cinema

Festival Interamericano de Cinema Universitário exibido no Cine Santa Tereza

No dia 04 de outubro às 16:30, o Cineclube Joaquim Pedro de Andrade do Cine Santa Tereza irá exibir o filme “Expurgo”, do aluno Henrique Canazart.
Também serão exibidas outras duas produções premiadas de alunos de universidades da Bahia e de Fortaleza. O Lumiar é coordenado pelos professores Sávio Leite e Daniel Veloso, em conjunto com os alunos participantes.
Agora você terá a oportunidade de conferir as produções premiadas em um dos cinemas mais charmosos de BH.

Curtas da edição do festival Lumiar de 2022 a serem exibidos:

EXPURGO / Henrique Canazart / UNA/ 2022 / 14´36”
Maria se encontra em uma realidade distorcida, andando por u espaço labiríntico. Tentando sair desse lugar, ela ressignifica e exorciza suas lembranças para poder seguir em frente.

PROCURA-SE BIXAS PRETAS / Vinícius Elizário / UFBA (Universidade Federal da Bahia) / 2022 / 25´
Durante a audição de um teste de elenco, os concorrentes realizam um monólogo no qual contam as vivencias sobre afeto e identidade de duas personagens.

NA ESTRADA SEM FIM HÁ LAMPEJOS DE ESPLENDOR / Liv Costa e Sunny Maia / Vila das Artes de Fortaleza CE / 2021 / 11´32”
Uma vez, ela disse quando fui embora de mim, adeus era tudo o que eu tinha para dizer. Nessa viagem, talvez não exista uma chegada. Só um caminho infinito.

Aproveite!

Por Júlia Garcia

O Dia do Cinema Brasileiro ficou marcado pela gravação feita por Afonso Segreto. Há 125,  Afonso estava de volta ao Rio de Janeiro após um período na Europa. O homem, que havia comprado equipamentos para produzir seus próprios curtas, chegou ao Rio e gravou Uma Vista da Baía de Guanabara.

Confira agora alguns filmes brasileiros que marcaram a história do cinema nacional.  

O Cangaceiro (1953)

Obra dirigida por Lima Barreto, foi um dos primeiros filmes brasileiros a ganhar premiações internacionais. O Cangaceiro conta a história do bando de cangaceiros do capitão Gaudino (Milton Ribeiro), que semeiam o terror pela caatinga nordestina. Durante um assalto do grupo, a professora Maria Clódia (Vanja Orico) é raptada e se apaixona pelo pacífico Teodoro (Alberto Ruschel).

A obra ganhou o prêmio de melhor filme de aventura e de melhor trilha sonora no Festival de Cannes. A premiação fez com que o longa fosse vendido para a Columbia Pictures e exibido em mais de 80 países.

Onde assistir: YouTube.

Foto/Divulgação: Terceiro/Agência O Globo
Central do Brasil (1998)

Responsável pelo primeiro Urso de Ouro do Festival de Berlim, Central do Brasil é protagonizado por Fernanda Montenegro. O filme conta a história de Dora (Fernanda Montenegro), que escreve cartas para analfabetos na Central do Brasil. Um dia, Josué (Vinícius de Oliveira), filho de uma das clientes de Dora, perde sua mãe e conta com apoio da mulher para uma viagem pelo interior do Nordeste, em busca do pai. 

Central do Brasil é um dos maiores marcos do cinema brasileiro. Além de ganhar o Urso de Ouro, o filme foi indicado ao Oscar como melhor filme estrangeiro. Fernanda Montenegro recebeu uma indicação ao prêmio de melhor atriz. Infelizmente, o Oscar não veio, mas a atriz recebeu um Urso de Prata por sua atuação.

Onde assistir: Globoplay, NOW, Apple TV e Google Play Movies.

Foto: Paula Prandini. Divulgação/Estadão
O Auto da Compadecida (2000)

Antes de se tornar uma adaptação cinematográfica, O Auto da Compadecida foi criado como uma minissérie de quatro capítulos para a TV aberta. Mas, o sucesso foi tanto, que a Globo Filmes decidiu investir no primeiro longa de sua história, e assim, surge a versão para o cinema. A obra conta as aventuras de João Grilo (Matheus Nachtergaele) e Chicó (Selton Mello), dois nordestinos que vivem de golpes para sobreviver. Tudo muda com a aparição de Nossa Senhora (Fernanda Montenegro) na vida dos amigos.

O filme foi vencedor no Grande Prêmio do Cinema Brasil, nas categorias de melhor ator, melhor diretor, melhor lançamento e melhor roteiro. Além disso, venceu o prêmio do júri popular no Festival de Cinema Brasileiro em Miami. O ator Matheus Nachtergaele (João Grilo), foi para o Festival Internacional de Cinema de Viña del Mar, no Chile. Em 2015, o filme foi eleito pela Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine) um dos 100 melhores filmes brasileiros de todos os tempos. 

Onde assistir: Globoplay e YouTube.

Foto/Divulgação: Globo Filmes
Cidade de Deus (2002)

O filme Cidade de Deus, dirigido por Fernando Meirelles e Kátia Lund, se passa na cidade do Rio de Janeiro. A obra narra a trajetória de Dadinho (Douglas Silva) e Buscapé (Alexandre Rodrigues). Buscapé, que vive com medo da possibilidade de se tornar um bandido, acaba sendo salvo por seu talento como fotógrafo. Ao contrário de Dadinho, agora Zé Pequeno (Leandro Firmino), que se torna o temido chefe do tráfico da região. 

Cidade de Deus é um dos filmes mais aclamados da história do cinema nacional. São mais de 20 indicações e premiações ganhas. Foi indicado ao Oscar nas categorias de melhor roteiro adaptado, melhor diretor, melhor fotografia e melhor edição. Infelizmente, não levou nenhuma estatueta, mas ganhou o prêmio de melhor edição no BAFTA Awards.

Onde assistir: GloboPlay, Netflix, Paramount+, Amazon Prime Video, YouTube e Google Play Filmes.

Foto/Reprodução: IMDb
Tropa de Elite (2007)

Protagonizado por Wagner Moura, o longa de ficção foi dirigido por José Padilha e estreou com chave de ouro. A obra é narrada em primeira pessoa pelo Capitão Nascimento (Wagner Moura), da tropa de elite do Rio de Janeiro. Em Tropa de Elite, o capitão, que quer deixar a corporação, tenta encontrar um substituto para o seu posto. 

A obra ganhou o Urso de Ouro de melhor filme no Festival de Berlim. Além disso, também ganhou o prêmio na mesma categoria no Festival de Lisboa. Devido ao sucesso, o diretor lançou a sequência do longa, “Tropa de Elite 2: O Inimigo Agora é Outro”, que também foi indicado a diversos prêmios.

Onde assistir: GloboPlay, Netflix, Star+, Amazon Prime Video, Apple TV, Google Play Filmes e YouTube.

Foto/Divulgação: BentoMarzo/VEJA
Marte Um (2022)

Escrito e dirigido por Gabriel Marins, ex-aluno de cinema da Una, Marte um Um conta a história da família Martins. Uma família negra, de classe média baixa e mineira, busca seguir seus sonhos em um país que acaba de eleger como presidente um homem de extrema-direita, que representa o contrário de tudo que eles são.

O longa ganhou o prêmio de favorito do público gaúcho e outros três Kikitos (estatueta que representa o deus do bom humor). Além disso, a obra foi indicada pelo Brasil para disputar uma vaga no Oscar 2023, mas infelizmente não conseguiu. Marte Um também conquistou o prêmio especial da categoria longas brasileiros, melhor roteiro e melhor trilha musical. 

Onde assistir: Telecine, YouTube, Apple TV e Google Play Filmes.

Foto/Divulgação: Filmes de Plástico

Evento Conecta. Arte de divulgação Una
Evento vai integrar alunos e mercado de trabalho de arquitetura, comunicação, arte, moda e design
Na sua 9ª edição, o Conecta prepara uma semana de palestras e workshops no campus Liberdade da Una entre os dias 8, 9 e 10 de maio. O evento será realizado em Belo Horizonte na modalidade presencial no turno da manhã e noite, sendo totalmente gratuito para alunos e qualquer pessoa que tenha interesse na área da economia criativa.
O Conecta consiste na oferta de palestras, oficinas e workshops relacionadas aos cursos de Arquitetura e Urbanismo, Design de Interiores, Design, Moda, Jornalismo, Publicidade e Propaganda e Cinema. Promovido pela Una – que integra o Ecossistema Ânima, o evento visa fortalecer o empreendedorismo e economia criativa, além de ser uma ótima oportunidade de conhecer vários profissionais, escritórios e empresas da área para ampliar o networking.
De acordo com a coordenadora dos laboratórios de Comunicação, Arquitetura, Design e Moda da Una Liberdade, Ana Karolina de Oliveira Carvalho, o Conecta tem o propósito de promover uma maior proximidade entre universidade e mercado, além de contar com uma programação técnica e diversificada, reunindo profissionais do mercado, mestres da indústria e empresas do setor.
“O Conecta é um evento que possibilita o contato com diversas áreas de cada profissão, sendo uma oportunidade para os alunos experimentarem e tirarem dúvidas, entenderem como o mercado funciona e começarem a se conectar verdadeiramente com o mundo do trabalho, tudo isso através da troca de conhecimento que as palestras e oficinas proporcionam”, afirma.
Uma novidade dessa edição serão as ações de lazer, como body piercing, flash tattoo, vendas de canecas e acessórios, entre outras atividades no local. Toda a programação é gratuita, sendo necessário garantir a vaga no link www.sympla.com.br/produtor/unacdu.
Presença

Entre os nomes confirmados para o Conecta na área da Comunicação, estão: Jaime Junior, Renato Rios Neto e Sérgio Marques. Já em Cinema e Audiovisual, o evento receberá Pedro Vale e Mariana Mól. Na arquitetura, Julio torres e Erica Medeiros.

Conecta 2023
Evento Conecta. Arte de divulgação Una

Data: 08, 09 e 10 de maio.
Una campus Liberdade – Rua da Bahia, 1764 – Lourdes, Belo Horizonte.
Horário: 09h30 às 11h e 19h às 22h.

Na última terça-feira (25), a capital mineira recepcionou no Cine-Theatro Brasil Vallourec a primeira apresentação do projeto Première Minas, com apoio da Casa do Jornalista e do CEC –  Centro de Estudo Cinematográfico -, que se dedica ao lançamento de filmes autorais. O intuito é ser um evento mensal, com objetivo de exibir filmes de curta,  longa-metragem e séries. Na abertura do  evento, o filme escolhido foi “Bar Relicário – Filme-tributo a Hélio Zolini” do cineasta Fábio Carvalho.

O Centro também está usando o espetáculo para chamar as pessoas para participarem do  Amigos do CEC, que são compostas por membros associados e todos que se envolvem, contribuindo para a manutenção da entidade e assim, mantendo a cultura e aprendizado para os próximos que irão à Casa.

Elenco principal de “TTLMT” recebendo o principal prêmio da noite, o melhor filme do ano (Patrick T. Fallon/AFP)
Elenco principal de “TTLMT” recebendo o principal prêmio da noite, o melhor filme do ano (Patrick T. Fallon/AFP)

Aconteceu no último domingo (12) em Los Angeles a 95ª edição do Oscar, principal premiação do cinema.

Por Gustavo Meira

“Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo” foi o grande vencedor da noite, levando sete das 11 estatuetas que concorria. São eles: Melhor Filme, Direção, Atriz, Ator Coadjuvante, Atriz Coadjuvante, Roteiro Original e Montagem.

Além de fazer história no Oscar, o filme se tornou o mais premiado da história do cinema, conquistando 165 prêmios nesta temporada. Antes da premiação, o longa já tinha acumulado 158. O recorde pertencia ao longa “Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei”, que detém 101 prêmios.

Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo acompanha Evelyn Wang, uma mulher de meia-idade que emigrou da China, deixando os seus pais para trás para seguir o sonho americano com o marido, Waymond. Os dois abriram uma lavandaria, por cima da qual vivem com a filha, Joy, a primeira geração da família a crescer nos EUA. Em um dia atribulado, ela é arrastada para uma aventura multiversal, onde precisa salvar o mundo ao explorar outros universos conectados com a vida que ela poderia ter vivido.

foto: redes sociais
foto: redes sociais

Os diretores, Daniel Kwan e Daniel Scheinert, levaram o prêmio de “Melhor Direção’’. Em seu discurso, Scheinert agradece aos pais e menciona aceitação com uma declaração a favor do movimento LGBTQIA+.

Daniel Kwan e Daniel Scheinert levando o prêmio do Oscar. foto: redes sociais
Daniel Kwan e Daniel Scheinert levando o prêmio do Oscar. foto: redes sociais

Michelle Yeoh levou a estatueta de ‘’Melhor Atriz’’, aos 60 anos e fez história por ser a primeira asiática vencendo na categoria. Com um discurso de esperança e de possibilidade de concretização de sonhos, Yeoh lembrou que as pessoas não podem ditar limites de idade para as realizações de terceiros. “As mães são super heroínas e, sem elas, ninguém estaria aqui”.

Foto: Oscar divulgação
Foto: Oscar divulgação

Outros destaques:

O longa “Nada de Novo no Front” ganhou em quatro categorias: Melhor Filme Internacional, Direção de Arte, Fotografia e Trilha Sonora Original.Brendan Fraser marcou seu retorno à Hollywood com “A Baleia” e ganhou como ‘’Melhor Ator’’. O filme também venceu na categoria de Cabelo e Maquiagem.

interpretação do ator no filme ‘’Baleia’’. foto: redes sociais
interpretação do ator no filme ‘’Baleia’’. foto: redes sociais

Guillermo del Toro venceu na categoria ‘’Melhor Animação’’ por “Pinóquio”, em que usou a técnica stop-motion para dar vida à uma nova versão do boneco de madeira.

Filmes como “Os Banshees de Inisherin”, “Os Fabelmans”, “Elvis” e “Tár”, que concorriam em várias categorias, não levaram nenhuma estatueta e saíram de mãos vazias da premiação.

Rihanna no Oscar

Acompanhada de uma orquestra, Rihanna fez uma performance emocionante ao cantar ‘’Lift Me Up’’, indicada  na categoria como ‘’Canção Original’’, trilha sonora de ‘’Pantera Negra: Wakanda Para Sempre’’, homenageando o ator Chadwick Boseman, que interpretou o protagonista da história e faleceu em 2020. O Filme venceu na categoria ” Melhor Figurino”.

foto: redes sociais
foto: redes sociais

Lady Gaga no Oscar

Lady Gaga apresentou a canção ‘’Hold My Hand’’ no palco, que estava indicada na categoria ‘’Canção Original’’ do filme Top Gun: Maverick. O que chamou a atenção foi a cantora cantando sem maquiagem, de camisa preta,  jeans rasgado e um all star, totalmente diferente da forma em que chegou na premiação, com um Versace e corpete transparente. A cantora foi bastante elogiada pela humanização e sensibilidade da performance.

Apresentação de Lady Gaga no Oscar. Foto: getty images
Apresentação de Lady Gaga no Oscar. Foto: getty images

Vencedores Oscar 2023

 

Melhor Filme

 

Nada de Novo no Front

Avatar: O Caminho da Água

Os Banshees de Inisherin

Elvis

Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo (VENCEDOR)

Os Fabelmans

Tár

Top Gun: Maverick

Triângulo da Tristeza

Women Talking

 

Melhor Edição

 

Todd Field (Tár)

Dan Kwan e Daniel Scheinert (Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo) (VENCEDORES)

Martin McDonagh (Os Banshees de Inisherin)

Ruben Ostlund (Triângulo da Tristeza)

Steven Spielberg (Os Fabelmans)

 

Melhor Atriz

 

Cate Blanchett, Tár

Ana de Armas, Blonde

Andrea Riseborough, To Leslie

Michelle Williams, Os Fabelmans

Michelle Yeoh, Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo (VENCEDORA)

 

Melhor Ator

Austin Butler, Elvis
Colin Farrell, Os Banshees de Inisherin
Brendan Fraser, The Whale (VENCEDOR)
Paul Mescal, Aftersun
Bill Nighy, Living

Melhor Ator Coadjuvante

Brendan Gleeson, Os Banshees de Inisherin

Brian Tyree Henry, Passagem

Judd Hirsch, Os Fabelmans

Barry Keoghan, Os Banshees de Inisherin

Ke Huy Quan, Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo (VENCEDOR)

Melhor Atriz Coadjuvante

Angela Bassett, Pantera Negra: Wakanda Para Sempre

Hong Chau, The Whale

Kerry Condon, Os Banshees de Inisherin

Jamie Lee Curtis, Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo (VENCEDOR)

Stephanie Hsu, Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo

Melhor Filme Internacional

Alemanha, Nada de Novo no Front (VENCEDOR)
Argentina, Argentina, 1985
Bélgica, Close
Polônia, EO
Irlanda, The Quiet Girl

Melhor Roteiro Adaptado

Nada de Novo no Front

Glass Onion: Um Mistério Knives Out

Living

Top Gun: Maverick

Women Talking (VENCEDOR)

Melhor Roteiro Original

Os Banshees de Inisherin

Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo (VENCEDOR)

Os Fabelmans

Tár

Triângulo da Tristeza

Melhor Figurino

Babylon

Pantera Negra: Wakanda Para Sempre (VENCEDOR)

Elvis

Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo

Sra. Harris Vai a Paris

Melhor Trilha Sonora

Nada de Novo no Front (VENCEDOR)

Babylon

Os Banshees de Inisherin

Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo

Os Fabelmans

Melhor Animação

Pinóquio de Guillermo del Toro (VENCEDOR)

Marcel the Shell With Shoes On

Gato de Botas 2: O Último Pedido

A Fera do Mar

Red: Crescer é uma Fera

Melhor Curta-metragem Em Live Action

An Irish Goodbye (VENCEDOR)

Ivalu

Le Pupille

Night Ride

The Red Suitcase

Melhor Animação Em Curta Metragem


The Boy, the Mole, the Fox and the Horse (VENCEDOR)
The Flying Sailor

Ice Merchants

My Year of Dicks

An Ostrich Told Me the World is Fake and I Think I Believe It

Melhor Documentário

All That Breathes

All the Beauty and the Bloodshed

Fire of Love

A House Made of Splinters

Navalny (VENCEDOR)

Melhor Documentário de Curta-metragem

The Elephant Whisperers (VENCEDOR)

Haulout

How Do You Measure a Year?

The Martha Mitchell Effect

Stranger at the Gate

Melhor Som

Nada de Novo no Front

Avatar: O Caminho da Água

The Batman

Elvis

Top Gun: Maverick (VENCEDOR)

Melhor Canção Original

Lift Me Up (Pantera Negra: Wakanda Para Sempre)

This Is a Life (Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo)

Naatu Naatu (#RRRMovie) (VENCEDOR)

Applause (Tell It Like a Woman)

Hold My Hand (Top Gun: Maverick)

Foto da classe de todos os indicados a edição 95 do Oscar (Richard Harbaugh/A.M.P.A.S)
Foto da classe de todos os indicados a edição 95 do Oscar (Richard Harbaugh/A.M.P.A.S)

Por Lucas Matheus

O grande vencedor da noite é Tudo em todo lugar ao mesmo tempo, filme do estúdio A24 que, além do grande vencedor, conseguiu ganhar na categoria de melhor ator e maquiagem, ambas com A baleia. Banshees de Inisherin e Elvis saem como os grandes azarados da noite, mesmo após campanha gigantesca da Warner para Elvis, no caso.

A HISTÓRIA FOI FEITA

Conforme foi dito anteriormente, as sete estatuetas conquistadas por “TTLMT” foram a de melhor montagem, melhor roteiro original, atriz coadjuvante, ator coadjuvante, atriz principal, direção e melhor filme. As premiações fizeram jus a grande inovação, ao ritmo contagiante e tudo isso, com um orçamento baixíssimo.

Os dois Daniel’s ganharam com muito mérito o prêmio de direção. O baixo orçamento foi superado pela criatividade e por um elenco incrível, que já havia ganhado o prêmio de elenco pelo SAG, sindicato dos atores. Yeoh é perfeita e é a condutora da história e quem entra na trama soma e atua brilhantemente bem. Os prêmios foram muito merecidos.

Elenco principal de “TTLMT” recebendo o principal prêmio da noite, o melhor filme do ano (Patrick T. Fallon/AFP)
Elenco principal de “TTLMT” recebendo o principal prêmio da noite, o melhor filme do ano (Patrick T. Fallon/AFP)

OS ESNOBADOS

Os Banshees de Inisherin, do ótimo Martin McDonagh, saiu de mão abanando em 2023. O filme foi indicado em 9 categorias diferentes e perdeu em todas. As derrotas mais sentidas são a de roteiro original, atriz coadjuvante, ator coadjuvante. Kerry Condon, Brendan Gleeson e Barry Keoghan foram geniais, mas não foi suficiente para academia, embora o filme tenha ido super bem no BAFTA, a academia britânica de cinema.

Os Banshees de Inisherin conta a história de dois amigos de longa data que entra em crise após Colm (Brendan Gleeson) decidir acabar a amizade com Pádraic (Colin Farrell) (FOTO: Searchlight Pictures)
Os Banshees de Inisherin conta a história de dois amigos de longa data que entra em crise após Colm (Brendan Gleeson) decidir acabar a amizade com Pádraic (Colin Farrell) (FOTO: Searchlight Pictures)

Elvis também foi esnobado. A Warner fez uma baita campanha, investiu bastante em várias salas e até onde tinha favoritismo, o grupo estadunidense perdeu. Perdeu em maquiagem para “A Baleia”, algo impensável semana passada, mas sem dúvida nenhuma, a mais sentida foi a derrota de Austin Butler para Brendan Fraser, irei falar em seguida sobre.

O GRANDE DERROTADO

Sem dúvidas, Austin Butler é o grande derrotado da noite. Não me leve a mal, o problema não é com Brendan Fraser, ele foi brilhante no papel. Austin apenas deu azar, competiu no ano errado, contra um papel brilhante de Fraser e que também tinha toda uma narrativa por trás e nem com forte campanha da Warner, Butler conseguiu ganhar.

Foram três anos se preparando, muita preparação e não foi suficiente para a academia. Austin Butler elevou o nível e fez muito melhor que Rami Malek quando ganhou a categoria de melhor ator por Bohemian Rhapsody.

Austin Butler no tapete vermelho do Oscar 95 (LEXIE MORELAND/BILLBOARD)
Austin Butler no tapete vermelho do Oscar 95 (LEXIE MORELAND/BILLBOARD)

OUTROS GANHADORES DA NOITE

Nada de novo no Front ganhou melhor filme internacional, fotografia, trilha sonora e design de produção. Quem ganha muito com isso é a Netflix, que teve seu nome exaltado no palco da premiação e muita busca em seu catálogo pelo filme. Jamie Lee Curtis até que enfim ganhou uma indicação ao Oscar e, de primeira, conseguiu sua estatueta, algo muito vibrado pela plateia presente.

Edward Berger, diretor do filme Nada de novo no Front, teve seu microfone cortado após 40 segundos de discurso (REUTERS/CARLOS BARRIA)
Edward Berger, diretor do filme Nada de novo no Front, teve seu microfone cortado após 40 segundos de discurso (REUTERS/CARLOS BARRIA)