ALBER ELBAZ, moda e reinvenção

ALBER ELBAZ, moda e reinvenção

0 139

Por: Profa. Dra. Gabriela Ordones Penna (Professora de jornada acadêmica do curso de moda do Centro Universitário Una)

O mundo recebia no dia 24 de abril a notícia impactante do falecimento do designer de moda Alber Elbaz aos 59 anos, vítima do Covid-19. A alegria contagiante da primavera parisiense e, principalmente, com vacina à vista, se esvai, como um breve sopro morno. O mundo da moda perdia um sorriso discreto e tímido, sempre de gravata borboleta e óculos, um visual que ludibriava a quem duvidava da sua grandeza. Um choque, sem dúvida, mas que nos lembrou ainda mais da vida, no caso, de um dos criativos que mais pôde honrar essa palavra.

Alber nasceu no Marrocos, cursou faculdade de moda em Israel e nos anos 1980, já estava em Nova York.  Em 1996, ele é escalado pela primeira vez para dirigir uma casa importante – Guy Laroche, esta que precisava de sangue novo, brilhantismo jovem para se manter relevante. E Alber era. Apesar de tímido e doce, era afiado em descortinar os desejos das mulheres para quem criava. Reza a lenda, que ele nunca criou para si – fazia questão de colocar esse distanciamento, mas para as mulheres. Alber Elbaz era um apaixonado pela alma feminina. No final dos anos 1990, ele alcançou um posto cobiçado na linha prêt-à-porter de Yves Saint Laurent, convite apoiado pelo braço direito de Saint Laurent, Pierre Bergé. Ficou na Saint Laurent até quando o grupo Gucci comprou a marca e o substituiu por Tom Ford.

Em 2001, começa a sua mais incensada presença no mundo fashion – na Lanvin. Curiosamente, a casa de Alta Costura é a mais antiga em funcionamento e uma das primeiras a ser fundada por uma mulher – Jeanne Lanvin em 1889. O logotipo, inclusive, da marca começa com o desenho de Jeanne e sua filha, que vai do perfume à linha mãe e filha, quando ninguém fazia tal coisa. Coincidência? Difícil, dada a afinidade do designer com o universo feminino. A Maison precisava de injeção de criatividade e, também, acompanhar os novos tempos. Quem era a mulher Lanvin? Estava, certamente, perdida em um ostracismo que parecia irreversível. Alber Elbaz fez críticos, jornalistas, designers e empresários olharem para a maison novamente. Ele explorou o DNA da fundadora Jeanne, que era adepta aos drapeados, à fluidez dos tecidos. A mulher Lanvin mostrava sensualidade sem necessidade se despir em excesso. As transparências, fendas e volumes controlados, uma poesia na passarela. Como nunca, desejamos vestir Lanvin novamente, graças a Alber.

O designer, que já havia encerrado sua era na Lanvin em 2015, anunciava, no início desse ano, a criação de marca própria apoiada pelo grupo Richemont – AZ Factory e já estreava no line-up da Couture, um feito e tanto. A marca que agrega artesanal e industrial, combina com o modo como acreditava que a moda deveria caminhar: entre a simplicidade e o elaborado, entre a tradição e a inovação – especialmente tecnológica. Alber deixou a cena desejando uma moda mais democrática, onde pudesse vestir todas as mulheres, corpos e idades e mais – a reinvenção é um talento para poucos.

 

 

NO COMMENTS

Leave a Reply