Praça da Liberdade

0 597

No ano de 2011 foi instituído a Semana de Mobilização Nacional para Busca e Defesa da Criança Desaparecida, que ocorre anualmente do dia 25 até dia 31 de março. Esses dias são marcados por realizações de ações de mobilização nacional pela busca de crianças e adolescentes desaparecidos e a divulgação de ferramentas e de legislação que auxiliam a sociedade no enfrentamento do desaparecimento.

No Brasil são registrados anualmente 50 mil casos de desaparecimentos de crianças e adolescentes. A Polícia Civil de Minas Gerais encerrou o ano de 2014 com 5.002 casos de desaparecimentos registrados, já o ano de 2015 teve uma pequena redução de 746 desaparecimentos, totalizando 4.256. Até o mês de março já haviam sido registrados 461 casos de desaparecimentos no estado, com um total de 64 em Belo Horizonte.

Lei da Busca Imediata

Segundo a lei nº 11.259 de 30 de dezembro de 2005, alterou o Estatuto da Criança e do Adolescente em seu artigo 208, não é necessária a espera de 24 horas, determinando a investigação imediata no caso de desaparecimentos de crianças e adolescentes. O boletim de ocorrência pode ser registrado pessoalmente, em delegacias, Delegacia Eletrônica, ou em uma companhia da Polícia Militar.

Conselho Federal de Medicina

O Conselho Federal de Medicina realiza todos os anos, desde 2011, eventos para chamar a atenção da população para os casos de crianças e adolescentes desaparecidos, afirma o organizador de evento, Bernardo Dabés.

Hoje, dia 29, será realizado na Praça da Liberdade uma palestra de conscientização e três shows a partir das 16 horas.

Por Julia Guimarães.

A falta de segurança no trânsito está entre os desafios de mobilidade urbana em BH, segundo 37,8% dos ciclistas ouvidos em pesquisa

Pesquisa realizada em 2015 traçou o perfil do ciclista brasileiro e os principais problemas enfrentados nas principais cidades do país. Na capital mineira, a estudo “Perfil do Ciclista Brasileiro” revelou que a falta de segurança no trânsito está entre as primeiras reclamações (37,8%) seguida da falta de infraestrutura cicloviária (25,3%).


Os dados fazem parte do projeto Transporte Ativo, que tem o patrocínio do Banco Itaú, suporte técnico do Laboratório de Mobilidade Sustentável do PROURBE-UFRJ e Observatório das Metrópoles em parceria com diversas organizações da sociedade civil ligadas a promoção do uso de bicicletas e com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Durante a catalogação dos dados, foram entrevistados 5012 ciclistas em dez cidades durante os meses de julho e agosto de 2015 – participaram das entrevistas ciclistas das regiões: Aracaju, Belo Horizonte, Brasília, Manaus, Niterói, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo.

Desafios da mobilidade

Apesar dos avanços alcançados, a condição atual das cidades brasileiras está longe da ideal.  Segundo Júlia Imbroisi, “BH é uma cidade realmente muito difícil, por não ter ciclovias, ser cheia de morros, porém, mesmo assim seria possível realizar um projeto interessante para ciclismo, inclusive porque o transporte público é ineficiente e caro, então é meio que uma necessidade mesmo”,desabafa.

Para o ciclista e integrante do movimento Bike Anjo BH, Vitor Brandão, há uma evolução acontecendo nas cidades brasileiras tendo como protagonistas os ciclistas urbanos e um dos maiores desafios de se locomover por bicicletas na capital  é vencer o mito de que BH tem uma topografia desfavorável e inviabilizadora da mobilidade por bicicletas. “Cada vez mais pessoas estão nas ruas para provar que basta vontade e algum planejamento de rota para contornar trechos mais desfavoráveis; A pequena e desconectada estrutura de ciclovias, ciclofaixas e ciclorrotas, que inibe os mais temerosos ou inexperientes de migrarem para o transporte por bicicletas, e por último a baixa intermodalidade.”, revela e completa “Ainda falta incentivo do poder público para a melhoria do transporte por bicicletas”.

De acordo com o jovem, a Prefeitura de Belo Horizonte por meio da BHTrans conta com um diagnóstico com locais prioritários para a implantação de ciclovias até 2020, totalizando mais de 300 km. “Existem 160 km que foram vistoriados pela BH em Ciclo, que possuem, segundo a prefeitura, recursos garantidos pelo Ministério das Cidades, porém não vão para licitação. Acreditamos que o que falta é vontade do Poder Executivo e da BHTrans” , finaliza Brandão.

O padrão de desenvolvimento urbano ainda traz os carros particulares como protagonistas e deixam os ciclistas e pedestres em segundo plano. A situação tem levado a cidade ao colapso e revela a urgência de uma inflexão no modelo de desenvolvimento urbano brasileiro. Muitos são os desafios, mas é possível um futuro melhor com a transformação das cidades brasileiras em ambientes propícios aos ciclistas.

Índices em Belo Horizonte

  • 79,8% dos entrevistados de Belo Horizonte utilizam a bicicleta há menos de cinco anos como meio de transporte.
  • 14,4% utilizam a bicicleta em combinação com outro meio de transporte.
  • 33% tem renda mensal entre um e dois salários mínimos.
  • 56,4% levam cerca de 10 a 30 minutos em suas viagens de bicicleta.
  • 36,4% dos entrevistados possuem faixa etária entre 25 e 34 anos de idade.

Por Raphael Duarte

Um grupo de aproximadamente 100 pessoas, com várias faixas e cartazes, saiu às ruas em uma manifestação para a nomeação dos aprovados no concurso público de 2013 para o cargo de agente penitenciário, eles exigem uma reunião com o governador do estado para discutir as questões referentes às nomeações, já que eles alegam que existem pessoas contratadas trabalhando no lugar dos aprovados excedentes. Eles se reuniram na Praça da Liberdade, depois iriam descer pela Avenida João Pinheiro e seguir pela Avenida Afonso Pena.

Os manifestantes afirmam que já foram aprovados na prova escrita e no teste físico. Entretanto, resta apenas a sexta fase, que é o curso de formação para agentes. Apesar do concurso, eles apontam que o governo tem mantido apenas os aprovados em processos seletivos simplificados.

Para o manifestante Milerson Martins, 30, que é um dos aprovados no concurso, ele explica que o sistema prisional se encontra em déficit e que a nomeação precisa ser rápida ‘’Faço parte da comissão do concurso de 2013, e estamos reivindicando a nomeação dos excedentes aprovados nesse concurso ASE 2013, estamos na quinta etapa do concurso e falta apenas a convocação para a sexta etapa, que é o curso de formação, onde que até agora o nosso governo não deu nenhuma posição para a convocação e estamos fazendo uma manifestação pacífica aqui na Praça da liberdade, para que essa nomeação aconteça e que possamos participar do curso de formação, para posteriormente tomar posse do cargo.”

Paolo Leite, 35, que é o presidente da comissão dos aprovados no concurso para o cargo de agentes penitenciários e sócio-educativos do estado de Minas Gerais explica que foram 3550 vagas e que suprem a necessidade do sistema prisional. ”No estado de Minas Gerais, nós temos hoje, a segunda maior população carcerária do Brasil, e a nossa reinvindicação aqui hoje é para que o governo cumpra com o prometido, que é a convocação de todos os candidatos aprovados na prova do concurso público”, esclarece.

Para Leite, a manifestação é pacífica e tem por objetivo convocar um diálogo com o governador do estado Fernando Pimentel, que ainda não se pronunciou esse ano sobre o concurso “Infelizmente ano passado recebemos a notícia de que o governador não iria nomear os excedentes aprovados no concurso e iria manter os contratos provisórios, exigimos o bom uso do dinheiro da máquina pública”, complementa.

Até o fechamento dessa matéria, nossa redação não conseguiu contato com a Secretária de Estado da Defesa Social para esclarecimentos sobre a nomeação dos aprovados no concurso de 2013 para o cargo de Agente penitenciário e socioeducativo.

Por Raphael Duarte

Visita guiada.

De 27 de janeiro a 28 março, a capital mineira, poderá apreciar a exposição Iberê Camargo: Um trágico nos trópicos, em comemoração ao centenário de seu nascimento. O Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) recebe 121 obras do pintor, que faz um retrospectiva de sua vida artística dando ênfase a sua fase mais madura.

DSC_0022
Visita guiada.

Iberê Camargo  foi um dos maiores artistas brasileiros do seculo XX, nasceu no interior do Rio Grande do Sul e logo na infância, aos 4 anos, já demonstrava o seu grande interesse pela arte, enxergando-a como uma catarse, em que conseguiu amenizar suas dores. “Não, meu coração não é maior que o mundo é muito menor. Nele cabem as minhas dores. Por isso gosto tanto de me contar.” – Iberê Camargo.

Entrevista com Luísa Poeiras e Rafaela Toloro, ambas 18 anos.
Entrevista com Luísa Poeiras e Rafaela Toloro, ambas 18 anos.

A exposição conta com visitas de um público bem amplo, desde jovens a idosos. Luísa Poeiras e Rafaela Toloro, relatam a sua visita a exposição demonstrando entusiasmo e grande interesse, “Sempre visitamos exposições juntas e por indicação de amigos, achamos interessante fazer a visita no CCBB. As cores são muito bonitas, os traços e a técnica são fantásticas.” destaca as jovens.

As visitas podem ser acompanhadas por um guia, que irá explicar sobre o artista e o contexto de cada obra, ou cada visitante contemplar de sua maneira. As atrações no espaço são totalmente gratuitas e livre para todos os públicos.

Por: Mariana Paez Matheos Monteiro Chaves e Sarah de Almeida Mansur.

Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa

12483690_963510283716175_784539027_n

Na Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa, a maior parte dos eventos acontece no setor Infanto juvenil.

Nestas férias, uma boa dica para o sábado de 16 janeiro, é o espetáculo “No Jardim das Margaridas”, com Kátia Peifer e músicos convidados. Na quinta-feira (21/1), um divertido “Quiz Literário” vai testar os conhecimentos dos leitores.

A Biblioteca também terá Oficina de Origami e o Carro-Biblioteca leva a Roda de Leitura até o bairro Diamante, na região do Barreiro.

A programação de férias completa e outras informações podem ser acessadas clicando aqui.

MM Gerdau – Museu das Minas e do Metal

12540241_963508783716325_1922915669_n

Oficinas:

Diversão e aprendizado não vão faltar nas temáticas das oficinas do Museu MM Gerdau preparadas para crianças de todas as idades e suas famílias, abordadas de forma leve e descontraída.

A novidade este ano é que as oficinas serão oferecidas entre 5 de janeiro e 5 de fevereiro, das 12h30 às 17h, e terão duração média de 15 a 30 minutos.

As crianças poderão gastar mais tempo na oficina de que mais gostaram ou fazer outras dinâmicas que acontecem em algum ambiente ou atração do museu. O participante pode escolher qual oficina fazer e por quanto tempo.

A agenda completa das oficinas do MM Gerdau está disponível clicando aqui.

Exposição “Lendas e Aparições”

12511573_963506377049899_1409357301_n

A exposição da série de oito esculturas em bronze, desenhos em carvão, pinturas e instalações que revelam uma obra impactante de Daniel Hourdé já foram expostas em países como França, Alemanha, Bélgica e Rússia, e são conhecidas tanto por esse alicerce técnico e rigoroso da modelagem quanto pelo pensamento de viés existencialista, ou meramente abstrato. As figuras do artista quase sempre se apresentam como deuses, embora inseridas em uma mitologia bem particular e ficarão expostas até o dia 10 de janeiro.

 

 

Campanha de Popularização do Teatro e da Dança

Todos os anos Belo Horizonte recebe, entre os meses de janeiro e março, a tradicional Campanha de Popularização Teatro e Dança promovida pelo Sindicato dos Produtores de Artes Cênicas de Minas Gerais – SINPARC. São mais de 100 espetáculos adultos, infantis e de dança apresentados em vários teatros e espaços culturais da capital, com ingressos a preços populares e vai até o dia 06 de março.

Para ter acesso a programação completa e todos os postos de vendas de ingressos, acesse o site do SINPARC, ou pelos telefones: (31) 3272-7487 e (31) 3201-4369.

Mostra Pareidolia – Museu Mineiro

Ocorre até dia 13 de fevereiro no Museu Mineiro (Av. João Pinheiro, 342, Funcionários)  a exposição”Pareidolia”, a mostra apresenta obras inéditas em colagens do artista plástico Roberto Marques, criadas a partir de sombras de papel que guardou em seu atelier. Muitos dos trabalhos executados durante a sua carreira serão expostos no Museu Mineiro. O artista produziu trabalhos que remetem a formas reais e a objetos originários da sua imaginação, obtendo novos caminhos para desenvolver sua arte de criar em papéis multicoloridos.

A entrada é franca.

Para mais informações acesse ao site do Circuito Cultural da Praça da Liberdade.

 

Por Raphael Duarte

#FériasnoCircuitoCultural

“Poesia das Férias”

“Nós somos as férias , muito prazer …

Nós ressuscitamos a alegria de viver !

Nós somos irmãs do feriado ,

Que é alegre e animado !

Nossa mãe é a folga cheia de harmonia ,

Emoção , surpresa e fantasia !

Nosso pai é o descanso total ,

Fenomenal e especial !

Nós somos as musas do trabalhador ,

Que trabalha com suor e ardor !

Nós somos o remédio para o “ stress “ e para a fadiga …

Para quem está nervoso , somos as melhores amigas !

Nós gostamos de uma praia quente …

E de um parque fremente !

Nós somos as férias , muito prazer …

Nós ressuscitamos a alegria de viver .”

Poesia de: Luciana do Rocio Mallon

#FÉRIASNOMUSEU

No mês de janeiro o Espaço do Conhecimento UFMG oferecerá ao público uma programação especial para o período de férias. As atividades são gratuitas.

Oficina “Black Soul Music”

14, 15 e 16 de janeiro, às 15h

Estimativa de duração: 1 hora

Classificação indicativa: Livre

Número de vagas: Livre

A intenção dessa atividade será integrar a pluralidade cultural do Brasil e, especificamente, de Belo Horizonte, com o movimento do Quarteirão do Soul, sediado na Praça 7 e no Viaduto Santa Tereza, nos finais de semana. Esperamos despertar no público o “comichão” para o começo da dança – algo livre, inerente ao nosso ser, seguindo apenas nossos instintos e a vontade de nosso corpo, após escutar a musicalidade presente nesse ritmo de Black Soul Music.

Para mais informações sobre as atividades e oficinas que serão oferecidas, clique aqui .

  • MUSEU MINEIRO

Mostra PAREIDOLIA do artista Roberto Marques

A mostra apresenta ao público cerca de 80 obras em colagem com papel colorplus, sendo 20 trabalhos inéditos, concebidos especialmente para a ocasião. As obras fazem parte das séries elaboradas por Roberto Marques, comoSertão Encarnado, Grafismo, BH 100 anos, 5 cidades, entre outras.

Data: até 13 de fevereiro de 2016

Entrada: Gratuita

Local: Museu Mineiro – Sala de Exposições Temporárias

         Av. João Pinheiro 342 – Funcionários – Belo Horizonte – MG

Horário de Funcionamento:

Terças, Quartas e Sextas – de 10h às 19h

Quintas – de 12h às 21h

Sábados e domingos – de 12h às 19h    

  • CENTRO DE ARTE POPULAR – CEMIG

O Toque Mágico de Ricardo Costa – Esculturas

A religiosidade expressa na arte é o tema mostra O Toque Mágico de Ricardo Costa – Esculturas, em exposição no Centro de Arte Popular – Cemig. A mostra apresenta ao público uma seleção de 22 peças feitas em madeira, pedra-sabão e cascalho, de pequeno, médio e grande porte. As obras transitam entre temas religiosos por meio da representação de madonas, cristos e profetas. Outra faceta do trabalho do artista é refletir sobre a questão animal usando de sua inventividade.

Período da Exposição: até 14 de fevereiro de 2016

Entrada: Gratuita

Horário de funcionamento:

Terças, quartas e sextas-feiras: 10h às 19h

Quintas-feiras: 12h às 21h

Sábados e Domingos: 12h às 19h

Endereço: Rua Gonçalves Dias, 1608 – Bairro Funcionários    – Belo Horizonte/MG

Informações: (31) 3222-3231

MMGerdauMuseu das Minas e do Metal

DINÂMICAS

Classificação Livre

Horário: 12h30 às 17h

Exceto: Contação de Histórias – sessões às 13h, 15h e 17h

Hipertrunfo e Desvendando os sentidos: dia 21/01, às 16h e 21h

Espelhos e Mão aqui, pé acolá: dia 28/01, às 16h e 21h

Caça do Tesouro: Essa dinâmica propõe ao participante, por meio de brincadeiras e charadas, desvendar os segredos de nossa história e do universo dos minerais, utilizando a ciência e a tecnologia, presentes nas atrações do Museu, como principais meios para encontrar um grande tesouro escondido. Dias 8, 13, 16, 19, 27 e 30 de janeiro, de 12h30 às 17h00

Contação de História: O teatro de sombras “O retorno da rainha ao mar – a história de Iemanjá” e o teatro “Cinco pedrinhas saem em aventura” vão despertar a curiosidade da criançada. E ainda tem a história da implantação da nova capital de Minas Gerais e suas lendas urbanas! Outros contos e histórias também podem acontecer no MM Gerdau. Dias 6, 8 e 15 de janeiro e dia 5 de fevereiro, sempre às 17 horas

Dinâmica de Cosmogonia: Cosmogonia é uma palavra de origem grega que, em sentido lato, significa “O Nascer do Mundo”. É assim o nome dado às narrativas míticas que desenvolvem respostas para o grande mistério da Origem. Assim, pretende-se discutir com os participantes diferentes cosmogonias na atração da Matéria-Prima. Os participantes serão convidados a contarem suas histórias e elas poderão ser postadas, posteriormente, no canal do Museu no YouTube. Dia 2 de fevereiro, às 17 horas

Dinâmica Desvendando os sentidos: Os participantes serão vendados e direcionados para uma atração onde serão estimulados a sentir e expressar as sensações do espaço por meio dos demais sentidos (audição, tato, paladar, olfato). A ideia é provocar diferentes percepções do espaço. Dias 13 às 12h30,16 às 16h00 e dias 21 e 27 às 21h00

Dinâmica Mão aqui, pé acolá: Na atração Chão de Estrelas, com o objetivo de descobrir as diferenças entre os minerais (forma, cor, tamanho, brilho) e suas possíveis utilizações, os participantes serão convidados a se desdobrarem com mãos e pés para identificarem os minerais! Dois dados serão jogados simultaneamente e o desafio é posicionar uma parte do corpo no mineral que o dado mandar! Tem que ter jogo de cintura! Dias 7 e 16 às 15h00, dia 20 às 19h00 e dia 23 às 12h30  

OFICINAS

Classificação Livre

(Exceto Oficinas de Cristais e Light Painting e Hologramas, a partir de 7 anos)

Horário: 12h30 às 17h

Exceto: Oficina Um Selfie no Museu, dia 14/01, das 15h30 às 19h

Oficina Light Painting e Holograma, dia 21/01 e 28/01, das 19h às 21h             

Oficina Alquimistas no Museu: Em um laboratório, os participantes poderão realizar experiências, cujos temas perpassam por questões abordadas no Museu, de forma lúdica e didática. Para fomentar essa ação, os experimentos feitos pelos participantes serão transmitidos no videowall e, posteriormente, postados no canal do Museu no YouTube. Dias 19, 20, 21, 22 e 26, 27, 28 e 29 sempre às 12h30

Oficina Holograma de Bolso: Será apresentada a técnica de criação de holograma portátil com a utilização de tablets e/ou celulares. Os participantes terão a oportunidade de produzirem seus próprios moldes de acetatos para reproduzirem, no mesmo instante e posteriormente, seus hologramas. Dias 22, 28, 29 às 15h00

Oficina de Light Painting e Holograma: Apresentar a técnica fotográfica de Light Painting (pintura com luz), que possibilita o registro de movimentos de origem luminosa, criando imagens surreais, que somente poderão ser vistas por meio dos registros fotográficos. E, também, apresentar a técnica de criação de hologramas conhecida comoPapper’s ghost, desenvolvida em 1858, pelo químico britânico John Henry Pepper. Hoje, essa técnica é muito utilizada no teatro e em alguns truques de magia que fazem o objeto desaparecer e reaparecer, ficar transparentes ou transformar-se noutros objetos . Dias 21e 28 às 15h00

Oficina de Máscaras: A partir de imagens de máscaras de diferentes etnias e tempos históricos, os participantes terão a oportunidade de confeccionar máscaras de diversas culturas. Faça sua própria máscara e leve-a para casa! Dias 2, 3, 4 e 5 às 12h30

Oficina Um selfie no Museu: Já que a moda é o selfie, por que não fazê-lo no Museu? Técnicas e dicas básicas para fotografar com celular ou tablet serão apresentadas, além de estimular o “olhar” fotográfico para o registro de paisagens e ambientes. As fotos serão tiradas nos espaços do Museu a fim de estabelecer conexões entre memória e patrimônio. Todos os dias de funcionamento entre 12h30 e 17h00

Obs: os participantes deverão ter seus próprios aparelhos móveis dotados com câmera fotográfica e cabos para descarregar as fotos.

Para mais informações sobre o circuito de férias acesse ao link.

 

Por Amanda Aparecida

Foto de: Julia Guimarães