Tags Posts tagged with "direitos"

direitos

0 212
Foto: Hellen Santos

Por Hellen Santos 

Fiquem ligados, neste sábado, dia 11 de novembro começa a valer a Reforma Trabalhista.  A reforma da previdência é defendida pelo governo como prioridade para organizar as contas públicas, possivelmente ajudando na economia e na geração de emprego. Porém as mudanças causam um desconforto em mais de 81% dos brasileiros, segundo a Vox Populi.

A Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) nasceu com 922 artigos em 1943 com intuito de firmar os direitos dos trabalhadores. Porém em 13 de julho deste ano, muita coisa mudou. Após o Congresso e o presidente Michel Temer sancionar a reforma e alterar os direitos dos trabalhadores brasileiros.

Conforme a legislação convenções e acordos coletivos poderão continua. As empresas e sindicatos poderão ser negociar algumas condições de trabalho diferentes do que visto pela lei, entre outros, mas não exatamente num estágio melhor para os trabalhadores, segundo site do Conselho Nacional de Justiça:

– Jornada de trabalho; – Participação nos lucros;

– Banco de horas; – Troca do dia do feriado;

– Intervalo intrajornada; não poderão ser negociados, entre outros:

– Direito a seguro desemprego; – Salário mínimo;

– 13º Salário; Férias anuais; – Licença maternidade/paternidade;

Férias

As férias poderão ser dividas em até três períodos, conforme acordado entre partes, contando que um dos períodos tenha 14 dias corridos.

Gravidez

Foi autorizado que mulheres gestantes continuassem a trabalhar em ambientes de baixa ou média insalubridade, exceto quando é emitido um atestado médico que autorize o afastamento.

Terceirização

A empresa só poderá demitir o profissional efetivo e recontratá-lo como terceirizado após o período de 18 meses.

Jornada de Trabalho

O profissional poderá ter a sua jornada de até 12 horas, porém, com 36 horas de descanso, respeitando as 44 horas semanais e 220 horas mensais.

Banco de horas

Poderá ser combinado por acordo individual escrito, a compensação deverá ocorrer no período máximo de 6 meses.

Descanso

A jornada pode ser negociada, desde que tenha intervalos de pelo menos 30 minutos. Caso o profissional não tenha um horário de almoço, a indenização será de 50% do valor da hora normal de trabalho.

Demissão

Metade do aviso prévio e metade da multa de 40% sobre o saldo do FGTS.  O profissional poderá movimentar até 80% do valor depositado na conta do FGTS, porém não terá acesso ao seguro desemprego.

Contribuição Sindical

O pagamento é opcional.

1 815

Por Rúbia Cely

Não é novidade. Quando falamos de obesidade fica claro que não estamos falando de posturas saudáveis. Dado da Organização Mundial da Saúde de 2012, revela que por ano, 2,8 milhões de pessoas morreram por conta da obesidade e das doenças acarretadas por ela.

Para a surpresa de muitos, existe uma data para lembrar dos gordos. Sem um vestígio histórico que justifique o dia, o que cabe a nós é a especulação do porquê dia 10 de setembro recebe esse marco.

Apesar da insatisfação de alguns internautas em redes sociais como twitter e também blogs, o dia traz uma importante reflexão sobre os riscos de se estar gordo e também levanta a bandeira do “orgulho” dessa minoria que acaba sofrendo por estar fora dos padrões.

Algumas perguntas aguçam a nossa curiosidade, as pessoas – que já estão acima do peso – odeiam ser gordas ou apenas não gostam de ser desrespeitadas? E a inclusão, ajuda ou constrange?

Em um grupo de Whatsapp composto por pessoas à partir do sobrepeso, ou que já estiveram na situação, fizemos algumas perguntas abordando a obesidade e suas consequências. Veja o resultado:

Contramão: O que é ser gordo para vocês?

Fonte 1: “A situação de ser gorda é horrível, eu não acho roupa que me serve, na igreja, as cadeiras de plástico quebram e assim sucessivamente. É em todo lugar, se você vai sentar, já analisa o lugar e olha quem está perto. Ser gorda para mim é horrível. E já fui magra, mas nunca discriminei ninguém, nunca pensei que chegaria nessa situação, para mim é constrangedor, eu não me sinto bem de forma alguma. Admiro quem se aceita, mas eu não me aceito. ”

Fonte 2: “Vamos aos banheiros públicos, temos que usar o de deficientes pelo fato dos “normais” não serem capazes de servir nossas necessidades, nem como nos higienizar direito, mas não somos deficientes. ”

Contramão: Qual vocês acham que seriam a solução para esses constrangimentos e dificuldades?

Fonte 2:  “Por exemplo o ônibus, esse negócio de assento para obeso não está com nada, hoje no Brasil nós somos uma sociedade obesa, não deveriam ter dois ou quatro assentos para obesos, deveriam ser ao menos metade deles, sem falar que mudança no tamanho do assento que é bom nada né? ”

Fonte 1: “Tinha que ter bancos maiores, roletas maiores, que façam duas, isso é inclusão!  Ou se não é possível, acesso liberado sem catraca. Aff entra ano e sai ano ninguém toma providência! ”.

Contramão: Quanto aos recursos e mobilidade pública, quais considerações têm a respeito do que é oferecido?

Fonte 2: Então, nós pagamos impostos do mesmo jeito que um magro está pagando. E se estamos assim ou queremos estar assim, temos que ser respeitados. Não temos que passar por constrangimentos por que os governantes dessa cidade, estado e país acham que todos têm que ter aquele corpinho pequenininho.

Contramão: Para finalizar, o que vocês acham sobre ter uma data para os gordos?

Fonte 2: “Tem para os magros? ”.

Fonte 1: “Ué Fonte 2, para os magros tem, o dia do magro é todo dia. Eles entram e saem da onde e para onde eles querem, onde chegam são bem-vindos. Não precisamos só de um dia, precisamos de todos os dias. ”

Obs.: As fontes não quiseram ser identificadas. De 44 membros do grupo,  quatro se posicionaram, mas  apenas duas quiseram manifestar suas opiniões de maneira aberta.

Trazendo representatividade, pedido de respeito ou tolerância ou não, o dia acaba abrindo brechas para chacota nas redes sociais, inclusive por parte de social influencers e comediantes como Danilo Gentili ao se posicionar em suas redes sociais em 2013.

Quando se pensa em uma pessoa gorda, logo associa-se a uma pessoa sem saúde, o que não é bem verdade. Alguns estudos comprovam que é sim possível ser gordo e saudável. Por mais que as pessoas, a partir do sobrepeso, tenham uma tendência maior a ter colesterol, pressão, glicose altas dentre outras comorbidades, mas cada caso deve ser analisado à parte.

Segunda a nutricionista Kamilla Freitas o ser gordo é algo que tem que ser analisado. “Primeiro, o que seria ser gordo? Por que a sociedade impõe um nível de magreza que muitas vezes as pessoas não conseguem alcançar e acabam se enxergando gordas, mas quando as avaliamos, elas possuem o índice de massa corporal (IMC) normal, circunferências e gordura corporal dentro dos parâmetros, sendo assim, estas, pelo ponto de vista nutricional não apresentam risco de vida”. Mas, também frisa a importância da não romantização da obesidade, pois se trata de uma doença grave e atualmente um dos maiores problemas de saúde pública no país.

 

 

0 430
Imagem retirada: Arco-íris/ UOL Blog

No dia 23 de agosto, o Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais – BDMG – lançou o Programa de Pró – Equidade de Gênero e Raça com o objetivo de discutir assuntos que giram em torno de transexualidade, racismo, pessoas com deficiência e gênero feminino. Com um comitê formado por profissionais do Banco, a ação foi dividida em quatro módulos e acontece no auditório da própria instituição.

Segundo o presidente do BDMG, Marco Crocco o senso de justiça é o tema central da pauta da atividade realizada pelos profissionais do Banco: “A diversidade produtiva, cultural, de gênero, raça e orientação sexual é elemento de desenvolvimento. A atividade da instituição é promover avanço social como inclusão, respeito à diversidade e garantir direitos.”.

Na quarta-feira, 24, iniciou-se o primeiro módulo que fala sobre transexualidade. Essa semana, dando continuidade à programação, os palestrantes farão um ciclo de palestras sob o tema: visibilidade travesti e transexual, com as abordagens “saúde, identidade e violência”, hoje 30, e na quarta, 31, “Mercado de Trabalho e Acesso à Educação”. Com entrada franca, não é necessário realizar inscrições para participar.

O programa que terá continuidade em outubro e dezembro irá abordar assuntos relacionados ao bem-estar de pessoas com deficiência. Em 2017, no primeiro semestre, o BDMG abrirá discussões abordando racismo e gênero feminino.

Programação: 

23/08 – 18h30

Abertura oficial do Programa de Pró-Equidade

24/08 – 18/30

Apresentação da peça Flor de dama, com o ator Silvero Pereira

Projeção de fotografias de Lucas Ávila, projeto “Elas Madalenas”

30/08 – 18h30

Módulo 1 – “Visibilidade Trans”

Mesa 1: “Saúde, identidade e violência”

Convidados – Anyky Lima, Sissy Kelly, Paulo Bevilacqua, Raul Capistrano, Sofia Favero, Vanessa Sander

31/08 – 18h30

Módulo 1 – “Visibilidade Trans”

Mesa 2: “Mercado de trabalho e acesso à educação”

Convidados – Sayonara N. B. Nogueira, João W. Nery, Daniela Andrade, Maria Clara Araújo, Rafaela Vasconcelos Freitas

 

Reportagem: Ana Paula Tinoco

Fonte: Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais – BDMG

Belo Horizonte, 24 de setembro, 17 horas. Um casal de estudantes foi advertido devido a um beijo dado em um bar. Brasil, 28 de setembro – Debate presidencial.  O candidato à presidência da republica, Levy Fidelix (PRTB),  declara em rede nacional o repudio a famílias homoafetivas.

Rede Social

Através do Facebook, um estudante de Moda desabafa sobre o caso de homofobia que sofreu no Bar Ponto Bahia na última quarta-feira, 24. O jovem relatou que estava com o seu namorado no bar e afirma que ao trocar beijos com ele, o garçom do estabelecimento os descriminou, alertando que ali era um lugar tradicional e pediu para “maneirar” nos carinhos.  O estudante alega que eles tinham dado um simples beijo como qualquer casal. Após conversar com a gerente do estabelecimento, e confirmar que era a política da casa, eles chamaram a polícia e registraram um boletim de ocorrência contra o bar. Uma lei Municipal e Estadual garante o penalidade ao estabelecimento que descriminar pessoa em virtude da sua orientação sexual.

Em reação ao episódio ocorrido e a tantos outros casos de LGBTfobia, um evento no Facebook foi criado em apoio, mais de 7 mil pessoas convidadas para participar. O “Beijaço contra a LGBTfobia no Bar Ponto Bahia”, ocorreu na sexta-feira, 26,  com cerca de 200 pessoas. Enquanto alguns curiosos assistiam, a bandeira LGBT era erguida em frente ao Ponto Bahia. Um abraço coletivo foi dado em volta do estabelecimento pelos presentes. Palavras de respeito e amor eram entoadas e os líderes do ato garantiram que não estavam chateados com o garçom, mas questionavam a política adotada pelo o dono do bar, que até o fechamento dessa reportagem não quis dar declarações sobre o ocorrido.

Política

Outro caso que ganhou destaque nas redes sociais foi relacionado às declarações do candidato Levy Fidelix (PRTB) no debate televisionado pela TV Record.

Ao ser questionado a respeito da aceitação de famílias do mesmo sexo, pela também candidata à presidência da republica, Luciana Genro (PSOL), Levi foi enfático ao dizer: “Então, gente, vamos ter coragem, nós somos maioria, vamos enfrentar essa minoria [gays]”. Ele afirmou também “Dois iguais não fazem filhos e digo mais: aparelho excretor não se reproduz”.

A reação nas redes sociais não poderia ser diferente. De forma instantânea, os usuários do twitter criaram a tag #LevyVcÉNojento para comentar as declarações do candidato, que atingiu a categoria dos tópicos mais comentado no país.

Além da revolta do usuários nas redes sociais, a Comissão Especial da Diversidade Sexual do Conselho Federal da OAB, pediu ao Tribunal Superior Eleitoral a cassação da Candidatura de Levy Fidelix pela as declarações. De acordo com a denúncia a OAB, o candidato violou o Artigo 286 do Código Penal, que puni a incitação publica à pratica de crimes, à pratica da violência, quando declarou que eles, a maioria, deveria tomar atitudes contra essa minoria, os homossexuais, para que eles não continuem tendo direitos reconhecidos. De acordo com a Comissão isso também fere os objetivos centrais do país que estão presentes na constituição.

Acompanhe, nas próximas semanas, uma série de reportagens especiais sobre cidadania e direitos LGBT no Jornal Contramão.

Por: João Alves
Foto: Gustavo Melo