Morre João Das Neves, protagonista da dramaturgia brasileira

Morre João Das Neves, protagonista da dramaturgia brasileira

0 41

 

Por: Patrick Ferreira

Foto/reprodução: Guto Muniz

O dramaturgo João das Neves, fundador do Grupo Opinião, faleceu em sua casa, na cidade de Lagoa Santa, Região Metropolitana de Belo Horizonte, nesta sexta-feira, aos 84 anos. O seu nome era simples e curto, mas a sua carreira foi longa e profícua, elevando o nome do teatro brasileiro. A sua biografia foi construída a partir de histórias de luta e resistência política.

O artista deixou duas filhas, Maria Íris, de 17 anos, fruto do relacionamento com a cantora Titane, e Maria João, de 29 anos, do relacionamento com sua ex-esposa. A morte foi causada por uma metástase óssea.

João dedicou mais de 60 anos às artes cênicas, foi um dos principais agitadores do teatro brasileiro. Participou dos Centros Populares de Cultura (CPC), foi fundador do grupo Opinião ao lado de nomes como Ferreira Goulart e Vianinha. Ele foi também diretor, iluminador, cenógrafo e ator. Realizou obras de impacto no período da ditadura militar como “A Saída, onde é a saída? ”, de 1967, e “O último carro”, de 1976. Outra obra significativa foi “Mural Mulher”, de 1979, que trazia questões como igualdade de gênero, lutas sociais e questões LGBT, isso durante o período ditatorial.

O dramaturgo também produziu obras voltadas ao público infantil como “O leiteiro e a menina noite”, de 1970, que trouxe o racismo como uma das temáticas. Inovou ao inverter a plateia no espetáculo “O Último Carro”. O público assistia do centro do teatro, enquanto os atores encenavam em torno deles. O espetáculo foi assistido por mais de 200 mil pessoas e foi um dos mais premiados de sua carreira.

João se mudou para Rio Branco, no Acre, nos anos 1980, lugar onde encontrou novas inspirações para o seu trabalho. O contato com os índios Kaxinawá lhe rendeu uma outra visão de Brasil, em contraponto à que tinha da região sudeste do país. No início da década de 1990, o diretor decidiu viver em Minas Gerais, com sua esposa Titane. Em parceria com ela, dirigiu shows e projetos musicais, sempre ligados à cultura afro-brasileira como “Zumbi”, de Augusto Boal e Gianfrancesco Guarnieri, em 2012, e Madame Satã, de 2015, em parceria com Rodrigo Jerônimo. A montagem “Tributo a Chico Mendes”, em que ele narrou conflitos entre índios, latifundiários e governo, foi um grande êxito de sua carreira.

Em nota emitida à imprensa, a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte e a Fundação Clóvis Salgado lamentam a morte do dramaturgo:

Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte: “João das Neves não nos deixou. Tornou-se uma estrela no céu que continua a nos iluminar. Cada um de nós carrega um pouco do que com ele aprendeu. Todos nós sabemos o quanto a cultura brasileira lhe deve de inspiração, exemplo de dedicação à arte e de compromisso com o outro. Podemos dizer que Minas Gerais é uma terra privilegiada por ter sido escolhida por João das Neves. Depois de tanto percorrer o Brasil, foi aqui que ele viveu seus últimos anos, uma vida de incansável dedicação à arte, especialmente ao teatro, tomado como uma arma de luta e com tanta brasilidade. Descanse em paz, João, a marca que por aqui você deixou por aqui nunca se apagará. Hoje, você somos nós. “

Fundação Clóvis Salgado“Para o teatro, sua contribuição é imensurável, além de representar um novo fazer artístico, nos ajudando a ver o teatro como uma ferramenta de resistência, valorização e ressignificação da arte. ”

Através do Facebook, políticos, artistas, produtores culturais e jornalistas de Belo Horizonte deram um último adeus a artista e amigo João das Neves, uma referência dentro de fora do teatro:

Márcia Maria Cruz (Jornalista): “Conversei com João das Neves há pouquíssimo tempo sobre o livro de poesia que escreveu “Diálogo com Emily Dickinson”. Foi a primeira vez que o entrevistei e lembro que, no dia, fiquei bem feliz por ter falado com ele. Mais do que extremamente culto, ele é uma alma delicada. Daquelas que tranquilizam a gente. Que faça uma boa passagem! ”

Nilmário Miranda (Candidato a deputado federal por Minas Gerais pelo PT): “Um dia triste para as artes e principalmente o teatro brasileiro. Parte João das Neves. Dramaturgo, ator, ativista, mil coisas que nos emocionaram e ainda vão emocionar muito mais. Engajado, lutou contra a ditadura, em várias frentes. Entre elas os Centros Populares de Cultura (CPC) e o Grupo Opinião. Fará muita falta nestes tempos em que temos de lutar novamente contra um golpe. Fica o desejo de muita força aos familiares e amigos. Seguimos na luta por aqui João, sua obra fica. ”

Carlandréia Ribeiro (atriz e produtora): “João das Neves, gratidão por tudo. Pelos ensinamentos, pela coragem amorosa e coerente com que viveu seus 84 anos nesse mundo. Sua passagem por aqui deixa um rastro de luz a ser seguido.

A história de um homem-artista-criador que como poucos soube que a arte é muito mais que firulas e arrebatamentos do ego. João das Neves, sim, fez do teatro espada e caminho para a gente compreender e lutar para mudar o mundo. ”

Áurea Carolina (Candidata a deputada federal por Minas Gerais pelo PSOL)“João das Neves transcendeu. Agora são as estrelas que fazem companhia ao mestre! João das Neves, presente! ❤”

Cida Falabella (vereadora de Belo Horizonte — PSOL)“O mestre dos mestres do teatro brasileiro se encantou hoje. João das Neves. Com ele aprendemos mais do que Arte: aprendemos luta, generosidade, parceria, bem viver. Aprendemos o país que desejamos. Aprendemos uma forma de amor que transforma, persiste e afeta. Te amamos. Vamos honrar seu legado, sua memória, sua paixão pelo teatro. Voa, João!”

Afonso Borges (escritor e produtor cultural): “Plagiando Drummond, “Morreram João das Neves”. O mais completo homem de teatro do Brasil: ator, diretor, ator, cenógrafo, figurinista, iluminador. Morreram com João das Neves uma mentalidade de dramaturgia. Ficou a lembrança de um artista completo, integrado ao mundo contemporâneo e suas adversidades. À querida Titane, sua companheira de tantos anos, meu abraço de urso, demorado, calmo, solidário. Que ele descanse em paz e para onde for, e estiver, promova esta renovação à revelia, como fez com todos nós. A.”

Marcelo Veronez (cantor)“Falávamos de João esses dias pra trás. Sobre a sua fragilidade e imensa força e o quanto ele merecia todas as homenagens possíveis, ainda em vida. João, obrigado. ”

Cícero Miranda (Artista Visual, Cenógrafo e Figurinista)“Adeus João das Neves! Em minhas lembranças sua forma firme e generosa ao dirigir os espetáculo Madame Satã… Só gratidão!”

Joy A Ti (jornalista e crítica de teatro)“Um salve para a grandiosidade desse homem! “

Marcelo Bones (diretor de arte)“João das Neves. Sexta feira triste. Foi-se um GUERREIRO. O teatro e a cidadania devem muito a ele. “

NO COMMENTS

Deixe uma resposta