cinema

0 837
Foto: Divulgação

Por Jeferson Cirilo – Start – Parceiros Contramão HUB

O próximo spin-off Bumblebee independente da franquia Transformers é surpreendentemente intrigante. Por um lado, este será o primeiro filme dentro da série que não terá Michael Bay na cadeira do diretor. Em vez disso, Kubo E As Cordas Magicas Travis Knight estará trazendo esta nova aventura Bumblebee para a vida.
Um logotipo para The Bumblebee Movie surgiu on-line, cortesia da United States Patent & Trademark Office e Hasbro. Você pode vê-lo abaixo.

Enquanto não muito é conhecido em termos de detalhes de enredo para Bumblebee, Michael Bay disse que o filme será um prequel. O roteiro de Bumblebee foi escrito por Christina Hodson.

0 793

Por Lucas Henrique – Start – Parceiro Contramão HUB

Em uma nova entrevista para o Toronto Sun, a diretora Patty Jenkins foi perguntada sobre o que ela gostaria de ver para Diana em futuros filmes da Mulher-Maravilha. Jenkins falou sobre como ela quer ver Diana progredir mais no futuro como ela continua evoluindo como um super-herói.

Patty Jenkins – Divulgação

 

“Estou animada para ela vir para a América e se tornar a Mulher-Maravilha, estamos todos familiarizados, e de ter crescido ao seu redor como um super-herói americano. Gostaria de trazê-la um pouco mais longe no futuro e ter uma história divertida, emocionante que é a sua própria coisa. Mulher-Maravilha 1 é tanto sobre ela se tornar a pessoa que ela é. Mal posso esperar para avançar com quem ela é e ter outro grande filme de super-herói autônomo “.

Treinada desde cedo para ser uma guerreira imbatível, Diana Prince (Gal Gadot) nunca saiu da paradisíaca ilha em que é reconhecida como princesa das Amazonas. Quando o piloto Steve Trevor (Chris Pine) se acidenta e cai numa praia do local, ela descobre que uma guerra sem precedentes está se espalhando pelo mundo e decide deixar seu lar certa de que pode parar o conflito. Lutando para acabar com todas as lutas, Diana percebe o alcance de seus poderes e sua verdadeira missão na Terra.

Mulher-Maravilha tem estreia marcada para 23 de junho de 2017, com direção de Patty Jenkins. O elenco tem Gal Gadot como Mulher-Maravilha, Connie Nielsen como Rainha Hipólita e Chris Pine como Steve Trevor.

 

 

0 815
Divulgação

Por Tiago Jamarino – Start – Parceiro Contramão HUB

Se você está morrendo de curiosidade de saber quais sucessos dos anos 80 Senhor das Estrelas iria por para tocar, então hoje você pode finalmente saber o que exatamente Peter Quill estará ouvindo em Guardiões da Galáxia Vol.2 . Marvel liberou a lista de faixas para Awesome Mix Vol. 2 no Twitter, juntamente com um link para pré-encomendar o álbum que vai à venda nesta sexta-feira, 21 de abril. Confira a lista de faixas abaixo:

  1. “Mr. Blue Sky” – Electric Light Ochestra
  2. “Fox on the Run” – Sweet
  3. “Lake Shore Drive” – Aliotta Haynes Jeremiah
  4. “The Chain” – Fleetwood Mac
  5. “Bring It On Home To Me” – Sam Cooke
  6. “Southern Nights” – Glen Campbell
  7. “My Sweet Lord” – George Harrison
  8. “Brandy (You’re A Fine Girl” – Looking Glass
  9. “Come A Little Bit Closer” – Jay and the Americans
  10. “Wham Bam Shang-A-Lang” – Silver
  11. “Surrender” – Cheap Trick
  12. “Father and Son” – Cat Stevens
  13. “Flash Light” -Parliament
  14. “Guardians Inferno” – The Sheepers featuring David Hasselhoff

 

 

Definido para o pano de fundo de ‘Awesome Mixtape # 2,’ Marvel’s Guardiões da Galaxia Vol. 2 continua as aventuras da equipe como eles atravessam os confins exteriores do cosmos. Os Guardiões devem lutar para manter sua família recém-descoberta juntos, enquanto desvendam os mistérios do verdadeiro parentesco de Peter Quill. Os antigos inimigos se tornam novos aliados e os personagens favoritos dos fãs dos quadrinhos clássicos virão para ajudar nossos heróis enquanto o universo cinematográfico da Marvel continua a se expandir “.

Guardiões da Galáxia Vol. 2 chega aos cinemas em 4 de maio, com direção de James Gunn. O elenco até o momento conta com Chris Pratt como Senhor das Estrelas, Zoe Saldana como Gamora, Bradley Coopercomo Rocket Raccoon, Vin Diesel como Groot, Dave Bautista como Drax, Pom Klementieff como Mantis, Michael Rooker como Yondu e Karen Gillan como Nebulosa.

0 743
Foto Divulgação

Por Glaudson Junior – Star-tv – Parceiros Contramão HUB

Segundo o site norte-americano The Hollywood Reporter, Josh Brolin ficou com o papel muito disputado em Deadpool 2, o papel seria de antagonista a  Ryan Reynolds. Nada mais nada menos que o de Cable.

No final, Brolin surgiu como um concorrente surpresa, seu personagem Marvel Comics segunda no processo, O ator interpreta o vilão Thanos nos filmes da Marvel Studios. Fontes dizem que o acordo de Brolin é para quatro filmes.

Foto Divulgação

David Leitch está dirigindo a seqüência do sucesso de estréia da Fox, com o filme Twentieth Century Fox em direção a um início de produção em junho em Vancouver.

Reynolds está retomando seu papel como o mercenário tagarela, com a história se expandindo para incluir outros personagens do canto de Deadpool do universo X-Men da Marvel.

Cable, foi co-criado pelo co-criador de Deadpool Rob Liefeld e escritor Louise Simonson, e é descrito como sendo em muitos aspectos o oposto de Deadpool: um homem que é um líder e usado para ser obedecido, que é muito controlado, mas com um uma aura de violência. Nos quadrinhos, Cable era do futuro e era o adulto e filho de Scott Summers, também conhecido como o X-Man Cyclops.

Brolin, que foi nomeado para um Oscar por sua performance em 2009’s Milk, tem estado em uma seqüência ocupada com um monte de sua culminação trabalho neste outono. Ele lidera o elenco de Granite Mountain, a aventura de combate a incêndios de Joseph Kosinski que começa em 22 de setembro e também estreia com Benicio del Toro em Soldado, a sequência de Sicario. Ele também aparece no conjunto de George Clooney, Suburbicon, que estreia no dia 3 de novembro, e estrelou o drama The Legacy of the Whitetail Deer Hunter,que começa em 25 de dezembro.

Brolin, que toma o centro do palco como Thanos em Vingadores: Guerra Infinita em 2018, é recapitulada pela CAA e Ziffren Brittenham.

Fonte:  The Hollywood Reporter

0 719
Foto Divulgação

Por Ana Paula Tinoco

Quantidade não é qualidade e é necessário saber quando parar.

A indústria cinematográfica e toda a Hollywood sofrem de um problema chamado exagero e quando falo em exagero falo do fato de não esquecerem ou deixarem determinados projetos descansarem em paz, veja o caso de Velozes e Furiosos. E porque isso acontece? Há várias explicações, mas a mais obvia é o lucro. Alguns filmes nascem para serem únicos, viram trilogias e quando você menos espera tá ali uma franquia, e essa extensão da história não traz nenhum benefício já que a medida que os números vão aumentando a qualidade do produto vai diminuindo. E foi isso o que aconteceu com “Jogos Mortais”,  Jigsaw no original.

Foto Divulgação

Ainda lembro de meu primeiro contato com o suspense/terror “Jogos Mortais”, 2005, que aconteceu quando passei pela porta do cinema e me deparei com um cartaz que tinha em letras garrafais a seguinte frase: “Esqueça Seven!” E abaixo: “Quanto sangue você daria para continuar vivo?”, dei a volta e fui conferir se era isso mesmo que tinha acabado de ler. Curiosa, já que Seven, 1995, é um dos meus suspenses preferidos, entrei no cinema e fui analisar, me achando a crítica, se realmente era possível aquele filme me fazer esquecer a obra de arte que é o filme do diretor David Fincher. Pretensão minha e de quem criou o cartaz à parte, o filme me agradou, me deixando com aquela pulga atrás da orelha. Então voltei no dia seguinte para mais uma vez analisar aquilo tudo e é impossível desgrudar os olhos da tela e não assistir outra e outra vez sem pensar: “Mas como?”. Mas nem se compara ao filme que o cartaz te manda esquecer.

Apresentando um serial killer inteligente, criativo e manipulador, com o diferencial de que ele, Jigsaw, não pode ser acusado de assassinato, já que ele não mata ninguém, ele os induz a decidir, e foi com essa ideia que o diretor James Wan deu um frescor ao gênero do suspense. Criando um quebra cabeças e inúmeras possibilidades ele traz um roteiro com desenvolvimento interessante e final revelador. Colocar um boneco em cima de um triciclo para nos conduzir pela narrativa foi uma jogada acertada, aquele boneco dá arrepios. E a sensação que tive ao assistir ao primeiro filme é que assim como um quebra cabeças você só vê o todo quando termina de formar a grande figura.

Foto Divulgação

Com apenas oito meses de diferença entre os filmes, em novembro do mesmo ano, 2005, encontramos com Jigsaw novamente. O roteiro que a princípio intitulado “The Desperate” (algo como o desespero em português) ficou engavetado por anos por seu teor violento, mas com o sucesso do primeiro filme os produtores decidiram lança – lo como uma continuação de Jogos Mortais, mudaram o titulo, adaptaram e lá estava o que podemos chamar de uma agradável continuação. O filme continua com a pegada de mistério, reviravoltas, situações óbvias que não são percebidas à primeira vista. Não te dá aquela sensação do “como?”, mas convence no papel ao qual se propôs que é o de entreter enquanto suspense.

Em 2006 encontramos um “vilão” vulnerável, mas não menos perspicaz. Com a ajuda de sua companheira que tem uma visão diferenciada do que ele, Jigsaw, acredita ser justiça vemos que a cada momento os “jogos” vão ficando mais intensos e menos eficazes. Aqui é o momento em que a quantidade de sangue que as vítimas estão dispostas a dar não faz diferença. Mas, assim como os outros o final é interessante e cheio de reviravoltas e surpresas. Com o diferencial de ter uma maior participação do ator Tom Bell, teria sido perfeito se Hollywood tivesse parado aqui, porque como já disse no início do texto alguns filmes não nascem para se tornar franquias e em “Jogos Mortais”  é o que vemos.

Foto Divulgação

Nos anos seguintes Hollywood derramou uma enxurrada de continuações, 2007 “Jogos Mortais IV”, 2008 “Jogos Mortais V”, 2009 “Jogos Mortais VI” e 2010 “Jogos Mortais VII”. Os roteiristas criaram inúmeros seguidores, esses que eram responsáveis por escolher as vítimas. Os “desafios” ficaram cada vez mais bizarros e grotescos e uma tentativa mal desenvolvida de explicar como John Kramer se tornou “Jigsaw”. Essas continuações deixaram de lado o bom suspense, as reviravoltas ou os finais surpreendentes. O legado do querido serial killer foi resumido a uma carnificina sem precedentes. Uma matança em que tinha como porque o gratuito por puro derramamento de sangue e uma bizarrice que deixaria nossos amados Freddy Krueger, Jason Voorhees e Michael Myers de queixo caídos. Assim como Jigsaw os produtores deveriam saber quando dizer “Game Over”.

Jogos Mortais 8 estreia em outubro deste ano.

Veja os trailers da franquia aqui.

Fotografia: Lucas D'Ambrosio

Banda mineira, Pink Floyd Reunion apresenta espetáculo conceitual para o público de Belo Horizonte.

Reportagem: Lucas D’Ambrosio

As noites de Belo Horizonte são conhecidas, entre outras atrações, pela sua cena musical. Diferentes bandas se apresentam periodicamente pelos pub’s e casas especializadas, trazendo trabalhos autorais ou obras já consagradas. Um dos grupos que se destacam nesse cenário é o Pink Floyd Reunion.

Nos dias 10, 11 e 12 de março (sexta, sábado e domingo), a banda apresenta o espetáculo “The Wall, o filme”. O palco será o Cine Theatro Brasil Vallourec, na Praça Sete, região central de Belo Horizonte.

A Reunião

Criada em 2003 por um grupo de amigos, ela se consolidou na noite belo-horizontina pela fiel reprodução do trabalho criado pelo Pink Floyd. Outro ponto de destaque, são as apresentações conceituais, que misturam a música com reproduções e experiências audiovisuais, presentes em parte do repertório de shows da banda mineira.

Para os ensaios, um estúdio de garagem é o local para a reunião dos sete integrantes da banda: Marcelo Canaan, Fernando Grossi, Raphael Rocha, Fernando Nigro, Raquel Carneiro, Marcelo Dias e Thiago Barbosa. Entre uma pausa e outra para ajustes de instrumentos, um café e água servida em filtro de barro, alguns instrumentos aguardavam as mãos dos músicos para iniciarem os trabalhos.

Em um quarto de garagem, na cidade de Belo Horizonte, acordes, notas, cantos e ajustes abrigam o Pink Floyd Reunion. Fernando Nigro é quem conduz a bateria da banda.  Fotografia: Lucas D’Ambrosio
Entre um ajuste e outro, leva tempo até organizar todos os instrumentos. No meio de cabos, teclados e contrabaixo, os integrantes Thiago Barbosa, Raphael Rocha e Marcelo Dias se preparam para mais uma maratona de ensaios. Fotografia: Lucas D’Ambrosio
O processo de imersão da banda para a realização do espetáculo já dura três meses. Ensaios, encontros, reuniões e acertos finais se fazem necessários para que a identidade na fidelidade de execução possa ser mantida. Na foto, os fundadores da banda, Fernando Grossi e Marcelo Canaan. Fotografia: Lucas D’Ambrosio

Dentre incontáveis cabos distribuídos pelo chão, 14 instrumentos de corda, uma bateria e três teclados, os ajustes são realizados pelos integrantes da banda, que preparavam os equipamentos para o início do ensaio. Os pés nas pedaleiras sincronizavam os últimos ajustes para o seu início. O repertório? A trilha sonora do filme “The Wall”, inspirado no disco de mesmo nome (lançado em 1979), da banda britânica. Para o espetáculo, a banda terá a companhia de um coral e orquestra, comandados pelo maestro Rodrigo Garcia.

Veja a entrevista completa com Marcelo Canaan. O Produtor executivo, guitarrista e vocalista do Pink Floyd Reunion conta mais sobre o espetáculo “The Wall”: