cinema

Professores e estudantes da Una durante o Minas Trend. Fonte: Divulgação Una

Por Keven Souza

Durante 02, 03 e 04 de novembro, estudantes dos cursos de Moda, Jornalismo, Cinema e Audiovisual da Una, marcaram presença na 28° edição do Minas Trend que aconteceu no Minascentro em BH. O maior salão de negócios da América Latina, promovido pela FIEMG, contou com palestras, lives e workshops gratuitos, tanto na modalidade remota quanto presencial, e recebeu novamente os alunos que ampliaram suas experiências com o mercado, a partir da parceria Una e FIEMG

Tal parceria possui o objetivo de encurtar a ponte entre universidade e indústria, proporcionando uma formação diversificada para o aluno. É o que destaca a professora de moda da Una, Gabriela Penna. “Aproximar a indústria da universidade coloca o aluno da Una em contato com marcas, fornecedores, profissionais do segmento em um aprendizado transformador. É a porta de entrada para os futuros profissionais do mercado, por meio de vivências exclusivas, ricas e formativas”, afirma. 

Formada por uma equipe multidisciplinar, os alunos experienciaram na prática o exercício de suas futuras profissões. A Comunicação Social ficou por conta da cobertura do evento, ao lado da assessoria do Minas Trend, e a Moda teve o ensejo de produzir, novamente,  um editorial de moda completo com peças dos expositores presentes no salão.

O editorial trabalhou com o conceito da comemoração dos 15 anos do Minas Trend. Nesta edição, o tema desenvolvido foi o Fashion Heritage, proposta ao qual está alinhado o conceito de herança. De olho na celebração desse legado, o plano de styling propôs traduzir em imagens a história do evento para a moda mineira, a afetividade e construção de um legado de anos de salão de negócios. 

Experiências únicas 

Larissa Raydan, aluna de Moda da CDU, conta como foi participar do editorial. Ela desenvolveu atividades relacionadas à produção no backstage. “Participar me proporcionou uma experiência mais profissional da carreira de modelo, que é algo que já trabalho e estou inserida no mercado. Estar no Minas Trend, me colocou em contato com um material exclusivo. Que me trará muita visibilidade e credibilidade dentro da minha carreira”, comenta. 

Para Carla Oberhofer, aluna de Cinema que esteve na produção de conteúdo, a convergência entre marcas, alunos e empresas, contribuiu para desenvolver visão ampla sobre sua área de atuação. “Me ajudou a enxergar como funciona realmente o trabalho. Tirar foto ou gravar um vídeo não é algo simples, é preciso saber o que você vai fazer. Assim, estar ali foi algo muito novo, pois era minha primeira vez no Minas Trend, mas foi uma experiência diferenciada”, pontua. 

Já a estudante de Jornalismo, Caroline Constance Ragi Zuppo, ‘vestiu’ a camisa de assessora e acompanhou de perto a rotina enquanto jornalista. “Foi bem legal! Eu fiquei apaixonada pela quantidade de expositores e também pelas tendências. Entrei no Jornalismo para trabalhar com moda, então foi muito gratificante para mim poder estar no meio desse evento. É um evento que faz brilhar os olhos de quem gosta de moda. Atuar na minha área então nem se fala, perdi o medo e o receio que tinha sobre entrevistar e consegui produzir conteúdos bem legais”, diz. 

Como foi a 28º edição do Minas trend

Em novo local, o maior evento da indústria da moda mineira debutou novas tendências para Outono/Inverno 2023 e movimentou cerca de R$20 milhões em negócios, com o mote “A Moda no Centro”. 

O Minas Trend reuniu os segmentos de vestuários, jóias, bolsas, calçados e bijuterias ao longo dos três dias de evento. Apresentou, ainda, nos largos corredores do Minascentro, o melhor da produção local com a moda global, celebrando 15 anos de empreendimento. E para o público final mostrou como funciona a indústria criativa a partir de palestras, lives e workshops. Fechando com chave de ouro mais uma edição bem sucedida. 

Divulgação: Filme Kevin
Divulgação: Filme Kevin

Produção cinematográfica chega aos grandes telões a partir desta quinta-feira

Por Keven Souza

No dia 03 de novembro, as salas de cinemas de todo o Brasil abrem as portas para receber a estreia do filme “Kevin”. Amantes do audiovisual nacional que residem em Belo Horizonte poderão assistir a pré-estreia do longa-metragem no Una Cine Belas Artes, que é um dos últimos cinemas de rua da cidade, através da compra de ingressos pelo site ou pela bilheteria do cinema. 

O documentário “Kevin” diz respeito à amizade, ao qual narra o reencontro da diretora com sua amiga ugandense, Kevin Adweko, abordando questões como sororidade, relações interraciais e a posição da mulher. Ele é produzido pela Bukaya Filmes, em coprodução com Anavilhana e Vaca Amarela Filmes, e com distribuição nacional da Embaúba Filmes. 

O filme é uma obra de arte dirigida e estrelada pela roteirista e diretora, Joana Oliveira, que trabalha na área audiovisual desde 1999 e possui curtas que já foram exibidos em vários festivais internacionais, como o Festival Internacional de Cine de Huesca (Espanha), e no Brasil em festivais como a Mostra de Cinema de Tiradentes. 

imagens do filme Kevin
Imagens de divulgação – Filme: Kevin

Hoje, o Contramão traz um bate-papo com Joana, que relembra como foi a construção do documentário, bem como sua carreira no cinema, e diz como está a expectativa para o lançamento nesta quinta-feira. Confira! 

 

Joana, como começou sua carreira no cinema? Você sempre soube que seria cineasta? 

Eu sempre gostei muito de assistir a filmes. Desde pequena adorava ir ao cinema ou à locadora de vídeo escolher os filmes para assistir no fim de semana. Era um barato levar as fitas VHS para casa! Mas, nunca tinha imaginado estudar cinema porque não havia cursos de graduação em Belo Horizonte. Fiz vestibular no final de 1995 e não havia Enem, ou seja, um vestibular unificado para todo o Brasil. Não pensava em sair da cidade. Porém, quando comecei a fazer Comunicação Social, vi que eu poderia ingressar no mundo do cinema e comecei a trabalhar em produções, que eram muito poucas, em Belo Horizonte. Trabalhei em um curta e um longa-metragem e decidi que era o que queria fazer da vida. 

Em 2002, fui estudar Direção de Cinema no curso regular da Escuela Internacional de Cine y TV de San Antonio de Los Baños, Cuba, onde consegui uma bolsa da própria escola para uma parte do custo e outra do governo brasileiro para a outra parte.

Divulgação: Filme Kevin
Divulgação: Filme Kevin

Qual foi o momento em que passou a entender que havia um mercado audiovisual esperando seus filmes? 

Logo que fiz meu primeiro vídeo experimental na faculdade de Comunicação, entendi que havia muitas pessoas que assistiam a curtas-metragens. O vídeo foi selecionado para alguns festivais, inclusive o VideoBrasil que é um grande festival de arte digital e para a Mostra de Cinema de Tiradentes. Então, percebi que as pessoas tinham interesse na arte que eu estava começando a produzir. Foi um grande impulso para eu seguir em frente e ir estudar cinema.

 

Você imaginava ter produções cinematográficas notadas pelos grandes festivais nacionais e internacionais de cinema?  

Na verdade, o que queria era inventar histórias e produzi-las! Claro que eu queria que o maior número de pessoas assistisse, mas não imaginava que meu trabalho viajaria para tantos lugares! 

Divulgação: Kevin - Filme
Divulgação: Kevin – Filme

Falando agora do documentário, de onde ele nasce? 

O documentário nasce da minha vontade de rever a Kevin e ter um projeto em conjunto com ela. Sobretudo, a vontade era de celebrar a amizade! A minha amizade com ela, claro, mas também de colocar no centro de um filme a amizade entre mulheres que é um tema tão pouco retratado no cinema. Além disso, ele existe para celebrar a sororidade! “Kevin” é um filme feminista, antirracista e que promove o encontro.

 

Explique como foi gravar metade do filme em Uganda e outra parte em Belo Horizonte. Houve dificuldades de locomoção, língua ou cultura? 

O esforço de produção que houve é realmente incrível porque não tínhamos tanto dinheiro para viajar com equipe, para ficar tanto tempo na Uganda, etc. A Luana Melgaço, produtora do filme, é muito experiente e conseguiu muitos bons acordos de produção. E o filme existe também porque a Kevin se envolveu na produção, uma vez que ela nos recebeu maravilhosamente. Foi ela quem procurou um lugar para que toda a equipe ficasse, foi ela que nos apresentou tudo. Uma coisa é você receber sua amiga. Outra coisa é você receber uma equipe de filmagem que vem com ela – risos. Ela facilitou tudo. Mas realmente foi um desafio filmar em outro país! 

Entretanto, o filme é sobre minha amizade com a Kevin, então, por mais que estivéssemos na Uganda, não era um filme sobre a Uganda. Eu não conseguiria fazer um filme sobre um país que tinha acabado de chegar e não conhecia profundamente. Então, me concentrei na Kevin, que lidou com a equipe super bem. Ela é um talento natural e eu estava ali para e por ela. Filmamos de acordo com a agenda que ela estabeleceu e deu certo. 

 

Você e Kevin Adweko são as protagonistas do documentário. Como se deu essa amizade? Você sabia que seriam amigas? 

A Kevin diz que a gente se aproximou porque queríamos muito rir e nos divertir. A Alemanha, que foi onde nos conhecemos, é um país muito sério. Especificamente o lugar da Alemanha onde estávamos. Nos aproximamos de forma muito espontânea e divertida, conversando depois das aulas de alemão.

O que é legal é que não tinha a menor ideia se conseguiríamos ou não manter a amizade. Muitas relações se perdem no tempo. A internet em 1999 era ainda algo de acesso restrito. Nós nos escrevíamos cartas longas e e-mails extensos. Mas, houve muitos momentos que ficamos bastante tempo sem conversar. Em 2005, eu fiz um intercâmbio entre a minha escola de cinema em Cuba e a Alemanha. Esse momento de reencontro com a Kevin ao vivo depois de 6 anos foi muito emocionante. Acho que aí eu percebi que a amizade iria perdurar.

 

É a primeira vez que o filme “Kevin” estreia em salas de cinemas, qual sua expectativa para o lançamento? 

Kevin, na verdade, estreou na Mostra de Cinema de Tiradentes do ano passado. Também ganhou uma menção honrosa do júri do festival FEMINA deste ano. Mas, todas essas exibições foram feitas online. Agora, é a estreia do filme presencial no Brasil nos cinemas comerciais. Eu nunca tive um filme que entrou em cartaz nas salas de cinema e isso é muito emocionante! Na terça-feira, dia 01 de novembro, em Belo Horizonte, haverá uma pré-estreia em que Kevin estará presente. É muita emoção envolvida!

Para o público que irá assistir “Kevin” nesta quinta-feira, o que você diria? 

Kevin é um filme sobre o encontro. E, depois de tanto tempo em que estivemos separados das pessoas por causa da Covid-19, celebrar o encontro e a amizade é de extrema importância! 

Assista o trailer de “Kevin”

Sinopse – É a primeira vez que Joana, brasileira, visita Kevin, na Uganda (África). Elas se conheceram há 20 anos, quando estudaram juntas na Alemanha, e faz muito tempo que não se veem. A partir desse encontro, o filme tece a fina trama que é uma conversa entre duas amigas: as histórias do passado, os desejos, os caminhos trilhados, os diferentes modos de encarar os desdobramentos da vida. Disso ressurge um elo de amor e parceria que resiste à distância e ao tempo.

Em Belo Horizonte, Gabriel Martins vive momento único ao esgotar ingressos da sessão em apenas um dia de distribuição.

Por Ana Clara Souza, Eduarda Boaventura e Pedro Soares

Sessão ‘Marte Um’ no Palácio das Artes. Foto: Vanessa Santos

Na noite da última quinta-feira (29), a sessão de “Marte Um”, longa-metragem de Gabriel Martins, teve ingressos esgotados em apenas um dia de distribuição, sendo um marco histórico na indústria cinematográfica mineira. O evento contou com quase 1500 pessoas, dentre elas o elenco do filme, amantes da 7ª arte e alunos do Centro Universitário Una, universidade onde o diretor do longa estudou.

Após ser aplaudido de pé, o diretor do filme Gabriel Martins, frisou em seu discurso que é muito importante continuar com incentivos públicos para que o cinema brasileiro continue vivo e que as pessoas sigam prestigiando os filmes feitos em solo nacional. Além disso, encerrou dizendo: “Acho que essa sessão aqui não é histórica só para o Marte Um e sim para o cinema mineiro”.

Gabriel Martins e elenco de ‘Marte Um’ no palco do Palácio das Artes. Foto: Vanessa Santos.

Tatiana Carvalho, docente do Centro Universitário Una e também atriz do filme, contemplou pela quarta vez a exibição da obra. Agora, na companhia de seus alunos e com muita emoção, relatou ao jornal sua emoção ao fim da sessão.Nós somos muito colonizados no imaginário, com imagens sobretudo com o cinema e televisão de fora daqui e esse filme, ele joga para gente um espelho, um lugar para gente olhar e se identificar em um primeiro momento, mas também entender as nuances do lugar que a gente mora, da vida que a gente leva. Então, eu acho que isso se reflete em sala de aula? De alguma maneira? Espero que sim! No sentido de fazer com que as pessoas consigam ter esse olhar generoso, amoroso para o lugar que estão”, diz a professora. 

Ao longo da obra, o “jeitinho” mineiro estava presente, seja nos times de futebol, na farinha de joio, no linguajar e sotaque, encantando a plateia que se via na história. Marte Um é um marco para o Brasil, mas tem um carinho especial aos olhos dos mineiros que não estão acostumados com a sua cultura passando em uma tela.   

O longa-metragem disputa uma indicação ao Oscar, na categoria de Melhor Filme Internacional, e a exibição no Palácio das Artes faz parte da campanha “Rumo ao Oscar”.

 

Sala de cinema doUna Cine Belas Artes ( Foto: José Ricardo da Costa Miranda Junior )

A ação gratuita aconteceu durante manhã e noite no coração do bairro de Lourdes


Por Keven Souza

No dia 16 de agosto, os acadêmicos do curso de Cinema e Audiovisual da Cidade Universitária Una (CDU) exibiram seus filmes no Una Cine Belas Artes. A ação foi fruto da parceria entre a universidade e o cinema, que foi palco para o encerramento de semestre das Unidades Curriculares (UCs) de Direção Cinematográfica e Realização.

Os alunos participantes eram do 5º, 6º, 7º e último período do curso, que apresentaram em um dos últimos cinema de rua de Belo Horizonte, mais de 10 obras divididas em duas sessões que abordavam diferentes temas e gêneros.

Programação do evento ( Foto: José Ricardo da Costa Miranda Junior )

“O encerramento foi muito bem sucedido. Havia uma dinâmica de funcionalidade, ritmo e tom dos filmes, que foi importante para os alunos entenderem o funcionamento de uma plataforma de fato do mercado, que é o caso do Belas Artes, onde é um cinema conhecido e frequentado por pessoas locais”, explica o professor de Cinema e Audiovisual da Una, José Ricardo da Costa Miranda Junior.

Orientados por José e demais professores das UCs, os alunos puderam vivenciar a prática do set e outros ambientes de produção durante a mão na massa dos curtas-metragens. “Consegui ver muita dedicação. A qualidade para produzir o que foi apresentado certamente foi perceptível, pude enxergar o nível de compromisso desses alunos, de entenderem que aquilo seria visto por alguém de fora do círculo de amigos e família”, relembra José.

Cada curta exibido passou pela curadoria dos professores e os diversos temas abordavam datas comemorativas que acontecem anualmente. É o que afirma o professor. “Tivemos filmes que retratavam o Natal, Dia das Mães, Ano Novo, entre outros. Inclusive foram exibidos na ordem do ano”, ressalta.

Julio Sales, que participou da ação e apresentou o filme “Pai em Versos”, relata que o encerramento das UCs no Belas Artes foi parte importante para mostrar seu trabalho ao mercado. “Foi incrível a sensação de estar em um cinema lotado exibindo meu filme.  Ao final da sessão, não pude deixar de me emocionar com os aplausos e ver que o esforço para fazer a história havia sido reconhecido. A recepção calorosa de estar em um cinema tão importante para a história de BH e poder ver as reações pessoalmente transformaram o momento em algo único pra mim, lembrarei disso pelo resto da minha vida”, conta.

O Una Cine Belas Artes

Sala de cinema doUna Cine Belas Artes ( Foto: José Ricardo da Costa Miranda Junior )

Localizado no coração do bairro de Lourdes, na região centro-sul de Belo Horizonte, o cinema possui um público diverso e fiel, que encanta frequentadores há mais de 29 anos. Com seu espaço de café e livraria, além de três salas de cinema, é ponto de encontro para prosear ou manter uma conversa casual.

No ano de de 2021, o Belas recebeu ordem de patrocínio do Grupo Ânima Educação, que é responsável pelo Centro Universitário Una, para permanecer aberto e continuar suas atividades. Hoje, o espaço possui inúmeras salas de cinemas abertas para o público e alunos da universidade, na qual possuem desconto nas entradas e produtos vendidos nas instalações do cinema.

0 279

A obra cinematográfica é pŕe-indicada ao Oscar 2022 e será exibida no último cinema de rua de BH 

Por Keven Souza

A partir de hoje, dia 28, em Belo Horizonte (MG), o Una Cine Belas Artes abre suas salas de cinema para receber uma das grandes produções dirigidas pelo diretor Ahmir Questlove Thompson, o documentário “Summer of Soul”. O longa-metragem chega ao espaço cultural com intuito de trazer uma experiência estética que liga o passado e o presente da indústria musical negra estadunidense. Para os amantes de cinema de rua, a produção mostra o lendário Harlem Cultural Festival de 1969, que reuniu nomes como Nina Simone, Gladys Knight, Stevie Wonder, B.B. King e tantas outras personalidades. 

Em cartaz, “Summer of Soul” estará disponível nas sessões de 16h10 e 18h20, das terças aos domingos, durante os meses de fevereiro e março. Os ingressos variam de 12 reais a 30 reais – estudantes UNA e UFMG possuem 50% de desconto no valor da entrada. E para retirar é só ir até a bilheteria local ou comprar online através do site do Una Cine Belas Artes

“Summer of Soul” foi lançado em julho de 2021, nos Estados Unidos (EUA), com duração de 1h 50min e classificação para maiores de 18 anos. Produzido em grande parte por imagens que ficaram ocultas do Harlem Cultural Festival de 1969, a obra celebra a cultura afro-americana nos diferentes aspectos da música negra, trazendo shows históricos e entrevistas atuais para revelar as circunstâncias daquela época.

Apesar de sua estreia ter sido no passado, o documentário tem sido relevante para promover discussões acerca do racismo estrutural em solo americano. Isso porque, sua realização retrata o ofuscamento das conquistas e da cultura negra em um festival que reuniu aproximadamente 300 mil pessoas em Nova York. E hoje, após cinco décadas, o público tem a chance de ter uma imersão histórica, além de identificação social, com a música afro-americana trago pela produção. 

Una Cine Belas Artes 

Localizado no coração do bairro de Lourdes, na região centro-sul de Belo Horizonte, o cinema possui um público diverso e fiel, que encanta frequentadores há mais de 30 anos, com seu espaço de café e livraria, além de três salas de cinema, como ponto de encontro para prosear ou manter uma conversa casual. 

Endereço: R. Gonçalves Dias, 1581- Belo Horizonte/MG

Funcionamento: De terça a domingo (fechado às segunda-feiras)

Telefone: (31) 3252-7232

Para garantir o seu ingresso, acesse o site ou retire na bilheteria local. 

0 296

Por Bianca Morais 

Chegou o final do ano e junto com ele as festas natalinas, época de reunir a família e amigos, montar árvore de Natal, fazer pedidos ao Papai Noel, ceias recheadas de comidas gostosas, “All i want for christimas” da Mariah Carey e outras musicas natalina, luzes iluminando as casas e toda a cidade, amigo oculto e muito mais.

Agora, caso você queira encontrar tudo isso e um pouco mais, até mesmo neve, não tem lugar melhor que na Netflix, a plataforma de streaming tem diversos filmes e séries natalinas com muitas novidades, além dos clássicos. 

O Jornal Contramão hoje traz algumas sugestões de filmes de natal para maratonar neste mês.

Um castelo para o Natal 

Uma escritora recém divorciada acaba matando um dos personagens favoritos dos fãs em seu livro mais recente, o que provoca a fúria de muitos. Para fugir de toda confusão ela acaba indo para uma cidadezinha onde seu pai havia crescido, no lugar existem muitos castelos e ela acaba com  o herdeiro de um deles.

A mulher tenta a todo custo comprar o castelo desse rapaz que não quer vendê-lo. Os dois acabam vivendo juntos nele e o tempo todo ele tenta fazer  com que ela desistisse de comprar o lugar. A escritora vai vivendo na cidade, conhecendo as pessoas, fazendo amizade e claro, se apaixonando pelo homem. O bom e velho clichê romance ambientado pelo Natal.

 

A Família Noel

O filme conta a história de uma família que acaba de perder o pai e tem que se mudar para outra cidade para ficarem mais perto do avô. O garoto da família (Jules) detesta o Natal, mas descobre que seu avô é o papai noel e por causa de um infarto não poderá fazer as entregas desse ano, Jules então resolve ajudar. O filme é emocionante e trás bastante conceito pra quem perdeu alguém perto de uma data comemorativa.

A princesa e a plebéia

A história é uma franquia com três filmes estrelados pela atriz Vanessa Hudgens, a trama é de duas mulheres que se parecem muito e podem ser parentes distantes, uma é duquesa e outra confeiteira, elas decidem trocar de lugar. Em cada filme uma aventura diferente e nele se aborda a questão da amizade

Um menino chamado Natal

O longa é sobre um garoto que mora na floresta com seu pai, pois perdeu sua mãe. Antes de morrer, ela sempre contava histórias de elfos e dizia que eles já tinham ido à sua vila. O menino tinha fé que existiam, o pai nem tanto, mas a mando do rei foi atrás da vila dos elfos. 

O menino ficou com sua tia, que não era tão legal, por isso, fugiu para encontrar o pai e acabou encontrando um velho elfo que lhe deu poderes, retornando a vila descobre que humanos não eram bem vindos e foi preso, no final consegue fugir e achar seu pai. Esse filme fala muito sobre o luto, como conviver com a dor e fazer o melhor com ela.

​​Tudo bem no Natal que vem

O filme brasileiro protagonizado por Leandro Hassum fez sucesso no ano passado com a história do pai de família que depois de sofrer um acidente acaba vivendo o dia de natal todos os dias, não se recordando de nada que viveu ao longo do ano. A comédia arranca risos e chorar e vale muito a pena.

Recentemente a Netflix liberou uma lista com várias outras sugestões para os assinantes curtirem o fim do ano, confira no Instagram.