 – 15:00

Local: Sesc Palladium

Oficina de bordados para homens com os artistas da exposição Almofadinhas. Pensando as questões de gênero, afetividade e sexualidade envoltas em todo o conceito e universo imagético proposto pelos artistas Fabio Carvalho, Rick Rodrigues e Rodrigo Mogiz, a oficina se propõe a unir as questões técnicas e tradicionais da atividade do bordado com a linguagem da performance, em que uma ação será proposta em conjunto para os participantes.

Informações Adicionais:

Inscrição: bit.ly/selecaopalladium de 01 a 20/03 I divulgação dos selecionados: 22/03
Critério de seleção por análise de currículos e seleção I vagas: 20
Público alvo: homens interessados no bordado enquanto prática de expressão artística.

http://www.sescmg.com.br/

Telefone: 31 3270-8100

25 de março

  • Milton Nascimento – Semente da Terra

Data: 25.03.2017 – 21:00

Local: Grande Teatro – Palácio das Artes

Com a proposta de unificar as várias lutas de sua biografia num único e emocionante espetáculo, Milton Nascimento retorna aos palcos com o show Semente da Terra.
Ao longo de 55 anos de carreira, o músico já abraçou diversas causas sociais e militou ao lado dos grupos ambientais mais importantes do mundo. O caráter político de sua luta contra injustiças está evidente desde o primeiro disco, lançado ainda em 1967.

http://fcs.mg.gov.br/

Telefone: 31 3236-7400

  • Festa das Patroas

Data: 25.03.2017 – 16:00

Local: Esplanada do Mineirão

A festa vai reunir as cantoras Marília Mendonça, Maiara e Maraísa e Wanessa Camargo em um mesmo palco. As mulheres vão comandar a noite e tocar grandes sucessos do sertanejo.

http://nenety.com.br/eventos/festadaspatroas

Telefone: 31 3281-2737

  • 1º Encontro de Mulheres Empreendedoras no Lar

Data: de 25.03.2017 – 09:00 até 25.03.2017 – 17:00

Local: Sesc Minas

Tema – Mãos que Transformam. O objetivo do encontro é proporcionar uma oportunidade para que mulheres que empreendem ou desejam empreender recebam orientações e um direcionamento para se organizarem e ganharem dinheiro através do seu trabalho. Você também poderá fazer grandes parcerias e aumentar sua rede de contato.

http://www.sympla.com.br/i-encontro-de-mulheres-empreendedoras–maos-que-transformam__116304

Telefone: 31 98501-4350

Promoção: Empreendendo no Lar Doce Lar

Realização: Empreendendo no Lar Doce Lar

  • Mostra Western – Parte II

Data: de 25.03.2017 até 20.04.2017

Local: Cine Humberto Mauro – Palácio das Artes

Nessa edição, além de filmes consagrados, a programação traz uma abordagem mais ampla, com ramificações e estilizações como as produções italianas do Western Spaghetti e ainda o Western Feijoada, nome dado às obras brasileiras. Além disso, filmes que dialogam com a linguagem cinematográfica Western também fazem parte da mostra.
Entre os diretores selecionados, estão nomes de peso como John Ford, Sam Peckinpah, Howard Hawks, Sergio Leone, Don Siegel, Robert Altman e Clint Eastwood.

http://www.fcs.mg.gov.br

Telefone: 31 3236-7400

Entrada Franca

  • BH ao Ar Livre

Data: de 25.03.2017 até 26.03.2017

Local:

Projeto “Basquete Popular no Bairro”
Data: todos os sábados
Horário: a partir das 9h
Parque Vencesli Firmino da Silva
Rua dos Agrônomos, 285 – Bairro Alípio de Melo
Para aprender e desenvolver os fundamentos do basquete. Para todas as idades, masculino e feminino.
Mais informações e horários: com o “Professor” na quadra do parque.
(Use tênis, short e camiseta. Leve uma bola de basquete, se tiver)

Projeto Encontro Marcado com Fernando Sabino
Data: todos os sábados
Horário: 10h às 13h
Parque Fazenda Lagoa do Nado
Rua Desembargador Lincoln Prates, 240 – Bairro Itapoã
Oficina de percussão, confecção de instrumentos musicais e recreação infantil com Mestre Amâncio – brincante, arte educador, pesquisador da cultura da infância, compositor e músico
Realização:Instituto Fernando Sabino, em parceria com a Fundação de Parques Municipais
(Levar garrafa pet, latas vazias e limpas, tampinhas)

Yoga nos Parques
Data: 26/3/17
Horário: 9h
Parque Marcos Mazzoni
Rua Dep. Bernardino de Sena Figueiredo, 1.022 – Cidade Nova
Realização: Amyoga.
(Use roupas confortáveis e leve um tapetinho ou canga)

Tai Chi Chuan
Data: todos os sábados
Horário: 8h às 9h30
Parque Municipal Américo Renné Giannetti
Av. Afonso Pena, 1.377 – Centro
Os interessados deverão se inscrever com o Prof. José Marcelo
pelo e-mailmarcellogiffoni@gmail.com ou pelo tel: (31) 9 9945-3938

Lian Gong
Data: todos os sábados
Horário: 9h às 10h
Parque Municipal Américo Renné Giannetti
Av. Afonso Pena, 1.377 – Centro
Informações: (31) 3277-5225

Jiu-Jitsu no Parque
Data: 26/03/17
Horário: 10h às 12h
Parque Municipal Américo Renné Giannetti
Av. Afonso Pena, 1.377 – Centro

Feira de Artesanato Buritis Faz Arte
Data: 25/03
Horário: 09 às 13h
Parque Aggeo Pio Sobrinho
Av.Prof. Mario Werneck 2691 – Buritis
Feira de artesanato e gastronomia, oficina de pintura com lápis de cor.

Festival Comunitário
Data 25/03
Horario: 13 às 17h
Parque Estrela Dalva
Rua Costa do Marfim, 400- Estrela Dalva
Festival Comunitário promovido por instituição religiosa, com atividades esportivas e brincadeiras recreativas

http://www.pbh.gov.br

Telefone: 31 3277-4206

Entrada Franca

  • Nômade – Festival da Diversidade Cultural

Data: de 25.03.2017 até 26.03.2017

Local: Parque Municipal Américo Renné Giannetti

Música, atrações nacionais e internacionais, gastronomia, dança, artesanato, feira com produtos sustentáveis, oficinas e programação infantil.
Inspirado no conceito dos grandes festivais internacionais, o Nômade promove o respeito e a valorização da diversidade cultural. Os dois dias contarão com apresentações musicais regionais atrações internacionais.

Informações Adicionais:

Programação:

25 de março (Sábado):
18h30 Paco Pigalle
19h30 Banda HK (França)
21h Grupo Alianza
22h30 DJ Tritek (França)

26 de março (Domingo):
13h- Abertura do evento
13h30- Invasão dos Palhaços
14h- Disputa nervosa de passinhos
14h as 17h- Oficina de horta na garrafa pet / Oficina Eco ações unidas – Leo Piló
15h- Beehoppers
15h45- Dokttor Bhu e Shabê
16h30- Celso Piña y Su Ronda Bogotá (México)
18h30- Rusty Zinn (EUA)

http://www.facebook.com/festival.nomade/

Telefone: 31 3227-7331

Promoção: Paco Pigalle

Realização: Paco Pigalle

 

Fonte: Agenda Cultural