Teatro

Fonte: arquivo pessoal.

Por Ana Clara Souza

Meu primeiro contato com o Teatro foi quando eu tinha oito/nove anos. Assistia novelas e filmes mas não tinha noção que era preciso estudar Teatro para ser uma personagem fictícia dos palco e telinhas, e por isso,  sempre digo que o meu primeiro contato com, essa arte magnífica foi quando interpretei o meu primeiro papel para um público – muito importante ressaltar a palavra público, por que sempre interpretei inúmeras coisas. Porém, eu e meu mundo, de frente ao espelho.

Fonte: arquivo pessoal.

Nessa peça, eu era a protagonista de uma história onde uma criança incompreendida não se sentia pertencente a nenhum lugar. Eu amei interpretar! Mas nada além de uma inquietação momentânea de uma garotinha que sempre amou tudo relacionado à arte. Poucos anos depois, minha turma da escola teria que realizar uma peça para apresentar em um evento. Minha personagem? uma macaca serelepe. Desta vez, eu não era a protagonista, mas minha professora se encantou com a minha intimidade na caracterização de um animal, e sem intenção, começou a plantar uma sementinha cênica na minha cabeça.

No ano seguinte, com os meus 12 anos, novamente precisei fazer outra peça para escola. A escolha do meu grupo foi atualizar a clássica história da Branca de Neve, para ‘A Preta de Neves’. Na nossa cabeça, infanto – juvenil,  era um trocadilho muito dos bons já que morávamos em uma cidade cujo nome é Ribeirão das ‘Neves’, e a intérprete principal era negra. Minha personagem? a versão contemporânea do sujeito que é designado para matar Branca de Neve, mas desiste. Uma empregada/espiã que tenta fazer o mesmo mas que também não consegue. Desde então, tudo mudou. Aquela semente que já germinava nos meus jovens pensamentos, desabrochou com o questionamento de uma outra professora que me perguntou; “Você já pensou em fazer Teatro?”.

De fato nunca tinha pensado, mas a partir dali, só desejava adentrar por esse mundo das representações. Em Fevereiro de 2013, eu era a mais nova estudante de Teatro! Depois de dois anos e seis meses, com 16 anos,  era uma profissional da área com registro no Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões – SATED.

Sem romantizar,  ser Atriz é uma das maiores dádivas da minha passagem por esse mundo. Eu me descubro e descubro o universo. Compreendo e questiono. Provoco sensações e sou provocada. A quinta arte já me ofertou muitos momentos inenarráveis que nunca me imaginaria vivendo, e meu maior sonho como artista, é que outras pessoas pudessem sentir algo semelhante ao que narrei acima.

No Brasil, as artes no geral são negligenciadas e elitizadas. A maioria das pessoas  que escolhem o caminho artístico, não tem apoio. Muitos jovens nunca nem cogitaram a possibilidade de exercer essa profissão. Fui bastante criticada e taxada como louca quando escolhi ir para esse ramo ao ir de encontro com os diversos cursos técnicos ofertados pelo Governo, todos voltados para áreas de Gestão e Negócios, e nenhum com viés artístico. É urgente  o aumento de verbas e políticas públicas, a reformulação do senso comum diante ao mundo artístico, e o reconhecimento e valorização do Teatro, que é uma profissão de respeito e muito digna como todas as outras.

Neste Dia Mundial do Teatro, termino esse texto reforçando a minha gratidão por ter ido de encontro à essa arte, e te faço o convite para ir assistir algum espetáculo teatral, até mesmo na Internet, assim que chegar no ponto de exclamação. Se divirta!

Por Júlia Garcia 

O fim de semana em Belo Horizonte está repleto de eventos para todos os gostos. Confira hoje a agenda que o Contramão separou para você curtir o final de semana.

Sexta

Nesta sexta acontece a final do festival “A Voz da Periferia”, onde os finalistas irão se apresentar ao vivo. Além de curtir os shows, você poderá votar em seu artista preferido. O festival acontece às 19h, na Autêntica, que se localiza na Rua Álvares Maciel, 312 Bairro Santa Efigênia.

Às 20h, no Palácio das Artes, a Orquestra OPUS traz o cantor, ator e compositor Leo Jaime. A apresentação contará com grandes sucessos da carreira do artista e arranjos exclusivos feitos pela Orquestra OPUS. 

Sábado

No sábado, o hip-hop vai tomar conta de BH. Os amantes de rap poderão curtir o Rap Game Festival. Várias atrações confirmadas, como: L7NNON, DJONGA, TASHA & TRACIE, SIDOKA e muito mais. Serão 12 horas de música e o evento acontecerá na esplanada do Mineirão. Os ingressos estão disponíveis no site Show Pass.

E para os amantes de MPB, a capital mineira recebe o cantor e compositor Ivan Lins, com “Quero Falar de Amor”. O show trará grandes sucessos do artista e acontecerá às 21h, no Palácio das Artes, na Avenida Afonso Pena. Os ingressos estão disponíveis no site EVENTIM.

Domingo 

Para os amantes do teatro, o Centro Cultura Sesiminas recebe a comédia “Três Mulheres Altas”. O espetáculo é estrelado por Suely Franco, Deborah Evelyn e Nathalia Dill. A peça começa às 15h, na rua Padre Marinho, 60, Bairro Santa Efigênia. E se você tem interesse em assistir, os ingressos estão disponíveis no Sympla.

E a gente se despede do final de semana com show da banda Skank. A “Turnê da Despedida” circulou por todo o Brasil e no dia 26, os músicos se apresentam no Mineirão. Os últimos ingressos estão disponíveis no site Ticket 360.com

 

Por Júlia Garcia

Nesta sexta acontece a 24º edição da feira Mercado Negro. De 17h às 22h, o evento será no Teatro Espanca, na Rua Aarão Reis, 542 – Centro. A feira é um espaço colaborativo, de força econômica, tradicional e ancestral de diversos itens. Com conversas e reflexões, o repertório musical será repleto de poesia e rap, com a artista Ohana. 

E para os amantes da madrugada, hoje, às 22h no Mineirão, acontece o Klandestine. O evento promete uma lineup de tirar o fôlego, com quatro artistas internacionais do techno e tech house. O evento vai até as 06h de sábado.

Sábado

No sábado, você pode aproveitar para comprar seus looks na Mostra de Brechós Quase Tudo Bazzar – Feira de Brechós do Dia Internacional da Mulher. A Mostra acontece das 10h às 17h, na Rua Professor Raimundo Nonato, 390, Santa Teresa. A entrada é gratuita e além de encontrar diversas roupas, você poderá colaborar  com o desenvolvimento econômico das mulheres empreendedoras.

Depois de garantir seus looks na Mostra de Brechós, você poderá usá-los na Festa I HATE REMIX, especial MILEY E LANA. O evento, que acontece na Casa Sapucaí, será às 20h e contará com a presença da absurda + convidados. A festa é para maiores de 18 anos e aniversariantes de março poderão enviar uma mensagem no insta da @bsurda.

Domingo

Para os amantes de anime, no domingo acontece o Anime Festival. De 13h às 18h, o festival será no ginásio do Colégio Nossa Senhora do Monte Calvário, na Rua dos Aimorés, 3507 – BARRO PRETO. O evento terá diversas atrações e uma programação super divertida.

E para finalizar o final de semana, teremos show da Letrux. A cantora se apresenta a partir das 19h na Autêntica, que fica na Rua Álvares Maciel, 312 – Santa Efigênia. 

 

Em Belo Horizonte, Gabriel Martins vive momento único ao esgotar ingressos da sessão em apenas um dia de distribuição.

Por Ana Clara Souza, Eduarda Boaventura e Pedro Soares

Sessão ‘Marte Um’ no Palácio das Artes. Foto: Vanessa Santos

Na noite da última quinta-feira (29), a sessão de “Marte Um”, longa-metragem de Gabriel Martins, teve ingressos esgotados em apenas um dia de distribuição, sendo um marco histórico na indústria cinematográfica mineira. O evento contou com quase 1500 pessoas, dentre elas o elenco do filme, amantes da 7ª arte e alunos do Centro Universitário Una, universidade onde o diretor do longa estudou.

Após ser aplaudido de pé, o diretor do filme Gabriel Martins, frisou em seu discurso que é muito importante continuar com incentivos públicos para que o cinema brasileiro continue vivo e que as pessoas sigam prestigiando os filmes feitos em solo nacional. Além disso, encerrou dizendo: “Acho que essa sessão aqui não é histórica só para o Marte Um e sim para o cinema mineiro”.

Gabriel Martins e elenco de ‘Marte Um’ no palco do Palácio das Artes. Foto: Vanessa Santos.

Tatiana Carvalho, docente do Centro Universitário Una e também atriz do filme, contemplou pela quarta vez a exibição da obra. Agora, na companhia de seus alunos e com muita emoção, relatou ao jornal sua emoção ao fim da sessão.Nós somos muito colonizados no imaginário, com imagens sobretudo com o cinema e televisão de fora daqui e esse filme, ele joga para gente um espelho, um lugar para gente olhar e se identificar em um primeiro momento, mas também entender as nuances do lugar que a gente mora, da vida que a gente leva. Então, eu acho que isso se reflete em sala de aula? De alguma maneira? Espero que sim! No sentido de fazer com que as pessoas consigam ter esse olhar generoso, amoroso para o lugar que estão”, diz a professora. 

Ao longo da obra, o “jeitinho” mineiro estava presente, seja nos times de futebol, na farinha de joio, no linguajar e sotaque, encantando a plateia que se via na história. Marte Um é um marco para o Brasil, mas tem um carinho especial aos olhos dos mineiros que não estão acostumados com a sua cultura passando em uma tela.   

O longa-metragem disputa uma indicação ao Oscar, na categoria de Melhor Filme Internacional, e a exibição no Palácio das Artes faz parte da campanha “Rumo ao Oscar”.

 

0 773
Campanha de Popularização do Teatro e da Dança movimenta a capital e região metropolitana

A 46ª campanha de popularização do teatro e da dança acontece até o dia 16 de fevereiro

*Por Joyce Oliveira

Ahh… as férias! Uma pausa da correria do dia dia, tempo livre para fazer coisas diferentes, sair da rotina, dar uma relaxada, como não amar as férias?Porém, muitas vezes o baixo orçamento acaba sendo uma pedrinha no sapato de quem quer curtir esse período e a Campanha de Popularização do Teatro e da Dança vêm como uma opção de diversão sem pesar no bolso. Com 150 espetáculos, todos montados por artistas mineiros, a campanha traz ingressos à preços populares que variam entre dez e vinte reais, o que dá margem para fazer uma programação cultural para crianças e adultos até o dia 16 de fevereiro.

A 46ª edição tem como novidade a extensão da campanha para além de Belô. Agora as sessões também acontecem em Betim, Contagem, Confins, Juiz de Fora, Ribeirão das Neves e Sete Lagoas.

Na edição anterior 460 mil pessoas estiveram presentes nos espetáculos oferecidos. Para bater esse público, o Sindicato dos Produtores de Artes Cênicas de Minas Gerais (Sinparc) conta com 52 atrações estreantes e também com a proximidade do carnaval que atrai muitos turistas desde o aquecimento da folia ainda em janeiro.

Com peças para todos os gostos e idades, a programação conta com espetáculos de comédia, dança contemporânea e clássica, drama, infantis, mostras especiais, stand-ups e teatro de rua. Sendo os de humor os mais procurados. O slogan “Você na Campanha” traduz a intenção de atrair ao teatro pessoas que não frequentam espaços culturais e divulgar artistas e produções mineiras não só no período da campanha, mas durante todo o ano.

As montagens agradam o público, um exemplo é a peça veterana Um Espírito Baixou Em Mim, do ator e diretor Maurício Canguçu que está em cartaz e detém a maior bilheteria do evento há 21 anos. O artista também está envolvido em mais três peças desta edição.

Como comprar 

Os valores de dez e vinte reais são válidos apenas para as compras nos postos Sinparc e na internet. Nas bilheterias dos teatros, são cobrados os valores integrais dos ingressos. Na internet você compra no site https://www.vaaoteatromg.com.br/  ou no aplicativo Vá ao Teatro, com pagamentos somente no cartão. Nos postos oficiais é possível adquirir os ingressos com dinheiro e cartão de débito. O posto do Shopping Cidade também aceita Dotz e Vale Cultura.

Qualquer dúvida basta entrar em contato no (31) 25517758 de segunda a sábado das 10h às 19h, e aos domingos até às 18h. As dúvidas sobre vendas on-line podem ser esclarecidas no [email protected]

Aqui você encontra o guia de toda a programação: https://www.vaaoteatromg.com.br/files/7da1c16303feda6ee936236746badb46.pdf

Você pode comprar também nos postos físicos oficiais:

Belo Horizonte

  • Posto Mercado das Flores (avenida Afonso Pena, 1055, esquina com Rua da Bahia, centro)

Seg a Sáb das 10h às 19h, Dom das 10h às 18h.

  • Posto Shopping Cidade (rua Tupis, 337, G5, centro)

Seg a Sáb das 10h às 19h, Dom das 10h às 18h.

  • Posto Shopping Pátio Savassi (Av. do Contorno, 6.061, Piso L3, Funcionários)

Seg a Sáb das 12h às 19h, Dom das 14h às 18h

  • Posto Shopping Estação BH (avenida Cristiano Machado, 11.833, Piso 2, Venda Nova)

Seg a Sáb das 12h às 19h, Dom das 14h às 18h

  • Posto Shopping Oiapoque BH (avenida Oiapoque, 156, Piso 2, Box J106, centro)

Seg a Sáb das 10h às 19h, Dom das 09h às 15h

Betim

  • Posto Partage Shopping Betim (rodovia Fernão Dias, KM 492, 601, 3º Piso)

Seg a Sáb das 12h às 19h , Dom das 14h às 18h

Contagem

  • Posto ItaúPower Shopping (avenida General David Sarnoff, 5160, 2º piso, Cidade Industrial)

Seg a Sáb das 12h às 19h, Dom das 14h às 18h

  • Posto Shopping Oiapoque Contagem (Térreo- Box 275) (rua Mario vital, 168, Térreo, Box 275, Eldorado)

Seg a Sáb das 10h às 19h, Dom das 09h às 15h

 

  • A matéria foi realizada sob a supervisão da jornalista Daniela Reis

0 1617
Foto: José Sérgio

A peça fica em cartaz até dia 19 de dezembro com entrada franca

  • Por: Italo Charles

Transitar entre o individual e o coletivo, transmitindo pensamentos sobre modos de existência, levando ao público uma parcela de desconstrução e referências do que permeia na cidade de Belo Horizonte, possibilitou a criação  de “Vinte”, peça encenada pelos alunos formandos do 3ª ano do curso Técnico em Teatro do Centro de Formação Artística e Tecnológica (Cefart).

 

Dirigida por Márcio Abreu, diretor da Companhia Brasileira de Teatro, e com os diretores assistentes Lydia Del Picchia e Rafael Bacelar, a obra apresenta aos espectadores um aclamo à sociedade que se desenvolve a partir de movimentos do mundo atual.

 

O processo de construção do espetáculo surgiu de forma orgânica após o convite dos formandos à Márcio em 2018. “Partimos de dois princípios, investigar as impossibilidades e a partilha, como um campo possível de convivência, de pensamentos a respeito do que é comum dentro de uma experiência artística quanto pública, na dimensão que isso se dá nas nossas relações sociais”, comentou Tomás Sarquis.

 

De acordo com Rafael Bacelar os atores foram divididos em núcleos e participaram de todo processo. “Os alunos estiveram presente desde a elaboração e construção dos textos que se deu de forma individual e coletiva até a execução do espetáculo no palco”. Para o ator Davds Lacerda a divisão da turma em núcleos foi uma oportunidade muito rica de estar imerso no trabalho para além da atuação. “Participei do núcleo de produção por pedido meu, por interesse na área e foi uma experiência muito interessante”, completa.

 

Já o ator Arthur Barbosa participou do núcleo de cenografia e afirma: “Em primeiro momento fiquei em dúvida entre dois núcleos, o de cenografia e figurino. Mas por ter muito interesse na área de cenografia e já ter formação em Edificações, o Márcio sugeriu que eu ficasse no de cenografia”.

 

Encenado por vinte atores e atrizes, a montagem tem início no exterior do Teatro. Uma performance dá vida a primeira cena interpretada por Arthur, nela os espectadores são convidados a percorrerem um trajeto com destino ao Palácio das Artes. “O texto dessa cena partiu de um pedido do Tomás Sarquis (participante do núcleo de dramaturgia), como um exercício. Fiquei responsável por inserir o meu contexto diário dentro do trajeto, brincando com a questão de existir tantos palácios, porque nossa turma sempre esteve conectada com Palácios”,  comentou Arthur.

 

Já no interior do Teatro, as luzes se apagam e uma voz surge, “ouve, ouve  o rumor?”, uma súplica à sociedade sobre o que está acontecendo ali dentro e lá fora. Marcados pelo espaço e tempo, as cenas partem da particularidade  para multidão. Fragmentos da dança, música e performance tomam conta do palco.

 

Repleto de cenas reflexivas, a montagem leva ao público o contexto da nudez como quebra de paradigmas. A cena em que o ator Davds aparece nu sobre uma bicicleta durante a fala de Vinny sá, leva a plateia uma experiência de observação. “Acho que a imagem gerada nessa cena é muito bonita. Me instiga a forma como o teatro traz a nudez para um lugar de naturalidade, são apenas corpos, como o meu e o seu, é importante ao meu ver, que saibamos observá-los com naturalidade e respeito”, comentou Davds.

 

A partir de uma cartografia de Belo horizonte, com mapas, ruas e histórias ocultas a cena central acontece. Segundo Tomás, “A passagem pode representar três críticas”. Marcado por grandes acontecimentos da cidade, a cena é narrada por seus moradores contando as histórias não oficiais.

 

“Silêncio por favor, enquanto esqueço um pouco a dor no peito”, trecho da música “Para ver as meninas de Marisa Monte”, marca a passagem em uma das cenas finais, com o desejo que o público ouça o que está acontecendo no contexto atual.

 

Serviço

 

A peça fica em cartaz até o dia 19 de dezembro. Sendo terça, quarta e quinta às 20h, na Sala João Ceschiatti – Palácio das Artes

A entrada é franca, com retirada de ingresso uma hora antes do espetáculo.

*A matéria foi realizada sob a supervisão da jornalista Daniela Reis