Jornal Contramão

0 1458
Fonte: UEFA - Divulgação
Fonte: UEFA - Divulgação

Por André Duarte

No duelo histórico pelo jogo de ida de Champions League, Inter deixa San Siro vermelho e preto em silêncio. A equipe azul de Milão venceu o confronto por dois a zero, conseguindo uma vantagem enorme para o segundo jogo, no qual tem a vantagem do empate e até mesmo da derrota por um gol de diferença.

O JOGO

Um primeiro tempo de total domínio da Inter. Começou o jogo amassando o rival, o tempo todo buscando o ataque e deixando o Milan todo acuado, sem ter o que fazer. Logo aos oito minutos, em cobrança de escanteio, Dzeko abriu o marcador. Aos dez , a Inter ampliou em gr

Fonte: UEFA - Divulgação
Fonte: UEFA – Divulgação

ande jogada coletiva. O jogo parecia resolvido já logo no começo, Inter continuava em cima e com Milan todo atordoado. O placar ficou barato, além dos dois gols, a Inter teve bola na trave e um pênalti

anulado.

Já no segundo tempo, o time mandante conseguiu equilibrar o duelo. Voltou melhor, porém não conseguiu agredir com eficiência. A Inter mais retraída e usando o contra-ataque ainda era muito perigosa. O tempo foi passando e o jogo ficou mais pegado. Mesmo com chances para ambos, o placar não foi mexido na segunda etapa, dando minutos finais e uma grande vantagem ao time Nerazzurri.

PROJEÇÃO

Inter tem uma grande vantagem de dois gols e vem totalmente embalada, nos últimos seis jogos, são seis vitórias, dezessete gols marcados e apenas um sofrido. Já o Milan, para sair classificado para grande final, vai precisar aplicar três gols de vantagem para classificação direta. Uma vitória por dois gols, leva o jogo para prorrogação. Ao contrário do Rival, o Milan vem oscilando bastante, nos últimos seis jogos são duas vitórias, três empates e uma derrota.

Por João Paulo

No sábado (6), o Cruzeiro enfrentou o Santos no Independência inaugurando a 4° rodada da Série A. O time celeste venceu o Peixe por 2 a 1 com dois gols do atacante Wesle

Foto: Cris Mattos /STAFF IMAGES / CRUZEIRO
Foto: Cris Mattos /STAFF IMAGES / CRUZEIRO

y, enquanto ngelo descontou para a equipe alvinegra.

Com o resultado, o Cruzeiro chegou aos 9 pontos no campeonato e está na 3° posição e

terminará a rodada no G4. Já o Santos fica na 14° colocação, com quatro pontos.

No domingo (7) às 11hrs, o América foi derrotado pelo Cuiabá por 2 a 1 no estádio Independência. Aloísio abriu o placar para o Coelho, já o Dourado marcou com Marlon contra e Ronald de falta, após expulsão do goleiro Matheus Cavichioli.

Foto: Mourão Panda / América
Foto: Mourão Panda / América

O América-MG está na lanterna do campeonato, e ainda não pontuou. Já o Cuiabá, está na 13° colocação com 4 pontos.

Ainda nesse domingo, o Atlético foi derrotado pelo Botafogo por 2 a 0 no Estádio Nilton Santos. Os gols do glorioso foram marcados por Victor Sá e Matheus Nascimento.

Com a derrota, o Galo caiu para a 15° colocação com 4 pontos. O Fogão é líder com 12 pontos e único 100% no Brasileirão.

Foto: Pedro Souza / Atlético
Foto: Pedro Souza / Atlético

PRÓXIMOS JOGOS:

Os três mineiros jogam na quarta-feira (10) pela quinta rodada do Brasileirão.
O América viaja para enfrentar o Bragantino às 19hrs. Já o Atlético jogará contra o Cuiabá também fora de casa às 20hrs. Por fim, o Cruzeiro volta ao Mineirão para pegar o Fluminense às 21h30.

Na última terça-feira (25), a capital mineira recepcionou no Cine-Theatro Brasil Vallourec a primeira apresentação do projeto Première Minas, com apoio da Casa do Jornalista e do CEC –  Centro de Estudo Cinematográfico -, que se dedica ao lançamento de filmes autorais. O intuito é ser um evento mensal, com objetivo de exibir filmes de curta,  longa-metragem e séries. Na abertura do  evento, o filme escolhido foi “Bar Relicário – Filme-tributo a Hélio Zolini” do cineasta Fábio Carvalho.

O Centro também está usando o espetáculo para chamar as pessoas para participarem do  Amigos do CEC, que são compostas por membros associados e todos que se envolvem, contribuindo para a manutenção da entidade e assim, mantendo a cultura e aprendizado para os próximos que irão à Casa.

Por André Duarte

O jogo válido pela libertadores na noite desta terça feira, marcou mais uma derrota do Atlético/MG na competição. Com gols de Vitor Roque e Terans para o Furacão, e Paulinho descontando, Galo sai derrotado por 2 x 1 na Arena da Baixada.

Furacão se impõe na etapa inicial e aproveita as chances que apareceram

O jogo começou elétrico, os dois times muito intenso e criando oportunidades. A primeira chance veio com Paulinho, que saiu cara a cara e parou em Bento, goleiro do furacão.

Ainda antes dos dois minutos de partida, mais uma grande chance, dessa vez, do time mandante. Everson pressionado chutou em cima de Rômulo e torceu para bola não ir em direção ao gol.
Athletico tomou conta do primeiro tempo e aos 6 minutos chegou ao gol com Vitor Roque, que bateu cruzado e estufou as redes do goleiro Everson.

Em cima do time mineiro, o furacão teve outra boa oportunidade com Khellven, mas parou em boa defesa de Everson.

Em cobrança de escanteio, o árbitro marcou um pênalti polêmico, alegando toque na mão de Paulinho. Com direito a lei do ex, Terans converteu o pênalti e ampliou a vantagem.
Ainda no final da primeira etapa, Paulinho teve nova oportunidade, mas não converteu.

Atlético até tenta na volta do intervalo, mas para no goleiro Bento

Foto: Athletico/PR
Foto: Athletico/PR

Na segunda etapa e com placar muito ruim, o Galo se viu obrigado a ir para o ataque. Em cobrança de falta, o galo chegou a diminuir, mas o árbitro entendeu que houve impedimento e anulou o gol. Ainda em cima e com time conseguindo chegar, Hulk da passe para Paulinho que tira do goleiro e balança as redes do inspirado, Bento.

Dois minutos depois, Patrick teve nova chance e viu Bento salvar com os pés novamente. Totalmente acuado na segunda etapa, o furacão buscava a saída em velocidade, até que aos 42 minutos, Mariano fez falta em Thiago Andrade, matando o contra-ataque, recebeu segundo amarelo e deixou o campo mais cedo.
Mesmo com um a menos, o Galo foi para cima e novamente viu o goleiro adversário fazer um milagre, no chute de Hyoran.

OPINIÃO

Galo fez uma das melhores partidas na temporada, mas perdeu e pode ser uma derrota decisiva. Coudet pode variar mais no estilo de jogo e não pode ficar esperando o Hulk decidir todo jogo, quando a marcação encaixa em cima dele, Galo sente muito.

O furacão vem se consolidando como uma grande e forte equipe no cenário nacional e internacional. Mais uma vez chega bem e pode crescer ainda mais ao longo da competição. Tem boas peças e tem uma jóia no elenco, Vitor Roque.

0 375

Por João Marcelo

O Atlético-MG se sagrou tetra campeão mineiro após vencer o América-MG por 2×0, no último domingo (9), no Mineirão. O placar agregado das duas partidas ficou em 5×2 para o Galo.

A equipe comandada por Eduardo Coudet foi a campo com 7 alterações em relação a equipe que foi derrotada pelo Libertad na Copa Libertadores, na última quinta-feira (6). Saíram Saravia, Nathan Silva, Dodô, Edenílson, Patrick, Pedrinho e Vargas para as entradas de Mariano, Jemerson, Rubens, Zaracho, Igor Gomes, Pavón e Hulk.

Com vantagem adquirida na primeira partida da final, o Galo foi a campo com menos pressão que o adversário, e soube aproveitar o fato para obrigar o Coelho a atacar.

Em um lance de contra-ataque, Igor Gomes foi empurrado por Arthur dentro da área e, após revisão do árbitro de vídeo, foi marcada a penalidade. Hulk foi para a cobrança e converteu: 1×0 Galo. No início do segundo tempo, o volante Otávio foi expulso após receber o segundo cartão amarelo. Apesar de ter 1 jogador a menos, o time não se acovardou. Novamente em um lance de contra-ataque cruzando todo o campo, Zaracho tocou para Hulk marcar novamente, deixando o marcador com 2×0 para o Atlético.

O América ainda teve a chance de diminuir em uma cobrança de pênalti, mas Wellington Paulista bateu fraco e o goleiro Éverson defendeu com tranquilidade.

No fim do jogo, a chuva chegou no Gigante da Pampulha para batizar o alvinegro como tetra campeão estadual. Com a conquista, o Galo chega ao 48º Campeonato Mineiro na sua galeria, sendo o maior vencedor do torneio.

Foto: Formula One Management
Foto: Formula One Management

Holandês chega a sua segunda vitória no ano e se distancia de seu companheiro Perez na tabela

Por Davi Gomes

A terceira corrida do circuito mundial de Fórmula 1 aconteceu na madrugada de sábado (1) para domingo (2) em Melbourne na Austrália. Com um novo traçado em uma pista que já era desafiadora para os pilotos, a etapa prometia grandes histórias a serem contadas aos fãs na categoria.

A Classificação

Ainda na passagem de sexta para sábado, as sessões de qualificação foram marcadas por muitos erros dos pilotos, que por diversas vezes acabavam perdendo o controle de seus carros e perdiam muito tempo, o que faziam com suas posições para o grid de largada não fossem as mais desejadas pelas equipes.

Quem se deu mal foi o piloto mexicano da Red Bull, Sérgio Perez, que não conseguiu manter o carro na pista e acabou ficando preso na areia ainda na primeira sessão classificatória. Esse erro fez com que o piloto não conseguisse tentar outra volta rápida e ele acabou largando em último. Mas se teve quem não foi bem, outros continuam sendo regulares com seus bons desempenhos no qualy.

Max Verstappen, companheiro de Perez foi novamente o mais rápido e largou em primeiro, seguindo de George Russel e Lewis Hamilton, ambos pilotos da equipe Mercedes. Outros pilotos que também se destacaram foram Alexander Albon que levou a Williams a um oitavo lugar no grid de largada e Nico Hulkenberg da Haas que começou a corrida em décimo.

A corrida

A corrida começou com grandes emoções, o bicampeão Verstappen ainda na primeira volta perdeu a liderança e foi superado pelos pilotos da Mercedes que vinham atrás dele, Charles Leclerc da Ferrari foi tocado por Lance Stroll da Aston Martin, rodou e acabou preso a areia do lado de fora da pista, mantendo sua maré de azar e precisando abandonar a corrida sem mesmo ter completado uma volta.

Uma bandeira vermelha causada pelo erro de Albon da Williams, que rodou sozinho na volta 7 a acabou batendo mudou o contexto da etapa já que alguns pilotos fizeram um pit-stop para trocar seus pneus acreditando que um simples safety car resolveria o problema mas com a decisão dos comissários de pausar a corrida todos puderam trocar seus compostos e aqueles que entraram primeiro caíram várias posições, como o inglês Russel que no momento do ocorrido era o líder, e o espanhol Carlos Sainz que vinha em quarto.

Foto: Formula One Management
Foto: Formula One Management

Na relargada, os carros se mantiveram em suas posições, com Lewis Hamilton em primeiro, Verstappen em segundo e Fernando Alonso da Aston Martin em terceiro, mas não demorou muito para o atual campeão pular de segundo para a primeira colocação, deixando o inglês para trás e abrindo vantagem a cada volta sem grandes problemas.

Algumas voltas mais tarde, Russell que precisava escalar o pelotão depois cair muitas posições devido a bandeira vermelha, teve problemas com o motor de sua Mercedes enquanto brigava pela quinta posição e foi mais um a abandonar a corrida.

Enquanto nas primeiras posições os pilotos apenas administravam seus lugares no grid já que as distâncias entre eles eram grandes, Sérgio Perez que havia largado em último corria atrás do prejuízo e fez diversas ultrapassagens aproveitando-se de seu carro, muito superior ao dos demais concorrentes naquela altura da disputa, e se colocava em sétimo lugar perto do fim da corrida.

Foto: Formula One Management
Foto: Formula One Management

Faltando apenas 5 voltas para a bandeirada final, Kevin Magnussen, piloto da Haas colidiu com o muro, perdeu uma de suas rodas traseiras, e teve que sair da corrida, isso causou outra bandeira vermelha, o que dava novamente a emoção que os fãs que ficaram até a alta madrugada precisavam.

Até ser dada a bandeira vermelha os carros estavam em enfileirados atrás do safety car, e isso fez com que a relargada acontecesse faltando apenas duas voltas, portanto, tudo o que os pilotos fossem fazer, deveria ser feito o quanto antes, porém assim que começaram a correr novamente, outro grande incidente ocorreu, tirando da disputa os dois pilotos da Alpine, Pierre Gasly e Esteban Ocon, que colidiram entre si, o outro piloto da Williams, Logan Sargeant e Nyck de Vries da Alpha Tauri, e novamente os comissários foram obrigados a dar mais bandeira vermelha faltando apenas uma volta para se decidir o grande prêmio.

No fim, os pilotos apenas completaram a corrida sem disputar suas posições, 12 dos 20 pilotos terminaram a corrida e a vitória ficou novamente com o atual campeão Max Verstappen, seguido de Lewis Hamilton e Fernando Alonso. Destaques para Perez que conseguiu se recuperar e terminou em sexto e para os dois pilotos da McLaren terminando no top 10, com Lando Norris em sétimo e Oscar Piastri em nono.

Foto: Formula One Management
Foto: Formula One Management

Como fica para às próximas etapas

Após três corridas, os dois pilotos da Red Bull são os primeiros colocados do campeonato, Verstappen em primeiro com 69 pontos e Perez em segundo com 54, o terceiro segue sendo Fernando Alonso com 45.

A F1 2023 retorna daqui a três fins de semana com o GP do Azerbaijão, em Baku, a quarta de 23 etapas deste ano.