Una

Por Keven Souza

Incentivar o desenvolvimento sustentável, proporcionar impacto social, prestar apoio à cooperativas de reciclagem e fábricas de filamentos, bem como fomentar a inovação e a criatividade por meio da indústria da impressão 3D. Esses foram alguns dos objetivos que nortearam os três estudantes das áreas de Gestão e Negócios da Cidade Universitária Una na criação da 3D Recycle, um software pensado em um futuro mais responsável, inteligente e digital. 

O projeto apresentado por Luiz Pontes, Renata Marinho e Viviane Corrêa, trouxe a junção de tecnologia com o desenvolvimento sustentável. Venceu, ainda, o hackathon (maratona de programação) que fomentava serviços ou produtos inovadores para o mercado, lançado no último Plugados no Mercado da Una. 

“A 3D Recycle foi pensada, inicialmente, para ser relacionada à fabricação de próteses feitas em impressoras 3D para pessoas com deficiência, mas acabou evoluindo para o que é hoje [programa de software]”, recorda o estudante de Sistema de Informação da Una, Luiz Pontes.

Luiz, Renata e Viviane na apresentação do projeto. Fonte: arquivo pessoal.

A 3D Recycle promove a inovação à medida que une reciclagem e impressão 3D, facilitando parcerias comerciais que favorecem para além das partes envolvidas. É o que explica a estudante de Análise e Desenvolvimento de Sistemas da Una, Renata Marinho. “O que mais o difere dos outros projetos apresentados é seu caráter inovador, não só no âmbito tecnológico, mas também na iniciativa social em se propor a resolver um dos maiores problemas da sociedade brasileira: a falta de reciclagem e a quantidade de lixo descartado que poderia ser reutilizado”, afirma.   

No mercado de trabalho o aplicativo funciona ligando cooperativas de reciclagens a fábricas de filamentos para impressoras 3D. Onde, fábricas poderão encontrar lotes de materiais reciclados fornecidos pela própria cooperativa de forma rápida e fácil. Como também, cooperativas poderão anunciar seus lotes de mercadoria e ampliar conexões seguindo a tendência phygital, que converge o mundo digital com o físico. E isso, favorece a produtividade industrial.

Projeto da interface do usuário no aplicativo ‘3D Recycle’. Fonte: arquivo pessoal.

Com o fim do hackathon, cada participante do grupo da 3D Recycle levou para casa uma Alexa, além de 50 horas de extensão. Para Viviane Corrêa, estudante de Sistema de Informação da Una, seu grupo ter ganho a disputa foi uma experiência enriquecedora. “Foi incrível e com certeza tem aberto outras portas! Toda a equipe é recém chegada no curso e poder estar imerso entre colegas de outros semestres, além de empresas parceiras, amplia muito nosso repertório e impulsiona a motivação para continuar na jornada”, comenta. 

O programa sairá da idealização e será testado com usuários reais já no próximo semestre, segundo a aluna. “Até o momento é apenas um projeto, a próxima etapa é a parte de validação com usuários para desenvolvê-lo de fato, onde a Una pretende incluí-lo em uma squad do business lab no próximo semestre. E toda a equipe acredita muito no potencial do aplicativo e pretendemos levar adiante”, ressalta a jovem de 18 anos.

Grupo ‘3D Recycle’ na entrega do prêmio final para os vencedores. Fonte: arquivo pessoal.

Plugados no Mercado da Una

Em sua primeira edição, o Plugados foi um evento que aconteceu em junho deste ano, focado em alunos de T.I e Gestão da Una. Ele tangibilizou as oportunidades de carreira e fortaleceu a empregabilidade, a partir da conexão entre estudantes e empresas do setor. 

Profissionais eminentes do mercado promoveram atividades, dinâmicas e ambientes de palestras, além do desafio de hackathon. Estiveram presentes também grandes empresas de Gestão e de Tecnologia da Informação, como Gama Academy, Sicoob Coopjus, ArcelorMittal e Take Blip, que fomentaram a troca de experiências. 

0 250

Nomeado de Bem Viver, programa atua com apoio e tratamento para a comunidade local de Belo Horizonte 

Por Keven Souza

O Centro Universitário Una, integrante da Ânima Educação, está, hoje, presente não só na formação de futuros profissionais do mercado como instituição de ensino superior, mas também na vida da comunidade local que vive na região centro-sul de Belo Horizonte, através do projeto Bem Viver. 

O programa, que faz parte da Cidade Universitária e da Clínica Integrada de Saúde da Una, tem prestado atendimento às pessoas com transtorno alimentar (TA) na cidade, na promoção de saúde e prevenção de doenças. “Não temos nenhum centro de referência que acolha esses pacientes e a população que tenha esse perfil em Belo Horizonte. A ajuda é de extrema importância, pois os transtornos alimentares podem afetar tanto a saúde física, mental e todo comportamento social do indivíduo”, explica a nutricionista e professora da Una, Denise Alves Perez.

O Bem Viver possui o objetivo de acolher, oferecer e promover a assistência gratuita, adequada e humanizada àqueles que passam ou passaram pela dificuldade dos transtornos alimentares, que são doenças psiquiátricas relacionadas a comportamentos persistentes que afetam negativamente várias áreas importantes da vida. 

Ele atua em diferentes frentes para ajudar indivíduos com o distúrbio. Durante todos os atendimentos, profissionais agem de forma interdisciplinar a observar a complexidade dos transtornos, tendo o cuidado devido de acordo com as necessidades do próprio paciente. 

O processo funciona a partir da examinação e solicitação de testes para realizar o diagnóstico e, então, encaminhar aos devidos profissionais. Logo após, psicólogos fazem consulta posteriormente ao diagnóstico. E os nutricionistas podem propor alterações de consumo, padrão e comportamentos alimentares, completando assim, a equipe básica para o tratamento efetivo de um transtorno alimentar.

Para participar da consulta,  interessados que necessitem de ajuda com qualquer tipo de transtorno alimentar, devem preencher o formulário de atendimento e aguardar o contato da Clínica Integrada de Saúde da Una. Venha fazer parte!

Ensino teórico-prático 

Em seu escopo, o Bem Viver fomenta, ainda, o interprofissionalismo e o ensino teórico-prático de quem está no centro de toda a Una: os alunos. “Eles são extremamente beneficiados, pois dentro do projeto temos encontros semanais, com palestra, debates, discussões sobre o tema, além dos atendimentos, deixando esses alunos cada vez mais capacitados a lidarem com esse público (pacientes com TA) que só vem crescendo na população”, comenta Denise. 

Os estudantes das áreas da Saúde, que envolvem os cursos de Biomedicina, Enfermagem, Estética, Nutrição, Fisioterapia, Farmácia, Odontologia, Pedagogia e Psicologia, são aqueles que, sob supervisão de uma equipe de preceptores clínicos com expertise nos serviços ofertados, atendem a comunidade local e, acima de tudo, colocam em prática teorias absorvidas em sala, construindo uma formação ávida. 

Clínica Integrada de Saúde CDU 

Localizada na Rua dos Aimorés, 1451, na região centro-sul da capital mineira – no Campus Una Aimorés, a clínica contará com infraestrutura de última geração para quem precisa de uma atenção especial ligada à saúde. Possui clínicas de Fisioterapia, Estética, Farmácia e Odontologia, além de consultórios de Psicologia, Nutrição e laboratórios de práticas interdisciplinares, com recepção para atendimentos da comunidade local.

Horário de funcionamento: de segunda a sexta-feira, das 8h às 21h, conforme a agenda disponível. 

 

Com lançamento para o segundo semestre de 2022, o curso de graduação é a nova aposta da Cidade Universitária 

 

Por Keven Souza

A Cidade Universitária da Una (CDU) – que inclui os campi Aimorés, Liberdade e João Pinheiro, acaba de lançar o curso superior de Engenharia de Software na capital mineira. É com a ideia de ampliar e transformar o país pela educação, que interessados na área passam a contar com a oferta, agora, na Una de BH, a partir do segundo semestre deste ano, com infraestrutura diferenciada e matriz curricular integrada. 

“O novo curso fortalece os pilares da Una, que são Empregabilidade e Empresabilidade, Acessos e Comodidade e Diversidade e Inclusão. Fortalece, ainda, o viés de Inovação e Hands-on (mão na massa) das Engenharias da Cidade Universitária Una”, enfatiza o coordenador das áreas de Engenharia CDU, Pedro Prates, sobre a chegada do curso de Engenharia de Software. 

Serão ofertadas vagas nos períodos manhã e noite, para os estudantes ingressantes, com eventuais migrações de turnos. Com a chegada deste novo curso, autorizado pelo Ministério da Educação (MEC), o campus da Una Aimorés passa a oferecer oito cursos na área de Engenharias, sendo eles Engenharia Química, Engenharia de Produção, Engenharia Civil, Engenharia Mecânica, Engenharia Elétrica, Engenharia da Computação, Engenharia de Controle e Automação.

O campus conta com uma ampla biblioteca, áreas de convivência, auditórios e laboratórios de informática. E para as Engenharias da CDU, possui laboratório temático ‘Engineering Lab’, parte do projeto Anima Hub. 

Mercado e diferenciais do curso

A Engenharia de Software é um segmento na área de Ciência da Computação que integra metodologias, processos e práticas de forma a otimizar o desenvolvimento de aplicações e programas (softwares), que estão em alta no mercado hoje em dia. É o que explica Pedro. “O profissional da área se diferencia do desenvolvedor pela necessidade de conhecer e trabalhar em conjunto com a área que projeta, mantém e opera o hardware onde os sistemas são executados. Dito isso, estude na Una CDU e explore o melhor que existe em você”, ressalta. 

Na Una, a Engenharia de Software parte de premissas inovadoras e disruptivas que o caracteriza como diferencial do que se tem, hoje, no mercado. O(a) estudante do novo curso irá desenvolver uma visão integrada do ciclo de vida dos softwares e soluções, atuando na arquitetura de ambientes que irão servir de base para outros profissionais de tecnologia realizarem seu trabalho, desde a fase de especificação e projeto, à diferentes processos de execução e testes. 

Além disso, contará com um currículo alinhado com as expectativas das empresas da área, bem como terá acesso a projetos de UCs Duais que são realizados em parcerias com grandes empresas do mercado e que trazem experiências do mundo do trabalho para a sala de aula e possuirá, ainda, o ensejo de realizar atividades de extensão focadas em problemas reais da sociedade. 

0 294

Poderão ser doados itens pets, como cobertores, roupas, colchões e outros, para animais em situação de rua 

Por Keven Souza

O Centro Universitário Una, por intermédio de seu curso de Medicina Veterinária, está lançando na próxima quinta-feira (26), a primeira edição da ‘Campanha do Agasalho Animal – Eles Também Sentem Frio’ em Belo Horizonte. O projeto iminente tem como objetivo atender às necessidades dos cães e gatos em situação de vulnerabilidade, principalmente no atual período do inverno.  

Belo Horizonte registrou ontem (19) temperatura mínima de 4,4ºC, a menor temperatura na cidade neste ano. O frio intenso, além de ser um incômodo para pessoas em situação de rua, também maltrata os animais. Dito isso, a campanha da Una se faz importante e necessária para o atual contexto da cidade.  “As temperaturas nos últimos dias têm caído de forma acelerada, trazendo um frio intenso para os animais de rua, onde os abrigos não existem e quando existem não atende a necessidade de mantê-los aquecidos. A queda da temperatura traz um quadro de hipotermia, podendo levar à morte desses animais”, declara a médica veterinária e professora da Una, Idelvânia dos Anjos Nonato. 

Serão arrecadados cobertores pets, caminhas, casinhas, roupas, tapetes, toalhas ou quaisquer itens,  tanto para cães quanto para gatos, que ajudem a espantar o frio dos pets. A doação será destinada aos animais de rua e ONGs que os acolhem, fazendo trabalho social deste viés. 

As doações poderão ser entregues na Una Campus Liberdade, durante todo o dia, enquanto durar a estação do inverno. Não fique de fora, participe e faça parte deste movimento que faz a diferença. 

 

Una Liberdade

Una Liberdade – Rua da Bahia, 1746 – Lourdes – Belo Horizonte

(31) 3235-7300

0 594

Estrutura beneficiará todo o entorno e terá a interdisciplinaridade como um de seus pilares

Por Keven Souza

O Centro Universitário Una, instituição que integra o Grupo Ânima Educação, vai inaugurar na próxima quarta-feira (18/05) uma estrutura completa para o atendimento e cuidado clínico em Belo Horizonte. A Clínica Integrada de Saúde Cidade Universitária Una (CDU) será um espaço dedicado à consulta de cunho social e, também, ao ensino teórico-prático de alunos, com oferta de um rol de procedimentos e serviços médicos gratuitos. 

Localizada na Rua dos Aimorés, 1451, na região centro-sul da capital mineira – no Campus Una Aimorés, a clínica contará com infraestrutura de última geração para quem precisa de uma atenção especial ligada à saúde. “A clínica oferece quase 1500 metros quadrados de estruturas de atendimento, preparo e manutenção. Ao todo são mais de 20 profissionais envolvidos e mais de 2000 atendimentos esperados para o semestre, que continuam com o mesmo padrão de qualidade, porém em um espaço totalmente novo e com a adição dos atendimentos de odontologia, um serviço novo na Una”, afirma Eric Liberato Gregório, nutricionista e coordenador de cursos da Una. 

A nova estrutura possui clínicas de fisioterapia, estética, farmácia e odontologia, além de consultórios de psicologia, nutrição e laboratórios de práticas interdisciplinares, que diversos cursos poderão usar. Todos estes espaços terão também recepção para atendimentos.

Clínica fisiterapia 

Clínica odontológica 

Espaço tricologia (Estética)

Laboratório de prática interdisciplinar (LPI) 

*as imagens foram desenvolvidas pelos alunos de Arquitetura e urbanismo da Una, Ashley Coimbra, Daniela Cristina e Gabriel Benzaquen, bem como Fábrica NAU. 

Já os serviços oferecidos, os principais são educação nutricional, acompanhamento farmacêutico e psicológico, grupos de apoio para algumas enfermidades – como transtornos alimentares, limpeza dentária, tratamento de cárie, substituição de restaurações inadequadas, entre outros diversos procedimentos. 

Os atendimentos são conduzidos pelos estudantes da instituição sob supervisão de uma equipe de preceptores clínicos com expertise nas áreas ofertadas. Será atendido toda a população local e para participar da consulta, os interessados podem se inscrever através do link: bit.ly/clinica_cdu. Feito o cadastro, é só aguardar o contato da clínica. 

O horário para tais consultas é de segunda a sexta-feira, das 8h às 21h, conforme o horário de funcionamento da clínica e a agenda disponível. 

Teorias e práticas alinhados 

Com a inauguração, a Clínica Integrada de Saúde CDU além de equipar Belo Horizonte com um espaço de referência, fomentará mais um modelo acadêmico exemplar para alunos da área da Saúde exercitarem seus conhecimentos obtidos em sala de aula na estrutura disponível.

Segundo Eric, essa é a premissa do novo espaço, interdisciplinaridade. “Termos uma clínica escola em funcionamento na Una significa um grande ganho. Aos alunos é uma excelente opção de realização de estágios ou projetos de extensão, com a estrutura e diferenciais acadêmicos da instituição”, diz. 

Além disso, é o ensejo para os estudantes atuarem com o atendimento de cunho social. É o que pontua Eric. “Para além de serem laboratórios de aulas, as clínicas proporcionam mudança na vida das pessoas, como pacientes e alunos aprendizes. E isso para a cidade é uma oportunidade de participação na saúde coletiva, super importante!”, conclui. 

 

Saiba mais sobre o espaço e um pequeno resumo dos serviços oferecidos pela Clínica Integrada no canal TV Una Fábrica:  https://www.youtube.com/watch?v=tvHBi5aI6zs 

No terceiro e último dia do Conecta, certezas foram reiteradas e a sensação de dever cumprido já se propaga com convicção.

 

Por Lucas Raquejo

Nesta quinta-feira (28), o Conecta deu início a mais um monte de atividades, divididos entre o período diurno e noturno. E, mais uma vez, vamos mostrar um evento que ocorreu às 9h30, horário de Brasília. Simultaneamente, ocorreram uma oficina inicial de Photoshop e uma palestra sobre os desafios de se construir o próprio escritório de arquitetura.

A palestra foi realizada por Danielle Taurinho, de 25 anos, formada em Arquitetura e Urbanismo na FUMEC (Fundação Mineira de Educação e Cultura) desde 2019. Para ela, a oportunidade de oferecer um conteúdo sobre as dificuldades do processo de estruturação da carreira de arquiteto é estender a mão que ela não teve antes: “Espero mostrar para quem está aqui como é viver a realidade do arquiteto”, diz.

De modo geral, a apresentação de Taurinho mostrou como se forma um arquiteto desde o “embrião”. Ela fez uma linha do tempo desde sua escolha pelo curso, perrengues e aventuras. E até uma recomendação: “Não estagiem em dois lugares simultaneamente. É uma correria descomunal”, afirma. 

No decorrer da parte onde ela mostrou o decorrer do fluxo de processo das atividades, foi dando várias dicas. Até que, pouco tempo depois, começou a detalhar todo o planejamento de um projeto realizado, desde a planta. Neste projeto, detalhou de forma bem dinâmica cada fator importante em que trabalhou e todos os possíveis declínios e imprevistos que podem ocorrer.

 

Forte presença feminina

Sobre o ambiente durante o evento, notei que todas as pessoas presentes eram mulheres, sem exceção. Aliás, nas três atividades apresentadas no último dia do Conecta, a presença de mulheres foi, de longe, muito superior à presença masculina. Isso, somado ao ambiente da minha turma onde me formei em Jornalismo em São Paulo, me levou a uma questão: elas dominam o mercado da comunicação e humanas de fato?

A resposta é: na escolha para a educação, sim; na prática de exercício, não. Um estudo do IBGE de 2019 e divulgado pelo portal Valor Econômico, do Grupo Globo, mostra que as mulheres possuem mais facilidade de ingressar nos estudos de nível superior, passando de 43,2% para 46,8%, mantendo uma média geral maior – 19,4% contra 15,1% dos homens.

E sim, o estudo prova que mulheres migram mais para a comunicação, humanas, estética e educação; enquanto homens são maioria nas áreas de contabilidade, TI e outras de exatas. Mas, na prática do exercício, as mulheres não ocupam muitos cargos de alto escalão, chegando em uma média de 10% apenas.

E, por falar em mulheres, entrevistei duas designers de interiores que participaram da apresentação de Danielle: Raquel Soares, de 41 anos e Adriana Melo, de 49 anos. Elas relataram sobre se há competitividade entre os profissionais do ramo e os de arquitetura. “Tem espaço para todo mundo. Alguns ficam com medo, mas outros sempre sobressaem. Então, não existe competição de espaço, pois podem até trabalhar juntos”, comenta. 

Adriana ressalta a ideia de que este ramo precisa de ousadia e coragem, independente do espaço que é projetado: “A caminhada não é fácil. O estagiário é contratado para fazer de tudo e, por vezes, não tem o apoio dos arquitetos, dificultando a vida do formando”, pontua.

Ao encerrar sua apresentação, Danielle se sentiu muito satisfeita e de objetivo cumprido: “Gostei da interação. Isso se reflete no interesse, pois as pessoas ainda estão se descobrindo dentro das escolhas que optam por fazer”. E, sobre os estágios simultâneos, ela reforçou a importância de ter jogo de cintura: “Quem quer ter seu próprio escritório, tem que aproveitar as oportunidades. Quando trabalhei sob essa condição, trabalhava virando a chavinha, como um robozinho”, conclui.

E o Conecta segue abalando as estruturas da Una. Como hoje é o último dia, à noite ainda tem muito mais atividades para encerrarem esta confraternização com chave de ouro.