60 anos. 60 histórias: Brinquedoteca – um espaço criativo

60 anos. 60 histórias: Brinquedoteca – um espaço criativo

0 75

Por Keven Souza

O ato de brincar é um comportamento presente em todas as culturas, cada qual com suas particularidades, trás por meio da brincadeira o desenvolvimento intelectual, afetivo e social da criança, como uma linguagem importante que resulta positivamente na fase infantil. Além de ser um direito dos pequenos, a brincadeira é uma atividade lúdica, em que a criança relaciona ideias, estabelece relações, forma conceitos, reforça as habilidades sociais, desenvolve a expressão oral e corporal, reduz a agressividade, constrói o seu próprio conhecimento e integra-se na sociedade.

A Brinquedoteca da Una Itabira está sendo desenvolvida com reflexo nessas nuances, para compreender, de maneira eficiente, o quão necessário é obter um espaço destinado a facilitar o ato de brincar para estimular a criatividade, imaginação e comunicação dos pequenos através de jogos pedagógicos, brincadeiras populares, brinquedos diversos, leitura de livros de histórias infantis e a produção dos seus próprios brinquedos.

O projeto, com metodologia extensionista, já acontece de modo online e tem por objetivo propiciar um ambiente de aprendizagem multidisciplinar com referência para o desenvolvimento de atividades lúdicas na infância, além de fomentar a pesquisa acadêmica, por meio de estudos e reflexões, direcionado aos alunos que queiram compreender as principais teorias que fundamentam o espaço criativo.

Encontros virtuais da brinquedoteca Una Itabira

 

A importância do ‘cantinho’ lúdico

A primeira ideia do espaço criativo surgiu em Los Angeles, em 1934, com a pretensão de resolver o problema de uma loja de brinquedos que estava sendo furtada por crianças de uma escola pública da vizinhança. Naquela época, a solução foi criar um serviço de empréstimo de brinquedos para toda a comunidade. Hoje, estão espalhadas por todo o mundo. Começaram em espaços educacionais como as escolas, foram modelos padronizados para os centros médicos e, finalmente, chegaram nos espaços residenciais, sendo ponto de encontro das crianças da vizinhança do bairro ou dos condomínios que dispõem dessa infraestrutura, além de estarem no ambiente acadêmico como metodologia de estudo e pesquisa para inúmeras áreas que se interessam pela educação infantil.

Desde então, a brinquedoteca tem sido um dos maiores instrumentos pedagógico educativo na interação e vivência das crianças, que por meio dela, podem explorar um mundo mágico, onde é permitido o “faz de conta” impregnado de criatividade, manifestações de afeto e apreciação pela infância de forma harmoniosa e prazerosa.

Nessa perspectiva, o projeto Brinquedoteca tem o papel fundamental de informar a comunidade local sobre a importância do brincar dos pequenos. Sendo a segunda vez ofertado aos alunos, é hoje liderado pela professora Cristina Garcia, que está a frente da extensão desde seu início em março de 2021, direcionada a orientar e coordenar as diferentes ações propostas na extensão. 

“O projeto tem por objetivo criar um ambiente de aprendizagem de referência para o desenvolvimento de atividades lúdicas na infância, valorizando o ato de brincar e contribuindo na formação de professores e outros profissionais para a atuação na educação infantil”, explica a professora  Cristina Garcia, sobre a idealização do projeto. 

Neste semestre o foco será a organização e montagem do ambiente de fato da brinquedoteca, com acervo de brinquedos, jogos e materiais pedagógicos. Cristina Garcia, afirma que existe uma articulação para promover o espaço efetivo da brinquedoteca e que houve uma expectativa positiva por parte da comunidade. “A partir das atividades desenvolvidas no semestre anterior foi possível perceber a necessidade da criação de um espaço dedicado às atividades lúdicas do brincar. Tivemos um bom retorno da comunidade sobre as ações promovidas no Instagram, isso motivou bastante nossos alunos. Acreditamos conseguir uma participação e envolvimento significativo da comunidade nas ações futuras desse projeto”, explica. 

A partir daí da criação do espaço, no campus da Una Itabira, será oferecido um local estratégico e pensado inerente à aprendizagem infantil, apropriado para professores e acadêmicos planejarem e vivenciarem propostas recreativas com crianças da Educação Infantil, da rede pública e privada da cidade e região. Todas as ações estão ainda em projeção e serão pensadas de maneira a permitir o desenvolvimento cognitivo e intelectual dos menores.

Além da estruturação do espaço criativo, o projeto vem atuando a favor do saber entre a universidade e a comunidade mediante ações desenvolvidas que permitem aos alunos colocarem em prática todo o conhecimento adquirido em sala de aula. Desde seu início, tem operado de forma online, devido a sua inauguração ter acontecido durante a pandemia de Coronavírus, por meio da produção de conteúdo na plataforma do Instagram. Entre as principais atividades dos alunos, estudantes de quaisquer cursos da Una Itabira podem se inscrever e participar, realizando funções de pesquisa, planejamento de atividades infantis, criação de materiais didáticos e divulgação do projeto de modo online. 

O protagonismo dos alunos extensionistas no planejamento e execução das atividades é que o diferencia de outros projetos ativos na instituição. Laércio Francisco de Souza Alves Júnior, que é estudante do quarto período de Pedagogia e extensionista do projeto desde o início do ano, afirma que, a Brinquedoteca trouxe a oportunidade de desenvolver um trabalho educacional diferenciado e significativo, capaz de produzir resultados eficazes na sua formação acadêmica e para a realidade escolar que se tem hoje. “O trabalho do pedagogo remonta à criatividade, como uma maneira de viabilizar processos educacionais. Em vista disso, fica claro que a abordagem desse projeto colabora de modo significativo para a minha formação acadêmica”, diz o aluno. 

Suas ações dentro da extensão eram destinadas a criar e desenvolver a produção de conteúdo online através das redes sociais do projeto, ao lado de seus colegas, em que trabalhava com publicações periódicas acerca da temática infantil, acompanhadas de lives ministradas por profissionais do segmento educacional. Com isso, criava e revisava as postagens e as publicavam, além de convidar profissionais para debates e roda de conversa.

Para o estudante, a satisfação é o sentimento que simplifica sua participação e ressalta o quanto é imprescindível atuar ao lado de uma equipe de educadores proativos. “Digo que esse projeto abarca uma proposta singular. De modo geral, o sentimento que representa a minha participação é a satisfação. Satisfação em integrar uma equipe de educadores que, ainda em formação, já almejam uma educação que caminhe sempre rumo aos melhores cenários”, explica ele.

 

 

*Essa matéria foi produzida sob a supervisão da jornalista Daniela Reis.

NO COMMENTS

Leave a Reply