Empreendedorismo

Por Keven Souza

Incentivar o desenvolvimento sustentável, proporcionar impacto social, prestar apoio à cooperativas de reciclagem e fábricas de filamentos, bem como fomentar a inovação e a criatividade por meio da indústria da impressão 3D. Esses foram alguns dos objetivos que nortearam os três estudantes das áreas de Gestão e Negócios da Cidade Universitária Una na criação da 3D Recycle, um software pensado em um futuro mais responsável, inteligente e digital. 

O projeto apresentado por Luiz Pontes, Renata Marinho e Viviane Corrêa, trouxe a junção de tecnologia com o desenvolvimento sustentável. Venceu, ainda, o hackathon (maratona de programação) que fomentava serviços ou produtos inovadores para o mercado, lançado no último Plugados no Mercado da Una. 

“A 3D Recycle foi pensada, inicialmente, para ser relacionada à fabricação de próteses feitas em impressoras 3D para pessoas com deficiência, mas acabou evoluindo para o que é hoje [programa de software]”, recorda o estudante de Sistema de Informação da Una, Luiz Pontes.

Luiz, Renata e Viviane na apresentação do projeto. Fonte: arquivo pessoal.

A 3D Recycle promove a inovação à medida que une reciclagem e impressão 3D, facilitando parcerias comerciais que favorecem para além das partes envolvidas. É o que explica a estudante de Análise e Desenvolvimento de Sistemas da Una, Renata Marinho. “O que mais o difere dos outros projetos apresentados é seu caráter inovador, não só no âmbito tecnológico, mas também na iniciativa social em se propor a resolver um dos maiores problemas da sociedade brasileira: a falta de reciclagem e a quantidade de lixo descartado que poderia ser reutilizado”, afirma.   

No mercado de trabalho o aplicativo funciona ligando cooperativas de reciclagens a fábricas de filamentos para impressoras 3D. Onde, fábricas poderão encontrar lotes de materiais reciclados fornecidos pela própria cooperativa de forma rápida e fácil. Como também, cooperativas poderão anunciar seus lotes de mercadoria e ampliar conexões seguindo a tendência phygital, que converge o mundo digital com o físico. E isso, favorece a produtividade industrial.

Projeto da interface do usuário no aplicativo ‘3D Recycle’. Fonte: arquivo pessoal.

Com o fim do hackathon, cada participante do grupo da 3D Recycle levou para casa uma Alexa, além de 50 horas de extensão. Para Viviane Corrêa, estudante de Sistema de Informação da Una, seu grupo ter ganho a disputa foi uma experiência enriquecedora. “Foi incrível e com certeza tem aberto outras portas! Toda a equipe é recém chegada no curso e poder estar imerso entre colegas de outros semestres, além de empresas parceiras, amplia muito nosso repertório e impulsiona a motivação para continuar na jornada”, comenta. 

O programa sairá da idealização e será testado com usuários reais já no próximo semestre, segundo a aluna. “Até o momento é apenas um projeto, a próxima etapa é a parte de validação com usuários para desenvolvê-lo de fato, onde a Una pretende incluí-lo em uma squad do business lab no próximo semestre. E toda a equipe acredita muito no potencial do aplicativo e pretendemos levar adiante”, ressalta a jovem de 18 anos.

Grupo ‘3D Recycle’ na entrega do prêmio final para os vencedores. Fonte: arquivo pessoal.

Plugados no Mercado da Una

Em sua primeira edição, o Plugados foi um evento que aconteceu em junho deste ano, focado em alunos de T.I e Gestão da Una. Ele tangibilizou as oportunidades de carreira e fortaleceu a empregabilidade, a partir da conexão entre estudantes e empresas do setor. 

Profissionais eminentes do mercado promoveram atividades, dinâmicas e ambientes de palestras, além do desafio de hackathon. Estiveram presentes também grandes empresas de Gestão e de Tecnologia da Informação, como Gama Academy, Sicoob Coopjus, ArcelorMittal e Take Blip, que fomentaram a troca de experiências. 

Com lançamento para o segundo semestre de 2022, o curso de graduação é a nova aposta da Cidade Universitária 

 

Por Keven Souza

A Cidade Universitária da Una (CDU) – que inclui os campi Aimorés, Liberdade e João Pinheiro, acaba de lançar o curso superior de Engenharia de Software na capital mineira. É com a ideia de ampliar e transformar o país pela educação, que interessados na área passam a contar com a oferta, agora, na Una de BH, a partir do segundo semestre deste ano, com infraestrutura diferenciada e matriz curricular integrada. 

“O novo curso fortalece os pilares da Una, que são Empregabilidade e Empresabilidade, Acessos e Comodidade e Diversidade e Inclusão. Fortalece, ainda, o viés de Inovação e Hands-on (mão na massa) das Engenharias da Cidade Universitária Una”, enfatiza o coordenador das áreas de Engenharia CDU, Pedro Prates, sobre a chegada do curso de Engenharia de Software. 

Serão ofertadas vagas nos períodos manhã e noite, para os estudantes ingressantes, com eventuais migrações de turnos. Com a chegada deste novo curso, autorizado pelo Ministério da Educação (MEC), o campus da Una Aimorés passa a oferecer oito cursos na área de Engenharias, sendo eles Engenharia Química, Engenharia de Produção, Engenharia Civil, Engenharia Mecânica, Engenharia Elétrica, Engenharia da Computação, Engenharia de Controle e Automação.

O campus conta com uma ampla biblioteca, áreas de convivência, auditórios e laboratórios de informática. E para as Engenharias da CDU, possui laboratório temático ‘Engineering Lab’, parte do projeto Anima Hub. 

Mercado e diferenciais do curso

A Engenharia de Software é um segmento na área de Ciência da Computação que integra metodologias, processos e práticas de forma a otimizar o desenvolvimento de aplicações e programas (softwares), que estão em alta no mercado hoje em dia. É o que explica Pedro. “O profissional da área se diferencia do desenvolvedor pela necessidade de conhecer e trabalhar em conjunto com a área que projeta, mantém e opera o hardware onde os sistemas são executados. Dito isso, estude na Una CDU e explore o melhor que existe em você”, ressalta. 

Na Una, a Engenharia de Software parte de premissas inovadoras e disruptivas que o caracteriza como diferencial do que se tem, hoje, no mercado. O(a) estudante do novo curso irá desenvolver uma visão integrada do ciclo de vida dos softwares e soluções, atuando na arquitetura de ambientes que irão servir de base para outros profissionais de tecnologia realizarem seu trabalho, desde a fase de especificação e projeto, à diferentes processos de execução e testes. 

Além disso, contará com um currículo alinhado com as expectativas das empresas da área, bem como terá acesso a projetos de UCs Duais que são realizados em parcerias com grandes empresas do mercado e que trazem experiências do mundo do trabalho para a sala de aula e possuirá, ainda, o ensejo de realizar atividades de extensão focadas em problemas reais da sociedade. 

Por Keven Souza

O Centro Universitário Una promove nesta quarta-feira (08) na Una Aimorés, o “Plugados no Mercado”, um evento focado, a priori, em alunos de T.I e Gestão, que tangibiliza as oportunidades de carreira e fortalece a empregabilidade, a partir da conexão entre alunos e empresas do setor. 

O Plugados no Mercado acontecerá das 19h às 22h, presencialmente, e conta com uma maratona de atividades, dinâmicas e ambientes de palestras feitas por profissionais eminentes do mercado, que irão compartilhar conhecimentos diversos, de forma ávida. 

No início, haverá uma ação da Red Bull e ao final da noite, todos poderão celebrar e interagir no espaço Lounge, onde será liberado chopp Verace aos participantes. Serão oferecidas também aulas magna realizadas em auditório, além de espaço interativo do ‘PRAVALER’ no térreo do campus e um Hackathon. 

O desafio do Hackathon será: “definição de um produto (tangível ou serviço) e de seu modelo de negócio, considerando seu caráter inovador e sua conexão com as tendências de futuro do trabalho.” Os membros da equipe que desenvolverem a melhor solução, usando o conceito de um produto conectado com inovação e futuro do trabalho, ganharão, cada um, uma Alexa e 50 horas de extensão. 

Com ineditismo, grandes empresas de Gestão e de Tecnologia da Informação, como Gama Academy, Sicoob Coopjus, ArcelorMittal e Take Blip, estarão presentes no dia. Tudo pensado para ser uma noite enriquecedora e energética. 

Esta é a primeira vez que a área de Gestão e Negócios da Una tem o ensejo de realizar tamanha ação, que busca ir não só na contramão do gap de mão-de-obra, mas também na falta de habilidades essenciais e competitividade nos futuros profissionais do mercado. “É muito importante para os alunos a participação nesse tipo de evento, porque faz com que eles consigam aumentar a sua visão sobre o mercado de trabalho, sobre os desafios que esse mercado requer, sobre softs e hard skills que o mercado atualmente precisa. E o Plugados faz com que esses alunos possam pensar um pouco sobre sua vida e sua carreira, e sobre também como podem utilizar as competências construídas na universidade para maximizar e potencializar suas carreiras no mercado de trabalho”, afirma o economista e coordenador da área de Gestão e Negócios da Una, Raphael Paulino.

Para o estudante Una, é a imersão e a promoção perfeita de fazer parte de experiências mercadológicas na academia. Por isso, não fique fora! Participe das salas com temáticas que lhe interessam e se organize para aproveitar ao máximo.

 

Saiba mais sobre a programação na plataforma do sympla e se inscreva:  

https://www.sympla.com.br/plugados-no-mercado—gestao–negocios__1585779 (Área de Gestão e Negócios)

https://www.sympla.com.br/plugados-no-mercado—ti__1585772 (Área de T.I)

0 197

Por Bianca Morais 

Já faz alguns anos que os ovos de Páscoa de grandes marcas, aqueles que sempre aparecem nos supermercados assim que termina o carnaval, têm divido espaço e muitas vezes até o perdido  para os artesanais. Os brindes dentro deles foram substituídos por recheios gourmet deliciosos, sem contar com o custo-benefício e apoio aos pequenos empreendedores.  

Os tempos mudaram, se antes as televisões exibiam comerciais de um ovo com personagens de desenhos “febre do momento”, fazendo com que as crianças implorassem aos pais por ele, hoje elas pouco assistem televisão. O negócio agora é TikTok, crianças e adultos se perdem mesmo nas tentações de chocolate artesanal que passam por seus feeds. 

Redes sociais são, sem dúvidas, uma das melhores formas de conquistar clientes. Através dos vídeos curtos, o vendedor pode mostrar ao público do que é capaz. Conteudos que têm viralizado nas redes mostram toda a preparação e acabam despertando aquela “água na boca” de quem irá comprar. 

Um exemplo de sucesso é o Bentô cake, um pequeno bolo decorado com frases engraçadas. A palavra da vez é criatividade, decorações personalizadas e bom humor, a chave para tornar seu negócio um sucesso. 

Recentemente os fãs da cantora americana Britney Spears foram a loucura depois que ela repostou em seu Instagram um ovo de Páscoa de uma doceria brasileira. “I really like chocolate”, disse ela em sua rede social, fazendo não apenas a felicidade dos fãs ao verem a cantora reconhecer o país, mas também a da Flakes Brazil, criadores do ovo que a pop star postou. 

Não deu outra, a empresa nomeou o produto de “Ovo Britney”, feito de casca cravejada com drazeas coloridas, recheado com brigadeiro gourmet. Flakes Brazil é uma empresa com mais de 15 mil alunos espalhados em 33 países. A empresa ganhou um publipost de aproximadamente 1 milhão de reais da princesa do pop, e tudo isso pois a criatividade daquele doce encantou Britney. 

Hora de empreender 

Para quem trabalha com chocolate artesanal, essa foi uma excelente oportunidade para investir. Segundo a Associação Brasileira da Industria de Chocolates, Amendoim e Balas (Abicad), nesse ano, a Páscoa movimentou a criação de cerca de nove mil postos de trabalho temporários. A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) acredita que as vendas devem movimentar R$ 2,160 bilhões no varejo.  

Gabriel Mendes Neiva é formado em Ciências Econômicas pelo Centro Universitário Una, ele explica que a Páscoa é um bom momento para quem oferta bombons, chocolates e ovos obtenham uma renda extra para complementar suas necessidades. 

Segundo ele, os grandes produtores, aquelas empresas que produzem os doces em larga escala e com baixos custos, aproveitam a demanda sazonal para aumentarem os valores e terem uma margem de lucro maior, sem necessidade de agregar um valor para os produtos. 

O movimento de elevação dos preços, atraem e abrem uma janela de oportunidades para que os pequenos possam entrar no mercado e fazer a produção artesanal.  “O consumidor, querendo ou não, vai fazer a compra de alguém, ele não vai deixar de consumir, até por uma questão cultural”, comenta o economista. 

Pequenos empreendedores, grandes negócios 

Clariane Brandão, formada pelo Centro Universitário Una no curso de gastronomia começou a trabalhar na área em 2018. Seu desejo de começar a trabalho no ramo veio da tia que trabalhava com biscoitos decorados e da avó que fazia canudinhos para vender no interior.  

Sempre apaixonada e influenciada pelos vínculos familiares entrou na área da confeitaria. Durante a Páscoa suas vendas triplicam e para ela é a melhor época do ano para ganhar dinheiro.  

“O diferencial dos meus ovos são que eu só utilizo chocolate puro e todos são de cascas recheadas. Sempre crio algum sabor diferente para cada ano. São sabores que lembram os ovos que eu ganhava na minha infância”, comenta ela.  

Depois de anos trabalhando, Clariane, já garantiu sua freguesia fixa, tem consigo entes que estão com ela desde sua primeira páscoa e já viraram clientes de outras datas. A doceira garante que persistência é tudo, e que apesar das dificuldades tudo vai dar certo. “É devagar, mas as coisas vão encaminhando”, completa a confeiteira.  

Já no caso de Lorrayne Carvalho, criadora da confeitaria Maria Briguenta, ela começou a fazer, despretensiosamente, brigadeiros para vender em sua escola quando tinha apenas 14 anos. Atualmente ela trabalha em casa com bolos e doces sob encomenda em datas sazonais como Páscoa, natal e afins. Foi graças ao dinheiro extra conquistado com a venda dos doces que que ela se formou no ensino médio e na faculdade de Odontologia. 

 “Nunca tive uma loja, comecei em 2011, pelo Instagram vendo desde 2014 e apenas em 2021 eu tive uma operação no IFood”, comenta ela. 

 O início na carreira de doces veio da necessidade pela renda para arcar com os estudos, a jovem então se identificou na cozinha e a habilidade de empreender atrás dos doces. Para ela a arte de ganhar dinheiro com chocolate é saber precificar e divulgar. É nisso que ela investe, e seu diferencial está em bolos e doces de festa feitos com ingredientes de qualidade, e lindos, enchem os olhos. 

 Para ela uma das maiores dificuldades no ramo são as horas exaustivas de trabalho e o desgaste físico. “E é uma solidão as vezes, porque você está por trás das comemorações. Então enquanto tá todo mundo curtindo, você está trabalhando. Doceira não tem fim de semana nem feriado”, confessa a jovem. 

 Com clientela fixa e certa estabilidade depois de anos no ramo, Maria confessa que não é uma tarefa fácil, é preciso estar disposto a se sacrificar, não apenas na confeitaria, mas em qualquer outra área. 

 “É ótimo sim, mas tem o ônus e empreender não é fácil. Invista em estudo, principalmente de gestão financeira e de tempo. E vendas!! Venda é a alma do negócio. Mais do que doces gostosos, você tem que fazer o cliente SABER que seus doces são gostosos”, finaliza. 

 

Por Bianca Morais 

Saboaria é a arte de fabricação de sabonetes sem utilização de maquinários. De alguns anos para cá muito se ouviu falar da prática como forma de empreendedorismo, com o grande número de desempregados no país, as pessoas passaram a optar por formas alternativas de sustento e as atividades artesanais são uma maneira fácil e barata de conseguir certa verba.

O Centro Universitário Una, muito além de levar educação a seus alunos, também cumpre uma função de ajudar e dar suporte a eles nas mais diversas áreas, ensinando questões mercadológicas e de empreendedorismo.  Pensando nisso, a unidade da Una Catalão propôs uma iniciativa às estudantes mulheres do lugar, a de aprenderem o ofício da produção dos sabonetes de forma artesanal, utilizando plantas com cunho medicinal na sua composição.

A ideia partiu diante do projeto Plantas que Curam, outra atividade executada pelos discentes da instituição, onde os estudantes da área da saúde, em parceria com alguns da agronomia, cultivaram plantas de cunho medicinal como camomila, alecrim, gengibre, hortelã e lavanda. 

As plantas foram estudadas e uma abordagem científica utilizada para seleção delas, depois do plantio de um horto medicinal, elas ficaram disponíveis no campus para alguma demanda, foi então que apareceu a proposta de utilizar o alecrim para fazer velas, o hortelã para álcool gel, balas com o gengibre e a camomila para os sabonetes.

As alunas dos cursos de biomedicina, fisioterapia e nutrição foram convidadas pela professora idealizadora do projeto, Ana Carolina Mesquita, para participarem.

“O projeto torna-se importante por apresentar uma possibilidade de renda extra, demonstrando que é possível o empreendedorismo de mulheres que desejam atuar na área”, comenta Ana Carolina.

As mulheres que participaram do projeto descreveram a experiência como uma oportunidade única e ainda relataram a vontade de dar continuidade a saboaria com diferentes plantas medicinais. Uma delas é Lorrany Andrade, estudante do 2°período de Biomedicina.

Lorrany é uma jovem de 26 anos e sempre teve o desejo de cursar a área da saúde, a biomedicina é um curso que vem se destacando no mercado e tem tido um importante papel no desenvolvimento da pesquisa e avanço, principalmente em relação ao COVID – 19, foi assim que ela escolheu seu curso e a Una para realizar esse sonho. 

Uma das áreas que Lorrany mais se interessa dentro curso é a parte de estética. “É um ramo que está se consolidando gradativamente e está em constante expansão no mercado, pois as pessoas estão cada vez mais preocupadas com a saúde e seu bem estar”, complementa. 

Quando topou participar do projeto Saboaria Artesanal, Lorrany buscava experiências que a fizessem se destacar e a auxiliassem no seu crescimento profissional.

“O projeto visa a utilização de plantas medicinais para fins terapêuticos, o que eu acho incrível, pois apesar do desenvolvimento da ciência ainda sim utilizamos as plantas para nos auxiliar. O método alternativo artesanal também é de grande relevância para nós, pois proporciona mais naturalidade no processo além de ser ecologicamente e economicamente viável”, comenta a futura biomédica.

O material utilizado na atividade foi adquirido com parcerias de locais na cidade que vendiam os materiais necessários, porém por ser uma técnica manual e fácil de conduzir a saboaria pode facilmente ser criada em casa. No projeto, além de ensinar como fazer, foi apresentado desde o gasto com os materiais necessários, o custo dos vasilhames, derretimentos de glicerina, adição do chá forte de camomila, colocação nas formas de silicone e cura. 

“Mostrar às mulheres a possibilidade de construir uma saboaria artesanal além de demonstrar o protagonismo das mesmas na execução de uma técnica manual e detalhista, proporciona uma ampliação no mercado de trabalho, não só para si mas para agregar valores a outras que gostariam de empreender”, conclui Ana Carolina.

0 226

Por Bianca Morais

Hoje as crianças crescem cercadas de informações, influenciadores, aplicativos como Instagram e TikTok, e cada vez mais tem despertado nelas a vontade de empreender. Enquanto antigamente elas montavam barraquinhas de limonada na rua, agora elas vão além, investindo com apoio dos pais em diversos segmentos.

Um dos maiores incentivadores dessa garotada são os canais no YouTube, sendo alguns muito educativos, ensinam desde valores importantes como respeito e lealdade, até como como produzir um objeto para vender, por exemplo, pulseiras de miçanga, doces, entre outros. 

Além dos youtubers, quem também está à frente da responsabilidade de guiar os menores para o melhor caminho são os pais, o empreendedorismo pode ser estimulado ou inibido, depende então dos responsáveis pelo menor, estimular essa criatividade na fase mais importante em que ela pode ser ativada: na infância. 

Instigar o pensamento da criança, dar força para ela gerir seu próprio negócio da maneira que for melhor, explicar a ela como precificar seus produtos, anotar cada compra com seu valor.

Relevante ressaltar, que esse tipo de empreendedorismo não pode ser considerado um trabalho infantil, muito menos exploração do menor. Trabalhar com foco na educação das crianças e de uma forma que elas também se divirtam no processo só tende a trazer benefícios a elas. 

O empreendedorismo infantil não é sobre resultados financeiros, é muito além disso, é explicar aos pequenos o preço de cada objeto, para que elas inclusive, aprendam a dar valor aos bens materiais, saber que vivemos em uma situação de crise financeira no país, que nada é barato, e tudo é conquistado com esforço. 

Empreendedorismo infantil é sinônimo de criatividade, já se diziam por aí, as crianças são o futuro do país, então se elas têm o desejo de começar algo surpreendente, por que não apoiá-las nesse caminho? Prepará-las para o futuro?

Essa proatividade infantil desperta nelas um perfil para determinadas áreas, maturidade, raciocínio lógico e tomada de decisão, até as mais tímidas conseguem se soltar quando colocadas para desenvolverem seus dons naturais. Nessa fase a maior preocupação não é não é o lucro, e sim explorar ideais, se divertir. 

Hoje o Jornal Contramão conta a história de Bruna, uma menina de dez anos que se aventura desde cedo no comércio.

A mente enorme da pequena Bruna

Bruna Morgado sempre foi uma criança muito esperta, criativa, e claro, um pouco bagunceira. 

Quando tinha seus três anos de idade, pegou lápis e giz de cera e desenhou  na parede de seu quarto. Uns acharam travessura, mas se procurar olhar com outros olhos aquilo era apenas o início de uma bela mente criativa. Para completar a estripulia, Bruna ainda culpou a “Fofoca”, a sua foca de pelúcia.

“Meu marido chegou, pegou a Fofoca, apontou para parede e explicou a ela que não podia fazer aquilo, Bruna ainda pequena respondeu baixinho: tá bem., como se fosse a Fofoca falando”, conta a orgulhosa mãe, Fabiane Morgado.

Ainda pequena, Bruna já inventava além da farra, as desculpas perfeitas para se defender.

A menina, frequentemente, pedia a mãe para vender alguma coisa, sempre com uma ideia de fazer uma lojinha na garagem de sua casa, para que as pessoas que passavam em sua rua comprassem, porém a rua das duas passam poucas pessoas e Fabiane sabia que não iria fazer sentido, adiando os sonhos da pequena.

A mãe trabalhadora

Desde de nova, Fabiane já trabalhava, sua mãe a ensinou a ser uma mulher independente e dona de si, todo aquele ensinamento teria um propósito importante, já que ela a perderia cedo, aos 19 anos.

Sem os pais, Fabiane aprendeu muito nova o significado de fazer o seu e correr atrás, afinal nada na vida vem de graça, e foi exatamente essa garra que Bruna herdou da mãe.

“Por ter perdido minha mãe ainda cedo eu procuro mostrar a realidade a Bruna, nada é fácil, é preciso arrumar o quarto e ter obrigações, afinal para enfrentar o mundo aqui fora é preciso ser forte. Debaixo da minha asa é muito fácil, eu protejo, sou uma leoa, porém eu empurro, porque se eu faltar ela vai saber se virar sozinha”, diz Fabiane. 

Orgulho dos pais

Bruna ainda é uma criança e apesar de viver na realidade tecnológica atual, também gosta das brincadeiras “mão na massa”, além de assistir Youtube e TikTok, a pequena ainda tira parte do tempo para cuidar de suas bonecas, brincar de cozinha e de vendas.

“Eu gosto de colocar as roupas da minha mãe e fazer maquiagens engraçadas”, conta Bruna.

A garota é um orgulho para a mãe, estudiosa, sua matéria preferida é Ciências e é muito dedicada. Inclusive, esse ano apesar da pandemia e ensino online, muitas vezes desanimador aos estudantes, Bruna, se empenhou, fez a concorrida prova do Colégio Militar e aguarda ansiosa pelo resultado.

“Tenho muito orgulho da minha filha, na escola, por exemplo, a mãe dos meninos mais frágeis me elogiam, falam que a Bruna é incrível, que defende os filhos delas, tem um carinho especial pelas crianças que sofrem bullying e os protegem”, compartilha Fabiane.

O começo dos negócios

Fabiane tem um salão de beleza, que funciona dentro de sua casa. Diariamente ela trabalha e recebe clientes. Foi em um dia comum de suas atividades depois de muita insistência por parte da filha, que a mãe teve uma ideia no começo do ano, fazer uma cestinha para que Bruna pudesse dar início a seu primeiro trabalho.

“Ela vivia dizendo que queria vender e ganhar seu próprio dinheiro, porém no meio de tanta correria eu deixava passar batido, até que finalmente tivemos a ideia de vender bombons”, diz a mãe.

Ao ir ao supermercado, Leonardo, pai de Bruna, sugeriu que ela comprasse salgadinhos, balas e chocolate para começar seu pequeno negócio. Dessa forma eles já viriam prontos, e por hora, enquanto eles não tivessem tempo para ajudá-la no preparo dos bombons, ela já poderia iniciar as vendas das guloseimas.

“Desde menor eu sempre quis vender para ganhar meu dinheiro e poder comprar brinquedos, roupas, comprar minhas coisas e poder brincar, enchia o saco da minha mãe então um dia a gente foi no supermercado, compramos e agora vendo no salão dela”, compartilha Bruna.

Fabiane é uma mãe que sempre procura estimular a criatividade da filha, na sua opinião, tudo isso pode ajudar Bruna a amadurecer.

“Meu sonho é ver minha filha crescer, se sustentando sozinha, dando conta da própria vida, respeitando as pessoas e os lugares, com a casinha dela e seguindo em frente”, diz Fabiane.

Alma de empreendedora 

Bruna tem muitos planos e sonhos para o futuro. Começou com a caixa registradora, fazendo os familiares comprarem os produtos que ela vendia tirados diretamente dos armários da cozinha.

“No balcão que tem na minha sala eu vendia as comidas, maionese, azeitona, macarrão, de verdade, fazia todo mundo ficar na fila do supermercado e comprar”, conta a pequena.

Bruna já quis ser policial, mas hoje trocou a ideia de lutar contra o crime para ser veterinária, ter seu próprio petshop, dar banho e cuidar dos bichos, porém também não descarta a ideia de ser professora.

Além de empreendedora nata, Bruna juntamente sabe administrar seu dinheiro, sabe o preço de seus produtos, e no momento, o dinheiro que ganha ela paga a mãe que comprou os alimentos. A mãe administra por trás, mas deixa a filha livre para fazer a reposição e o dinheiro.

“Eu até pensei em dar o dinheiro, mas refleti que seria muito fácil, ela tem que ver que para começar a ganhar dinheiro, em qualquer tipo de negócio, primeiramente você nem vê a cor dele, depois que o lucro vem”, explica Fabiane.

Bruna, apesar de chefe do negócio é muito honesta, sempre que pega uma guloseima de sua caixa faz questão de pagar, e o mesmo vale para os pais.

Em relação a expandir os negócios, depois de um tempo vendendo apenas os salgadinhos e doces, Bruna agora também vende brigadeiros, feitos por ela e a mãe.

“Eu tenho muitos sonhos,  um deles é ir para a Disney, Estados Unidos, comprar brinquedos, por exemplo, eu tenho aquelas cozinhas, só que apenas o microondas e eu quero poder comprar aqueles fogãozinhos, geladeiras, com meu dinheiro”,  conclui a jovem empreendedora.