Enfermeiros pedem sua valorização no mercado de trabalho

Enfermeiros pedem sua valorização no mercado de trabalho

0 204

Por Bruna Valentim

Foi comemorado no último dia 12, o dia nacional do enfermeiro. Ofício que sempre esteve presente em nosso cotidiano porém, não é valorizado como deveria. Seja trabalhando em hospitais ou postos de saúde esses profissionais passam por altos e baixos, mas são sempre guiados pelo amor à enfermagem e ao cuidar.

A enfermeira Simone Bernardes, 41, sempre gostou de cuidar dos animais e de pessoas. Por um tempo se viu dividida entre optar pelo caminho da veterinária ou da enfermagem, quando sua mãe lhe aconselhou dizendo que deveria direcionar este desejo de cuidar às pessoas, que seria muito mais gratificante. Com a decisão tomada e com o apoio da família cursou a faculdade de enfermagem pela Pontifícia Universidade Católica, e exerce a profissão há 18 anos, trabalhando há 9 na Atenção Básica da Prefeitura de Contagem.

Inserida em ambientes hospitalares há quase duas décadas em ambientes hospitalares, Bernardes diz que sempre foi feliz em seu exercício, mas recorda de um triste episódio no início de sua carreira ocorrido 12 anos atrás “ Certa vez acompanhei uma paciente do posto de saúde até o hospital em que seu marido estava internado, pois ela estava muito abalada emocionalmente. Enquanto fazia a visita, ele teve uma parada cardíaca e faleceu naquele momento e eu acabei dando a notícia para a paciente, apoiando-a e ligando para o restante da família. Foi algo que me marcou muito” lamenta a enfermeira.

Ela diz que apesar das alegrias que a enfermagem lhe proporciona, nem tudo são flores já que a pressão em torno da profissão é alta e um erro pode ser fatal “A área da saúde deveria receber dos mais altos salários. Lidar com vidas, isso não tem preço, um erro, não tem volta. A grande maioria dos profissionais da enfermagem sofre de algum problema de saúde relativo ao estresse, sobrecarga de trabalho, assédio moral, etc… Administramos medicamento errado e matamos um paciente, deixamos sequelas irreparáveis…Se formos processados nem temos dinheiro para pagar a indenização, já o salário dos médicos é bem diferente” conta relatando a diferença no salário do profissional de medicina, uma profissão que de acordo com ela não se compara com a enfermagem. Bernardes classifica que são diferentes como sal e açúcar, embora sempre caminhem de mãos dadas. Segundo a profissional a dica para quem está começando, apesar dos contratempos, é não desanimar “Aos colegas recém formados, digo sempre que sejam bem vindos e que precisamos de gente dedicada e humana acima de tudo. A academia forma, mas é a vida que ensina. Tenham humildade para reconhecer que não sabe, para aprender com os mais experientes” finaliza.

Os conselhos de Bernardes, serão benéficos para Bruno Santos, 20, estudante do segundo ano do curso de enfermagem pela Newton Paiva. Apesar das dificuldades no semestre, o mesmo alega estar satisfeito com o curso “A princípio o que me fez cursar a profissão foi o meu amor pelo ambiente hospitalar e o cuidado às pessoas”. O estudante conta que as coisas saíram um pouco diferente do planejado “Ainda não está cumprindo minhas expectativas. porque eu pensava que nesse momento já teríamos mais atividades práticas e até o momento basicamente só temos teoria”. Pelo fato de ser um homem em meio predominantemente feminino, Santos diz que o machismo sempre existe e já ouviu comentários jocosos, mas nada que chegasse a afetá-lo de maneira pessoal. Sobre a valorização no meio profissional o jovem relata que não chegou a pensar sobre isso, mas é otimista ao dizer que a profissão precisa ser valorizada.

A técnica de enfermagem Vanilda Silva, 61 anos, é aposentada há três,  já vivenciou muitas angústias e alegrias similares as de Simone e Bruno, nos 30 anos que passou apaixonada e dedicada ao ofício. Mas admite que é uma profissão tão árdua quanto gratificante, embora o salário não seja tão bom. “Sempre gostei de cuidar, do processo de ajudar na cura de um paciente, ver a evolução de seu tratamento”. Silva conta que foi muito feliz em todos os seus anos praticando enfermagem e que sempre lembra saudosa os velhos tempos. “Trabalhei em várias áreas, com cirurgia, na central de esterilização e no serviço de urgência. Cada lugar foi um acréscimo ao meu crescimento pessoal e profissional, me fez sentir grande ao cuidar das pessoas, ver as pessoas ficando saudáveis. O que eu digo para todos que estão começando, que estão nessa profissão é para se prepararem pois na enfermagem por vezes você precisa ser um amigo do paciente, um confidente, mas acima de tudo você precisa amar a profissão” finaliza a aposentada.

 

SIMILAR ARTICLES

NO COMMENTS

Deixe uma resposta