Authors Posts by editores contramao

editores contramao

1130 POSTS 5 COMMENTS

Por Millena Vieira e Gabriel Almeida

Entender o sentido da existência de todos os seres vivos, pode ser uma das maiores questões do ser humano, ficando atrás somente do mistério da morte. Desde sempre, os povos ao redor do mundo buscam respostas sobre a existência da vida, pairando pelo tempo as famosas perguntas “de onde viemos?”, “para onde vamos?” e “qual é a missão de cada um de nós na terra?”. Parte da construção de uma resposta, nasce da necessidade de algo sobre além, desencadeada por diversas religiões e filosofias de vida. De contraponto, um dos principais desafios à convivência democrática está ligado à intolerância, por um sentimento de soberania dentro dessa multiplicidade religiosa.

“A religião é a maneira como a gente diz sobre as coisas, além da sua condição material, ou seja, há uma realidade por trás das coisas que é maior do que a sua condição imanente, há uma perspectiva transcendental, há um sentido, há algo de sagrado e de poderoso, místico, então é uma maneira de reler o mundo também”, explica Pedro Luiz de Oliveira Doche, bacharel e licenciado em Filosofia, com pós seguido em Ciência da Religião pela Puc Minas.

A orientação espiritual concebe ao indivíduo formas de compreender o mundo, a si mesmo, os seus valores morais e até mesmo suas decisões políticas. Com a manifestação das crenças religiosas, é preciso analisar a relação do indivíduo com a fé e seu comportamento perante ela. Tal comportamento religioso, na maioria das vezes, é induzido por crenças que perpetuam em uma mesma família por gerações, ou seja, nos seus primeiros anos, o indivíduo não escolhe a sua própria religião, ele já nasce nos berços da influência. A decisão passa a ser de cada um, a partir da autodeterminação das próprias escolhas e seu entendimento de posição no mundo.

A diversidade das religiões no mundo se dá pela identificação e evolução histórica e pelo desenvolvimento de vários povos, cada um com sua própria maneira de interpretar a criação da vida e o fim dela. Em tendência, a intolerância nasce a partir da incapacidade de conviver socialmente com as diferenças, é a ausência da vontade de lidar com o outro, assim como suas ideias, ocasionando atitudes ofensivas a crenças e práticas religiosas ou mesmo a quem não segue uma religião, é a deslegitimação da fé do outro a partir do próprio ponto de vista, porém a afirmação do que é a fé para si não deveria sobressair como é a fé para o outro.

No Brasil, segundo levantamento do Datafolha, a religião mais predominante é a religião Católica, com cerca de 50% da população, seguida pela Evangélica, com 31%, Espírita, 3%, e Umbanda, Candomblé ou outras religiões afro-brasileiras com 2 % dos brasileiros. Em teoria, a Constituição Federal prescreveu o Brasil como país laico, ou seja, garante o direito fundamental à liberdade de religião e o Estado deve prestar proteção e garantia ao livre exercício de todas as religiões.

Embora haja legislação, no último ano, o país obteve 545 denúncias de intolerância religiosa, três queixas por dia, sendo as religiões de matriz africana as que mais sofrem com o preconceito, segundo levantamento realizado pelo Disque 100, serviço para denunciar denúncia de direitos do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.

Terreiro de Umbanda Caboclo Pena Dourada. Imagem: Ana Clara Souza.
Terreiro de Umbanda Caboclo Pena Dourada. Imagem: Ana Clara Souza.

Mateus Araújo, de 22 anos, explica sua trajetória dentro da Umbanda, religião de matriz africana. “Eu cresci aqui… Desde pequeno, eu tive o livre arbítrio para escolher a religião que queria, meus pais foram muito flexíveis com relação a isso… Eu escolhi a Umbanda, porque eu senti que era o meu lugar.” Com a identificação desde jovem, Mateus mostra também como percebe a intolerância em sua forma velada: “O preconceito não está necessariamente na fala, mas sim em como essa fala é produzida e entonada… depende de quem está falando e como está falando.”

Em um país onde seus muros são construídos a partir do roubo, da exploração, da tomada de culturas e liberdades, como a escravidão dos povos negros e indígenas e a catequização, pense em uma realidade de respeito as reais liberdades democráticas, beira ao fictício.

Para cortar as raízes herdeiras da imposição e da importunação sobre a fé do outro, é preciso, antes, de um esforço social e, principalmente, governamental para a criação de medidas e novas políticas de segurança e educação que de fato saiam do papel e sejam subordinadas.

Religiões dos povos indígenas

Apesar da catequização, uma religião indígena resiste e se assemelha em diversos aspectos entre os diferentes povos. A relação com o mundo e a forma como é vista e interpretada é muito diferente do cristianismo, por exemplo. Os povos indígenas abraçam com fé as entidades e os grandes guerreiros que se manifestam através dos elementos da natureza. Eles acreditam que há um criador, chamado Tupã, responsável também pelas chuvas, raios e trovões. Além dele, há outros responsáveis ​​pela proteção do mundo em seus diversos aspectos, sobretudo ligados às matas e às florestas, bem como a crença de que alguns espíritos estão encarnados em animais, potencializando o poder da natureza e da relação dos povos com ela. Em sua relação com a crença e a vivência da fé, acredita-se que alguns possuem o dom de manter contato com os espíritos e as entidades. 

Religiões de matrizes africanas

Assim como algumas religiões indígenas, as religiões de matriz africana, como a Umbanda e o Candomblé, possuem em sua essência, a preservação aos ancestrais, a sabedoria dos mais idosos e a proteção de entidades poderosas e espíritos. Candomblé é uma religião afro-brasileira, que foi trazida pelas pessoas negras escravizadas. Umbanda é uma religião brasileira que mescla elementos do catolicismo, espiritismo e religiões afro-brasileiras. Uma das formas mais conhecidas no Brasil, é Iemanjá, guardiã das águas, e assim como ela, é possível encontrar outros tipos presentes nas duas religiões, onde os orixás são deuses cultuados representantes das forças elementares oriundas da água, da terra, do ar, faça fogo. Duas religiões monoteístas que apesar das semelhanças, não são iguais, uma é genuinamente brasileira. 

0 44

Por Keven Souza

Estudantes do Ensino Médio e da Educação de Jovens Adultos (EJA) que tiveram alguma alteração no endereço da residência ou da escola no ano passado, têm até a próxima sexta-feira (27) para renovar o meio-passe estudantil. O benefício é oferecido pela Prefeitura de Belo Horizonte (PBH).

O jovem deve acessar o site do meio-passe, realizar o recadastramento e, posteriormente, levar os documentos obrigatórios no Centro de Referência das Juventudes (CRJ), na Rua Guaicurus, número 50, bairro Centro, até dia 4 de fevereiro. 

Já aqueles que ainda não são beneficiários do programa, mas possuem a necessidade do benefício, devem realizar o cadastro também pelo portal entre os dias 6 e 17 de fevereiro.  

Como funciona o Meio Passe Estudantil?

O benefício é destinado a alunos matriculados e frequentes em escolas públicas ou privadas (para estudantes que tenham bolsa integral), que moram a uma distância igual ou superior a um quilômetro da instituição. Ele é equivalente a 50% do valor das tarifas de transporte público de BH, válido somente na capital, pagas na ida e volta entre a residência e a escola.

Para obter o desconto, o beneficiário deve recarregar o cartão do meio-passe nos pontos de recarga sinalizados no site do meio-passe. Assim que a recarga for finalizada, automaticamente o valor será dobrado. Esse complemento significa o desconto nas tarifas.

Por exemplo: um aluno realizou uma recarga no valor de 50$, ele terá em seu cartão o valor equivalente de 100$.

De acordo com a PBH, só em 2022, mais de 7 mil estudantes foram aprovados. E previsão para o ano de 2023 é de que sejam investidos 3,1 milhões de reais

 

Com apresentação de Rosalía, Louis Vuitton agitou a web nesta manhã desta quinta-feira (19) ao escolher funk proibidão para desfile da marca

Por Keven Souza

Se antes o funk era escutado apenas por nós, brasileiros, hoje, ele não é mais. Isso porque, na manhã desta quinta-feira (19), a Louis Vuitton colocou os franceses e o mundo inteiro para escutar a música Sento no Bico da Glock, na Semana de Moda Masculina de Paris. 

Com um mini show e curadoria da trilha sonora feita pela estrela espanhola Rosalía, a música do DJ Gabriel do Borel, Mc Lucy e MC Rogê, serviu para ambientar a apresentação da nova coleção de outono/inverno da marca.  E, claro, DJ Gabriel se comoveu no Twitter ao ver a música embalar o desfile da Louis Vuitton.

DJ Gabriel do Borel no Twitter nesta manhã. Imagem: Twitter.
DJ Gabriel do Borel no Twitter nesta manhã. Imagem: Twitter.

Sento no Bico da Glock foi lançada em 2018 e possui mais de 20 milhões de streams somados no Spotify e YouTube. A faixa aparece no minuto 11:24 do desfile. Confira:

Fashion film da Mugler

Esta não é a primeira vez que o funk carioca aparece em desfiles internacionais. Em agosto do ano passado, enquanto a Mugler divulgava em seu canal no Youtube o seu fashion film da coleção de primavera/verão 2022, o público foi à loucura na internet ao perceber a inclusão do ritmo brasileiro na trilha sonora da apresentação. 

Megan Thee Stallion durante o fashion film da Mugler. Imagem: Youtube.
Megan Thee Stallion durante o fashion film da Mugler. Imagem: Youtube.

A música escolhida, Tomando na Pepekinha, foi lançada em 2019 e é também de MC Lucy e DJ Gabriel do Borel. O momento dura cerca de 30 segundos e começa a partir dos 2:20 vídeo. Confira abaixo:

A importância de ritmos brasileiros em cenários mundiais

Para o Brasil, ter sua cultura musical apresentada ao mundo é mais do que essencial. Significa abrir fronteiras em um universo elitista, como é o caso do da moda, e um mercado industrial preconceituoso e obsoleto, como é o da música americana e Europa Centro-Ocidental.  

Diz sobre a Sulamérica, que muitas vezes é marginalizada e ofuscada.  Expressa ainda sobre o desejo de grandes marcas buscarem algo novo, descontraído e despojado nos desfiles de moda. Bem como disse uma vez Casey Cadwallader, diretora criativa do desfile da Mugler, em entrevista à Vogue. E reitera por completo a pluralidade cultural do nosso planeta. 

0 94
(foto: Rodrigo Clemente/PBH)
A paralisação foi convocada na última sexta-feira (13) e chega ao fim após menos de um dia de movimentação

Por Keven Souza

O Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários de Belo Horizonte e Região (STTRBH), que contempla os motoristas de ônibus da capital mineira, iniciaram à meia-noite de hoje uma greve para reivindicar direitos da categoria. No fim da manhã desta segunda-feira (16), após audiência de mediação entre o sindicato e o Ministério Público do Trabalho, a greve foi suspensa. 

Por volta das 12h15, estações de integração municipal foram liberadas e o serviço de transporte público foi normalizado, de acordo com a Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans). A partir de agora, passageiros que utilizam o coletivo poderão se tranquilizar. 

A audiência de conciliação

A audiência de conciliação realizada às 10h de hoje foi benéfica para ambas partes e teve resultado positivo para os trabalhadores de transporte passageiro. Foi apresentada por parte do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (Setra-BH) proposta de reajuste salarial próxima a praticada nos demais municípios da Região Metropolitana de Belo Horizonte. 

Além disso, foi apresentado um reajuste de 8,2% no salário, retorno do ticket alimentação nas férias, a partir de janeiro, e regulamentação do tempo de descanso para 1h20min por dia. Tais exigências, claro, passaram por assembleia e avaliação da categoria. Mas, até o momento está, oficialmente, encerrada a paralisação devido ao acordo de ambas partes. 

Greve acontecia desde a meia noite do dia de hoje 

Nesta manhã, apenas 30% dos coletivos estavam circulando, segundo o Sindicato. A paralisação atingiu linhas que circulam exclusivamente dentro da capital, e aumentou o fluxo no trânsito devido à falta dos coletivos nas ruas. 

Os passageiros que utilizam o serviço de ônibus encontraram coletivos parados, estações de integração municipal fechadas e dificuldade para se deslocar pela capital. O metrô de BH aumentou ainda seu serviço para atender a demanda vinda do sistema de ônibus durante a greve e amenizar os transtornos. Mas nada suscetível. Foram cerca de duas horas até a situação normalizar e o serviço do sistema de ônibus voltar a circular, após audiência de conciliação na Prefeitura de BH

(I)rreal, marca de Pedro Café, Juselma e Gabriela. (Foto: Michele Assis)
(I)rreal, marca de Pedro Café, Juselma e Gabriela. (Foto: Michele Assis)

A 18º edição trouxe o tema ‘origem’ para a passarela. O evento já é consolidado e esperado pelo mercado da moda e aproxima o aluno do mercado de trabalho

Por Michele Assis

Na última segunda-feira, 12 de dezembro, retornou para o calendário cultural de BH o Una Trend, evento promovido pelo curso de Moda do Centro Universitário Una. O evento apresentou 13 marcas de formandos e ex alunos da instituição. Ao todo 25 novos estilistas foram apresentados ao mercado. Empresários, formadores de opinião, imprensa, representantes de setores governamentais, além dos familiares, estavam presentes para prestigiar o trabalho dos alunos.

A coordenadora do Núcleo de Moda da Una, Letícia Dias, que foi a diretora criativa desta edição, fala sobre a relevância do evento para os alunos.

”Foi maravilhoso fazer essa edição e estar como diretora criativa. Foi gratificante ver a alegria dos nossos alunos, depois de dois anos sem esse evento. O Una Trend tem uma importância maravilhosa na vida dos alunos. Além de eles conseguirem viver uma oportunidade jamais esperada, um desfile, é uma vitrine para eles. É um lugar onde eles podem mostrar suas criações”, diz.

O tema trabalhado nesta edição e que esteve presente nos mais de 40 looks desfilados, foi a origem. “O tema surgiu, porque pós-pandemia, avaliando se faríamos o evento ou não, a gente foi lá no início, na origem de tudo. E vimos onde a gente começou e onde a gente chegou, na décima oitava edição.” explicou Letícia.

Na Passarela

Muitas cores, formas, babados, volume e movimento encheram a passarela. A abertura do desfile ficou por conta da marca Bananeira, do ex aluno da instituição, Eduardo Paixão.  

“É um privilégio e uma honra. A Una para mim não é só uma faculdade, mas é um lugar onde eu tenho muitos amigo. Retornar é maravilhoso e emocionante.” contou Eduardo. Sua coleção foi inspirada nos altares barrocos, trazendo elementos da arquitetura, como as volutas, para o design das peças. Curvas, babados e movimento marcaram as peças de sua coleção.

Bananeira, marca de Eduardo Paixão. (Foto: Milena Vieira)
Bananeira, marca de Eduardo Paixão. (Foto: Milena Vieira)

 

“Apesar de a gente estar vivendo em mundo globalizado, eu acho que a gente tem que cada vez mais valorizar as nossas raízes, a nossa cultura.” Eduardo Paixão

O nome da marca fala sobre Brasil e sobre as misturas que existem no nosso país. “A bananeira, apesar de ser uma árvore característica do Brasil, ela não é daqui, ela veio da índia. Assim a gente fala desses deslocamentos que dão certo. Na minha moda gosto de falar disso, dessas misturas que dão certo, seja aqui em Minas ou no Brasil. E é lógico que se você fala pra dentro de Minas, você fala para o mundo todo.”

Outra marca bem brasileira foi a Jabuticaba, dos alunos Pedro Cardiel e Ana Clara Almeida. O nome da marca faz menção a mata atlântica e a uma das árvores encontradas nela. Além disso, a marca carrega uma memória afetiva, da fruta que fez parte da infância.

Apesar de estarem iniciando suas carreiras agora, os alunos mostram muita ousadia e identidade.  “(Escolhemos) Jaboticaba porque é a fruta mais rara do mundo. Ela só é encontrada na Mata Atlântica. A gente traz uma exclusividade já no nome, uma exclusividade que a marca quer ter.” revelou Pedro.

Jaboticaba, marca de Pedro Cardiel e Ana Clara Almeida, (Foto: Michele Assis)
Jaboticaba, marca de Pedro Cardiel e Ana Clara Almeida, (Foto: Michele Assis)

As formandas Izabele Morais, Nathália Tosta e Luciana Rodrigues fugiram do convencional e apostaram na lingerie. Criadoras da marca Lúzath, trouxeram em sua coleção elementos do rococó, mesclando lingerie e alfaiataria. Vimos peças com cores mais claras, bordados, dourado e pérolas. 

“Quando uma mulher se sente poderosa, confiante, ela consegue viver o dia dela de uma forma mais livre. Foi pensando nessa ideia que a gente fez sobre lingerie, para poder trazer esse poder para mulher, mesmo que por baixo, que ela consiga usar uma lingerie e se sentir mais poderosa.” relatou Nathália.

Lúzath, marca de Izabele Morais, Nathália Tosta e Luciana Rodrigues (Fotos: Michele Assis)
Lúzath, marca de Izabele Morais, Nathália Tosta e Luciana Rodrigues (Fotos: Michele Assis)
Lúzath, marca de Izabele Morais, Nathália Tosta e Luciana Rodrigues (Fotos: Michele Assis)
Lúzath, marca de Izabele Morais, Nathália Tosta e Luciana Rodrigues (Fotos: Michele Assis)

 

 

 

 

 

 

 

Formandos 2021

Um diferencial nessa edição foi a participação dos alunos da época da pandemia. Os formandos de turmas anteriores não tiveram o tão esperado desfile no final do curso, por conta da pandemia. Pensando nisso, foram abertas vagas para participação, nesta edição, dos alunos já formados que tinham interesse.

Um desses alunos foi o Pedro Café, criador da Marca (I)rreal, com Juselma e Gabriela. Na coleção desfilada a marca fez uma homenagem ao cantor Michael Jackson. As peças apresentaram algumas referências ao estilo do cantor, como o recorte das jaquetas, por exemplo.

 

“É a oportunidade de ouro. Era o meu sonho e vai ser agora.”  Pedro Café

 

Os estilistas também pensaram em uma moda sustentável. “Quisemos trazer algo mais de upcycling, de retalhos, tanto que uma das jaquetas foi feita com 13 calças velhas que estavam em casa.” confidenciou Pedro.

Encerramento

Ao longo do desfile tivemos marcas de vestuário, lingerie, acessórios, calçados e moda festa, que foi a responsável pelo fechamento do evento. O estilista e formando André Antunes, trouxe para passarela um pouco do seu trabalho que já executa. 

“Já tem seis anos que aprendi a costurar. Eu aprendi sozinho e a partir daí que fui buscar conhecimento. Aí eu procurei a Una e agora eu tô formando aqui.” contou André.

Na coleção apresentada por sua marca, que leva seu próprio nome, o estilista trouxe referências da mitologia grega. “A inspiração são as deusas do Olimpo. Como eu sempre gostei de mitologia grega, não podia deixar de colocar isso que acho que tem tudo a ver com a marca também.” explicou.

 

 

 

Foto: Ney Felipe

Alunos dos cursos de Moda, Jornalismo, Estética, Relações Públicas, Arquitetura e Urbanismo, Cinema e Audiovisual formaram equipe proativa na grande vitrine de moda do mercado mineiro

Por Eduarda Boaventura

A 18ª edição do UnaTrend, promovido pelo Centro Universitário Una, aconteceu dia 18 de dezembro, no Centro de Cultura e Inovação CentoeQuatro, em Belo Horizonte. Com o tema “Origem”, reuniu além de um grande desfile de moda, o contato direto de futuros profissionais com o mercado, por meio do evento.  A vista de tanto protagonismo jovem, foi fomentado a criação de networking, visão macro de atuação, experiências únicas e ampla formação dos estudantes.

Desde a recepção à cobertura jornalística, alunos da Una atuaram por todo Una Trend. Foto: Eduarda Boaventura
Desde a recepção à cobertura jornalística, alunos da Una atuaram por todo Una Trend. Foto: Eduarda Boaventura

A postura colaborativa entre universitários de diversas áreas, na cobertura do evento, possibilita uma experiência inédita em busca de conhecimentos para além da sala de aula. É o que explica Ney Felipe, líder do Núcleo de Jornalismo da Fábrica Una.“É bem necessário integrar os cursos, porque no mercado de trabalho o jornalista não vai fazer só o factual, em um evento assim, ele pode se descobrir em outra área. Por exemplo, o aluno entra na faculdade pensando em cobrir sobre esporte, mas se apaixona pelo evento de moda e segue esse ramo”, explica. Além disso, ele também comentou sobre as possibilidades que a nova grade da Una permite essa integração entre cursos.

Cobertura multidisciplinar 

Com a colaboração de diferentes áreas, os estudantes puderam ter um ‘gostinho’ de sua área de atuação. Uma oportunidade única de participar e poder colocar em prática tudo que aprendem dentro da sala de aula. Criando conexões e networking entre alunos e empresários, para que, futuramente, colegas de outros cursos possam auxiliar em suas respectivas áreas. Além disso, é o ensejo perfeito de apresentarem seus projetos ao público e criar portfólios, seja trabalhando na fotografia, impressa, maquiagem ou apoio.

Alunos de jornalismo durante a cobertura do Una Trend. Foto: Eduarda Boaventura

Já no 6° período, a aluna de Cinema Audiovisual, Ariadne Tannus, explica sobre participar pela terceira vez do UnaTrend. “Quem entra no Cinema já vem com uma expectativa de: vou trabalhar com cinema, mas não, quando descobre o mundo audiovisual, vê que tem um leque tão gigante”, pontua. E completou dizendo que a moda é para todos quanto o cinema também é. 

Por ser algo novo para os estudantes, ter o apoio da faculdade para se descobrir como profissional é fundamental. Sair da sua zona de conforto e poder experimentar o que ela proporciona para além dos muros acadêmicos é essencial. O UnaTrend consolidando a volta do evento na cidade, marca, mais uma vez, uma vivência ímpar para futuros profissionais, com um domínio maior do que o mercado de trabalho espera.