Almanaque: BANDA RADIOTAPE

Almanaque: BANDA RADIOTAPE

0 4455

*Por Bianca Morais

Hoje vamos apresentar a primeira Banda do Almanaque Bandas Independentes. Venha conhecer a história da Radiotape, há 14 anos na estrada, os rapazes já viram todo o cenário da música de BH crescer e evoluir. Para quem curte um rock vale a pena conferir.

Badaró deu à luz a Radiotape (ao EP também, mas falamos mais pra frente) no ano de 2006. Vindo de Ubá, trouxe consigo as ideias no papel e no violão. 14 anos de banda não é para qualquer um, por isso seus integrantes mudaram muito desde o começo até hoje. Muitos amigos passaram pela banda que, atualmente, tem como formação Adilson Badaró nos vocais, Bruno Bentes na bateria, Henrique Rocha na guitarra e Bruno Groth no baixo.

“Banda é aquele negócio, você vai fazendo, mas sua vida vai tomando um monte de direção”, conta Badaró.

Em 2010, o segundo integrante mais antigo entrou na banda, o Bentes. Após a saída do antigo baterista, Caputo, que havia começado com o Badaró a banda, a Radiotape procurava por alguém para ocupar o seu lugar. Por indicação de amigos em comum e, por tocar Beatles e Strokes, as ideias foram batendo, Badaró e Sallum convidaram o Bentes para tocar com eles e está aí até hoje.

*Pode ser que quando você for a um show da Radiotape, da Ous ou da Devise, vai escutar a galera chamando o Bentes de Frendes, e não, você não está confundindo um nome com o outro. Às vezes ele é o Bentes e às vezes ele é o Frendes, e às vezes todo mundo é Frendes.

Confuso? Sim. Mas vou tentar explicar. O Badaró tem um amigo no trabalho que sempre chegava e falava “Fala, Frendes”. Um dia, o Badaró foi perguntar para ele o porquê dele sempre chamar todo mundo de frendes, e ele explicou que friends é amigo em inglês.

Explicação óbvia? Poderia até ser, se não fosse por causa do Bentes. Quando o Badaró conheceu o Bentes, ele já usava o frendes e explicou o sentido para ele. Acontece que o Bentes começou a falar Frendes mais que todo mundo, e então todo mundo passou a chamá-lo de frendes. A combinação com o nome? Coincidência.

Não sei se consegui ser clara o suficiente na explicação, mas acredito que se você tentar ler mais umas cinco vezes você consegue, vai lá, faz um esforço.

BH É UM OVO e eu vou explicar o porquê.

Acasos não acontecem nessa banda, ou acontecem. O Henrique, talvez você o conheça por Toxina, ou talvez você nem o conheça, é primo da Verônica, que é noiva do Badaró, que o indicou para tocar baixo na banda. O Badaró já conhecia o Toxina de outros rolês. Mais precisamente pelo tal de Rodner que estudou com Henrique na UEMG em 2009 e o levou para tomar uma na Savassi e, chegando lá, conheceu o amigo dele, o Badaró. Então não foi difícil sua entrada na banda lá em meados de maio de 2016. Ele entrou no final da gravação do EP Luz.

O EP conta com as faixas Luz, Capataz, Fotossíntese e Vou Seguir. Confira nas plataformas de streaming.

O nome Toxina, segundo ele, vem lá de sua antiga banda de hardcore no colégio.

E mais um acaso? A Verônica, noiva do Badaró, também é cantora independente. Confira nas plataformas a música “Além de mim”.

O Groth já conhecia o som da Radiotape por meio do Bentes por tocarem nos mesmos lugares com suas bandas covers de indie rock: a Konk e a Juicebox. Em 2017, a banda se encontrava sem baixista para um show depois que o Raphael Jardim, da banda Ous (falaremos dela na sequência) que estava tocando na Radiotape precisou sair. Bruno entrou, fez um show rápido, e desde então não saiu mais.

Lembra que eu pedi para se concentrarem nos detalhes, certo? Ainda tem muita história para descosturar nesse rock independente de BH.

Radiotape: Assim como a maneira que Badaró escutava as músicas na sua infância e adolescência, sempre em fita, as primeiras gravações da banda também eram gravadas nelas. Por isso, do inglês tape, a banda Radiotape. Caso estejam se perguntando, a pronúncia correta é: rádio (em português) e tape (em inglês) = Radiotape. Junta aí e é só sucesso.

A Radiotape não gosta de rótulos. Produz suas músicas, mas também se diverte tocando músicas das bandas que gostam. Em suas letras autorais você encontra a mistura de todas as influências, desde o pop rock até o britpop. Segundo eles, é um som bem orgânico e nada industrial. Eles fazem música de forma natural e porque gostam de fazer isso.

Se para alguns o rock está morto, para eles está bem vivo e não têm medo de explorá-lo cada vez mais.

A mistureba da Radiotape:

Tem Oasis, Led Zeppelin, Beatles;

Tem Legião Urbana, tem Capital Inicial, tem Skank;

Tem Clube da Esquina (como todo bom mineiro que faz música);

Tem aqueles que dizem que lembra um pouco Cachorro Grande;

Tem o Badaró que carrega consigo suas raízes caipiras e tem também o Henrique acelerado no hardcore.

Cada um acrescenta e agrega um pouco ao som.

Na hora de compor, é o Badaró que chega com a melodia cantarolada e então só depois a letra vem aparecendo. Melodia é a raiz da letra.

Tonight: É um exemplo de música que veio do cantarolado de Badaró e depois quem disse que conseguiram substituir a palavra tonight? A banda sem rótulos não viu nisso um problema e resolveu manter a palavra em inglês.

A canção é sobre nossa sensação na noite, de liberdade, despreocupação.

“Quando perceber que é fácil, se perder pelo espaço, quero não sentir limites, TONIGHT.

Vou sair ter que voltar, se perder não quero procurar, vou dormir sem ter que acordar”.

Aproveitando a pegada de “Tonight”, confira também “Enquanto os outros dormem”.

Enquanto os outros dormem, a Radiotape sai por BH curtindo o momento. A noite deles demora a terminar e, quando acaba, geralmente é lá no Rei do Pastel, tomando uma cachaça.

“Pegue o copo fique mais um pouco ainda temos muito para conversar. Oh não vá.

Sei que é tarde mas ainda é cedo nossas noites nunca vão se acabar antes das seis”.

Curiosidades

Em 2008 a banda abriu o show do Keane.

Agora o interessante da história está em como eles conseguiram.

Diferente do que acontece hoje em 2020, lá em 2008 não tinha isso de plataformas de streaming e quem queria divulgar suas músicas carregava um CD.

E foi assim que em um show do Little Joy, Badaró entregou um disco da Radiotape para o produtor do evento, falou da banda e que caso houvesse uma oportunidade, poderiam abrir um show da Patofu (humildes sempre). Conversa de porta de casa de show, como conta o vocalista da banda.

Esse produtor deixou esse CD no escritório, onde a secretária começou a ouvir.

Na época, a banda Fresno, que abriria os shows do Keane no Rio de Janeiro e São Paulo, não viria para BH, abrindo as portas para as bandas da capital. O produtor então juntou o material de algumas bandas e a secretária dele colocou junto o CD da Radiotape, dizendo ter gostado muito do som. Esse material foi enviado à produção do Keane, que escolheu a banda Radiotape.

“Gratidão eterna à secretária que curtiu nosso som”.

Para a banda, eles não miram um público específico, fazem as músicas e esperam atingir quem se identifica com elas.

 

 

*Esse é um produto resultado do Trabalho de Conclusão de Curso do Centro Universitário Una da Jornalista Bianca Morais.

NO COMMENTS

Leave a Reply