0
Divulgação

28 de abril

  • Retrato Feminino

Data: 28.04.2017 – 09:00

Local: Museu Histórico Abílio Barreto (MHAB)

O encontro terá a presença de Inácia Soares. Jornalista com MBA executivo FDC, colunista de Negócios da rádio BandNews, comentarista da TV Band Minas, autora e coautora de 5 livros e âncora em debates.

http://www.mulheressa.org/

  • Marilyn Monroe.doc

Data: 28.04.2017 – 12:30

Local: Centro Cultural UFMG

A peça discute a imposição de padrões estéticos às mulheres pela cultura de massa e mídia e traz elementos de pesquisa como fotografias, vídeos e documentos que se unem para a construção do espetáculo e da personagem, apresentando os principais acontecimentos da vida de Monroe, muitos deles desconhecidos e não divulgados pela grande imprensa.

http://www.facebook.com/centroculturalufmg

Telefone: 31 3409-8290

Entrada Franca

  • BHArt – Feira Hype

Data: de 28.04.2017 – 18:00 até 28.04.2017 – 22:00

Local: MMM Café

Vamos reunir artesãos e artistas plásticos, designers, atração musical de qualidade e gastronomia impecável, num local privilegiado de Beagá.

http://www.mmgerdau.org.br/

Telefone: 31 3516-7200

  • Bonde da Madrugada

Data: 28.04.2017 – 22:00

Local: Hangar 667 – Rua Henriqueto Cardinalli, 121, Olhos D’Água – Belo Horizonte Vendas físicas: Chilli Beans (BH Shopping, Pátio Savassi e Diamond Mall) Vendas online: Sympla

Com 10 anos de carreira, um dos principais grupos e rap do país fará o pré-lançamento nacional do seu novo CD na capital mineira.

  • Boladona

Data: 28.04.2017 – 23:00

Local: Granfinos

A festa que iniciará às 23h tem como missão celebrar a liberdade com muito funk,
POP, Indie, Rap e trap (ritmo sensação do momento). Para comandar as pick-ups a noite
contará com os DJs Gustavo Drummond, Ed “@busrda”, Reury Calixto, Djalma Rabelo, Bukzem
e Guilherme Domingos.

Telefone: 31- 3241-1482

29 de abril

  • Festival da Quebrada

Data: de 29.04.2017 até 30.04.2017

Local: Conjunto Santa Maria: Rua 4, esquina com Rua Gentios e Morro das Pedras: Rua Onze de Dezembro

O evento terá rodas de conversas, programação infantil e um grande almoço coletivo, feito por cozinheiras da comunidade. O festival contará com diversos artistas oriundos de comunidades, vilas e favelas da cidade. Sábado das 9h às 22h30, dom. das 12h às 20h.

http://www.facebook.com/events/252367218562151/

Entrada Franca

  • Uma Mulher

Data: 29.04.2017 – 10:00

Local: BANCA: Rua Gonçalves Dias, 789 – Funcionários

A escrita despojada, simples, direta, às vezes excessivamente coloquial de Péret em “Uma Mulher” cria jogos de linguagem em diálogo com gírias, frases feitas, expressões populares e objetos de consumo, afastando o poema de uma imagem erudita. Acidez, humor e ironia questionam tanto os estereótipos em torno do que é ser uma mulher quanto a beleza de não sair dele, de habitar o lugar comum da experiência de ser mulher.

http://banca.site

Telefone: 31 3234-6135

E-mail: debora@obarco.info

Entrada Franca

  • Sarau Musical

Data: 29.04.2017 – 11:00

Local: Café do Espaço do Conhecimento UFMG

Belo Horizonte, 24 de abril de 2017 – Um encontro harmonioso entre os grandes sucessos do Jazz e da Bossa Nova promete agitar a manhã do próximo sábado na capital mineira.

Telefone: 31– 3409-8352 / 31- 97142-3287

E-mail: espacoufmg.comunicacao@gmail.com

Entrada Franca

  • Encontro – Capoeira Angola na Periferia

Data: 29.04.2017 – 14:00

Local: Centro Cultural São Bernardo (CCSB)

Encontro de Capoeira Angola com programação variada.
14h – Apresentação Rosas do São Bernardo
15h – Conversa com Mestres
16h30 – Roda aberta de Capoeira
18h – Encerramento com mesa de frutas

http://www.bhfazcultura.pbh.gov.br/

Telefone: 31 3277-7416

Entrada Franca

  • Movimento Soul BH – “Cultura de Rua”

Data: de 29.04.2017 – 17:00 até 29.04.2017 – 21:00

Local: Centro Cultural Pampulha (CCP)

Venha curtir o universo Soul com DJ Sir Walter Soul e dançarinos convidados no Centro Cultural Pampulha.

http://www.bhfazcultura.pbh.gov.br/

Telefone: 31 3277-9292/3277-9293

Entrada Franca

  • Música Itinerante – Bia Nogueira

Data: 29.04.2017 – 20:00

Local: Cine Theatro Brasil Vallourec

O Música Itinerante apresenta a cantora, compositora e atriz Bia Nogueira, em seu novo show cênico “Dandara”, cuja dramaturgia é construída a partir da reflexão sobre a condição da mulher no mundo. O repertório é majoritariamente autoral, além de algumas músicas que estarão no primeiro CD da cantora, com lançamento previsto para junho em São Paulo.

http://cinetheatrobrasil.com.br/

Telefone: 31 3201-5211

  • Arrasta-pé Selvagem

Data: 29.04.2017 – 22:00

Local: Granfinos

Granfinos promove arrasta-pé com tradicionais trios mineiros.

http://https://www.sympla.com.br

  • Funk-se vs Baile da Saudade

Data: 29.04.2017 – 22:00

Local: NECUP – Núcleo de Estudos de Cultura Popular: Avenida Nossa Senhora de Fátima, 3312 – Prado

Duas festas clássicas de Belo Horizonte se encontram para fazer um Tributo ao Mr. Dynamite mais sampleado de todos os tempos!!!
Atrações:
Alex C, Deivid, Tomas Amaral e Toninho (Baile da Saudade)

http://www.facebook.com/necup/

Telefone: 31 3295-0716

30 de abril

  • Sarau Desjejum

Data: de 30.04.2017 – 08:00 até 30.04.2017 – 12:00

Local: Centro de Referência da Cultura Popular e Tradicional Lagoa do Nado

Coordenado pelo Grupo “Violão e Nós” oferece espaço para apresentações musicais (violão e voz), divulgando música autoral, MPB, leitura de poesia e intervenções teatrais.

http://www.bhfazcultura.pbh.gov.br/

Telefone: 31 3277-7420

Entrada Franca

  • Casa de Bamba

Data: 30.04.2017 – 14:00

Local: Local: Quintal Divina Luz Endereço: Rua Maria Aparecida, 375 – São Marcos

O projeto Casa de Bamba, do sambista Dé Lucas, recebe os ilustríssimos convidados Cláudio Jorge, Áurea Martins e Sérgio Pererê. O palco do encontro é no Quintal da Divina Luz, referência na capital mineira do samba de raiz e autoral. Desde 2008, Dé realiza essa roda de samba aos domingos, quando recebe compositores e cantores de renome, e que se consolidou como um dos principais pontos de encontro de músicos, artistas e da comunidade do samba.

Telefone: 31- 9154-4195

  • Lute como uma menina

Data: 30.04.2017 – 16:00

Local: Café do Espaço do Conhecimento UFMG

Documentário aborda a participação feminina durante a luta dos secundaristas contra a reorganização escolar do governo de São Paulo. A exibição será seguida de um debate com o público.

Telefone: 31- 3409-8352 | 31- 97142-3287

E-mail: espacoufmg.comunicacao@gmail.com

  • Os Mutantes

Data: 30.04.2017 – 19:00

Local: Sesc Palladium

Sérgio Dias prossegue levando o nome d’Os Mutantes aos mais diversos cantos do mundo. O legado dessa banda é incomensurável e sua importância para o cenário musical brasileiro é impossível de ser medida: conhecer de perto o mago brasileiro das cordas é viajar no tempo. É perceber e participar da história e entender o movimento mais expressivo da música popular brasileira, ao lado da bossa nova, o Tropicalismo. A formação atual não é presa à original, Os Mutantes têm vida própria que transcende o tempo e o espaço. Luzes apagadas e surge Sérgio Dias, surge um dos maiores guitarristas do Brasil, surge uma das lendas do rock nacional.

http://www.sescmg.com.br/

Telefone: 31 3270-8100

 

Fonte: Agenda Cultura

 

0

Por Débora Gomes – .as cores dela. – Parceira Contramão HUB

Hoje fez um dia bonito, como nem sempre são os dias aqui. As amenidades de outono gelaram minha manhã e, se pudesse, teria ficado todo o tempo em casa, sentada em frente ao computador, lendo, escrevendo, desenhando um pouco. Talvez sentisse menos tua falta. É que a sinto (muito!), principalmente quando saio às ruas e vejo rostos nada semelhantes ao teu. “As pessoas aqui carregam uma alegria triste”, pensei. E concluí que vem daqui essa minha mania de sorrir nos lábios o que os olhos tanto choram.

Te guardo em saudade, já lhe falei várias vezes. Ocorreu-me agora, aquele poema falado pela Matilde Campilho, com seu cantado sotaque “português-de-Portugal”:

“é terrível a existência de duas retas paralelas

porque elas nunca se cruzam. 

e elas apenas se encontram no infinito”.

Sei que se interessas por essas questões de infinito e por qualquer outra coisa que pareça te tirar daqui, das gaiolas desse mundo. Ele às vezes também ressoa como algo do qual nunca fizeste parte, eu sei. Mas consegues lidar com isso bem melhor do que eu, que ando desfazendo um tanto de nó, tentando o encontro de um único laço.

É estranho pensar que o que mais nos afasta foi meu maior começo de amor. Lembro bem quando você me disse: ‘eu ando sempre distraído demais nesse passo que é viver’. E eu compreendi ali que dizias sobre liberdade e teu amor pelo vento no rosto em dias de estrada. Sempre soube ler tuas entrelinhas, embora eu pareça chegar quando você já está partindo.

“Não se esqueça de me escrever”, eu deveria ter dito. No entanto, espero sempre uma fresta de sol nos dias frios, para me aquecer as meias e o moletom escuro. Você não vem, eu já sei. ‘Nem em palavra e nem em verbo’, repito para não esquecer. Porque algumas vezes, eu deixo de me lembrar que te conheci em uma manhã de primavera, quando a gente ainda acreditava no amor. E se hoje eu aprendi a temer os silêncios, é porque entendi que eles podem ensurdecer qualquer coração partido. 

[te guardo nessas palavras. para que se torne o motivo da minha terceira fuga…]

…………………………….

0

Por Rúbia Lisboa – Pois é: Sou Mãe – Parceira Contramão HUB

Quando ouvi este relato, tive que correr para transcrever:

[Qualquer semelhança é mera coincidência].

Minha vida até aqui foi igual à de toda mulher cuja sociedade julga normal: nasci, cresci, estudei, trabalhei, casei, formei, engravidei, trabalhei, tive filhos, sai do trabalho e fim.

Fim!

Fim, pois, a partir do momento que você faz a escolha de se dedicar aos filhos e a família, sua vida SEGUNDO A SOCIEDADE perde a validade.

Não interessa se você tem outros anseios, sonhos ou realizações.

É assim que me sinto: com a validade vencida.

A mesma sociedade que na teoria, evoluiu tanto e defende o FEMINISMO é a mesma que te apunhala e lhe enterra viva.

Se você não é independente, não tem grana e ou não está sob o controle da situação na qual vive, você perde a validade.

Dona de casa é coisa da idade media (até que esta parte realmente eu não gosto de ser).

Trabalhar em casa?

Só tem valor se a conta bancária estiver cheia.

Não, não está!

E mesmo que você se sinta feliz ou realizada perante outras coisas que não seja especificamente o dinheiro, isso não interessa.

E ai você vai vivendo anônima, sem nenhum valor.

Para completar tem a sogra (ou a mãe, avó, madrasta ou sei lá quem mais) que não perde a oportunidade de jogar na sua cara que você é um nada, está atoa o dia inteiro (como só vivesse assistindo Sessão da Tarde e Casos de Família) e ainda intromete na criação de seus filhos.

Filhos!

Que hoje em dia te vence na pirraça e se você cogitar dar umas palmadas o vizinho ou qualquer outro infeliz que não tem nenhum direito de se intrometer na sua vida chama o conselho tutelar, o exercito, a TV e lhe julga como a errada no momento em que você tentava dar o mínimo de educação para a cria e joga na privada toda a sua autoridade.

Enfim, chega o marido e o mínimo que você espera é um afago, um “como foi o seu dia”.

Mas, ele é o macho alfa!

Está trabalhando pesado para segurar as contas “sozinho”, tem que ver o futebol para relaxar do dia cansativo que teve, o dialogo entre vocês é sobre as dividas, problemas e ponto.

Para finalizar, esteja disponível: “quero lhe usar”!

E sem nenhuma demonstração de afeto ou carinho ao longo do dia, afinal mulher já fala demais sobre coisas que ele está cansado de ouvir, chegou a hora de HONRAR com seu papel de esposa.

Pois, como diz a mãe, a sogra, a vó ou vizinha, daqui a pouco ele encontra outra na rua.

Segura este homem minha filha!

Não importa se você teve um dia bom ou não, esteja sempre disponível e viva o orgasmo fingido.

Boa noite, e amanhã tudo se repete…..

E você se frustra, se arrepende, chora sozinha, ninguém te compreende.

Quer desistir…

Quer sumir…

Só quer ser feliz.

Mas, felicidade minha cara, não diz respeito às suas escolhas e sim ao que lhe condenam a fazer.

E engole este choro e as perguntas idiotas do tipo “você não quer trabalhar?”, “estudou para quê?”, “o que você fez hoje?”…

Contente-se com o pouco, com a faxina na casa de família (não desmerecendo), em olhar o filho da senhora rica (que vai fazer panelaço nas ruas com a camisa da seleção, enquanto você segue atrás empurrando o carrinho do bebê) e esqueça seus sonhos, pois, sonhos não pagam as contas.

Sonhos só trazem desilusão.

Vá ser mais uma como todas as outras: bata seu ponto, pague as contas, seja boa esposa, filha, mãe e fim.

Morra sem se orgulhar de si mesma e se enquadre nesta vida mesquinha.

(…)

 

0
Start

Por Coletivo Auspicioso Acapela – Parceiros Contramão HUB

Eu tenho uma história para contar, é a história de uma pessoa. Talvez você a conheça. Você pode escolher o nome da protagonista, apesar do real protagonista ser o tempo e suas peripécias. Eu vou chamá-la de Tempestade. Não ria do nome, tem um motivo. Bom, tudo começa com uma primeira vez. Então, vamos começar assim.

Era uma vez, uma primeira vez. Tempestade, uma garota como todas as outras. Ela tem a vontade de se aventurar neste mundo, conhecer cada cantinho de terra e experimentar um pouquinho de cada cultura. Ela não vê a hora de pegar sua mochila e seguir a estrada. Uma coisa interessante é que, para quem está lendo esta história, Tempestade parece aquela garota que topa tudo, correto? Que não desperdiça a chance de viver nada. Você não está errado, apenas por uma questão. A garota realmente é dessa maneira, só que apenas dentro da própria cabeça. Se um dia você conseguir entrar na cabeça dela, você vai conhecer um mundo confuso mas divertido, com cores e risadas… Um mundo que talvez ache bobo, mas esse é o mundo dela.

Dentro deste universo, Tempestade tem um amigo e também um inimigo, o tempo. Ele sempre caminha ao lado dela, sempre aconselhando e puxando a orelha. Muitas vezes ela não dá ouvidos, teimosa. Medrosa. Seu amigo quer apenas que ela realmente comece a se aventurar no mundo, mas do lado de fora. Ele quer que ela tenha as primeiras vezes, como qualquer pessoa tem as suas. Quer que ela entenda que, cada primeira vez é diferente da outra. Isso não quer dizer que seja bom ou ruim, apenas diferente. Sensações diferentes.

E seu inimigo, não é por mal. Mas como toda pessoa, ela só entende o recado quando alguém sacode a sua cabeça. E esse é o papel dele. Mostrar da maneira mais rude que como qualquer pessoa, Tempestade está ali para viver e realmente ser a garota que topa tudo. Sabe, as primeiras vezes sempre são especiais. Podem acontecer de várias maneiras, mas sempre é acompanhada pelo frio na barriga. Afinal, primeira vez. Primeira vez que sente algo. Primeira vez que faz algo. Primeira vez que reage de uma forma.

0
Foto Ingrediente da Vez

Por Ana Sandin – Ingrediente da Vez – Parceira Contramão HUB

Legumes assados são sempre bem-vindos na nossa cozinha. Além de ser prático, fica uma delícia. Preparamos sempre aos domingos e dividimos em pequenas porções para a semana. Veja 10 dicas de como preparar seus legumes no formo.

Foto: Ingrediente da Vez

Faça a seleção dos legumes que você mais gosta.  Na cozinha do Ingrediente da Vez, temos o costume de utilizar: Abóbora, beterraba, batata, cenoura, abobrinha, berinjela, dentes de alho e tomate cereja. Vale ficar atento a sazonalidade dos alimentos assim você economiza e comprar alimentos frescos e ricos em nutrientes.

10 dicas para cozinhar legumes no forno:

  1. Sempre use formas antiaderentes, sempre. Se não tiver, recomendo usar papel alumínio para evitar que o alimento grude na forma. Legumes assados em formas com antiaderente desgastado só provocam desperdício.
  1. Corte os legumes respeitando a medida de mais de 1 centímetro pode ser fatias, rodelas e palitos, assim todos irão cozinhar juntos.
  1. Higienize a abóbora cabotia e asse com a casca verde (fica delicia) um azeite, mel e sal.
  2. Sálvia e alecrim são ervas perfeitas para dar aroma e sabor aos legumes.
  1. Para assar tomates. Corte-os em rodelas bem grossas e fique de olho para não queimar.
  2. Legumes duros, mandioquinha e mandioca, precisam ser pré-cozidos antes de serem assados.
  1. Asse cebolas sem tempero e se surpreenda com doçura desse legume!
  2. Lave uma cabeça de alho, corte sua tampa e adicione sal, azeite e pimenta do reino. Leve ao forno junto com os legumes. Além de perfumar, o alho vira um delicioso aperitivo com sabor suave.
  3. Pingue fundo de legumes sobre os legumes quando estiver assando, para dar ainda mais sabor e para não deixar ressecar.
  4.  Batatas podem ser passadas no azeite e temperadas com ervas finas, sal, pimenta e queijo ralado.
Foto Ingrediente da Vez

Outras receitas: Macarrão Oriental com LegumesCozido de Legumes com Creme de LeiteFundos de LegumesLegumes Assados

0
Foto Reprodução internet/ Blog Homem de Palavra

Por Mateus Fernandes da Silva

Meu celular despertou acionando minha cama que me colocou de pé, em frente ao painel de comandos. Apertei o que abria o teto de casa. O sol forte junto com os bem-te-vis entraram sem pedir licença. Olhei para cima, o trânsito estava étimo para àquela hora da manhã, oito e meia.

Fechei o teto e deslizei até o banheiro. Mergulhei na minha piscina aquecida para ter certeza que estava acordado e tomei um banho rápido no chuveiro natural que ficava fundo: uma linda queda d’água que desviei das Cataratas do Iguaçu.

Desci na escada rolante até a cozinha e fiz meu pedido no “Comida Expressa”, que demorou 3,12 segundos para ser entregue. Rápido? Que nada! Como moro num condomínio, a comida demora 1,09 segundos a mais do que as pessoas que moram no centro ou em apartamentos normais. Comi, escovei meus dentes rapidamente e fui até o painel de roupas na sala. Escolhi o terno preto risca de giz e, por uma pequena abertura no teto, a roupa caiu sobre minha mão direita. Vesti. Peguei meu carro japonês flutuante e fui. Gastei 30 minutos de Foz do Iguaçu ao Rio de Janeiro. Demorei um pouco, pois na Avenida das Nuvens, estava acontecendo um protesto sobre a liberdade da relação afetiva entre pessoas de sexos diferentes. (É, os homossexuais conseguiram os seus direitos, ao contrário dos heterossexuais que hoje lutam pelos seus.)

Segui até a Prefeitura Municipal para uma reunião importantíssima: se deveria ser construído mais um parque aquático em Júpiter. No final de tudo, decidimos que seriam construídos dois.

Estacionei meu carro sobre uma das árvores no Pão de Açúcar e filosofei: “O amor está em cada curva entre as nuvens, o poder de expressão na boca do povo a solidariedade reina… A maior economia mundial é o Haiti, e a menor os Estados Unidos. É, os EUA se perderam em luxo e faleceram em meio aos hambúrgueres do MC Donald’s. Crianças entram na escola aos 2 anos e se formam aos 15. Doméstica? Pedreiro? Gari? Não existem mais. Todos qualificados e têm bons trabalhos. (São os robôs que executam esses serviços, afinal, não sabem pensar ainda!)”

Quem diria?

Mas… por fim, abri os olhos e acordei. Estava cercado de lixo, de tristeza, de repressão, de injustiça, de corrupção. E eu estava somente sentado em uma rua qualquer, de uma cidade qualquer, num país qualquer, exercendo a minha função de cidadão, de um cidadão qualquer… Sem eira nem beira, perdido em meus sonhos…

Mateus Fernandes da Silva
Desenho Gráfico para Web
Turma: 0147
NCD – SENAC