Especiais

Divulgação: Filme Kevin
Divulgação: Filme Kevin

Produção cinematográfica chega aos grandes telões a partir desta quinta-feira

Por Keven Souza

No dia 03 de novembro, as salas de cinemas de todo o Brasil abrem as portas para receber a estreia do filme “Kevin”. Amantes do audiovisual nacional que residem em Belo Horizonte poderão assistir a pré-estreia do longa-metragem no Una Cine Belas Artes, que é um dos últimos cinemas de rua da cidade, através da compra de ingressos pelo site ou pela bilheteria do cinema. 

O documentário “Kevin” diz respeito à amizade, ao qual narra o reencontro da diretora com sua amiga ugandense, Kevin Adweko, abordando questões como sororidade, relações interraciais e a posição da mulher. Ele é produzido pela Bukaya Filmes, em coprodução com Anavilhana e Vaca Amarela Filmes, e com distribuição nacional da Embaúba Filmes. 

O filme é uma obra de arte dirigida e estrelada pela roteirista e diretora, Joana Oliveira, que trabalha na área audiovisual desde 1999 e possui curtas que já foram exibidos em vários festivais internacionais, como o Festival Internacional de Cine de Huesca (Espanha), e no Brasil em festivais como a Mostra de Cinema de Tiradentes. 

imagens do filme Kevin
Imagens de divulgação – Filme: Kevin

Hoje, o Contramão traz um bate-papo com Joana, que relembra como foi a construção do documentário, bem como sua carreira no cinema, e diz como está a expectativa para o lançamento nesta quinta-feira. Confira! 

 

Joana, como começou sua carreira no cinema? Você sempre soube que seria cineasta? 

Eu sempre gostei muito de assistir a filmes. Desde pequena adorava ir ao cinema ou à locadora de vídeo escolher os filmes para assistir no fim de semana. Era um barato levar as fitas VHS para casa! Mas, nunca tinha imaginado estudar cinema porque não havia cursos de graduação em Belo Horizonte. Fiz vestibular no final de 1995 e não havia Enem, ou seja, um vestibular unificado para todo o Brasil. Não pensava em sair da cidade. Porém, quando comecei a fazer Comunicação Social, vi que eu poderia ingressar no mundo do cinema e comecei a trabalhar em produções, que eram muito poucas, em Belo Horizonte. Trabalhei em um curta e um longa-metragem e decidi que era o que queria fazer da vida. 

Em 2002, fui estudar Direção de Cinema no curso regular da Escuela Internacional de Cine y TV de San Antonio de Los Baños, Cuba, onde consegui uma bolsa da própria escola para uma parte do custo e outra do governo brasileiro para a outra parte.

Divulgação: Filme Kevin
Divulgação: Filme Kevin

Qual foi o momento em que passou a entender que havia um mercado audiovisual esperando seus filmes? 

Logo que fiz meu primeiro vídeo experimental na faculdade de Comunicação, entendi que havia muitas pessoas que assistiam a curtas-metragens. O vídeo foi selecionado para alguns festivais, inclusive o VideoBrasil que é um grande festival de arte digital e para a Mostra de Cinema de Tiradentes. Então, percebi que as pessoas tinham interesse na arte que eu estava começando a produzir. Foi um grande impulso para eu seguir em frente e ir estudar cinema.

 

Você imaginava ter produções cinematográficas notadas pelos grandes festivais nacionais e internacionais de cinema?  

Na verdade, o que queria era inventar histórias e produzi-las! Claro que eu queria que o maior número de pessoas assistisse, mas não imaginava que meu trabalho viajaria para tantos lugares! 

Divulgação: Kevin - Filme
Divulgação: Kevin – Filme

Falando agora do documentário, de onde ele nasce? 

O documentário nasce da minha vontade de rever a Kevin e ter um projeto em conjunto com ela. Sobretudo, a vontade era de celebrar a amizade! A minha amizade com ela, claro, mas também de colocar no centro de um filme a amizade entre mulheres que é um tema tão pouco retratado no cinema. Além disso, ele existe para celebrar a sororidade! “Kevin” é um filme feminista, antirracista e que promove o encontro.

 

Explique como foi gravar metade do filme em Uganda e outra parte em Belo Horizonte. Houve dificuldades de locomoção, língua ou cultura? 

O esforço de produção que houve é realmente incrível porque não tínhamos tanto dinheiro para viajar com equipe, para ficar tanto tempo na Uganda, etc. A Luana Melgaço, produtora do filme, é muito experiente e conseguiu muitos bons acordos de produção. E o filme existe também porque a Kevin se envolveu na produção, uma vez que ela nos recebeu maravilhosamente. Foi ela quem procurou um lugar para que toda a equipe ficasse, foi ela que nos apresentou tudo. Uma coisa é você receber sua amiga. Outra coisa é você receber uma equipe de filmagem que vem com ela – risos. Ela facilitou tudo. Mas realmente foi um desafio filmar em outro país! 

Entretanto, o filme é sobre minha amizade com a Kevin, então, por mais que estivéssemos na Uganda, não era um filme sobre a Uganda. Eu não conseguiria fazer um filme sobre um país que tinha acabado de chegar e não conhecia profundamente. Então, me concentrei na Kevin, que lidou com a equipe super bem. Ela é um talento natural e eu estava ali para e por ela. Filmamos de acordo com a agenda que ela estabeleceu e deu certo. 

 

Você e Kevin Adweko são as protagonistas do documentário. Como se deu essa amizade? Você sabia que seriam amigas? 

A Kevin diz que a gente se aproximou porque queríamos muito rir e nos divertir. A Alemanha, que foi onde nos conhecemos, é um país muito sério. Especificamente o lugar da Alemanha onde estávamos. Nos aproximamos de forma muito espontânea e divertida, conversando depois das aulas de alemão.

O que é legal é que não tinha a menor ideia se conseguiríamos ou não manter a amizade. Muitas relações se perdem no tempo. A internet em 1999 era ainda algo de acesso restrito. Nós nos escrevíamos cartas longas e e-mails extensos. Mas, houve muitos momentos que ficamos bastante tempo sem conversar. Em 2005, eu fiz um intercâmbio entre a minha escola de cinema em Cuba e a Alemanha. Esse momento de reencontro com a Kevin ao vivo depois de 6 anos foi muito emocionante. Acho que aí eu percebi que a amizade iria perdurar.

 

É a primeira vez que o filme “Kevin” estreia em salas de cinemas, qual sua expectativa para o lançamento? 

Kevin, na verdade, estreou na Mostra de Cinema de Tiradentes do ano passado. Também ganhou uma menção honrosa do júri do festival FEMINA deste ano. Mas, todas essas exibições foram feitas online. Agora, é a estreia do filme presencial no Brasil nos cinemas comerciais. Eu nunca tive um filme que entrou em cartaz nas salas de cinema e isso é muito emocionante! Na terça-feira, dia 01 de novembro, em Belo Horizonte, haverá uma pré-estreia em que Kevin estará presente. É muita emoção envolvida!

Para o público que irá assistir “Kevin” nesta quinta-feira, o que você diria? 

Kevin é um filme sobre o encontro. E, depois de tanto tempo em que estivemos separados das pessoas por causa da Covid-19, celebrar o encontro e a amizade é de extrema importância! 

Assista o trailer de “Kevin”

Sinopse – É a primeira vez que Joana, brasileira, visita Kevin, na Uganda (África). Elas se conheceram há 20 anos, quando estudaram juntas na Alemanha, e faz muito tempo que não se veem. A partir desse encontro, o filme tece a fina trama que é uma conversa entre duas amigas: as histórias do passado, os desejos, os caminhos trilhados, os diferentes modos de encarar os desdobramentos da vida. Disso ressurge um elo de amor e parceria que resiste à distância e ao tempo.

rock in rio

Por Keven Souza 

Aconteceu no último domingo (11) o encerramento do Rock In Rio 2022, na Barra da Tijuca no Rio de Janeiro. O evento que reuniu ​aproximadamente 100 mil pessoas no sétimo dia e contou a presença de mais de 36 artistas dos mais variados gêneros musicais, trouxe vida a Cidade Rock em 12 horas de música constante divididos em oito palcos. 

rock in rio
Dua Lipa, esbanjando talendo e brilho no palco mundo ( Foto: Keven Souza )

A atração mais aguardada da noite foi a cantora britânica de 27 anos, Dua Lipa. A artista era headliner do dia, onde, ao som de “Physical“, subiu ao Palco Mundo com todo um espetáculo de cores, luzes e hits. Esbanjando talento, apresentou o setlist com os sucessos de Future Nostalgia, seu segundo álbum de estúdio. Tudo muito bem pensado para quem estava presente no Parque Olímpico e também acompanhava de casa, pela transmissão do Multishow. 

Das músicas aos figurinos – quatro, ao todo – Dua Lipa brincou com cores e não dispensou brilho. Trouxe seu balé que performou garantindo um show à parte com coreografias. A cantora interagiu ainda com a plateia e finalizou, em português, dizendo: ‘obrigado gatinhos e gatinhas’.  

Megan Thee Stallion, Rita Ora e Ivete também foram outras cantoras que abrilhantaram o último dia de Rock In Rio, se apresentando no Palco Mundo. No Sunset, Liniker mostrou toda força da mulher trans preta juntamente com Luedji Luna. Logo após, Majur,  Agnes Nunes, Mart’nália, Gaby Amarantos e Larissa Luz uniram o samba, soul, blues, brega e jazz em um só espetáculo para homenagear Elza Soares.

Cidade do Rock é baile de favela

rock in rio
Toda a estrutura gigantesca do palco mundo. ( Foto: Keven Souza )

Já a cantora Ludmilla, de 27 anos, que também se apresentou no Palco Sunset, foi uma das artistas mais comentadas do mundo na internet após seu show. Isso porque, ela prometeu que faria algo grandioso e cumpriu. A dona do hit ‘Rainha de Favela” investiu em estrutura de palco, luzes e figurinos luxuosos. Além disso, não deixou de lado o funk!

Ludmilla construiu um setlist único, que privilegiava o gênero musical, fazendo com que a Cidade do Rock por um momento virasse baile de favela. Levou ainda a dupla Tasha e Tracie, MC Soffia, Tati Quebra Barraco e Majur para o palco. Como resultado, fez um show certamente histórico que trouxe questionamentos aos produtores do Rock In Rio sobre a participação de artistas brasileiros no Palco Mundo, que é o principal palco do festival. 

O Rock in Rio promoveu inclusão em seus shows deste ano, como intérpretes de Libras (Linguagem Brasileira de Sinais) e mais artistas negros e LGBTQIA+. Mas a principal crítica do público com os produtores foi colocar artistas femininas de grande público, que é o caso de Ludmilla e Avril Lavigne, em palcos menores, como o Sunset. 

A volta do Rock In Rio no Brasil 

Após dois anos desde a última edição do evento do Brasil, que aconteceu em 2019, a Cidade do Rock recebeu um público de 700 mil pessoas com o forte desejo de se reencontrar. Foram sete dias, 1.255 artistas, 300 shows e mais de 507 horas de experiência. 

As parcerias? Muitas! Stands do Globo Play, Tim, Itaú, TikTok, Coca-Cola, Doritos, Latam, Kit Kat, iFood, entre outros, decoraram o Parque Olímpico com cores e vida. E para mostrar que o Rock In Rio é um festival de números, esta edição foi recorde de turistas no Rio. Foram mais de 420 mil pessoas de outros estados do Brasil e uma estimativa de 10 mil de fora do país. 

O Rock In Rio é um festival que impacta diretamente na economia da cidade. É, ainda, patrimônio cultural imaterial do Rio de Janeiro que expande toda nossa brasilidade para o mundo. Que as próximas edições continue com ​​toda a energia e alto astral, pois o evento além de trazer grandes espetáculos para o Brasil, dá um show como festival de experiências!  

 

0 197

Por Matheus Dias 

Ontem, 4 de julho, foi comemorado o Dia Mundial do Operador do Telemarketing, profissional que faz ou recebe ligações quando um cliente precisa de algum auxílio ou serviço prestado por determinada empresa. 

O precursor da profissão foi um pasteleiro da cidade de Berlim, na Alemanha, em 1880, que criou o hábito de ligar para seus clientes para oferecer pastéis. No ano de 1950 as empresas americanas disponibilizaram os seus números telefônicos nos anúncios. No Brasil iniciou também na década de 50 com as “Páginas Amarelas”, as famosas listas telefônicas impressas de empresas e serviços, que possuíam uma equipe de vendedores para anunciar os classificados através do telefone.

Você já deve ter recebido aquela ligação indesejável que rapidamente desligou ou nem atendeu, ou se atendeu pode ter sido grosseiro. As ligações de cobrança, comunicado ou ofertas que podem tomar o tempo de alguns, é o “ganha pão” de outras pessoas que passam por maus bocados.

Trabalhar com o público é algo desafiador, cada ser humano tem sua personalidade e forma de se comportar, mas uma característica comum que um telemarketing consegue notar nos clientes que atendem é a falta de educação. Melina Inácia Pereira, 25, trabalha no RH de uma empresa que atua com relacionamento com cliente por meio de contato telefônico, onde iniciou como operadora de telemarketing e passou por momentos de desconforto e muitas vezes se sentiu desrespeitada e assediada. 

A falta de empatia por quem está do outro lado da linha é um peso na rotina do telemarketing. É o que diz Melina.“O maior desafio é o próximo entender o lado de quem está ligando, afinal é um trabalho como outro qualquer, onde realizamos a nossa função da mesma forma que um atendente de loja quando aborda o cliente, só que ele é compreendido e nós não”, desabafa. 

Bianca Maíra Pereira Soares, 22, estudante de Administração, teve o seu primeiro emprego após os 18 anos como operadora de telemarketing. A escolha para atuar na área de relacionamento telefônico foi por falta de oportunidade em outros setores do mercado de trabalho. 

Bianca conta que já imaginava ser difícil, mas que na realidade é bem desgastante. Os xingamentos, reclamações e grosserias eram em volume tão alto e repetitivo nos atendimentos, que a jovem começou a ter crises de ansiedade e gatilhos. “Quando recebia ligação eu já ficava com aperto no peito, e até hoje no trabalho atual, que é na minha área de formação acadêmica, quando preciso ligar para alguém, o barulho do telefone chamando me gera uma ansiedade, que sinto que meu coração vai sair do peito”, comenta Bianca. 

A psicóloga, Danielle Canuto Ribeiro, explica o quanto é desafiador exercer a profissão de telemarketing, uma vez que esse profissional trabalha com a escuta e como é importante tentar separar o pessoal do profissional, para que não atrapalhe e danifique a saúde. “É fundamental que o profissional escute e absorva somente as dúvidas de seu cliente, tentando ao máximo não trazer para ele a descompostura, que essa profissão traz consigo”, destaca. 

Apesar dos desafios encontrados no telemarketing, o ramo é uma das maiores oportunidades para o ingresso no mercado de trabalho para jovens que não possuem nenhuma ou pouca experiência profissional. A abertura de novas vagas no setor de atendimento em  2021 foram mais de 34 mil, de acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados –  CAGED. Após um período de um número alto de desemprego causado pela pandemia que iniciou em 2020. 

0 471

Por Keven Souza

Ao longo das inúmeras reportagens já produzidas no nosso jornal, demos vozes a diferentes ações, projetos e vivências. Tivemos a oportunidade de apresentar pessoas e personalidades, cuja narrativa é ímpar e para lá de especial. 

E hoje, em comemoração ao Mês da Visibilidade Trans, é dia de contar a história de Gabriel Carneiro, homem trans, que passou pelo processo transitório com determinação e representa todos aqueles que não se identificam com o gênero que lhe foi atribuído em seu nascimento. O jovem detém uma trajetória de vida que irradia coragem, além de superação. Conheça-o!

Quem é Gabriel 

Gabriel Carneiro Campos é belo-horizontino, empresário, criador de conteúdo digital e ativista assíduo do movimento LGBTBQIA+. Com 27 anos de idade, é um rapaz apaixonado por acampamento, trilha, viagem e como grande parte dos mineiros, pelo Atlético/MG. Gabriel um dia fora Gabriela. Gabi, como ele a chama, fez parte da sua história enquanto indivíduo e moldou a personalidade do imponente ser que se tornou hoje. 

“O Gabriel é a junção do que a Gabriela construiu até uma determinada parte do caminho. Então, muito do que me tornei é sobre a Gabi”, conta ele, que apesar de ser um grande homem atualmente, sua história com a incongruência de gênero é antiga, quando ainda estava na adolescência. 

Aos 15 anos, em 2010, ardia em seu peito alguns instintos da não identificação com o seu gênero designado biologicamente, na época, o rapaz não entendia muito bem os ensejos do seu próprio eu, mas ia compreendendo os sinais que surgiam e de forma natural, e inconsciente, acabou ouvindo a sua real identidade. “Consigo entender perfeitamente que naquele momento algo já estava sendo reproduzido, mesmo que inconscientemente”, conta.

Durante essa fase havia pouco acesso e representatividade acerca do tema transsexualidade, no entanto, mesmo com a falta de informação sobre o assunto, a boa relação com si próprio trouxe a confiança e a firmeza de dar pequenos passos para se conectar com o universo masculino. 

A partir daí, Gabriel começou a discernir que não se encaixava naquele corpo feminino, a entender que os questionamentos eram apenas a inquietude de quem estava em busca da sua verdadeira identidade e que, desde sempre, se enxerga como homem. 

Relação com família e transição 

Seu vínculo com a família é uma exceção com base nos históricos de relacionamento familiar de transexuais no Brasil. O jovem, criado pelos pais, obteve o companheirismo e a empatia dos seus entes queridos durante todo processo de transição. Dentro de casa, estudou a melhor forma de contar que tinha tido coragem de ser quem ele realmente era. 

“Busquei a forma mais didática para falar com eles, entendi que eu teria que abordar o assunto de formas diferentes… não teria como ter a mesma conversa com minha avó e minha prima de 8 anos, por exemplo”, explica ele. 

Quando começou a obter independência financeira, deixou de raspar os pelos de seu corpo e iniciou a troca das peças de roupas femininas pelas masculinas. Uma decisão crucial, pois acreditava realçar sua masculinidade. “Com minha ‘liberdade financeira’ iniciei a troca do meu guarda roupa, não usava mais peças íntimas femininas, não tinha mais roupas daquele universo”. 

Na época, o menor dos problemas de Gabriel era dizer sobre o desejo de transacionar, já que o assunto vinha sendo trabalhado para não haver certas emoções. “Não tive problema! Era algo que eu deixava bem claro e muito certo do que estava fazendo, não queria e nem aguentava usar nada feminino mais”.

Foi próximo aos 22 anos que deu início ao tratamento hormonal. A aceitação da família foi fora da curva, de modo leve, pautado por trocas e descobertas. “Eles não entendiam nada sobre o assunto, porém estavam lá se esforçando dia após dia para me acolher da forma mais honesta possível. Havia alguns deslizes, mas eu entendia que acabaria com o tempo e foi assim, com respeito, que fui levando e recebendo todo apoio.”

O processo, a priori, foi libertador e tranquilo. Em 2018, custeava cerca de duzentos reais mensais para a terapia de reposição hormonal que acontecia através do atendimento particular. Durante esse período, após um ano de acompanhamento médico, Gabriel acabou perdendo o emprego – que era sua principal fonte de renda na época – e teve que continuar o tratamento através do Sistema Único de Saúde (SUS), no Ambulatório Trans do Hospital Eduardo de Menezes em Belo Horizonte, oferecido gratuitamente. 

O rapaz sentiu grandes emoções com a demissão, mas jamais pensou abrir mão da terapia. “Em nenhum momento passou pela minha cabeça desistir. Muito pelo contrário, estava ciente de tudo que eu poderia perder com minha escolha, mas nada no mundo me assustava mais do que não ser eu, então desistir nunca foi uma opção!”

Hoje em dia, Carneiro mantém o acompanhamento médico, uma vez que o processo tende a durar toda a vida, e para ele chegar onde chegou é dar valor à sua própria trajetória. “Eu sempre deixo claro sobre ser um homem trans e o orgulho que sinto disso”.

Gabriel e a família

Empenho à luta trans

Ser uma pessoa trans no Brasil não é fácil – o país mantém liderança no ranking mundial de estado que mais mata transexuais, de acordo com a ONG Transgender Europe (TGEU). Mas Gabriel, mesmo com tantas adversidades e talvez certos privilégios, se empenha pela causa, na qual tem orgulho e enxerga importância. 

Sua luta pode parecer única, invisível, diante de tantas outras, porém, a coragem de ser quem realmente é realça o desejo permanente pelo reconhecimento e a liberdade de existência da sua população. Por isso, participar de projetos, ações e movimentos ligados à transexualidade é um ato constante que faz parte de seu propósito. “Meu corpo é político e a urgência dessa luta é enorme, já que o nosso país é o que mais mata pessoas trans no mundo”, desabafa. 

Atualmente, Gabriel tem sido voluntário ativo de uma ação para pessoas trans que foram afetadas pelas fortes chuvas em BH. Trabalho significativo que representa a sensibilidade pelo outro. “A pessoa que eu ajudo, de algum modo, fortalece outro companheiro(a) de caminhada e juntos vamos tendo acesso, chegando em lugares que nossos corpos não tem espaço para ocupar”.  

Nas redes sociais não é diferente! Com serenidade, seu trabalho social ganha voz, corpo e imagem através de vídeos de conscientização e publicações voltadas à causa. Onde busca de forma politizada dar fim a preconceitos, baixa representatividade trans e atuar na falta de informação. “A maioria das pessoas têm acesso à internet, por isso o objetivo central é criar uma rede de apoio e conhecimento de forma didática, além de levar acesso às pessoas trans e aqueles aliados ao nosso universo”. 

Recado para marcar o Mês da Visibilidade

“Ser você é o maior presente que você pode lhe dar. Então se acolha, se permita e seja carinhose com você mesmo. A transição é a maior universidade da existência, a viagem muitas vezes é dura, o caminho incerto, mas pode ter certeza que o trajeto começa aparecer à medida que você vai dando seus passos. Para este mês da visibilidade deixo uma frase autoral que diz assim: ‘Que sua imensidão não seja limitada por pessoas vazias’. Então, fique firme!”, diz Gabriel.

0 258

Por Bianca Morais

21 de janeiro é comemorado o Dia Nacional do Combate à Intolerância Religiosa. A data foi escolhida em homenagem à Iyalorixá Gildásia dos Santos e Santos, também conhecida como mãe Gilda, ela era do Candomblé e morreu de infarto após ver seu terreiro destruído por fiéis da Igreja Universal do Reino de Deus.

Apesar de laico, o Brasil é majoritariamente católico e as religiões que mais sofrem preconceito são as afro-brasileiras, fato diretamente ligado ao racismo cultural. A intolerância religiosa existe em todo o mundo, os Estados Unidos e países da Europa, por exemplo, discriminam o islamismo, pois o associam ao terrorismo, no Brasil isso teve início a muitos anos atrás quando os portugueses catequizaram os índios e posteriormente com os escravos.

“O Estado é laico, mas nosso governo é cristão”, disse o presidente Bolsonaro certa vez, com o slogan de campanha “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”, o presidente do país exclui todos aqueles que não tem o nome “Deus” como o ser supremo de sua religião. A democracia proíbe um vínculo direto entre Estado e Religião, mas não é isso que se assiste diariamente. 

A maioria dos casos de denúncias contra intolerância religiosa parte de grupos vinculados ao Candomblé e a Umbanda que veem ataques constantes a seus terreiros de orações, e muitas das vezes essas agressões saem do terreiro e passam a ser verbais, físicas, entre outras.

A intolerância religiosa na pele

Sérgio Batista, tem 39 anos e cresceu ao lado da mãe Maria Marli, que faleceu a alguns anos atrás. Marli era cartomancista, benzedeira e fazia simpatias, trabalhos e cirurgias espirituais, pela profissão de sua mãe o rapaz constantemente sofria discriminação na escola.

Sérgio e a mãe Marli

“Chamavam minha mãe de bruxa, batedora de tambor, falavam que ela iria transformar os outros em sapos e que eu vivia em cemitério, jogavam terra de cemitério na porta de casa  e diziam que eu fedia a coveiro”, conta ele.

Criado na umbanda, religião que mistura elementos afro-brasileiros, catolicismo, lendas indígenas e o espiritismo de Allan Kardec, Sérgio foi formado em princípios conceituais de “Luz, Caridade e Amor”, do espiritismo e cultuado no orixás assim como no candomblé, e independente de toda discriminação que a religião traz ele nunca se deixou abalar.

Muito da intolerância religiosa vem na realidade de uma ignorância de milhares de pessoas  que se recusam a conhecer mais a fundo uma religião diferente da dela, por entender que a única visão de mundo possível é a sua, quando se trata de uma cultura negra é ainda pior, pois não é de hoje que existe uma negação a história desse povo. 

“As pessoas falam que macumba é ruim, mas não sabem que na verdade macumba se refere a um instrumento de percussão, falam de terreiro mas não sabem que é um local de orações”, descreve Sérgio.

Outras fés têm o hábito de generalizar as religiões de origem africanas sem buscar entendê-las. Marli por exemplo, nasceu com o dom da revelação e ao descobrir isso soube que precisaria doutrinar aquilo. 

“A medida que a gente doutrina determinados encargos ou pesos essa responsabilidade que é te dada se torna mais leve e tranquila de lidar, porque a partir do momento que você não canaliza esse dom da forma correta ele pode se tornar uma maldição na sua vida”, explica ele.

Os ensinamentos da umbanda

Foi através de muito estudo com pessoas mais velhas como anciões e benzedeiras, que Marli foi aperfeiçoando seu dom até ser uma médium conhecida. Começou como kardecista antes de ir para a umbanda. O kardecismo é basicamente o estudo do espírito em si, do conhecimento, uma linha branca, a partir do momento em que ela chegou até o ápice do seu aprendizado nessa área, ela viu que precisava de mais, porque a linha de seu dom a puxava para outra vertente.

“Na umbanda ela se descobriu, não chegou a virar mãe de santo por falta de oportunidade e sim porque não queria se dedicar àquilo como obrigação única”, esclarece Sérgio.

Marli trabalhava fazendo simpatias na linha branca, aquela que não faz a utilização de sacrifícios apenas meios naturais que vem da natureza, durante um tempo o filho a ajudou, a mãe iniciava e ele procurava o local de fazer a entrega.

“Exemplificando, alguém aparecia com um trabalho para adoçar uma pessoa, nesse tipo de simpatia minha mãe fazia a montagem, as orações e pedia licença para iniciar as atividades, nesse caso eram sete qualidades de doce e colocá-los em um cupinzeiro”, comenta ele.

Por muitos anos pessoas com dons como os de Marli eram internadas em sanatórios e afastadas do resto da sociedade, essa situação começou a mudar à medida que as entidades afro que tinham maior entendimentos chegaram ao país, mesmo assim por muito tempo foram impedidos de fato praticar suas crenças.

Terreiro não é tudo igual

Segundo Sérgio, dentro das origem religiosas afro-brasileiras existe um caminho conhecido como quimbanda, que pratica “magia negra”, rituais de sacrifícios envolvendo sangue, acontece que essa é uma linha muito diferente, por exemplo, do que ocorre dentro da umbanda e candomblé, porém por causa do preconceito outras religiões englobam tudo em um único conceito, tratando todos como iguais.

“É aí que entra toda a intolerância religiosa, porque as outras religiões enxergam todos como um, e não é, assim como evangélicos, católicos tem suas linhas o espiritismo também tem as suas. À medida que você resolve utilizar determinada linha existem responsabilidades, e o preço que é pago por aquilo ali, se você faz o mal, a pessoa que solicitou o mal vai receber o mal e o executante que fez também”, completa.

Médium do bem

Maria Marli morreu a quatro anos de um câncer no pulmão, durante sua vida ela se dedicou a ajudar as pessoas com seu dom, muitos a acusavam de charlatanismo por cobrar os serviços, porém ela não se importava com os comentários maldosos, afinal havia sido sua entidade que a orientou na cobrança, pois ela ajudava aos outros e esquecia de se ajudar.

Mesmo sendo atacada por membros de sua família que diziam não ser normal criar os filhos daquela maneira, constantemente tendo evangélicos na porta de sua casa fazendo orações e a chamando de filha do demônio, acusada de charlatanismo por clientes sem fé e tendo um marido que não lhe apoiava, Marli nunca deixou de cumprir sua missão e usar seu dom para o bem.

“Teve um período que meu pai chegava a trancar minha mãe dentro do quarto para ela não atender as pessoas, isso até determinado ponto que a entidade chegava e ou ele deixava ela atender ou a entidade não dava paz dentro de casa”, relembra Sérgio.

Apesar de tudo que passou, Marli fez sua passagem e cumpriu sua missão na terra de ajudar o próximo. Diferente da visão preconceituosa de muitos, a única coisa que a médium pregava era amor, carinho e prosperidade. 

Respeito acima de tudo

“Respeito é algo primordial, a sociedade deve ter a consciência de que é preciso respeitar a religião do próximo, se não aceitá-la é necessário ao menos respeitar. Entrar dentro do templo religioso de alguém e profanar aquilo é como se elas estivessem desrespeitando a casa de Deus, porque os fiéis daquela religião entram nesses lugares para conversar com o Deus deles, e à medida que o sujeito entra ali com o intuito de vandalizar, ele não tem respeito. As pessoas julgam aquilo que ela não conhece como um ato satânico e não funciona assim, todos as religiões tem seu lado sombrio, e não vai ser a evangelica, a catolica, a espiritual, a kardecista, ou umbandista que vai mudar isso, o que precisa mudar é o respeito”, conclui Sérgio.

0 1266

O Contramão volta das férias coletivas com uma série especial sobre os tradionais mercados de BH. O projeto é uma parceria do jornal com o Projeto de Extensão Fundamentos do Jornalismo 2021-2, coordenado pela professora Magda Santiago. O mercado de destaque hoje é o do Cruzeiro, mas teremos matérias sobre o Mercado Novo e o Mercado Central.

Um lugar de história, tradição e parceria 

Por Eduarda Vaz Boaventura Pereira e Pedro Henrique Soares Almeida

O Mercado Distrital do Cruzeiro tem quase 50 anos de existência e é considerado um dos três mercados mais importantes de Belo Horizonte. Após atravessar dificuldades logo no seu surgimento e enfrentar o período de lockdown que se iniciou em 2020, seguiu com as suas atividades, sem se abalar muito com as restrições, e mantém o sucesso que o caracteriza, em um ambiente amigável e familiar, que encanta um público cada vez mais fiel.

Criado no ano de 1974 através de uma iniciativa da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte, o Mercado Distrital do Cruzeiro, administrado pela COBAL (Companhia Brasileira de Alimentos), teve como finalidade, na ocasião, retirar os feirantes das ruas e oferecer a eles um local seguro onde pudessem vender seus produtos e mercadorias livremente.

De acordo com o site Perspectivas, uma lei expedida no mesmo ano de fundação do Mercado (1974) proibia as feiras de rua e o fornecimento de alvarás para pequenas lojas de produtos hortifrutigranjeiros. Este fato fez com que os comerciantes tivessem um espaço para expor os seus produtos, e o Mercado do Cruzeiro teve uma excelente adesão do público, pois “centralizou” uma grande gama de vendedores em um só local. Outro ponto importante para a popularidade do estabelecimento foi a sua localização privilegiada, pois o comércio mais próximo do bairro era o Mercado Central, a 4 km de distância.

No início da década de 1990, a liberação dos alvarás para a abertura dos sacolões, e a popularidade e subsequente expansão dos supermercados de bairro e mercearias, determinou uma queda nas vendas do Mercado Distrital do Cruzeiro, mas atualmente ele está funcionando com a sua capacidade máxima. De acordo com o portal on-line do jornal Diário do Comércio, hoje o Mercado Distrital do Cruzeiro conta com 50 lojistas, o que corresponde a 100% de ocupação. Essas informações foram confirmadas por Edelvais Júnior, atual diretor do Mercado.

Os principais produtos comercializados ainda hoje são as frutas, verduras e demais vegetais. Embora conte com uma grande variedade de outras mercadorias, como artesanato, utilidades domésticas, açougues, bares, restaurantes e uma varanda gastronômica, os hortifruti continuam sendo a maior atração, responsável por grande parte das vendas.

O impacto da pandemia

Em entrevista concedida ao jornal Contramão em novembro de 2021, o diretor do espaço, Edelvais Júnior, informou que no ano de 2020, com o início da pandemia da Covid-19, o estabelecimento teve um fechamento instantâneo para todos os lojistas que tinham bares ou restaurantes. Os demais comerciantes, dos segmentos de hortifruti, puderam continuar exercendo suas funções, pois são considerados serviços essenciais.

Uma das mudanças mais significativas pelas quais os lojistas passaram foi a redução de uma hora no funcionamento do Mercado, que era das 7h30 às 18h, e passou a fechar às 17h. Outra alteração foi que, devido ao fato de as pessoas não estarem confortáveis para sair de casa, houve um grande investimento nas vendas via delivery. Nas próprias palavras do diretor, “sem grandes mudanças”.

O vendedor Carlos Magno, conhecido carinhosamente como “Catatau”, trabalha no Mercado há 46 anos. Inicialmente foi carregador e depois abriu seu próprio negócio, uma pequena mercearia que vem se expandindo. Catatau revelou que aderiu ao sistema de entrega delivery, porém faz questão que o cliente vá até a loja porque escolhe do jeito dele, vê a variedade de produtos e pode acabar comprando mais. Também frisou que não sentiu uma variação muito significativa no Mercado durante o período crítico da pandemia, inclusive disse que cresceu ainda mais nessa época, aumentando o tamanho da sua barraca.

 

Ambiente familiar e acolhedor

Trabalhando no Mercado desde os 14 anos, Catatau contou que se sente bem próximo das pessoas que frequentam o local, sejam lojistas ou clientes, como se estivesse em casa. Sentimento esse que o cliente Vicente, mais conhecido como “Primo”, também compartilha, segundo informou em entrevista concedida ao jornal Contramão em dezembro de 2021.

De acordo com Primo, o Mercado é um espaço muito acolhedor e diversas pessoas, que estiveram presentes desde a sua fundação, mantém o hábito de fazer compras no local. Ele comentou um dos motivos de gostar tanto do Mercado: “é um lugar frequentado por famílias, meus pais compravam nas barracas, conheci todos os vendedores”.  Também contou que, mesmo no auge da pandemia, não deixou de ir ao Mercado do Cruzeiro, seguindo os protocolos de higienização necessária.

A sensação de conforto, prazer e o sentimento de proximidade experimentado por muitos que vão ao Mercado do Cruzeiro faz com que valha a pena conhecer este espaço, que é um dos três maiores do gênero em Belo Horizonte, considerado um ponto turístico da capital mineira.