Beleza

0 641

Com presenças de celebridades, como a Rihanna, a Dior apresentou um desfile singelo, mas luxuoso em referências e matérias-primas

Texto escrito por KEV, para o portal Fashionlismo

Mostrando que a simplicidade pode ser deslumbrante, a grife realizou o desfile de sua coleção Primavera-Verão 2024 no Museu Rodin, abrindo a Semana de Moda de Alta-Costura parisiense nesta segunda-feira (22).

Inspirada nas ricas tradições orientais, a grife trouxe para a passarela vestidos luxuosos com bordados e aplicações intrincadas. Além disso, incorporou o uso de tecidos estruturados, como o moiré, conferindo um toque adicional de elegância à coleção.

O desfile

Em um balé meticuloso de alfaiataria, pregas, drapeados e construções tipo moulage, a coleção da Dior apresenta uma fusão extraordinária de sofisticação e inovação, onde cada peça conta uma história única.

moiré, um tecido semelhante ao tafetá (fabricado à base de fibra de seda ou material sintético), foi escolhido para a confecção das peças. Foi com esse tecido que Christian Dior revelou uma de suas criações mais famosas, o vestido “La Cigale” (“A Cigarra”), em 1952.

Maria Grazia Chiuri, diretora artística da linha feminina da Dior, revisitou essa inspiração para reinterpretar a peça em tons de bege. Desta vez, sem o corset dos anos 1950 e com linhas mais clean, pois rompe com os padrões antigos da marca.

Vestido La Cígale, da coleção de inverno 1952 da Dior. (Foto: Instagram/Vogue Brasil).
A coleção

Na passarela, também se destacaram o veludo e o cetim, revelando a atemporalidade dessas peças, juntamente com longos plissados, complementados por capas. Bem como o uso do drapeado para conferir volume e definir as peças, também marcou a coleção. Dessa forma, deixou o público em êxtase com o acervo.

Dior, verão 2024 alta-costura. (Foto: Instagram/Dior).
Dior, verão 2024 alta-costura. (Foto: Instagram/Dior).
A paleta de cores, alternando entre neutros como bege e preto, ganhou vida com um toque vibrante de amarelo ouro em peças bordadas, que manifestaram a influência árabe. Saias e blusas semitransparentes adquiriram mais sofisticação com aplicações de franjas e pedrarias.Em resumo, o desfile contou com a presença de estrelas do cinema, como a atriz Natalie Portman, e do mundo pop, como a cantora Rihanna, que enriqueceram o espetáculo apresentado pela Dior, em Paris.

Veja também outra matéria escrita por KEV.

Rihanna durante desfile da Dior. (Foto: Instagram/@illjahjah)

 

0 298

Por Eduarda Boaventura

Neste verão vamos fazer uma entrevista rápida com Ronara Vaz, de 47 anos, uma dona de casa que ama água, seja de mar ou de cachoeira. Mineira, nascida e criada na região metropolitana de Belo Horizonte, a praia nunca foi sua principal escolha de viagem, só depois de mais velha que adquiriu o hábito de ir com sua família. 

Você tem costume de ir à praia desde quando?
R:  Tem uns 20 anos que criei o hábito de ir.

E as cachoeiras?
R: Desde dos anos 2000 mais ou menos.

Como você descreve seu cabelo?
R:Tem a raiz lisa e ondulado nas pontas, ele tem a cor castanho claro, mas no momento fiz luzes, então posso me dizer loira!

Quais são seus cuidados com o cabelo no dia a dia?
R: Ah, eu lavo, geralmente um dia sim e um dia não. Procuro usar bons produtos, que gosto. Só lavo, shampoo e condicionador, muito raramente faço uma hidratação nele.

Quando você vai para a praia, uma cachoeira, chega a mudar sua rotina com o cabelo?
R: Não, não mudo nada

E nas suas redes sociais, como tiktok, instagram não aparece nenhuma dica de como cuidar do cabelo principalmente quando viaja?
R: Não aparece não, não fico olhando

Não aparece?
R: Não. Eu pesquiso, quando quero um produto, vejo algo legal, uma coisa que alguém me fala, vejo na tv, parece que é bom, daí eu gosto de pesquisar.

E na praia? Porque o cabelo queima igual a nossa pele, e passamos protetor solar no corpo. Você não passa nada do cabelo?
R: Não passo nada. Tenho o costume de quando ir na praia passar creme de pentear antes e depois quando entro na água. É, só isso de diferente que faço.

Você falou que em luzes no cabelo, desde que começou a fazer sentiu muita mudança quando viaja?
R: Senti mais seco, embola com mais facilidade e o ondulado fica mais frizado e sem formato.

Então, o que tenho que fazer?

A Ronara, como tantas outras pessoas, não imagina o quanto o cabelo sofre na época de verão, seja prendendo ele toda hora por conta do calor, ou por não preparar as mechas para os próximos dias quentes que virão.

Como qualquer parte do corpo exposta ao Sol, temos muitos produtos que ajudam a manter a saúde dos fios, sendo naturais, pintados, lisos, cacheados e trançados. 

  • Antes de viajar é recomendado fazer uma hidratação potente, e outra quando chegar em casa;
  • Existem cremes de cabelo com proteção UV, que é para o Sol e evita ressecamento;
  • Outra dica é fazer igual a Ronara disse e passar creme no cabelo quando sair da água e se puder desembaraçar, ajuda bastante quando for lavar mais tarde;
  • Uma dica – que o meu cabeleireiro me contou recentemente- é quando for lavar, na primeira passada de mão de xampu usar um mais barato e que seja transparente que limpa mais o couro cabeludo, e, na segunda passada, ir com um xampu melhor e mais perolado, que vai ajudar a limpar mais também hidrata mais que resseca.

Por mais que pareça algo sem importância, ficar uma semana lavando as mechas após expor ao Sol, deixa com um aspecto mais seco, com o cabelo ondulado, cacheado ou crespo encontra mais dificuldade em formar cachos e ondas que antes vinham com tanta facilidade. O cabelo mexe com nossa autoestima, cuidar dele trará muito benefícios para você e a sensação de autocuidado, essa dedicação que tem por você, seu amor-próprio. Ele, sim, tem que ser prioridade!!

0 492

Por KEV

Neste fim de semana, Belo Horizonte celebrou a moda mineira no Espaço Cultural da Escola de Design (ECED) da UEMG, localizado na Praça da Liberdade, um epicentro vibrante e significativamente significativo.

Mostrando que Minas faz moda, confira os destaques dos novos e emergentes talentos do estado, que trouxeram coleções surpreendentes para a passarela, fugindo do convencional.

Manuart

A marca mineira Manuart apresentou sua mais recente coleção 2024 ‘O Mar’ nessa sexta-feira (1), no MCM. A proposta da coleção é trazer o crochê adequado para o verão, em uma fusão harmônica e divertida.

Elementos do mar, como conchas e franjas, são transformados em moda autoral, trazendo uma aura de sensualidade aos vestidos, saias, biquínis e conjuntos apresentados na passarela. Estes foram desenhados em tons de azul, laranja, coral e off-white, com acabamentos belíssimos.

Desfile Manuart. Foto: Matheus Barcelos.

Os óculos e acessórios foram verdadeiros destaques com o match perfeito de Aldo Clécius Acessórios. Brincos dourados em formato de conchas e óculos divertidos complementaram os looks.

O desfile da marca contou com a participação da cantora Mac Júlia, que trouxe à tona o que já pensou sobre crochê: ele está mais vivo do que nunca e agora, colorido e sexy!

Designer Manu Bombom Toa Toa e cantora Mac Júlia. Foto: Matheus Barcelos.
Pedro

A marca bela-horizontina Pierro, do designer Lucas Pietro, apresentou no sábado (2), o lado obscuro e deslumbrante da cultura clubber durante sua passagem pela passarela do MCM.

A fusão entre fotografia e tecido é uma marca registrada de Pierro, estabelecendo uma conexão entre arte, moda, sustentabilidade e experiência.

Calças, saias, espartilhos, camisas sociais e uma profusão de luvas e sobreposições, em tons de preto, branco, azul e vermelho, com colocadas o que a Pierro trouxe por meio de sua moda nada convencional. As peças fazem parte de sua coleção de Verão.

Modelos para Pierro. Foto: KEV.
Pierro no MCM. Foto: KEV.

Assim como a Manuart, a marca também apresentou um elenco especial, contando com a participação do artista e DJ Amerikana, que protagonizou um espetáculo à parte com sua dança vogue.

Belício

Sustentabilidade e elegância foram os pontos-chave apresentados por Belicio, de Érik Belicio, durante o desfile do MCM também no sábado (2).

A coleção autoral exibe tons em azul claro, rosa pêssego, bege, branco e estampas de bengaline xadrez listrado. Esses elementos se uniram no mood ‘business’, como vestidos em corte V, blazers confeccionados com tecidos de alto padrão e calças de alfaiataria coloridas.

Belício no MCM. Foto: Instagram Beliciobrand.

O impacto dessa coleção? Fundir o básico com atitude, em uma mistura de moda pós-moderna.

Do início ao fim, uma coleção por si só surpreendeu todos(as) os(as) presentes no desfile.

Sobre o MCM

A Moda Contemporânea Mineira é um festival efervescente, que desde 2017 vem tecendo conexões únicas entre criadores de moda jovem, diversa, inclusiva e sustentável em Belo Horizonte. “A ideia é colocarmos novos nomes no mercado, que considerem conta da moda mineira. Não se trata apenas do segmento de Moda Festa, para o que a maioria de nós, criadores, acaba indo. Trata-se, sim, de uma moda diversa, aberta e democrática para todas as pessoas, criada por novos rostos”, afirma Aldo Clécius, organizador do evento.

Durante dois dias, 1 e 2 de dezembro, das 10h às 22h, no Espaço Cultural da Escola de Design (ECED) da UEMG, na Praça da Liberdade, o evento reuniu 10 desfiles de marcas novas e emergentes, além de ter contado com a presença de mais de 15 expositores. Ele também impulsionou a produção local por meio de feiras, palestras, workshops e shows.

0 300

Por KEV

Sempre levanto a bandeira de que estilo é sobre ser, num movimento lindo e interno que parte do seu eu e se externaliza. Mas preciso te dizer a verdade: ser, hoje, é também ter em algum nível.

Não digo ter marcas caras e de renome por aí, mas algo que você representa, que você possa chamar de seu. Aquilo que você serve, traz conforto e, de certa forma, funciona.

O discurso medíocre de que só o “ser” importa (re)afirmar e validar a falta de acesso que muita gente passa na moda.

Sim.

Se para você condenar a Shein é mais importante que entenda o acesso que ela traz às pessoas, e não digo só ao financeiro, mas de tamanhos, modelagens, opções. Você claramente não entende nada de moda.

Não me confunda! A conversa não é sobre inocentar a marca em aspectos de produção e mão de obra problemática, mas expor o fato de que, hoje, ela é uma referência no quesito compra de várias populações latinas. Isso, devido, claro, ao preço “acessível” e ao poder de compra, agora, com a ajuda da marca, dadas essas pessoas.

Ou seja: não dá mais pra falar sobre o “ser” sem o considerar o “ter”. A gente precisa discutir esses acessos, sobre quem pode ter muito, quem tem que se virar com o pouco, quem se faz chique com nada e quem não é lido como estiloso de jeito nenhum.

“O chique é ser”, muitas vezes, só é chique mesmo quando você já tem muito — por isso o papo sobre “tenha menos coisas” precisa sempre sair da bolha de quem sempre teve tudo.

Ter acesso à roupa é importante, e ter menos só é legal por escolha.

0 181

Por Lais Bernardes

Samara Merrighi media conversa entre especialistas e grandes nomes da moda atual durante live que aconteceu dia 24/10 no salão de negócios.

“Moda com base na percepção e necessidade dos consumidores” foi uma das falas do Pier Paolo, sócio fundador da Teceo. Vislumbrando um futuro com o cliente no centro da moda e usando as inovações do mercado para auxiliar nesse objetivo. “Há uma necessidade de se adaptar ao consumidor e as novas tecnologias” completa Tereza Horn, representante da 221 consultoria e Fashion Hub iniciativa pioneira no Brasil de inovação que une startups e grandes empresas da moda para cumprir metas de desenvolvimento e sustentabilidade.

Palestrantes durante o evento. Foto: Ana Jardim.

Os convidados da live “Fashion de inovação” que aconteceu na última terça-feira (24/10), na 27ª edição do Minas Trend, discutiram a importância das novas tecnologias no cenário atual da moda. “Entender seu produto, entender a procura do seu cliente e usar as ferramentas para se adaptar” foi o que falou a Nágila Gonçalves, MKT Isla, durante a conversa dando seguimento no assunto. Todos concordaram que o conhecemos como ‘fast fashion’, expressão que se refere a moda rápida e descartável, é uma realidade recente devido a aceleração geral da sociedade. “Inovação, sustentabilidade e fast fashion são setores que tentam encontrar um caminho comum” disse o Pedro Ivo, sócio e Diretor da Dito (empresa de tecnologia líder em CRM para varejo no Brasil).

Palestrantes durante o evento. Foto: Ana Jardim.

Para os especialistas é essencial usar as inovações do mercado no combate do desperdício no mundo da moda, e junto com isso colocar o consumidor consciente como objetivo para as marcas. “As pessoas não compram produtos, compram a melhor versão de si mesmo” foi com esse pensamento que o Pedro encerrou a conversa, trazendo a reflexão de que quanto mais as empresas procurarem conhecer o seu cliente e oferecer soluções inteligentes para problemas atuais, maior e melhor será o retorno delas e para que isso aconteça seu maior aliado deve ser a inovação.

Palestrantes durante o evento. Foto: Ana Jardim.

Por Júlia Garcia

O fim de semana em Belo Horizonte está repleto de eventos para todos os gostos. Confira hoje a agenda que o Contramão separou para você curtir o final de semana.

Sexta

Para iniciar a agenda, você que adora uma comédia, poderá curtir o espetáculo Desesperados, que acontece hoje. A atração, que gira em torno de três personagens principais, aborda temas socialmente importantes, como ansiedade, depressão e solidão. E a comédia acontecerá no Teatro Marília, a partir das 20h. Para garantir seu ingresso, basta acessar o Sympla, site ou aplicativo.

Sábado

No sábado, a cantora Ana Carolina desembarca em Belo Horizonte, com a  TURNÊ  “ANA CANTA CÁSSIA – ESTRANHO SERIA SE EU NÃO ME APAIXONASSE POR VOCÊ”. A turnê é um espetáculo emocionante e conta com repertório cheio de sucessos como, “Malandragem”, “Segundo Sol”, “All Star”, “Girassol”, entre muitas outras. Após passar por diversas cidades no Brasil e no mundo, a cantora Ana Carolina se apresenta no Arena Hall, a partir das 20h. Os ingressos estão disponíveis na bilheteria do Arena Hall e pelo site Sympla.

Ainda neste sábado, os amantes de pagode poderão se preparar para o Churrasquinho Menos é Mais BH. Formado em 2017, o Menos é Mais é composto por Duzão, Gustavo Góes, Jorge Farias, Paulinho Félix e Ramon Alvarenga. O grupo ganhou notoriedade por regravar faixas antigas de sucesso de outros cantores. O Churrasquinho, que reunirá o grupo e outros convidados, acontecerá na UniBH Campus Buritis, a partir das 14h. Os ingressos podem ser garantidos através do site Ingresse.com.

Domingo

E no domingo pode separar sua fantasia de HALLOWEEN, para a The Choice Belo Horizonte. Serão muitas diversões com um toque assustador. Shows com DJ WS DA IGREJINHA, DJ GORDÃO DO PC, SACI, SIDOKA e DJS PETTRUS. Ah, e o traje é super obrigatório hein?! Precisa ser da cor PRETA ou ir FANTASIADO com tema Halloween. Preparados para uma tarde de sonhos e pesadelos? A The Choice acontecerá no Clube Labareda, a partir das 15h. Os ingressos estão disponíveis no Sympla.