lazer

Cantora vive a melhor temporada de premiações da sua carreira

Por Keven Souza

“Primeira vez, primeira vez, primeira vez…. Colecionando primeiras vezes”, celebrou Anitta, uma vez em sua rede social. A brasileira vem vivendo o melhor momento de sua vida profissional, em 12 anos de carreira. Gostando ou não da artista, é preciso concordar que os méritos de abrir portas para cantores brasileiros lá na gringa e colocar o Brasil em destaque internacional, é todo dela! E nesta última semana, enquanto vivíamos nossa vida comum, Anitta estava no foco das maiores premiações de música do mundo com todos holofotes para si. 

Destaque no EMAs 2022

Pela primeira vez, Anitta levou a estatueta de “Melhor Artista Latino” no Europe Music Awards no último dia 13 de novembro, em Düsseldorf, na Alemanha. Ela concorria com tal nomeação com Bad Bunny, Becky G, J Balvin, Rosalía e Shakira. 

A intérprete de “Envolver” não compareceu à cerimônia por conta dos ensaios do Grammy Latino, mas agradeceu aos fãs e família por vídeo. Durante a anunciação do resultado da categoria a platéia vibrou muito quando nossa brasileira foi consagrada como “Best Latin”. 

https://www.instagram.com/p/Ck9FyzJSf2F/

Indicação ao Grammy Latino e Americano 

Já passamos da fase de entender que a Anitta sempre surpreende. Continuando a semana de feitos internacionais, a artista foi anfitriã, performer e indicada ao Latin Grammy 2022, que aconteceu dia 15 de novembro, em Las Vegas, EUA. 

Anitta apareceu na lista de indicados duas vezes: em “Gravação do Ano” e “Melhor Performance de Reggaeton”, ambas por “Envolver”. No entanto, acabou perdendo ambas nomeações por Jorge Drexler e C. Tangana pela canção “Tocarte” e Tainy, Bad Bunny e Julieta Venegas com “Lo Siento BB”. Seus fãs não reagiram bem com a perda de Anitta. Na web, criticaram o fato da cantora ter dito um Top 1 Global com “Envolver” e estar sempre presente na cerimônia, mas nunca ter sido premiada. 

Durante a cerimônia, ela mostrou sua simpatia ao apresentar diversas categorias importantes da premiação. Logo em seguida, realizou uma performance ao grande palco do Grammy Latino, com medley de funk para ninguém botar defeito. 

Falando agora do Grammy Americano, que é um dos maiores centros de premiações musicais do mundo, Anitta foi indicada em uma das categorias principais: a Best New Artist. Graças, até então, à sua grande notoriedade em solo americano nos últimos meses.  

A indicação é um marco para o Brasil, visto que somente três artistas brasileiros foram nomeados como “Artista Revelação”. Foram eles Astrud Gilberto (1965), Tom Jobim (1965) e Eumir Deodato (1974). Ou seja, após 48 anos depois, Anitta quebra barreiras e é elegível em uma categoria internacional no Grammy Americano.  

Indicação de Anitta no Grammy Awards. Foto: Instagram e internet.

História no AMAs 2022

Já na noite deste domingo (20), Anitta finalizou sua semana de feitos internacionais, fazendo história, agora, no American Music Awards, realizado em Los Angeles, EUA. A cantora se consagrou como a primeira brasileira a ser nomeada e vencedora na premiação. Ela levou para casa o prêmio de “Artista Latina Feminina”, deixando para trás Becky G, Kali Uchis, Karol G e Rosalía. 

Anitta com sua estatueta de “Artista Latina Feminina”, após seu discurso no AMAs 2022. Fonte: Instagram e internet.

Anitta agradeceu seus fãs pelo esforço nas votações, o apoio de sua família e a si mesma por vir trabalhando tanto no mercado americano. Logo em seguida, mostrou para o que veio e apresentou seu hit “Envolver” e seu último lançamento “Lobby”, ao lado de Missy Elliott. A cantora entregou beleza, sensualidade, dança e muito carisma na gringa. 

Anitta e Missy Elliott cantando “Lobby” no AMAs 2022. Fonte: Portal POPline.

 

Entrega da taça para a equipe do Atlético-MG. Foto/Divulgação: Pedro Soares.

Com recorde de público no Mineirão, a partida teve empate nos minutos finais do segundo tempo e terminou com a vitória do time Alvinegro

Por: Júlia Garcia e Pedro Soares

Pelo terceiro ano seguido, o Clube Atlético-MG conquistou o título de campeão mineiro no futebol feminino. O jogo que concedeu a vitória para as Vingadoras ocorreu neste sábado (19), no Gigante da Pampulha, tendo disputa decidida por pênaltis e fortes emoções, além de apoio por parte das duas torcidas. 

Primeiro tempo de ‘quase’ gols

O jogo iniciou às 11h, tendo como mandante o Cruzeiro. No primeiro tempo, a equipe Celeste teve mais chances e predomínio da bola. As Cabulosas trouxeram ânimo para a torcida com vários chutes ao gol e passes certeiros, que não foram o suficiente para a bola sacudir a rede nos primeiros 45 minutos da partida. O time pressionou no ataque enquanto a equipe adversária priorizou a defesa. 

Quem teve uma grande chance de mudar o placar do jogo foi Mari Pires, a camisa 10 do time Celeste. A meio-campista teve oportunidade de fazer um gol no primeiro tempo, mas não contava com a rapidez e agilidade da goleira Nicole, da zaga Atleticana.

Nos minutos finais do primeiro tempo, as Cabulosas não desistiram de conquistar o primeiro gol. A zagueira Korina, mirou de cabeça e lançou a bola para o gol. Mas Karol Arcanjo, zagueira do Atlético, defendeu, também de cabeça, e impediu a chance do time rival de abrir o placar do jogo. Embora tenham tido boa defesa, o time Alvinegro não conseguiu boas jogadas de ataque e finalizações.

Primeiro tempo do jogo. Foto/Divulgação: Pedro Soares.

Segundo tempo e o empate

No segundo tempo, o cenário foi diferente. Ambas equipes lutaram pela posse da bola e para uma possível abertura no placar. 

Nos primeiros 12 minutos de jogo, a equipe atleticana teve uma chance, mas a goleira Taty Amaro, do Cruzeiro, defendeu rapidamente.

Durante a partida, as atacantes celestes, Marília, Vanessinha e Mariana Santos, tiveram oportunidade de chegar perto do primeiro gol, mas a bola não balançou a rede. A lateral esquerda do Atlético-MG, Katielle, fez um bom cruzamento, mas a bola passou de raspão e não alcançou o ataque do time do Galo.

Segundo tempo do jogo. Foto/Divulgação: Júlia Garcia.

Aos 42’ do segundo tempo, a meio-campista Jayanne fez um excelente cruzamento para Nath Fabem, atacante Alvinegra, que conquistou, assim, o primeiro gol no jogo do clássico mineiro. 

A torcida atleticana vibrou e cantou mais alto, comemorando a até então vitória, mas, a equipe Celeste não desistiu. Antes dos acréscimos, a meio-campista Mari Pires, que também teve chance no primeiro tempo, marcou o gol de empate. 

Os minutos de acréscimos foram tensos, tanto para as torcidas, quanto para as equipes. As jogadoras lutaram para virar o placar, porém, não teve outro jeito, a disputa foi para os pênaltis. 

Decisão nos pênaltis

O placar de 4×1 nas cobranças de pênalti, garantiu a taça para o time do Atlético-MG. Após a última marcação, as jogadoras Alvinegras correram para celebrar a vitória garantida pelo terceiro ano seguido. Todos da equipe vibraram com a conquista da taça.

Mascotes e torcida do Cruzeiro. Foto/Divulgação: Júlia Garcia.

A equipe do Jornal Contramão esteve presente fazendo a cobertura do jogo e registrou de dentro do campo a cobrança decisiva do pênalti que deu às Vingadoras o título mineiro. Confira!

A final do Campeonato Mineiro Feminino de 2022 registrou 7.829 torcedores neste ano. Bateu recorde de público numa final feminina em comparação com a final de 2021, que registrou 3.212 presentes. Naquela ocasião, o jogo contou com torcida única, sendo apenas a do clube Celeste. E neste sábado, o Mineirão recebeu duas grandes torcidas que dobraram o número de público presente. 

Lindsay Camila, treinadora do Clube Atlético-MG, em conversa com a nossa equipe, explicou a importância da torcida na campanha do time. Ela ressalta a imensa felicidade com a vitória e elogia a torcida do clube, que fora o jogo, deu também um show à parte. “O futebol feminino é uma realidade no Brasil e com a torcida atleticana, é realidade em Minas Gerais”, diz. 

Treinadora Lindsay Camila. Foto/Divulgação: Júlia Garcia.
Treinadora Lindsay Camila. Foto/Divulgação: Júlia Garcia.

Professores e estudantes da Una durante o Minas Trend. Fonte: Divulgação Una

Por Keven Souza

Durante 02, 03 e 04 de novembro, estudantes dos cursos de Moda, Jornalismo, Cinema e Audiovisual da Una, marcaram presença na 28° edição do Minas Trend que aconteceu no Minascentro em BH. O maior salão de negócios da América Latina, promovido pela FIEMG, contou com palestras, lives e workshops gratuitos, tanto na modalidade remota quanto presencial, e recebeu novamente os alunos que ampliaram suas experiências com o mercado, a partir da parceria Una e FIEMG

Tal parceria possui o objetivo de encurtar a ponte entre universidade e indústria, proporcionando uma formação diversificada para o aluno. É o que destaca a professora de moda da Una, Gabriela Penna. “Aproximar a indústria da universidade coloca o aluno da Una em contato com marcas, fornecedores, profissionais do segmento em um aprendizado transformador. É a porta de entrada para os futuros profissionais do mercado, por meio de vivências exclusivas, ricas e formativas”, afirma. 

Formada por uma equipe multidisciplinar, os alunos experienciaram na prática o exercício de suas futuras profissões. A Comunicação Social ficou por conta da cobertura do evento, ao lado da assessoria do Minas Trend, e a Moda teve o ensejo de produzir, novamente,  um editorial de moda completo com peças dos expositores presentes no salão.

O editorial trabalhou com o conceito da comemoração dos 15 anos do Minas Trend. Nesta edição, o tema desenvolvido foi o Fashion Heritage, proposta ao qual está alinhado o conceito de herança. De olho na celebração desse legado, o plano de styling propôs traduzir em imagens a história do evento para a moda mineira, a afetividade e construção de um legado de anos de salão de negócios. 

Experiências únicas 

Larissa Raydan, aluna de Moda da CDU, conta como foi participar do editorial. Ela desenvolveu atividades relacionadas à produção no backstage. “Participar me proporcionou uma experiência mais profissional da carreira de modelo, que é algo que já trabalho e estou inserida no mercado. Estar no Minas Trend, me colocou em contato com um material exclusivo. Que me trará muita visibilidade e credibilidade dentro da minha carreira”, comenta. 

Para Carla Oberhofer, aluna de Cinema que esteve na produção de conteúdo, a convergência entre marcas, alunos e empresas, contribuiu para desenvolver visão ampla sobre sua área de atuação. “Me ajudou a enxergar como funciona realmente o trabalho. Tirar foto ou gravar um vídeo não é algo simples, é preciso saber o que você vai fazer. Assim, estar ali foi algo muito novo, pois era minha primeira vez no Minas Trend, mas foi uma experiência diferenciada”, pontua. 

Já a estudante de Jornalismo, Caroline Constance Ragi Zuppo, ‘vestiu’ a camisa de assessora e acompanhou de perto a rotina enquanto jornalista. “Foi bem legal! Eu fiquei apaixonada pela quantidade de expositores e também pelas tendências. Entrei no Jornalismo para trabalhar com moda, então foi muito gratificante para mim poder estar no meio desse evento. É um evento que faz brilhar os olhos de quem gosta de moda. Atuar na minha área então nem se fala, perdi o medo e o receio que tinha sobre entrevistar e consegui produzir conteúdos bem legais”, diz. 

Como foi a 28º edição do Minas trend

Em novo local, o maior evento da indústria da moda mineira debutou novas tendências para Outono/Inverno 2023 e movimentou cerca de R$20 milhões em negócios, com o mote “A Moda no Centro”. 

O Minas Trend reuniu os segmentos de vestuários, jóias, bolsas, calçados e bijuterias ao longo dos três dias de evento. Apresentou, ainda, nos largos corredores do Minascentro, o melhor da produção local com a moda global, celebrando 15 anos de empreendimento. E para o público final mostrou como funciona a indústria criativa a partir de palestras, lives e workshops. Fechando com chave de ouro mais uma edição bem sucedida. 

Divulgação: Filme Kevin
Divulgação: Filme Kevin

Produção cinematográfica chega aos grandes telões a partir desta quinta-feira

Por Keven Souza

No dia 03 de novembro, as salas de cinemas de todo o Brasil abrem as portas para receber a estreia do filme “Kevin”. Amantes do audiovisual nacional que residem em Belo Horizonte poderão assistir a pré-estreia do longa-metragem no Una Cine Belas Artes, que é um dos últimos cinemas de rua da cidade, através da compra de ingressos pelo site ou pela bilheteria do cinema. 

O documentário “Kevin” diz respeito à amizade, ao qual narra o reencontro da diretora com sua amiga ugandense, Kevin Adweko, abordando questões como sororidade, relações interraciais e a posição da mulher. Ele é produzido pela Bukaya Filmes, em coprodução com Anavilhana e Vaca Amarela Filmes, e com distribuição nacional da Embaúba Filmes. 

O filme é uma obra de arte dirigida e estrelada pela roteirista e diretora, Joana Oliveira, que trabalha na área audiovisual desde 1999 e possui curtas que já foram exibidos em vários festivais internacionais, como o Festival Internacional de Cine de Huesca (Espanha), e no Brasil em festivais como a Mostra de Cinema de Tiradentes. 

imagens do filme Kevin
Imagens de divulgação – Filme: Kevin

Hoje, o Contramão traz um bate-papo com Joana, que relembra como foi a construção do documentário, bem como sua carreira no cinema, e diz como está a expectativa para o lançamento nesta quinta-feira. Confira! 

 

Joana, como começou sua carreira no cinema? Você sempre soube que seria cineasta? 

Eu sempre gostei muito de assistir a filmes. Desde pequena adorava ir ao cinema ou à locadora de vídeo escolher os filmes para assistir no fim de semana. Era um barato levar as fitas VHS para casa! Mas, nunca tinha imaginado estudar cinema porque não havia cursos de graduação em Belo Horizonte. Fiz vestibular no final de 1995 e não havia Enem, ou seja, um vestibular unificado para todo o Brasil. Não pensava em sair da cidade. Porém, quando comecei a fazer Comunicação Social, vi que eu poderia ingressar no mundo do cinema e comecei a trabalhar em produções, que eram muito poucas, em Belo Horizonte. Trabalhei em um curta e um longa-metragem e decidi que era o que queria fazer da vida. 

Em 2002, fui estudar Direção de Cinema no curso regular da Escuela Internacional de Cine y TV de San Antonio de Los Baños, Cuba, onde consegui uma bolsa da própria escola para uma parte do custo e outra do governo brasileiro para a outra parte.

Divulgação: Filme Kevin
Divulgação: Filme Kevin

Qual foi o momento em que passou a entender que havia um mercado audiovisual esperando seus filmes? 

Logo que fiz meu primeiro vídeo experimental na faculdade de Comunicação, entendi que havia muitas pessoas que assistiam a curtas-metragens. O vídeo foi selecionado para alguns festivais, inclusive o VideoBrasil que é um grande festival de arte digital e para a Mostra de Cinema de Tiradentes. Então, percebi que as pessoas tinham interesse na arte que eu estava começando a produzir. Foi um grande impulso para eu seguir em frente e ir estudar cinema.

 

Você imaginava ter produções cinematográficas notadas pelos grandes festivais nacionais e internacionais de cinema?  

Na verdade, o que queria era inventar histórias e produzi-las! Claro que eu queria que o maior número de pessoas assistisse, mas não imaginava que meu trabalho viajaria para tantos lugares! 

Divulgação: Kevin - Filme
Divulgação: Kevin – Filme

Falando agora do documentário, de onde ele nasce? 

O documentário nasce da minha vontade de rever a Kevin e ter um projeto em conjunto com ela. Sobretudo, a vontade era de celebrar a amizade! A minha amizade com ela, claro, mas também de colocar no centro de um filme a amizade entre mulheres que é um tema tão pouco retratado no cinema. Além disso, ele existe para celebrar a sororidade! “Kevin” é um filme feminista, antirracista e que promove o encontro.

 

Explique como foi gravar metade do filme em Uganda e outra parte em Belo Horizonte. Houve dificuldades de locomoção, língua ou cultura? 

O esforço de produção que houve é realmente incrível porque não tínhamos tanto dinheiro para viajar com equipe, para ficar tanto tempo na Uganda, etc. A Luana Melgaço, produtora do filme, é muito experiente e conseguiu muitos bons acordos de produção. E o filme existe também porque a Kevin se envolveu na produção, uma vez que ela nos recebeu maravilhosamente. Foi ela quem procurou um lugar para que toda a equipe ficasse, foi ela que nos apresentou tudo. Uma coisa é você receber sua amiga. Outra coisa é você receber uma equipe de filmagem que vem com ela – risos. Ela facilitou tudo. Mas realmente foi um desafio filmar em outro país! 

Entretanto, o filme é sobre minha amizade com a Kevin, então, por mais que estivéssemos na Uganda, não era um filme sobre a Uganda. Eu não conseguiria fazer um filme sobre um país que tinha acabado de chegar e não conhecia profundamente. Então, me concentrei na Kevin, que lidou com a equipe super bem. Ela é um talento natural e eu estava ali para e por ela. Filmamos de acordo com a agenda que ela estabeleceu e deu certo. 

 

Você e Kevin Adweko são as protagonistas do documentário. Como se deu essa amizade? Você sabia que seriam amigas? 

A Kevin diz que a gente se aproximou porque queríamos muito rir e nos divertir. A Alemanha, que foi onde nos conhecemos, é um país muito sério. Especificamente o lugar da Alemanha onde estávamos. Nos aproximamos de forma muito espontânea e divertida, conversando depois das aulas de alemão.

O que é legal é que não tinha a menor ideia se conseguiríamos ou não manter a amizade. Muitas relações se perdem no tempo. A internet em 1999 era ainda algo de acesso restrito. Nós nos escrevíamos cartas longas e e-mails extensos. Mas, houve muitos momentos que ficamos bastante tempo sem conversar. Em 2005, eu fiz um intercâmbio entre a minha escola de cinema em Cuba e a Alemanha. Esse momento de reencontro com a Kevin ao vivo depois de 6 anos foi muito emocionante. Acho que aí eu percebi que a amizade iria perdurar.

 

É a primeira vez que o filme “Kevin” estreia em salas de cinemas, qual sua expectativa para o lançamento? 

Kevin, na verdade, estreou na Mostra de Cinema de Tiradentes do ano passado. Também ganhou uma menção honrosa do júri do festival FEMINA deste ano. Mas, todas essas exibições foram feitas online. Agora, é a estreia do filme presencial no Brasil nos cinemas comerciais. Eu nunca tive um filme que entrou em cartaz nas salas de cinema e isso é muito emocionante! Na terça-feira, dia 01 de novembro, em Belo Horizonte, haverá uma pré-estreia em que Kevin estará presente. É muita emoção envolvida!

Para o público que irá assistir “Kevin” nesta quinta-feira, o que você diria? 

Kevin é um filme sobre o encontro. E, depois de tanto tempo em que estivemos separados das pessoas por causa da Covid-19, celebrar o encontro e a amizade é de extrema importância! 

Assista o trailer de “Kevin”

Sinopse – É a primeira vez que Joana, brasileira, visita Kevin, na Uganda (África). Elas se conheceram há 20 anos, quando estudaram juntas na Alemanha, e faz muito tempo que não se veem. A partir desse encontro, o filme tece a fina trama que é uma conversa entre duas amigas: as histórias do passado, os desejos, os caminhos trilhados, os diferentes modos de encarar os desdobramentos da vida. Disso ressurge um elo de amor e parceria que resiste à distância e ao tempo.

brecho

Por Keven Souza 

Consumo consciente, esse é um conceito que se tornou uma tendência comportamental e se fixou tanto na realidade social das pessoas que saiu do posto de efemeridade e hoje é assunto sério, corriqueiro e mais do que necessário.

Ao falarmos do universo fashion, a ideia de usar tecidos pensando no impacto ambiental ganha ainda mais força. A indústria da moda é uma das mais rentáveis do mundo, ao mesmo tempo em que é a terceira no ranking de poluição.

Partindo dessa premissa é fácil concluir que, atrelado ao consumo consciente, a sustentabilidade também está no foco da atualidade à medida que a indústria têxtil se desenvolve e corrobora para mais poluição e estragos deixados para o planeta. Dito isso, acredito que a maneira mais responsável de se fazer roupa na hoje em dia é não fazendo.

Se pararmos para pensar no volume de peças já existente em todo o mundo e nas que ainda estão por serem produzidas, a certeza disso logo chega. É lógico que parar a indústria têxtil por completo ainda é uma utopia, mas existem algumas medidas que, enquanto consumidores, podemos adotar a fim de fazer desse modo de produção algo mais justo e sustentável. 

Uma dessas medidas é optar por comprar peças que já circulam por aí a mais tempo, tal qual como as peças que encontramos em brechós. Os brechós vêm ganhando espaço entre os consumidores do fast fashion – modo de fabricar roupas em grande escala – por proporcionarem uma experiência de compra diferente. 

Numa loja convencional, como C&A, Renner e Youcom, por exemplo, temos a dimensão do que encontraremos ao entrar: peças feitas de acordo com as tendências, separadas por sessão de gênero ou tamanho de corpo, estilo e por aí vai. Já no brechó, ao comprar uma roupa de reuso você se permite dar à uma peça uma visão atualizada (ou não), construir um olhar apurado para garimpar – prática de achar peças novas e em bom estado de uso – , e consumir de maneira mais consciente, que é um trabalho processual e delicioso.

Hoje, não é muito difícil encontrar brechós nas ruas, em feiras locais de moda, além de nas redes sociais, que é onde muitas delas se encontram na atualidade. O burburinho das redes é um dos fatores que têm ajudado os brechós a reconquistarem um lugar no coração dos consumidores. 

Se quer uma prova de que ser um consumidor de brechó é, quase, uma tendência comportamental, a geração Z, que hoje é o grupo consumidor mais estimado pela indústria, é a prova de que ser um consumidor de brechó é, quase, uma tendência comportamental. Isso porque, eles vêm trazendo esse novo olhar para as compras e têm se mostrado uma parcela exigente quando o assunto é consumo consciente ou sustentabilidade. 

Dito isso, utilizar o que já foi do outro não cabe mais a ideia sobre o que é velho. Ser consumidor de brechós é, no entanto, uma forma encantadora de levantar a bandeira de uma moda mais sustentável e também de dar continuidade a histórias e narrativas através das peças. Por isso, se permita ser também um percursos disso e venha fazer parte de uma sociedade mais responsável. 

A 9ª edição do evento foi realizada na Esplanada do Mineirão e fechou mais um ano sendo sucesso. 

Por Gustavo Meira 

Aconteceu no último sábado (27) na capital, o Festival Sarará 2022, evento que reuniu mais de 60 artistas de diversos segmentos e contou com a presença de mais de 35 mil pessoas na Esplanada do Mineirão, na Região da Pampulha. Foram quase 12 horas de música constante divididos em seis palcos. Os ingressos giravam em torno de R$ 150,00 a R$ 540,00.

Palco principal do Sarará 2022, na Esplanda do Mineirão. Imagem: Leo Caetano.

As atrações mais esperadas para esta edição eram Glória Groove, que trouxe o penúltimo show da ”Lady Leste Tour”, e contou com vários sucessos de seu último álbum e famoso medley de pagode com Ludmilla, no qual foi ovacionada. O show de Pabllo Vittar contou com a participação da cantora Urias e um corpo de ballet impecável. Um dia antes, PV esteve no Mercado Novo, onde gerou alvoroço e atendeu os fãs. Zeca Pagodinho, que sempre está com sua cerveja na mão, cantou seus maiores sucessos e de surpresa recebeu o rapper e fã Emicida no palco, levando o público ao delírio. 

Pabllo Vitar e Urias no palco principal do Sarará. Imagem: Alison Jones.
Gloria Groove em seu show no palco principal do Sarará.  Imagem: Leo Caetano.

A mineira de Taiobeiras Marina Sena, que em 2019 estava na plateia, fez sua estreia no Sarará e contou com a presença de Marcelo Tofani da banda mineira Rosa Neon. Ambos cantaram o hit ”Ombrim”. Já Gilsons fez a plateia cantar ”Várias Queixas” em um lindo couro. 

Marina Sena em seu show no palco principal do Sarará. Imagem: Alison Jones.

Homenagens e manifestações na Esplanada 

O line-up do festival contava com a presença de Elza Soares, porém a cantora faleceu em janeiro deste ano. Teresa Cristina, Nath Rodrigues, Paula Lima, Julia Tizumba e Luedji Luna fizeram um show em homenagem à Elza, contando com sucessos de sua carreira. 

“Elza é um nome muito importante da arte no Brasil e no mundo, uma mulher que sempre cantou tudo que tinha algum significado para ela e para todes no qual ela sempre defendeu com toda força e amor. Foram 91 anos de vida, bem vividos, 70 anos de carreira fantásticos, com reconhecimento no mundo todo e muito depois no país que ela tanto amava e defendia, mas Elza nunca fraquejou e agora tenho o orgulho de continuar trabalhando o nome da nossa eterna Rainha, para mim, Elzão. Ela ainda deixou muita coisa pronta para sair”. É o que disse Vanessa Soares, neta, produtora executiva e pessoal da cantora.

Cantoras em homenagem a Elza Soares no palco principal do festival. Imagem: Instagram Sarará/internet.

Houve manifestações políticas por parte dos artistas e do público em vários momentos do festival. O couro mais ouvido era a favor do ex-presidente Lula, candidato à Presidência das eleições deste ano.

Outras edições do festival 

As duas primeiras edições do Sarará aconteceram em 2014 e 2015, no Parque das Mangabeiras, em BH. Seu marco aconteceu quando o evento foi palco da Virada Cultural em 2016, com público de mais de 50 mil pessoas no Parque Municipal. Desde então, o festival cresceu e se transformou em um dos maiores do estado.

A 9ª edição do Sarará estava sendo preparada desde 2019. ”Tivemos momentos de sonhos, dúvidas, planejamentos constantemente alterados, nó na garganta, esperança… Nesse tempo todo, quisemos e queremos tanto viver”, diz a organização do evento. 

O Sarará é um #FestivalDeSentir, este ano foi possível sentir toda a energia dos artistas e do público, que estavam sedentos pela volta presencial do evento, que não aconteceu durante dois anos por conta do isolamento social. 

Anote na agenda, a próxima edição do Sarará já tem data marcada, 26 de agosto de 2023. Borá mais uma vez?!

 

Edição: Keven Souza.