Hiperlocal
Notícias da região da Praça da Liberdade, rua da Bahia e Savassi - onde está o ampus da Faculdade de Comunicação e Artes da UNA

Por Matheus de Azevedo

O Banco do Brasil (BB), em parceria com o Governo do Estado de Minas Gerais, realizou na manhã da sexta-feira, 07 de agosto, uma entrevista coletiva para oficializar o início das obras do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), em Belo Horizonte, que funcionará no antigo prédio da Secretaria de Estado de Defesa Social, na Praça da Liberdade.
O arquiteto responsável pelo projeto, Marcelo Pontes, informou que o edifício será reformado para ter condições de receber exposições internacionais e enfatizou que o imóvel não perdererá suas características arquitetônicas originais. Já o secretário estadual de cultura, Paulo Brant, assegurou que os ingressos às exposições do CCBB mineiro terão preços acessíveis.
O CCBB está presente em cidades como Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro, em Minas, a previsão é que em março de 2010 pelo menos o hall do prédio já comece a receber algumas exposições. A primeira fase das obras está prevista para terminar em 2011.

Gosto pela cultura
Na ocasião cerca de 450 Crianças de diferentes regiões de BH, inclusive do projeto Criança Esperança foram convidadas pelo Banco do Brasil para terem uma manhã totalmente cultural na Praça da Liberdade. Pinturas, palhaços e teatro do grupo Trampolim com a peça “A receita” garantiram o divertimento. No final da manhã, crianças e autoridades realizaram um abraço simbólico em torno do futuro Centro Cultural do Banco do Brasil.

Para conferir as fotos do evento você pode acessar a nossa galeria.

1 827

dsc_24232

Em breve, os órgãos públicos, que funcionavam nos prédios no entorno da Praça da Liberdade, se tornarão um dos principais circuito cultural do país. Nele, o público irá usufruir de livrarias, cafés, teatro, salas de dança e outras atividades. A intenção é fazer um cenário de convívio, aprendizado e entretenimento. Para explicar este processo de reestruturação foi montada, na alameda da praça, a exposição “Arte e Conhecimento”.

Um pavilhão de 70 metros de comprimento dividido em três partes, detalha como será organizado o circuito. No início, é possível conhecer um pouco da história das secretarias e da praça. Em seguida, são apresentadas algumas cidades do Brasil e do mundo onde prédios históricos passaram a ser espaço para atividades culturais, como exemplo o Museu do Louvre, antiga sede do governo francês. Por fim, o público confere, em um mapa gigante, as obras finalizadas e informações sobre as atividades de cada prédio.

Para Daniela Eugênia, 26 anos arte-educadora, a reforma é bastante válida uma vez que circuito cultural ficará de portas abertas para o público. “Li algumas opiniões contra essa reestruturação, mas acredito que ela é necessária. Os prédios voltarão a ganhar vida com a abertura do circuito”, ressalta.

O projeto, anunciado em 2005, tinha conclusão prevista para 2006, mas não ficou pronto no prazo. O atraso e o surgimento de rumores sobre a administração levaram o Ministério Público a investigar as obras. No ano seguinte a justiça negou a liminar.

Apesar da polêmica, o projeto recebe aplausos de turistas. Glauco Gonçalves, 18 anos, está na capital há 2 meses e foi conferir a abertura da exposição. “Achei legal porque a Praça da Liberdade é o cartão postal de BH. Quem visita a cidade passa por aqui, então muitas pessoas terão acesso ao centro cultural”, considera o estudante.

Já Vera Lúcia Batista, professora universitária acredita que pode ser muito interessante, porém destaca que é preciso ver a efetivação. “Ano que vem vamos ter acesso a todas essas mudanças e aí teremos condições de avaliar um pouco melhor. Até agora o que vimos são as notícias de jornais e fotos e planejamentos nessa exposição.”

A exposição, inaugurada no dia 3 de agosto, contou com a presença do governador de Minas, Aécio Neves e do prefeito da cidade, Márcio Lacerda. No coreto, Gabriel Guedes e grupo entretinham, com suas músicas, quem passava pela praça, enquanto as crianças se divertiam desenhando. O pavilhão ficará exposto na praça até o dia 9 de setembro.

Passeie pela EXPOSIÇÃO

Por Hélio Monteiro e Natália Oliveira.

0 586

Assim como os parques de diversões, o trânsito também tem o poder de causar muitas emoções nas pessoas. Os sentimentos são variados e vão da irritação que faz soltar palavrões aos sustos consequentes das freadas bruscas ou até mesmo à diversão que alguns artistas proporcionam com seus malabares.

A fim de retratar essa realidade comum às grandes cidades brasileiras, o Contramão fotografou o trânsito na rua da Bahia, no trecho entre as ruas Bernardo Guimarães e Bias Fortes, durante quatro horas. Percebemos que a ansiedade dos motoristas para chegar em casa é equivalente à dos personagens do desenho “Corrida Maluca” para conquistar o primeiro lugar. Ainda pensando no desenho, encontramos com vários “Dicks Vigaristas” pelo caminho, tentando atravessar sinais vermelhos ou parando nas faixas de pedestres.

As estatísticas ajudam a entender essa confusão. Segundo o jornal Correio Braziliense, a frota atual de veículos na capital mineira é de 1.146.096, número que cresce 7,6% ao ano. A previsão para 2020 é que circulem em Belo Horizonte 2.565.384 veículos! E não para por aí. Há dois anos, de cada cem automóveis, 55 transportavam apenas uma pessoa. Hoje este número passou para 70. Estima-se que duas vezes por dia 45% dos belo-horizontinos ficam presos no trânsito e a previsão para que ele pare de vez é de 12 a 15 anos. Enquanto isso não acontece, usamos as fotos para fazer um vídeo stop-motion. Assista e comece a imaginar a situação em 2021!

por: Áurea Maíra, Hélio Monteiro e Natália Oliveira

0 610

O segundo grupo da noite de 25 de junho no Vitrine do curso de Gestão em Publicidade e Propaganda foi o dos alunos do 6º período, que lançaram o projeto da “Conecta comunicação”, uma agência formada com base em pesquisas  das tendências do segmento, diagnóstico do mercado e visitas técnicas em agências como a Plan B e a mapa digital.

Como uma agência destinada à web, a idéia seria dar suporte total ao cliente da pequena e media empresas, incluindo o projeto e sua execução. A escolha deste publico alvo se torna o diferencial da Conecta, tendo em vista a falta de um olhar diferenciado pra essas empresas, que geralmente buscam agencias de São Paulo para seus trabalhos. A agência se situaria e teria seu alvo na região Central de Belo Horizonte, e não se importaria com o espaço físico, tendo seu horário de trabalho reduzido, baseado em escalas.

O grupo, formado por Thais, Keylla, Rafael e Gilvan, mostrou ainda quais seriam os gastos com estrutura, equipamentos e funcionários, como seriam os serviços , mostraram as pesquisas feitas por eles, mostram o logotipo da empresa(“Conecta, sua empresa no mundo digital”), enfim, mostraram todo o planejamento da futura empresa.

O resultado do trabalho pode ser conferido no site: www.conectacomunicaçãoweb.com.br

dsc_0237

A comunicação está presente em todo o lugar e tempo, de diversas formas culturais. Esse eixo norteou as apresentações do TIDIR do módulo B de Publicidade e Propaganda desta quinta-feira.O tema principal de todos os trabalhos era o corpo como meio de comunicação. Os grupos mostraram que é possível realizar a comunicação não apenas através da fala, mas também através de gestos, expressões, imagens, movimentos.

Eram quatro grupos com os seguintes títulos: “A arte e o movimento do corpo no circo”, “Identidade Própria”, “Dança Contemporânea “e “Corpo e Mídia”. Apresentaram sub-temas interessantes relacionados diretamente com o curso de comunicação. O primeiro grupo resgatou um tema pouco vivenciado pela juventude, como reconheceu uma das alunas na apresentação, pois nunca foi a um circo, por não ter oportunidade quando criança e quando adulta pela falta de curiosidade.

Por Andressa e Thaline.

0 598

Nessa quarta-feira, 24 de junho, aconteceram as apresentações do TIDIR do curso de cinema do 5º período, com o tema geral “Viver na metrópole contemporânea”. A primeira apresentação foi do curta “Calamidade privada”, que tinha como base o caos e a desestrutura do modelo familiar que conhecemos. O curta trouxe a tona problemas causados pela instabilidade familiar e a busca pela auto afirmação.

O objetivo dos alunos era mostrar que além de sermos anônimos para as pessoas de fora, graças às pressões da sociedade, somos,também, anônimos dentro das nossas casas. Através de exemplos presentes no cotidiano da sociedade, o grupo passa a mensagem de que ninguém conhece ninguém verdadeiramente, e que cada pessoa tem sua forma de escape para o caos contemporâneo.

Por Natália Zamboni e Débora Gomes.