Artes plásticas

A Praça da Liberdade acolhe, entre os 23 à 30 deste mês, a exposição de esculturas do artista plástico mineiro Jorge dos Anjos. Por meio do Circuito Cultural Liberdade e o Festival de Arte Negra (FAN), as grandes esculturas de metal ocupam a labareda central da praça.

Ao longo de sua carreira, o artista tornou-se um dos nomes mais expressivos da arte mineira contemporânea. Entre pinturas, gravuras e esculturas marcadas pela simbologia e estética africana,  Jorge dos Anjos coleciona prêmios em salões nacionais de arte e tem suas obras espalhadas em diversas áreas públicas do país. Em Belo Horizonte, destaca-se o monumento Zumbi Liberdade e Resistência – 300 anos, instalada na Avenida Brasil, e a obra Portal da Memória, na lagoa da Pampulha.

Jorge dos Anjos acredita que a escultura deve sempre ocupar as ruas. “Eu sempre penso a escultura para o espaço público, sempre pensei! A escultura em si, tem vocação para o público, para dialogar com a arquitetura, com o paisagismo e com as pessoas, até para elas terem acesso à obra. O espaço público é o ideal, aí que a escultura se realiza.” , explica o artista.

A estudante de publicidade e propaganda, Marcelle Gouveia,21, vê nesta exposição uma oportunidade de expandir a arte em locais que ela não chega naturalmente. “No Brasil, infelizmente, a arte não é acessível a todos. As escolas não estimulam os jovens ao consumo de arte, de cultura. É de extrema importância estas exposições em espaços públicos, para que assim, as pessoas que não tem acesso, possam ver, aprender, se interessar e conhecer algo novo.”, avalia.

Concurso Cultural

O Circuito Cultural Liberdade está realizando um concurso de fotos no Instragram com o tema “Mês da Consciência Negra”. Para participar, basta produzir uma foto sobre pessoas, eventos e obras de arte que estejam dentro do perímetro do circuito Liberdade. Após fotografar, é necessário postar no Instragram e marcar a hashtag #consciencianegranocircuito. As imagens devem ser fotografadas a partir das 9h do dia 21 de novembro até as 22h do dia 30 de novembro de 2015.

 

SERVIÇO
Acesse o regulamento do concurso na íntegra AQUI 
A programação completa do FAN, você encontra AQUI 

Texto e fotos: Bruna Dias

Foto: Divulgação

O Minas Tênis Clube, completa 80 anos de fundação, no domingo 15. Em comemoração, na data, o clube recebe a partir das 8h, apresentações de dança e coral, atividades recreativas e a presença de atletas que fizeram e fazem parte da história do Clube.

Como parte da festividade, o Centro Cultural do Minas organizou a exposição Horizonte Moderno. A homenagem à capital, e também ao clube, que faz parte da paisagem de BH desde o final dos anos 1930. A mostra ficará exposta até fevereiro de 2016.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Com curadoria de Fabíola Moulin e Marconi Drummond, a exposição apresenta a cidade ressaltando a modernização cultural pela qual BH passou de 1920 à 1940. A “viagem” parte dos anos 20, década da primeira exposição de arte moderna sediada pela capital, de autoria da pintora e desenhista Zina Aita.

A cena cultural de Minas, e principalmente da capital, é exposta ressaltando as tendências e acontecimentos de cada década. Passando pelos anos 30, onde a modernização da cidade, no campo das artes plásticas e arquitetura, é mais evidente, até a década de 1940, marcada pelo cinquentenário de Belo Horizonte.

Na Galeria, o momento de ebulição cultural da cidade, estão ilustrados, por exemplo, pela primeira edição do livro Macunaíma de Mário de Andrade, a tela “O Olho” de Cândido Portinari que fez parte da exposição de Arte Moderna de 1944 que aconteceu em Belo Horizonte, e plantas originais de edifícios da rua da Bahia.

Fundação

Fundado em 1935, O Minas I, localizado na Rua da Bahia, é dividido em complexos: a Arena Juscelino Kubitschek, o Parque Aquático, a Sede Social e a Praça de Esportes.

Projeto do engenheiro civil Romeo de Paoli, a praça, que foi inaugurada em 27 de novembro de 1937, abriga, até hoje, a primeira piscina olímpica de Belo Horizonte, era um espaço reservado para que população belo-horizontina pudesse, nos anos 1940, desenvolver a cultura física, exaltada pela ideologia da época.

Exposição

Data: 10/11 a 14/02

Horário: De terça a sábado: 10h às 20h. Domingos e feriados: 11h às 19h.

Local: Galeria de Arte do Centro Cultural Minas Tênis Clube

Ingressos: Entrada franca

Classificação: Livre

Por Marina Rezende

Além das luzes e das decorações natalinas, o Circuito Cultural Praça da Liberdade recebe novo atrativo. Durante o mês de novembro, visitantes da Casa Fiat de Cultura,  poderão ajudar de forma colaborativa a montar o presépio do Circuito. O projeto que está sob curadoria do artista plástico Leo Piló, é construído com materiais reutilizados.

Entre os materiais utilizados para a construção do presépio estão: plástico bolha, lã de isopor, palets, “rolo de macarrão” de isopor, encosto de bolinhas de madeira, caixas de papelão, tecido TNT e ráfia, todos retirados da Ilha Ecológica da fábrica da Fiat Automóveis, em Betim, além de papéis do Ateliê Leo Piló e da Associação dos Catadores de Papel, Papelão e Material Reaproveitável (Asmare).

A montagem de presépios, que representa o nascimento é costume entre muitas culturas durante as festividades de fim de ano, de acordo com os organizadores a arte da Casa Fiat contará com todos os personagens tradicionais, desde Maria, José, o Menino Jesus, até os pastores e animais.

De acordo com Leo Piló, os visitantes usam criatividade e imaginação para dar uma nova função e forma a estes utensílios. “Por meio da arte, os rejeitos, desprovidos de sua função original, ganham, outra função com múltiplas possibilidades de significação e são lançados novamente ao fluxo da vida por meio das composições artísticas construídas”, ressalta o artista.

A inscrição para participar das oficinas de criação é gratuita e pode ser feita pelo telefone (31) 3289-8910. Os interessados vão por a mão na massa aos sábados e domingos, das 14h às 18h. O presépio ficará pronto no dia 25, um mês antes do Natal.

Texto: Victor Barboza

Imagem: Casa Fiat de Cultura

Laura Wrona, “Vrona” na pronúncia, é uma artista de palavras. Ela interpreta, com sua voz imponente e suave, composições que se tornam ainda mais tocantes por serem cantadas por ela. Com pegada moderna, letras significativas e marcantes, Laura evidencia seus talentos como multiartista a cada música que produz ou cada foto que posta em suas redes. Lançou seu primeiro disco em 2012, chamado RH Volcano. Segundo consta em seu portfólio, “o nome do disco vem de Recursos Humanos, pois na época eu andava frustrada por bater na trave das entrevistas de empregos toda vez que deixava escapar que sofria de multimidius simultaneus…e resolvi que me contrataria sozinha.”.

Agora, em 2015, Laura alça voos diferentes. Lançou, esta semana, uma campanha de financiamento coletivo para tornar possível a produção do seu próximo trabalho, o Cosmocolmeia. O projeto une fotografia, música e design gráfico e consiste em um livrodisco, com tiragem física de 500 exemplares. Quem contribuir com o crowdfunding será recompensado com brindes produzidos pela própria cantora, como sacolas, camisetas, etc, além de, dependendo do valor, shows exclusivos.

Vídeo de lançamento do Cosmocolmeia.

O disco Cosmocolmeia será gravado em fevereiro de 2016 e, assim como o livro, tem previsão de entrega para abril do mesmo ano. Já a campanha tem duração de 45 dias e, atualmente, 44 restantes. A versão impressa da edição 33 do Contramão traz conteúdo sobre a artista e amanhã, em nossa página no Facebook, tem entrevista em vídeo com ela sobre música e arte.

Por Gabriel Peixoto

Alunos do projeto Valores de Minas seguem em protesto desde as 10h em frente ao Serviço Voluntário de Assistência Social (Servas). O ato contra a demissão de coordenadores e professores e o possível cancelamento do programa teve início na Praça da Estação às 9h e seguiu em direção ao Servas, onde ficarão até que recebam algum esclarecimento.

Segundo Adriana Carla, 18, estudante e representante do ato, as partes não conseguem chegar a um acordo. “Lançamos a proposta: seis alunos, um representante jurídico, um de recursos humanos um representante da sociedade e uma mãe. Eles disseram que não poderiam tantas pessoas. Achamos de extrema importância que essa conversa seja analisada e avaliada o tempo inteiro, então, como eles dizem que não tem possibilidade de ter um advogado, vamos tentar novamente com a condição de que a conversa seja gravada”.

12171105_832943760155773_1509975222_o
Foto: Marina Rezende

A possível extinção do programa causa revolta aos estudantes, e de acordo com os manifestantes essa “ameaça” vem desde o início do ano. “O problema existe desde abril, e em nenhuma das assembleias a presidente do Servas, Carolina Oliveira, compareceu. É muito desrespeitoso, não teve diálogo, tudo é feito ‘por debaixo’. Nós temos direito a voz, direito a participar de um ato político, e eles estão passando totalmente por cima dos nossos direitos.”, desabafa Johnatan Henrique, 16, que faz parte do projeto.

Foto: Marina Rezende
Foto: Marina Rezende

O programa Valores de Minas foi criado em 2005, e desde então já ofereceu a mais de 5.000 alunos de escola pública aulas completamente gratuitas de Artes Visuais, Circo, Dança, Teatro e Música além de disciplinas teóricas como Literatura, Filosofia e Linguagens.

Além de contribuir para a formação profissional dos jovens da região, o Valores de Minas visa o crescimento pessoal aliado a esse desenvolvimento artístico. Ainda segundo Johnatan, o projeto é uma incrível de cidadania, humanidade e crescimento pessoal. “Primeiro foi o Circo de Todo Mundo, o Balé Jovem do Palácio das Artes e agora o Valores de Minas. Eles estão acabando com a cultura e investindo em coisas que não são necessárias. Eles investem em policia, armamento, mas por que não investem na cultura, na arte?”, argumenta o jovem.

Em nota, o Servas garantiu que as atividades para 2015 estão em dia, e que, para 2016, está previsto que o Valores de Minas faça parte da política de educação integral do Estado. As demissões da última sexta-feira (16) foram justificadas como uma adequação, e que esses funcionários já foram substituídos, sem prejuízo para o andamento do programa.

Por Marina Rezende

24 horas de música, teatro e dança, circo, artes visuais, literatura, moda e gastronomia. A 3ª edição da Virada Cultural na capital mineira chega com a proposta de reunir o que Belo Horizonte tem de melhor no quesito cultura. Neste ano, o evento começa às 19h do dia 12 e segue sem interrupções até às 19h do dia 13.

A edição 2015 traz à tona conceitos discutidos pela cidade, como o uso do espaço público, sustentabilidade, mobilidade e novas vivências. Ao todo, 600 atrações gratuitas ocuparam a cidade atendendo a todos os gostos e públicos.

Entre as atrações, está o rock da banda mineira Sepultura, o pagode do grupo Molejo, o sertanejo da dupla Chitãozinho e Xororó, Felipe Cordeiro, Cia. Base, Mundialito de Rolimã, Festival Internacional de Corais, TODA DESEO! com a Gaymada e o GastroPark, no Museu Abílio Barreto .

Leônidas Oliveira, presidente da Fundação Municipal de Cultura (FMC), ressalta que a Virada está se consolidando como uma potência. Para ele, às 24 horas de cultura, das mais variadas vertentes e formas, revelam a diversidade da produção artística da capital e, que, apesar do momento delicado em que vive o país, a Prefeitura, seus parceiros e os artistas, se unem para fortalecer a vocação cultural de BH.

Veja toda a programação do evento no www.viradaculturalbh.com.br. 

 

Texto: Victor Barboza

Imagem: Divulgação/Virada Cultural 2014

Fonte: Portal PBH