60 anos. 60 histórias: Da banca de TCC da Una ao sucesso...

60 anos. 60 histórias: Da banca de TCC da Una ao sucesso mundial

0 138

Por Bianca Morais

Marlon Junior da Silva, formou-se no curso de arquitetura no ano de 2019, e seu trabalho de Conclusão de Curso, intitulado T.R.E.M, Tratamento e Requalificação de espaços minimizados, foi selecionado para ser apresentado no maior evento mundial de Arquitetura e Urbanismo. Promovido pela União Internacional de Arquitetos, o Congresso Mundial de Arquitetos que aconteceu no mês de julho, pela primeira vez no Brasil.

“Tive a oportunidade de auxiliá-lo no seu TCC. Marlon sempre foi um aluno dedicado e que se destacava, seja nas matérias teóricas, com uma escrita coerente e madura, seja nas matérias práticas, com uma representação eficiente e bons repertórios projetuais”, conta o orientador e professor da Una, Tarcísio Gontijo.

Projeto do TCC do aluno Marlon

Para o professor Tarcísio, que acompanhou a trajetória de Marlon desde seu primeiro período até a conclusão do curso, não faltam elogios ao ex-aluno.

“O TCC do Marlon foi o coroamento de uma trajetória acadêmica levada com muita seriedade. A escolha do tema e do local de seu projeto mostram seu compromisso em contribuir com a sociedade onde se insere, propondo uma intervenção com chances reais de ganho coletivo em uma área de grande valor histórico e cultural. A oportunidade de exposição de seu trabalho em um congresso de arquitetura de repercussão mundial abre a ele novas possibilidades e o coloca em contato com novos e experientes profissionais que compartilham dos mesmos anseios por melhoria dos contextos onde inserem seus projetos. Certamente, é um ganho pessoal e coletivo”, completa o professor.

Como parte das comemorações dos 60 anos da Una , o Jornal Contramão, traz hoje uma entrevista especial com Marlon, contando sua trajetória como arquiteto e a sensação de ter sido escolhido para um evento tão importante dentro da sua área.

Marlon Junior da Silva, arquiteto e ex-aluno da Una

1. Marlon, o que gerou em você a vontade de cursar arquitetura?

Alguns amigos já me disseram que nasci arquiteto. Pode ser que sim, porém, ao meu ver, isso não ocorreu. Conheci mais sobre a arquitetura naquela fase da escolha do ofício para ingresso na graduação e foi uma ótima descoberta. Me vi na arquitetura como possibilidade de realização numa profissão tão rica e diversa, podendo praticar meu lado criativo, que sempre foi aguçado, para melhorar a vida das pessoas através da melhoria da qualidade dos espaços à sua volta. 

 

2. Atualmente você trabalha em que área da arquitetura?

No momento, dedico o maior tempo de trabalho na arquitetura residencial, dentro de um escritório do ramo, mas desenvolvendo também projetos autorais na área comercial e residencial, além de continuar estudando, finalizando em agosto de 2021 um MBA em Gestão Estratégica de Projetos, também pela Una.

 

3. Você acredita que os projetos desenvolvidos durante o curso contribuíram para o seu desenvolvimento profissional?

Todos os projetos acadêmicos contribuíram muito para o profissional que sou hoje, cada um de uma forma, alguns me identificando mais, outros menos. Acredito que o importante durante o curso é estar aberto e disposto a receber o conhecimento em sua total diversidade. Uma vez apreendido, esse aprendizado é levado para vida, podendo ser aplicado em diferentes cenários. E principalmente nas disciplinas de projeto, foi uma ótima oportunidade de desenvolver propostas com problemas e possibilidades reais, que acontecem no mercado.

Parte do projeto do TCC de Marlon

 

4. Como você define sua trajetória da Una?

A graduação foi um caminho muito prazeroso! Prazeroso, pois apesar da grande carga de trabalho que o curso exige, era notável o ganho progressivo de conhecimento durante os 5 anos do curso. É gratificante ver quando os esforços rendem resultados, e pude perceber que sou um arquiteto grato por tudo que vivenciei na Una.

 

5. Qual sua opinião sobre o curso de Arquitetura e Urbanismo da Una? 

Percebi que o curso da Una tem uma formação bastante humanizada e diversa, sem deixar de lado o conhecimento técnico necessário na formação. Sem falar no corpo docente, com professores excelentes e reconhecidos no mercado. O curso prepara bem para o que vamos lidar no ingresso ao mercado de trabalho.

 

6. Como começou a sua carreira na arquitetura?

Através do bom e infalível network. Por meio de uma amiga que já estagiava num bom e reconhecido escritório, consegui uma vaga como estagiário dentro de uma mostra de arquitetura. Tendo um bom desempenho, fui efetivado neste próprio escritório, inclusive de propriedade de uma professora da Una, que se tornou uma amiga. Lá tive a oportunidade de aprender muito atuando em projetos de vários segmentos.

 

7. Depois de se formar você teve dificuldades para ingressar no mercado?

Desde quando me formei, há quase dois anos, até o momento, sempre estive empregado ou com projetos pessoais. Ainda estava no mesmo estágio quando me formei, e não havendo possibilidade de continuar no mesmo escritório, saí de lá na sexta, e comecei na segunda seguinte, em outro escritório, já como arquiteto, um mês antes da colação de grau. Como arquiteto, já empregado, recebi também outras oportunidades de trabalho na área, então nunca tive dificuldades, as oportunidades sempre apareceram e ainda aparecem.

Acho que no início, o que vale é estar disposto a aprender e crescer em uma vaga, mesmo que ela não traga um retorno financeiro satisfatório.

 

8. De onde partiu a ideia do seu projeto de tratamento e requalificação de espaços do Baixo Centro de Belo Horizonte e o que ele propõe?

A ideia deste projeto veio da minha própria vivência e trânsito por esta área do Baixo Centro. Não sou de BH, me tornei um morador daqui quando me mudei para estudar Arquitetura e Urbanismo. Como estudava no centro, utilizava o transporte público e caminhava pela região para chegar a Una. Foi uma oportunidade para conhecer a cidade e sentir a qualidade dos seus espaços. Veio daí essa percepção de locais degradados, mas amplamente utilizados, que poderiam justificar a proposta de um projeto de requalificação urbana.

 

9. Quando realizou o projeto você tinha noção da dimensão que ele teria?

Tinha a dimensão de que era um grande desafio, pelo tamanho e complexidade do projeto. Mas me propus a fazê-lo partindo do autoconhecimento de que toda bagagem que acumulei durante o curso seria suficiente para concluir com êxito o projeto. É evidente que o princípio básico em um TCC seja a conclusão e aprovação final no curso, mas me dediquei em entregar um resultado melhor, algo que poderia ser também a minha porta de entrada no mercado, e a dimensão que ele tomou foi surpreendente e muito satisfatória.

 

10. Como recebeu o convite para participar do UIA?

Recebendo nota máxima, a banca avaliadora, juntamente com o colegiado do curso e corpo docente da Una, indicaram o projeto para alguns concursos desta categoria acadêmica. Um deles, a Mostra Nacional dentro do Congresso Mundial de Arquitetos, promovido pela União Internacional dos Arquitetos (UIA) que aconteceria em 2020, mas foi prorrogado para 2021 devido à pandemia da Covid-19.

 

11. Qual a sensação de ter seu projeto apresentado pela União Internacional de Arquitetos?

A sensação é de muita felicidade e realização profissional. Ter a oportunidade de participar de um congresso desta importância, com menos de 2 anos de formado, foi excelente. Acredito que foi uma ótima vitrine, em poder publicar e divulgar um projeto de grande impacto social e relevância para o cenário do pensamento urbanístico de Belo Horizonte.

 

12. Além do UIA você foi indicado para outros concursos? Se sim, quais?

Sim, com este mesmo projeto, fui indicado ao Prêmio TCC CAU/MG e ao Ópera Prima, concurso nacional de TCC’s de Arquitetura e Urbanismo promovido por revista especializada.

 

13. Qual a principal evolução do Marlon que estudou Arquitetura na Una para o Marlon já formado de hoje?

A principal diferença daquele Marlon de 5 anos atrás é ser um arquiteto cada vez melhor, aprendendo com os erros e acertos diários da profissão, e de criar olhares para conhecimentos e culturas que orbitam a profissão de arquiteto e urbanista, buscando enriquecer soft e hardskills para me diferenciar no mercado.

 

14. Qual conselho você daria para os estudantes de Arquitetura que em breve irão ingressar no mercado?

Aproveitem a época da graduação o máximo possível, no sentido de extrair o quanto puderem de seus professores para o seu conhecimento. Faça estágios, cursos extras, vá a palestras, workshops, enfim, faça tudo que possa agregar ao currículo. Isso fará toda diferença quando formado, assim como fez para mim.

 

Edição: Daniela Reis 

NO COMMENTS

Leave a Reply