gastronomia

Neste final de semana, 27 e 28 de setembro, ocorrerá a primeira edição do Festival Fartura BH. Organizado pela mesma equipe do Festival Cultura e Gastronomia de Tiradentes, o evento reunirá chefs, cozinheiros e produtores de quatorze estados brasileiros na  Praça José Mendes Júnior, localizada ao lado do Palácio da Liberdade em Belo Horizonte.

Para a realização deste evento, a organização promoveu a Expedição Fartura Gastronomia. O intuito era realizar um mapeamento de produtos, receitas, ingredientes e chefs, uma vez que o Brasil  pode ser considerado um continente da gastronomia. Durantes três anos,  a expedição passou por dezessete estados, percorreu 48.000 km e entrevistou diversos personagens da culinária brasileira.

Todo o conhecimento desta viagem acabou sendo transformado em um livro e em um curta-metragem. Este que foi vencedor da 1ª Mostra de Ensaios de Sabores Audiovisuais (MESA) 2014, na categoria Curta.

A troca dos ingressos estão sendo realizadas no Supermercados Verdemar (Lojas: Buritis, Raja Gabaglia e Sion) e são liberados apenas 4 por CPF. Para que a troca seja efetuada é necessário 2kg de alimentos não percíveis (exceto sal e fubá) ou R$ 10,00 que serão doados para o Servas.

Saiba mais sobre a programação completa: https://www.farturagastronomia.com.br/

Texto: Bárbara Carvalhaes

Imagem: Retirada do site Sou BH

 

Com a intenção de “fazer a criançada colocar a mão na massa”, e em razão das datas comemorativas que se aproximam com o fim do ano, uma parceria entre a empresa Frau Bondan, especializada em culinária, e o shopping Diamond Mall promoverá oficinas para ensinar crianças a fazer biscoitos de Natal. De acordo com a assessoria de comunicação do shopping “a história dos biscoitos de natal, existe há 10 mil anos, época das receitas medievais europeias”.

Diz a lenda que os biscoitos de gengibre em forma de boneco, chamados Gingerbread Man, foram criados por uma mulher que não tinha filhos e decidiu fazer uma criança de massa e colocou no forno para assar. Quando ela abriu o forno para tirar o biscoito, ele pulou da forma e saiu correndo pela janela aberta da cozinha.

As oficinas gratuitas ocorrem até o dia 16 de dezembro, de 14h às 20h na loja Frau Bondan, piso L1 do Diamond Mall. Para participar, é preciso se inscrever pelo telefone 3330-8633. Podem participar crianças com idades entre 4 e 12 anos.

Por Ana Carolina Nazareno e Marcelo Fraga

Foto: Divulgação / Diamond Mall

A Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (ABRASEL) promove, a partir de hoje (1º), a sexta edição do Festival Bar em Bar. Este ano, 34 estabelecimentos do Estado participarão de evento. A maioria (28) está localizada na capital. A campanha deste ano tem como slogan “A alegria é por nossa conta” – os bares e restaurantes participantes oferecerão pratos com o valor de R$ 10,00. “Esperamos vender bastante. Já participamos de edições anteriores e o movimento cresceu bastante”, afirma Ana Lúcia Pereira, 38, gerente do Assacabrasa há sete anos.

O festival apresenta também uma maneira descontraída para estimular a conscientização dos clientes, “Os dez mandamentos do cliente do bar”, dentre os mandamentos estão: ”Não dirigirás após consumir bebidas alcoólicas”, “Não incomodarás vizinhos e outros clientes”, “Não fumarás em ambientes fechados” e “Não estimularás a violência”.

Não é somente o preço o atrativo para os clientes, os bares apresentam também petiscos criativos ao misturar ingredientes tradicionais com inusitados, como o prato “Coma suíno, mas use filtro solar” – uma combinação de carne de sol suína servida com redução de aceto com tangerina e rapadura e acompanhamento de minibatatas com bacon – servido no bar Rima dos Sabores (situado no bairro Prado). Entre os estabelecimentos participantes estão Assacabrasa, Bhar Savassi, Bar Ideal e Maria das Tranças (Lourdes e Savassi).

O evento vai até o dia 18 de novembro, sempre das 18h até às 21h. Confira todos os estabelecimentos participantes aqui.

 

Por Marcelo Fraga e Rafaela Acar

Foto: Rafaela Acar

O Mercado Central, em parceria com a multinacional Nestlé oferece, através do Projeto Cozinha Escola, aulas gratuitas de culinária. As aulas são abertas ao público, mediante inscrição prévia, e disponibilidade de vagas. “Através da programação, os alunos podem se inscrever nas receitas em que têm interesse. As aulas duram cerca de 1h30m e terminam com uma degustação”, explica a auxiliar administrativa do projeto, Vanessa Teixeira.

As aulas têm a participação do Cheff Eduardo Maya acompanhado de sua equipe. Os alunos aprendem a preparar os pratos desde o início, inclusive recebendo instruções de como fazer a limpeza dos alimentos e a higienização do local. “A maioria das pessoas que fazem o curso tem certa dificuldade com relação à culinária, e muitos acabam utilizando o que aprendem como uma fonte de renda”, comenta a assistente do Cheff, Ana Carolina Araújo.

A Cozinha Escola fica no segundo piso (estacionamento) do Mercado Central e as inscrições podem ser feitas gratuitamente no local. As aulas acontecem as terças e quintas em dois horários, 10h e 15h, e aos sábados às 11h.

Por Marcelo Fraga e Paloma Sena

Foto: Marcelo Fraga

Neste mês de outubro, 29 restaurantes e pizzarias de Belo Horizonte participam do Festival Certame Pizza & Pasta de gastronomia italiana. O objetivo é divulgar a culinária da cultura trazendo diversos pratos típicos da região. “Procuramos mostrar como os italianos tem traços marcantes na sua gastronomia”, informa o proprietário do restaurante Cantina Piacenza, Américo Piacenza.

Ainda segundo Américo, o festival tem alcançado a expectativa de público. “É superinteressante porque as pessoas procuram nosso estabelecimento, o que aumenta nossa popularidade e clientela, e não é uma competição, e sim uma divulgação em conjunto da culinária italiana”, conclui.

O funcionário do restaurante Ristorante L’Astigiano, Giorgio Urbani, comenta que “ São clientes variados e dispostos a experimentarem o prato que estamos oferecendo, além de ajudar no reconhecimento do nosso estabelecimento”.

O evento ocorrerá até o dia 31 de outubro e para participar é necessário retirar um guia do festival na rede de supermercados Martplus. Os preços e pratos variam em cada restaurante.

Confira a lista completa dos restaurantes e pizzarias participantes.

Por Ana Carolina Vitorino e Rute de Santa

Fotos: Internet

A partir de hoje, as danceterias e casas noturnas de Belo Horizonte são obrigadas a instalar nas suas dependências internas, em locais visíveis ao público, bebedouros de água potável, para uso gratuito de seus frequentadores. Isto é o que diz a Lei Municipal de nº 10.544, de autoria da vereadora Elaine Matozinhos (PTB), assinada ontem pelo prefeito e publicada hoje no Diário Oficial do Município (DOM).

A Secretaria Municipal Adjunta de Regulação Urbana informa em nota que: “No prazo de 60 dias, [órgão] normatizará a aplicabilidade da lei. Para a concessão de novos Alvarás de Localização e Funcionamento, o item já será observado. O cumprimento da lei será verificado pelos fiscais integrados e o tema fará parte da rotina de fiscalização”.

 De acordo com a assessora de imprensa da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes de Minas Gerais (ABRASEL) Daniela Nunez a instituição é completamente contrária à lei. “Essa é uma lei populista, que só servirá para onerar um dos setores mais lucrativos de Belo Horizonte, o setor de bares, restaurantes e entretenimento em geral”, declara.

Segundo a Daniela Nunez a associação lamenta a falta de diálogo com o setor para a proposição dessa lei que tramita desde 2009 na Câmara dos Vereadores. “Não houve conversa da vereadora Elaine Matozinhos, com o setor, isso a gente quer deixar muito claro. É uma coisa lamentável, fazer uma lei sem antes ouvir essa parte do setor”, critica.

Custos

De acordo com a ABRASEL a proponente não observou os custos operacionais para instalação e manutenção dos bebedouros. “Esses custos terão de ser repassados aos frequentadores”. Segundo Lucas Feliz, um dos proprietários das casas noturnas Dduck, Mary in Hell e Oito Bar, concorda que há uma oneração para o setor. “Acredito que instalar um bebedouro o custo saia em torno de 2 mil reais, fora o aumento da conta de água que teremos, e a diminuição da venda, por não ter mais a renda proveniente da água. Além de ser um equipamento frágil, que tem peças que soltam facilmente e que com certeza vai gerar manutenção”, explica.

Boates

Os representantes do setor questionam não apenas a viabilidade financeira de implantação da lei, mas a forma como ela foi elaborada. “A vereadora propôs essa lei da cabeça dela, sem fazer nenhum tipo de pesquisa ou consultar pessoas relacionadas ao ramo”, declara Lucas Feliz. Para o empresário um problema evidente dessa lei se refere à higiene. “Bebedouro em boate não vai ser uma coisa muito higiênica. A maioria das pessoas vai ao banheiro e não lavam as mãos. Vai ter gente jogando água pra cima, jogando água nos amigos”, afirma.

O promoter da boate UP Ed Luiz, por sua vez pontua o problema os custos gerados pelas obras de instalação. “As boates de Belo Horizonte são pequenas e esses bebedouros ficariam fora do atual lay out”, explica.

Em contrapartida o estudante de direito Hamilton Araújo, se diz satisfeito com a decisão, segundo o estudante essa lei só apresenta pontos positivos. “É um absurdo alguém passar mal numa boate, por exemplo, e muitas vezes ter que pagar um preço exorbitante para beber um copo d’água”.

Lá fora

Alguns jornais, que repercutiram a publicação da lei, pontuaram que no exterior é comum a existência de bebedouros. Para a estudante Aline Mangabeira a instalação de bebedouros em boates não é uma boa ideia. Moradora da cidade de Dublin (Irlanda), a estudante observa que na Europa existem medidas mais higiênicas para que os clientes tenham acesso gratuito à água potável. “Aqui na Irlanda é comum pedirmos gratuitamente água em boates e pubs. Nos restaurantes, os garçons nos servem água com gelo mesmo quando não solicitado”, afirma. “Em Wicklow (Irlanda) nos não temos bebedouros, porém você pede ao bartender e ele servirá sem cobrar absolutamente nada e com a mesma atenção como se você estivesse pagando”, informa o analista em ciências da computação Killian Byrne

A equipe de reportagem tentou, sem exito,  ao longo desta tarde, contactar a vereadora Elaine Matozinhos(PTB), em seu gabinete.

Por: Rafaela Acar

Foto: Hemerson Morais