Saúde

0 273
Dra Izabela Reis, médica da família, conversou com a equipe do Contramão

Por Jéssica Oliveira

A pandemia do novo Coronavírus fez com que o número de pacientes internados aumentasse a ponto de sobrecarregar o sistema de saúde brasileiro, com o número de casos subindo diariamente e os casos de óbito que já ultrapassam 45 mil, locais com maior risco de contaminação. No entanto, os médicos, que estão na linha de frente na luta contra a COVID-19 afirmam que a procura por atendimento em casos crônicos ou atendimento de urgência diminuiu significativamente, em razão do risco de contágio.

Porém, a endocrinologista e médica da família, Izabela Reis, explica que em caso de doenças crônicas ou de sintomas incomuns e inesperados de outras enfermidades é necessário o acompanhamento regular e até mesmo a busca por atendimento em unidades de urgência. A medica também nos conta sobre os perigos da automedicação. Confira a entrevista completa com a prossional da saúde.

Qual a orientação para pessoas que fazem acompanhamento médico por doenças crônicas como problema de pressão e diabetes?

Portadores de doenças crônicas são considerados de risco para complicações provenientes da infecção pela COVID-19. Portanto, estes pacientes devem estar com a doença sob controle. Ou seja, devem manter o uso das medicações de forma regular como prescrito pelo médico e aliar à alimentação saudável. Sempre que possível, devem aferir a pressão arterial (caso possua aparelho em casa) e a glicemia capilar para acompanhar os níveis de açúcar. Se estes parâmetros estiverem fora dos valores normais e caso tenham dúvidas ou aparecerem outros sintomas, devem entrar em contato com o médico responsável.

Caso seja necessário uma consulta, e esta ocorra de forma presencial, o paciente deve assegurar de que há restrição do número de pessoas circulantes naquele local e ter todos os cuidados básicos como uso de máscara, evitar levar acompanhantes, manter distância de dois metros de outra pessoa e lavagem das mãos. É importante ressaltar que o CFM (Conselho Federal de Medicina) autorizou a Teleconsulta, ou seja o Médico está autorizado a realizar consultas via internet, sendo uma excelente opção neste momento para a segurança de todos. O que não pode é este paciente ficar com sua patologia fora de controle.

Quais as consequências de um paciente que se automedica e adia um diagnóstico, ao invés de procurar um hospital por receio de se expor ao risco da Covid?

A automedicação é perigosa, pois podem surgir efeitos colaterais indesejáveis, além do risco de mascarar sintomas que possam se manifestar para um diagnóstico médico correto. Não podemos esquecer que além do COVID-19, todas as outras doenças continuam existindo e devemos cuidá-las para evitar o possível agravamento e para não piorar ainda mais a superlotação hospitalar neste momento de pandemia. Caso o paciente apresente sintomas que coloquem sua vida em risco, deve procurar um serviço de Pronto Atendimento, caso contrário deve procurar um agendamento ambulatorial ou procurar o posto de saúde mais próximo para a orientação correta.

Até que ponto é adequado evitar ir ao hospital nessa pandemia?

Deve-se evitar sim ir ao hospital durante a pandemia desde que não esteja em risco iminente de morte ou não tenha alterações dos sinais vitais. Quando for possível aguardar uma consulta agendada, este é o melhor caminho. Então “o que são sinais vitais”? São os indicadores das funções que nos mantém vivos como frequência cardíaca, frequência respiratória, pressão arterial e temperatura. Por exemplo, queda importante ou aumento excessivo da frequência cardíaca mesmo que em repouso; dor no peito; dificuldade para respirar; pressão arterial alterada mesmo com uso de medicação regular; febre alta refratária aos antitérmicos; e perda da consciência são motivos para procurar um Pronto Atendimento. Lembrando que traumas e fraturas também não devem postergar uma avaliação médica imediata

Com a estrutura das unidades básicas de saúde, qual suporte elas podem dar ao paciente evitando o contato com o hospital?
A estrutura de cada unidade básica varia de região para região. Algumas mais equipadas possuem medicações básicas orais, venosas e até mesmo exames disponíveis, outras possuem somente o médico e/ou enfermeiro, que sozinhos não conseguem tirar ninguém de uma situação de risco iminente à vida. Mas de modo geral o acompanhamento de doenças crônicas, crises hipertensivas, dores leves a moderadas, febre leve a moderada, diarréias, amigdalites, otites são patologias bem guiadas pela Unidade básica de saúde.

Um paciente que suspeita estar com Coronavírus deve recorrer ao hospital assim que perceber os sintomas?

Não. O paciente com suspeita de COVID-19 deve permanecer em casa fazendo repouso em isolamento. Só deve procurar o Hospital caso tenha falta de ar, febre que não melhore após uso de medicação e alteração do nível de consciência. Devemos lembrar que estamos numa época do ano favorável à outras doenças respiratórias, o paciente pode não estar contaminado pelo novo Coronavírus e acabar contraindo numa ida indevida ao Hospital. Outro ponto importante é que ainda não temos tratamento para a COVID-19, então não adianta correr para o hospital caso o paciente tenha somente sintomas leves.

 

Lembra-se: É indispensável o uso de máscara, a higienização constante das mãos com água e sabão ou álcool em gel, trocar de roupa e tomar banho imediatamente ao retornar para a casa e higienizar objetos como óculos e celular.

 

 

*A entrevista foi produzida sob a supervisão da jornalista Daniela Reis.

0 199
Mais de 500 famílias estão sendo atendidas pela instituição

A ação visa auxiliar e manter os atendimentos às pessoas com deficiência intelectual

*Por Italo Charles

O período de isolamento social devido a pandemia do Covid-19, tem afetado várias organizações. Não sendo diferente, o Centro de Atendimento e Inclusão social de Contagem (CAIS), passa por dificuldades financeiras. Para o enfrentamento dessa situação, a instituição está promovendo uma arrecadação de recursos online a fim de preservar a manutenção salarial de seus colabores, e com isso continuar à prestação de serviços.

A ação exprime a condição na qual a instituição está passando. Mantidos por doações de pessoas físicas e com parcerias estabelecidas com o poder público municipal e estadual, o Centro de Atendimento encontra-se em condição vulnerável.

Por consequência da pandemia, as doações tiveram grande queda, e para que não seja interrompido os atendimentos, o CAIS criou a vaquinha para preservar todos os seus colaboradores.

Através da dificuldade vivida pela instituição, a gerente de Mobilização de Recursos, Graziele Beda, comenta: O desafio da instituição está sendo manter seu diferencial que é fazer com que toda transformação e construção de conhecimento venham da pessoa atendida e não simplesmente oferecer um conhecimento já estabelecido para ser seguido pela família ou criança/adolescente”.

Fundada há 49 anos, a instituição auxilia famílias e pacientes com deficiência intelectual nas áreas clínica, educacional, assistência social, inclusão no trabalho e administrativa. Atualmente, o CAIS oferece atendimento a 500 pessoas a partir de uma equipe composta por 75 profissionais.

Devido ao isolamento social, o CAIS enfrentou um grande desafio em migrar os atendimentos para o formato online. “Rapidamente, o CAIS  se mobilizou para realizar o acompanhamento das 500 pessoas atendidas de forma virtual. Foram montados grupos de whatsapp para as famílias e salas de atendimento virtual para que todo o processo fosse mantido sem grande perda”, afirma Graziele.

Toda a ação desenvolvida tem por força maior auxiliar as famílias e os pacientes. As pessoas atendidas pelo CAIS possuem uma rotina de atendimento muito importante. Qualquer tempo perdido pode representar um retrocesso no quadro clínico e educacional desse indivíduo. 

Serviços:

Vakinha CAIS em casa

O Centro de Atendimento e Inclusão Social (CAIS), tem sede em Contagem e pode ser contatado através do site

Telefones: (31) 3393-1988/ 3395-0700

 

*A matéria foi produzida sob a supervisão da jornalista Daniela Reis

 

0 317
Usar preservativo é melhor maneira de se proteger contra as ISTs

Em 10 anos houve um aumento de mais de 4000% nos casos de sífilis

*Por Sheila Silva

“Foi em novembro de 2017, eu tinha 21 anos na época. Fui a uma festa, na qual acabei exagerando no álcool – ou talvez alguém tenha colocado algo na minha bebida – eu passei muito mal e meus amigos me puseram em um quarto para descansar, pois eu já não estava consciente. No meio da noite, eu acordei e tinha alguém sobre mim, me estuprando. Na manhã seguinte, juntei minhas coisas e fui embora dali o mais rápido que pude, sem que ninguém me visse. Nunca havia me sentido tão mal em toda a minha vida. Estava com muita vergonha e raiva de mim mesmo, por isso não contei a ninguém. Na época, eu não tinha acesso e nem conhecimento a respeito da PEP (Profilaxia pós-exposição), então acabei não fazendo nenhum tipo de exame ou acompanhamento médico, só segui a vida da melhor forma que pude”, relata “O.D”, jovem de 23 anos que prefere manter sua identidade em sigilo.

 

Todos os dias surgem um milhão de novos casos de IST’s (Infecções Sexualmente Transmissíveis) curáveis em todo o mundo, em homens e mulheres de 15 a 49 anos, segundo dados divulgados pela OMS (Organização Mundial da Saúde), em junho de 2019. A mesma organização também divulgou que o número de infectados por HIV caiu 16% em todo o mundo, nos últimos 10 anos. O Brasil, porém, não segue essa tendência, pois aqui foi registrada uma alta de 21% nos casos no mesmo período.

 

Apenas em novembro do ano passado o Ministério da Saúde lançou a primeira campanha exclusiva de prevenção de ISTs. Focada em jovens de 15 a 29 anos, a campanha carregava o slogan “Sem camisinha você assume o risco” e apostava no choque e aversão de pessoas reagindo às imagens de algumas infecções.  A intenção era fazer com que os jovens procurassem as imagens na internet, e tivessem na repulsa, um motivo para se proteger.

 

Para os especialistas, o maior responsável por esses números é o chamado comportamento de risco, caracterizado principalmente pela negligência no uso do preservativo e a relação com múltiplos parceiros. Porém, nem todos os infectados se encaixam nesse perfil. É muito comum encontrar pessoas que contraíram ISTs dentro de um relacionamento, como é o caso de Marta de 34 anos e Daniel de 33 (nomes fictícios, pois ambos preferem não se identificar). Marta se relacionou durante anos com o pai de sua filha, e conta que contraiu a sífilis dentro um relacionamento que para ela, era monogâmico. Após perceber os sintomas, ela procurou atendimento, acreditando estar com candidíase, infecção fúngica bastante comum entre mulheres, ou algo do tipo. O diagnóstico foi choque, pois além de ter que lidar com a doença, ainda teve que assimilar a infidelidade do companheiro. Marta tentou manter a relação, mas a desconfiança falou mais alto. “Eu não sabia o que fazer quando a médica me falou que eu estava com sífilis, achei que fosse outra coisa”, conta.

 

Já Daniel, adquiriu gonorreia em um relacionamento aberto. O combinado era que as partes usassem preservativo ao terem relações com terceiros. “Eu comecei a ‘ficar’ com uma menina que já tinha um relacionamento aberto. Nos aproximamos bastante e eu acabei ocupando o lugar de segundo namorado dela, porém mantendo o acordo de sempre usar camisinha ao ter relações com pessoas de fora do relacionamento.”

 

Ele conta ainda que, certa vez, ela viajou para uma convenção da faculdade e lá acabou ficando com um outra pessoa. “Ela me contou, porém tudo muito vago, não imaginei que ela pudesse ter descumprido o acordo. Nós tivemos relação e, em torno de três semanas depois, percebi  uma secreção de cheiro desagradável nas minhas partes íntimas. Fui ao médico e ele confirmou que eu estava com gonorreia. Entrei em contato com ela, conversamos, e depois disso não tivemos mais contato sexual. Não fiquei bravo e nem briguei, mas fiquei um pouco decepcionado, pois confiava nela.”

 

Para o médico infectologista, Leandro Curi, foi-se o tempo em que essas doenças eram quase que exclusivas de certos grupos sociais. “Antes havia uma ideia que apenas homens que transavam com homens e profissionais do sexo contraiam e portavam tais doenças. Hoje eu atendo pacientes de todas as idades, raças, orientações sexuais e classes sociais”, explica.

 

Para Curi, além dos jovens, as ISTs, principalmente o HIV, vem aumentando também entre idosos, e isso se deve aos medicamentos para ereção, que apesar de melhorarem a saúde sexual dessa parcela da população, contribuiu para o aumento dos números, pois esses pacientes tendem a não se cuidar por acreditar que só jovens contraem doenças no sexo.

 

“Atualmente está havendo uma explosão de sífilis, não que se possa esquecer das outras ISTs, mas é realmente assustador, para cada novo caso de HIV, há 9 de sífilis.” O médico considera que o grande responsável pela negligência dos jovens é a falta de medo “vimos o número de infecções por HIV cair, e agora estamos vendo crescer novamente. O motivo é que os mais novos não têm medo, pois eles não viram o que os mais velhos viram. Hoje praticamente ninguém mais morre de Aids, e isso é muito bom, porém faz com que os mais jovens não temam contraí-la. Muitos dos meus pacientes adolescentes recebem o diagnóstico do HIV como se estivessem ouvindo que tiraram uma nota vermelha em matemática” diz Curi.

 

“Em fevereiro do ano seguinte, eu tive que fazer alguns exames médicos. Então decidi ir ao centro de testagem e aconselhamento, CTA, pois havia alguns meses que não fazia nenhum teste, algo que eu fazia com frequência, pois sempre me cuidei muito. Foi aí que descobri ser HIV positivo. No início, meu mundo caiu, eu fiquei sem chão. Até aquele ponto, ninguém sabia sobre o estupro, era algo que eu tinha guardado só pra mim, pois tinha abalado meu psicológico profundamente. Decidi me abrir com meus dois melhores amigos, um deles sendo meu ex, e o apoio deles foi essencial naquele momento. Outra pessoa fundamental foi a minha mãe, ela não me julgou em momento algum, e me deu todo o apoio. Graças a essas pessoas eu fui capaz de, com o tempo, me aceitar naquela condição. Desde o momento em que eu me descobri HIV positivo até quando consegui parar de me odiar e me culpar por isso, os três foram meus pilares. O que mais me afetou não foi o preconceito que veio de fora, mas sim o que eu tinha contra mim mesmo. Não conseguia me aceitar como HIV positivo e me culpava muito por isso. Ainda hoje, sinto dificuldades em me relacionar com outras pessoas, coisa que eu não tinha antes. Sempre fui muito aberto e tinha facilidade em namorar, mas hoje sinto receio de como a outra pessoa vai reagir ao descobrir”, diz O. D.

 

Curi aconselha que toda pessoa que teve a relação desprotegida e suspeita que possa ter contraído uma IST, deva se dirigir o mais rápido possível para uma unidade de pronto atendimento, UPA, para fazer uso da PEP, que consiste em uso de medicamentos para evitar que a pessoa venha a contrair diversos tipos de infecções, entre elas o HIV. Já no caso da pessoa que está desconfiada de ter contraído a um tempo maior, ela pode se dirigir a um centro de testagem especializado, que já tem em quase todos os municípios do estado, e em 15 minutos a pessoa terá o resultado. Em caso positivo, será encaminhada para tratamento pelo SUS. Para ele, a educação sexual nas escolas é o melhor caminho para conscientizar os jovens dos riscos de uma IST e também de uma gravidez não planejada. “É necessário mostrar desde cedo a importância do preservativo, e mostrar para o adolescente que a camisinha é um parceiro, algo que existe para protegê-lo. O governo e a mídia também têm seu papel, devendo trazer as campanhas de prevenção cada vez mais para a realidade do jovem, para isso usando a internet, a TV e o rádio.” Conclui o médico.

 

“Se eu pudesse falar algo para o “eu do passado”, eu falaria para o meu eu de quando recebi o diagnóstico, diria para ele ser mais Gentil consigo mesmo, não se culpar tanto, não ser tão cruel com ele mesmo, porque na época ele foi. Então, eu acho que isso ajudaria bastante no processo de aceitação e de evolução disso tudo”, desabafa O. D.

 

Prevenção

As UBS (Unidades Básicas de Saúde) distribuem gratuitamente preservativos, todos devidamente liberados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária. As unidades também dispõe de profissionais qualificados para testar, identificar e tratar ISTs, assim como Núcleo de Planejamento Familiar e distribuição de contraceptivos orais.

 

Para mais informações, busque a UBS mais próxima.

0 1858
A prática é realizada por muitos jovens e está relacionada à depressão

 O problema grave muitas vezes é ignorado pelas famílias 

*Por Ingrid Moreira de Oliveira 

“…E Clarisse está trancada no banheiro

E faz marcas no seu corpo com seu pequeno canivete

Deitada no canto, seus tornozelos sangram

Quando ela se corta ela se esquece

Que é impossível ter da vida calma e força

Viver em dor, o que ninguém entende

Tentar ser forte a todo e cada amanhecer…

Como se toda essa dor fosse diferente, ou

E quando os antidepressivos e os calmantes não fazem mais efeito

Clarisse sabe que a loucura está presente

E sente a essência estranha do que é a morte

Mas esse vazio ela conhece muito bem

De quando em quando é um novo tratamento

Mas o mundo continua sempre o mesmo…”  Clarisse (Legião Urbana)

 

A depressão atinge cerca de 6% da população brasileira, isso significa que são mais de 12 milhões de doentes, média maior que a global, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) que é de 4,4%. Esses dados colocam o país como o primeiro do ranking da América Latina em número de diagnósticos e deixa um grande alerta já que os casos de suicídios e automutilação também têm crescido drasticamente.

Ainda de acordo com a OMS, o suicídio é a terceira principal causa externa de mortes entre os brasileiros, atrás apenas dos acidentes e agressões. No que diz respeito a automutilação, o Brasil não tem dados específicos, mas o que os estudos apontam é que essa prática está ligada à depressão.

Vamos falar sobre automutilação

As mulheres e jovens são as maiores vítimas desses casos, um exemplo que trouxe repercussão mundial  é o da cantora Demi Lovato que já chegou a se automutilar, tendo marcas pelo seu corpo, por problemas como a autoestima, bulimia, entre outros. Após se recuperar, Lovato fez tatuagens em seus dois pulsos com a frase “ Stay Strong”,  que significa “Permaneça Forte”, para esconder as marcas dos cortes.

Muitas pessoas não entendem o porquê das outras se automutilarem e as julgam, sem saber sua história e os problemas. Porém o problema é um distúrbio emocional e suas vítimas sofrem, na maioria das vezes, caladas e sem saber aonde e como procurar ajuda.

Apesar de não existir pesquisas recentes, um estudo realizado no ano de 2014, na Inglaterra revelam que a automutilação cresceu mais de 70%, em relação a 2012, entre crianças e adolescentes. Os dados mostram que os casos entre 10 e 14 anos tratados em hospitais, ultrapassou os 2.700 desde 2012. Já entre os adolescentes entre 15 a 19 anos, o aumento foi de 23% no mesmo período.

De acordo com a especialista em Terapia Cognitiva Comportamental e Educação Especial e Inclusiva com ênfase em neurociência e aprendizagem, Daisimar Sampaio, a automutilação parece ser mais uma tentativa de projetar no corpo as tensões que os adolescentes vivenciam. “A dor da existência passa a ser refletida no próprio corpo envolvendo uma agressão direta, sendo um comportamento intencional. Normalmente sem intenção suicida e aparentemente por razões não socialmente ou culturalmente compreendidas. O adolescente usa a automutilação como uma fonte de amenizar a dor emocional, como se fosse uma troca da dor emocional por uma dor física. Os cortes são feitos em segredos e escondidos. As marcas só aparecem no corpo quando feridas muito mais profundas são formas abertas na alma”, salienta.

A psicóloga explica ainda que o ato de se auto machucar não é feito para chamar atenção, pelo contrário, é uma maneira de desfocar o sofrimento emocional para uma dor física. “O adolescente por se sentir acuado, sem saber o que fazer com aquela situação, agride o próprio corpo, assim vêm um alívio da sensação ruim,  pensando que a dor física não é nada perto da dor emocional”, reforça.

Daisimar acrescenta que a automutilação é sempre um pedido de socorro. E alerta para que os pais estejam sempre atentos às mudanças de comportamento, ao uso de roupas de mangas compridas e ao isolamento.

Contaremos a história de uma jovem, de  20 anos, a quem chamaremos de Luna, pois ela prefere não se identificar. Para ela, a automutilação não ocorreu da noite para o dia. Luna lutou anos para enfrentar sua depressão, e, aos seis anos, já tinha pensamentos suicidas. Aos 10, as coisas começaram a sair do controle,  devido ao bullying sofrido na escola. Tudo começou entre os 14 e 15 anos, quando as chacotas ultrapassaram os muros da escola e se instalaram entre os familiares.

A psicóloga Daisimar, fala que as maiores causas e consequências para um adolescente poder se automutilar são a maturação da sexualidade, as relações parentais e sociais, o bullying e a depressão. As angústias próprias da idade podem levar à prática da automutilação. Muitas vezes sendo uma maneira de se expressar ou lidar com uma angústia esmagadora ou aliviar uma tensão insuportável; às vezes, pode ser uma mistura de ambos. A auto agressão também pode ser um grito de socorro.

A relação complicada com a mãe, o transtorno alimentar e a depressão foram o gatilho para automutilação de Luna. Ela lembra que se trancava no banheiro de sua casa e cometia os ferimentos com uma tesoura. A mutilação começou nos braços, e como não sentia dor, ela começou a se ferir cada vez mais forte, até chegar ao ponto de sangrar. Foram anos de muito sofrimento e solidão. Durante esse processo, ela perdeu a mãe, conheceu uma pessoa com quem se relacionou e terminou, culminando ainda mais tristeza e isolamento. Entre uma crise e outra, em 2018, Luna tentou o autoextermínio.

Luna relata que o tratamento dela foi muito tardio, mas começou um acompanhamento psicológico e psiquiátrico, que a medicou corretamente. Ela afirma que não teve o apoio de sua família e isso seria fundamental para todo o processo. “Todo mundo tem vergonha de se automutilar, não existe uma pessoa que se orgulhe em dizer que se automutila, se corta, provoca vômito. Automutilação é muito mais do que você se cortar, é bulimia, anorexia”, desabafa Luna.

A psicóloga explica ainda que os pais nunca devem brigar, bater, culpar ou julgar, ao perceberem os cortes ou tratar o ato como travessura, mas sim oferecer conforto e compreensão. “A família precisa entender que é um problema e que existe tratamento”, pontua.

Emocionada, Luna manda um recado para as pessoas que estão passando por isso:“Eu sei que você não vai acreditar no que eu vou dizer, mas você vai conseguir sair dessa. Não é vergonha nem fraqueza pedir ajuda. Peça, se eu consegui, você também vai conseguir.”

E para concluir, “Procure e ofereça ajuda. Procure profissionais da saúde. Psicólogos e psiquiatras saberão como conduzir o tratamento e oferecer ao adolescente as ferramentas emocionais para enfrentar os problemas da vida e da adolescência com maturidade, sem precisar praticar mais o cutting ou se auto agredir”, reforça Daisimar.

Projeto Borboleta para automutiladores:

O projeto Borboleta para automutiladores foi criado originalmente no ano de 2009 por praticantes de cutting (os automutiladores) que sentiam necessidade em parar, e consideravam-se prontos para enfrentar o desafio. Criado em uma corrente de blogs americanos e não demorou muito a alcançar a maior ferramenta de acesso a jovens sentimentais, intitulada como Tumblr.

Com isso a ideia basicamente é, convencer os jovens a não se automutilarem, pois, através do desenho de uma borboleta em seus pulsos, eles dão nome a ela, e sempre que a pessoa se cortar, ela acaba machucando a pessoa homenageada no desenho.

Fazendo desta forma, a pessoa se motivar através de outra (homenageada) a não se cortar para que não lhe cause nenhum mal. A ideia é relativamente simples, e pode ser mais um aliado na luta contra a prática de automutilação, já que a ideia é fazer com que a pessoa treine / desenvolva seu autocontrole.

As regras são:

1) Quando você sente que quer cortar ou se ferir, com uma caneta ou marcador, desenhe uma borboleta em seu braço ou mão (ou em qualquer outra parte do corpo onde você quer infligir dor / auto ferir);

2) Nomeie a borboleta com o nome de um ente querido ou alguém que realmente quer que você obtenha melhora;

3) Você deve deixar a borboleta desaparecer naturalmente. Não esfregue a parte desenhada, ou aplique produtos que possam remover o desenho;

4) Se você cortar a parte do corpo onde há a borboleta, medite que você a matou. Se você não cortar, ela continua viva e livre! (Lembre-se que esta borboleta representa alguém importante para você);

5) Se você tiver mais de uma borboleta, e se cortar (ou machucar de alguma forma) você matou a todas elas;

6) Outra pessoa pode desenhá-las em você. Estas borboletas são especiais; Cuide bem delas!

7) Se em algum momento você perder o controle, e se cortar, não desista. Recomece todo o programa.
8) Mesmo que você não se corte, sinta-se livre para desenhar uma borboleta para mostrar seu apoio a uma pessoa que pratica o cutting. Se você fizer isso, e nomeá-la, estará ajudando-a (o) a treinar o autocontrole.

*A matéria foi produzida sob a supervisão da jornalista Daniela Reis

1 1416
O afeto e a inclusão são os melhores tratamentos para o autismo

Especialista sugere que estigma em relação às pessoas com autismo tem que ser quebrado e que a educação tem um papel determinante na inserção 

Por: Moisés Martins

De acordo com dados da instituição americana CDC (Center of Deseases Control and Prevention), existe hoje, um caso de autismo para cada 110 pessoas. Dessa forma, estima-se que o Brasil com seus 200 milhões de habitantes, possua cerca de 2 milhões de autistas. Contudo, apesar de numerosos, os milhões de brasileiros autistas ainda sofrem para encontrar tratamento adequado. 

Apesar do transtorno ter uma grande incidência, a síndrome só foi catalogada pela Classificação Internacional de Doenças da Organização Mundial da Saúde OMS) em 1993. A demora na inclusão do autismo neste ranking é reflexo do pouco que se sabe sobre a questão. Ainda nos dias de hoje, o diagnóstico é impreciso, e nem mesmo um exame genético é capaz de afirmar com precisão a ocorrência da síndrome. 

O garoto Miguel Henrique Burmann, de 5 anos, foi diagnosticado com autismo não verbal com  dois anos e três meses. Sua mãe, Manuela Burmann, teve que se habituar à uma nova rotina, pois o menino está de pé todos os dias às seis da manhã para assistir desenho. O tratamento do autismo exige da mãe e do filho, durante a semana, são três visitas à APAE (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais), onde ele é recebido com muito carinho e atenção pela equipe. Lá ele é atendido por diversos especialistas; como fonoaudiólogo fisioterapeuta e psicóloga.

Segundo relato de sua mãe, Miguel não gosta muito de lugares fechados, característica comum do portador de autismo, por isso, a psicóloga inseriu a equoterapia em seu tratamento. A terapia com cavalos ajuda no estímulo e desenvolvimento da mente e do corpo, além de possibilitar que o paciente tenha contato com a natureza. 

O primeiro dia na escolinha foi um desafio, Manuela ficou com bastante receio, pois o fato do filho não falar poderia ser um obstáculo junto com os colegas. Meses mais tarde, ela diz ter acertado em sua escolha e hoje se surpreende com o fato do filho ser apaixonado pelo ambiente escolar. “Não demorou muito, e ele se inseriu nesse universo, já socializa e senta ao lado dos colegas de sala para lanchar. O Miguel sabe o horário de ir para a escolinha”, conta ela bastante entusiasmada.

Outro caso é o do garoto Heithor Gomes, de 6 anos. Ele nasceu com 34 semanas e sua mãe, Luciana Mourão, ficou internada quinze dias antes do seu nascimento, o motivo foi a perda de líquido amniótico. Quando Heithor completou dois anos, em uma consulta com o neurologista veio o diagnóstico: grau dois de autismo e Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH).

O pequeno Heithor tem uma rotina bastante intensa. Ele vai ao fonoaudiólogo, psicopedagoga e terapia ocupacional, e, de três em três meses, o garotinho precisa ir ao neurologista para renovar sua medicação.   “No início, quando Heithor entrou para a escolinha, ele era  bastante agitado, pelo fato de os coleguinhas não entenderem o que ele falava. Com os tratamentos e as medicações, ele passou a socializar e hoje está melhor inserido no grupo de amiguinhos”. contou a mãe.

Com a palavra, a especialista 

A psicóloga Daisimar Sampaio alerta que, ainda que as intervenções para a socialização do autista seja muito difícil, é preciso dar voz às pessoas com esse transtorno, com o intuito de elevar o conhecimento em torno da área de pesquisas. Isso porque ainda há muitas dúvidas e perguntas em torno da síndrome. Nesse sentido, a educação é algo imprescindível no processo.

O autismo é uma síndrome que causa alterações na capacidade de comunicação, um transtorno no desenvolvimento. Os seus sinais aparecem nos três primeiros anos de vida da criança. A síndrome provoca sinais e sintomas como dificuldades na fala, bloqueios na forma de expressar ideias e sentimentos, assim como comportamentos incomuns, como não gostar de interagir, ficar agitado ou repetir movimentos. O autismo pode surgir em pessoas de diferentes idades, habilidades e limitações.

O preconceito que os autistas sofrem, segundo a psicóloga, é um tema recorrente que deve ser avaliado com muito cuidado. É preciso promover a conscientização da sociedade com o objetivo de quebrar a estigmatização que essas pessoas sofrem. 

O comportamento apresentado por pessoas com autismo gera, no imaginário das outras, uma série de equívocos. Mais uma vez, a psicóloga desmistifica a impressão que o senso comum têm em relação aos autistas que não falam. “Não falar não significa não saber. Não falar não significa não sentir”, conclui Daisimar Sampaio referindo-se ao autismo não verbal. 

Durante toda entrevista, a médica ressalta a questão do preconceito que os autistas sofrem por serem diferentes. “ A sociedade não entende que o autista é especial e merece um pouco mais de cuidado e atenção. O preconceito é real e nem sempre é só uma escolha do autista, mas da sociedade de estar preparada para inclusão, nossa sociedade está cada dia mais envenenada pelo preconceito”.  afirmou a especialista

Num caráter mais surreal, Daisimar conclui a entrevista dizendo: “Eles podem entender a alma das pessoas tendo uma grande sintonia com os sentimentos, isso é muito lindo”. 

 

 

*O estagiário escreveu a matéria sob a supervisão da jornalista Daniela Reis