Una

0 40

Hoje comemoramos o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa e para marcar essa data deixamos aqui o manifesto do curso de Jornalismo da Una, escrito pela professora Carla Maia. O texto também se transformou em vídeo gravado por alunos e ex-alunos, confira no link.

Manifesto 

“Liberdade, essa palavra que o sonho humano alimenta, que não há ninguém que explique e ninguém que não entenda”

Liberdade, essa palavra com a qual levantamos nossa bandeira. Ainda que tardia, ainda que árdua, ainda que arda, ainda que soe como ameaça para os senhores que nos querem escravos, é a liberdade que buscamos, é por ela que trabalhamos.
Trabalhamos pelo direito à liberdade de expressão, de informação, de ir e vir. Liberdade para emitir opinião e – por que não? – para mudar de opinião. Pois é livre aquele que sabe confrontar as ideias falsas com as palavras justas.

Liberdade para buscar os fatos e comunicá-los com senso de justiça. Liberdade para ir contra tudo e todos que ameaçam o direito à vida, à dignidade e à equidade.
Liberdade para investigar o passado, mapear nossos erros e assim projetar outro futuro. Liberdade para assumir responsabilidade e arcar com as consequências de nossas escolhas.
Assumimos, nesse dia que celebra a profissão que escolhemos, o compromisso de usar nossa liberdade a favor de uma sociedade menos fundada em equívocos e, por isso, com chance maior de acertos.

Mobilizamos a força de nossa ação contra tudo que limita nosso direito de pensar em voz alta, nosso direito de ser livres ao exercer nossa capacidade crítica e reflexiva.
Selamos um pacto com todos que resistem à ignorância e à alienação, todos que não desistem de pensar e de criar, livre e coletivamente.

Porque é isso, ser jornalista: um exercício de honra aos direitos humanos fundamentais.
Liberdade é a nossa praça, é nossa praia. É nosso território afetivo e inventivo. É onde podemos nos encontrar para celebrar nossa existência em comum.
Somos jornalistas pela Liberdade e cá estamos para desejar, a todos que nos acompanham, dias melhores.

0 88

Por Bianca Morais 

Hoje, 23 de abril, é Dia Nacional da Educação de Surdos. A data especial foi criada para celebrar as lutas e conquistas da comunidade surda na área da educação. No Brasil, o Instituto Nacional de Educação de Surdos (INES) é referência na área da surdez, desde o ensino a surdos até a sua atuação com ações de inclusão social. 

Conhecida como Libras, a Língua Brasileira de Sinais, é a forma utilizada por pessoas surdas e ouvintes, e está diretamente ligada a movimentos e expressões faciais para ser entendida. 

A Libras foi reconhecida como língua em 2002. Ela possui suas regras, é um conjunto organizado de sons e gestos que um grupo usa para se comunicar, um sistema que tem estruturas, sintaxe, semântica e pragmática próprias e bem definidas. Os sinais substituem as palavras de uma língua de modalidade oral auditiva.

Cada país possui sua própria língua de sinais, em todo o mundo existem mais de 200 línguas de sinais e cada uma tem suas específicas normas.

A história da educação para surdos

A comunicação com as mãos é uma realidade bem antiga, desde o tempo da pré-história, nossos ancestrais utilizavam-se delas para se comunicar. Com a evolução, as mãos passaram a ficar ocupadas com o manuseio de ferramentas para produção de ofícios, e por isso, a conversação passou a ser feita de forma oral, o que acabou por excluir aqueles que não conseguiam escutar.  

Por não conseguirem ouvir também não aprenderam a falar, dessa forma os surdos foram excluídos em vários momentos da história. Na Grécia Antiga, Roma Antiga e na Idade Média, eles perdiam seus direitos, eram considerados seres humanos incompetentes e sem conhecimento. Para a Igreja Católica a alma deles não era imortal, pois não podiam falar os sacramentos. 

Foi apenas na Idade Moderna que apareceu o primeiro professor de surdos, Pedro Ponce de León, um monge beneditino, nascido na Espanha, foi um dos pioneiros na educação dos surdos e mostrou ao mundo que eles eram capazes sim de aprender. 

Anos mais tarde aparece Charles Michel de l’Epée, conhecido como o pai dos surdos, mostrou que os deficientes auditivos eram cidadãos com pleno direitos na sociedade. O francês se dedicou à educação deles com o principal objetivo de poder ensiná-los princípios do cristianismo. Especialistas no assunto, afirmam que ele foi o primeiro a criar um alfabeto de sinais para alfabetizar os surdos e o utilizou para ensinar seus alunos em uma escola criada por ele em 1755.

A língua de sinais francesa, desenvolvida por l’Epée, teve grande influência na criação da brasileira, a libra foi criada por outro francês com base no método de Charles. Ernest Huet, nasceu em uma família nobre na França e teve acesso a uma excelente educação. Aos 12 anos teve sarampo e como consequência da doença perdeu sua audição e entrou para o Instituto Nacional de Surdos de Paris, após anos de envolvimento com os estudos, Huet se tornou professor.

Por seu admirável trabalho na educação de surdos, em 1855, a convite de Dom Pedro II, Ernest Huet veio para o Brasil e trouxe consigo o sistema francês de educação que ajudou a criar a primeira escola para surdos do país. O nomeado Imperial Instituto Nacional de Surdos Mudos, foi fundado no Rio de Janeiro em 1857, e com Huet a frente, educou milhares de surdos. Atualmente a escola criada por Huet, é o conhecido Instituto Nacional de Educação dos Surdos. 

A língua de sinais, desde sua criação, sofreu muitas retaliações, uma vez que antigamente se acreditava na cura da surdez. Para muitos a educação dos surdos deveria ser por meio da oralização, por isso, em 1880, uma conferência internacional de educadores, o Congresso de Milão, determinou a proibição do uso de sinais na educação de surdos na Europa. Em 1911, a escola criada por Huet, decidiu adotar a determinação do Congresso e estabeleceu que o “oralismo puro” deveria ser a única forma de educação dos surdos no país.  

O Congresso de Milão foi considerado uma grande opressão sofrida mundialmente pela comunidade surda, ali eles perderam o direito de se comunicar da forma que desejavam com o uso das línguas gestuais. Aquele congresso foi organizado por um grupo de pessoas que eram contra o uso da língua de sinais e todos ali presentes foram selecionados para garantir que o oralismo vencesse. Esse episódio foi apenas mais um na incansável luta dos surdos contra os preconceitos e a opressão. 

A educação hoje é um direito de todos, porém isso apenas ficou estabelecido na Constituição de 1988. Foi através de muita batalha e ao longo de anos usando a língua de sinais de forma clandestina, que a comunidade surda alcançou essa primeira conquista de inclusão por parte do governo. Posteriormente outros avanços aconteceram por meio da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional de 1996 e de 2000. A Libra, no entanto, só foi reconhecida como língua em 2002 pela Lei n°10.436 que determinou que:

Art. 1º É reconhecida como meio legal de comunicação e expressão a Língua Brasileira de Sinais – Libras e outros recursos de expressão a ela associados.

Parágrafo único. Entende-se como Língua Brasileira de Sinais – Libras a forma de comunicação e expressão, em que o sistema linguístico de natureza visual-motora, com estrutura gramatical própria, constituem um sistema linguístico de transmissão de ideias e fatos, oriundos de comunidades de pessoas surdas do Brasil.

A lei também coloca como dever do governo e órgãos públicos apoiar e difundir a libra.

A regulamentação ocorreu em 2005, quando um decreto presidencial incluiu a inserção de Libras como disciplina curricular obrigatória nos cursos de formação de professores para o exercício dos magistérios médio e superior. 

Segundo o IBGE, no Brasil, existem cerca de 10 milhões de pessoas com surdez. Vale lembrar que a surdez tem graus diferentes sendo eles: leve, moderado, severo e profundo. 

Pensando sempre no lema de transformar o país pela educação, que o Centro Universitário Una, instituição reconhecida por seus projetos de inserção social, conta com Núcleo de Apoio Psicopedagógico e Inclusão – NAPI, entre os suportes que ele oferece está a inclusão de deficientes auditivos. Conheça o projeto

O NAPI

Em funcionamento desde 2011, o NAPI (Núcleo de Apoio Psicopedagógico e Inclusão) tem como base o compromisso da Una com a formação integral e humanista de seus estudantes, pautada na visão institucional de acolhimento das pessoas.

O núcleo é um espaço que oferece suporte psicopedagógico de intervenção e prevenção nos processos cognitivos, emocionais, sociais, culturais e pedagógicos do aluno, e atuam sobre os múltiplos fatores que possam intervir em seu desenvolvimento integral e nas questões ligadas à aprendizagem. O NAPI também é o apoio às pessoas com deficiência e/ou com transtornos que afetam o conhecimento, nestes casos, são realizados acompanhamentos periódicos, articulações com setores, professores e coordenadores, que promovem de forma individual de acordo com as necessidades de cada sujeito.

Através de estudos, os membros do NAPI entendem as demandas e necessidades por parte dos alunos e oferecem suporte para a superação dessas dificuldades para que o estudante possa ter um melhor aproveitamento acadêmico e equidade no quesito ensino-aprendizagem, tudo isso leva em consideração o histórico do estudante e as variáveis pessoais, curriculares e organizacionais. 

Em busca de uma inclusão para os alunos com deficiência auditiva, o núcleo fornece o AEE – Atendimento Educacional Especializado, com acompanhamento de intérpretes diretamente aos alunos em sala de aula. Como vimos até aqui, durante toda sua trajetória dentro do sistema de educação, os surdos sempre sofreram um abandono, a Una então cumpre seu papel como instituição de ensino ao inserir esse público, disponibilizando o profissional tradutor intérprete nas aulas, palestras, vídeos institucionais e em qualquer outro espaço que o aluno demandar dentro da instituição, como biblioteca, coordenação de cursos e áreas de atendimento ao aluno.

Além disso, a Una oferece a disciplina de LIBRAS em cursos de licenciatura e de forma optativa nos cursos de bacharelado e tecnólogos, e o NAPI oferta cursos de extensão de LIBRAS para colaboradores, estudantes e comunidade em geral.

Welder Rodrigo, é líder do Núcleo de Apoio Psicopedagógico e Inclusão e acredita muito no compromisso que o lugar promove. “O NAPI já proporcionou a inúmeros alunos a alcançar seus projetos de vida, o grande sonho de uma graduação ou uma nova profissão, por meio dos acolhimentos, oficinas e os atendimentos educacionais especializados a estudantes com ou não deficiência”, diz ele. 

Fora o núcleo, o NAPI possui um projeto mensal chamado “NAPI Olhares Múltiplos” que tem como objetivo discutir, em forma de seminário, assuntos tanto relacionados à UNA como presentes na sociedade. Normalmente esses eventos são amplamente divulgados dentro da universidade e abertos à comunidade. Nos últimos dois seminários foram discutidos os temas “O protagonismo do estudante Autista, Down e Surdo no ensino superior” e “Discriminação Racial”, ambos com bastante engajamento.

Recentemente o núcleo também passou a oferecer oficinas com o objetivo de aprimorar os conhecimentos dos alunos. Essas oficinas são discussões abertas sobre métodos de estudos, como gerenciar o tempo, oratória e estilos de aprendizagem, é uma troca de conhecimentos e técnicas entre os próprios alunos e o NAPI. 

Os atendimentos do NAPI são realizados com hora marcada individualmente ou em grupos. Durante a  pandemia, porém, esses encontros presenciais foram suspensos, o recurso das aulas online fez com que o núcleo precisasse se adaptar e desenvolver novos métodos de atendimentos para que mesmo de longe pudessem oferecer uma assistência de qualidade. Durante as aulas, os acompanhamentos continuam, mesmo que através de mensagens para a compreensão do aluno. Os demais auxílios, como organização de cronograma, é marcado um horário na semana para uma conversa e fazer o acompanhamento psicopedagógico. O núcleo entra em contato com alguns desses alunos após algum tempo de ajuda para acompanhar como foi para eles essa experiência.

O NAPI oferece ao estudante da Una um espaço de escuta e acolhimento, ele ajuda a promover a elevação da autoestima, da autoconfiança e maturidade do aluno, necessárias ao seu desenvolvimento acadêmico, buscando despertar o potencial motivacional, criativo e cooperativo dos mesmos.

Os intérpretes 

 

maria Evaristo – interprete de libras

Marina Evaristo dos Santos, 30 anos, é intérprete no NAPI – Núcleo de Apoio Psicopedagógico e Inclusão, em entrevista ao Jornal Contramão compartilhou um pouco de sua experiência e vivência na área. 

  • Qual o papel de um intérprete na educação dos surdos?

O papel do intérprete na educação dos estudantes surdos é mediar a informação entre o professor e o aluno. Auxiliar na tradução dos textos na língua portuguesa para LIBRAS. A primeira língua dos surdos é a língua de sinais e a segunda língua é o português em sua modalidade escrita.

  •  Quais as principais dificuldades da inclusão de pessoas surdas nas universidades? 

 – A ausência de materiais adaptados para os estudantes surdos,

 – Escrita acadêmica ( a primeira língua do sujeito surdo é a Libras e o português em sua modalidade escrita como segunda língua. O letramento acadêmico que envolve os gêneros secundários (trabalhos de conclusão de curso, relatórios, provas, livros didáticos) são mais difíceis para os surdos por não possuir uma adaptação em Libras,pensando o intérprete como tecnologia assistiva.

 – Normalmente os TILS ( Tradutor/intérprete de Língua de Sinais) não são formados na área em que o estudante surdo estuda.

  • Qual o maior desafio para a educação de surdos?

 O maior desafio na educação dos estudantes surdos é a inclusão linguística dentro da sala de aula, na maioria das vezes os estudante surdo necessita do intérprete para ser incluído. É preciso que as instituições de ensino promovam cursos de Libras para os funcionários ouvintes, para que os estudantes surdos sejam incluídos linguísticamente.

  •  Qual a importância que você como intérprete enxerga na educação de surdos?

O profissional intérprete de Libras é importante para a inclusão linguística dos estudantes surdos, ele é o mediador entre o estudante surdo, os professores e também os colegas de sala.  

  • Quais medidas você acha que poderiam ser tomadas para uma maior inclusão dos surdos no meio acadêmico?

– Poderiam ampliar a acessibilidade em Libras dos materiais didáticos

– Promover cursos de Libras para o público interno e externo da faculdade

– Aulas com recursos visuais para facilitar a compreensão dos conteúdos

  • Sobre o NAPI – Núcleo de Apoio Psicopedagógico e Inclusão, qual a importância de um núcleo como esse em uma faculdade para o público com deficiência auditiva?

O NAPI é muito importante na inclusão dos estudantes surdos, porque  o NAPI oferece o intérprete de Libras para estudantes surdos que são usuários da língua de sinais e também o intérprete repetidor para estudantes surdos que são usuários da leitura labial.O NAPI oferece cursos de Libras para alunos, professores e os demais funcionários, promovendo assim a inclusão linguística para estudantes e funcionários surdos.     

Nesse dia tão importante de reconhecimento pelos surdos que ao longo da história correram atrás de reconhecimento e aceitação pelo direito de ensinar e aprender, é relevante ressaltar que muitos surdos ainda não têm acesso à educação, muitos até pelo medo do desconhecido. Muitos pais deixam de levar seus filhos com deficiência auditiva à escola, por se sentirem inseguros sobre a inserção dos seus filhos nelas, e muitas vezes até porque essas escolas não oferecem a estrutura adequada para os receberem. 

São muitos anos de luta que ainda não acabaram, é necessário mudança e é indispensável que seja para agora, a inclusão educacional de pessoas com surdez pede pressa, pois essas pessoas não podem mais esperar. Educação para todos, e para agora.

 

*Edição: Daniela Reis

0 122

Por Bianca Morais

Desde o ano passado, o mundo enfrenta dias muito difíceis com a pandemia do coronavírus. Isolamento social, desemprego, dificuldades financeiras, são apenas alguns dos vários problemas que atingem a população. O fechamento de espaços de convívio público como parques, praças e shoppings, com o objetivo de evitar aglomerações, que é uma das principais formas de contágio do vírus, tem afetado e muito a saúde mental das pessoas. 

O Centro Universitário Una, além de ser uma instituição de ensino, carrega também certas responsabilidades sociais como a de promover ações para a cidade onde se localiza o campus. Levando em conta esse momento que passamos e como uma forma de levar um pouco de alegria e diversão a população, a Una Itumbiara criou o Cine Drive. Um evento gratuito para os moradores da cidade e arredores, que promoveu não apenas divertimento, como saúde e bem-estar, nesse período tão complicado.

O Cine Drive aconteceu no dia 26 de agosto de 2020 e exibiu duas sessões de filmes, uma infantil com o Rei Leão, e outra adulta com Minha Mãe é Uma Peça 3. A ideia do evento partiu da liderança comercial da Una Itumbiara, Mariella Alves, junto com o coordenador e professor do curso de engenharias, Gesmar Junior, que desenharam a ação e levaram até a gerente do campus Erika Costa e juntos criaram estratégias para fazer o Cine Drive.  

Segundo a gerente da unidade, Erika Costa, a Una chegou a cidade de Itumbiara com o propósito de transformar a vida pela educação, mas também com propostas de ações para a comunidade. “Seja de entretenimento, voltada para a área da saúde, para a parte de agrárias, e outras áreas as quais tem curso na cidade, a gente está sempre promovendo ações que favoreçam nossa comunidade de alguma forma.”, diz ela. 

A instituição conseguiu movimentar a cidade de Itumbiara, a prefeitura local aceitou a parceria e concedeu o estacionamento onde foi feita a exibição dos filmes. O lugar foi todo demarcado com um propósito de distanciamento entre os veículos, ainda com o apoio da prefeitura, foi proibido ambulantes e vendas fora dos automóveis para evitar aglomeração fora dos veículos. 

Os ingressos foram adquiridos de forma online e retirados dias antes do evento, com horário marcado. Os patrocinadores do Cine Drive se uniram e criaram um kit cinema que continha um balde de pipoca e squeeze, para chegarem equipados ao evento, e o mais importante, sem precisar sair do carro. 

Os cidadãos de Itumbiara ficaram muito felizes com o evento que proporcionou uma experiência incrível, diversão e a quebra da rotina do isolamento. O Cine Drive, conseguiu reunir com todas as medidas de cuidado e segurança divulgadas pela OMS, 450 carros e cerca de 1500 pessoas em um único dia.

A prática do cine drive-in, muito famosa antigamente, principalmente na década de 70, e com a pandemia e a necessidade de distanciamento social retornou ao Brasil. Ao cinema muita gente já foi, agora a experiência de drive in para muitos ali presentes deu-se pela primeira vez. Dentro do carro o áudio dos filmes eram sintonizados pela rádio via FM, os espectadores viam o longa na tela gigante e vivenciava o som dentro do veículo, com certeza uma experiência única para quem esteve presente.

A iniciativa da faculdade Una cumpriu seu papel social como instituição de ensino e levou à comunidade uma oportunidade de lazer com segurança, em um período que muitos anseiam por isso de distrair a cabeça, bem-estar físico e mental. 

*Edição: Daniela Reis

0 81

Por Bianca Morais 

O Lumiar, Festival Interamericano de Cinema Universitário, é uma atividade de extensão realizada pelos professores e alunos do curso de Cinema e Audiovisual do Centro Universitário Una e recebe produções cinematográficas de todos os países da América. 

O evento começou em 2014, idealizado pela coordenação do curso e realizado pelos alunos. A primeira professora a produzir o Lumiar foi a Úrsula Rosele, que participou ativamente na curadoria de todas as sete edições do evento. 

O Lumiar sempre aconteceu de forma aberta ao público amante do cinema, no Cine Humberto Mauro (Palácio das Artes), sendo uma parceria do curso com o espaço. Em sua última edição, no entanto,  devido à pandemia do Covid-19, o evento aconteceu pela sua primeira vez de forma online. Apesar do festival ser produzido pela Una, ele não é focado apenas nos estudantes. Desde o seu início, em 2014, ele cresceu de maneira enriquecedora e hoje alcança o grande público.

O festival conta com uma premiação, sendo assim, estudantes de toda a América podem concorrer enviando seus filmes. O edital do evento, geralmente, permite o envio de um curta metragem com qualquer gênero, formato e temática, esses curtas são avaliados por uma comissão formada por professores e alunos que selecionam os finalistas que serão exibidos na mostra competitiva.

Antes da pandemia, quando o evento acontecia de forma presencial, os filmes finalistas eram analisados pelo Júri Oficial e pelo público presente que também recebia cédulas para votar, infelizmente com o formato online o voto popular acabou sendo extinguido. 

Além da mostra competitiva, o Lumiar também apresenta uma programação extensa que inclui palestras, oficinas, cursos, bate-papos, shows, entre outros. Conheça a seguir um pouco das edições anteriores do festival.

Lumiar 2014

Em sua primeira edição, o festival aconteceu entre os dias 3 a 8 de novembro e recebeu filmes de 6 países diferentes: Brasil, Cuba, Argentina, Colômbia, Uruguai e Estados Unidos.

Os filmes foram exibidos no Cine Humberto Mauro e a programação teve uma palestra sobre o Cinema Universitário brasileiro, ministrada pelo assessor internacional da Ancine, Eduardo Valente, debate sobre Os desafios do ensino de cinema e três oficinas.

 

Lumiar 2015

Na segunda edição, que aconteceu entre os dias 6 e 12 de novembro, o festival contou com um total de 148 inscrições de filmes universitários vindos de instituições da Argentina, Canadá, Colômbia, Equador e Estados Unidos. Do Brasil tiveram curtas de Alagoas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, São Paulo, Santa Catarina, Sergipe e do Distrito Federal. A programação mais uma vez incluiu palestras, debates e oficinas. 

 

Lumiar 2016

A terceira edição do evento abordou o tema “Mulheres no Cinema”. Organizado pelas professoras Mariana Mól e Ursula Rosele, o evento discutiu questões importantes como os espaços, as preocupações e as perspectivas das mulheres no cinema. Ao todo, 248 curtas-metragens foram inscritos para a Mostra Competitiva Interamericana e 37 selecionados para a final. 

 

Lumiar 2017

O quarto Lumiar teve início com todos os ingressos para a primeira sessão esgotados. O filme exibido foi “Esfera Máxima”, de Marcos Assunção, vencedor do 3°edital Lumiar de Apoio à produção de curta-metragem, promovido pelo curso de Cinema e Audiovisual da Una. Após a exibição teve um bate-papo com a equipe de direção do filme. Neste ano, o festival homenageou o produtor executivo João Vieira Jr.

 

Lumiar 2018

Em 2018, a quinta edição do Lumiar teve o tema “Verbo Político”. O assunto abriu uma discussão sobre as diversas formas de atuação política que envolvem nosso cotidiano e discutiu como o cinema e audiovisual tem respondido à conjuntura política dos últimos anos e quais serão as possibilidades de atuação e efetividade dessas ações. A programação envolvendo conversas, mostras, debates e sessões de filmes aconteceu no Cine Humberto Mauro e no Campus Liberdade, a festa de encerramento aconteceu no Zona Last.

 

Lumiar 2019

A sexta edição do festival apresentou a temática “Cinema e Teatro: Diálogos Contemporaneos”. A ideia foi refletir sobre as relações contemporâneas entre o cinema e o teatro, tanto do ponto das obras, quanto em relação aos processos criativos. Durante toda a semana do Lumiar, houve convergências entre cinema e teatro, tanto nas exibições de filmes, como nos debates e bate papos.

 

Lumiar 2020

A última edição do Lumiar aconteceu pela primeira vez de forma online por conta da pandemia. O tema foi “Estado de contingência” relacionado a esse momento de incertezas. A Mostra Competitiva contou com 23 curtas vindos do Brasil, México, Peru, Colômbia, Cuba e Argentina. A programação foi bem diversificada com debates, mesas de bate papo e lançamento de livro. 

A sétima edição do Lumiar teve também uma sessão de Filmes no Isolamento, que foram produzidos exclusivamente pelos alunos do curso de Cinema e Audiovisual da Una. Inicialmente o evento aconteceria no mês de maio de 2020, porém a programação foi interrompida por conta da pandemia. Todos os filmes que participaram da Mostra Competitiva eram de 2019 e 2020 e foram recebidos pelo Júri até fevereiro, por isso, eles não retratam a situação de isolamento.

Quando a produção do Lumiar voltou em agosto, sentiu-se a necessidade de falar desse momento em que vivemos. Um edital especial foi aberto para os alunos enviarem suas produções feitas nesse tempo. Foram selecionados seis filmes para a exibição.

Desde que começou em 2014, o Lumiar vem sendo um grande incentivo aos alunos de Cinema e Audiovisual, não apenas do Centro Universitário Una, como de toda a América, a colocar a mão na massa e produzir seus filmes. A Una sempre motivou seus estudantes a produzirem, a estrutura do Campus Liberdade, onde é ministrado o curso, disponibiliza para eles todo o equipamento necessário para a criação, eles ainda contam com o apoio da produtora Dígito Zero, do estúdio e dos professores sempre dispostos a ajudar. Não é para menos que atualmente o Lumiar é um festival de cinema conhecido muito além do Brasil, tudo isso é graças ao esforço e bom trabalho de toda equipe docente e discente que levaram seu nome e popularidade para fora do país.

0 99

  Por Bianca Morais 

Hoje a série especial do sexagenário do Centro Universitário apresenta a Clínica Integrada de Atenção à Saúde, que é um projeto da instituição que oferece ao aluno a oportunidade de ampliar o aprendizado através de serviços importantes à comunidade, dando assistência estética, farmacêutica, nutricional e psicológica.Os estudantes dos cursos, sob orientação e acompanhamento dos professores, prestam em forma de estágio, atendimentos gratuitos para a população carente e aos alunos e colaboradores da Una e do Grupo Ânima. 

Projetos como esse são de suma importância para o aprendizado dos alunos, pois contribuem para a formação, além de oferecer gratuitamente serviços à comunidade local, exercendo prática na assistência aos indivíduos e em contato direto com o  mercado de trabalho. 

 Devido à pandemia, atualmente alguns desses atendimentos têm sido de modo remoto, e pela primeira vez, está recebendo pacientes de outros estados e países. Para a comunidade essa experiência tem sido uma oportunidade ímpar de manter os cuidados com a saúde e tratar de certas enfermidades sem precisar correr o risco de quebrar o isolamento social e se contaminar com o COVID-19. Para os acadêmicos, uma vantagem para a prática do atendimento ao paciente de forma individual e coletiva.

Atendimento Estético

A Clínica de Estética oferece atendimentos faciais, como limpeza de pele, revitalização, tratamentos específicos de manchas, acne e cicatrizes, rejuvenescimento e drenagem facial. Já a carta de atendimentos corporais, inclui: massagem modeladora e relaxante, drenagem linfática, tratamentos específicos para gordura localizada, celulite, flacidez e estria. Todos esses tratamentos são realizados mediante uma anamnese (entrevista ao paciente) e adequação de procedimentos para cada disfunção estética de forma individualizada em cada paciente.

Os atendimentos são oferecidos pelos alunos do curso de Estética, com alunos a partir do 2° período, a todos aqueles que queiram cuidar mais da sua saúde, realçar sua beleza e aumentar sua autoestima. Os tratamentos oferecidos tem um custo simbólico de R$10,00 por atendimento e em média, quando funcionando, são realizados 450 atendimentos a cada 50 pacientes ao longo de um semestre.

Com os atendimentos realizados na clínica de estética, o aluno entende como é feito a avaliação e o plano de tratamento para cada disfunção, podendo ser facial e/ou corporal, ele aprende a habilidade de trabalhar em equipe, a realizar a gestão do seu tempo e se capacitar para ser um profissional de excelência.

Durante a pandemia os atendimentos da área de estética foram suspensos, porém em breve, com segurança, irão retornar. 

Atendimento Farmácia

A Clínica Escola de Farmácia possui como base o cuidado farmacêutico centrado no paciente de forma humanizada, e apresenta-se como uma importante prática clínica, capaz de atender às necessidades do indivíduo com relação à terapia farmacológica e não farmacológica.

Alunos, a partir do sétimo período, já podem colocar em prática o que foi trabalhado em sala de aula. A clínica também abre vagas para alunos ouvintes, o que possibilita ao acadêmico experimentar a rotina desta área desde o primeiro período do curso.

Na clínica os alunos acompanham a preceptora em atendimentos reais a pacientes, discutindo conjuntamente quais as melhores condutas a serem tomadas. Entre os conteúdos abordados estão: a comunicação na condução de entrevistas e na interação com os demais profissionais de saúde; o desenvolvimento de empatia e atendimento humanizado, as estratégias para interpretação de dados clínicos, fundamentais para a tomada de decisão; intervenção e contribuição na prescrição médica para a obtenção de resultados clínicos positivos, melhorando a qualidade de vida dos pacientes; a prescrição farmacêutica e a construção de registros. Durante o estágio, o foco é buscar a utilização correta e segura dos medicamentos, sempre atentos aos aspectos éticos e legais pertinentes à prática. 

Durante a pandemia, os atendimentos funcionaram por teleatendimento por meio do Programa Núcleo de Atenção à Saúde do Idoso em conjunto com os acadêmicos do curso de medicina até 2020/2. Entretanto, no momento estão suspensos. 

Atendimento nutrição: 

Os acadêmicos de nutrição atuam no campo de Nutrição Social e Clínica, os futuros nutricionistas ganham vasta experiência prática na assistência e educação nutricional a indivíduos sadios ou enfermos. 

Na área da nutrição a Clínica oferece dois tipos de suporte:

  • Grupos operativos: acontecem uma vez por semana de 11h às 12h, com duração de 40 minutos. Os acadêmicos de Nutrição trazem uma informação a respeito do assunto do grupo e os presentes têm a oportunidade de tirar dúvidas, compartilhar experiências do tratamento e pegar orientações gerais.
  • Atendimentos individuais: acontecem quatro vezes por semana: Quarta e sexta-feira de 9h até 11h. Quarta e Quinta-feira de 19h30 às 21h30. Atendimentos individuais dos acadêmicos com supervisão posterior ao atendimento. Duração de cerca de 50 minutos cada consulta. O paciente recebe no prazo de uma semana o plano alimentar individualizado na consulta de retorno.

Para entrar como aluno ouvinte durante os grupos operativos, os estudantes podem se inscrever a partir do primeiro período, já para o estágio área 1 e clínico são aceitos a partir do sétimo. Todo o atendimento realizado pelos estagiários é regulamentado pelo CFN (Conselho Federal de Nutrição).

Atendimento Psicologia:

Em todos os cursos de psicologia é obrigatório que se tenha uma clínica onde os alunos possam exercitar a prática do atendimento. A partir da metade do curso, eles começam a ter essa experiência na Clínica Integrada de Atenção à Saúde. 

A clínica oferece atendimento gratuito em várias modalidades da psicologia e vai crescendo em complexidade de acordo com o período em que o aluno está. 

 

  • Estágio inicial: Nele o aluno acolhe a pessoa que chega, faz a primeira entrevista, consulta o professor, e juntos eles discutem o caso e depois o aluno retorna ao paciente para dar algumas diretrizes e indicações.

 

  • Estágio avaliação psicológica: Nesse caso, alunos entrem o 9° e 10° período fazem psicoterapia individual, pegam um paciente e ficam com ele por um tempo, aproximadamente um ano e fazem uma análise aprofundada do seu problema. Por exemplo, uma criança que chega com dificuldade escolar e é necessário entender o que está causando este problema, um fator cognitivo, um fator pedagógico, um fator familiar, entre outros.

A clínica de psicologia atende crianças, adolescentes, adultos e idosos. Eles contam com muitas parcerias com hospitais, ministério público e empresas. A demanda sempre foi alta, e principalmente nesse momento de pandemia onde a saúde mental está muito fragilizada, a clínica tem sido muito procurada, todos os alunos estão atendendo, uma média de 300 consultas por mês.

Além de oferecer muitos serviços gratuitos ou de baixo custo de excelente qualidade, quem precisa de ajuda encontra filas de espera bem menores do que as do SUS ou clínicas particulares. Com a iniciativa da Clínica, a Una pensa não somente na boa formação de seus alunos como também na sociedade, ressaltando sempre seu lema de Transformar o país pela educação. 

A Clínica ajuda os alunos a colocarem em prática os ensinamentos obtidos em sala de aula, entender como funciona a dinâmica dos atendimentos e desenvolver habilidades essenciais do profissional do futuro, como por exemplo, saber negociar e tomar decisões, saber resolver problemas, ter inteligência emocional, ser criativo e o mais importante, saber liderar e gerir pessoas.

Para atendimentos em período de isolamento social entre em contato via WhatsApp nos números abaixo:

Nutrição: 9 9535-8711
Psicologia: 9 7137-1050

Os atendimentos das demais áreas estão condicionados ao retorno a presencialiadade.

 

*A matéria contou com a participação dos preceptores e coordenador das clínicas

Leticia Luiza, preceptora estética

Cintia Gomes, preceptora farmácia

Júnea Pires, preceptora nutrição

Alexandre Campos, coordenador da clínica de psicologia

 

Edição: Daniela Reis 

 

0 192

Projeto de extensão do Centro Universitário Una promove cuidados a paciente oncológicos

Por Italo Charles

“O projeto chegou em um momento que me trouxe iniciativa para fazer muitas coisas. A primeira vez que tive a videoconferência eu me senti reviver naquele dia, porque fazia muito tempo que eu não conversava com pessoas, nem por telefone eu tinha proximidade com ninguém”. 

Essas são algumas palavras de Ana Paula Rosa Soares Martins, 49, diagnosticada com adenocarcinoma e carcinoma invasor no ano de 2016. Ana Paula enfrentou muitas dificuldades durante o tratamento. Recém moradora de Belo Horizonte iniciou o tratamento e se sentiu sozinha por não ter conhecidos na cidade.

Em muitos casos, como o de Ana Paula, conviver com o câncer se torna um desafio. A falta de auxílio psicológico e apoio familiar geram desconfortos e podem ocasionar sofrimentos para além do câncer.

Ana Paula Rosa – paciente assistida pelo projeto

“O tratamento e todos os cuidados no hospital foram muito humanizados, mas no final eu saí sem nenhuma indicação do que fazer, não sabia se deveria procurar assistência psicológica. Estava sozinha, eu e Deus e tive que enfrentar, cheguei a ter depressão, não tinha forças para viver, não sabia o que fazer”, comenta Ana Paula.

Através de uma indicação, após quatro anos diagnosticada e em tratamento pós-câncer, Ana Paula conheceu o Projeto de extensão Atenção Estética no Câncer promovido pelo Centro Universitário Una.

“Com a pandemia, tudo ficou pior, há muito tempo eu não via e conversava com ninguém. Então recebi um link sobre o projeto, quando entrei fui muito bem recebida pelo grupo, tenho muito a agradecer”. Diante dessa oportunidade, Ana Paula se sentiu encorajada para voltar a viver.

Projeto Atenção Estética no Câncer

Idealizado pela Professora Paula Mota Vasconcelos, docente na graduação em saúde e pós graduação em estética nos cursos de Biomedicina, Enfermagem, Farmácia e Estética, do Centro Universitário, o projeto de extensão Atenção Estética no Câncer nasceu no segundo semestre de 2020 a partir da necessidade de promover cuidados a pacientes em remissão e tratamento oncológico.

Paula Mota, professora da Una e idealizadora do projeto

O projeto se dá por meio de uma abordagem estética integrativa nas áreas de estética e cosmética, odontologia, fisioterapia, biomedicina, enfermagem e nutrição, proporcionando aos pacientes uma dose de cuidados a fim de elevar a autoestima e suscitar os cuidados.

Para além de estimular cuidados estéticos com a saúde, o projeto Atenção Estética no Câncer encoraja e traz vida aos pacientes participantes através de acolhimento e orientações.

“O projeto promove atendimento em demandas que os médicos e hospitais não atendem. Nosso foco é diferenciado, não só estético, mas de saúde. Prestamos orientação odontológica, nutricional, de pele, cabelo, unha, serviço social, dúvidas dos pacientes”, comenta Paula Mota.

Ao longo do projeto é elaborado o formulário de triagem que consta a avaliação integrada, encontro por vídeo chamada com paciente, montagem de conduta integrativa e orientações ao paciente.

De acordo com a idealizadora do projeto, uma das maiores dificuldades foi desenvolver uma didática para o atendimento remoto que pudesse humanizar o acolhimento dos pacientes e ir além do câncer. “Trazê-los de volta à vida! Com vontade de viver e ficar com auto estima lá em cima”, afirma Paula. 

“Inspirador”, palavra usada pela estudante de Estética e Cosmética, Márcia Pereira Rodrigues, 21, para definir sua participação no projeto.

“Depois de cada encontro on-line, terminamos todos comemorando o quanto havíamos conseguido ajudar cada paciente. É como uma engrenagem, o dentista junto ao esteticista, ao biomédico e diversos outros profissionais da saúde com o único objetivo de contribuir com a melhora daqueles pacientes. Sem sombra de dúvidas, a prof. Paula Mota nos proporcionou uma experiência que vai muito além de horas complementares da faculdade, mas algo que mexeu com as nossas vidas e ampliou nossa perspectiva como profissionais. Eu sei disso porque mexeu comigo, me ensinou que a estética pode chegar a muitos lugares e que, de fato, juntos somos mais fortes! Tenho apenas gratidão por tudo o que tenho vivido e por essa oportunidade extraordinária”, comenta Márcia.

Márcia Pereira – aluna da Una e participante do projeto

 

*A matéria foi produzida sob a supervisão da jornalista Daniela Reis