60 anos. 60 histórias: Una, um ótimo lugar para trabalhar

60 anos. 60 histórias: Una, um ótimo lugar para trabalhar

0 75

Por Bianca Morais 

Todos que pretendem ingressar no mercado, idealizam trabalhar em um local onde encontrem um ambiente de trabalho justo, agradável e que valorize seu colaborador, com uma boa e humanizada gestão de pessoas e oportunidades de se desenvolver e crescer internamente. 

Em uma empresa que busca se destacar no mercado, ter o apoio de indicadores, como o de satisfação dos funcionários é essencial. Aquele que está feliz com o seu trabalho certamente indicará sua companhia para outras pessoas, falando bem de onde trabalha e, ainda por cima, prestando um serviço de qualidade.

O ENPS

Sendo assim, o Centro Universitário Una, conta hoje com o ENPS (Employee Net Promoter Score), uma ferramenta que classifica a empresa como um bom local de trabalho, além de avaliar a liderança do grupo e a visão de toda equipe.

A iniciativa de implementar o ENPS na Una foi tomada pela Vice-presidência de Gente, Cultura e Gestão da Anima Educação, aplicado em outubro de 2020, com seus primeiros resultados divulgados em março de 2021.

Segundo Sarah de Faria Pimenta, uma das responsáveis pela implantação, foi estabelecido um cronograma considerando de 3 a 4 ciclos de aplicação do ano, a continuidade do programa em 2021 ainda está sendo avaliada.

“O projeto está em revisão, porém o planejado inicialmente é que ocorram em 2 ciclos de aplicação em 2021”, completa.

A métrica do ENPS é baseada na do NPS (Net Promoter Score), aquela usada pelo Marketing para medir a satisfação dos clientes, dessa forma, adaptou-se com objetivo de descobrir a satisfação do interno, ajudando a identificar os acertos e erros que cometem e buscando sempre melhorias. 

Em geral, o ENPS é composto por duas perguntas, sendo:

 

1) Em uma escala de 0 a 10, qual a probabilidade de você recomendar a empresa como uma boa empresa para se trabalhar? (Pergunta fechada de escala de 0 a 10)

2) Justifique a sua resposta anterior. (Pergunta aberta de texto)

 

Dentro da metodologia, os funcionários são divididos em três tipos: 

 

  •       Detratores (nota 0-6): Podem influenciar negativamente a satisfação de outros colaboradores, a marca empregadora e a experiência do clientes;
  •       Neutros (nota 7-8): Não estão investidos emocionalmente no trabalho, mas também não estão ativamente engajados;
  •       Promotores (nota 9-10): São leais à empresa, influenciando positivamente outros colaboradores e fortalecendo o Employer Branding.

 

O score do ENPS é calculado a partir da subtração entre a porcentagem de Promotores e a porcentagem de Detratores. 

ENPS= % Promotores – % Detratores 

Por serem considerados neutros, quem responde 7 e 8 não são incluídos no cálculo final. Um bom ENPS é aquele que classifica sua nota dentro das Zonas de Qualidade. No Brasil, de forma ampla, consideramos que:

Zona crítica: abaixo de +10

Zona positiva: entre +10 e +50

Zona excelente: acima de +50

“No ciclo de 2020 utilizamos o formulário de aplicação em sistema interno para acesso de todos os colaboradores, nesse primeiro ciclo, nosso resultado (seguindo score e zonas) foi de 83%, os aspectos melhores avaliados foram: Valores/Propósito;  Oportunidade de crescimento e Clima organizacional”, explica Sarah.

A pesquisa é sigilosa, por tanto as tratativas passam por planos de ação com cada escola e vice-presidência com intuito de reforçar as práticas e trazer alternativas de melhorias, dessa forma ninguém precisa se sentir inseguro, metodologias como essas funcionam exatamente para proporcionar um ambiente de qualidade.

Desde a implementação, o ENPS tem recebido um retorno positivo, foram realizadas divulgações e planos de ação por escolas da Anima, sendo assim, todos os gestores tiveram acesso aos resultados para proposta de plano de ação.

Os principais benefícios do ENPS são:

  •     Avaliar satisfação, lealdade e incômodos dos colaboradores;
  •     Rápido e simples (composto por apenas 2 perguntas), pode ser aplicado em maior frequência;
  •     Não gera expectativas em relação a planos de ação específicos;
  •     Abordagem quantitativa (score) e qualitativa (por meio de comentários abertos).

Proporciona:

  •     Agilidade das ações –  Avaliação curta e rápida que traz insights instantâneos, podendo rapidamente se transformarem em planos de ação. Essa praticidade e agilidade permitem a coleta frequente de feedback sobre a experiência para conseguir trabalhar melhorias contínuas.
  •     ‍Anonimato dos colaboradores –  Pode (e deve) acontecer de maneira anônima. Desse modo, além de preservar o colaborador, é criado condições para feedbacks sinceros e maior abertura por parte do colaborador.
  •     ‍Auxilia na tomada de decisão – Os resultados mostram rapidamente onde está o problema, criando senso de urgência nas iniciativas. ‍
  •     Empoderamento das pessoas –  Oferece ao RH um bom entendimento dos sentimentos e percepções dos colaboradores, além de canal de acolhimento e escuta dos colaboradores.

Antes já éramos avaliados pelo GPTW

É buscando sempre excelência de mercado, que o Centro Universitário Una, foi durante anos classificado pelo selo GPTW, como um dos melhores lugares para se trabalhar. Em 2012, o Centro Universitário Una foi a primeira instituição de ensino superior brasileira a ser eleita pelo GPTW, no último ano, ela ganhou em 3º lugar no ranking das Melhores Empresas para Trabalhar em Minas Gerais.

Mas o que é o GPTW?

O GPTW foi idealizado por um jornalista, Robert Levering, que sempre esteve muito ligado a questões de trabalho e conflitos trabalhistas. Na época, Levering, foi convidado para escrever um livro sobre as melhores empresas para se trabalhar nos Estados Unidos, convite ao qual recusou, pois segundo ele, era impossível encontrar uma boa empresa para se trabalhar no ponto de vista dos funcionários, o jornalista inclusive sugeriu escrever sobre as piores, mas essa ideia foi cancelada pela editora.

Por fim, Robert aceitou escrever o livro, mas como bom jornalista, foi entrevistar trabalhadores de forma confidencial. Durante sua trajetória, encontrou muitos que detestavam suas empresas, em contrapartida, para sua surpresa, descobriu muitos felizes dentro de seu ambiente de trabalho. 

A descoberta levou a criação do Great Place to Work, ele se aprofundou melhor no assunto, descobriu excelentes empresas para se trabalhar e passou a prestar consultorias para aquelas que não se encaixavam no perfil, mas poderiam se tornar com dedicação. A instituição do jornalista foi a primeira a conduzir essa pesquisa mundial sobre o tema.

Atualmente o GPTW, reconhece anualmente, as melhores empresas para se trabalhar no mundo, em âmbito nacional, a avaliação é feita através de seus funcionários, não existem pré requisitos para se inscrever no programa, apenas a vontade da empresa em se tornar cada dia melhor. O ranking, divulgado pela Época Negócios, apresenta as seguintes categorias:

  • Multinacional (Médio Porte);
  • Nacional (Grande, médio, pequeno porte);
  • Regional (Estadual);
  • Setorial (Setor de atuação da empresa);
  • Temático (LGBT+, Étnico Racial, Gênero);

Os diagnósticos são feitos online, de forma confidencial, e avaliam diversos aspectos como, clima organizacional, infraestrutura, transparência na gestão, entre outros, por isso, o clima empresarial influencia diretamente no resultado, funcionários motivados entregam melhores números, e é com muito orgulho que o Centro Universitário Una, com seus 60 anos de eficiência, estampa anos consecutivos sendo reconhecido. 

Com a palavra, os funcionários

Jeferson Silva Chaves, líder Infraestrutura dos campus Aimores, Liberdade e João Pinheiro II

“Trabalhar na Una para mim é prazeroso, eu acordo e não tenho aquele medo da segunda-feira como todo mundo tem, ‘ah eu tenho que trabalhar’, eu não tenho isso, eu tenho prazer de ver as pessoas que trabalham aqui.

Entrar na Una para mim foi um divisor de águas muito grande, como eu vim do interior, uma cidadezinha de 4 mil habitantes, muito pequena do interior da Bahia, a questão da mudança foi muito importante, porque quando eu comecei a trabalhar na Una eu vi as mudanças acontecendo na minha vida.

Eu vim da limpeza, depois portaria, biblioteca, estou em uma liderança hoje, e essas inovações essas mudanças, para um cara que saiu com 16 anos de sua terra, me trouxe muito.

E assim trabalhar na Una para mim é demais, entender como funciona cada processo, e mudança que ela proporciona no nosso dia-dia. Ver a instituição, o tamanho que ela é agora é uma coisa absurda, e fazer parte disso é incrível, eu costumo dizer que eu não visto a camisa da empresa, eu participo dos negócios da empresa, eu me sinto assim”.

 

Maria Isabel Bernardes Câmara, líder de relacionamento da Central de Atendimento ao Candidato

Na Una eu cresci como pessoa e profissional, tive de aprender com todes que passaram pelo meu caminho, me apaixonei pela área de atendimento e tive muitas oportunidades de crescer dentro da empresa. 

Aqui eu descobri minha vocação para Relações Públicas, cuidei de eventos, me tornei Analista Júnior e hoje estou líder de relacionamento na CAC da Cidade Universitária. A responsabilidade é grande e o amor pelo que faço, maior ainda.

Na posição que estou hoje, tenho a chance de participar desde o começo da trajetória de nossos calouros e sei que eu e meu time contribuímos para a realização de sonhos desde a porta de entrada da nossa Instituição. Poder contribuir no desenvolvimento e potencialização das habilidades humanas e técnicas de cada um, me faz ter a certeza de que estou na empresa certa: afinal, aqui a gente se prepara para a vida e para o trabalho.

NO COMMENTS

Leave a Reply