Entrevista

novembro azul
Novembro azul ( Internet divulgação )

Por Matheus Dias 

Hoje, 17 de novembro, é comemorado o Dia Mundial de Combate ao Câncer de Próstata, a campanha ‘Novembro Azul’ que acontece nesta data é internacionalmente conhecida por dedicar todo o mês ao combate da doença. O movimento teve origem na Austrália em 2003 com objetivo de chamar a atenção para a prevenção e o diagnóstico precoce de doenças que atingem a população masculina e no Brasil  foi comemorado pela primeira vez em 2008. 

No Brasil, de acordo com o Ministério da Saúde,  depois do câncer de pele não melanoma, o câncer mais comum entre homens, sendo 29% dos diagnósticos, é o de próstata. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA) mais de 65 mil novos casos são esperados em 2022. 

O Dr. Bernardo Geoffroy, médico urologista, destaca a importância da campanha e diz que as ações e campanhas como a do Novembro Azul estimulam o homem a procurar os consultórios: “Ainda é um tabu na sociedade, que é machista, mas vem caindo aos poucos. Esse tipo de

Dr. Bernardo Geoffroy, médico urologista
Dr. Bernardo Geoffroy, médico urologista. ( Foto: Arquivo pessoal )

iniciativa ajuda a acabar com o tabu, a gente vê isso na prática, os pacientes buscam consultas por causa das campanhas”. 

PREVENÇÃO 

A busca do homem a um consultório médico para consultas e exames em geral é bem menor comparado à mulher, comenta o urologista. A ida periódica para realizações de exames e ter um estilo de vida saudável coopera para que se não tenha câncer na próstata, já que não tem uma medida milagrosa para prevenir, mas o diagnóstico mais precoce possível é essencial para que se não avance.  O tabagismo, excesso de álcool, dieta rica em gordura animal, obesidade e sedentarismo aumentam o nível do câncer na próstata. 

O Dr. Geoffroy destaca a recomendação da Sociedade Brasileira de Urologia de se fazer o rastreio do câncer de próstata a partir de 45 anos  para o grupo de fatores de risco e aos 50 sem os fatores, que também comenta de receber pacientes com uma idade menor em busca do exame: “vemos na prática nos consultórios a preocupação de pacientes já  aos 40 anos”. 

FATORES DE RISCO

Os pacientes com fator de risco são os que tiveram familiares de primeiro grau com a doença (pais e irmãos), sobrepeso e obesidade e a população negra. Questionado sobre o motivo da população negra estar nesse fator de risco, Dr. Bernardo nos diz que “se tem uma série de estudos, mas nada definido. É uma população com incidência maior e a doença é mais agressiva, por isso é importante ter um olhar mais cuidadoso”. 

SINTOMAS 

Por ser uma doença assintomática, quando surge algum sinal já está avançado. Os principais sintomas são: 

  • Presença de sangue na urina e/ou esperma; 
  • dificuldade de urinar; 
  • jato urinário fino;
  • frequência na vontade de urinar;
  • dor ósseas. 

 

EXAMES E TRATAMENTO

O Toque Retal é o exame físico que se faz a avaliação do tamanho e textura da próstata, é o famoso exame carregado de resistência e machismo, mas o Dr. Bernardo Geoffroy avalia que se tem diminuído o preconceito e medo dos homens. Também existe o exame de sangue – Antígeno Prostático Específico, o PSA, que mede a quantidade de uma proteína produzida pela próstata e que consegue identificar também outras doenças na próstata. 

Dr Geoffroy destaca que os exames são complementares e  após a identificação de alguma alteração nos exames, se faz uma biópsia da próstata, que somente assim se tem um diagnóstico final.  

“O tratamento depende de uma série de fatores, como idade do paciente, se o paciente tem doença associada, o que ele deseja e espera do tratamento e o estágio da doença”, conta o urologista. Pacientes com tumor muito pouco agressivo podem tentar uma vigilância ativa, que é acompanhar o paciente de perto com exames seriados e identificar a hora que esse tumor está avançando para tratar de forma definitiva. Pacientes com risco maior a indicação é a radioterapia ou cirurgia. Os tratamentos são oferecidos de forma integral e gratuita por meio do Sistema Único de Saúde (SUS).

Pré-venda começou em 11 de outubro e se termina neste dia 10 de novembro

Por Keven Souza

Termina nesta quinta-feira (10) a pré-venda do livro de poemas, “O que eu tinha de mais bonito”, da estudante de Publicidade e Propaganda da Una e mineira de Belo Horizonte, Larissa Medeiros. Amantes de poema poderão adquirir antecipadamente a versão física da obra que apresenta temas como amor, perda, sexo e cura, e retrata sentimentos que envolvem as grandes paixões. O livro está disponível na Editora Letramento e você pode adquirir o seu no link. 

Com 84 páginas, o livro, que é a estreia literária de Larissa, é recheado de emoções, encantamentos, dores e erotismo em forma de diferentes poemas. É o que explica a mais nova autora. “Se você já se apaixonou, já viu alguém ir embora da sua vida ou se sentiu completamente só dentro de si, eu garanto que você deveria dar uma chance para o que meus poemas têm a compartilhar com você”, diz. 

Em conversa com nossa equipe do Contramão, ela conta como foi a construção da obra. “É uma coletânea de textos que escrevi ao longo de vários anos, eles são sobre diferentes fases e sentimentos. Nunca tinha pensado nos meus poemas como um livro, mas quando reuni o que

Larissa Medeiros, publicitária e agora escritora. ( Arquivo Pessoal )

eu tinha de mais bonito para enviar para a editora, vi que eles tinham temas em comum e que conversavam entre si”, pontua. Medeiros comenta, ainda, que está realizada com seu recente trabalho. Poder dizer que sou autora, que este agora também é meu trabalho, é sem dúvida a minha maior realização”, conclui. 

A expectativa começar o envio das versões físicas após o encerramento da pré-venda e para o “O que eu tinha de mais bonito” cair no gosto popular é a melhor possível, de acordo com Larissa. O que mais quero viver é essa troca, esse momento de sentar e conversar sobre os trechos preferidos dos leitores, de compartilhar ideias, sentimentos e dividir o peso de já ter passado por aquilo. A minha expectativa é de que os leitores possam encontrar companhia e um pouquinho de si mesmos”, ressalta. 

Apoie novos escritores

Sinta-se imerso no universo literário! Compre, compartilhe e divulgue o mais novo trabalho de Larissa Medeiros.O livro está disponível na Editora Letramento e você pode adquirir seu no link.

Larissa Medeiros, publicitária e agora escritora. ( Arquivo Pessoal )

 

A partir de 11 de novembro será possível encontrar tanto a versão física, quanto a versão on-line – com início previsto para fevereiro –, por meio das principais livrarias e plataformas. Como Amazon, Kobo, Leitura, Travessa, Google Play, Ibooks, Livraria da Vila, entre outros.  

Divulgação: Filme Kevin
Divulgação: Filme Kevin

Produção cinematográfica chega aos grandes telões a partir desta quinta-feira

Por Keven Souza

No dia 03 de novembro, as salas de cinemas de todo o Brasil abrem as portas para receber a estreia do filme “Kevin”. Amantes do audiovisual nacional que residem em Belo Horizonte poderão assistir a pré-estreia do longa-metragem no Una Cine Belas Artes, que é um dos últimos cinemas de rua da cidade, através da compra de ingressos pelo site ou pela bilheteria do cinema. 

O documentário “Kevin” diz respeito à amizade, ao qual narra o reencontro da diretora com sua amiga ugandense, Kevin Adweko, abordando questões como sororidade, relações interraciais e a posição da mulher. Ele é produzido pela Bukaya Filmes, em coprodução com Anavilhana e Vaca Amarela Filmes, e com distribuição nacional da Embaúba Filmes. 

O filme é uma obra de arte dirigida e estrelada pela roteirista e diretora, Joana Oliveira, que trabalha na área audiovisual desde 1999 e possui curtas que já foram exibidos em vários festivais internacionais, como o Festival Internacional de Cine de Huesca (Espanha), e no Brasil em festivais como a Mostra de Cinema de Tiradentes. 

imagens do filme Kevin
Imagens de divulgação – Filme: Kevin

Hoje, o Contramão traz um bate-papo com Joana, que relembra como foi a construção do documentário, bem como sua carreira no cinema, e diz como está a expectativa para o lançamento nesta quinta-feira. Confira! 

 

Joana, como começou sua carreira no cinema? Você sempre soube que seria cineasta? 

Eu sempre gostei muito de assistir a filmes. Desde pequena adorava ir ao cinema ou à locadora de vídeo escolher os filmes para assistir no fim de semana. Era um barato levar as fitas VHS para casa! Mas, nunca tinha imaginado estudar cinema porque não havia cursos de graduação em Belo Horizonte. Fiz vestibular no final de 1995 e não havia Enem, ou seja, um vestibular unificado para todo o Brasil. Não pensava em sair da cidade. Porém, quando comecei a fazer Comunicação Social, vi que eu poderia ingressar no mundo do cinema e comecei a trabalhar em produções, que eram muito poucas, em Belo Horizonte. Trabalhei em um curta e um longa-metragem e decidi que era o que queria fazer da vida. 

Em 2002, fui estudar Direção de Cinema no curso regular da Escuela Internacional de Cine y TV de San Antonio de Los Baños, Cuba, onde consegui uma bolsa da própria escola para uma parte do custo e outra do governo brasileiro para a outra parte.

Divulgação: Filme Kevin
Divulgação: Filme Kevin

Qual foi o momento em que passou a entender que havia um mercado audiovisual esperando seus filmes? 

Logo que fiz meu primeiro vídeo experimental na faculdade de Comunicação, entendi que havia muitas pessoas que assistiam a curtas-metragens. O vídeo foi selecionado para alguns festivais, inclusive o VideoBrasil que é um grande festival de arte digital e para a Mostra de Cinema de Tiradentes. Então, percebi que as pessoas tinham interesse na arte que eu estava começando a produzir. Foi um grande impulso para eu seguir em frente e ir estudar cinema.

 

Você imaginava ter produções cinematográficas notadas pelos grandes festivais nacionais e internacionais de cinema?  

Na verdade, o que queria era inventar histórias e produzi-las! Claro que eu queria que o maior número de pessoas assistisse, mas não imaginava que meu trabalho viajaria para tantos lugares! 

Divulgação: Kevin - Filme
Divulgação: Kevin – Filme

Falando agora do documentário, de onde ele nasce? 

O documentário nasce da minha vontade de rever a Kevin e ter um projeto em conjunto com ela. Sobretudo, a vontade era de celebrar a amizade! A minha amizade com ela, claro, mas também de colocar no centro de um filme a amizade entre mulheres que é um tema tão pouco retratado no cinema. Além disso, ele existe para celebrar a sororidade! “Kevin” é um filme feminista, antirracista e que promove o encontro.

 

Explique como foi gravar metade do filme em Uganda e outra parte em Belo Horizonte. Houve dificuldades de locomoção, língua ou cultura? 

O esforço de produção que houve é realmente incrível porque não tínhamos tanto dinheiro para viajar com equipe, para ficar tanto tempo na Uganda, etc. A Luana Melgaço, produtora do filme, é muito experiente e conseguiu muitos bons acordos de produção. E o filme existe também porque a Kevin se envolveu na produção, uma vez que ela nos recebeu maravilhosamente. Foi ela quem procurou um lugar para que toda a equipe ficasse, foi ela que nos apresentou tudo. Uma coisa é você receber sua amiga. Outra coisa é você receber uma equipe de filmagem que vem com ela – risos. Ela facilitou tudo. Mas realmente foi um desafio filmar em outro país! 

Entretanto, o filme é sobre minha amizade com a Kevin, então, por mais que estivéssemos na Uganda, não era um filme sobre a Uganda. Eu não conseguiria fazer um filme sobre um país que tinha acabado de chegar e não conhecia profundamente. Então, me concentrei na Kevin, que lidou com a equipe super bem. Ela é um talento natural e eu estava ali para e por ela. Filmamos de acordo com a agenda que ela estabeleceu e deu certo. 

 

Você e Kevin Adweko são as protagonistas do documentário. Como se deu essa amizade? Você sabia que seriam amigas? 

A Kevin diz que a gente se aproximou porque queríamos muito rir e nos divertir. A Alemanha, que foi onde nos conhecemos, é um país muito sério. Especificamente o lugar da Alemanha onde estávamos. Nos aproximamos de forma muito espontânea e divertida, conversando depois das aulas de alemão.

O que é legal é que não tinha a menor ideia se conseguiríamos ou não manter a amizade. Muitas relações se perdem no tempo. A internet em 1999 era ainda algo de acesso restrito. Nós nos escrevíamos cartas longas e e-mails extensos. Mas, houve muitos momentos que ficamos bastante tempo sem conversar. Em 2005, eu fiz um intercâmbio entre a minha escola de cinema em Cuba e a Alemanha. Esse momento de reencontro com a Kevin ao vivo depois de 6 anos foi muito emocionante. Acho que aí eu percebi que a amizade iria perdurar.

 

É a primeira vez que o filme “Kevin” estreia em salas de cinemas, qual sua expectativa para o lançamento? 

Kevin, na verdade, estreou na Mostra de Cinema de Tiradentes do ano passado. Também ganhou uma menção honrosa do júri do festival FEMINA deste ano. Mas, todas essas exibições foram feitas online. Agora, é a estreia do filme presencial no Brasil nos cinemas comerciais. Eu nunca tive um filme que entrou em cartaz nas salas de cinema e isso é muito emocionante! Na terça-feira, dia 01 de novembro, em Belo Horizonte, haverá uma pré-estreia em que Kevin estará presente. É muita emoção envolvida!

Para o público que irá assistir “Kevin” nesta quinta-feira, o que você diria? 

Kevin é um filme sobre o encontro. E, depois de tanto tempo em que estivemos separados das pessoas por causa da Covid-19, celebrar o encontro e a amizade é de extrema importância! 

Assista o trailer de “Kevin”

Sinopse – É a primeira vez que Joana, brasileira, visita Kevin, na Uganda (África). Elas se conheceram há 20 anos, quando estudaram juntas na Alemanha, e faz muito tempo que não se veem. A partir desse encontro, o filme tece a fina trama que é uma conversa entre duas amigas: as histórias do passado, os desejos, os caminhos trilhados, os diferentes modos de encarar os desdobramentos da vida. Disso ressurge um elo de amor e parceria que resiste à distância e ao tempo.

Por Keven Souza

A Rádio Una voltou a movimentar os seus projetos relacionados à produção de podcast nas últimas semanas de setembro. O Eu Que Fiz Podcast é sua nova aposta, uma temporada que promove o diálogo com alunos da Cidade Universitária que desenvolveram trabalhos e projetos incríveis fomentados pela universidade. E hoje (27), o episódio piloto está no ar! 

O Churrasco na Laje é o trabalho multiplataforma escolhido para estrear a temporada feito pelos alunos de Jornalismo, Ana Clara Souza, Caio Henrique, Júlia Thais, Katarine, Keven Souza, Millena Vieira, Pedro Almeida e Paulo Vieira, que se destacaram pelo engajamento e proatividade em volta do trabalho proposto em sala de aula. 

A ideia do Churrasco na Laje, bem como seu nome, surgiu a partir da Unidade Curricular (UC) de Produção de Conteúdo em Multiplataforma, ministrada pelas professoras Ana Carolina Souza e Daniela Savaget aos cursos de comunicação social no último semestre.

Grupo na gravação do videoclipe. Imagem: Jessi Góes.

A proposta consistia em desenvolver um projeto multiplataforma, acerca do tema “Comidas Típicas”. Dito isso, os estudantes deveriam apresentar um produto audiovisual – onde fizeram um curta-metragem, um produto sonoro – onde desenvolveram uma playlist, dois produtos textuais – onde produziram matérias jornalísticas – e três produtos fotográficos ou visuais, em que entregaram um ensaio fotográfico, além de um site completo. 

Tudo pensado para serem criativos, ousados e disruptivos. E não diferente disso, o Churrasco na Laje virou ponto de referência. É o que explica Ana Carolina Souza. “Eles conseguiram entregar um trabalho robusto, interessante, bonito e bem feito. Então se tornam sim uma referência de algo que é possível ser feito, de elementos visuais, estéticos e realmente de dedicação ao trabalho, que de fato pode se tornar referência para outros colegas. Colegas tanto nós professores, quanto também entre os próprios alunos”, diz a professora. 

Segundo Ana, após quase três meses de encerramento da UC, o sentimento que permanece é o de orgulho. “É com muito orgulho assim, que eu tenho de ter incentivado eles a fazerem isso. Gostei demais do resultado não só por conta deles terem associado todos os conceitos e elementos que eles trabalharam em sala. Mas de terem assumido esse lugar de serem donos dessa narrativa. E é um trabalho que tem personalidade, que você consegue ver as pessoas que criam esse material refletidas ali no resultado”, finaliza.

Como foi a estreia

Neste primeiro episódio do Eu que Fiz, quatro dos integrantes estiveram presentes. Ana Clara Souza, Júlia Thais, Keven Souza e Millena Vieira discutiram sobre toda a construção do trabalho em uma conversa descontraída.

Keven, Millena, Júlia e Ana, na gravação do podcast na Casa Una. Imagem: Gladison.

Com brilho nos olhos, Ana comentou em detalhes sobre o curta-metragem, na qual foi produtora. Júlia deixou claro que perrengue foi o que mais houve, ela citou os percalços presentes até a entrega final do trabalho. Já Millena, agradeceu aos colaboradores da Una que ajudaram diretamente, ou indiretamente, na execução do Churrasco na Laje. E Keven, mediou toda a conversa. Ao longo do episódio foi mostrado ainda os produtos exigidos na UC, feito por eles. Bem como, o vídeo, o site, as fotos, entre outros.

O Eu Que Fiz Ep 1 está disponível na plataforma do Youtube. Para assistir na íntegra o bate-papo acesse o canal TV Una Fábrica! Veja, reveja e fique por dentro do que está sendo produzido pelos futuros profissionais do mercado de trabalho. 

0 502

Por Matheus Dias

Nas quartas-feiras ouvimos Rock! É o que propicia o dia de hoje, 13 de julho, em que se comemora o Dia Mundial do Rock. A data foi criada por causa do evento Live Aid, realizado em 13 de julho de 1985 por Bob Geldof – ex-líder do grupo The Boomtown Rats – que tinha o objetivo de arrecadar dinheiro para combater a fome na Etiópia. 

Mesmo com a queda de sua popularidade, sobretudo entre os  jovens de hoje em dia, o Rock é conhecido pelas novas gerações e possui fãs em todo o mundo. E para celebrar tal data, o Jornal Contramão conversou com a banda mineira Coffee Rock Uai, que contou sobre sua trajetória e grande paixão pelo estilo musical. Confira! 

O início 

A Coffee Rock Uai surgiu em 2021, há pouco mais de um ano, e se apresenta em casas de show em Belo Horizonte e na região metropolitana. Além de Rodrigo Caixeta, baixista e idealizador do projeto musical, a banda é, hoje, composta pelo baterista Fausto da Mata, o vocalista Gigio e os violonistas Fábio Fu e Dim, que juntos formam um grupo que leva nostalgia através de seu som. 

O nome da banda surgiu nos ensaios, onde aconteciam momentos de pausa para tomar café (um rito da banda). Por que não colocar o nome da bebida que fez parte da concretização do projeto? Se perguntou o grupo. Juntamente com o questionamento, o tão famoso “uai” do dicionário minerês foi dado como sugestão para mostrar a origem da banda. E nesse mar de ideias, surgiu o Coffee Rock Uai!

Na bio do Instagram a banda define: “Coffee é o convite para curtir um momento intimista e de celebração. Rock, um estilo de vida, e ‘uai’ nossa identidade”. 

Integrantes da “Coffee Rock Uai”.Da esquerda para direita: Dim, Rodrigo Caixeta, Gigio, Fausto Da Mata e Fabio Fu. Foto: Acervo pessoal.

Integrantes da “Coffee Rock Uai”.Da esquerda para direita: Dim, Rodrigo Caixeta, Gigio, Fausto Da Mata e Fabio Fu. Foto: Acervo pessoal.

Resgatar as lembranças no público é um um dos nortes da banda. É o que diz Gigio.”O objetivo é suprir a carência do público em relação às músicas do rock nacional e internacional dos anos 80 e 90. Muitas pessoas gostam, mas relembram através dos discos ou através de plataformas digitais de vídeo. Quando o público vê uma banda tocando essas músicas ficam felizes”, explica. 

A proposta da Coffee Rock Uai também é a diversidade de estilos. Possuem um repertório bem variado, unindo várias bandas que gostam, como por exemplo, Nirvana, Legião Urbana, Beatles, Cazuza, Creed, entre outras. Os shows são no formato acústico, justamente por terem como propósito a nostalgia. “Queremos remeter e resgatar os acústicos dos anos 2000, o acústico do Capital Inicial e Cássia Eller, os programas da MTV”, comenta o vocalista.

Ensaio Ensaio fotográfico da banda “Coffee Rock Uai”. Foto: Acervo pessoal.

Na percepção da banda, o Rock não se renovou e com isso foi perdendo espaços para os outros ritmos musicais. Um dos fatores que citam que podem ter cooperado, é a falta de união no próprio meio musical entre as bandas para propagar o gênero para as novas gerações. Nos seus shows veem que o maior público está na faixa de 35 a 50 anos, aproximadamente, e que os jovens e adolescentes que estão nos shows, e os que se interessam pelo o Rock, vem pelo legado deixado pelos seus pais e família. 

Para conhecer o trabalho da Coffee Rock Uai, a agenda de shows e saber mais sobre sua história, acesse o Instagram da banda.

0 501

Por Keven Souza

Ao longo das inúmeras reportagens já produzidas no nosso jornal, demos vozes a diferentes ações, projetos e vivências. Tivemos a oportunidade de apresentar pessoas e personalidades, cuja narrativa é ímpar e para lá de especial. 

E hoje, em comemoração ao Mês da Visibilidade Trans, é dia de contar a história de Gabriel Carneiro, homem trans, que passou pelo processo transitório com determinação e representa todos aqueles que não se identificam com o gênero que lhe foi atribuído em seu nascimento. O jovem detém uma trajetória de vida que irradia coragem, além de superação. Conheça-o!

Quem é Gabriel 

Gabriel Carneiro Campos é belo-horizontino, empresário, criador de conteúdo digital e ativista assíduo do movimento LGBTBQIA+. Com 27 anos de idade, é um rapaz apaixonado por acampamento, trilha, viagem e como grande parte dos mineiros, pelo Atlético/MG. Gabriel um dia fora Gabriela. Gabi, como ele a chama, fez parte da sua história enquanto indivíduo e moldou a personalidade do imponente ser que se tornou hoje. 

“O Gabriel é a junção do que a Gabriela construiu até uma determinada parte do caminho. Então, muito do que me tornei é sobre a Gabi”, conta ele, que apesar de ser um grande homem atualmente, sua história com a incongruência de gênero é antiga, quando ainda estava na adolescência. 

Aos 15 anos, em 2010, ardia em seu peito alguns instintos da não identificação com o seu gênero designado biologicamente, na época, o rapaz não entendia muito bem os ensejos do seu próprio eu, mas ia compreendendo os sinais que surgiam e de forma natural, e inconsciente, acabou ouvindo a sua real identidade. “Consigo entender perfeitamente que naquele momento algo já estava sendo reproduzido, mesmo que inconscientemente”, conta.

Durante essa fase havia pouco acesso e representatividade acerca do tema transsexualidade, no entanto, mesmo com a falta de informação sobre o assunto, a boa relação com si próprio trouxe a confiança e a firmeza de dar pequenos passos para se conectar com o universo masculino. 

A partir daí, Gabriel começou a discernir que não se encaixava naquele corpo feminino, a entender que os questionamentos eram apenas a inquietude de quem estava em busca da sua verdadeira identidade e que, desde sempre, se enxerga como homem. 

Relação com família e transição 

Seu vínculo com a família é uma exceção com base nos históricos de relacionamento familiar de transexuais no Brasil. O jovem, criado pelos pais, obteve o companheirismo e a empatia dos seus entes queridos durante todo processo de transição. Dentro de casa, estudou a melhor forma de contar que tinha tido coragem de ser quem ele realmente era. 

“Busquei a forma mais didática para falar com eles, entendi que eu teria que abordar o assunto de formas diferentes… não teria como ter a mesma conversa com minha avó e minha prima de 8 anos, por exemplo”, explica ele. 

Quando começou a obter independência financeira, deixou de raspar os pelos de seu corpo e iniciou a troca das peças de roupas femininas pelas masculinas. Uma decisão crucial, pois acreditava realçar sua masculinidade. “Com minha ‘liberdade financeira’ iniciei a troca do meu guarda roupa, não usava mais peças íntimas femininas, não tinha mais roupas daquele universo”. 

Na época, o menor dos problemas de Gabriel era dizer sobre o desejo de transacionar, já que o assunto vinha sendo trabalhado para não haver certas emoções. “Não tive problema! Era algo que eu deixava bem claro e muito certo do que estava fazendo, não queria e nem aguentava usar nada feminino mais”.

Foi próximo aos 22 anos que deu início ao tratamento hormonal. A aceitação da família foi fora da curva, de modo leve, pautado por trocas e descobertas. “Eles não entendiam nada sobre o assunto, porém estavam lá se esforçando dia após dia para me acolher da forma mais honesta possível. Havia alguns deslizes, mas eu entendia que acabaria com o tempo e foi assim, com respeito, que fui levando e recebendo todo apoio.”

O processo, a priori, foi libertador e tranquilo. Em 2018, custeava cerca de duzentos reais mensais para a terapia de reposição hormonal que acontecia através do atendimento particular. Durante esse período, após um ano de acompanhamento médico, Gabriel acabou perdendo o emprego – que era sua principal fonte de renda na época – e teve que continuar o tratamento através do Sistema Único de Saúde (SUS), no Ambulatório Trans do Hospital Eduardo de Menezes em Belo Horizonte, oferecido gratuitamente. 

O rapaz sentiu grandes emoções com a demissão, mas jamais pensou abrir mão da terapia. “Em nenhum momento passou pela minha cabeça desistir. Muito pelo contrário, estava ciente de tudo que eu poderia perder com minha escolha, mas nada no mundo me assustava mais do que não ser eu, então desistir nunca foi uma opção!”

Hoje em dia, Carneiro mantém o acompanhamento médico, uma vez que o processo tende a durar toda a vida, e para ele chegar onde chegou é dar valor à sua própria trajetória. “Eu sempre deixo claro sobre ser um homem trans e o orgulho que sinto disso”.

Gabriel e a família

Empenho à luta trans

Ser uma pessoa trans no Brasil não é fácil – o país mantém liderança no ranking mundial de estado que mais mata transexuais, de acordo com a ONG Transgender Europe (TGEU). Mas Gabriel, mesmo com tantas adversidades e talvez certos privilégios, se empenha pela causa, na qual tem orgulho e enxerga importância. 

Sua luta pode parecer única, invisível, diante de tantas outras, porém, a coragem de ser quem realmente é realça o desejo permanente pelo reconhecimento e a liberdade de existência da sua população. Por isso, participar de projetos, ações e movimentos ligados à transexualidade é um ato constante que faz parte de seu propósito. “Meu corpo é político e a urgência dessa luta é enorme, já que o nosso país é o que mais mata pessoas trans no mundo”, desabafa. 

Atualmente, Gabriel tem sido voluntário ativo de uma ação para pessoas trans que foram afetadas pelas fortes chuvas em BH. Trabalho significativo que representa a sensibilidade pelo outro. “A pessoa que eu ajudo, de algum modo, fortalece outro companheiro(a) de caminhada e juntos vamos tendo acesso, chegando em lugares que nossos corpos não tem espaço para ocupar”.  

Nas redes sociais não é diferente! Com serenidade, seu trabalho social ganha voz, corpo e imagem através de vídeos de conscientização e publicações voltadas à causa. Onde busca de forma politizada dar fim a preconceitos, baixa representatividade trans e atuar na falta de informação. “A maioria das pessoas têm acesso à internet, por isso o objetivo central é criar uma rede de apoio e conhecimento de forma didática, além de levar acesso às pessoas trans e aqueles aliados ao nosso universo”. 

Recado para marcar o Mês da Visibilidade

“Ser você é o maior presente que você pode lhe dar. Então se acolha, se permita e seja carinhose com você mesmo. A transição é a maior universidade da existência, a viagem muitas vezes é dura, o caminho incerto, mas pode ter certeza que o trajeto começa aparecer à medida que você vai dando seus passos. Para este mês da visibilidade deixo uma frase autoral que diz assim: ‘Que sua imensidão não seja limitada por pessoas vazias’. Então, fique firme!”, diz Gabriel.