Authors Posts by editores contramao

editores contramao

946 POSTS 2 COMMENTS

0 63

Por Daniela Reis 

Esse ano completam-se duas décadas dos atentados terrotistas que derrubaram as torres gêmeas do complexo World Trade Center, em Nova York, causando a morte de cerca de 3 mil pessoas.

Os atentados foram cometidos por 12 homens da rede Al Qaeda, que desviaram quatro aviões comerciais para atirá-los contra os símbolos econômico, militar e político dos Estados Unidos.

Dois aviões foram lançados contra o World Trade Center e um terceiro contra o Pentágono, perto de Washington DC.

O quarto avião provavelmente tinha como alvo o Capitólio, sede do Congresso, ou a Casa Branca, mas após a intervenção dos passageiros, a aeronave acabou caindo na zona rural de Shanksville, na Pensilvânia.

As imagens da colisão das aeronaves nos grandes edifícios foram transmitidas ao vivo para todo mundo, sendo também um marco de cobertura da imprensa internacional.

Quem foram os autores do ataque?

O atentado de 11 de setembro foi realizado pela organização terrorista conhecida como Al-Qaeda. Essa organização surgiu no final da década de 1980, durante a Guerra do Afeganistão, e tinha em Osama bin Laden um de seus fundadores e seu líder.

Outro nome importante na organização do atentado foi o de Khalid Sheikh Mohammed. Ele é considerado o arquiteto do ataque e atualmente está preso à espera de julgamento pelo seu papel no 11 de setembro. Acredita-se que o julgamento de Khalid deverá acontecer em algum momento de 2021.

 

Motivações para o ataque

Podemos considerar que o grande motivo do ataque foi o extremismo de Bin Laden e sua organização. Esse extremismo considerava os Estados Unidos como um grande inimigo por causa da presença de tropas americanas no Oriente Médio. A relação de Osama Bin Laden com os Estados Unidos remonta à década de 1980.

No final da década de 1970, motivados pelo contexto da Guerra Fria, os americanos passaram a investir em forças de oposição no interior do Afeganistão. O objetivo era enfraquecer o governo comunista daquele país e forçar os soviéticos a intervir na situação (a ideia era fazer a União Soviética gastar recursos em uma guerra).

Os americanos passaram a apoiar grupos reacionários do interior do país, que passaram a receber dinheiro e armas dos EUA. Esses grupos, conhecidos como mujahidin, convocaram um jihad contra os soviéticos – depois que o Afeganistão foi invadido pela URSS – e começaram a defender ideias conservadoras, o que resultou em fundamentalismo islâmico. No curso da guerra, Osama Bin Laden foi convocado a aderir à guerra e, por isso, foi para o Afeganistão.

No final da década de 1980, Bin Laden resolveu estender sua luta contra os infiéis para fora do Afeganistão e, por isso, participou da criação da Al-Qaeda. Até aqui, a relação de Bin Laden com os americanos era ótima, mas veio a Guerra do Golfo e tudo mudou.

Em 1990, o Kuwait foi invadido pelo Iraque, e a família real kuwaitiana foi abrigada em Riad, capital da Arábia Saudita. A situação azedou as relações entre sauditas e iraquianos e colocou no ar a possibilidade de invasão do território saudita pelas tropas iraquianas. Bin Laden, aproveitando-se disso, ofertou ao governo saudita as suas tropas (da Al-Qaeda) para proteger o território da Arábia.

Os sauditas, por sua vez, recusaram o apoio de Bin Laden e aceitaram a ajuda dos norte-americanos. Bin Laden considerou isso uma grande ofensa, afirmando ser um sacrilégio o fato de “infiéis” estarem protegendo o solo sagrado da Arábia Saudita. Ele afirmava que o solo saudita estava sendo profanado. Assim, Bin Laden desenvolveu um ódio profundo pelos EUA.

Essa situação levou Bin Laden a ser expulso da Arábia Saudita e, por isso, refugiou-se no Sudão e, depois, no Afeganistão, local onde a Al-Qaeda organizou o ataque contra os Estados Unidos como forma de vingança.

Bin Laden, líder da Al-Qaeda

Consequências 

O atentado de 11 de setembro gerou uma grande comoção nos Estados Unidos, e a reação do governo norte-americano foi imediata. Em outubro de 2001, o exército americano iniciou a invasão do Afeganistão. O objetivo era derrubar o Talibã, o governo (também de orientação fundamentalista) que havia dado abrigo à Al-Qaeda.

A invasão realizada pelos americanos derrubou o Talibã, mas até hoje não normalizou a situação do país. Atualmente ainda existem combates no Afeganistão contra tropas do Talibã, que procura recuperar o poder. A consequência dessa invasão para o Afeganistão foi que, entre 2001 e 2016, só entre civis, cerca de 31 mil pessoas morreram.

No caso dos Estados Unidos, as normas de segurança de voos comerciais tornaram-se extremamente rígidas, e o país tomou medidas duras para combater o terrorismo. Por essa razão, foi criada uma lei chamada de Ato Patriota, que, posteriormente, foi substituída pelo USA Freedom Act.

Em 2 de maio de 2011, os Estados Unidos (EUA) anunciavam a morte do terrorista Osama Bin Laden. O ex-líder da rede terrorista Al-Qaeda foi morto durante uma operação realizada na cidade de Abbottabad, localizada próxima a Islamabad, capital do Paquistão.

A operação foi realizada sob sigilo pela tropa especializada da Marinha dos EUA. O local em que estava Bin Laden não tinha acessos de comunicação, como telefone e internet. Era uma casa maior que as demais da região, onde moravam mais de 20 pessoas.

A operação levou 40 minutos no total. E a tropa chegou ao lado de fora do complexo em dois helicópteros. Além de Bin Laden, uma mulher e três homens, incluindo um filho, são mortos. O corpo de Bin Laden é identificado por uma de suas esposas e por um teste de DNA. Osama Bin Laden foi sepultado no Mar Arábico, dentro de 24 horas, de acordo com a lei islâmica.

0 79

Por Bianca Morais 

No dia 12 de agosto foi inaugurado o primeiro Centro Médico Veterinário do município de Contagem, no Centro Universitário Una. O local é uma conquista para o curso de Medicina Veterinária, que já existe há quatro anos no campus localizado na região metropolitana de BH. 

Atualmente, com aproximadamente 500 alunos ingressos no curso, a primeira turma chega ao oitavo período de um total de dez, os alunos que antes contavam com os laboratórios e a fazenda escola para realizarem suas práticas, ganharam o Centro Médico Veterinário para somar em seu aprendizado, principalmente na prática de clínica de pequenos animais, conteúdo o qual eles só chegaram neste semestre.

“O Centro Médico Veterinário trouxe uma nova vida ao curso de Medicina Veterinária, com a oportunidade dos alunos acompanharem nas aulas e fora delas atendimentos clínicos e saírem do curso preparados para atuar na clínica de pequenos animais com teoria aliada a experiência prática. Todas as pessoas que vêm ao nosso Centro Médico ficam encantadas com a qualidade da estrutura e qualidade dos nossos profissionais”, conta Gabriel Costa, coordenador do curso.

Prefeita de Contagem, Marília Campos, inaugura Centro Veterinário na Una Contagem

A infraestrutura

O local conta com infraestrutura de última geração, três consultórios e um centro cirúrgico. Dois dos consultórios modelos com vidro reflexivo, onde o aluno pode ser monitorado pelo professor de fora do ambiente, uma sala de diagnóstico por imagem equipado com raio x computadorizado e aparelho de ultrassonografia.

A clínica ainda tem o setor de internação de animais, setor de cirurgia, com pré e pós operatório, sala de esterilização e paramentação e bloco cirúrgico amplo, com capacidade para múltiplas cirurgias simultâneas e transmissão ao vivo para uma televisão dentro do bloco. 

Por último, o Centro tem um setor de grandes animais com tronco de contenção, duas baias e 3 animais para atividades em aula (1 bovino, 1 caprino e 1 equino). 

“Hoje temos um cão que foi resgatado com cinomose, foi tratado e adotado pelo campus, temos uma égua e um bezerro que vieram de doação de fazendas parceiras e uma cabra que foi doada pelo UniBH, e estamos com um projeto em andamento para a construção de um aviário”, comenta o coordenador.

Bloco Cirúrgico – Centro Veterinário Una Contagem

 

Os atendimentos

O Centro Veterinário promete realizar cerca de 250 atendimentos por mês, em animais de grande e pequeno porte, dentro da iniciativa privada e através de cunho social. Inclusive, uma parceria foi realizada entre a Una e a prefeitura do município, onde irão dispor de uma cota mensal de consultas direcionadas a animais encaminhados por ela. 

No Centro serão realizados atendimentos e clínicas, cirurgia e internação de pequenos animais, para os grandes animais, o serviço pode ser realizado no setor próprio para eles, ou os alunos podem ir até o curral da prefeitura para realizar ações de atendimento. Dentro do CMV trabalham médicas veterinárias selecionadas por concurso, e também são oferecidos o serviço de atendimento com especialistas terceirizados.

“Nossas consultas são cobradas com valores comerciais. Entendemos que se fizermos procedimentos a baixo custo desestabilizamos o mercado e competiremos com os nossos alunos quando formarem, prejudicando o futuro profissional deles. Queremos competir com qualidade, não com preço”, esclarece o coordenador.

O CMV funcionará para atendimento externo de segunda à sexta, das 13h às 18h, e em dias esporádicos das 18 às 21h com marcação de consultas e cirurgias pelo link: http://Bit.ly/2UfdCOc.

Segundo o coordenador, existe uma expectativa para ampliar o horário de atendimento nos próximos meses, tornando o atendimento 24h com a possibilidade de plantões e atividades noturnas.

 

A conquista do Centro Médico Veterinário

O Centro Médico Veterinário é uma grande conquista do curso de Medicina Veterinária, para os alunos ele representa a possibilidade de poder fazer estágios e praticar o que aprenderam na teoria dentro da própria instituição, sem precisar se deslocar para outros locais.

“A sensação é de dever cumprido e satisfação por ter a certeza de estar fazendo o melhor para nossos alunos, contribuindo para a melhor oportunidade de capacitação, aprendizado e poder contribuir com a comunidade com nossas ações sociais”, conclui o coordenador. 

Animal utilizado para aprendizagem dos alunos

Prestígio aos alunos

Na inauguração do Centro Médico Veterinário, uma placa foi posta com o nome de todos os discentes e docentes, como uma forma de homenageá-los por terem acreditado na Una para sua formação superior. 

Ana Clara, é aluna do 6º período do curso, e para ela que pretende seguir a área de medicina felina, o Centro apareceu na melhor hora para que ela possa adquirir experiências com as práticas.

“Acredito que vai me ajudar muito, pois vou conseguir adquirir mais experiência e ainda pode me dar oportunidade de conhecer mais profissionais nessa área de atuação”, compartilha Ana.

Já para Davidson, aluno do 3º período e que deseja ingressar na área de dermatologia, oftalmologia e cirurgia, o Centro é essencial, é o lugar onde ele irá exercitar na prática aquilo que aprende na teoria.

“Ele vai servir como centro de treinamento pré-clínico, é nele que eu vou aprender e praticar as técnicas da medicina veterinária, posso aprender puncionar uma veia, fazer um exame radiográfico, um diagnóstico de imagem e clínico, além de treinar rotina hospitalar, ele é importante para nos ajudar nesses pontos essenciais para a nossa prática”, diz o estudante.

Davidson ainda ressalta que o Centro Médico Veterinário da Una é a única unidade hospitalar vinculada a uma Universidade na região de Contagem e entorno, o que possibilita aos discentes um grande acesso a uma variada gama de casos clínicos e um contato mais próximo com a realidade do local.

Para o aluno que está no terceiro período e tem muito a desenvolver dentro do curso e do centro, a esperança de poder exercer seu estágio supervisionado com os professores, explorar as diversas oportunidades que ele tem a oferecer, farão dele um excelente profissional no futuro.

lunos do curso de Veterinária com a prefeita de Contagem, Marília Campos

Por Bianca Morais 

O Centro Universitário Una sempre foi palco para palestras e bate-papos com temas de suma importância, buscando levar aos alunos um pensamento crítico, muito além do aprendizado tradicional.

Em 2019, na cidade de Brumadinho (MG), aconteceu uma das maiores tragédias ambientais que já se viu em toda a história: o rompimento da barragem da Mina Córrego do Feijão. O desastre chocou o mundo e ocasionou a morte de 271 pessoas, incluindo 9 desaparecidos e a devastação do rio Paraopeba e de todo o ecossistema a sua volta. 

Durante aquele primeiro semestre de 2019, a Una promoveu diversas discussões sobre o assunto, inclusive, foram realizados diversos projetos interdisciplinares envolvendo diferentes cursos. 

 

Os eventos do curso de jornalismo

O curso de jornalismo, no período coordenado pela professora Márcia Maria Cruz, realizou grandes iniciativas. Segundo a jornalista, que acompanhou de perto ação da imprensa frente o rompimento da barragem de Brumadinho,  essa foi uma das principais coberturas jornalísticas do Brasil, comparável até ao 11 de Setembro nos Estados Unidos, em termos mundiais, com desdobramentos gigantescos.

“Em função disso, eu considerei que era importante fazer uma reflexão sobre a cobertura convidando jornalistas que participaram dela e docentes do nosso curso que pudessem fazer uma discussão sobre esse processo para os alunos”, conta ela. 

Na época, o Jornal Contramão ficou responsável pela parte da produção executiva do evento, com objetivo de fazer uma conexão entre a academia e o mercado de trabalho, os profissionais que atuam nas redações e que fazem a cobertura jornalística no dia a dia.  

A organização trouxe ao Contramão uma importante visibilidade.Os debates contaram com um público bem expressivo, alunos da Una e de várias outras instituições, interessados em cursar o curso de Jornalismo, além da presença de diretores de redação de vários jornais, como por exemplo, o diretor de redação do Jornal Estado de Minas, Carlos Marcelo de Carvalho, representantes de outros veículos, como da rádio CBN, Itatiaia, todos para assistirem ao debate. 

“Foi um grande encontro com a presença de estudantes, professores e profissionais de jornalismo, tanto os que foram convidados a fim de compor as mesas e os debates como os que foram com intuito de assistir. Esses encontros são extremamente ricos e importantes tanto para a formação dos nossos alunos, como também para os jornalistas profissionais que têm esse tipo espaço como uma possibilidade de refletir sobre o trabalho que eles realizam no cotidiano”, comenta Márcia.

 

A mostra de fotografias

Inicialmente, foi elaborada uma mostra onde foram apresentadas 30 capas e 20 fotos produzidas por profissionais de diferentes veículos de comunicação de Minas durante a cobertura da tragédia.

Com grande repercussão, a curadoria da exposição ficou a cargo dos professores: Aurélio Silva, Magda Santiago, Leonardo Drummond Vilaça, e o jornalista do Estado de Minas, Fred Bottrel, que foi um dos autores da reportagem em 360 graus realizada em Brumadinho, uma verdadeira inovação na cobertura jornalística. A expografia foi produzida pela professora dos cursos de Arquitetura e Urbanismo e Design de Interiores, Janaína Scaramussa, e a montagem pelos alunos do curso.

As imagens presentes na mostra eram de uma autenticidade fora do comum, realistas e mostravam a verdade, mesmo que chocante daquela calamidade. Aquelas fotos precisavam ser expostas, vistas e provocar atenção, com intuito que a morte de centenas de pessoas não passasse em vão, para que o público cobrasse respostas e que as vidas perdidas não caíssem no esquecimento.

A professora Maria Magda compartilha que participar da curadoria da exposição sobre a tragédia de Brumadinho foi um trabalho em que ela precisou olhar de frente o aniquilamento humano e a dor das pessoas. 

“Olhar, sem poder desviar a vista, para a destruição ambiental, o martírio do rio, a agonia dos animais. Ainda sem fôlego, ver a exaustão e o assombro nas expressões dos bombeiros e voluntários”, conta ela.

Para ela era difícil incluir, naquela contemplação angustiante, a observação da linguagem fotográfica, o “ver” de cada fotógrafo, as questões de enquadramento, o trabalho com a luz. 

“O sofrimento exposto nas imagens fazia com que tudo ficasse pequeno – problemas ínfimos, preocupações tolas, chateações fúteis, só pensava que essa exposição poderia ajudar a sensibilizar a comunidade, os nossos alunos, a aumentar as doações. Mas não dava para fugir da consciência do que é perdido, daquele desamparo na paisagem de lama. Por mais ajuda que tivesse, o que olhávamos era irreversível”, conclui a curadora. 

Entre as fotografias expostas apareceram as dos fotógrafos Alex De Jesus, Alexandre Guzanshe, Cristiane Mattos, Douglas Magno, Flávio Tavares, Gladyston Rodrigues, Isis Medeiros, Lucas Prates, Moisés Silva e Uarlen Valério. A reportagem 360 de Fred Bottrel e Renan Damasceno. A primeira página dos jornais Estado de Minas, O Tempo, Hoje em Dia, Super Notícias e Metro BH.

 

As mesas de debate

Além da exposição, também foram organizadas mesas de debates com o tema: “Desafio da reportagem: Cobertura Jornalística de Tragédias”. O bate papo foi dividido em dois momentos, um primeiro com “A produção de imagens em tragédias”, onde foram convidados para contar suas experiências os jornalistas Daniel de Cerqueira (O Tempo), Carlos Eduardo Alvim (Globo Minas), Gladyston Rodrigues (Estado de Minas) e Isis Medeiros (jornalista independente).

Na sequência, era a vez das “Narrativas da Tragédia”, que trouxe Edilene Lopes (Rádio Itatiaia), Márcia Maria Cruz (Estado de Minas) e Pedro Aihara, tenente do corpo de bombeiros de Minas Gerais.

Os convidados que participaram dos debates foram escolhidos de forma que fosse possível uma ampla representação dos veículos que fizeram a cobertura, dessa maneira estiveram presentes repórteres e jornalistas de várias mídias, de jornal impresso, portal, televisão e rádio. 

 

A relevância do evento para o jornalismo mineiro

Todos os eventos contaram com participação massiva dos alunos da instituição, principalmente, do curso de Jornalismo. Com a tragédia ainda fresca na memória de todos, era impossível não prestar atenção a cada fala e depoimento.

O evento foi sem dúvidas um dos maiores realizados em Minas Gerais para tratar da cobertura jornalística de uma tragédia, o assunto é de grande importância, sobretudo com a dimensão que foi o rompimento da barragem da Vale, todas as implicações das vidas perdidas, da destruição ambiental, os danos ao turismo danos e aos rios e bacias hidrográficas, dos pagamentos à comunidades, entre outros.

“E como o jornalismo faz a cobertura de um acontecimento desta dimensão, é fundamental trazer isso à formação de futuros jornalistas, ao curso de jornalismo é importante porque permite mostrar qual é a preocupação e qual é o entendimento que o curso tem com relação ao jornalismo, o que se considera como prioridade”, comenta a professora.

A exposição e as mesas de discussões tiveram grande repercussão e reconhecimento dentro da imprensa mineira, sendo anunciado por diversos veículos, com matérias publicadas falando tanto da programação dos debates como da exposição que foi realizada.

“Entendo que acontecimentos dessa natureza tem uma contribuição para qualificar a cobertura jornalística, para fazer com que ela seja pensada, refletida, e que com isso, possam ganhar em termos técnicos e éticos, termos de tratar um tema de tamanho interesse público”, conclui Márcia. 

0 36

Por Daniela Reis 

No domingo, dia 02 de setembro de 2018, o Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro foi consumido pelas chamas de um grande incêndio. Após muitas suspeitas e investigações, o inquérito concluiu que o fogo teve início em um aparelho de ar condicionado no Auditório Roquette Pinto, no primeiro andar, bem próximo à entrada principal do museu.

Localizado no Rio de Janeiro, o museu é a instituição científica mais antiga do país e uma das mais importantes do mundo. Foi fundado pelo rei Dom João VI em 1818, e seu primeiro acervo surgiu a partir de doações da Família Imperial e de colecionares particulares. Ele tinha o maior acervo da história natural da América Latina, com 20 milhões de itens, um valor incalculável e nunca mais poderá ser visto pessoalmente.

Sobre o museu

O Museu Nacional é a instituição matriz da ciência no Brasil e representava os avanços científicos, o conhecimento e a riqueza cultura do país e do mundo. Com mais de 20 milhões de itens, o museu era especializado nos estudos de paleontologia, antropologia, geologia, zoologia, arqueologia e etnologia biológica.

A instituição tinha uma das mais completas coleções de fósseis de dinossauros do mundo, múmias andinas e egípicias e artefatos importantes da arqueologia brasileira. Outra perda foi a biblioteca Francisco Keller, com um amplo acervo de 537 mil livros. O único objeto que resistiu às altas temperaturas foi o Meteorito Bendegó, que ficou intacto em meio aos escombros do edifício.

O edifício também foi palco de importantes acontecimentos históricos. O museu ocupa um prédio histórico na Quinta da Boa Vista, zona norte do Rio de Janeiro. O palácio foi doado por um comerciante e depois se tornou a residência oficial da família real no Brasil, entre 1816 e 1821. Foi nesse palácio que a princesa Leopoldina (esposa de Dom Pedro I) assinou a Declaração de Independência do Brasil (1822) e foi realizada a primeira Assembleia Constituinte (1824), para elaborar a primeira Constituição brasileira.

A seção de Paleontologia exibia os fósseis e a réplica do Maxakalisaurs topai, o maior dinossauro já montado no país. Tratava-se de um animal herbívoro com cerca de 13 metros de comprimento e 9 toneladas. Em outra sala ficava Luzia, nome dado ao fóssil humano mais antigo encontrado nas Américas, com cerca de 11 mil anos. Sua descoberta é um marco da ciência e ajuda a remontar a história da humanidade. Luzia também representava a “brasileira” mais antiga do nosso território.

A seção de Antropologia era riquíssima, com mais de 40 mil objetos. Representando mais de 300 povos indígenas, o acervo trazia artefatos que remontam ao século 19.  O incêndio destruiu toda a coleção de etnologia indígena exposta, inclusive de vários povos desaparecidos. Na parte regional, o museu trazia um acervo de Folclore e Cultura Popular, que representava os diversos tipos humanos do Brasil como a vida sertaneja, objetos dos pampas gaúchos, objetos musicais tradicionais, remos de ribeirinhos e rendas do Nordeste.

O acervo de Botânica também se perdeu. Em 1831, o botânico alemão Ludwig Riedel criou o Herbário do Museu Nacional, o primeiro do país. Ela guardava vários exemplares da flora brasileira, coletados em expedições científicas de naturalistas daquele século. O herbário do museu chegou a ter 550 mil espécimes de todos os biomas brasileiros, que refletiam a riqueza da fauna e flora brasileira. Muitas espécies estão extintas.

Além disso, contava com acervo egípicio e africano, ou seja, o que se queimou ali jamais será recuperado.

Tragédia anunciada 

O que aconteceu poderia ter sido evitado, mas a falta de investimento e má gestão, fez com que parte da nossa história virasse cinza. Além de problemas na estrutura, o edifício histórico não tinha um plano de proteção e combate a incêndios, o que o deixava em situação irregular. Os bombeiros relatam que na hora do fogo, os hidrantes estavam descarregados. Boa parte da estrutura do prédio era de madeira, e o acervo tinha muito material inflamável – o que fez o fogo se espalhar rapidamente.

Em 2018, o museu não recebeu integralmente a verba de R$ 520 mil por ano para sua manutenção cotidiana. Segundo o reitor, em 2015 foi apresentado um projeto do BNDES para instalação de um novo sistema de prevenção de incêndios, mas o dinheiro atrasou e só foi liberado após a tragédia.

 

0 74

Por Bianca Morais 

Todos que pretendem ingressar no mercado, idealizam trabalhar em um local onde encontrem um ambiente de trabalho justo, agradável e que valorize seu colaborador, com uma boa e humanizada gestão de pessoas e oportunidades de se desenvolver e crescer internamente. 

Em uma empresa que busca se destacar no mercado, ter o apoio de indicadores, como o de satisfação dos funcionários é essencial. Aquele que está feliz com o seu trabalho certamente indicará sua companhia para outras pessoas, falando bem de onde trabalha e, ainda por cima, prestando um serviço de qualidade.

O ENPS

Sendo assim, o Centro Universitário Una, conta hoje com o ENPS (Employee Net Promoter Score), uma ferramenta que classifica a empresa como um bom local de trabalho, além de avaliar a liderança do grupo e a visão de toda equipe.

A iniciativa de implementar o ENPS na Una foi tomada pela Vice-presidência de Gente, Cultura e Gestão da Anima Educação, aplicado em outubro de 2020, com seus primeiros resultados divulgados em março de 2021.

Segundo Sarah de Faria Pimenta, uma das responsáveis pela implantação, foi estabelecido um cronograma considerando de 3 a 4 ciclos de aplicação do ano, a continuidade do programa em 2021 ainda está sendo avaliada.

“O projeto está em revisão, porém o planejado inicialmente é que ocorram em 2 ciclos de aplicação em 2021”, completa.

A métrica do ENPS é baseada na do NPS (Net Promoter Score), aquela usada pelo Marketing para medir a satisfação dos clientes, dessa forma, adaptou-se com objetivo de descobrir a satisfação do interno, ajudando a identificar os acertos e erros que cometem e buscando sempre melhorias. 

Em geral, o ENPS é composto por duas perguntas, sendo:

 

1) Em uma escala de 0 a 10, qual a probabilidade de você recomendar a empresa como uma boa empresa para se trabalhar? (Pergunta fechada de escala de 0 a 10)

2) Justifique a sua resposta anterior. (Pergunta aberta de texto)

 

Dentro da metodologia, os funcionários são divididos em três tipos: 

 

  •       Detratores (nota 0-6): Podem influenciar negativamente a satisfação de outros colaboradores, a marca empregadora e a experiência do clientes;
  •       Neutros (nota 7-8): Não estão investidos emocionalmente no trabalho, mas também não estão ativamente engajados;
  •       Promotores (nota 9-10): São leais à empresa, influenciando positivamente outros colaboradores e fortalecendo o Employer Branding.

 

O score do ENPS é calculado a partir da subtração entre a porcentagem de Promotores e a porcentagem de Detratores. 

ENPS= % Promotores – % Detratores 

Por serem considerados neutros, quem responde 7 e 8 não são incluídos no cálculo final. Um bom ENPS é aquele que classifica sua nota dentro das Zonas de Qualidade. No Brasil, de forma ampla, consideramos que:

Zona crítica: abaixo de +10

Zona positiva: entre +10 e +50

Zona excelente: acima de +50

“No ciclo de 2020 utilizamos o formulário de aplicação em sistema interno para acesso de todos os colaboradores, nesse primeiro ciclo, nosso resultado (seguindo score e zonas) foi de 83%, os aspectos melhores avaliados foram: Valores/Propósito;  Oportunidade de crescimento e Clima organizacional”, explica Sarah.

A pesquisa é sigilosa, por tanto as tratativas passam por planos de ação com cada escola e vice-presidência com intuito de reforçar as práticas e trazer alternativas de melhorias, dessa forma ninguém precisa se sentir inseguro, metodologias como essas funcionam exatamente para proporcionar um ambiente de qualidade.

Desde a implementação, o ENPS tem recebido um retorno positivo, foram realizadas divulgações e planos de ação por escolas da Anima, sendo assim, todos os gestores tiveram acesso aos resultados para proposta de plano de ação.

Os principais benefícios do ENPS são:

  •     Avaliar satisfação, lealdade e incômodos dos colaboradores;
  •     Rápido e simples (composto por apenas 2 perguntas), pode ser aplicado em maior frequência;
  •     Não gera expectativas em relação a planos de ação específicos;
  •     Abordagem quantitativa (score) e qualitativa (por meio de comentários abertos).

Proporciona:

  •     Agilidade das ações –  Avaliação curta e rápida que traz insights instantâneos, podendo rapidamente se transformarem em planos de ação. Essa praticidade e agilidade permitem a coleta frequente de feedback sobre a experiência para conseguir trabalhar melhorias contínuas.
  •     ‍Anonimato dos colaboradores –  Pode (e deve) acontecer de maneira anônima. Desse modo, além de preservar o colaborador, é criado condições para feedbacks sinceros e maior abertura por parte do colaborador.
  •     ‍Auxilia na tomada de decisão – Os resultados mostram rapidamente onde está o problema, criando senso de urgência nas iniciativas. ‍
  •     Empoderamento das pessoas –  Oferece ao RH um bom entendimento dos sentimentos e percepções dos colaboradores, além de canal de acolhimento e escuta dos colaboradores.

Antes já éramos avaliados pelo GPTW

É buscando sempre excelência de mercado, que o Centro Universitário Una, foi durante anos classificado pelo selo GPTW, como um dos melhores lugares para se trabalhar. Em 2012, o Centro Universitário Una foi a primeira instituição de ensino superior brasileira a ser eleita pelo GPTW, no último ano, ela ganhou em 3º lugar no ranking das Melhores Empresas para Trabalhar em Minas Gerais.

Mas o que é o GPTW?

O GPTW foi idealizado por um jornalista, Robert Levering, que sempre esteve muito ligado a questões de trabalho e conflitos trabalhistas. Na época, Levering, foi convidado para escrever um livro sobre as melhores empresas para se trabalhar nos Estados Unidos, convite ao qual recusou, pois segundo ele, era impossível encontrar uma boa empresa para se trabalhar no ponto de vista dos funcionários, o jornalista inclusive sugeriu escrever sobre as piores, mas essa ideia foi cancelada pela editora.

Por fim, Robert aceitou escrever o livro, mas como bom jornalista, foi entrevistar trabalhadores de forma confidencial. Durante sua trajetória, encontrou muitos que detestavam suas empresas, em contrapartida, para sua surpresa, descobriu muitos felizes dentro de seu ambiente de trabalho. 

A descoberta levou a criação do Great Place to Work, ele se aprofundou melhor no assunto, descobriu excelentes empresas para se trabalhar e passou a prestar consultorias para aquelas que não se encaixavam no perfil, mas poderiam se tornar com dedicação. A instituição do jornalista foi a primeira a conduzir essa pesquisa mundial sobre o tema.

Atualmente o GPTW, reconhece anualmente, as melhores empresas para se trabalhar no mundo, em âmbito nacional, a avaliação é feita através de seus funcionários, não existem pré requisitos para se inscrever no programa, apenas a vontade da empresa em se tornar cada dia melhor. O ranking, divulgado pela Época Negócios, apresenta as seguintes categorias:

  • Multinacional (Médio Porte);
  • Nacional (Grande, médio, pequeno porte);
  • Regional (Estadual);
  • Setorial (Setor de atuação da empresa);
  • Temático (LGBT+, Étnico Racial, Gênero);

Os diagnósticos são feitos online, de forma confidencial, e avaliam diversos aspectos como, clima organizacional, infraestrutura, transparência na gestão, entre outros, por isso, o clima empresarial influencia diretamente no resultado, funcionários motivados entregam melhores números, e é com muito orgulho que o Centro Universitário Una, com seus 60 anos de eficiência, estampa anos consecutivos sendo reconhecido. 

Com a palavra, os funcionários

Jeferson Silva Chaves, líder Infraestrutura dos campus Aimores, Liberdade e João Pinheiro II

“Trabalhar na Una para mim é prazeroso, eu acordo e não tenho aquele medo da segunda-feira como todo mundo tem, ‘ah eu tenho que trabalhar’, eu não tenho isso, eu tenho prazer de ver as pessoas que trabalham aqui.

Entrar na Una para mim foi um divisor de águas muito grande, como eu vim do interior, uma cidadezinha de 4 mil habitantes, muito pequena do interior da Bahia, a questão da mudança foi muito importante, porque quando eu comecei a trabalhar na Una eu vi as mudanças acontecendo na minha vida.

Eu vim da limpeza, depois portaria, biblioteca, estou em uma liderança hoje, e essas inovações essas mudanças, para um cara que saiu com 16 anos de sua terra, me trouxe muito.

E assim trabalhar na Una para mim é demais, entender como funciona cada processo, e mudança que ela proporciona no nosso dia-dia. Ver a instituição, o tamanho que ela é agora é uma coisa absurda, e fazer parte disso é incrível, eu costumo dizer que eu não visto a camisa da empresa, eu participo dos negócios da empresa, eu me sinto assim”.

 

Maria Isabel Bernardes Câmara, líder de relacionamento da Central de Atendimento ao Candidato

Na Una eu cresci como pessoa e profissional, tive de aprender com todes que passaram pelo meu caminho, me apaixonei pela área de atendimento e tive muitas oportunidades de crescer dentro da empresa. 

Aqui eu descobri minha vocação para Relações Públicas, cuidei de eventos, me tornei Analista Júnior e hoje estou líder de relacionamento na CAC da Cidade Universitária. A responsabilidade é grande e o amor pelo que faço, maior ainda.

Na posição que estou hoje, tenho a chance de participar desde o começo da trajetória de nossos calouros e sei que eu e meu time contribuímos para a realização de sonhos desde a porta de entrada da nossa Instituição. Poder contribuir no desenvolvimento e potencialização das habilidades humanas e técnicas de cada um, me faz ter a certeza de que estou na empresa certa: afinal, aqui a gente se prepara para a vida e para o trabalho.

0 64

Por Italo Charles (especial para Contramão)

Escrever histórias, narrar acontecimentos e acompanhar as transformações do mundo, mantendo o compromisso com a verdade faz parte do dia a dia dos profissionais jornalistas. Ao longo das últimas décadas a comunicação passou por vários processos de adaptação devido a evolução tecnológica e a partir de então as mídias tiveram que se reinventar e adequar seus conteúdos para novos formatos.

Durante esse período, instituições de ensino superior e grandes universidades também moldaram os seus cursos de jornalismo para atenderem a nova era, a digital.  Em 2007, logo após o curso de jornalismo, do Centro Universitário Una, ser transferido do antigo campus do bairro Buritis para o atual campus Praça da Liberdade, o jornal laboratório Contramão foi criado. 

Contramão, de acordo com o dicionário significa ‘do lado contrário’, mas para a história do curso de jornalismo da Liberdade – como é chamado o campus atualmente -, significa contrapor-se aos veículos tradicionais de comunicação.

Ao longo dos quase 15 anos de vida, o Jornal Contramão acompanhou a evolução dos canais digitais e ganhou grande repercussão ao dar furos de notícias e competir com grandes veículos da capital mineira.

Nesse período vários estudantes, estagiários, professores e coordenadores contribuíram para o crescimento e fortalecimento do Jornal que cumpre sua função de transmitir a informação, e entregar conteúdos de qualidade para o público que acompanha.

 

Primeiros passos

Natália Oliveira

“Eu entrei no Contramão logo no início dele, pouco depois da mudança do campus do Buritis para a Praça da Liberdade. Nesse período éramos eu e mais um estagiário e o Reynaldo Maximiano como coordenador e o professor Aurélio Silva.

O tempo que estive lá, considero como uma grande experiência de vida. Foi lá que eu aprendi como era fazer jornalismo na prática. Nessa época o jornal era como se fosse local, produzíamos reportagens com os recortes voltados para cidade de BH. Escrevíamos um pouco sobre tudo, como cultura, cidades, economia, esporte e muito mais.  

Me lembro que eu gostava muito de escrever sobre personagem. Uma vez, produzi uma matéria com um pipoqueiro, contando a história dele. Pra mim o Contramão foi uma escola, eu aprendi um pouco sobre edição de vídeos, fiz podcast, lá eu realmente aprendi a fazer jornalismo”. 

Natália Oliveira, jornalista.

 

 

Escrita Afetuosa

Débora Gomes

“Em 2010 eu fui estagiária do jornal laboratório. Como foi meu primeiro estágio, foi também minha primeira experiência com o jornalismo. E é bem diferente daquilo que a gente imagina, né? Era desafiador produzir um jornal impresso inteiro e ter sempre assuntos legais para as coberturas hiperlocais. Penso que os desafios andam do lado dos aprendizados. E no Contramão eu tive a oportunidade de aprender (errando) um pouco de tudo: aprimorar a escrita, perguntas certas para entrevistas, diagramar o jornal impresso (eu adorava!). Foi um período muito feliz da minha vida. 

Cada dia era um aprendizado novo. Então, cada experiência me marcou de um jeito. Eu adorava sair pra fazer as coberturas hiperlocais. E gostava de conhecer novas pessoas/personagens pras matérias. Sempre gostei de ouvir histórias, sabe? Então essas duas possibilidades me encantavam. Mas acho que o mais legal foi quando o jornal me enviou para cobrir uma edição do Festival de Cinema de Tiradentes. Viajamos de ônibus, ficamos em uma pousada linda, com um café da manhã delicioso! rsrs. E fiz várias fotografias, conversei e estive bem pertinho de artistas, fizemos várias matérias especiais pro jornal on-line. Foi uma experiência muito bonita. 

O Contramão foi minha oportunidade de colocar em prática algumas coisas que eu via em sala de aula. Então, certamente isso foi importante para que eu conduzisse toda a graduação de uma forma mais completa, sabe? Nem só com teorias. Hoje trabalho com escrita. E muito da visão que tenho e da forma como conduzo as palavras, veio da liberdade que a gente tinha pra produzir no Contramão. A Escrita Afetuosa que me acompanha hoje, certamente veio um pouco das chances que tive de colocar minhas ideias e vê-las acolhidas pelo Reynaldo, que era o coordenador na minha época. Ele foi um grande incentivador da minha escrita. E aprendi ali o quanto a escrita é infinita. Já na vida pessoal, acho que os amigos que fiz lá vão ser sempre minha maior referência. Alguns seguem comigo até hoje”.

Débora Gomes, jornalista e escritora.

 

Manifestações e coberturas bombásticas

Elias Santos

 

“Eu cheguei na Una em 2013, e o que me chamou muita atenção foi uma série de reportagens sobre as manifestações e ocupação das ruas de Belo Horizonte, aquela coisa que até hoje a gente não consegue entender muito bem. Lembro que a Praça da Liberdade e as ruas foram invadidas pelos manifestantes. Então o que eu senti ali naquele momento foi um espírito de liberdade.

Quando tivemos a Copa das Confederações e a Copa do Mundo, em vários momentos Contramão se contrapôs a  isso, questionando se realmente era importante. Eu lembro muito disso, eu achei muito bacana a movimentação e a audácia do jornal nesse período”.

Elias Santos, professor.

Minha Carreira Jornalística

Moisés Martins

“Entrei no Contramão no segundo período de faculdade, com pouca experiência na área. Desde o início comecei a dar o meu melhor, produzindo matérias, realizando a cobertura dos eventos para procurar ser destaque no que eu fazia.  Permaneci por dois anos no jornal e foram os melhores anos da minha vida.

Nesse período eu aprendi, construí amizades, fiz contatos e a partir dali tudo mudou na minha vida. Eu saí de lá praticamente formado e mesmo assim devido ao fim do meu contrato, se não fosse isso teria ficado até o final (risos). Mas depois dali, comecei outro estágio indicado pelos meus ex-chefes do Contramão. Hoje eu devo a minha carreira jornalística e tudo que aprendi naquele período aos meus líderes”.

Moisés Martins, jornalista.

 

História e muito aprendizado

Bianca Morais

“Desde quando entrei na Una sempre achei o Contramão um lugar incrível, via alguns colegas de sala estagiando lá e sempre tive vontade.  Foi em abril de 2019, que em minha terceira tentativa de processo seletivo, passei. O estágio no Contramão foi um sonho realizado, até então eu não tinha feito nenhum outro na minha área e lá eu tive a liberdade de produzir os conteúdos, apoio do meu técnico Felipe e da minha líder a Marcia, eu saia do laboratório, ia para as ruas atrás de reportagens. Eu escrevia as reportagens, eles me apontavam os erros e acertos, onde podia melhorar. Além é claro, das amizades que construí ao longo do estágio.

No final daquele ano entrou uma das pessoas que mais me apoiaram nessa trajetória do jornalismo, a Dani Reis, ela assumiu a liderança do laboratório e ali nascia muito além de um cargo de chefe e funcionária, mas uma amizade que me inspirava. Sempre disposta a me ajudar tanto nas matérias para o Contramão quanto em trabalhos da faculdade.

Me formei no ano meio de 2020 e sabia que ali acabaria um ciclo de aprendizagem, mas como o destino sempre nos prepara uma surpresa dois meses depois apareceu uma vaga para técnica de laboratório e logo me inscrevi, e passei. Agora o lugar onde havia estagiado e aprendido tanto, era meu primeiro local de emprego como jornalista.

Ali comecei a escrever meu futuro, e literalmente escrever, hoje alimento o nosso Jornal Contramão com notícias diárias, aqui crio meu portfólio com inúmeras matérias, tanto institucionais, quanto aquelas de assuntos diversos e relevantes que me permitem conhecer diariamente pessoas e histórias incríveis que elas têm a contar.

O Contramão é e sempre foi aquele jornal que caminha no sentido oposto, contrário àqueles veículos de comunicação que vemos diariamente na nossa cidade. Isso me lembro até hoje das primeiras aulas que tive com meu professor Reynaldo, lá no primeiro período de curso, onde ele nos apresentava o mestre Gay Talese, o chamado Novo Jornalismo, e como o Contramão trazia aquilo. A gente conta a história, mas não contamos por alto, nós entramos nela, exploramos ao máximo o que nossos personagens têm a nos mostrar. E o Jornal Contramão é tudo isso, nos permite criar, e sou eternamente grata por fazer parte dessa equipe”.

 Bianca Morais, jornalista e técnica do Contramão.

 

A Fábrica

Participei ativamente da criação da Fábrica que o objetivo era  a gente trabalhar de forma transdisciplinar de modo que a gente pudesse pensar economia criativa como um todo. E é muito interessante a gente pensar que o Jornalismo está inserido nesse meio. 

Eu fiz questão de preservar o nome, havia uma possibilidade de mudança, mas eu achei que não era conveniente essa mudança., porque o nome é muito importante entre Contramão ainda, pode ser que mais adiante neste momento crítico sobre a coordenação e eu achei que o nome da rua é importantíssimo porque ele significa um contraponto, algo diferente, algo que se coloca nesse sentido como um todo.

Para a Fábrica como todo, o Contramão é tão importante, porque ele é a válvula de atividades da Gastronomia, da Moda, da Arquitetura que se transforma em reportagem e por aí vai… O Contramão é um veículo onde a instituição pode falar, não se trata de um espaço  institucional, mas por meio dele e a partir dos critérios jornalísticos a instituição ganha voz. 

Ele é um complemento na formação dos estudantes, ele se torna muito importante nesse sentido porque dentro da própria universidade ele serve como um espaço de experimentação e prática para todos os estudantes de jornalismo. Por se tratar de um veículo de comunicação de uma universidade, o Contramão precisa experimentar, nele é possível criar modelos de narrativas diferentes por se tratar de um jornal diferente dos meios tradicionais”.

Elias Santos, professor e ex-coordenador da Fábrica.

 

Vida longa ao Contramão

Daniela Reis

“Há dois anos assumi a liderança do Núcleo de Conteúdo da Una, e uma das minhas funções é ser editora do Contramão. Aqui, temos a oportunidade de abordar temas variados com visão crítica e bem diferente da grande mídia, o que para a formação dos nossos alunos é espetacular. Nesse tempo em que estou à frente do Contramão, o vi crescer de forma extraordinária, passando a ter publicações diárias com pautas bem elaboradas e que  ultrapassam os limites da instituição. Como é gratificante presenciar o crescimento dos  estagiários no dia a dia, e principalmente, acompanhar as conquistas dos mesmos no mercado de trabalho, saindo da nossa pequena redação para veículos de comunicação renomados. 

Nossa equipe trabalha diariamente para produzir conteúdos relevantes e aprimorar a qualidade dos nossos textos. Vida longa ao Contramão!”.

Dani Reis, líder do Núcleo de Conteúdo e editora do Contramão.