Cultura

31

Resgatando todo glamour da era de ouro da Rádio Nacional, a maior emissora de rádio do Brasil nos anos 50, “Nas Ondas do Rádio” é uma ótima opção para quem quer se divertir e conhecer toda a história dessa época que marcou muitas gerações. O espetáculo é interpretado no auge da Rádio Nacional, a maior emissora do Brasil nos anos 50, com todas as vedetes, atores, cantores que marcaram aquela época.

O texto foi criado há dez anos por Pádua Teixeira, que estudou o tema antes da criação. A comédia que está em cartaz no Teatro ICBEU é dirigida por Luiz Fernando Duarte que e tem no elenco 16 jovens atores, cantores e comediantes. O atual diretor conheceu o teatro pela primeira através da peça “Nas ondas do Rádio” e desde então apaixonou-se e trabalha no espetáculo. Segundo Luiz a divulgação da peça é focado no público adulto, que vivenciou a época, mas jovens também assistem e gostam do que vêm.
Alunos da disciplina de Rádio Jornalismo do Centro Universitário UNA vão assistir hoje “Nas Ondas do Rádio”, acompanhados da doutora e professora Cândida Lemos, que diz ser muito importante conhecer a história do rádio brasileiro.
A peça está em cartaz no Teatro do ICBEU, localizado na Rua da Bahia, n° 1723 em Belo Horizonte. Na sexta- feira o espetáculo começa às 20h30, no sábado às 21 horas e no domingo às 19h30. Os ingressos vendidos no local custam R$30 (inteira) e R$15 (meia para estudantes e maiores de 60 anos). Os ingressos também podem ser adquiridos nos postos da Belotur R$ 12(inteira).

Vejo a entrevista com Cândida Lemos, falando sobre a história do rádio Nacional:


Galeria

Por Andressa Silva, Ana Sandim, Iara Fonseca.

Fotos: Adriana Porto

Filhos da Terra é o nome da exposição de arte produzida por Tales Sabará que será inaugurada hoje, 01 de setembro às 19 horas, na Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa. Em seu trabalho, o artista retrata homens e mulheres negros de sua cidade natal Congonhas/MG, por meio de uma série de 10 desenhos de grafite sobre o papel.

Os desenhos que em algumas partes parecem incompletos causam certa incerteza em quem vê, o tom amarelado e o formato quadriculado dão a impressão de que foram feitos em folhas de cadernos antigos. No site “Das Artes”, Tales faz uma pequena descrição da exposição e relata seu objetivo ao fazer desenhos inacabados das figuras negras “procuro dizer que a sociedade e os políticos ainda têm muito a fazer por essa parcela da população brasileira”.

Tales através desta exposição trata de um assunto sério da nossa sociedade, o negro e seu espaço. Indiretamente o artista quer atentar para a desigualdade social e injustiças que acometem as pessoas de raça negra, em função do preconceito que separa as classes do nosso país em uma pirâmide social.

A exposição estará aberta para visitação no período de 02/09 a 30/09, de segunda a sexta-feira, no horário de 08 às 20 horas e nos sábados de 08 as 13 horas, na Rua da Bahia, número 1889, segundo piso. Entrada franca.

Por Andressa Silva e Iara Fonseca

Edição Danielle Pinheiro

0 722

Textura, cor, estilo e diversidade conceituam o evento “Quina do Design 2010”, que acontece no edifício Maleta. A galeria leva o visitante a passear por um universo cheio de formas e conceitos que traduzem o olhar do Design por meio de exposições, palestras e oficinas, convidando-o para interpretações variadas.

O espaço é uma galeria de arte que foi criada há um ano, pelos designers Rodrigo Furtini e Ayrton Mendonça, que tem como proposta produzir exposições a cada 20 dias, sempre criando oportunidade para novos artistas. “A Quina do Design tende a ser um marco em Belo Horizonte. Vamos realizar outros eventos com a intenção de criar, assim, oportunidades para que finalmente o público mineiro se apaixone pela arte.”, conta  Furtini.

O evento, que começou dia 21 de agosto, conta com o apoio da Lei de Incentivo a Cultura, além da parceria com a RedBull e vários artistas, como Tyler Littlejohn Johnson, Hugo Werner e Daniela Papine. O encerramento será no dia 28 de agosto, com uma festa ao som do Dj Ed. Os convidados poderão  curtir o evento e ainda participar do lançamento da segunda edição da Revista CODE 2 .

Para mais informações acesse o site: www.flickr.com/quinagaleria

dsc_0520

Clique na foto para acessar a galeria

Por: Iara Fonseca e Andressa Silva

Em sua 16° edição, a “Casa Cor Minas Gerais” promete inovar e lançar tendências. O evento, que acontece no edifício ArcelorMittal, localizado na Avenida João Pinheiro,  próximo à Praça da Liberdade, tem para 2010 o tema “Sua Casa, Sua Vida Mais Sustentável e Feliz”, apostando na utilização de recursos naturais, sem agredir o meio ambiente.

O espaço vai contar com mais de 50 ambientes criados por decoradores, arquitetos e designers de todo o Brasil, que aceitaram o desafio de transformar um prédio comercial em um projeto audacioso e inovador. Os espaços criados misturam tecnologia e reciclagem, resultando em ambientes planejados e ecologicamente corretos.

mataria-meio
clique na foto para acessar a galeria

O evento começou dia 24 de agosto e já premiou três profissionais na categoria “Melhor Projeto Casa Cor 2010”:

1° lugar Pedro Lázar
2° lugar Myrna Porcaro
3° Lugar Ana Carolina Matos

Para quem quiser conferir os espaços “Casa Cor”, o evento permanecerá na Av. João Pinheiro, 580, Bairro Lourdes, até o dia 5 de outubro, de terça a sexta- feira, de 14h às 22h, sábado 13h às 22h e domingo 12h às 19h.

Confira vídeo da arquiteta Edwiges Cavalieri, sobre o projeto “Sala de Games”, na 16ª edição do “Casa Cor Minas Gerais”

Texto: Débora Gomes
Reportagem: Laís Sena
Imagens: Marcus Ramos

Baseada no último livro da Bíblia Sagrada, a exposição da artista Lígia Vellasco, inaugurada hoje na Biblioteca Pública Luiz Bessa, mostra a série “Apocalipse”. O livro, escrito por São João Evangelista, a partir de suas visões na ilha de Patmos, oferece uma fonte de inspiração rica, sugestiva e dramática para a artista, que trabalha a dois anos na série.

Lígia explora visualmente algumas das figuras e situações descritas no texto do Apocalipse, por exemplo, os quatro cavaleiros (peste, fome, guerra e morte), a mulher vestida de Sol, o anjo da Morte, o anjo que abre as portas do inferno ou a prostituta da Babilônia que sai do mar montada em um monstro.

As pinturas são livremente inspiradas nas visões, a partir daí, a artista trabalha com liberdade na criação das imagens. Uma das telas que chama atenção é a que retrata um grande desastre ecológico. As pinturas são fortes, sombrias, como o próprio Apocalipse.

A exposição até o dia 06 de setembro e a entrada é franca.

imagem-0011

imagem-007

imagem-010

imagem-012

Por Daniella Lages

A divertidíssima exposição My Paper Sunglasses comprova que os óculos servem não só para nos proteger dos raios ultravioleta. Na mostra, do idealizador e curador Otávio Santiago, os óculos servem também para nos “cegar às avessas”. Eles se tornam um curioso suporte de revelação.

Vários artistas de diversas áreas foram convidados por Santiago a fazer uma intervenção sobre as lentes de papel dos óculos, através das suas próprias criações.

Os óculos aparecem como painéis ou telas, e em cada uma das superfícies, um ponto de vista particular: a imagem de si mesmo que sempre quis ver, ou melhor, exibir.

O público também é convidado a experimentar os óculos, escolher um perfeito e fazer uma foto. Durante as duas primeiras intervenções de convidados, foram feitas várias fotos dos autores das criações e de quem passou para conhecer a exposição.

Um editorial também foi inspirado nas idéias apresentadas em My Paper Sunglasses. A exposição ficará na Mini Galeria, na Avenida Cristóvão Colombo, 550, até o dia 24/08.

Veja mais fotos na nossa galeria.

imagem-0261

imagem-0281

imagem-0341

imagem-040

Por Daniella Lages