Política

0 92
Conheça os candidatos a prefeitura de BH

*Por Daniela Reis, Bianca Morais e Italo Charles

No próximo domingo, dia 15, acontecem as eleições municipais. Os eleitores vão escolher os seus candidatos a prefeito e vereador que vão administrar e fiscalizar o município nos próximos quatro anos. Pensando em auxiliar os cidadãos que ainda estão indecisos, o Jornal Contramão trouxe a lista com informações dos 15 candidatos a prefeitura de BH.

Confira:

Alexandre Kalil (PSD):

Alexandre Kalil, 61 anos, é o atual prefeito de Belo Horizonte e concorre à reeleição. Kalil é empresário na área da construção civil e ficou conhecido por ter ocupado o cargo de presidente do Clube Atlético Mineiro. Ele concorre esse ano pelo PSD e tem como vice Fuad Noman, ex-secretário da Fazenda na capital. Sua candidatura tem apoio do MDB, DC, PP, PV, Rede, Avante e PDT.

Áurea Carolina (PSol):

Áurea Carolina, 37 anos, lançou sua candidatura pelo PSOL. Em 2016, foi eleita a vereadora mais bem votada de Belo Horizonte e agora disputa o cargo de prefeita. Socióloga e cientista política pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG),  Áurea levanta bandeiras do feminismo e causas igualitárias. Seu vice é Leonardo Péricles, do Unidade Popular pelo Socialismo e recebe apoio do PCB

Bruno Engler (PRTB):

Bruno Engler, 23 anos, é Deputado Estadual de Minas Gerais desde 2018 e se candidatou a prefeito pelo Partido Renovador Trabalhista Brasileiro. Sua vice é a Coronel Cláudia, do PRTB. Bruno é cristão e conservador, fundou o movimento Direita Minas, que ajuda a espalhar pautas tradicionalistas no Estado.

Cabo Xavier (PMB):

Cabo Xavier, 48 anos, é policial militar. Candidatou-se pelo Partido da Mulher Brasileira (PMB), com a vice Paula Maia do mesmo partido. Ele é presidente nacional do PDS (Partido da Defesa Social), partido ainda em formação que não participa das eleições deste ano.

Fabiano Cazeca (Pros):

Fabiano Cazeca, 65 anos, é candidato pelo Partido Republicano da Ordem Social (PROS), sua vice é a Doutora Paula Psiquiatra é do Partido Trabalhista Cristão (PTC). Disputou as eleições de 2018 para deputado federal mas não foi eleito. Fabiano é empresário, proprietário da Multimarcas Consórcios e conselheiro do Clube Atlético Mineiro.

João Vitor Xavier (Cidadania):

João Vitor Xavier, 38 anos, é formado em jornalismo e deputado estadual desde 2010. Candidato pelo Partido Cidadania concorre tem como vice Leonardo Bortoletto, do Democrata. Xavier também é conhecido por ser apresentador de um programa esportivo na Rádio Itatiaia. A candidatura tem o apoio dos partidos PTB, PMN, Podemos, PSC, PL, PSB e PSL

Lafayette Andrada (Republicanos):

Lafayette Andrada, 54 anos, é deputado federal e concorre pelo Republicanos. É advogado, doutorando em Direito pela Universidad Nacional de Lomas de Zamora (Argentina) e membro do Instituto Mineiro de Direito Constitucional e do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais. Também estudou Agronomia na Universidade Federal de Lavras (UFLA) e é técnico licenciado do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Sua vice, Marlei Rodrigues, é gestora de projetos na Escola do Legislativo da ALMG e obreira na Igreja Universal.

Luisa Barreto (PSDB):

Luisa Cardoso Barreto, 36 anos, é formada em Políticas Públicas e Gestão Governamental com especialização em Gestão Estratégica pela Fundação João Pinheiro. Atuou como secretária-adjunta na Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag). Em 2019 filou-se ao PSDB e lançou sua candidatura ao pleito de Belo Horizonte junto ao candidato a vice, Juvenal Araújo.

Marcelo Souza e Silva (Patriota):

Marcelo de Souza e Silva, 54 anos, é economista graduado em Administração pela Universidade Fumec e Ciências Contábeis pela Newton Paiva. Em 2007 assumiu a diretoria de projetos da Junta Comercial de Minas Gerais e permaneceu no cargo por dois anos. Atuou como Secretário do Desenvolvimento Econômico e Secretário da Regional Centro-sul até 2015, e foi  presidente da CDL-BH entre os anos 2013 e 2019 quando se licenciou para iniciar sua campanha para o ano de 2020. Neste ano, desassociou-se do partido Novo e filiou ao Patriotas pelo qual concorre à prefeitura de BH.

Marília Domingues (PCO):

Marília Garcia Domingues, 25 anos, é natural de São Paulo (SP), estudante do curso de  Letras. É coordenadora nacional da Aliança da Juventude Revolucionária (AJR). Concorre a prefeitura de BH pelo partido PCO e tem como foco da campanha defender os direitos dos negros, mulhres da juventude e dos trabalhadores.

Nilmário Miranda (PT):

Nilmário Miranda, 73 anos, é jornalista e redator formado pelo PUC-MG e com especialização em Ciências Políticas pela UFMG. Foi eleito como deputado estadual em 1986 e em 1990 conquistou o cargo de deputado federal, o qual foi reeleito em 1994 e 1998. Assumiu o cargo de Secretário de Estado de Direitos Humanos em 2003. Em 2019 assumiu a presidência do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos Humanos de Minas Gerais (Conedh), e se licenciou para candidatar à prefeitura de BH pelo PT. 

Prof. Wendel Mesquita (Solidariedade):

Wendel Cristiano Soares de Mesquita,  41 anos, é formado em Comunicação Social e Artes Cênicas pela UFMG. Foi eleito por duas vezes vereador em Belo Horizonte, na Câmara Municipal de Belo Horizonte foi presidente da Comissão de Educação, Cultura, Lazer e Turismo. Em 2018 concorreu e foi eleito como deputado estadual, e atualmente concorre ao pleito da capital pelo partido Solidariedade.

Rodrigo Paiva (Novo):

Rodrigo Antônio de Paiva, 57 anos, é graduado em Engenharia Civil pela UFMG, com mestrado em Engenharia Civil e Mecânica pela Massachusetts Institute of Technology (MTi). É empresário, em 2018 concorreu ao senado mas não foi eleito. Assumiu a presidência da Codemge em 2019, mas se desvinculou do cargo para concorrer à prefeitura de BH pelo partido Novo neste ano.

Wadson Ribeiro (PC do B):

Wadson Nathaniel Ribeiro, 44 anos, é natural de Juiz de Fora e formado em Administração Pública. Em 1999 assumiu a presidência da União Nacional dos Estudantes (Une) e permaneceu por dois anos. Atuou como Secretário Executivo do Ministério do Esporte entre 2007 e 2010. Foi eleito como presidente estadual do PCdoB em 2013 e é concorre à prefeitura de Belo Horizonte pelo mesmo partido.

Wanderson Rocha (PSTU):

Wanderson Paiva Rocha, 46 anos, é pedagogo pela PUC-MG e mestre em Ciências Sociais pela Universidade de Coimbra, Portugal, e também é especialista em Gestão Escolar pela UFOP. Em 2019 passou a fazer parte da diretoria do Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Pública Municipal de BH. No começo de 2020 entrou para o Conselho Municipal de Educação de Belo Horizonte e para executiva estadual da CSP-Conlutas.

 

Atenção às novas regras

De 7:00hs às 10:00hs – Pessoas excepcionalmente maiores de 60 anos

De 10:00hs às 17:00 – Público normal

O mesário não poderá pegar seus documentos. Você deverá mostrar.

Álcool gel – eleitor deverá passar álcool em gel nas mãos antes e depois de votar

A caneta para assinatura não poderá ser compartilhada.

Não esqueçam de levar:

📌 Caneta

📌 Máscara (Uso obrigatório)

📌 Identidade

📌  Título de eleitor

0 132

Evento será gratuito, totalmente online e acontece entre 09 e 11 de novembro

*Por Italo Charles

Nos dias 09, 10 e 11 de novembro acontecerá a Maratona de Fact-checking: Eleições – Jornalismo, evento 100% on-line promovido pelo Centro Universitário Una. A maratona tem como objetivo debater a problemática das fake news a partir do movimento de checagem nesse período eleitoral, que sabemos ser propício para a circulação de informações falsas. 

Para fomentar as discussões sobre o tema e elevar a troca de saberes entre os participantes, a jornalista Ethel Rudnitzki, da Agência Pública, apresentará no primeiro dia de evento o projeto de checagem Truco, desenvolvido durante as eleições de 2018.

No dia 10, o professor da Una Luiz Lana será o responsável por apresentar ao público o projeto Checkbot, este que está inserido no cenário atual que passa por grande inquietação devido a disseminação de informações falsas na esfera pública.

O fechamento do evento será  através de uma roda de checagem, onde os convidados levarão aos participantes as metodologias de apuração.

 

Programação

Ethel Rudnitzki da Agência Pública fala sobre o projeto de checagem Truco nas eleições 2018

9 de novembro 

Das 18h às 19h

Sobre Ethel Rudnitzki

Formada em jornalismo pela Escola de Comunicações e Artes da USP. Realizou intercâmbio acadêmico na Universidade de Coimbra em Portugal, onde estudou jornalismo com especialização em Estudos Europeus. Trabalhou também como editora e repórter da Revista Viração e do portal Agência Jovem de Notícias, participando de coberturas e eventos internacionais como a Terceira Conferência das Nações Unidas sobre Moradia e Desenvolvimento Urbano Sustentável e a 22ª Conferência das Partes sobre Mudança do Clima. Na Pública, fez parte do Truco – projeto de fact-checking – durante as eleições de 2018, e produz reportagens sobre redes sociais e desinformação.

 

Professor Luiz Lana apresenta o projeto de extensão CheckBot

10 de novembro

Das 18h às 19h

Sobre o projeto CheckBot

Este projeto se insere no contexto atual de intensa preocupação com o impacto da propagação da desinformação na esfera pública e no crescente crédito atribuído às agências de fact-checking como estratégia de enfrentamento das fake news para atestar que, não o bastante a expansão dessas iniciativas no Brasil e a consolidação de uma literatura sobre a temática, há no país uma escassez de mecanismos dedicados a entender e combater as notícias falsas.

 

Rodada de checagem – 11 de novembro – Das 18h às 19h

Após as conversas com os profissionais nos dias 9 e 10, acontecerá uma rodada de checagem.

As inscrições são gratuitas, acesse: bit.ly/Maratona_eleições

 

**Edição: Dani Reis

por Moisés Martins (aluno do 3° período de Jornalismo Multimídia)

O tema da primeira mesa foi “Resistências Cotidianas”, inspirado pelo Dia Internacional da Mulher, celebrado no último dia 8 de março. O Mulheres Comunicam tratou em toda discussão, as condições das mulheres na contemporaneidade.

As convidadas da primeira mesa; Polly do Amaral, Larissa Metzker, Gilmara Silva Souza, Cristina Tolentino, trataram de temas importantes e atuais, como o papel da mulher na sociedade moderna, machismo, feminismo entre outros.

A noite foi marcada por frases fortes, lágrimas, indignações e pequenas manifestações contra a morte da Vereadora Marielle Franco assassinada a tiros no Rio de Janeiro, no último dia 14.

Gilmara Souza começou o seu discurso sem palavras e disse que: “No silêncio e no sorriso tem muita coisa”. Disse também que: “Tem humanos que podem existir tem humanos que não, Marielle não podia”

Outra frase Marcante foi da Jornalista Larissa Metzker que disse “A gente precisa romper, tentar intervir nessa política”. A noite não parou por aí, a segunda mesa falou sobre “Desafios no Trabalho”, onde as convidadas falaram sobre empreendedorismo feminino no trabalho.

Ao entrevistar uma convidada que participou do encontro, a Pedagoga formada pela UFMG Kenia Araújo, disse que a temática lhe interessou bastante, e que um ponto positivo do encontro foi levar os presentes a reflexão sobre o lugar que cada um ocupa no mundo, considerando o outro como sujeito que também tem direitos.

Aberto ao público, o Ciclo de Debates e Mostra de Cinema ocorrerão no Campus Liberdade e no Anexo I (prédio do ICBEU), entre os dias 14 e 24 de março de 2018.

 

0 305

Por Ana Paula Tinoco

Na tarde desta segunda-feira, 22, a Força Aérea Brasileira (FAB) publicou um comunicado em que esclarece o acidente aéreo que matou o Ministro Teori Zavascki, em janeiro do ano passado. De acordo com o órgão, não há registro que acuse pane ou mal funcionamento da aeronave e segundo os responsáveis pela investigação, o piloto, Osmar Rodrigues, era um profissional experiente.

No relatório, a FAB informa às conclusões acerca da investigação que vão além de falha mecânica ou falha humana e atribuiu suas duas tentativas de pouso ao que eles chamam de “cultura de trabalho presente à época”. Esse habito, consiste em pilotos favorecerem a informalidade em detrimento dos requisitos mínimos para a operação sob regras de voo visual, em outras palavras, a decisão é tomada afim de encontrar condições adversas diante da situação vivenciada.

Em análise de voz, peritos chegaram à conclusão de que o estado emocional do Rodrigues, fala e linguagem, apresentava traços de ansiedade. E que isto pode tê-lo influenciado à tomar decisão de uma nova tentativa de pouso mesmo sem a melhoria das condições meteorológicas. Porém, de acordo com coronel Marcelo Moreno, responsável pela investigação, a apuração da FAB mostrou que a visibilidade na baía de Paraty estava abaixo da recomendada: “Ela (a visibilidade) no momento do acidente estava em 1,5 mil metros, muito abaixo da requerida, que é de 5 mil metros”, esclarece.

Ainda segundo coronel Moreno, Osmar Rodrigues era um piloto experiente, “Ele tinha quase 7,5 mil horas de voo e, somente na aeronave que caiu, KingAir C90, quase 3 mil horas. ”, explica. Sobre a morte dos passageiros, o relatório aponta que das cinco pessoas a bordo do avião, a causa que as levou à óbito foi poli traumatismo causado pela queda da aeronave.

Além do Ministro que estava à frente das investigações da lava-jato, o empresário Carlos Alberto Fernandes Filgueiras, a massoterapeuta Maira Lidiane Panas, Maria Ilda Panas (mãe de Maira) e o piloto Osmar Rodrigues estavam presentes no voo. No último dia 19, o acidente completou um ano.

 

Por Hellen Santos

Nesta terça-feira, 19, o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil desmentiu a notícia do aumento das passagens dos ônibus que vem abalando a população. Após reunião com empresários das empresas de ônibus da capital, o prefeito informou que enquanto “não se abrir a caixa preta da BHTrans” não haverá aumento das passagens.

Kalil comunicou que os empresários não gostaram da resposta negativa e alertou para que os envolvidos procurassem seus direitos e contatos. Na cidade, mais de 30 milhões de pessoas utilizam diariamente o serviço de transporte público e segundo o prefeito, enquanto não houver auditoria, não terá aumento de tarifa nenhuma.

Por falta de acordo entre as partes, é possível que as empresas de transporte público venham a entrar de greve geral. Os empresários alegam que tal atitude afetará o pagamento dos funcionários e o repasse dos custos com o Diesel. Além disso, conforme depoimento de Joel Jorge Paschaolin presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (SetraBH) os novos ônibus com ar condicionado vêm aumentando os custos operacionais.

No dia 15 deste mês Kalil fez um comentário sobre a notícia do reajuste na tarifa dos ônibus pela sua conta em uma rede social. “Aumento de 10,5% na tarifa? Calma gente. Belo Horizonte tem prefeito”.

0 514
Foto: Hellen Santos

Por Hellen Santos 

Fiquem ligados, neste sábado, dia 11 de novembro começa a valer a Reforma Trabalhista.  A reforma da previdência é defendida pelo governo como prioridade para organizar as contas públicas, possivelmente ajudando na economia e na geração de emprego. Porém as mudanças causam um desconforto em mais de 81% dos brasileiros, segundo a Vox Populi.

A Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) nasceu com 922 artigos em 1943 com intuito de firmar os direitos dos trabalhadores. Porém em 13 de julho deste ano, muita coisa mudou. Após o Congresso e o presidente Michel Temer sancionar a reforma e alterar os direitos dos trabalhadores brasileiros.

Conforme a legislação convenções e acordos coletivos poderão continua. As empresas e sindicatos poderão ser negociar algumas condições de trabalho diferentes do que visto pela lei, entre outros, mas não exatamente num estágio melhor para os trabalhadores, segundo site do Conselho Nacional de Justiça:

– Jornada de trabalho; – Participação nos lucros;

– Banco de horas; – Troca do dia do feriado;

– Intervalo intrajornada; não poderão ser negociados, entre outros:

– Direito a seguro desemprego; – Salário mínimo;

– 13º Salário; Férias anuais; – Licença maternidade/paternidade;

Férias

As férias poderão ser dividas em até três períodos, conforme acordado entre partes, contando que um dos períodos tenha 14 dias corridos.

Gravidez

Foi autorizado que mulheres gestantes continuassem a trabalhar em ambientes de baixa ou média insalubridade, exceto quando é emitido um atestado médico que autorize o afastamento.

Terceirização

A empresa só poderá demitir o profissional efetivo e recontratá-lo como terceirizado após o período de 18 meses.

Jornada de Trabalho

O profissional poderá ter a sua jornada de até 12 horas, porém, com 36 horas de descanso, respeitando as 44 horas semanais e 220 horas mensais.

Banco de horas

Poderá ser combinado por acordo individual escrito, a compensação deverá ocorrer no período máximo de 6 meses.

Descanso

A jornada pode ser negociada, desde que tenha intervalos de pelo menos 30 minutos. Caso o profissional não tenha um horário de almoço, a indenização será de 50% do valor da hora normal de trabalho.

Demissão

Metade do aviso prévio e metade da multa de 40% sobre o saldo do FGTS.  O profissional poderá movimentar até 80% do valor depositado na conta do FGTS, porém não terá acesso ao seguro desemprego.

Contribuição Sindical

O pagamento é opcional.