Rádio

Viaturas policiais alteraram, hoje, a paisagem da Praça da liberdade, em razão do revanchismo entre Skinheads e outros grupos jovens, tais como Punks e Emos, intensificado na última semana e que alcançou as páginas dos principais jornais da cidade. Além da polícia, um grupo dePunks estava à espera de um confronto, marcado nas redes sociais, com os Skinheads. Um jovem de 16 anos declara ter participado das brigas da semana passada, nesta entrevista exclusiva do Se Liga Contramão.


Texto e Foto: Felipe Bueno

Áudio: Jéssica Moreira e Natália Alvarenga

3 1912

A rádio que é, verdadeiramente, aberta a várias formas de divulgação, valorizando os artistas brasileiros e, principalmente, mineiros, contribuindo na formação diária dos cidadãos e dando espaço e voz a todos: isso é, estar sempre ao lado de você ouvinte. Em suas bodas de brilhante com o público mineiro, sua trajetória consistente é mostrada sob um olhar diferente. Em 3 de setembro de 1936, foi fundada a Rádio Inconfidência AM 880, com a principal função de interligar todo o estado de Minas Gerais. Inicialmente, ficou conhecida como “PRI-3”, em seguida adotou seu primeiro slogan: “A voz de Minas para toda a América”.

A rádio surgiu com a perspectiva de unir o estado de Minas Gerais, naquela época não havia correio eficiente, as estradas eram péssimas, já havia mais de 500 municípios, todos isolados da capital, Minas não conhecia Minas na relação interior-capital. Então, foi proposta a criação da rádio para unir, mas como o governo não tinha verba para sustentar essa projeto, foi pedido a cada Prefeitura que fizesse uma doação para criar a Rádio Inconfidência.

Cada uma delas doaria o quanto pudesse, mas as doações superaram as expectativas. Foi criada a rádio, com auditório, 3 orquestras, casting de cantores, o rádio-teatro, a telenovela. Desde então, vem cumprindo um papel histórico importante, a prestação de serviços. Em determinado momento na história da Rádio Inconfidência AM ficou à deriva, pois em função da FM. Na Frequencia Modulada, a Inconfidência toca o melhor da MPB. Agora, fazendo jus, Aécio Neves , quando governador, viu a rádio e investiu em sua renovação. “Houve concurso público, foram contratados novos profissionais e hoje estamos em um processo final de resgate do “Gigante do Ar”,que foi um rádio padrão no continente latino-americano. Agora vamos fazer os ajustes que tem que ser feito, com apoio publicitário e campanha para que todo mundo venha a conhecer a grande emissora que é a Rádio Inconfidência”, afirma Paulo Bastos, apresentador e coordenador da FM 100,9.

Foto retirada do site da rádio Inconfidência
Foto retirada do site da rádio Inconfidência

Desde o princípio buscou estabelecer um canal ativo de comunicação entre produtores mineiros, criando assim o programa “A Hora do Fazendeiro”, considerado o mais antigo e tradicional programa de rádio, que continua no ar, ao vivo, até os dias de hoje. Desde então, a rádio Inconfidência mantinha uma grade variada na programação.

Paulo Proença, 27, assessor artístico e editor do website, ‏comenta sobre ’A hora do fazendeiro’ “Uma coisa que é fixa, não só para o homem do campo, como também para o pequeno produtor. Hoje a gente tem parcerias com outras instituições de agricultura e somos especializados, além da informação para o homem do campo, tem a música de raiz que sempre teve, o autêntico sertanejo de raiz, o que nunca mudou.”

Paulo Proença, 27, assessor artístico e editor do website
Paulo Proença, 27, assessor artístico e editor do website

A rádio Inconfidência entrou no ar com 2 canais: a Inconfidência Ondas Curtas, com a mesma programação da emissora AM, levando o sinal da rádio à população rural de Minas. Nesta mesma época começam as radionovelas, que levaram o público a se apaixonar com suas histórias de amor. Enquanto isso, as orquestras encantaram o público nos programas de auditório transmitidos ao vivo, em que lançou mineiros que fariam sucesso em todo o País, como Clara Nunes.

Em 1960, a Rádio Inconfidência comemorou seus 25 anos com o lançamento do livro, que trazia a história do primeiro LP com gravações de músicos mineiros. Os programas de auditório tiveram que ser cancelados, pois o prédio da Feira Permanente de Amostras, onde eram realizados os programas, foi desativado passando a ser realizados em outros espaços como o Teatro Francisco Nunes.

Reinaugurada a Inconfidência FM, sob nova frequência 100,9, denominando-se Brasileiríssima FM, cumpre sua missão, tocar músicas de qualidade, como promover, patrocinar e apoiar a cultura, arte e lazer e, ainda revelar outras várias gerações de músicos. Seu jornalismo, conta constantemente com participação do ouvinte durante a programação, o que faz da rádio um canal legítimo de informação e formação. Durante décadas no ar, a Brasileiríssima FM 100,9 firmou-se como espaço essencial de divulgação da música brasileira.

Entre 2000 e 2010, comemorando seus 70 anos no ar, o processo de revitalização da Rádio, com o objetivo de digitalizar seu acervo musical, melhorar seus equipamentos e assim continuar oferecendo a melhor programação com a melhor tecnologia. Foi inevitável, a rádio recebeu investimentos do Governo do Estado para inovar suas instalações físicas e tecnológicas.

Além da reforma dos transmissores, a rádio Inconfidência ganhou equipamentos e estúdios com tecnologia digital de última geração, tudo para garantir uma operação isenta de falhas e com qualidade de áudio, venceu o Prêmio Mídia do Ano em Comunicação Empresarial (Categoria Rádio).

Atualmente sua interatividade com o público no novo site da Rádio é moderna e de navegação simples, os ouvintes podem interagir em suas duas estações, AM e FM, também através dos blogs dos programas, fotoblogs, enquetes e redes sociais, e ainda participarem de promoções, além de contar com seção de vídeos, áudios recentes e os áudios marcantes para a história da rádio que passou a integrar a Estação da Cultura com três importantes órgãos de Minas Gerais: Rádio Inconfidência, Rede Minas de Televisão e Orquestra Filarmônica de Minas Gerais. Todos situados no mesmo prédio, atualmente localizado à Avenida Raja Gabaglia, 1666.

“Recentemente a rádio passou pro um processo de reforma. O mais importante nessa reforma foi quando a partir de 2004 a rádio esteve num processo complicado, pois depois da criação da frequência FM, a rádio ficou reconhecida nacionalmente por sua programação 100% brasileira e foi responsável por revelar vários artistas de qualidade como Pato Fu, Vander Lee, Tianastácia dentre outros grupos.” “Com essa reforma a gente conseguiu organizar nosso acervo de discos, de partituras da orquestra, onde foi feito um projeto que está sobre responsabilidade da UEMG para criar um acervo com os discos e partituras originais da época, hoje em dia temos equipamentos, que, mesmo não sendo digital, são muito bons e a projeção para o século XXI foi o presente que ganhamos agora que foi a estação da cultura.” Informa Paulo Proença.

Nos fins de semana a Inconfidência traz emoção e entusiasma com as transmissões dos jogos nas Jornadas Esportivas.

Para comemorar seus 75 anos, a rádio Inconfidência, relembrou o passado, transmitindo ao vivo seu programa A Hora do Fazendeiro, diretamente do Teatro da Assembléia.

Por Anelisa Ribeiro e Bruno Maia
Foto Anelisa Ribeiro

31

Resgatando todo glamour da era de ouro da Rádio Nacional, a maior emissora de rádio do Brasil nos anos 50, “Nas Ondas do Rádio” é uma ótima opção para quem quer se divertir e conhecer toda a história dessa época que marcou muitas gerações. O espetáculo é interpretado no auge da Rádio Nacional, a maior emissora do Brasil nos anos 50, com todas as vedetes, atores, cantores que marcaram aquela época.

O texto foi criado há dez anos por Pádua Teixeira, que estudou o tema antes da criação. A comédia que está em cartaz no Teatro ICBEU é dirigida por Luiz Fernando Duarte que e tem no elenco 16 jovens atores, cantores e comediantes. O atual diretor conheceu o teatro pela primeira através da peça “Nas ondas do Rádio” e desde então apaixonou-se e trabalha no espetáculo. Segundo Luiz a divulgação da peça é focado no público adulto, que vivenciou a época, mas jovens também assistem e gostam do que vêm.
Alunos da disciplina de Rádio Jornalismo do Centro Universitário UNA vão assistir hoje “Nas Ondas do Rádio”, acompanhados da doutora e professora Cândida Lemos, que diz ser muito importante conhecer a história do rádio brasileiro.
A peça está em cartaz no Teatro do ICBEU, localizado na Rua da Bahia, n° 1723 em Belo Horizonte. Na sexta- feira o espetáculo começa às 20h30, no sábado às 21 horas e no domingo às 19h30. Os ingressos vendidos no local custam R$30 (inteira) e R$15 (meia para estudantes e maiores de 60 anos). Os ingressos também podem ser adquiridos nos postos da Belotur R$ 12(inteira).

Vejo a entrevista com Cândida Lemos, falando sobre a história do rádio Nacional:


Galeria

Por Andressa Silva, Ana Sandim, Iara Fonseca.

Fotos: Adriana Porto

Na manhã desta quinta-feira a Praça da Liberdade serviu como estudio para a transmissão da programação matinal da rádio Band News. A rádio que esse ano comemora 5 anos criou o projeto aniversário, para divulgar essa comemoração. Projeto onde realizam transmissões ao vivo das capitais onde tem o sinal da rádio. Passando em cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, hoje desembarcaram em Belo Horizonte, para mostrar para seus ouvintes um pouco de como acontece no universo por trás da voz que invade todos os dias os rádios. A grande atração foi à presença do Jornalista Ricardo Boechat. Considerado um dos jornalistas mais bem informados do país, Boechat foi recepcionado pelos mineiros e ouvintes do seu programa diário na Band News com muito carinho e presentes, de cachaças a livros bíblicos e finalmente uma bíblia. Visivelmente satisfeito com a receptividade do público mineiro, o jornalista e radialista, esbanjou simpatia e carisma, atendendo a todos que pediam autógrafos e fotos. A Tv Band Minas também transmitiu ao vivo algumas imagens da população que se aglomerava na Praça.

A comemoração contou com a presença de grande parte do elenco de radialista da Band News de Belo Horizonte, entre eles estava à apresentadora e agora radialista Roberta Zampetti. Questionamos como é soltar a voz todos os dias na rádio, sendo que sempre foi apresentadora do programa Brasil das Gerais na Televisão.  “A primeira vista pensei em não aceitar, achava que seria um enorme desafio, mas depois pensei que uma oportunidade dessas rejuvenesce a vida profissional”, explica a Jornalista.

Após o encerramento do programa apresentado por Boechat, foi cantado um parabéns diante de um bolo que levava a logo marca da rádio, que foi distribuído para as pessoas que acompanhavam a festa. Em entrevista com o Jornalista, discutimos sobre a liberdade do Brasil diante da sua frase: “Um país sem liberdade de opinião é um país sem liberdade. Ponto.”

Categoricamente ele disse que o país tem sim, plena liberdade de expressão, mas claro que com alguns acidentes de percurso. Quando perguntado se para um jornalista ser bem informado ele precisa de boas fontes ou de muita leitura, Boechat diz que o mais certo é tempo. Com ele você conquista boas fontes, que são confiáveis, pois quando tinha 21 anos de carreira, não tinha a metade das fontes que tem hoje com 41 anos. Ao ser perguntando sobre a liberdade de expressão no seus programas de rádio ou de TV, o radialista e apresentador contesta dizendo que “Não, pois são propostas diferentes. O programa de rádio é meu, então falo o que me dá na teia. O programa de televisão é mais informativo e menos opinativo.”

imagem-045

Ouça a entrevista completa:

imagem-063

imagem-042

Por João Marcelo Siqueira
Fotos: João Marcelo Siqueira