Authors Posts by editores contramao

editores contramao

781 POSTS 3 COMMENTS

O resultado das eleições municipais de 2016 surpreendeu a população belorizontina. No domingo, 02, os eleitores da capital mineira foram às urnas para elegerem o novo prefeito da cidade, bem como, os vereadores que irão compor a Câmara Municipal.

Com a apuração total das urnas, dos onze candidatos ao posto máximo do Poder Executivo de BH, dois deles irão disputar o segundo turno das eleições, Alexandre Kalil (PHS) e João Leite (PSDB).

Na Câmara Municipal de Vereadores, uma mudança significativa irá ocorrer a partir do ano de 2017. Até então, apenas uma mulher ocupava uma das 41 cadeiras na casa legislativa de BH, Elaine Matozinhos (PTB). Agora, serão 4 mulheres representando a população: Áurea Carolina (PSOL), Cida Falabella (PSOL), Nely do Valdivino (PMN) e Marilda Portela (PRB).

Além disso, houve uma renovação de 56% dos vereadores que irão conduzir os rumos legislativos da cidade. Dos 41 que ocupavam a casa, 38 deles tentaram a reeleição. Deste número, somente 18 conseguiram o feito.  

Crise política reflete nas urnas

Após um período de instabilidade política no país, o recente pleito eleitoral apresentou números que representam a desconfiança dos eleitores com os atuais políticos que já cumprem mandatos eletivos como também, àqueles que irão disputar suas cadeiras nas casas legislativas e executivas municipais.

Em Belo Horizonte, a soma das abstenções, votos nulos e brancos ultrapassaram os números totais recebidos pelos dois principais candidatos à prefeitura (710.797), contabilizando 741.915. Desses, 417.537 foram de abstenções, 215.633 votos nulos e 108.745 em brancos.

Nas ruas da cidade, as pessoas demonstram o descontentamento com o quadro que se apresentou nas eleições da cidade. Camile de Oliveira, 21, é estudante e comentou sobre o assunto, “Realmente esse ano as eleições me surpreenderam. Eu vi que o número de votos nulos e brancos superaram os votos tanto de João Leite quanto de Kalil o que é uma vergonha, mas também mostra que a população está sendo mais criteriosa.“.

Otávio Viggiano, 65, professor e jornalista acredita que a cidade poderá ganhar com a eleição do novo prefeito. “Conheço o Kalil e o João Leite há mais tempo, porque meu irmão trabalhava no Atlético. Conheci (os candidatos) fora da política e pelo o que eles faziam dentro do Atlético e, com a boa vontade que tinham para manter um bom time, vão poder usar isso para a política. Vai ser uma maravilha.”, relembrando os tempos em que os candidatos estavam envolvidos com um time de futebol.

O segundo turno das eleições municipais de Belo Horizonte será realizado no dia 30 de outubro. Até lá, os candidatos João Leite e Alexandre Kalil irão tentar costurar novas alianças e estratégias para conseguir atrair os votos, principalmente, daqueles eleitores que não votaram no primeiro turno.

“Não tenho grandes expectativas para o segundo turno mas espero que vença o que realmente vai fazer mais pela nossa cidade, que vai trabalhar de verdade, pensando que está ali fazendo um trabalho pela população e não por ele próprio.”, afirmou a professora e eleitora Jussara Borges.

Fotografia: Lucas D’Ambrosio

Reportagem: Gabriella Germana e Lucas D’Ambrosio

https://www.setembroamarelo.org.br/

A cada 40 segundos ocorre uma morte no mundo

No Brasil cerca de 25 pessoas se matam por dia, colocando o país em 8°no ranking de países com maior incidência de suicídios, ultrapassando o número de 12 mil casos por ano. O suicídio é um problema de saúde e causa, no mundo, uma morte a cada 40 segundos. Em 2012, a Organização Mundial de Saúde (OMS) registrou um crescimento de mais de 40% entre brasileiros de 15 a 29 anos, na capital mineira, o Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) do Ministério da Saúde em 2013, foram registrados na capital, 93 óbitos por lesões autoprovocadas.

Com os alarmantes números, em 2014, foi idealizada a campanha Setembro Amarelo pelo Centro de Valorização à Vida (CVV), juntamente com o Centro Federal de Medicina (CFM) e a Associação Brasileira de Psicologia (ABP) com a intenção de conscientizar e informar os meios de prevenção do suicídio.

O CVV é uma associação civil sem fins lucrativos, filantrópica e em 1973, foi reconhecida como de Utilidade Pública Federal, responsável pelo Programa CVV de Valorização da Vida e Prevenção ao suicídio.

A mobilização começou por meios de campanhas de conscientização da população, com palestras em universidades, hospitais, escolas e nas ruas. A campanha ganhou ainda mais visibilidade com a iluminação Cristo Redentor e também no Planalto de Brasília.

Foram criados pontos de apoio nas demais regiões do Brasil, são aproximadamente 2 mil voluntários em 18 postos, que oferecem apoio emocional às pessoas. Os contatos podem ser feitos pelo telefone 141 (24 horas), pessoalmente (nos postos de atendimento) ou pelo site www.cvv.org.br.

Reportagem: Gabriella Pimentel

Imagens: Amanda Eduarda

0 505
Imagem divulgação
  • Noite no Sertão

Data: 30.09.2016 – 19:00

Local: Centro Cultural Lindeia Regina (CCLR)

Encontro de violeiros e compositores de música sertaneja caipira de raiz.

https://www.bhfazcultura.pbh.gov.br/

Telefone: 31 3277-1515/3277-1547

Entrada Franca

  • Baile Black

Data: 30.09.2016 – 19:00

Local: Centro Cultural Vila Santa Rita (CCVSR)

O Centro Cultural Vila Santa Rita, realizará nesse mês de setembro o nosso primeiro Baile Black, evento que traz muita energia e animação.
Com a participação do grupo Face 3 DJ´s, Orquestras de DJ´s e muito mais.

https://www.bhfazcultura.pbh.gov.br/

Telefone: 31 3277-1519

Entrada Franca

  • Paulinho Pedra Azul – 35 anos de carreira

Data: 30.09.2016 – 21:00

Local: Cine Theatro Brasil Vallourec

Fazendo única apresentação com “VOZ & VIOLÃO” Paulinho Pedra Azul lança seu mais novo CD, intitulado “PAULINHO PEDRA AZUL, 35 anos de carreira”.
O grupo contará com um repertório autoral e releituras inéditas de grandes compositores do Rock Nacional e Internacional, buscando uma atmosfera de nostalgia. A noite será marcada com o lançamento oficial da música Paz Perdida, novo trabalho da banda.

https://cinetheatrobrasil.com.br/

Telefone: 31 3201-5211

  • Demônios da Garoa e Carolina Soares

Data: 30.09.2016 – 21:00

Local: Teatro Bradesco

O show “A Beleza do Samba” reunirá a banda Demônios da Garoa e a cantora Carolina Soares.
Nesse show, o Demônios da Garoa convida a cantora Carolina Soares que, por onde se apresenta, espalha de forma contagiante um jeito novo de interpretar o samba e outras vertentes da música popular brasileira.

https://teatrobradescobh.com.br/

Telefone: 31 3516-1360

  • Boulevard Fashion Design 2016

Data: 01.10.2016

Local: Boulevard Shopping

Boulevard Fashion Design – concurso que já virou tradição, é sucesso de público e respeitado no mundo da moda – já está com inscrições abertas para a versão 2016. A quarta edição do evento que revela jovens estilistas traz o tema “Muito Prazer, Eu” e os interessados devem apresentar coleções que representem seus próprios estilos de moda. As inscrições gratuitas podem ser feitas até o dia 04 de setembro no SAC do Boulevard, localizado no piso 2, durante o horário de funcionamento. A última etapa do concurso será um desfile com os 10 finalistas no dia 1º de outubro na Praça de Eventos do shopping. Os três primeiros colocados receberão prêmios de até R$5.000.

https://www.boulevardshopping.com.br/novo/?novidade=boulevard-fashion-design

Promoção/ Realização: Boulevard Shopping

  • Meu amigo Charlie Brown – Um musical da Broadway

Data: de 01.10.2016 até 02.10.2016

Local: Grande Teatro – Palácio das Artes

Os atores Tiago Abravanel e Leandro Luna protagonizam a montagem, que conta com participação de Mariana Elisabetsky, Paula Capovilla, Guilherme Magon e Mateus Ribeiro. O roteiro é baseado em uma das mais famosas histórias em quadrinhos, que encanta públicos de todas as idades desde 1950.
A peça remonta um dia normal no universo de Charlie Brown, misturando humor a uma delicada melancolia e promete cativar os espectadores com uma sensibilidade extraordinária.

Informações Adicionais:

Sábado às 19h, dom. às 18h.

https://fcs.mg.gov.br/

Telefone: 31 3236-7400

  • Circuito Comida de Rua

Data: de 01.10.2016 até 22.10.2016

Local: Rua Sapucaí, entre Ruas Tabaiares e Tabuias – Bairro Floresta,

Comer de pé, nas ruas, sem hora marcada e com qualidade, é uma tendência mundial que cresce, sobretudo nos grandes centros ao redor do mundo. A comida de rua está democratizando o acesso à boa refeição. Nesta pegada o Circuito Comida de Rua de Belo Horizonte quer revelar as práticas culinárias das ruas de BH, contribuir para a formação de público consumidor e fortalecer o movimento de comida de rua.

https://www.facebook.com/circuitocomidaderua

Telefone: 31 3491-5717

  • Outubro Rosa

Data: de 01.10.2016 até 31.10.2016

Local: Sesc Minas

O Sesc aderiu à campanha em 2012 como forma de trabalhar a orientação e prevenção do câncer de mama junto à população em geral, uma vez que esse tipo de câncer é o mais frequente no mundo e o mais comum entre as mulheres, correspondendo a 22% dos novos casos a cada ano. A boa notícia é: se detectada precocemente, as chances de cura para a doença são de 90%.

Por isso, na campanha deste ano, o alerta do Sesc é para a importância de se cuidar todos os dias. Nossa saúde pode depender só de uma atitude nossa: a escolha.

Informações Adicionais:

Local: conforme programação
Período de realização: conforme programação

https://www.sescmg.com.br/

Telefone: 31 3270-8100

  • Uma Tarde de Boteco

Data: 01.10.2016 – 16:00

Local: Alphaville – Lagoa dos Ingleses

Zezé di Camargo e Luciano se apresentam trazem nesse sábado alguns dos maiores sucessos de sua carreira. Colecionadores de prêmios desde o lançamento do primeiro álbum, que aconteceu em 1991, com o lançamento do hit “É o Amor”, a dupla comprovou que veio para ficar e se tornar uma das mais populares da música romântica sertaneja.

https://www.facebook.com/events/1589510361348381/

Telefone: 31 99999-2266

  • Ivo Meirelles

Data: 01.10.2016 – 18:00

Local: Quadra da Escola de Samba Cidade Jardim

A Quadra da Escola de Samba Cidade Jardim recebe Ivo Meirelles, Me beija que eu sou pagodeiro e bateria da Cidade Jardim para o Samba da Quadra – Festival Samba de Raiz.
Ivo Meirelles é o convidado especial das Delegas Samba Clube.

https://www.facebook.com/sambadaquadra/

Telefone: 31 98478-6645/99775-0127

  • Quarteto de Cordas “Auner Quartett”

Data: 02.10.2016 – 11:00

Local: Memorial Minas Gerais Vale

O quarteto de cordas Auner Quartett é composto por músicos de diferentes países e culturas: Daniel Auner (Áustria/Violino), Natalia Binkowska (Polônia/Viola), Konstantin Zelenin (Bielorrússia/Cello) e pela única brasileira, Barbara Galante (Violino). A diversidade dos integrantes influencia uma linguagem musical própria do grupo. Por meio do trabalho em conjunto com o professor Johannes Meissl e a Universidade de Música e Artes de Viena, os jovens músicos colocam em foco o som vienense.

https://www.memorialvale.com.br/

Telefone: 31 3308-4000

Entrada Franca

  • O que mora no escuro

Data: 02.10.2016 – 16:00

Local: Teatro Bradesco

Dois amigos, Nina e Theo se transformam em super-heróis para vencer seus próprios medos e conquistar seu campo de força. Nina é deficiente visual e conta com a ajuda de seu cão-guia e de seu amigo Theo para cumprir esta missão.

https://teatrobradescobh.com.br/

Telefone: 31 3516-1360

  • BiT – Projeto Pauta em Movimento

Data: 02.10.2016 – 19:00

Local: Sesc Palladium

Com BiT, Maguy Marin chega à sua 49ª criação. No centro dessa carga brutal contra a barbárie ordinária encontra-se a questão do ritmo, BiT se refere ao termo de informática que designa a unidade de medida de informação. Ao som de uma música techno exaltante, o conjunto do espetáculo é pleno de crueldade, no tocante à análise da sociedade contemporânea, na sombria constatação das dominações que se exercem tanto no plano íntimo como no social, levando a uma degradação da qual nós mesmos somos os agentes. BiT nos arrasta aos abismos de nossa humanidade e interroga nossas responsabilidades individuais em meio à tormenta do desfiar dos dias.

https://www.sescmg.com.br/

Telefone: 31 3270-8100

 

0 643

Evento começa hoje e vai até o dia 10/10 no CCBB

Espetáculos de dança contemporânea, dança de rua, cultura negra, Hip Hop, batalha entre linguagens múltiplas, espetáculo infantil e workshops compõe a programação do MID, Movimento Internacional de Dança, que começa nesta quinta-feira, 29, com espetáculos nacionais e internacionais de países como França, Itália, Espanha e Bélgica.

Ao todo, sete peças serão apresentadas ao longo dos 11 dias de mostra, sendo seis inéditas em Belo Horizonte. Anita Mathieu, Sérgio Maggio, Yara de Cunto e Gisella Rodrigues foram responsáveis por selecionar os espetáculos de dança contemporânea. De acordo com o criador e coordenador do MID, Sérgio Bacelar, os números foram escolhidos a partir da qualidade técnica e da capacidade de entreter públicos de faixas etárias distintas, com espetáculos para maiores de 12 anos e outros livres. As classificações etária e programação completa podem ser consultadas AQUI.

Além da troca de informações e aumento do repertório através da diversidade apresentada, outra proposta do MID é promover grupos locais. Em BH, os mineiros Rui Moreira e o coletivo de Hip-Hop, Família de Rua, participam do evento.

FAMÍLIA DE RUA

Neste final de semana, 01 e 02 de outubro, a Família de Rua participa da programação do MID com o projeto “FDR All Styles – Desafio na Pista”. Conforme o grupo informa em sua página no Facebook, o FDR é fruto do “Duelo de MC’s, que, ao lado do “Família de Rua Game of Skate”, ações que acontecem no Viaduto Santa Tereza desde 2007, são os principais projetos do grupo.

No CCBB, a partir da improvisação de movimentos ao som do DJ LB – que tocará diversos estilos musicais, “do baião ao rap”, como informa o EVENTO no Facebook – dançarinos e dançarinas de breaking, popping, locking, hip hop dance, house, vogue, dança contemporânea e outros estilos duelarão em uma grande celebração da cultura HIP HOP.

As batalhas serão julgadas por Priscila Patta, Lola Peroni e Eduardo Sô. A inscrição é gratuita e contemplará os 60 primeiros participantes que chegarem ao local. A premiação da batalha será de mil e quinhentos e reais. Mais informações AQUI.

O COLETIVO

Em 2016 a Família de rua completa nove anos de atuação nas ruas de BH. “O FDR All Styles” é apenas uma de suas ações. “A família de Rua é uma organização que acredita na essência da cultura e das manifestações artísticas urbanas. Para tanto, trabalha focada na promoção da cultura Hip Hop e do Skate em seus moldes originais, preservando a originalidade e a força presentes na arte e no estilo de vida daqueles que respiram a rua cotidianamente.”

WORKSHOPS

Além das apresentações, o MID contará com workshops destinados a estudantes de dança e dançarinos profissionais, ministrados pelo coreógrafo espanhol Albert Quesada e o bailarino moçambicano Idio Chicava. As inscrições devem ser feitas até amanhã, 30/09, pelo e-mail danca@alecrim.art.br. Os interessados devem encaminhar um parágrafo com demonstração de interesse em participar bem como o currículo.

Informações sobre o Workshop com Albert Quesada AQUI 
Informações sobre o Workshop com Idio Chicava AQUI 

Texto: Bruna Dias

 

Moradores de rosa Leão, da ocupação Izidora, na região norte da cidade de Belo Horizonte, se concentram para marcha. Ao todo, mil moradores atravessaram a cidade até o Tribunal de Justiça de Minas Gerais para acompanhar o julgamento que definiu o futuro da ocupação. Fotografia: Lucas D'Ambrosio

Após seis horas e quase 25 quilômetros percorridos em marcha, cerca de mil moradores da ocupação urbana Izidora atravessaram a cidade de Belo Horizonte em busca de justiça. A longa e exaustiva caminhada, na quarta-feira, 28, teve início na região norte da cidade, até chegar ao centro da capital. O destino: Palácio da Justiça, sede do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG).

Os moradores realizaram a marcha em forma de protesto e foram até as portas do tribunal, localizado na avenida Afonso Pena, acompanhar o julgamento que iria decidir os rumos jurídicos da ocupação. Iniciado às 13h30, o Pleno do TJMG, composto por 19 desembargadores, julgou o Mandado de Segurança impetrado pela defesa da Izidora, que tentava garantir a segurança, por meio de medidas conciliatórias, o despejo das famílias que moram na região.

Moradores da ocupação Izidora atravessam mata e estrada de terra para alcançarem o asfalto que leva até a Avenida Cristiano Machado. Fotografia: Lucas D'Ambrosio
Moradores da ocupação Izidora atravessam mata e estrada de terra que levam até o asfalto que dá acesso à avenida Cristiano Machado. Fotografia: Lucas D’Ambrosio

 

A marcha atravessou a cidade através da Avenida Cristiano Machado. Fotografia: Lucas D'Ambrosio
A marcha atravessou a cidade pela avenida Cristiano Machado, cruzando bairros da capital, Belo Horizonte, em direção ao centro. Fotografia: Lucas D’Ambrosio

 

As pessoas ali presentes, das crianças de colo até os mais idosos, estavam concentradas na porta do tribunal e se aglomeram em volta da escadaria. Correntes de oração e rostos apreensivos transformaram o semblante dos que estavam presentes, aguardando o resultado.

 

Cerca de 30 mil pessoas moram atualmente nas ocupações Rosa Leão, Vitória e Esperança, que integram a ocupação Izidora. Nas 8 mil famílias, cerca de 7 mil crianças também moram na região. Fotografia: Lucas D'Ambrosio
30 mil pessoas moram atualmente nas ocupações Rosa Leão, Vitória e Esperança, que integram a ocupação Izidora. Nas 8 mil famílias, cerca de 7 mil crianças também moram na região. Fotografia: Lucas D’Ambrosio

 

 

Enquanto aguardavam o anúncio do julgamento, moradores se posicionaram nas escadarias do Palácio da Justiça, sede do TJMG, na Avenida Afonso Pena, região central de Blo Horizonte. Fotografia: Lucas D'Ambrosio
Enquanto aguardavam o anúncio do julgamento, moradores se posicionaram nas escadarias do Palácio da Justiça, sede do TJMG, na Avenida Afonso Pena, região central de Belo Horizonte. Fotografia: Lucas D’Ambrosio

 

Depois de três horas de julgamento, por 18 votos a 1, ficou decidido o não acolhimento do mérito do referido mandado, autorizando a reintegração da posse. O anúncio da decisão foi realizado por meio de uma comissão de advogados que estava presente no julgamento e eram responsáveis pela defesa e representação dos interesses da ocupação.

Comovidos, os advogados se pronunciaram para os presentes, sobre futuros planos para tentar a reversão da decisão do TJMG no Superior Tribunal de Justiça (STJ), em Brasília. O recurso pretende suspender a ordem de reintegração da posse e do despejo das famílias, que pode acontecer a qualquer momento, após a publicação do recente julgamento.

 

Frei Gilvanderson Luís Moreira, ao lado da comissão de advogados que representou a ocupação no processo do TJMG, anuncia a decisão que autoriza a reintegração de posse da área ocupada pelas forças policiais. Fotografia: Lucas D'Ambrosio
Frei Gilvander Moreira, ao lado de advogados que representaram a ocupação no processo do TJMG, anuncia a decisão que autorizou a reintegração de posse da área ocupada pelas forças policiais. Fotografia: Lucas D’Ambrosio


Revolta instaurada

Durante todo o dia, os gritos entoados eram um só: direito à moradia. Nos últimos anos, a região em que está localizada a ocupação Izidora é objeto de disputa e especulação imobiliária envolvendo diferentes partes: Prefeitura de Belo Horizonte, Governo do Estado de Minas Gerais, Governo Federal, a empresa Granja Werneck SA, a construtora Direcional e os 30 mil moradores da região.

 

São cinco mil casas, gente! Aonde nós vamos enfiar toda essa gente? Maria da Silva, moradora da Izidora. "Eu vim a pé, carregando uma faixa! Nós não vamos aceitar!”. Fotografia: Lucas D'Ambrosio
“São cinco mil casas, gente! Aonde nós vamos enfiar toda essa gente?” Maria da Silva, moradora da Izidora.  Fotografia: Lucas D’Ambrosio

 

A Izidora – ocupação formada por outras três: Rosa Leão, Vitória e Conquista – está localizada na região norte de Belo Horizonte e abriga 30 mil pessoas distribuídas em 8 mil famílias. Uma característica que é defendida pelos moradores é a existência de casas construídas de alvenaria. Eles defendem que essas construções não sejam destruídas, pelo contrário, sejam aproveitadas em um plano de urbanização da região.

L.C, 17, é estudante e moradora da Rosa Leão, uma das três ocupações pertencentes à Izidora. Sob o sol quente, enquanto percorria a Avenida Cristiano Machado, L.C demonstrou os motivos que a levaram marchar até o centro da cidade, “Estou aqui lutando por uma moradia digna. Todo ser humano tem esse direito. É uma dignidade do ser humano. A maioria das pessoas acham que estamos parando a cidade por vandalismo, mas estamos fazendo isso por um bem e por um direito de todos nós”, afirmou a estudante que é moradora da Izidora.

Fotografia: Lucas D'Ambrosio
Fotografia: Lucas D’Ambrosio

 

Um dos representantes da ocupação, Frei Gilvander Moreira lamentou a decisão proferida pelo colegiado do TJMG, “Parece que querem fomentar uma guerra civil em Belo Horizonte. As ocupações estão em processo de consolidação e essa decisão do tribunal (TJMG) foi um absurdo. São 30 mil pessoas morando nas ocupações da Izidoro. Tem crianças, idosos, gente de todas as idades. Se a polícia for lá para fazer o despejo, essas pessoas não vão desistir de brigar pela moradia delas”, afirmou Moreira em coletiva de imprensa.

Déficit Habitacional

O conflito latifundiário e urbano da ocupação Izidora é considerado o maior da América Latina. Desde 2011, cerca de oito mil famílias ocupam a região do norte da cidade de Belo Horizonte, conhecida como “Mata do Isidoro”. Composta por três ocupações: Vitória, Conquista e Rosa Leão, a Izidora se tornou referência na luta pelo direito à moradia no Brasil.

 

As casas de alvenaria, construídas desde 2011, chamam a atenção na ocupação Rosa Leão, na Izidora. Cerca de 5 mil casas estão construídas em toda a ocupação, o que não justificaria a derrubada delas, de acordo com os moradores. Fotografia: Lucas D'Ambrosio.
As casas de alvenaria, construídas desde 2011, chamam a atenção na ocupação Rosa Leão, na Izidora. Cerca de 5 mil casas estão construídas em toda a ocupação. Os moradores acreditam que a derrubada delas para a construção de casas populares, seria injustificada. Fotografia: Lucas D’Ambrosio.

 

Garantido constitucionalmente, esse direito visa assegurar a moradia justa, digna e necessária para os brasileiros. De acordo com informações da Fundação Clóvis Salgado, nos anos de 2013 e 2014, o déficit habitacional por situação do domicílio e déficit habitacional relativo aos domicílios particulares permanentes e improvisados, da região metropolitana de Belo Horizonte, foi de 140.707 (2013) e 155.393 (2014) de unidades.

Minas Gerais é o segundo estado do Brasil com o maior déficit, sendo que no ano de 2013 o déficit habitacional no estado é de 493 mil unidades e em 2014, 529 mil. Esse déficit é apurado conforme a quantidade de unidades das moradias consideradas inadequadas. Este critério é determinado, por exemplo, se nas moradias existe água encanada, destinação adequada para o lixo, saneamento, forma de iluminação do domicílio, entre outros.  

Fotografias e Reportagem: Lucas D’Ambrosio

0 410

As criaturas em questão são rentáveis. E sim, digo no plural. Porque são inúmeras espécies que povoam nosso imaginário e essa verdade é notada quando você se depara com tantos filmes, jogos e séries. Claro que em cada uma dessas formas de entretenimento há aqueles que se superam e são considerados melhores, e há aqueles em que você se delicia apenas pelo motivo de a própria obra não se levar a sério, mas que cumpri perfeitamente o seu papel que é nos entreter. Mas você conhece o porquê de estarmos todos contaminados?

Apresentado em 1932 e dirigido por Victor Halperin, o clássico “Zumbi Branco” (White Zombie, no inglês) foi o primeiro filme a trazer os mortos-vivos a vida, trocadilhos a parte, a história apresenta o vilão Legendre (Bela Lugosi) que transforma pessoas saudáveis em trabalhadores zumbis.

Em 1968, surgi o diretor americano George Romero e com ele a repaginação desses monstros, em “A noite dos mortos-vivos” ele traz um conceito que serviria de base para o que vemos hoje nas telinhas, telonas e videogames: cadáveres em decomposição, andar arrastado (se você não estiver assistindo Guerra Mundial Z), grunhidos e cérebros como prato principal.

Chamado de pai dos zumbis modernos, Romero abriu espaço para as grandes produções ao longo dos anos. Lembra de “Thriller”? Esse é apenas um exemplo, curta-metragem em que Michael Jackson reinventa a forma de fazer videoclipes.

Uma coincidência? Tanto na obra de Romero como na série The Walking Dead os monstrinhos não são chamados de zumbis, o que nos leva a ter certeza de que os personagens não fazem ideia do que está acontecendo ao seu redor.

Abaixo algumas séries, filmes e jogos em que os zumbis são personagens principais e cada um com sua peculiaridade:

Por Ana Paula Tinoco