Esportes

(foto: Staff Images/Cruzeiro)

Por André Duarte, Daniel Vieira e Ney Felipe

Neste domingo(15), o sub-20 da raposa levantou mais uma taça. Diante de mais de 12 mil torcedores, um recorde para os jogos de categoria de base, o Cruzeiro enfretou o Grêmio pela final da Copa do Brasil e venceu por 2 a 0.

O jogo teve uma etapa inicial bem tensa e com poucas chances de gol. A melhor chance do primeiro tempo foi do Cruzeiro, que já vinha melhor e com mais proximidade de chegar ao gol, em jogada individual de Robert, o atacante celeste acertou a trave em um belo chute.

Já o segundo tempo seguiu movimentado. o Grêmio foi que teve as primeiras chances mais claras de gol. Mas, logo em seguida a chance mais clara gremista, Fernando pegou um rebote de seu próprio chute, bem defendido pelo goleiro Cassio e abriu o placar.

Com a desvantagem a equipe tricolor foi para cima e deixou mais campo para os contra-ataques cruzeirenses.  Com isso, pouco tempo depois, em uma saída de bola errada do Grêmio, Fernando novamente foi as redes e deixou a Raposa com as mão no título inédito da categoria.

Final de jogo, Cruzeiro 2 a 0 e festa para a nação celeste que esgotou os ingressos disponíveis para a manhã deste domingo.

Já no meio da semana passada, Cruzeiro Sub-20 venceu o Coimbra nos pênaltis e conquistou o Campeonato Mineiro Sub-20

Equipe Sub-20 campeão mineira comemora com a taça. ( Foto: André Duarte )

A emocionante final do Campeonato Mineiro Sub-20 foi decidida em grande estilo após uma disputa acirrada entre o Cruzeiro e o Coimbra. Após um resultado de 2-1 a favor do Coimbra no primeiro jogo, o Cruzeiro entrou com uma equipe alternativa, garantindo uma vitória por 1-0 no segundo jogo, com um gol crucial de Luis Fernando. A partida foi para os pênaltis, onde o goleiro celeste, Otávio, brilhou ao defender 2 pênaltis e Ruan Santos, com frieza, converteu o pênalti do título.

Agora, com a confiança renovada, a equipe celeste se prepara para enfrentar o desafiante Grêmio na final da Copa do Brasil Sub-20, agendada para o próximo domingo no Mineirão. A expectativa é alta enquanto os jovens talentos se preparam para mais um confronto emocionante.

Na comemoração do título, Gui Meira, promessa celeste deu uma entrevista falando se o título mineiro da uma certa tranquilidade para outra final.

– Não diria tranquilidade, mas sim uma confiança. Por causa de todo cenário, revertendo dois jogos, na semi e final, e conseguindo ser campeão, gera um ânimo no grupo.

0 161

Libertadores chega às semifinais com três brasileiros e um argentino, mas todos de olho em vaga na finalíssima no Rio de Janeiro

Por Ney Felipe

Nada como uma noite de libertadores, quando são duas é ainda melhor! Hoje (04), sai o primeiro finalista. Única certeza é que será um clube brasileiro. No gigante da Beira-rio, no Rio Grande do Sul, Inter e Fluminense se enfrentam em partida valendo vaga na final que, neste ano, acontece no Maracanã.

No jogo de ída, semana passada, os clubes empataram por 2 a 2 em uma partida bem movimentada. Gols de Germán Cano para o Flu e Hugo Mallo e Alan Patrick para o Inter. A partida tomou ares de tensão quando ainda no final do primeiro tempo Samuel Xavier foi expulso. Com isso, o Fluminense jogou com um a menos por toda etapa complementar de jogo.

Com o empate na ida,  nenhuma das equipe tem vantagem e um novo empate leva a partida para os pênaltis.

Onde assistir

  • TV Globo e o ge transmitem ao vivo para todo o Brasil.
  • Paramount +

Palmeiras e Boca Juniors com atenções dividas entre hoje e jogo de quinta

O outro lado da chave tem confronto entre Brasil e Argentina. Após um jogo truncado em La Bombonera, o verdão paulista segurou um empate por 0 a 0 e trouxe para o estádio Allianz Parque a decisão podendo vencer por qualquer resultado e carimbar novamente a sua passagem para o Maracanã.

O time paulista conta com o bom retrospecto e, até com a supertição. O Palmeiras já foi campeão da Copa Libertadores jogando no Rio. Na ocasião, o Santos era o adversário que saiu derrotado. Já o Boca, conta com o centroavante uruguaio Cavani, artilheiro por onde passou. O atacante experiente é a esperança Xeneize.

Onde assistir

  • Partida exclusiva ESPN, STAR +.

Por André Duarte

Na tarde deste domingo (24/09), Cruzeiro e Atlético fizeram o duelo pelo jogo de volta das semi, válido pelo campeonato mineiro sub 20. O time alvinegro tinha vantagem de dois gols, após vencer por 3 x 1, no jogo de ida.

No jogo de volta, na Toca da Raposa 2, Cruzeiro repetiu o mesmo placar e levou a decisão para as penalidades. Nos pênaltis, Cruzeiro venceu por 4 x 1, com a cobrança decisiva de Ruan Santos.

PRIMEIRO TEMPO

Cruzeiro começou em cima do rival, buscando sempre o ataque e tentando diminuir a desvantagem. Primeiro ataque de perigo celeste, foi com o meia, Henrique, batendo de fora da área em boa defesa do goleiro atleticano.
Muito acionado na partida, atacante Robert, aos 20 minutos, fez boa jogada e rolou para Arthur, que bateu no alto e abriu o placar.
Cruzeiro continuou uma pressão, mas não foi eficiente. Atlético melhorou e teve algumas chances de empatar ainda na primeira etapa, Alisson duas vezes entrou na área, batendo uma pelo lado de fora e a outra chutando fraco em cima de Otávio. Isaac também teve sua chance, mas chutou por cima do gol.

SEGUNDO TEMPO

Um minuto após o início da etapa final, Cruzeiro voltou com tudo e igualou o placar no agregado, com gol do artilheiro Fernando.
Cruzeiro seguiu dominando a partida e jogando melhor, mas quem chegou ao gol foi o Atlético, em belo chute cruzado de Alisson, descontando o placar e colocando o clube alvinegro parcialmente na final.
Com a vantagem, Atlético recuou e tentou ficar com o resultado, mas, não durou muito. Seis minutos depois, em um lance de bate e rebate, Fernando chutou, bola explodiu no zagueiro e voltou para o atacante Arthur, que fez o gol que levou o jogo para as cobranças de pênaltis.

PENALIDADES

Nos pênaltis, o Cruzeiro foi muito eficiente, 100% de aproveitamento. Já o Atlético, perdeu duas penalidades, Isaac pra fora e Renan parou em Otávio, goleiro cruzeirense.

A GRANDE FINAL

Na final, Cruzeiro enfrenta o Coimbra, outro finalista da categoria. Data, local e o formato ainda não foi definido. Provavelmente, será em dois jogos, diferente do ano passado, que foi final única, no Independência.

0 189

Por André Duarte, Igor Teixeira, Jaqueline Dias

Em partida válida pelo primeiro jogo da semifinal do campeonato mineiro sub-20, o time do Atlético Mineiro venceu o Cruzeiro por 3×1 no campo do Sesc em Venda Nova na tarde do último sábado (17).
Em um jogo sem muitas movimentações nos primeiros minutos, o time do atlético teve uma oportunidade de abrir o placar aos 30 minutos do primeiro tempo em uma cobrança de pênalti feita pelo atacante Isaac, mas acabou parando nas mãos do goleiro Otávio, do Cruzeiro. Mas a alegria do time celeste durou pouco. Dois minutos mais tarde, aos 32 minutos, o jogador Caio Ribas acertou uma cabeçada indefensável e colocou o time alvinegro na frente do placar. O Cruzeiro encontrou muitas dificuldades para se arrumar em campo, desde o início não teve uma saída de bola com qualidade para que chegasse com perigo ao gol do adversário.

No segundo tempo, o momento inesperado ficou por conta de um recuo de bola do zagueiro Pedrão para o goleiro Otávio que se enrolou completamente com a bola e logo viu ela morrendo no fundo da rede, isso fez com que a torcida atleticana presente pegasse no pé do jogador. Aos 27 minutos, o meia Alisson, que já jogou no time principal do Atlético com o treinador Felipão, estufou a rede em uma bela cobrança de falta ampliando o placar. O jogo ainda reservava um gol para o Cruzeiro, que veio da cabeça de Pedrão que pode se redimir no final depois da falha ocorrida no segundo gol do rival descontando o placar.

Com a vitória, o galinho pode até perder por um gol de diferença que leva a vaga para a final, em caso de diferença de dois gols para os crias da toca, o jogo será decidido nos pênaltis. O jogo da volta está marcado para o próximo domingo (24), às 16h na Toca da Raposa II.

No fim da partida, conversamos com o técnico Eduardo, do Galinho:

https://youtube.com/shorts/hJi7eGzuVxM

 

0 306
Foto: Formula one management.

Por Davi Gomes

A temporada da Fórmula 1 segue sem surpresas, com a Red Bull ganhando corridas atrás de corridas e deixando claro a diferença entre seus carros e pilotos sobre seus adversários. O lendário circuito de Monza, na Itália, recebeu a 16ª etapa do campeonato. E como vem acontecendo nos últimos anos, sempre com uma expectativa alta para os fãs na categoria. 

Sessões de sábado

Nas sessões de qualificação de sábado (2), os carros da Williams que foram o centro das atenções. Ambos não fazem um grande campeonato mundial, mas vez ou outra aparecem para brigar por posições maiores no grid. Os pilotos Logan Sargeant e Alex Albon, mostraram a potência do carro nas retas, aproveitando o traçado da pista e se colocaram em boas posições para a largada. O que foi melhor para Albon, que largou em sexto.

Os melhores foram Carlos Sainz, que conquistou a importante pole position para a Ferrari na Itália, que levou os torcedores ao delírio. Em segundo com sua Red Bull, Max Verstappen, e o outro ferrarista Charles Leclerc teve o terceiro melhor tempo.

Sessões de domingo

No domingo (3), antes mesmo da largada, o japonês Yuri Tsunoda, piloto da Alpha Tauri, teve problemas no carro, enquanto os outros faziam a volta de apresentação. O início da corrida precisou ser abortada, e, por conta disso,  a direção de prova decidiu diminuir a quantidade de voltas da corrida, passando de 53 para 51.

Foto: Formula one management.

Quando finalmente as luzes se apagaram e a corrida começou, Sainz conseguiu se manter em primeiro, evitando que o líder do campeonato o passasse. Albon, que vinha mais rápido que Norris, da McLaren, ultrapassou o britânico para assumir a quinta colocação ainda na segunda volta.

Nas voltas seguintes, Verstappen buscava a liderança mas tinha dificuldades de ultrapassar o líder espanhol. Na volta 6 foi quando o holadês teve sua melhor chance até o momento, mas teve as portas fechadas e precisou recomeçar o ataque.

Dobradinha da equipe

A cada volta, a distância dois diminuía. Foi quando na volta 15, Sainz errou o tempo da freada na primeira do circuito e deixou espaço para que Verstappen se aproximasse e concluísse a ultrapassagem. A partir desse momento, Verstappen, que não dá chances para ninguém, dispara na liderança.

Enquanto a Red Bull ia rumo a mais uma vitória, a outra de Sérgio Perez vinha em quarto buscando mais um pódio. Com um ritmo mais forte que as duas ferraris à frente, o mexicano tentava de todas as formas fazer as ultrapassagens. Na volta 32 ele consegue superar Leclerc sem dificuldades e ia chegando perto de Sainz volta a volta. Eis que faltando cinco voltas para o fim, Perez consegue superar o outro carro italiano, para assumir o segundo lugar e confirmar mais uma dobradinha da equipe.

Foto: Formula one management.

Mesmo com a corrida perto do fim, os dois pilotos da Ferrari brigavam entre si para ver quem terminaria em terceiro e subiria ao pódio. Leclerc, que vinha atrás, pressionava seu companheiro e quase causando um acidente, desobedecendo ordens dos seus engenheiros, que pediam para ele seguir nas posições que já estavam. No fim, não houveram mais alterações e Verstappen venceu mais uma, a décima consecutiva, estabelecendo o recorde absoluto de mais vitórias seguidas.

Foto: Formula one management.

A Fórmula 1 agora tem uma semana de descanso. A volta das atividades acontece no dia 15 de setembro para os treinos livres, e com corrida marcada para o dia 17 em Singapura.

0 143

Por Davi Gomes

Depois de um mês, os carros voltaram às pistas para dar sequência na segunda parte do campeonato mundial. Em Zandvoort, na Holanda, pôde ser vista uma grande corrida mesmo que o vencedor tenha sido o mesmo das últimas oito competições.

De volta a pista

As grandes aventuras do final de semana de corrida, aconteceram ainda nos treinos livres de sexta feira. Após uma forte batida, Daniel Riccardo quebrou a mão esquerda e ficou sem condições de correr pela AlphaTauri. Para o lugar do australiano, foi chamado Liam Lawson, jovem (21) piloto neozelandês que teve a grande chance de fazer sua estreia na categoria.

No sábado, a chuva prevista para cair veio com um volume ainda maior, fazendo com que os pilotos tivessem suas atenções redobradas. Com o início da qualificação, as condições climáticas foram melhorando e consequentemente a pista foi secando. Mas, ainda continham partes molhadas e úmidas, que exigiam dos pilotos a usarem pneus intermediários.

O heptacampeão Lewis Hamilton, da Mercedes, não teve bom desempenho em busca da melhor posição para o grid de largada e terminou o qualy apenas em décimo terceiro. A surpresa positiva foi o americano Logan Sargeant, piloto da Williams, que pela primeira vez no ano conseguiu começar uma corrida entre os 10 primeiros. Com a pista seca, os tempos de volta seguiam melhorando, e no fim a pole position ficou com Max Verstappen, da Red Bull, seguido por Lando Norris, da McLaren, e George Russell, da Mercedes.

Foto: Formula One Management.
Chuva com força

No domingo, a previsão do tempo dava que teríamos chuva já na largada e com menos de meia volta disputada, a chuva chegou com força. Como todos os pilotos largaram com pneus de pista seca, foram obrigados a fazerem seus primeiros pit stops logo no início. Alguns decidem trocar seus compostos já na entrada da segunda volta e outros seguiram com suas estratégias e se mantiveram na pista.

Verstappen, Norris e Fernando Alonso, da Aston Martin, os três primeiros naquele momento resolveram ficar na pista mas o atual campeão e o bicampeão espanhol pararam para trocar seus pneus. Enquanto o piloto britânico resolveu continuar, que fez com que perdesse muitas posições por não estar com o pneus adequado para as condições que a pista se encontrava.

Voltas 11 e 12

Nas voltas 11 e 12 o tempo abriu e novamente os pilotos foram aos boxes trocar seus pneus para os jogos de pista seca. Com a parada, Sérgio Perez, da Red Bull, que estava em primeiro, acabou perdendo sua posição para o companheiro que vinha voando atrás, recuperando-se das posições do início quando resolveu ficar na pista com pneus não recomendados.

Durante algum tempo a corrida ficou sem grandes emoções, o piloto monegasco da Ferrari Charles Leclerc era quem mais surpreendeu já que perdia várias posições devido a um dano causado logo nas primeiras voltas, eventualmente o ferrarista abandonou a etapa. Faltando 10 voltas para o fim, pôde ser vista as nuvens carregadas sobrevoando o entorno da pista e uma nova chuva iria chegar a qualquer momento. 

Foto: Formula One Management.
Primeiros pingos de chuva

Assim que os primeiros pingos começaram a cair, alguns dos pilotos já foram para os boxes novamente para trocar seus pneus e ganhar vantagem sobre os adversários. Mas a mudança de pneus para os intermediários, não seria suficiente para a quantidade de água que caía no circuito e foram necessárias novas mudanças, para os pneus de chuva extrema.

Com a dificuldade de pilotar nas condições que a pista apresentava, muitos pilotos acabaram errando. Mas foi Guanyu Zhou, da Alfa Romeu que se deu mal. O chinês bateu no muro e foi necessário uma bandeira vermelha para que pudesse ser consertada a barreira de proteção. Com a barreira refeita e mais um tempo de espera para que o clima melhorasse, foi dada a largada e de cara Norris e Russell se tocaram e quem levou a pior foi o inglês da Mercedes que caiu para a última posição. 

Foto: Formula One Management.
Final

No fim, mais uma vitória para Max Verstappen, que igualou o recorde de Sebastian Vettel, ambos com nove vitórias consecutivas, em segundo ficou Fernando Alonso, e para fechar o pódio, Pierre Gasly, da Alpine. Perez que havia cruzado a linha de chegada em terceiro foi punido com cinco segundos adicionados ao seu tempo final por exceder o limite de velocidade nos boxes, caiu para quarto.

Foto: Formula One Management.

A fórmula 1 volta no próximo final de semana para o Grande Prêmio de Monza, na Itália.