Cotidiano

0 219

Mulheres estão crescendo no mercado e contribuindo com a economia do país

*Por Jéssica Teixeira

O empreendedorismo feminino é uma definição que carrega consigo uma bagagem de superação de barreiras impostas socialmente. As mulheres tendem a enfrentar muitos desafios para implementar o seu negócio, pois o ambiente empresarial é ainda imerso em preconceitos. É claro que o mercado teve uma evolução e hoje tem uma melhor recepção para empreendimentos femininos e com isso tem colhido muitos benefícios econômicos.

O ramo empresarial é composto em sua maioria por figuras masculinas, o que para a sociedade representa o perfil ideal de força e autoridade para liderar uma empresa. Por esse motivo, as mulheres tendem a enfrentar muitos obstáculos quando querem empreender.

Para Ruliane Reis, formada em administração e criadora de conteúdo empresarial na web, ainda existe muito machismo tanto no mercado tradicional, quanto no empreendedorismo. Mas explica que a mulher deve assumir uma postura forte. “É preciso saber se impor, mostrar a que veio, pois fácil realmente não será”, conclui Ruliane.

Para Jaqueline Lima, analista da Unidade Educacional de Desenvolvimento (UEDE) e Gestora do SEBRAE DELAS, projeto de empreendedorismo feminino, além da burocracia de se criar um negócio, as mulheres sofrem preconceitos pela condição do seu gênero. “Por serem mães e cuidadoras da família, se dedicam 35% menos aos negócios do que os homens, e as linhas de créditos têm juros mais altos, apesar de serem melhores pagadoras”, explica.

Mesmo com todas as dificuldades, as mulheres estão abrindo portas e entrando no mercado econômico do país, com isso elas estão gerando mais empregos para a população e sanando as dificuldades de receberem salários desproporcionais. De acordo com o Monitoramento de Empreendedorismo Global (GEM) 2018, praticamente 47% dos novos empreendedores foram mulheres, ou seja, estamos falando de 24 milhões de negócios femininos movimentando a economia do país.

A digital influencer Ruliane, acredita que “ser empreendedora é transformador, a mulher ganha liberdade de escolha, liberdade financeira, passa a acreditar mais no seu potencial, afirma. É claro que essas afirmações fazem todo sentido, é uma forma de mostrar para a sociedade culturalmente machista que a mulher pode se encaixar onde ela quiser”.

De acordo com a analista Jaqueline, “as mulheres possuem características para usarem em seu benefício, elas são mais pacientes e tolerantes, sua equipe é sua família e essa confiança e cumplicidade podem ajudar nos momentos difíceis dos negócios. As mulheres têm mais empatia, estudam mais, e isso tudo faz com que o cliente volte a comprar de novo. Sem contar nos benefícios econômicos e sociais que os negócios geram”, explica.

Portanto, o empreendedorismo é um espaço que ainda tende muito a crescer com a criatividade feminina. É difícil de se consolidar, mas é possível mostrar que existe capacidade do sexo feminino dominar e estar à frente de grandes empresas.

 

*Essa matéria foi produzida sob a supervisão da jornalista Daniela Reis

 

0 209

*Por Izabela Avelar

Ao menos uma vez na semana, meu smartphone apita com uma notificação importante. Trata-se de meu relatório de tempo de uso do aparelho. Basicamente, ele me detalha quantas horas por dia eu permaneço conectada na rede, quais os aplicativos mais executados e por quanto tempo fico “dentro” deles. Vale ressaltar que essa opção foi ativada manualmente, ou seja, o próprio usuário é quem decide se quer ou não esses dados. Foi satisfatório quando li o último relatório. Descobri que permaneci 47 minutos a menos com o celular na mão, nos últimos sete dias – o que significou diminuição de 63% em relação ao mês anterior. Minha média diária não ultrapassa cinco horas.

Segundo levantamento feito pela Hootsuite e pela We Are Social, em 2018, o Brasil é um dos campeões mundiais em tempo de permanência na rede. O estudo diz que o internauta brasileiro fica, em média, 9 horas e 14 minutos conectado por dia. Desse modo, tenho ido contra as estatísticas, o que ótimo! Atribuo a mudança, principalmente, ao isolamento social, recomendado neste momento de pandemia. Já se passaram 45 dias. E, por falar em data, às vezes, me pego questionando que dia é hoje? Quantos dias tem esse mês? Quantas horas até o dia acabar? Como diz Sócrates: “Só sei que nada sei”. Logo eu, que sou absolutamente minuciosa quando se trata de calendários e prazos. Como pode? Além disso, sou entusiasta de toda aquela coisa de agradecer por um novo dia, por acordar novamente.

A questão é que os dias perderam o sentido, e as datas passam despercebidas. Não se tem liberdade para reclamar que é segunda-feira e o ônibus está cheio, seguir para a terça-feira no modo avião, ou à quarta, o meio da semana… Ufa! Quinta-feira é aquela expectativa de que se acabe, e, finalmente, a sexta-feira do sextar. Não dá para sair com os amigos, com o companheiro(a), nem almoçar com a família aos domingos. A semana perdeu suas peculiaridades. Saudade da rotina.

Onde está o mundo real? As ruas já não são as mesmas. Os rostos, agora cobertos com máscaras, não são os mesmos. Abraços e outras formas de carinho físicos estão fora de cogitação. O encontro dos cotovelos, até então esquecidos como parte do corpo, é a nova forma de se cumprimentar. O álcool em gel virou a nova companhia inseparável de nossas mãos. Saudade do afeto. Lembro-me de chegar em casa e ver a vizinha, que punha a cadeira para fora, em nome da fofoca, mas, agora, se atém a sua janela com grades. O universitário, que se ocupava, quase sempre, de reclamar do semestre, sequer tem semestre para isso.

Uma coisa é certa: desde sempre, estávamos (ou estamos) com o paradigma de que a internet e o império virtual revolucionaram nossa forma de comunicar, e de que a rede mundial seria suficiente para “visitar” alguém, demonstrar e sentir algo. De certa forma, sim, mas a tecnologia não é capaz de nos conectar com o mundo real. Nem as mais variadas redes sociais, os aplicativos de mensagens ou o próprio zoom são capazes de acabar com a saudade – ou de fazer com que não a sintamos.

Já vi gente dizendo, e/ou postando, que estão cansados do celular; gente que está com saudade do bar, saudade do namorado(a), saudade das aglomerações. Já vi gente chorando por não poder comemorar o aniversário da forma que queria. Seja de quem ou qual for, é gente com saudade de gente. Então, começamos a perceber, neste momento, o quanto as pequenas coisas importam, e as muitas coisas que perdemos por estar com os olhos ligados somente às telas.

Enquanto tudo isso não passa, continuo com minhas muitas tentativas, em casa, e meus 17 “eus”. Quero sempre levar comigo um novo hábito, que incorporei a minha velha nova rotina – e olhar para fora da janela, antes de desbloquear meu celular.

 

*A crônica foi produzida sob a supervisão do professor Maurício Guilherme Silva Jr.

 

0 290
Parlamento Federal da Alemanha (Berlim) Créditos: Rafaela Oliveira Guimarães

Por Ana Luiza Ribeiro

Quem nunca sonhou em estudar fora? A maioria dos jovens, hoje em dia, busca grandes experiências para suas vidas. Além disso, sabemos que o intercâmbio é um dos maiores diferenciais no currículo de uma pessoa. Ao pensar nisso, resolvi dar dicas valiosas sobre um país que, atualmente, conta com a maior economia da zona europeia e que tem uma atmosfera jovem e moderna.

Com posição central na Europa, a Alemanha é cercada por países importantíssimos à economia mundial, como Espanha, Bélgica, França, Suíça. Além disso, exibe imensa diversidade cultural e é conhecida por falar um dos idiomas mais difíceis do mundo.

Rafaela de Oliveira Guimarães, estudante de administração pelo Cefet-MG, realiza intercâmbio na cidade de Berlim, em 2020. “Eu tinha duas opções: Alemanha e Portugal. Escolhi a primeira por se tratar de língua e cultura mais difíceis. Precisava sair um pouco da caixinha e aprender mais”, comenta.

Por onde começar?

Hoje, existem muitas formas de conseguir um intercâmbio. Muitas universidades, por exemplo, ofertam programas por meio dos quais o estudante realiza testes para conseguir estudar fora do país. “Consegui meu intercâmbio por meio de edital aberto pelo Cefet-MG, onde estudo. O programa exigia nível B2 na língua inglesa e carga mínima completa de 40% do curso. Rendimento global e participação em projetos na faculdade contavam pontos”, explica Rafaela Guimarães.

Ela fez a prova de inglês – Toefl iBT – e conseguiu a pontuação necessária. Em seguida, enviou a documentação com a carga horária realizada e os comprovantes dos projetos dos quais participou. Desse modo, passou na primeira etapa. “A segunda era uma entrevista presencial, com orientadores do Cefet, da diretoria de relações internacionais e psicólogos. A terceira, por fim, foi a avaliação, pela instituição anfitriã, de minhas habilidades e de meus documentos. A partir daí, estava classificada e apta à realização do intercâmbio”, completa.

Sim, mas e se você não está numa universidade? Também existem formas de conseguir estalar fora: agências de viagem especializadas em intercâmbio podem lhe ajudar a realizar este sonho, e em vários países. (Clique aqui e veja essa dica de agência em Belo Horizonte.)

Depois de ser aprovado, existem custos? Ou a universidade arca com tudo?

“A princípio, o aluno intercambista arca com despesas como passagem, passaporte, seguro saúde, instalação e custos extras de viagem. O Cefet-MG, por exemplo, sobre os estudos e auxilia o aluno com 720€ por mês de intercâmbio (3 parcelas no início e 3 no meio do período de mobilidade), calculados em R$ no dia em que a verba é liberada. Qualquer divergência positiva ou negativa fica a cargo do intercambista”, esclarece Rafaela.

A universidade anfitriã tem parceria com uma residência estudantil de custo reduzido, um prédio de estudantes com quartos individuais e banheiros/cozinhas compartilhados. “O custo mensal do meu quarto é 285€. Cada lugar tem um custo, e você não pode escolher o que prefere. A escolha se dá por disponibilidade e por ordem de chegada, e o valor depende do número de quartos no apartamento”, completa.

Visto e documentação

Em toda a Europa, de acordo com o tratado de Schengen, o “visto” de turista dura três meses. Em outras palavras: não é preciso de visto em tal período. Para os meses subsequentes, deve-se fazer processos administrativos na prefeitura da cidade onde mora, para que você comprove que tem uma “residência”. Além disso, a assinatura de um seguro/plano de saúde é obrigatória durante toda a estadia. O intercambista pode optar por um seguro privado.

“Diversas empresas prestam esse serviço. Escolhi o Swisscare, que é mais acessível e só precisa ser pago uma vez, já o serviço público de saúde cobra dos cidadãos uma taxa de 105€ por mês, para que a pessoa tenha direito a ele. Além desses documentos, a universidade emite um documento comprovando que você é estudante. O visto é tirado no escritório oficial e se dá por ordem de chegada. Às terças e quintas, uma fila de mais de 200 pessoas se forma (ainda de madrugada) para a tentativa de conseguir uma senha para o visto”, conta Rafaela.

Quanto às possibilidades, a estudante conta que é essencial ter, ao menos, o nível intermediário de inglês, já que se trata da língua mais falada no mundo. Não é necessário falar alemão, mas é interessante ter um conhecimento prévio do idioma para facilitar a comunicação.

Clima e fuso horário

Para quem vive em um país tropical, não é muito fácil adaptar-se ao clima da Alemanha, pois, no verão, chove com frequência e as temperaturas não sobem além dos 23°C. O grande desafio de viver num país como este, porém, são os meses de outono e inverno, já que a temperatura pode chegar abaixo de zero.

O fuso horário também é muito diferente: enquanto todo mundo dorme no Brasil, os alemães já estão de pé, para começar sua rotina. Na Alemanha, são quatro horas a mais do que por aqui. Devido a isso, a comunicação, a rotina e o descanso podem ficar um pouco afetados.

Porém, nada disso impede de conhecer as belas paisagens do país e de ter uma conversinha com os amigos e familiares. Como tudo é questão de costume, isso seria só mais uma adaptação à rotina dos intercambistas.

Trabalho

Conseguir um trabalho na Alemanha, não é uma tarefa muito fácil, pois a maioria dos contratantes exige que você fale a língua alemã. Também não é algo impossível, já que existem alguns empregos em startups e freelances que só exigem o inglês.

 

E aí, o que achou de nossas dicas? Já pensa em arrumar as malas e partir para o intercâmbio? Deixe seu comentário!

 

*A matéria foi produzida sob a supervisão do professor Maurício Guilherme Silva Jr. e da jornalista Daniela Reis

0 302
Elas ganham espaço nessa arte marcada pelo protesto

A arte está quebrando os tabus da sociedade e abrindo espaço para as artistas

*Por Marcelo Duarte Gonçalves Junior

A voz feminina no grafite vem ganhando forças. A arte democrática é bastante presente em Belo Horizonte e pode ser vista em muros e prédios ao longo de toda a cidade. Alguns desses trabalhos foram produzidos e executados apenas por mulheres, que inspiram-se em formas, sentimentos e protestos.  “Para mim, o grafite é empoderamento e coragem. Sempre me escondi muito e quando passei a me dedicar à essa arte de rua, me soltei mais. O grafite foi uma válvula de escape, porque eu enfrentei vários problemas com autoestima,  e as tintas foram para mim uma terapia, uma forma de reconhecer quem eu sou.”  Comenta a estudante de publicidade Samira Fernandes, conhecida no universo grafiteiro pelo seu apelido Sam.

Para a estudante, Joice Oliveira, saber que o grafite vem ganhando reconhecimento e que também as mulheres estão conquistando cada vez mais espaço na arte é um indicativo de que nós estamos no caminhando para a igualdade na arte. “É muito interessante ver que o grafite à tempos vem ganhando os muros e prédios de BH, colorindo e trazendo muita diversidade,  e é extremamente importante ver que as mulheres vem ganhando espaço e podendo expressar cada dia mais que também pertencem a este movimento, que sempre foi tão predominado pelos homens”.  pontua.

Buscando sempre um olhar de inclusão o grafite é a forma de se expressar, muitas vezes com o teor de protesto, o que faz a arte sempre ser vistas sempre por várias interpretações. “O grafite é uma arte muito democrática, vai ter diversas interpretações e isso vai depender de cada um”. comenta a grafiteira Krol (Carolina Jaued).

Para Tina Funk (Marcia Cristina), artista plástica e grafiteira, a cada dia o mercado do Grafite é agraciado com a presença das mulheres, que buscam sempre inspirar umas às outras. “O reconhecimento é muito gratificante, é ótimo poder ver que as pessoas se encantam com um muro grafitado por nós.  Eu acho de extrema importância  poder grafitar e inspirar outras mulheres, no dia-a-dia”, comenta.

Mas engana-se quem pensa que ainda não existe machismo dentro da arte, muitas vezes algumas artistas são inviabilizadas dentro da arte não ganhando os devidos créditos. “Nós continuamos enfrentando barreiras, principalmente o preconceito, ainda somos vistas com olhares misóginos , como se o grafite pertencesse somente aos homens”, comenta a grafiteira Krol (Carolina Jaued).

Para a aluna do ensino médio Marcelly Fernandes, buscar cada dia mais a igualdade feminina dentro da arte do grafite é o primeiro passo para quebrarmos alguns estigmas que ainda rondam a sociedade. “Quando eu vejo um grafite a primeira coisa que me chama atenção é como a arte é transmitida por cores e formas que atraem o olhar, muitas vezes, a primeira impressão que temos é de nós perguntar quem foi o grafiteiro que fez. E esquecemos que uma mulher poderia ser a autora do desenho. Temos que mudar essa visão machista sobre a arte do grafite e um dos primeiros passos para acabar com isso é sempre incentivar as mulheres a conquistar o seu espaço.”, comenta ela.

Novas gerações

O grafite é uma arte que vem sendo passada de geração para geração, sempre carregada de bastante protesto. Mesmo tomando os muros da capital mineira para Carolina ainda temos muito ainda o que aprender e também podermos ensinar sobre a arte. “A cidade de Belo Horizonte ainda é muito fechada, as pessoas tem aquele jeitinho antigo e a cultura não muda de um dia para outro. As novas gerações que veem o grafite de forma diferente, aceitam os desenhos como arte e isso colabora para o crescimento do movimento”,  comenta Krol.

 

*A matéria foi produzida sob a supervisão da jornalista Daniela Reis

0 443
Elas também curtem esportes radicais e buscam por mais espaço

Os desafios da crescente presença feminina na vida esportiva radical

*Por: Thainá Hoehne

Pela primeira vez na história, no ano de 2020, os jogos olímpicos de Tóquio tiveram presença feminina superior à dos homens na fase de convocação, sendo 80 vagas femininas, 65 masculinas e 7 do hipismo, que tem disputa mista.

Considerando que, na primeira edição dos jogos, em 1896, as mulheres eram proibidas de competir, como na Grécia antiga, a participação das esportistas tem crescido, mas ainda é significativamente menor que a dos homens, principalmente nos esportes radicais, em que há distinção de gênero muito marcada.

“As mulheres são criadas para ficar em casa… O mundo dos esportes ‘outdoor’ é composto, majoritariamente, por homens, mas isso vem mudando aos pouquinhos”, analisa Paloma Galvão, profissional de slack e highline.

Ela descobriu o esporte há nove anos, e nunca mais parou. Apesar das dificuldades ao longo do caminho, principalmente com aquisição e montagem de equipamentos, Paloma, hoje, tem conhecimento necessário para uma prática segura, a ponto de participar de intervenção urbana com highline em 2017.

“Montamos um highline em cima do ‘Pirulito’ da praça 7, em BH, e, literalmente, paramos a cidade. Foi incrível.”, conta.

Representação

Para entender a experiência feminina nos esportes radicais, foram realizadas entrevistas com oito mulheres, profissionais e praticantes de diferentes esportes, entre os quais, modalidades de ação, como motocross, skate e MMA, e de aventura, a exemplo do highline, escalada e voo livre.

Apesar de as mulheres estarem cada vez mais inseridas nos esportes radicais, ainda não têm as mesmas condições e oportunidades dos atletas masculinos. Das entrevistadas, 87,5% confessaram já ter passado por algum tipo de preconceito ou situação constrangedora.

“Um dos maiores constrangimentos foi no primeiro voo. Ao chegar ao local, me deparei com um grupo de homens que voavam de parapente e ficaram indignados com o fato de uma ‘menininha’ pretender voar… Antes do voo, eles chegaram a me falar que era loucura e suicídio. Eu só precisava de concentração e paz”, lembra Beatriz de Souza, a Bya, atleta de pêndulo e tecido acrobático em alturas – hoje, considerada uma atleta única no mundo, por unir esportes radicais à arte.

De acordo com estudo realizado em 2015, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), sobre prática de esporte e atividade física, as modalidades preferidas por homens destacam são ciclismo (75,2%); lutas e artes marciais (70%); e atletismo (64,5%). Já entre as mulheres, destacam-se dança e balé (85%); ginástica rítmica e artística (80,5%); caminhada (65,5%) e fitness (academias de ginástica: 64,4%).

Isso nos leva a perceber o porquê de os esportes radicais serem, majoritariamente, atribuídos aos homens, enquanto a imagem da mulher esportista, na maioria das vezes, é retratada não como campeã, mas por meio de atributos relacionados ao corpo e à beleza da atleta.

Laiane Amaral, skatista profissional, começou na prática do skate com seus 18 anos de idade. Hoje, com 21, já conquistou o pódio dez vezes em campeonatos variados.

“A maioria não acreditava que eu ia chegar longe. A maioria dizia que eu ia parar, que não ia mais evoluir. Diziam que mulher usava skate como moda, para tirar fotos, essas coisas.”, comenta.

O papel da mídia é questionado quanto à contribuição na diminuição do preconceito e da discriminação impostos às mulheres atletas, por reportar comentários sobre vida social, beleza e formas físicas para além do desempenho esportivo.

Medo, adrenalina e felicidade

Apesar das barreiras impostas dentro dos esportes radicais, são nítidas a paixão e a coragem de cada entrevistada por fazer o “impossível”, de modo a inspirar outras mulheres incríveis e a conquistar cada vez mais espaço.

Gleicy das Neves, empresária e praticante de motocross, foi a única entre as participantes que afirmou nunca ter sofrido preconceitos por ser mulher. Segundo ela, nos campeonatos de motocross de que participou, os direitos são iguais e as mulheres podem até mesmo competir com os homens. “Quando colocamos amor, dedicação, e mentalizamos o desejo de ser, o resultado tem grande possibilidade de vir a seu encontro”, comenta.

Entre as palavras mais citadas com relação aos sentimentos das atletas, as principais foram: medo, adrenalina e felicidade, respectivamente. O medo pelos riscos, a adrenalina que dá asas à coragem e a felicidade da superação.

“No momento que senti que era possível atravessar uma fita grande, em minha caminhada sobre alinha monstro do pântano, de 230 metros de distância, no festival Dibson Team, me conectei à fita e o momento foi único, de superação e auto controle. Foi a primeira vez que chorei de emoção e alegria na fita.”, relembra a highliner Laís Rodrigues, que superou o medo de altura e a falta de confiança nos equipamentos, os principais desafios enfrentados no começo de sua jornada no esporte.

Palavras das minas

“Não deixem a idade, a falta de tempo ou a vergonha atrapalhar seus objetivos. Precisamos sempre sair de nossa zona de conforto.” Tarciara Santos, atleta profissional de MMA

“Não se baseiem em outros corpos ou opiniões. Vão e façam. Raquel Froes, escaladora

“Não liguem para o que os outros falam… apenas sejam vocês mesmas e façam o que amam de verdade.” Gabriela Marques, atleta de motocross.

Projetos mineiros que apoiam a cena feminina dos esportes radicais

  • @minasdepedra – Coletivo de escaladoras mineiras.
  • @highlinedasmulheres e @Highline_feminino_brasil – Projetos voltados à evolução e à divulgação das mulheres no highline.
  • @minasnoskate – Marca coletiva para incentivar e divulgar o skate feminino.

 

*A matéria foi produzida sob a supervisão do professor Maurício Guilherme Silva Jr. e da jornalista Daniela Reis

0 272
A tecnologia chegou para facilitar e transformar a vida das pessoas

Por: Mariana Aroni

Programado por meio do celular, o despertador toca. Você acorda, desliga-o, desbloqueia o telefone e entra em suas redes sociais. Vê, por meio de um post, que sua loja favorita está com diversas promoções. “Momento perfeito para comprar aquele produto que tanto queria”, pensa. Após realizar a compra, por celular mesmo, entra no site de buscas e verifica como está a temperatura em sua cidade, para saber que roupa usar. Enquanto prepara o café, escuta rádio, para saber as principais notícias do dia. Lembra-se de fazer o depósito da taxa de condomínio, entra no aplicativo do banco e já realiza a transferência. Junto ao café, responde as conversas que deixou acumular na caixa de entrada do app de mensagem. “Ah, preciso contar para Fulano sobre a nova série incrível, lançada, ontem, naquele aplicativo de streaming”. Dá mais algumas checadas nas redes sociais. Acaba por se distrair, e, quando percebe, já está atrasado! Toma um banho correndo. Como já perdeu o ônibus, decide pedir um carro no aplicativo de caronas pagas, para ir ao trabalho. “Ooops! Esqueci o lanche na geladeira. Ah, peço alguma coisa pelo aplicativo de comida”.

E aí, você identificou-se com a descrição acima?

A tecnologia tem se revelado grande aliada da humanidade. Impossível pensar em algo em que ela não esteja presente. O grande facilitador, a permite nosso acesso a tantas tecnologias, é a internet.

Criada nos Estados Unidos, em 1969, a rede mundial pertencia ao Departamento de Defesa daquele país. Sua função era interligar laboratórios de pesquisa para permitir a comunicação entre cientistas e militares. Após alguns anos, em 1982, seu uso se ampliou para assuntos educacionais e acadêmicos, e, pouco depois, disseminou-se para o ramo comercial. Chega ao Brasil em 1988, com o foco em assuntos educacionais. Sua popularidade, por aqui, se inicia a partir de 1994, ao se expandir para uso comercial. Desde então, diversas mudanças ocorreram.

Dados da pesquisa “TIC Domicílios”, realizada em 2019, mostrou que aproximadamente 127 milhões de pessoas no Brasil já têm a internet como parte de seu dia a dia. O número equivale a 70% da população. O celular é o principal meio de acesso à rede mundial, sendo responsável por 97% dos acessos.

Com pouco mais de duas décadas na vida dos brasileiros, a internet conseguiu revolucionar a vida das pessoas. Os adventos tecnológicos estão tão incrustados na sociedade que é inimaginável viver um dia sequer sem o auxílio deles. A tecnologia permite acessar contas bancárias, pedir comida e transporte por aplicativos, encontrar alguém para namorar, conversar com pessoas do outro lado do mundo, fazer compras e, até mesmo, trabalhar sem sair de casa. Tais rotinas seriam impensáveis há alguns anos.

“Resolvi pesquisar rotas e meios de transportes, para alguns lugares, no Google, que me sugeriu o Moovit. Desde então, só ando com ele ligado, como um mapa do tesouro”, afirma Isabela Paradela, técnica em mecânica. O Moovit permite criar rotas de viagens para transporte público, como ônibus e metrô. “A tecnologia mudou, e continua mudando, uma série de coisas em minha vida. Além da comodidade, apps como o Moovit me fizeram criar independência, de modo rápido, fácil e seguro”, completa.

Rapidez, acessibilidade e independência são apenas alguns dos benefícios das inovações ao dia a dia das sociedades. Também cresceu o número de pessoas que usam o computador, as redes sociais e a internet como meios de trabalho. São criadores de conteúdo, programadores, webdesigners, marketeiros digitais… Até profissões como motorista, hoje, têm novos horizontes por conta da tecnologia, como no caso de pessoas que trabalham com aplicativos de caronas pagas.

Gerações

A rápida adaptação às transformações e a aceitação das novas possibilidades tecnológicas abrem espaço o debate acerca de como todas essas novidades se instalaram na vida contemporânea. Com tantas mudanças a todo momento, é possível ver que jovens e crianças têm mais facilidade de inserção no mundo virtual e tecnológico. Parte da população adulta sente certa dificuldade, ou apresenta resistência, às novas tecnologias.

“As novas gerações já chegaram em um mundo tecnológico. Ou seja, a tecnologia começou a fazer parte de seu cotidiano desde muito cedo. Por isso, a familiaridade, o aprendizado e a adaptação são bem mais rápidos, e nos dão a sensação de que estão mais abertas às mudanças tecnológicas. Entretanto, elas vivem seu tempo”, afirma Wânia Araújo, antropóloga e doutora em Ciências Sociais pela PUC Minas.

Não é difícil ver adultos e idosos perdidos em meio a tanta novidade tecnológica. Além do desconhecimento, há o medo de compartilhar informações pessoais na rede. Telma Ferreira, servidora pública aposentada, diz que a inovação traz benefícios, como avanços nas pesquisas – principalmente, na área médica –, acessibilidade a informações e comodidade para o comércio, mas, também, pontos negativos, como as fraudes, os roubos virtuais e as fake news.

O receio de ingressar no mundo tecno-virtual traz dificuldades a quem está “de fora” desses assuntos. Telma, por exemplo, afirma ter certa dificuldade com o uso do celular, que apresenta múltiplas funções dispositivas e aplicativos. “Também sinto dificuladade, com a internet e as redes sociais, com o atendimento eletrônico das agências bancárias, e a solicitação de serviços no dia a dia””, explica, ao destacar que encara a tecnologia como forma de progresso: “Mas toda essa modernidade me traz medo e insegurança e afirma. Tanta tecnologia me assusta”.

Wânia Araújo lembra que, como todo e qualquer processo que traz alterações, e muda as formas de viver e interagir socialmente, é necessário que se passe o tempo, para que as novidades sejam assimiladas e passem a fazer parte do cotidiano das pessoas. “Isto se aplica a qualquer tipo de mudança na sociedade. A adaptação à novidade, seja ela de que ordem for, demanda tempo. Algumas mais, outras menos”, explica.

Para o bem ou para o mal, a tecnologia veio para ficar. É certo que a sociedade se adapta e transforma sua forma de encarar toda essa mudança a cada inovação – o que irá requerer que as pessoas saibam filtrar e medir o quanto de tecnologia participará de suas vidas. “Vivemos um tempo de contradições mais complexas”, completa Wânia Araújo.

*A matéria foi produzida sob a supervisão do professor Maurício Guilherme Silva Jr. e da jornalista Daniela Reis