Vídeo

O “Sempre um Papo” comemorou 25 anos e para festejar a data o jornalista Zeca Camargo foi convidado para mediar o evento que reuniu os escritores Fernando Morais, Frei Betto, Leonardo Boff, Ruy Castro, Heloísa Seixas, Luís Fernando Veríssimo, Zuenir Ventura. Confira a entrevista realizada pelo Contramão!

Por Bárbara de Andrade
Foto: Felipe Bueno
Vídeo: Bárbara de Andrade e Vanessa C.O.G.

O jornalista e escritor, Fernando Morais, esteve em Belo Horizonte para a comemoração dos 25 anos do projeto “Sempre um Papo”, e para lançar o seu novo livro “Os últimos soldados da Guerra Fria” que relata o trabalho de cinco agentes de inteligência dos Estados Unidos infiltrados em organizações contrárias à ditadura de Fidel Castro. Nesta entrevista, Fernando Morais defende que a forma mais efetiva de ampliar o público leitor, é o Brasil investir mais em Educação. Confira!

Por Felipe Bueno

Foto: Bárbara de Andrade

Vídeo: Vanessa Gomes

Para comemorar os 25 anos do sempre um papo, o idealizador do projeto Afonso Borges reuniu na noite de segunda-feira os escritores Fernando Morais, Frei Betto, Leonardo Boff, Ruy Castro e Heloísa Seixas, que lançaram respectivamente as obras “Os últimos soldados da Guerra Fria”, “Minas do ouro”, “Cuidar da Terra, Salvar a Vida: Como Evitar o Fim do Mundo”, “Terramarear – Peripécias de dois Turista Cultural”. Também participaram do bate-papo Luís Fernando Veríssimo, Zuenir Ventura e o jornalista Zeca Camargo, que mediou o evento.

Centenas de pessoas, dentre estudantes e professores estavam presentes no Palácio das Artes para acompanhar o sempre um papo.

Pioneiro

O escritor Frei Betto foi o primeiro a participar do “Sempre um Papo” em setembro de 1986. “Tenho a honra de ter sido o primeiro escritor a participar do projeto e estou feliz de 25 anos depois participar desta cerimônia”. O escritor destaca que o diferencial do sempre um papo é propiciar a interação entre leitores e autores. “A noite de autógrafos é precedida de uma conversa em que o escritor fala da sua obra e em seguida responde a perguntas do público/leitor. O leitor tem oportunidade de colocar suas duvidas, inquietações e curiosidades em relação ao escritor e a obra que está sendo lançada”, explica Frei Betto.

Frei Betto
Frei Betto durante entrevista ao Jornal Contramão

Confira no vídeo a entrevista com Luís Fernando Verissimo:

Ao final do bate-papo, os autores distribuíram autógrafos e tiraram fotos com o público.

Grevistas marcam presença no Sempre um papo

O projeto “Sempre um papo” é um instrumento de reflexão do conhecimento a partir do diálogo entre a obra, os escritores e os leitores. Enquanto o jornalista e escritor, Fernando Morais, discursava a respeito de uma formação escolar melhor, com escolas mais inclusivas. “Para o Sempre um papo fazer bodas de ouro com o dobro de pessoas na platéia, o governo tem que investir na educação pública”, os professores da rede estadual de levantaram e começaram a bater palmas, seguidos de gritos de protesto: “A greve continua! Anastasia a culpa é sua!”. Os professores que estão em greve, há mais de três meses reivindicam o pagamento do piso nacional, acabando com a política de subsídio implantada pelo Governo do Estado. Ao final do evento, os professores distribuíram panfletos para o público.


Público do Sempre um papo se manifestando contra a greve dos professores estaduais
Público do Sempre um papo se manifestando contra a greve dos professores estaduais

Por: Bárbara de Andrade e Felipe Bueno

Fotos: Felipe Bueno Vídeo: Duda Gonzalez, Vanessa Gomes e Vinicius Calijorne

As obras de reivintalização da Praça da Savassi têm sido vistas por muitos como transtorno absoluto, mas a expectativa de término das obras é grande. Para muitos, o resultado vai ser muito bom.

Assista ao vídeo:

As obras começaram em março deste ano e fazem parte do Programa Centro Vivo, que visa a recuperação de áreas da região central de Belo Horizonte. Do Programa, estão em andamento os projetos de requalificação da região do entorno do Mercado Central e a revitalização da avenida Amazonas, no trecho entre o Boulevard Arrudas e a rua Espírito Santo.

Os investimentos previstos são superiores a R$ 8 milhões. As obras da praça Raul Soares, escolhidas pela população no Orçamento Participativo Digital, estão adiantadas. Diversas áreas da cidade já foram revitalizadas, como trechos das ruas Rio de Janeiro e Caetés e as praças Sete e da Estação. Também integrou o programa o remanejamento dos trabalhadores informais para os shoppings populares.

Requalificação

Segundo a Prefeitura de Belo Horizonte, a requalificação da Praça da Savassi é uma antiga reivindicação dos comerciantes e moradores da região e tem como objetivo resgatar a unidade visual da praça e melhorar a qualidade das calçadas.

Ainda de acordo com a Prefeitura, o empreendimento prevê o alargamento e elevação das travessias, novo desenho de piso no cruzamento,  extensão da praça nos calçadões e colocação de quatro fontes idênticas nas quatro pontas centrais da praça.

Abaixo a simulação do término das obras:

simulacaovisaoquarteirao

As medidas adotadas pela Prefeitura para amenizar os impactos para a população foram: a obra está sendo feita de forma que garanta o acesso ao comércio, trânsito local para acesso às garagens e passagem de pedestres. “Tudo devidamente discutido e analisado com a comunidade local, como é praxe da Prefeitura de Belo Horizonte de 1993 até os dias atuais”, garante Fabiana Rabelo, da Gerência de Comunicação e Mobilização Social.

“Além disso, a administração municipal tem uma equipe especialmente dedicada ao bom andamento das obras na Savassi. Com um número de telefone à disposição (3277.8139) e um e-mail obras@pbh.gov.br para receber críticas ou sugestões”, informa Fabiana Rabelo.

A PBH defende, por meio da Gerência de Comunicação e Mobilização Social, que as obras agregam em ganhos financeiros e culturais para a cidade. “Após a requalificação, o local terá valorizado a diversidade de suas atividades e se consolidado como um espaço para encontro de todos”, explica Rabelo.

Passagem para pedestres
Passagem para pedestres

Mais informações sobre o Programa Centro Vivo, acesse o site:

https://portalpbh.pbh.gov.br

Os comerciantes não estão satisfeitos

Na manhã do dia 4 de agosto, entre 11h e meio-dia, os comerciantes próximos ao local das obras da Savassi fecharam as portas e, juntamente, com o Sindilojas-BH, fizeram uma manifestação para protestar contra a lentidão das obras. Houve discurso sobre trio elétrico, charanga e distribuição de panfletos para os pedestres.

De acordo com Fabiana Rabelo, a Secretária de obras reitera que a obra está dentro do cronograma e segue rigorosamente todas as normas técnicas relativas a um empreendimento dentro da área urbana.

A previsão de término das obras é março de 2012.

Por: Bárbara de Andrade

Fotos: Felipe Bueno

Edição e Imagens: Vanessa COG

A escola Jardim Azul do Imaculada recebeu a equipe da BHtrans com a campanha “Criança a bordo. E segurança também”, que aborda a lei sobre a obrigatoriedade do uso da cadeirinha para crianças menores de 4 anos. Os pais dos alunos foram abordados na porta da escola e alertados sobre a importância do uso do equipamento de segurança. Os motoristas recebem folhetos que explicam a importância do uso da cadeirinha, dicas de segurança e informações importantes como:

“Quando freamos bruscamente, o corpo continua na velocidade do carro. Bater contra uma árvore a 40Km/h tem praticamente o mesmo impacto de cair do 4º andar de um prédio. “

“Por ser mais frágil, a criança sofre as conseqüências de um acidente com mais intensidade, por tanto com maior gravidade.”

“O local mais seguro dentro de um veiculo é o centro do banco traseiro.”

imagem-020BHtrans distribuiu informativos com a lei

Segundo a supervisora da Educação na BHtrans, Rejane Calazans, os pais estão sendo receptivos a nova lei e reconhecem a importância do uso do cadeira. “Logo que a minha filha nasceu eu comprei a cadeirinha e acho super importante essa iniciativa da BHtrans, pois passa mais segurança para os pais.” Conta Valeria Byrro.

imagem-0142Animadores alertavam as crianças e distribuíam balões

João Marcelo Siqueira e Raphael Jota
Imagens e fotos: João Marcelo Siqueira
Edição: Marcus Ramos
Locução: Raphael Jota

Jornalista e político Sebastião Nery, laçou a 2ª edição do livro: ‘A Nuvem, o Que Ficou do Que Passou’ – 50 anos de história vivenciados pelo autor. Em entrevista para o  Contramão o Jornalista conta como foi o processo de criação do livro,  fala sobre as novas tecnologias e a censura nos tempos da Ditadura.


Jornal Contramão – Como foi o processo de construção do livro “A NUVEM”?

Sebastião Nery – Foi um processo que se complicou, exatamente pela história do livro. A documentação que eu tinha, ficou muita parte pra trás, em 1954 fui candidato a vereador aqui em Belo Horizonte e fui preso, entraram na minha casa e levaram meus documentos. Vou para Bahia, e vem o golpe de 61, a renúncia do Jânio, fui preso de novo, entraram na minha casa, carregaram todos os meus papéis. Chega o golpe de 64, aí devastou: pararam um caminhão e carregaram todo o meu apartamento, até o papel higiênico, sabonete phebo, tudo. Tinha um Guingnard, com uma dedicatória para mim, tinha um Vicente de Abreu, presentes de meus amigos, pinturas, carregaram tudo. Quando eu fui escrever o livro é que eu percebi que havia perdido uma documentação grande. Foi quando eu u tentei recuperar.

Passei algumas tardes aqui na biblioteca na Praça da Liberdade, pegando a documentação do tempo que eu morei aqui em Minas. Mas o problema é que eu morei na Bahia, e que morei em São Paulo, morei no Rio, e também que morei em Portugal, na Espanha, em Paris, na Itália, em Moscou (…) E como a vida era muito ampla e a documentação que eu tinha era pequena, fui e recuperando aos poucos, e quando consegui e trabalhei nisso em seis meses. Sentei e escrevi o livro assim em seis meses. Consegui uma boa documentação. Outra coisa é o tempo. Muitos amigos mortos, muitas testemunhas mortas e então eu procurava pessoas que não encontrava mais. Mas o livro pegou. E eu acho que eu consegui documentar e contar a história de 1950 até 2000 numa grande documentação histórica e fatos concretos.

Jornal Contramão – Como você avalia o jornalismo de hoje com o jornalismo de antes, quando começou a exercer a profissão?

Sebastião Nery – O jornalismo muda como o país mudou. Antes nós tínhamos um país que era antes de Juscelino um país rural e comercial. E então a imprensa era uma imprensa partidária, cada partido tinha seu jornal. Depois você tem uma imprensa empresa: os jornais pertencem a grupos econômicos que em geral quase todos pertencem aos selos bancos. A imprensa não é mais aquela imprensa: nem a imprensa partidária de antes nem também uma imprensa ideológica. Hoje é uma imprensa financeira. É uma imprensa que defende os projetos econômicos dos grupos que a sustentam. Então você não pode ter mais Carlos Lacerda. Por que você não tem Carlos Lacerda? Porque Carlos Lacerda tinha projeto política da UDN. Hoje não há nenhum jornal que tenha um projeto político. O projeto político do jornal ou é o projeto do atual governo ou contra este governo. Foi isso que mudou. A imprensa deixou de ser imprensa pra ser empresa.

Tem umas vantagens que tecnologicamente ela melhorou, ela tem mais condições, chega mais ao povo, mas por outro lado, ela não é opinativa. Ela é muito menos opinativa do que já foi. E isso faz com que ela comece a perder a briga com a internet, porque a internet é para dar notícia seca, a internet é para dar a notícia com, como ela diz, em tempo real, mas o jornal tem que discutir o jornal que tem que dar opinião, tem que debater. Se o jornal quiser pensar e fazer no dia seguinte o que a internet fez na véspera morrem todos. Então os jornais têm que opinar, discutir o país, participar. Senão, agrava-se o que já está acontecendo. É que você chega em casa a noite, você entra na internet e lê a primeira página do Globo, e lê a primeira página do Estado de Minas, e lê a primeira página do Correio Brasiliense e você fica sabendo a noticia. Quando chega no outro dia o jornal está dizendo a mesma coisa aí não adianta comprar o jornal. Por isso que eles, a Folha vendia um milhão de exemplares e também o Jornal do Brasil e também o Globo e o Dia, vendiam um milhão de exemplares no Rio de Janeiro no fim de semana. Hoje nenhum deles vende mais que 300 mil no fim de semana, de sábado pra domingo. Por quê? Porque as pessoas já viram no jornal na internet as notícias. Então é preciso que o jornal seja um instrumento de debate, de opinião, senão vai apanhar muito da internet. E a juventude que maneja a internet vai a cada dia lendo menos jornal. Porque ela acha “Pô já tenho aqui na internet pra que eu vou comprar o jornal na banca ou assinar o jornal ou ler o jornal?”

Jornal Contramão – A censura que existia naquele tempo, ainda existe?

Sebastião Nery – A censura da ditadura era muito bruta porque censurava às vezes a própria noticia. Mas hoje não há uma censura nos jornais. Os jornais se alinharam demais. Ou o governo ou a oposição. Então o que eu acho hoje é que os jornais estão excessivamente dependentes do grupo financeiro ao qual eles pertencem. Então no Rio de Janeiro hoje nós temos uma coisa grave, aquilo que o ex-prefeito César Maia chama de o pensamento único do Rio de Janeiro. Você tem no Rio de Janeiro a TV Globo, e você têm a rádio Globo e depois você tem O Globo e depois você tem o Extra depois você tem o Super… Então, a Globo tem seis, sete canais de comunicação e todos são dela. E não teve ninguém pra contestar que o Dia morreu, ta com 50 mil exemplares, quando já teve um milhão e o Jornal do Brasil morreu, ta na UTI. Então você tem uma cidade como o Rio de Janeiro que é capital, cultural, num sei o quê, a capital política do país hoje é totalmente dependente do pensamento Globo. Quando o Roberto Marinho estava vivo, eu, por exemplo, que trabalhei na TV Globo seis anos, sete anos, eu sabia o que o Roberto Marinho pensava. Mas eu não sei se os filhos do Roberto Marinho pensam alguma coisa, não sei o que pensam, e eles têm o comando das empresas dele e tal. Isso é muito ruim. Porque a cidade, o país, fica dependente de um grupo empresarial que é excessivamente monopolista. Aí falam: “ah porque o Chavez” o Chavez é uma menina de primeira comunhão diante da TV Globo. O controle da televisão que a Globo faz, bem, num é controle, a supremacia, o domínio, ver o império que é a Globo é muito maior do que a televisão do Chavez lá na Venezuela. Isso é claro que ela não impede os outros jornais, mas ela é tão poderosa que acaba dominando e isso é ruim pra imprensa. Por isso que tem que discutir… não isso que o governo propôs que eu acho totalmente errado, é preciso analisar o que os jornais tem. Nada disso! O Globo tem que escrever o que quiser. Mas os outros grupos também têm que participar do processo. E ter seus jornais, suas rádios, para daí discutir. Não é porque você chega à França, tem um grande jornal, que é um jornal que apóia o governo, mas tem mais oito jornais. Aí você faz a discussão, o que não pode é um só.

Jornal Contramão – O que você espera hoje com o relançamento do livro “A Nuvem”?

Sebastião Nery – Eu não tenho nenhum medo da concorrência da internet em cima do livro. Claro que tem uma vantagem; as editoras e os autores vão ter que fazer cada vez mais livros que a juventude leia porque aquela linguagem excessivamente acadêmica, excessivamente técnica, afasta milhões e milhões de leitores que se acostumam a ler na internet mais superficialmente. Então o livro tem que disputar aí. As pessoas têm que perceber o que o livro é além da notícia. Então esse livro que ta aqui conta uma história, tem 50 anos de história, então se você for botar isso na internet tem que botar muito. Mas é preciso que as editoras façam livros assim como esse e é preciso que a internet não se banalize demais para não ficar tão banal e medíocre que prejudique a formação da juventude. Você não pode encher a internet de Big Brother. Uma besteira atrás da outra, não pode isso também, porque isso é um crime cometido contra o futuro do país.

Colunista político histórico da “Tribuna da Imprensa”, republicado em outros 25 jornais do País, Nery é autor do best-seller “Folclore Político”, que marcou a literatura política nos anos 70, “Socialismo com liberdade” (1974), “16 derrotas que abalaram o Brasil” (1974), “Crime e castigo da divida externa” (1985), “A história da vitória: porque Collor ganhou” (1990), “A eleição da reeleição” (1999) e “Grandes pecados da imprensa” (2000). Em 2002, reuniu 1.950 histórias numa edição definitiva do “Folclore Político”.

imagem-188


Por: Ana Paula Sandim e  Débora Gomes
Foto e vídeo: Ana Paula Sandim