Tags Posts tagged with "Contramão"

Contramão

Por Melina Cattoni                                                                                                                                    Fotografia: Imagem Filmes

 

Liberdade, sonhos e superação. Tudo Que Quero, narra a história de uma jovem diagnosticada com Transtorno de Espectro Autista (TEA). Wendy Welcott, adolescente de vinte um anos, possui uma rotina comum e sistemática. Inteligente e criativa, também possui uma paixão e talento para a escrita. A narrativa é construída em cima das desventuras da adolescente para participar de um concurso para escritores e entregar seu roteiro ao famoso estúdio de cinema Paramount Pictures, em Los Angeles.

Para alcançar o sonho e também a liberdade, Wendy descobre diversos caminhos e reviravoltas do cotidiano. A descoberta começa ao atravessar uma avenida  proibida, percorrer a estrada, enfrentar situações desconhecidas e, principalmente, lidar com diferentes pessoas. Durante as cenas, cada circunstância é acompanhada por uma trilha musical que compõe junto à fotografia os sentimentos daquela jovem. Encantado pela narrativa, o espectador acompanha com o coração na mão e brilho nos olhos toda a caminhada de superação.

 

 

Dirigido por Ben Lewin, o escritor apaixonado por fotografia e escrita narrativa, coleciona em sua carreira documentários, minisséries, programas episódicos e longas-metragens, entre eles, o premiado filme As Sessões em 2012. Já a trilha sonora, assinada por Heitor Pereira, compositor brasileiro que tem em seu currículo algumas faixas do filme Meu Malvado Favorito 2, usa das melodias para transitar entre momentos de apreensão e diversão durante a obra.  

A Imagem Filmes lança nesta quinta-feira, 26 de abril, o filme Tudo Que QueroPreparem o balde de pipoca e os lencinhos, o filme é de emocionar.

Imagem Filmes

Empresa nacional do ramo de entretenimento, atua na distribuição de filmes independentes em todo país. Para mais informações, acessem o site: https://www.imagemfilmes.com.br/ .

Tudo Que Quero

Direção: Ben Lewin
Produção: Lara Alameddine, Daniel Dubiecki Escritores: Michael Golamco, Michael Golamco
Elenco: Dakota Fanning, Toni Collette, Alice Eve, River Alexander, Jessica Rothe, Matt Corboy, Tony Revolori
Música: Heitor Pereira
Direção de Arte: Lindsey Moran

 

0 2

Por Jean Lescano – Poligrafias – Parceiros Contramão Hub

Careço de você. Isso aí, tô carecendo. Carecer é urgência, é te sentir bem perto e entrar em pane por minutos. É entender que não tem escapatória, que meu calmante é teu abraço. Não dá pra empurrar mais ninguém. Tem que ser da sua maneira, essa que resolve tudo – só não resolve nós dois. Mas é com você, você topa? Você quem sabe, eu nem me incomodaria se meu braço começasse a formigar durante uma tarde no sofá. Nem ligaria se você começasse o cafuné, “Tá bom assim?”, ô se tá. É que tu sabe quando ir embora, só não sabe voltar. Por isso eu vim avisar, tô carecendo de você.

Mas me chama de algo novo, não vem com essa de “amor”. Tem que ter um novo, amor não rola. Paixão? É bem menos pesado e não carrega obrigação. Por que sentimento tem que ter nome? Eu aprendi assim, desculpa. Bora criar algo novo? Esconder de outro casal. Um nome tão besta e engraçado, igualzinho você no meu abraço. Sem esse lance de medir, que tal “Frieden?” Carrega um significado gostoso de ver, tão gostoso quanto seu sorriso que se mistura ao céu azul e imenso. Mas quer saber? Sem pressa, a gente encontra algo. Quando vierem com a pergunta do que eu sinto, vou dizer, “Ainda não tem nome, mas o sorriso é lindão”.

Por Melina Cattoni
Fotografia: Ana Luísa Arrunátegui
Agradecimento: Museu Inimá de Paula

 

Fotografias, colagens, esculturas e pinturas são referências de artes visuais e o acesso à elas são de diversas formas, por uma exposição ou pela internet, por exemplo. Mas, não se esqueça que as ruas e becos das cidades também são grandes murais para um outro tipo de arte. Entre cores e formas, o Graffiti narra o cotidiano e os aspectos sociais vivenciados, principalmente, na periferia.

As primeiras aparições de marcas e desenhos foram na década de 1970, em Nova York e, no final da mesma década em São Paulo. Considerada inicialmente como arte de rua, a dualidade de opiniões era presente: Arte, forma de se manifestar e expressão ou poluição visual? Hoje intitulada arte urbana, também ocupa espaços como museus e centro culturais. Para Hely Costa Aguiar, de 47 anos, artista visual e empreendedor cultural, a expansão do Graffiti para esses locais é importante, uma vez que se passa a observar com um olhar mais atento às obras, o artista e para as ruas também. “No dia a dia das grandes metrópoles as pessoas não se atentam a isso, somente olham e gostam ou não. Em uma exposição, o apreciador tem mais tempo de apreciar o trabalho e acaba instigando a um conhecimento mais aprofundado, tanto da obra quanto ao artista”, aponta o artista.

Ao pensar em proporcionar uma imersão da sociedade no contexto do grafiteiro e seu ofício, o Museu Inimá de Paula estende a exposição Memórias Urbanas, idealizada pelo Projeto Arte Favela, até domingo, dia 29 de Abril. Os 35 painéis expostos dialogam a influência dos elementos históricos na criação da obra e no espaço. Ataíde Miranda, ED-Mun, Gud Assis, Hely Costa, John Viana, Nilo Zack e Scalabrini Kaos são os artistas responsáveis pela criação das artes.

“A Exposição Memórias Urbanas surgiu, justamente, da ideia de retratar os graffitis produzidos nas ruas. A memória de cada artista com relação a sua produção no meio urbano. A arte do grafite, muitas vezes, é efêmera e o que temos do trabalho são fotos ou memória da arte em determinado local.”, revela o coordenador do projeto Arte Favela.

 

ARTE FAVELA

Projeto sociocultural direcionado aos jovens artistas que vivem em vilas e favelas. Cada ano com novos integrantes, o projeto tem como suas ações grafitar espaços da periferia, envolver outros jovens artistas e produzir trabalhos no exterior.

Enfim, o Graffiti presente no cotidiano das pessoas e, principalmente do jovem, é uma ferramenta para transformar vidas. “Essa arte é de identidade cultural da juventude favelada e urbana, com isso há um grande interesse e poder de mudar as pessoas pro bem”, segundo Hely. Ao caminhar junto às diversas expressões de arte depara-se com uma cidade menos cinza e mais colorida!

 

Exposição Memórias Urbanas – Arte Favela

Museu Inimá de Paula
Endereço: R. da Bahia, 1201 – Centro, Belo Horizonte – MG, 30160-011
Período: até 29 de abril (domingo)
Horários:
Terça, quarta, sexta e sábado de 10h às 18h30
Quinta de 12h às 20h30
Domingos e feriados de 10h às 16h30
Entrada franca

0 48

Por Lucas Henrique – Start – Parceiros Contramão Hub

O filme da Batgirl pode ter perdido Joss Whedon, mas o projeto ainda está avançando com um novo escritor.

De acordo com o The Hollywood Reporter, a Warner Bros. contratou Christina Hodson para escrever o roteiro do filme, que se diz baseado na estréia de The Million Dollar Debut of Batgirl! arco de história da DC Comics no momento em que Whedon ainda estava a bordo. Whedon foi originalmente definido para escrever, dirigir e produzir o projeto, mas saiu depois de uma tentativa fracassada de decifrar a história.

Por enquanto, a DC se concentra em dois projetos com data marcada: Aquaman (20 de dezembro de 2018) e Shazam! (05 de abril de 2019).

0 68

Por Débora Gomes – as cores dela – Parceira Contramão Hub

algumas vezes, desenho palavras que só fazem sentido aqui, no meu coração.
que nem meu amor pelo que é teu: só parece valer alguma pena, quando conjugado, em silêncio, na primeira pessoa de dentro de mim.
eu sei que é meio hard, sombrio e antigo falar de amor nesses tempos tão cruéis. mas se não escrevo sobre ele (e você), que mais vou fazer com esse tanto que me resta?
uns poemas sem rima, umas estrofes sem qualquer emoção: é isso que vira o tempo quando tento girar os ponteiros sem ouvir teu coração.
é que sei muito pouco sobre a vida. mas sei que a sinto muito, principalmente quando tua voz me chama às 2 da manhã, pra falar sobre poesias e constelações.
quando paro ~ e me atento ~ sei que tem muito mais de amor em mim quando cê vai embora, do que quando chega. e é assim, também, que aprendo sobre permanências sem prisões, sobre pertencimento sem arriscar a chance do voo, sobre amar em liberdade, sem importância com distâncias ou abismos…

penso muito (e é quase sempre) que às vezes já é tarde demais pra esperançar nosso rastro. mas quando ouço o trilhar do tempo no tom da tua voz, volto a acreditar em potes de ouro no fim do arco-íris, a sonhar com finais felizes, a ter fé num destino que, se antes inventado, hoje nos foi dado como sinal de paz…

se a gente tiver mesmo a chance de voar, acho que nunca mais voltarei a cravar pés e desejos ao chão…

0 50

Por Giovanna Silveira – Métrica Livre – Parceiros Contramão Hub

Talvez não exista imitação entre arte e vida. Um não passa de um representação homérica do outro.

Enquanto você caminha pelas calçadas e arrisca viver na cidade, uma voz segue narrando seus passos, ou uma música vai ditando seus clímax, enquanto os dias bailam entre uma peça trágica ou uma drama documental. E nos muitos dias você se vê preso em papéis coadjuvantes… quando poderia ter sido o principal.

E então, sai de cena.

Mas então percebe que foi só o fim do primeiro ato, e a vida, na realidade é feita de muitos atos mais. E você vai marcar cada um dos personagens e lugares por onde passar;  por quê afinal, não importa, entre a arte e a vida, você vai ser sua melhor obra.