Andando pela Av. Afonso Pena entre as ruas Rio de Janeiro, Espirito Santo e Tupis, é possível notar as novas cores que a igreja São José vem adquirindo desde o inicio de sua restauração em 2010.

De acordo com o pároco Zanbom, 51, toda a restauração está sendo realizada com a contribuição dos fiéis, como por exemplo, o dízimo, as ofertas e um carnê no valor de 10 reais ao mês para aqueles que quisesse contribuir com a reforma. “Até 1932, a primeira pintura geral da igreja foi feita na cor bege, como está hoje. Nós temos uma única foto em preto e branco, que mostra como ela era inicialmente, antes dessa primeira pintura. A partir dela, a empresa responsável pela restauração fez a prospecção, raspagem da camada de tinta para identificarmos qual era a cor original dela”, esclarece o padre.

A mudança tem agradado quem passa pelo local. A cozinheira Ilda da Conceição, 74, acompanhou toda a restauração desde o início e está gostando muito do resultado. Os comerciários Jorgival Soares, 44, e Denison Ramos, 55, estão pela primeira vez em Belo Horizonte e ambos disseram que a igreja está bonita e que acreditam que ela ficará ainda mais.

Para Marçal Rosa, 29, um dos técnicos em restauração que está participando do processo, afirma que é muito gratificante fazer parte da reforma. “Começamos na parte interna e agora, terminaremos a parte da frente”, finaliza.

Segundo o Padre Zanbom, as obras terão um intervalo até o dia 19 de março do próximo ano, dia de São José, visto que os próximos meses são períodos chuvosos e podem comprometer o processo de restauração.

Texto: Luna Pontone
Fotos: Umberto Nunes

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta