Dança

0 371
Foto: arquivo pessoal.

Por Ana Clara Souza 

“Quando me descobri como artista, foi uma fronteira pra mim. Uma fronteira que me ajudou a pensar e a utilizar a dança de muitas maneiras. Estar sempre inquieto, procurando diferentes formas de, não só de expressar, mas também, de construir o movimento com diferentes corpos e fazer leituras diferentes das situações. Então eu trabalho assim.   Diversas metodologias em uma aula só! (…) Eu me considero uma pessoa aberta e disposta a criar novas realidades não postas, sabe?”

Dentro de uma entrevista de 19 minutos com o meu Diretor Artístico, Dadyer Aguilera, resolvi começar com esse trecho que é uma fala que me impacta. Sempre ouvi coisas semelhantes vindas deste cubano. Por isso, talvez, eu ainda danço.

Este cubano é o artista mais intenso que já conheci. Esse latino é Dadyer Aguilera.

Foto: arquivo pessoal.

O ano era 1969 e passaram 10 anos do famoso Triunfo da Revolução Cubana (1959). Na cidade caribenha de Guaimaro, em Camaguey – Cuba, nasceu do amor de um casal,  um menino miscigenado, cujo entusiasmo e espontaneidade veio junto ao primeiro choro de vida. Brota naquele momento o que só poderia nascer de um sol em sagitário, Dadyer Aguilera. 

Conheci o Dadyer através de uma professora, Danielle Pavam – que é sua esposa e que era a coordenadora de um grupo experimental de dança ao qual participava. Atualmente, é minha diretora na Cia que danço -. Ele foi ensaiar com a gente para uma performance. Na época, confesso que fiquei muito perdida. Ali já nascia uma visão de incompreensão sobre o Dadyer.  

No mundo elitista, branco e magro da dança, pessoas como eu, gordas, baixas, normais, porém,  diferentes, não são comuns. Nem as multiplicidades de corpos, cores, tamanhos, formatos, jeitos e trejeitos existentes no Brasil fizeram a arte da dança ser diversa corporalmente falando. Não que a dança não tenha dançarinos diversos, eu sou a prova viva que tem. A verdade é que, quando se imagina uma carreira de sucesso no meio artístico (especificamente, a dança), quais são as características que te vem à mente? 

Eu duvido que tenha sido uma pessoa gorda ou uma pessoa com deficiência (PCD), entre tantas outras diversidades. Relaxa! Eu não penso que você seja uma pessoa preconceituosa ou algo do tipo. Entendo que é o reflexo de uma estrutura colonizada, esteticamente branca, magra como, Ana Botafogo, Natalia Osipova, Marianela Nunez, Mikhail Baryshnikov e outros tantos padrões que sempre estavam nas capas e dentro das revistas, novelas, filmes, séries, e, hoje, em qualquer rede social.

É muito complicado viver em uma sociedade que não nos representa. É doloroso pensar que quase ninguém semelhante a mim irá chegar em um lugar de destaque nacional ou até mundial porque não é aceito nas normas. Afinal, eu preciso mesmo ficar nessa luta interna de tentar me enquadrar  nesse molde? 

Foto: arquivo pessoal.

Dito isso, nas minhas andanças por encontros confortáveis e seguros para o meu corpo e mente, me esbarrei com uma figura graciosa. Uau! Que estranho não ter que lutar contra as minhas curvas. Que louco poder dançar! Porque, como essa figura mesma diz (com seu sotaque fortíssimo cubano), basta ter um corpo para isso. 

Gozar de prazeres, diversões e autenticidades, sempre foi a característica desse menino de pele escura, pernas compridas, rosto quadrado, pescoço curto e uma mente borbulhante que adora metáforas. Nos tempos de ouro de Cuba, onde a vida era relativamente tranquila, a alimentação era gratuita, todos trabalhavam para o governo, tinham uma boa saúde pública e educação também gratuitas, além do direito a uma moradia.

Foto: arquivo pessoal.

Parte dessa estrutura pública de Cuba,  e a mais significante para Dadyer, foram  seus estudos no Ballet Clássico. De forma gratuita e com muita qualidade, ele viveu a primeira parte de sua formação em um internato artístico com influências do Ballet russo e norte-americano, trazidos no retorno da bailarina Alicia Alonso à Cuba, que modernizou e adaptou as metodologias e transpôs para corpos latinos, diferentes da cultura europeia.

Com essa ressignificação, Dadyer entendeu  seu corpo e sua cor. Tinha ídolos parecidos com ele, e isso era o máximo. Cuba também tinha um racismo estrutural, mas ainda assim, mais consciente do que no nosso Brasil, brasileiro.

Aos 18 anos 

Na maioridade ele se forma. Era um bailarino profissional que rodopiava pelos palcos de Cuba. Porém, a situação econômica e política da sua amada Ilha caribenha não ia tão bem. É que na contagem regressiva de seu 20º aniversário, no dia 9 de novembro de 1989, caía por terra a “divisão” socialista e capitalista na Europa. O muro que se estendia em toda a Berlim ocidental, teve sua queda. Com falta de apoio financeiro da URSS Cuba entrou em decadência devido ao forte embargo imposto pelos americanos.

Cuba foi de um país desenvolvido cultural e economicamente, para um país com racionamento de energia elétrica, sem gasolinas nos postos, saques e roubos de animais com bastante frequência, dentre muitas coisas. No auge de seus 25 anos, já bailarino profissional, o cubano teve que se reinventar. Foi aí que veio para o Brasil em busca de melhorias. “Entrei na Companhia do Palácio em 99, com 28 anos. Foi uma mudança muito dolorosa para o meu corpo.” 

No Brasil, Dadyer começa a descobrir novas possibilidades e facetas. Se redescobre. Conhece duas de suas paixões, a dança contemporânea e o amor da sua vida – com quem se casou  e teve  sua segunda chica. Ele re-molda seu corpo e mente. Do en dehors, com os pés para fora, ele vai para os pés paralelos. Passa, em parte, pela novidade de pesquisa e, em outra, pela nova cultura que agora adentra seu coração cubano. 

Os negros já tinham conquistado dignidade em Cuba. No Brasil, nem na década de 90 e nem hoje. Isso foi um baque para ele e, ao mesmo tempo, uma nova porta para estudos, resistência e representação. Tudo através da arte. 

Foto: arquivo pessoal.

Assim, reverbera na sua dança uma potência inenarrável. Com uma infinita inquietude, não acha certo o monopólio de conhecimento e busca expandir e plantar toda sua sapiência nos que circundam. Talvez, por crescer em um país comunista ou talvez por ver r nas pessoas coisas que nem elas mesmas enxergam.

Através da conectividade de suas raízes, se tornou um bailarino intérprete que aprofunda o âmago de qualquer um que o assiste. Isso criou tantas possibilidades para ele, que a sua própria esposa me contou que é difícil acompanhar sua criatividade ao expressar as problemáticas do mundo através do corpo. “Bom, no dia a dia essa criatividade me mata. Mas eu tive que aprender a lidar com ela porque eu, na verdade, sou outro extremo, sou a pessoa que repete, que gosta da rotina e gosta de tudo já  conhecido. Lidar com o desconhecido, para mim, é muito diferente, muito desafiador. Eu aprendi que, às vezes, as coisas que eu achava loucura dele funcionavam. Descobrir algo novo o tempo todo pra ele, porque isso é natural dele, tá sempre inventando coisa nova, pra mim não era. E aí eu fico vendo gente, por que não, né? Coisas novas são tão necessárias.” Fala Danielle.

No Brasil
Foto: arquivo pessoal.

Se ele já era muito autêntico e bom na dança, o Brasil despertou ainda mais seu jeito único. Eu já tinha alguns atributos que descreviam esse homem de cabelo cacheado, alto, esbelto, classudo com uma postura de invejar e um cavanhaque, que para mim, é a marca registrada do Dadyer.

Na tentativa de explicar esse evento que nasceu lá em 1969, perguntei para algumas alunas dele como o descreveriam. Vale ressaltar que todas são brancas e magras. Tanto Janine, quanto Silvia, acabaram desenvolvendo uma resposta muito semlehante. Antes de qualquer adjetivo, vinha sempre um “Descrever o Dadyer, nu! Que difícil.” No final, saía talentoso, criativo, teimoso, desafiador, livre. O que mais eu posso falar… Hum… autêntico. Eu acho uma pessoa bem autêntica.” “Generoso, preciso, minucioso, gente boa. Ai, queria falar exigente, mas não é a palavra. Aí, a pessoa que te cobra porque ela sabe que você tem pra dar, sabe?” 

Resumir uma pessoa em algumas palavras é rude. Resumir o Dadyer em algumas palavras é padronizá-lo à todas as pessoas que têm as mesmas características que ele possui. Ele não é passível de definição, muito menos de comparação, as próprias entrevistadas entendem isso quando tentam. Tá tudo bem! Ele realmente é um extraterrestre inexplicável. 

Ele consegue te abraçar sem encostar em você. O remédio que ele mais faz propaganda é a ciência da dança. Para nós, alunas desse E.T, suas aulas são difíceis, são terapias, são alinhamento de chakras, são doloridas e o melhor de tudo, PARA TODOS!

Desde a Escuela Provincial de Arte de Camaguey, onde já vivenciava uma cultura onde arte é para todos, até hoje, com 53 anos, o brasileiro de alma e coração reforça o poder que a dança tem de transformar vidas. Sua forma de ver o mundo e ensinar  é refúgio de uma sociedade que ainda não entendeu muito bem o que de fato é a diversidade. Sua dança atravessa as pessoas como uma navalha afiada. Ele desafia qualquer esfera de proximidade. Ele é apaixonante.

Nos dias de hoje

Atualmente, ele reforça todas as possibilidades de mexer o corpo como crítica, política e sentimento através de suas experimentações e da Coaduna Cia. de dança ao qual é diretor artístico. Basta ter corpo, estar aberto para acessar outras perspectivas e ter vontade. Ele sabe da importância disso na vida de muitas pessoas, principalmente na dele, entretanto, quero reforçar que não se trata apenas de importância e sim de uma mente que não se rotula.

Tudo que é oriundo dos colonizadores, Dadyer faz o possível para fugir. Ele não quer mais o mesmo, ele quer corpos como o meu, como o seu – que está lendo essa revista porque de certa forma se identificou – , quer a diversidade abundante do nosso país. Na Coaduna não existe ninguém parecido. Tem gente alta, magra… mas também tem gente gorda, negra, mais velha. Para ele isso é dança, possibilidades infinitas de pensamentos, formas, trejeitos e jeitos. 

Foto: arquivo pessoal.

 

Com dois dias de evento, confira os destaques desta edição de 2023 

Por Keven Souza

Diversos fatores influenciam a credibilidade de um festival: a pluralidade no line-up, a diversidade do público, a qualidade na estrutura física e até a logística. O Festival Sensacional, que foi realizado neste último fim de semana, entre os dias 23 e 24 de junho, conseguiu cumprir todos os requisitos. Foram cerca de 21 atrações e 4 palcos que agitaram Belo Horizonte, nos mais de 30 hectares de área verde do Parque Ecológico da Pampulha. 

Noite de abertura

Em sua décima edição, o festival funcionou em um formato inédito, acontecendo em dois dias seguidos. Na sexta-feira (23), ocorreu a noite o show de abertura com a turnê “Nós, a gente”, de Gilberto Gil e família. 

A apresentação foi de encher os olhos. Transmitiu a defesa da liberdade, da igualdade e da justiça social para um mar de pessoas que ali estavam para prestigiar a carreira de Gil, que ainda homenageou Rita Lee com a clássica “Ovelha Negra”.  Ali, pelos gramados do parque, o show contou com banda formada exclusivamente pelos netos e filhos do artista, como a cantora Preta Gil. 

Arte, cultura e música a céu aberto 

No dia seguinte, sábado (24), o line-up contava com Gloria Groove, Marina Sena, Fundo de Quintal, Flora Matos, Mc Tha, Masterplano, entre outros artistas. 

No palco Chacoalha, Mc Tha trouxe suas raízes e religião para sua apresentação. A cantora, que é de Tiradentes/MG, mostrou que, além das músicas e da performance, um de seus maiores trunfos são seus fãs, que lotaram o espaço e cantaram fervorosamente seus sucessos. 

Ao entardecer, Fundo de Quintal mostrou a força que é o samba brasileiro. O grupo carioca cantou seus maiores hits, como “Trem das Onze” e “Amar é Bom”. Logo após, o clima esquentou no Festival Sensacional. 

Gloria Groove misturou funk, pop e pagode em um único show no palco Sensacional, com participação especial de Valesca Popozuda. Isso com muitas luzes, danças e figurinos. Durante a apresentação, a drag queen ainda relembrou as vezes que visitou a capital mineira e deixou claro: “Amo esta cidade”, disse Glória.  

Mais tarde, foi a vez de Marina Sena subir ao palco para encerrar a edição de 2023 do Sensacional. A mineira de Taiobeiras retornou a Belo Horizonte para apresentar sua turnê e seu novo álbum “Vício Inerente”, e cantou ainda um compilado de sucessos do seu primeiro álbum solo, “De Primeira”. 

Marina Sena durante seu show. Foto: Amanda Serafim.

Seus fãs vibravam, emocionados, lotando o gramado do Parque Ecológico da Pampulha. Lucas Fernandes, que estava presente no festival, afirma que a cantora, apesar de ter poucos anos de carreira, já é um sucesso. “Marina Sena é a nossa diva mineira”, pontua.

Era nítido a entrega de Marina no palco do Festival Sensacional, a felicidade e a qualidade do show nessa volta para a antiga casa, chamada de Belo Horizonte. 

Marina Sena. Foto: Amanda Serafim.
Sensacional é realmente sensacional 

O Sensacional é um festival que se diferencia de outros da cidade por não ter nenhum tipo de setorização. “O Sensa nasceu na rua e foi realizado durante vários anos em um formato sem grades nem ingressos, com todo o público ocupando os mesmos espaços. Faz parte dos nossos valores e vamos seguir lutando para que todes presentes possam ter acesso à mesma experiência”, afirma Mari Campos, diretora do festival.

Por Júlia Garcia 

O fim de semana em Belo Horizonte está repleto de eventos para todos os gostos. Confira hoje a agenda que o Contramão separou para você curtir o final de semana.

Sexta

Preparem os trajes caipiras para se divertir no Arraiá da Liberdade! Hoje, sexta-feira, você pode curtir um set especial de músicas típicas de festa junina. E não é só música não, vai ter muita comida, dança e muitas atividades. E o melhor de tudo: a entrada é gratuita! Curtiu? O evento, que iniciou ao meio-dia, rola até as 22, nos jardins do Palácio da Liberdade. 

E o festival Sensacional! traz uma novidade na sua décima edição. Hoje, o cantor Gilberto Gil estrela a noite de abertura do Sença. O show será realizado no Parque Ecológico e ocupará a grande esplanada gramada. Os portões abrem às 18h e o show está marcado para às 20h. Os ingressos estão à venda pelo ShotGAN.

Sábado

No sábado, acontece a décima edição do Festival Sensacional! Shows com Gloria Groove, Marina Sena, Criolo, Fundo de Quintal, Flora Matos, Mc Tha e muito mais, pra agitar o seu dia. O festival acontece no Parque Ecológico, a partir de meio-dia. Os ingressos estão disponíveis em meia entrada, meia social e inteira. Para comprar, basta acessar o ShotGAN. Ah, e fique ligadinho nas nossas redes, pois vai rolar muito conteúdo do Sensacional!, hein?

Para os amantes de um bom pagodinho, vem aí o Encontro de Pagodeiros. No sábado, o cantor Délcio Luiz mais convidados, relembram os pagodes das antigas. Você não pode perder! O evento acontece na Feira do Mineirinho, a partir das 15h. Para retirar sua cortesia, basta acessar o Sympla.

Domingo

Domingo a orquestra Filarmônica fará uma apresentação gratuita que irá espalhar muita cultura e diversão. Enquanto o público aprecia a vista da cidade, o regente José Soares comandará a nossa Orquestra em um concerto que contará com obras de grandes compositores em seu repertório. A apresentação será na Praça do Papa, às 11h. Os organizadores do evento sugerem que o público chegue com antecedência. Não vá se atrasar, hein?

*divulgação

A banda “Projeto Manacá” está pronta para o lançamento de seu aguardado EP intitulado “Nascente”, em um show exclusivo no Conservatório da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). O evento, acontecerá na quinta-feira, dia 29 de junho, a partir das 19h30, aberto ao público e a entrada é gratuita.

O Projeto Manacá, formado em 2019 por artistas comprometidos com a expressão e conexão de ideias por meio da música, traz em seu repertório referências às raízes da música popular brasileira. O grupo, composto por Thais Godinho, Bê Meireles, Márcio Badu e Calvin Badu, busca explorar ritmos que vão desde o samba e a música mineira até expressões contemporâneas do jazz e da música experimental.

Thais, Márcio, Bernardo e Calvin (da direita para a esquerda). Foto: Gui Guimarães/divulgação

Apesar de terem enfrentado o desafio da pandemia da COVID-19, o Projeto encontrou oportunidades para crescer e aprimorar seu trabalho. Durante o período de isolamento social, dedicaram-se à concepção e gravação do EP “Nascente” no Estúdio Vale Encantado, em Santa Luzia/MG.

Com a flexibilização das restrições, o grupo retomou suas apresentações, participando de eventos como a Feira da Tina, Sarau Multicultural da Academia Luziense de Letras e Artes, Domingo no Campus da UFMG, além de se apresentarem em bares e festas privadas de Belo Horizonte.

“Nascente” representa o início desse fluxo musical e simboliza um encontro de águas. O EP, que será lançado neste mês de junho nas plataformas digitais, apresenta seis faixas que capturam a essência da banda. Cada música leva os ouvintes em uma jornada sonora única, transitando entre arranjos intimistas e momentos de energia e entrega.

 

Venha participar do lançamento e curtir o show!

Mais informações acesse o Instagram da banda.

Serviço 

Show de lançamento do EP na UFMG 

Data: 29 de junho de 2023

Horário: ás 19h30

Local: Conservatório UFMG – Av. Afonso Pena, 1534, Centro – Belo Horizonte, Minas Gerais.

Por Júlia Garcia 

O fim de semana em Belo Horizonte está repleto de eventos para todos os gostos. Confira hoje a agenda que o Contramão separou para você curtir o final de semana.

Sexta

E como estamos no mês das festas juninas, já inicio nossa agenda no clima. Nessa sexta-feira acontece o primeiro Arraiá POP da Ursula. Então já separa sua boa e a camisa xadrez!! Com correio elegante, comidas típicas, dose dupla de xeque mate e rodada de catuaba na pista, o evento promete bastante diversão. Além disso, o Arraiá contará com a presença da DJ carioca, Karina Karão para agitar sua noite. O evento começa às 23h, no 80BAR e os ingressos podem ser garantidos pelo Sympla

Sábado

E no sábado você que curte carnaval e astrologia, poderá se divertir no Bloco dos Gêmeos. O evento para geral cantar, pular, dançar, cair na farra, fazer novas amizades e até mesmo encontrar seu amor, hein?! Só não prometo que seja do mesmo signo que o seu. O Bloco dos Gêmeos convida Kevinho, Psirico, Akatu, Felipe Hott e o DJ Vitor Zucarelli. Curtiu? A folia vai acontecer na Serraria Souza Pinto, a partir das 14h. E para comprar seu ingresso, é só acessar a Central dos Eventos

Belo Horizonte recebe mais uma edição do Baile da Arena Festival. No sábado, a capital mineira conta com a presença dos maiores nomes do rap, funk e trap do Brasil. Shows com Orochi, Livinho, Mc Rick, Ws da Igrejinha, Oruam e muito mais, vão agitar o seu final de semana. O festival acontece no Expominas, às 22h e os ingressos estão no site Central dos Eventos.

Domingo

Domingo e pagode é um match perfeito, concorda? Pois se prepara que vem aí mais uma edição do Sambaê! Nessa edição especial, a pagodeira Marvvila está mais que confirmada. Além da cantora, o Sambaê recebe o grupo Marra Pura, o cantor Felipe Hott e o DJ Daniel Dk. Você não pode perder!! O evento, que começa às 14h, será realizado no Concreto Skate e as cortesias e os ingressos estão disponíveis no Sympla

E para encerrar o final de semana, a cantora e compositora Ana Gabriela chega em Belo Horizonte. Depois de lançar o álbum “Degradê”, a cantora chega na capital mineira com show baseado em seu trabalho. No álbum, Ana Gabriela experimentou outros estilos musicais, como o samba. A cantora vai reunir no novo show faixas do último álbum, além de cantar sucessos de outros momentos da carreira. No palco, a artista será acompanhada pelos músicos Thiago Leal (baixo), Filipe Coimbra (guitarra) e Pedro Lacerda (bateria). A turnê degradê será realizada no Centro Cultural Unimed-BH Minas, a partir das 19h. Ingressos disponíveis no Eventim.

Festival será realizado no dia 24 de junho com mais de 20 atrações, palco de música eletrônica, intervenções da Festa da Luz, entre outras experiências. No dia 23 de junho, a noite de abertura trará Gilberto Gil e família com o show “Nós a gente”. 

*divulgação

Pela segunda vez no Parque Ecológico da Pampulha, o festival Sensacional! será realizado no dia 24 de Junho, de 12h às 22h, combinando música e arte em um espaço com mais de 30 hectares de área verde no coração da Pampulha. Por ser realizado em um parque urbano projetado pelo arquiteto Gustavo Penna para receber eventos, o Sensa! oferece uma experiência única para os amantes da natureza e da cultura. Os ingressos custam entre R$130,00 (meia) e R$260,00 (inteira) e estão à venda na Shotgun e no Sula.

A esplanada gramada do Parque Ecológico será ocupada pelo público e por dois palcos principais que ficam lado a lado. Gloria Groove convida Valesca Popozuda, Marina Sena, Hermeto Pascoal & Grupo, Yago Oproprio convida Criolo, Nação Zumbi apresenta “Manguefonia” com Fred 04 (Mundo Livre S.A), Fábio Trummer (Banda Eddie) e Cannibal (Devotos), Fundo de Quintal convida Leci Brandão, Céu e Flora Matos se apresentam no local. É possível curtir os shows na esplanada no meio da pista ou de forma relaxada sentada em uma canga nas colinas que ficam nos entornos.

Para iniciar a programação, o ritual indígena “Caminhos de Pachamama” traz canto, dança e celebração. A cerimônia é um ritual multiétnico de indígenas de Pindorama e dos Andes que invoca a força dos encantos de luz e honra a Mãe Terra. Terá a presença dos povos Kambiwá, Aranã Pataxó, Xukuru kariri e os povos Quechua e Aymara, reunidos por meio do Comitê Mineiro de Apoio às Causas Indígenas. O encontro é uma ferramenta de luta e resistência dos povos indígenas. 

O Coreto do Parque também se transforma em palco: Deska Sound, La Coya (Equador/França), Getúlio Abelha, Mc Tha, Augusta Barna e Mc Luanna convida Clara Lima são as atrações. Coberto por uma vegetação extensa com um clima agradável, o propósito de ocupar esse espaço é fazer com que o público curta seus artistas favoritos de perto. 

Na área do bosque, dando continuidade à parceria que existe desde 2016, a Masterplano terá seu próprio palco trazendo DJs e artistas visuais para integrar a programação. 

Noite de Abertura

Em 2023, o Sensacional! será realizado em dois dias, com ingressos separados para cada dia. No dia 23 de junho, Gil e sua família estrelam a noite de abertura. O show também acontecerá no Parque Ecológico da Pampulha e ocupará a grande esplanada gramada. Os portões abrem às 18h e o show está marcado para começar às 20h. Os ingressos estão à venda pela plataforma Shotgun e custam entre R$150 e R$300. 

Com a turnê “Nós a gente”, Gilberto Gil reuniu seus familiares  para uma turnê pela Europa, entre junho e agosto de 2022, e juntos percorreram vários países, realizando 17 shows. Além dos filhos Bem e José e dos netos João e Flor, que já estavam nos palcos nos shows In Concert, também estarão presentes as filhas Nara, que canta com o pai há muitos anos e Preta, além da nora Mariá Pinkusfeld e os netos Francisco, Pedro, Gabriel, Lucas, Bento, Dom e Sereno. 

Uma experiência sensacional

O Sensacional! é um festival que se diferencia de outros da cidade por não ter nenhum tipo de setorização. “O Sensa! nasceu na rua e foi realizado durante vários anos em um formato sem grades nem ingressos, com todo o público ocupando os mesmos espaços. Faz parte dos nossos valores e vamos seguir lutando para que todes presentes possam ter acesso à mesma experiência”, afirma Mari Campos, diretora do festival. 

Público do festival. Foto: divulgação.
Parceria internacional 

Dando continuidade a uma parceria que teve início em 2022, o Festival Sensacional! receberá uma artista selecionada em um concurso que estreitou laços entre Brasil e França. 300 artistas franceses se inscreveram no concurso. A curadoria foi feita pela Híbrido, pela Groover e pela Embaixada Francesa: a equatoriana radicada na França La coya foi a selecionada. A artista mistura culturas e tradições que evocam não só suas raízes equatorianas, mas também francesas. Com composições que contêm sonoridades que vão desde flautas andinas até instrumentos musicais característicos do pop latino, ela chega ao Brasil pela primeira vez.

Arte, cultura e ações sociais 

Além das apresentações musicais, o festival oferecerá uma ampla gama de espaços interativos. O público poderá experienciar as intervenções da Festa da Luz, além de um espaço para crianças, que poderão se divertir juntamente com seus responsáveis. 

Unindo dois festivais que movimentam a cidade, a Festa da Luz  vai estar presente no Sensacional! pelo segundo ano consecutivo. A parceria traz algumas das instalações que estiveram na edição de 2023 da Festa. Obras como “Desperta Kundalini” da argentina Paula Duró,  o letreiro neon com versos da artista Nívea Sabino, e parte do “Templo da Luz”, do português AKACORLEONE trarão a magia da Festa da Luz para o Sensa. 

O movimento “Deixem o Onça beber água limpa” apresentará suas práticas de conservação ecológica num estande temático, dividido com outros movimentos sociais da cidade. Voluntários do COMUPRA estarão disponíveis para compartilhar conhecimentos valiosos sobre a importância da preservação do Ribeirão do Onça e como cada um de nós pode contribuir para a despoluição da Lagoa da Pampulha e de todo o Ribeirão do Onça.

Uma novidade dessa décima edição é o Espaço Indígena Umuarama que vai proporcionar ao público uma pausa tranquila e revigorante. Um refúgio onde as pessoas poderão recarregar suas energias. O espaço Umuarama é uma realização do Comitê Indígena Mineiro e contará com exposição de artesanato, defumação com ervas e palo santo, esteiras e caixa de som com música indígena ambiente.

Enquanto desfruta o festival, o público poderá também matar sua fome com uma variedade de opções culinárias. Food Trucks e barracas oferecerão uma deliciosa seleção de pratos, com opções para quem tem restrições alimentares. 

13 anos de história

Criado em 2010, o Sensacional realizou a sua primeira edição embaixo do Viaduto Santa Tereza. Nos anos seguintes, fez parte do ressurgimento do Carnaval de Rua de Belo Horizonte. Entre 2011 e 2013, foi realizado no sábado de pré-carnaval. Já em 2014, a festa foi durante o carnaval: em dois dias, 7 bandas foram vistas por mais de 80 mil pessoas na praça da Savassi. 

Em 2016, o cenário da festa foi o Parque Municipal, que recebeu dois dias de programação no centro da cidade. Em 2018, o festival ocupou a Esplanada do Mineirão com dezenas de atrações em uma edição realizada em parceria com o Festival Sarará. Depois de alguns anos afastado de suas origens momescas, em 2020, o Sensacional! marcou o início do período carnavalesco de Belo Horizonte, com mais de 40 atrações, numa festa política, diversa e bem-humorada, para 25 mil pessoas no Mineirão. Em 2022, o Sensa foi realizado no Parque Ecológico da Pampulha com a presença de 15 mil pessoas, e mais de 30 artistas. Agora o festival retorna ao Parque Ecológico para a sua décima edição! 

Festival Sensacional! 2023

Programação: Gloria Groove convida Valesca Popozuda, Marina Sena, Yago Oproprio convida Criolo, Nação Zumbi apresenta Manguefonia com Fred 04 (Mundo Livre S.A), Fábio Trummer (Banda Eddie) e Cannibal (Devotos), Fundo de Quintal convida Leci Brandão, Baile Reggae da Céu, Flora Matos, Hermeto Pascoal, La Coya, Getúlio Abelha, Mc Tha, Mc Luanna convida Clara Lima, Augusta Barna, Deska Sound, Masterplano

24 de Junho de 2023

Das 12h às 22h

Parque Ecológico da Pampulha – Av. Otacílio Negrão de Lima, Portaria I, nº 6061 (Marco Zero) – Pampulha.

Ingressos: R$120,00 (Meia-Entrada e Ingresso Social) R$240,00 (Inteira).

Venda online

Ponto de venda fisico: Sula – avenida Afonso Pena, 955, centro.

Outras informações: www.festivalsensacional.com | @festivalsensacional 

Noite de Abertura

Programação: “Nós a gente” Gilberto Gil e família

23 de Junho de 2023

Abertura dos portões às 18h30

Parque Ecológico da Pampulha – Av. Otacílio Negrão de Lima, Portaria I, nº 6061 (Marco Zero) – Pampulha.

Ingressos: Os ingressos custam entre R$150 e R$300.   

Venda online

Ponto de venda físico: Sula – avenida Afonso Pena, 955, centro.

Outras informações: www.instagram.com/festivalsensacional  

https://twitter.com/festivalsensa